Dissolução da união entre Noruega e Suécia em 1905

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Postal comemorativo no qual se pode ler "Sim, nós amamos este país", atual hino nacional da Noruega.

É conhecida como dissolução da união entre a Noruega e a Suécia, o processo político que, durante o ano de 1905, levou à separação definitiva entre os estados da Noruega e da Suécia, e, conseqüentemente, a transformação da Noruega, em um Estado absolutamente soberano. Este processo foi definido quando o Parlamento norueguês dissolveu a união entre os dois países sob a Casa de Bernadotte, após vários meses de tensão, bem como a existência de um fundado receio de possível confronto militar entre os dois países escandinavos vizinhos. Antes da dissolução parlamentar, negociações ocorreram entre os dois governos, o que levou a Suécia (o Estado que liderava os poderes soberanos dos dois países até o momento, deixando assim a Noruega, em certa medida vista como um estado dependente) a reconhecer a Noruega como uma monarquia constitucional independente, que ocorreu em 26 de Outubro do mesmo ano. Por essa declaração, nesse momento, o rei sueco Óscar II renuncia à sua pretensão ao trono norueguês sob a união pessoal dos reinos unidos, efetivamente dissolvendo o Reino da Suécia e Noruega, que até então operava desde 1814. O evento foi rapidamente seguido pela ascensão ao trono da Noruega em 18 de novembro de 1905 do príncipe Carlos da Dinamarca, que tomou o nome de Haakon VII.[1]

Referências