Casa de Saud

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Abril de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Casa de Saud
Coat of arms of Saudi Arabia.svg
País: Arábia Saudita
Títulos: Rei da Arábia Saudita
Guardião das Duas Mesquitas Sagradas
Fundador: 1744 - Muhammad bin Saud
Atual soberano: Abdallah

Casa de Saud (em árabe آل سعود‎; romanizado como Āl Suʿūd) é a casa real no poder na Arábia Saudita desde a criação do país em 1932. Contudo, a Casa de Saud têm se mostrado extremamente influente mesmo antes da criação do estado saudita. O atual chefe é o rei Abdallah da Arábia Saudita. Antes do rei Abdul-Aziz ibn Saud fundar o reino, a família tinha governado a região de Nejd, conflitando em várias ocasiões com o Império Otomano, o Xarife de Meca, e com família Al Rashid de Ha'il. A Casa de Saud passou por três fases: o primeiro Estado Saudita (1744-1818), o segundo Estado Saudita (1819-1891), e a nação da atual Arábia Saudita.[1]

A história dos Al Saud foi marcada por um desejo de unificar a península arábica e para espalhar a sua versão particular do islã. A Casa de Saud defende a metodologia salafi do islã, e está ligada com a família do xeque Muhammad bin Abdul-Wahhab através do casamento de Muhammad bin Saud com a filha de Muhammad Abd al Wahhab,[2] em 1744. A Arábia Saudita foi criada em 1932 quando Ibn Saud, que desde 1927 era rei de Hijaz e Nejd, unificou a região.[1]

Embora alguns acreditam que número de membros da família sejam em torno de 25.000,[3] a maioria das estimativas coloca o seu número na casa de 7000,[4] sendo que o poder e a influência são exercidos por 200 descendentes do rei Abdul-Aziz bin Muhammad.[5]

O atual chefe da Al Saud e governante da Arábia Saudita é o rei Abdullah ibn Abdul Aziz, que anunciou, em 20 de outubro de 2006, a criação de uma comissão de príncipes que votaram sobre a viabilidade dos reis e da candidatura dos príncipes herdeiros, esclarecendo em definindo a linha sucessória e o processo de sucessão do trono do Al Saud.

Árvore genealógica dos líderes dos Āl-Saud.

A comissão é presidida pelo príncipe Mishaal bin Abdul-Aziz, dá a cada filho (no caso de sua incapacidade ou morte, seu filho elegível) do falecido rei Abdul-Aziz um único voto, que seria utilizado para confirmar um dos três príncipes nomeados pelo rei para ser nomeado Príncipe Herdeiro. No caso em que tanto o rei entronato quanto o príncipe herdeiro forem considerados inaptos para governar, um conselho de cinco membros transitórios, nomeados pelo Conselho, teria poderes para executar os assuntos do Estado durante uma semana antes de nomear um sucessor. A intenção é evitar uma situação como foi o caso com o falecido rei Fahd, que sofreu vários acidentes vasculares cerebrais a partir de 1995, mas permaneceu no trono durante dez anos, a maioria delas sem as faculdades para se pronunciar.

Referências

  1. a b Governo da Arábia Saudita, The Kingdom - History of Saudi Arabia [em linha]
  2. Fereydoun Hoveyda, Saudi Arabia: Friend or Foe? http://ipac.kacst.edu.sa/eDoc/2006/157307_1.pdf
  3. english.aljazeera.net Al Jazeera. Visitado em 19-6-2007.
  4. Ver por exemplo: [1] [2] [3] [4]
  5. Tom Pettifor (6 de outubro de 2010). Gay Saudi Prince killed man servant in sexual fury The Daily Mirror. Visitado em 6-10-2010.
Portal A Wikipédia possui o portal: