Unificação da Arábia Saudita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Unificação da Arábia Saudita
Saudi Arabia map.png
Atual Estado saudita (Arábia Saudita)
Data 1902–1932
Local Península Arábica, Iraque, Transjordânia e Kuwait
Desfecho Tomada saudita de partes centrais e do norte da Arábia
Combatentes
Flag of Hejaz 1917.svg Reino de Hejaz Flag of Nejd (1921).svg Sultanado de Nejd
Ottoman flag alternative 2.svg Império Otomano
Flag of the Emirate of Ha'il.svg Emirado de Jabal Shammar
Principais líderes
Flag of Hejaz 1917.svg Hussein bin Ali
Flag of Hejaz 1917.svg Ali bin Hussein
Flag of Nejd (1921).svg Abdulaziz Ibn Saud
Ottoman flag alternative 2.svg Ahmed Tevfik Pasha
Ottoman flag alternative 2.svg Fakhri Pasha
Flag of the Emirate of Ha'il.svg Abdul-Aziz bin Mitab
Forças
38,000 77,000 23,0001
8,000+ mortos no total[a]2

A unificação da Arábia Saudita foi um processo pelo qual as várias tribos, xerifados e emirados da maior parte da Península Arábica foram consolidados sob o controle da Casa de Saud (ou Al Saud) entre 1902 e 1932, quando o moderno Reino da Arábia Saudita foi proclamado. Realizado sob o carismático Abdul Aziz Ibn Saud, esse processo criou o que é por vezes referido como o Terceiro Estado Saudita, para diferenciá-lo do primeiro e do segundo estados que existiam sob clã Al Saud.

Os Al Saud estavam em exílio no Kuwait desde 1893 após a desintegração do Segundo Estado Saudita e a ascensão de Jebel Shammar sob o clã Al Rashid. Em 1902, Ibn Saud recapturou Riad, a antiga capital da dinastia Al Saud. Ele passou a dominar o restante de Nejd, Al-Hasa, Jebel Shammar, Asir e Hejaz (localização das cidades sagradas muçulmanas de Meca e Medina) entre 1913 e 1926. O governo resultante foi chamado o Reino do Hejaz e Nejd em 1927, até que se consolidou Al-Hasa e Qatif para o Reino da Arábia Saudita, em 1932.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Na sequência do acordo de Diriyah entre Muhammad ibn Abd al-Wahhab e Muhammad bin Saud, o clã Al Saud fundou o Primeiro Estado Saudita, um Estado baseado na apologia rígida do Islã. A ideologia nascida deste período foi mais tarde apelidada de wahabismo. Originário da região de Nejd na Arábia central, o Primeiro Estado Saudita conquistou a maior parte da Península Arábica, que culminou com a captura da cidade santa muçulmana de Meca, em 1802. 3

A perda de Meca foi um golpe significativo para o prestígio do Império Otomano, que havia exercido a soberania sobre a cidade santa desde 1517, e os otomanos finalmente transferiram suas ações contra os Al Saud. A tarefa de destruir os sauditas foi entregue ao poderoso vice-rei do Egito, Mehmet Ali, que enviou tropas para a região de Hejaz e recapturou Meca. Seu filho, Ibrahim Paxá, entretanto liderou as forças otomanas no coração de Nejd, capturando cidade após cidade, na Expedição de Nejd. Ao chegar à capital saudita em Diriyah, Ibrahim foi colocado sob cerco durante vários meses, até que os sauditas se renderam no inverno de 1818. Ele, então, enviou muitos membros dos clãs de Al Saud e Ibn Abdul Wahhab ao Egito e a capital otomana de Constantinopla e ordenou a destruição sistemática de Diriyah. O último imame saudita (líder), Abdullah bin Saud, mais tarde foi executado em Constantinopla. 4

Os Al Saud sobreviveram no exílio e viriam a fundar o Segundo Estado Saudita, que é geralmente considerado por ter durado desde a captura de Riade por Turki bin Abdullah bin Muhammad (que foi designada como a nova capital), em 1824, até a Batalha de Mulayda em 1891. Comparado com o Primeiro Estado Saudita, o segundo período saudita foi marcado por uma expansão territorial inferior e pelo menor fervor religioso. [carece de fontes?] Também foi marcado por uma instabilidade, o que o clã Al Rashid de Jebel Shammar foi capaz de explorar. O líder saudita, Abdul Rahman ibn Faisal, procurou refúgio no Kuwait, em 1893. 5

História[editar | editar código-fonte]

Os sauditas assumem o controle de Riade[editar | editar código-fonte]

Em 1901, o filho de Abdul Rahman, Abdul Aziz (o futuro Ibn Saud) 6 , solicitou ao Emir do Kuwait homens e suprimentos para um ataque a Riade. Já envolvido em várias guerras com os Rashidis, o Emir concordou com o pedido, dando cavalos e armas a Ibn Saud. Embora o número exato de homens aumentasse e diminuísse durante o subsequente percurso, acredita-se ter deixado com cerca de 40 homens 7

Em janeiro de 1902, Ibn Saud e os seus homens chegaram a Riade. Com apenas uma pequena força, ele sentiu que a única maneira de tomar a cidade era capturar o Castelo de Al Masmak e matar Ibn Ajlan, Chefe de Riad. As forças de Ibn Saud capturaram o castelo e mataram Ibn Ajlan conforme o planejado, e tomaram a cidade durante a noite. Com a captura de antiga casa de sua família, Ibn Saud provou que possuía as qualidades necessárias para ser um xeique ou emir: liderança, coragem e sorte; que faria posteriormente ele unir a maioria da península mais uma vez e fundar o moderno Estado da Arábia Saudita.8 9

Guerra Saudita-Rashidi[editar | editar código-fonte]

A Guerra Saudita-Rashidi, também conhecida como a "Primeira Guerra Saudita-Rashidi " ou as "Batalhas por Qasim", foi o engajamento entre as forças sauditas leais do recém-nascido Sultanato de Nejd contra o Emirado de Ha'il (Jabal Shammar) sob os Rashidis. O período de guerra com batalhas esporádicas terminou com tomada saudita da região Qasim, após a vitória decisiva em Qasim em 13 de abril de 1906, 10 embora outros engajamentos seguidos em 1907.


Al-Hasa e Qatif[editar | editar código-fonte]

Em 1913, Ibn Saud, anexa Al-Hasa e Qatif para a seu domínio do Emirado de Riade. 11

Durante a Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Em dezembro, o governo britânico (iniciado no início de 1915) tentou cultivar favores com Ibn Saud, através do seu agente secreto, o capitão William Shakespear, mas isto foi abandonado após a morte de Shakespeare na Batalha de Jarrab. Em vez disso, o apoio britânico foi transferido para o rival de Ibn Saud, Xarife Hussein bin Ali, líder de Hejaz, com quem os sauditas estavam quase que constantemente em guerra. Lorde Kitchener também recorreu a Hussein bin Ali, Xarife de Meca para obter assistência no conflito e Hussein queria reconhecimento político em troca. Em uma troca de cartas com Henry McMahon lhe assegurou que seu auxílio seria recompensado entre o Egito e a Pérsia, com a exceção das possessões imperiais e os interesses no Kuwait, Áden e na costa da Síria. Os britânicos foram inseridos no Tratado de Darin no qual fez os territórios da Casa de Saud um protetorado britânico. Ibn Saud se comprometeu a novamente fazer guerra contra Ibn Rashid, que era um aliado dos otomanos; a Ibn Saud também foi dada uma remuneração mensal em troca de uma guerra contra Ibn Rashid.

Primeira Guerra Nejd-Hejaz[editar | editar código-fonte]

A Primeira Guerra Saudita-Hachemita ou disputa Al-Khurma ocorreu em 1918-1919 entre Abdulaziz Ibn Saud do Emirado de Nejd e os hachemitas do Reino de Hejaz. A guerra veio no âmbito do conflito histórico entre os hachemitas de Hejaz e os sauditas de Riade (Nejd) sobre a supremacia na Arábia; 12 resultou na derrota das forças hachemitas e na captura de al-Khurma pelos sauditas e seu aliado Ikhwan, mas uma intervenção britânica impediu o colapso imediato do reino Hachemita, estabelecendo um sensível cessar-fogo, que duraria até 1924.

Conquista de Ha'il[editar | editar código-fonte]

A Conquista de Ha'il, também conhecida como a Segunda Guerra Saudita-Rashidi, foi o engajamento das forças sauditas com as tribos aliadas de Ikhwan pelo Emirado de Ha'il (Jabal Shammar) sob os últimos governantes Rashidi. Em 2 de novembro de 1921, Jebel Shammar foi completamente conquistada por forças sauditas e, posteriormente, incorporada no Sultanato de Nejd.

Guerra Kuwait-Nejd[editar | editar código-fonte]

A guerra fronteiriça Kuwait-Najd surgiu como consequência da Primeira Guerra Mundial, quando o Império Otomano foi derrotado e os britânicos invalidaram a Convenção Anglo-Otomana, declarando o Kuwait como sendo um "xerifado independente sob protetorado britânico". O vazio de poder, deixado pela queda dos otomanos, aguçou o conflito entre o xerifado do Kuwait e Najd. A curta guerra resultou em confrontos fronteiriços esporádicos até o fim de 1921. As fronteiras dos Emirados do Kuwait e de Nejd finalmente foram estabelecidas pelo Protocolo de Uqair de 1922.

Ataques Ikhwan[editar | editar código-fonte]

Incursões na Transjordânia[editar | editar código-fonte]

Os ataques dos Ikhwan a Transjordânia foram uma série de saques pelos Ikhwan, tribos de árabes irregulares de Najd na Transjordânia entre 1922 e 1924. Embora os ataques não fossem orquestrados por Ibn Saud, o governante de Nejd, nada foi feito por ele para parar os grupos atacantes, os seus aliados Ikhwanis. Isto, porém mudou após a conquista de Hejaz, quando a postura cada vez mais crítica e negativa de Ibn Saud aos ataques Ikhwan desenvolveram em uma disputa aberta e essencialmente um conflito sangrento a partir de 1927.

No início dos anos 1920, as repetidas incursões wahhabitas de Ikhwan a partir de Najd em partes do sul de seu território eram a ameaça mais séria para a posição do Emir Abdullah na Transjordânia. 13 O emir foi incapaz de repelir os ataques por si mesmo, assim, os britânicos mantiveram uma base militar, com uma pequena força aérea, em Marka, perto de Amã. 14

Incursão no Iraque em 1921[editar | editar código-fonte]

Em 1921, um grupo Ikhwan invadiu o sul do Iraque, saqueando aldeias xiitas, o que resultou em 700 xiitas iraquianos mortos.

Segunda Guerra Nejd-Hejaz[editar | editar código-fonte]

A conquista saudita de Hejaz foi uma campanha engajada pelo sultão saudita Abdulaziz Ibn Saud para assumir o Reino Hachemita da Hejaz em 1924-1925. A campanha terminou com sucesso em dezembro de 1925 com a queda dos Jeddah. Posteriormente, em 1926, o território do reino conquistado foi incorporado ao Reino do Hejaz e Nejd, sob o regime saudita.

A rebelião Ikhwan[editar | editar código-fonte]

Como a expansão saudita desacelerou em 1920, alguns entre os Ikhwan pressionaram para a continuidade da expansão, em particular aos territórios controlados pelos britânicos, tais como o norte da Transjordânia - onde os Ikhwan invadiram entre 1922 e 1924. Faisal al-Duwaish da tribo Mutayr e Sultan bin Bajad da tribo Utaybah, os líderes dos Ikhwan, estavam entre aqueles que acusaram Abdul Aziz de passar a ser "suave”. Uma rebelião eclodiu, culminando em uma batalha em Sabillah, que alguns chamaram de massacre, mas fontes pró-sauditas consideram ter sido uma luta justa. 15 Outras batalhas irromperam a partir de 1929 em Jabal Shammar e nas proximidades da tribo Awazim. A rebelião foi suprimida em 1930, com a rendição dos últimos elementos da oposição. Embora os sobreviventes fossem presos, os seus descendentes mantiveram oposição ao governo da Arábia Saudita, e certo descendente, Juhayman al-Otaibi, obteria infâmia em 1979, quando liderou a Captura da Grande Mesquita. 16

Declaração do Reino da Arábia Saudita[editar | editar código-fonte]

O Reino da Arábia Saudita foi proclamado em 23 de setembro de 1932. O filho mais velho Ibn Saud, Saud, tornou-se príncipe herdeiro em 1933. 17

Consequências[editar | editar código-fonte]

Anexação de Asir[editar | editar código-fonte]

Asir, Hejaz, e Nejd

A região de Asir, no atual sul da Arábia Saudita, esteve sob domínio turco de 1871 até a eclosão da Primeira Guerra Mundial, altura em que o seu emir, Hasan ibn Ali Al Aid, “tornou-se praticamente independente" e tentou governar de Abha. No entanto, combates seguiram-se entre suas forças e as de Muhammad ibn Ali al-Idrisi, que, eventualmente, definiu o Emirado de Idrisid de curta duração sob a tutela da Arábia Saudita. 18 O emirado foi incluído pelo Estado saudita após um tratado de 1930, que previa que o território ficaria sob o controle direto de Ibn Saud após a morte do emir. 17 O emirado foi finalmente incorporado no Reino da Arábia Saudita em 1934.

Guerra Saudita-Iemenita[editar | editar código-fonte]

Com a dissolução do Império Otomano, um estado Zaidita foi estabelecido no Iêmen sob o Imam Muhammad bin Yahya Hamid ad-Din e seus descendentes. Os iemenitas reivindicavam partes do Asir e chegaram a confrontar com os sauditas em 1933. Escrevendo ao jornal estadunidense Foreign Affairs em 1934, o historiador Hans Kohn observou: "Alguns observadores europeus quiseram explicar o conflito armado como um conflito entre as políticas britânica e italiana na Arábia." Apesar dos vínculos britânicos para a Arábia Saudita e os vínculos italianos para o Iêmen, ele concluiu que "a rivalidade entre os dois governantes não foi de modo algum causada ou estimulada pela rivalidade entre os dois estados europeus"19 No entanto, em 1998, Alexei Vassiliev escreveu "o imame foi incentivado tanto pelos italianos, que prestaram assistência, a fim de aumentar a sua influência no Iêmen, e pelos britânicos, que desejavam desviar a atenção do Imam Yahya de seus protetorados no Aden."20 Os sauditas revidaram, chegando ao porto iemenita de Al Hudaydah antes de assinar um "tratado de amizade muçulmana e fraternidade árabe" em Ta'if, que foi publicado simultaneamente em Meca, Sanaa, Damasco e Cairo para destacar seu pan-arabismo.21 22

Comentando sobre as implicações do tratado, que afirmava "que as nações [as duas partes] são uma e concordam em considerar os interesses recíprocos ao seu próprio", Kohn, escreveu: "A política externa de ambos os reinos será alinhada e harmonizada para que estes dois países passem a atuar como um país nos assuntos externos. Praticamente isso significará um protetorado sobre o Iêmen por Ibn Saud, o parceiro mais forte e muito mais progressista".22 As relações realmente permaneceram próximas até que uma guerra civil eclodiu no Iêmen em 1960, em um momento em que o país se tornava um campo de preparação para a batalha entre os valores conservadores e os dos revolucionário egípcio Gamal Abdel Nasser.23

O movimento Ikhwan[editar | editar código-fonte]

As circunstâncias exatas sob as quais os Ikhwan (irmãos) surgiram permanecem obscuras. No entanto, sabe-se que consistiam de beduínos que foram imbuídos com fervor wahhabita em assentamentos conhecidos como hijras. Que desempenharam um papel importante na ascensão saudita ao poder, embora a extensão do esse papel seja por vezes contestada.24

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

[a]. Unificação da Arábia Saudita (estimativa no valor combinado de vítimas 7.989 - 8.989 +) da:

Batalha de Riade (1902) – 37 mortes.
Batalha de Dilam (1903) – 410 mortes.
Guerra Saudita-Rashidi (1903–1907) – 2,300+ mortes.
Anexação de Al-Hasa e Qatif (1913) - desconhecido.
Batalha de Jarrab (1915)
Batalha de Kanzaan (1915)
Primeira Guerra Nejd-Hejaz (1918-1919) – 1,392 mortes.2
Incursão no Iraque em 1921 - 700 mortes
Conflito fronteiriço Kuwait-Nejd (1921) – 200+ mortes.2
Conquista de Ha'il (1921) - desconhecido
Ataques dos Ikhwan a Transjordânia (1922–1924) – 500–1,500 mortes.
Conquista saudita de Hejaz (1924–1925) – 450+ mortes.2
Revolta Ikhwan (1927–1930) – 2,000 mortes.2

