Xarife

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Xerifado)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Xarife ou xerife (em árabe: شريف šarīf, pl. em árabe: شرفاء šurafāʾ; chorfa, em árabe marroquino), ou em árabe: أشراف, ʾašrāf, "nobre", "respeitável") é um descendente de Maomé por sua filha Fátima através de um dos seus dois netos, Hassan e Hussein.

Em árabe, a forma plural achrâf designa em particular os nobres das grandes dinastias omíadas, abássidas e alides.

Xarifado[editar | editar código-fonte]

O xerifado ou xarifado em árabe: مشيخة, Mashyakhah) foi uma forma de divisão e governo comum no mundo árabe, actualmente desaparecida. Mais que uma zona geográfica definida com exactidão, o xerifado é a zona sob controlo ou administração por um xerife (as-Shariff). Algo da história o destino dos xerifados teve desfechos diferentes: alguns evoluíram para emirados e posteriormente nações (ex. Emirados Árabes Unidos), na na sua maioria foram extintos pelas fronteiras dos estado-nação (ex. o rei Abdullah I da Jordânia que era o xerife de Meca, perder esse título aquando da criação da Arábia Saudita).


No Magrebe[editar | editar código-fonte]

No Marrocos[editar | editar código-fonte]

Mapa do reino Idríssida (788-985).
  Califado Idríssida (789-985)
  Tamesna (Barghawata ou Berghouata; 744-1058)
  Emirado de Nekor dos Banu Salih (710-1019)
  Emirado de Sijilmassa dos midraridas ou uassulitas ou Banu Midrar (758-1055)

Idris I° (Moulay Idriss) era bisneto de Ali ibn Abi Talib e de Fátima, filha de Maomé. Idris fugiu para Marrocos para escapar ao massacre da sua família pelos Abássidas em 786. Em 788, foi acolhido pelos berberes da região de Walili (Volubilis), uma cidade fundada pelos romanos cerca de Mequinez. Ele é o fundador da cidade de Fez. Morreu possivelmente envenenado por um funcionário enviado pelo califa Haroun al-Rashid em 791, deixando sua esposa Kenza grávida. O seu filho Idris II, subiu ao trono com a idade de onze anos. O seu túmulo situa-se em Moulay Idriss Zerhoun, aldeia na encosta de uma montanha perto das ruínas de Volubilis.

Os chorfas idríssidas vivem no norte do Marrocos: Fez, Ouazzane, Tânger, Taza, Melilha, Rabat, salé, Oujda e Tetuão.

No Marrocos as dinastias idríssidas, saadiana e alauita são chamadas xerifianas.

Na Argélia[editar | editar código-fonte]

Encontram-se também chorfas idríssidas no oeste da Argélia, em Tlemcen, Ain Temouchent, Sidi Bel Abbes, Mostaganem, Mascara, Chlef, Relizane e Orão.

O emir Abd El-Kader é de ascendencia xerifiana.

No Oriente Médio[editar | editar código-fonte]

No Irão[editar | editar código-fonte]

No Irão, os mulás que são também chorfas usam um turbante preto, enquanto outros têm apenas direito a um turbante branco. Eles têm o título de Seyyed.[1]

Nos países árabes[editar | editar código-fonte]

A dinastia hachemita, antiga dinastia dos xarifes da Meca em Hejaz, a dinastia reinante em Iraque e em Síria e atual dinastia reinante na Jordania descendem dos xarifes.

Referências

  1. Em persa: سيد, "descendente do profeta", "Senhor"
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em francês, cujo título é «Chérif».