Casa Real

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde setembro de 2010). Ajude e colabore com a tradução.

Casa Real é expressão de múltiplo sentido que tanto se refere ao local físico onde se aloja o rei, o seu palácio ou paço, como à realeza ou família real reinante de uma dinastia, nomeadamente à família real portuguesa durante a monarquia, ainda, a todo um conjunto de funcionários (servidores do rei e da sua família mais directa) que participavam na administração e funcionamento da referida Casa[1] .

Enquanto família é geralmente representada pelos membros, seniores e juniores, de uma família ou cadetes sucursais, que são vagamente relacionados, mas não necessariamente do mesmo parentesco. Contrariamente à maioria das ocidentais, muitas das famílias reais do mundo não têm nomes familiares, e aqueles que tenham adoptado, raramente utilizam. Por sua vez, eles referem os seus títulos, muitas vezes relacionados com uma área excluída ou deliberada/escolhida pela família. O nome de uma Casa Real não é um apelido, é apenas uma maneira conveniente de identificação dinástica dos indivíduos.

Devido aos casamentos entre famílias reais e à criação de cadetes sucursais, uma casa real geralmente não corresponde inteiramente a uma família imediata ou local; membros da mesma casa em diferentes ramos podem declarar inteiramente diferentes países e ser apenas vagamente relacionados, a família pode se ter originado inteiramente noutro lugar. A dinastia Capetiana (que inclui qualquer descendente directo de Hugo Capeto da França) é o mais antigo dirigente da continuidade dinástica na Europa - originada em 987 e presente nas actuais casas dirigentes em Espanha e no Luxemburgo.

A Casa de Wettin, outro exemplo, tem origem na Alemanha como uma comital família. Hoje em dia, já não possui qualquer estatuto na Alemanha, mas diferentes ramos sentaram-se em vários tronos, incluindo o do Reino Unido e do domínio Commonwealth, bem como na Bélgica. Antigos monarcas de Portugal e da Bulgária também pertenciam a esta casa, mas eles não eram especial e estreitamente relacionados com as citadas linhas, como eles descendem de vários ramos, alguns deles distintos por muitas gerações.

Até recentemente, a realeza não tinha apelidos, e eram conhecidos apenas pelos seus títulos, ou pelas suas denominações cristãs, seguido do nome da casa, feudo, Estado ou país a que pertenciam.

Os nomes das casas reais na Europa foram geralmente extraídos do pai; nos casos em que uma rainha regente se casasse com um príncipe de outra casa, os seus filhos (e, portanto, posterior monarcas) pertenciam à sua casa. Assim, a rainha Vitória do Reino Unido pertencia à Casa de Hanôver, mas a sua linhagem descendente masculina pertencia à casa do seu marido Alberto, que era a de Saxe-Coburgo-Gota. O nome foi alterado para Casa de Windsor, em 1917. Contudo, esta regra tinha várias excepções noutros países: após o casamento da imperatriz Maria Teresa de Áustria, no século XVIII, com um príncipe de Lorena (Francisco III de Lorena), a sua casa tomou o nome de Habsburgo-Lorena, a fim de associar-se intimamente com a anterior dinastia de Habsburgo. Após 1834, em Portugal, o casamento da rainha Maria II de Portugal e do Príncipe Consorte Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha (depois rei consorte Fernando II de Portugal, após o nascimento do seu primeiro filho com a rainha) permaneceu exclusivamente Casa de Bragança, bem como o nome da família e da dinastia, permaneceram inalterados, seguindo as tradições celtíberas matriarcas portuguesas. Mais recentemente, no século XX, as crianças da rainha regente na Holanda e no Luxemburgo, têm mantido a sua casa à associação materna, e no Reino Unido, a rainha Isabel II, apesar da descendência pelo seu marido, Príncipe Filipe da Grécia e da Dinamarca, permaneceu oficialmente Windsor, apesar de ser tecnicamente Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg, que, por sua vez, é uma linha da Casa de Oldenburgo. A Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg é regente na Noruega e na Dinamarca, e governou na Grécia, sendo que na Grécia, os membros da família real são convidados a utilizar o título de Príncipe da Dinamarca, passando a serem cadetes do ramo da casa regente na Dinamarca.

Outra forma em que a Casa Real de um dado país pode mudar é quando um príncipe estrangeiro é convidado a preencher uma vaga no trono ou de um lado dos parentes de uma casa estrangeira. Isso ocorreu com a morte dos filhos da rainha Ana I da Grã-Bretanha da Casa de Stuart: ela foi sucedida por um príncipe da Casa de Hanôver, que era o seu parente protestante mais próximo.

No Império Britânico, que tinha a Casa de Windsor como soberana, dos mais de 32 países do império, 16 permanecessem com a monarquia compartilhada (conhecido como os domínios Commonwealth), enquanto os outros se tornaram repúblicas.

Casas reinantes[editar | editar código-fonte]

Reinos extintos ou depostos[editar | editar código-fonte]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]