Referências

  1. David Murphy, (Illustrated by Peter Dennis), The Arab Revolt 1916-18: Lawrence Sets Arabia Ablaze, Osprey Publishing, 2008, p. 26.
  2. a b c d e University of Central Arkansas, Middle East/North Africa/Persian Gulf Region
  3. Vassiliev 1998, pp. 83–103
  4. Vassiliev 1998, pp. 140–191
  5. Vassiliev 1998, pp. 198–204
  6. "Ibn" means "son" in Arabic and thus "Ibn Saud" means "Son of Saud" (see Arabic name). Although Westerners widely referred to Abdul Aziz as Ibn Saud in later years, "the clan chieftain's title of Ibn Sa'ud continued to refer to Abdul Rahman" until he had established himself as such." (Lacey 1982, p. 65) Abdul Aziz never referred to himself by this title, and some authors (e.g. Helms 1981, p. 14), avoid using it entirely.
  7. Lacey observes, "Forty is the number which bedouin often pick upon when they wish to describe a smallish body of men, and forty is the number of companions which Abdul Aziz is said to have had with him when he left Kuwait in September 1901." (Lacey 1982, p. 41). Lacey offers further insight into the ambiguity surrounding the details of the capture of Riyadh, whose place in Saudi Arabian folklore he compares to the Storming of the Bastille: Ibn Saud himself told numerous versions over the years, which is only partly attributable to Ibn Saud's excitability. According to Lacey, "He was spinning history in the way that the Old Testament scribes spun their legends or the creator of the Chanson de Roland wove his epic, for even today it remains the pleasant obstinacy of the Arab to be less captivated by the distinction between fact and fiction than by mystery, romance, poetry, imagination – and even downright caprice." (Lacey 1982, p. 47)
  8. Troeller 1976, p. 21
  9. Vassiliev 1998, p. 213
  10. Mikaberidze, Alexander. Conflict and Conquest in the Islamic World: A Historical Encyclopedia. [S.l.]: ABC-CLIO, 2011. p. 807. ISBN 978-1-59884-336-1
  11. World and its peoples. London: Marshall Cavendish, 2006. p. 29. ISBN 0-7614-7571-0
  12. Mikaberidze. P.799. [1]
  13. Salibi, Kamal S. The modern history of Jordan. p. 104
  14. Salibi, Kamal S. The modern history of Jordan. p. 104
  15. Lacey 2009, pp. 14–16
  16. The origins of this event with the Ikhwan dissenters are described in multiple sources, though Lacey 2009 contains one of the most up-to-date accounts. For more information on the Grand Mosque Seizure itself, see The Siege of Mecca by Yaroslav Trofimov.
  17. a b Vassiliev 1998, pp. 283–285
  18. Vassiliev 1998, pp. 259–260
  19. Kohn 1934, p. 101
  20. Vassiliev 1998, p. 285
  21. Vassiliev 1998, pp. 285–286
  22. a b Kohn 1934, p. 102
  23. Vassiliev 1998, pp. 362–366
  24. Commins 2006, pp. 80–94

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Almana, Mohammed. Arabia Unified: A Portrait of Ibn Saud. London: Hutchinson Benham, 1982. ISBN 0-09-147290-3
  • Commins, David. The Wahhabi Mission and Saudi Arabia. London, New York: I.B. Tauris, 2006. ISBN 978-1-84511-080-2
  • Helms, Christine Moss. The Cohesion of Saudi Arabia. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1981.
  • Kohn, Hans (October 1934). "The Unification of Arabia". Foreign Affairs 13 (1): 91–103.
  • Lacey, Robert. Inside the Kingdom: Kings, Clerics, Modernists, Terrorists, and the Struggle for Saudi Arabia. New York: Viking, 2009. ISBN 978-0-670-02118-5
  • Lacey, Robert. The Kingdom. New York: Harcourt Brace Jovanovich, 1982. ISBN 0-15-147260-2
  • Al-Rasheed, Madawi. A History of Saudi Arabia. 2nd ed. New York: Cambridge University Press, 2010. ISBN 0-521-74754-6
  • Troeller, Gary. The Birth of Saudi Arabia: Britain and the Rise of the House of Sa'ud. London: Routledge, 1976. ISBN 0-7146-3062-4
  • Vassiliev, Alexei. The History of Saudi Arabia. London: Saqi, 1998. ISBN 0-86356-935-8

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Hous of Saud, um documentário de 2005 pela “PBS Frontline ". Website inclui entrevistas e um trecho que contém um capítulo sobre os Ikhwan.