Casa de Württemberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casa de Württemberg
Coat of Arms of the Kingdom of Württemberg, 1817.svg
País: Reino de Württemberg
Títulos: Conde de Württemberg
Duque de Württemberg
Elector de Württemberg
Rei de Würtemberg
Rei da Lituânia
Fundador: Conrado I de Würtemberg
Último soberano: Guilherme II de Württemberg
Atual soberano: Carlos, Duque de Württemberg
Ano de fundação: 1081
Ano de dissolução: 1918
Etnia: Suábia (Alemã)
Linhagem secundária: Teck (extinta)
Urach

A Casa de Württemberg (que deu seu nome ao Reino de Württemberg, e por conseqüencia ao estado de Baden-Württemberg) segundo investigações recentes, tem sua origem entorno da dinastia saliana. A origem de Luxemburgo, de longo curso, é altamente improvável.

História[editar | editar código-fonte]

Palácio de Altshausen, residência da família Württemberg.

Por volta de 1080, o Conrado de Württemberg, provavelmente descentende do Conrado de Caríntia (Dinastia saliana), se instala na região de Estugarda ao converter-se o herdeiro da Casa de Beutelsbach e constrói o castelo de Württemberg. Em 1143, os Württemberg obtiveram o título de Condes. Seu domínio, que originalmente incluia o território que rodeava o castelo, cresceu em forma sustentada, sobre tudo através da compra de propriedades de famílias empobrecidas, como as de Tubinga.

Por causa da Dieta de Worms, o conde Everardo foi gratificado pelo imperador Maximiliano I com o título de Conde em 1495. De 1534 a 1537, o duque Ulrich introduziu a Reforma Protestante e converteu o seu ducado em um território protestante importante onde era o chefe da Igleja.

Quando no século XVIII se extinguiu o ramo masculino protestante, outra linha sucedeu com o duque Carlos Alexandre de Württemberg, um soberano católico. Os duques católicos então cederam o comando eclesiático às famílias mais importantes de Württemberg[necessário esclarecer]. Um príncípe protestante só regressou ao governo com a ascensão do duque Frederico I de Württemberg em 1797.

Armas da Casa de Wurtemberg forjadas no portal do parque do palácio de Altshausen
Armas da Casa de Wurtemberg forjadas no portal do parque do palácio de Altshausen
Brasão da Casa de Württemberg
Brasão da Casa de Württemberg

Reino de Württemberg[editar | editar código-fonte]

Em maio de 1803, as reformas políticas de Napoleão Bonaparte convertem a Federico, por então seu aliado, em príncipe elector recebendo os senhorios seculares mediadas que permitem expandir significativamente seu país. Em 1 de janeiro de 1806, Federico recebe o título de rei e com ele novos territórios, e em 1807, para estreitar ainda mais sua aliança com o Império Francês, celebrou o matrimônio deu sua filha, a princesa Catarina de Württemberg (1783-1835) com Jerónimo Bonaparte, irmão mais novo de Napoleão Bonaparte.

Em 1828, o rei Guilherme I de Württemberg promulgou uma nova norma de sucessão e estabeleceu os direitos e deveres da família soberana. A primogenitura masculina era estabelecida junto à exigência de matrimônios com famílias de igual dignidade.

Abdicação[editar | editar código-fonte]

Nos finais da Primeira Guerra Mundial se aboliu a monarquia na Alemanha, o rei Guilherme II de Württemberg foi o último monarca alemão a abdicar o trono. Em novembro de 1918 assume o título de Duque de Würtemberg e em 1919 entrega o palácio Altshausen, próximo de Ravensburg, a seu presuntivo herdeiro, o duque Alberto, para que o habitara. Após sua morte em outubro de 1921, sua fortuna e reivindicações (todas teóricas) o trono passam para outra linhagem, convertido ao catolicismo no século XIX.

Linhas da Casa de Würtemberg[editar | editar código-fonte]

Guilherme II de Württemberg (1848-1921), último rei de Würtemberg.

Todas as linhas descendem de Frederico Eugénio II, Duque de Württemberg (1732-1797):

  1. A primeira linha, chamada ramo maior, descendentes de Frederico I de Württemberg. Se extingüiu com o rei Guilherme II de Württemberg em 1921.
  2. A segunda linha, chamada Teck, descendente do duque Luís de Württemberg (1756-1817). Se extingüiu com Jorge Cambridge, segundo marquês de Cambridge em 1981. Não se considerou dinástica pelo matrimônio morganático do duque Alexandre de Württemberg (1804–1885) com a condessa Claudine Rhédey von Kis-Rhéde. Uma linha feminina descendente deste ramo inclui a Rainha Isabel II do Reino Unido.
  3. A terceira linha, chamada Carlsruhe, descendente do duque Eugénio Frederico de Württemberg (1758-1822). Se extingüiu com Nicolau de Württemberg em 1903.
  4. A quarta linha, chamada Urach, descendente de Guilherme Frederico de Württemberg (1761-1830). Este ramo se há conservado, mas como o ramo Teck, não se considera dinasta pela década de 1860. O atual chefe deste ramo é Wilhelm Albert, Duque de Urach.
  5. A quinta linha, chamada Altshausen, descendente de Alexandre de Württemberg (1771-1833). O atual pretendente ao trono do Reino de Württemberg, Carlos Maria, pertence a ela.

Através dos matrimônios de seus membros femininos, os Würtemberg estão presentes em numerosas famílias reais, imperiais, ducadas e principescas como a Casa de Bourbon, Casa de Liechtenstein, Casa d'Orléans, Casa de Windsor.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

O atual pretendente ao trono é o duque Carlos Maria de Würtemberg que nasceu em 1936, descendente do quinto ramo da família. Está casado com Diane d'Orléans. Sem embargo, o chefe do Ramo maior da Casa de Würtemberg (quarta linha) é o duque Carlos Anselmo de Württemberg-Urach nascido em 1955.

Referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Casa de Württemberg

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.