Rússia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Federação Russa)
Ir para: navegação, pesquisa
Российская Федерация
Federação Russa
Bandeira da Rússia
Brasão de Armas da Rússia
Bandeira Brasão de armas
Lema: "Кто на Русь с мечом придёт, от меча погибнет!"
"Quem à Rússia com a espada surgir, pela espada perecerá!"[1]
Hino nacional: Государственный гимн Российской Федерации
(Gosudárstvennyi gimn Rossískoy Federátsii)
Gentílico: russo, russa

Localização da Rússia

Localização do território russo (em verde escuro)
Território disputado da Crimeia (em verde claro)
Capital MoscouPB (MoscovoPE)
55° 46' 00" N 37° 40' 00" E
Cidade mais populosa MoscouPB (MoscovoPE)
Língua oficial Russo
Outras 31 línguas são cooficiais
Governo República semipresidencialista
 - Presidente Vladimir Putin
 - Primeiro-ministro Dmitri Medvedev
 - Presidente do
Soviete da Federação
Valentina Matvienko
 - Presidente da Duma Serguei Naryshkin
Independência da União Soviética 
 - Declarada 12 de junho de 1990 
 - Concluída 25 de dezembro de 1991 
Área  
 - Total 17 124 442[2] km² (1.º)
 - Água (%) 13
 Fronteira Noruega, Finlândia, Estónia, Letónia, Lituânia, Bielorrússia, Polónia, Ucrânia, Geórgia, Abecásia (de facto), Ossétia do Sul (de facto), Azerbaijão, Cazaquistão, República Popular da China, Mongólia e Coreia do Norte
População  
 - Estimativa de 2011 142 914 136[3] hab. (9.º)
 - Censo 2010 142 905 200 hab. 
 - Urbana 105 100 000[4] hab. 
 - Densidade 8,3 hab./km² (209.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 3,558 trilhões*[5]  (6.º)
 - Per capita US$ 24 764[5]  (57.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 2,057 trilhões*[5]  (8.º)
 - Per capita US$ 14 316[5]  (49.º)
IDH (2013) 0,788 (57.º) – elevado
Gini (2008) 42,3[6]
Moeda Rublo (RUB)
Fuso horário UTC+3 a +12 (UTC+3 a +12)
Clima continental e polar
Org. internacionais ONU, CEI
Cód. ISO RUS
Cód. Internet .ru, .su, .рф
Cód. telef. +7
Website governamental Governo da Rússia

Mapa da Rússia

Rússia (em russo: Россия, Rossíya), oficialmente Federação Russa[7] [8] (em russo: ; pron. rɐˈsʲijskəjə fʲɪdʲɪˈraʦəjə) ou Federação da Rússia,[9] é um país localizado no norte da Eurásia.[10] Com 17 075 400 de quilômetros quadrados, a Rússia é o país com maior área do planeta, cobrindo mais de um nono da área terrestre. É também o nono país mais populoso, com 142 milhões de habitantes.[11] Faz fronteira com os seguintes países, de noroeste para sudeste: Noruega, Finlândia, Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia (ambas através do exclave de Kaliningrado), Bielorrússia, Ucrânia, Geórgia, Azerbaijão, Cazaquistão, China, Mongólia e Coreia do Norte. Também tem fronteiras marítimas com o Japão, pelo Mar de Okhotsk, e com os Estados Unidos, pelo Estreito de Bering.

A história russa inicia-se com os eslavos do leste, que surgiram como um grupo étnico reconhecido na Europa entre os séculos III e VIII.[10] Fundada e dirigida por uma classe nobre de guerreiros vikings e por seus descendentes, o primeiro Estado eslavo, o Principado de Kiev, surgiu no século IX e adotou o cristianismo ortodoxo do Império Bizantino em 988,[12] dando início à síntese das culturas bizantina e eslava, o que acabou por definir a cultura russa.[12] O principado finalmente se desintegrou e suas terras foram divididas em vários pequenos Estados feudais. O Estado sucessor de Kiev foi Moscóvia, que serviu como a principal força no processo de reunificação da Rússia e na luta de independência contra a Horda de Ouro mongol. Moscóvia gradualmente reunificou os principados russos e passou a dominar o legado cultural e político do Principado de Kiev. Por volta do século XVIII, o país teve grande expansão territorial através da conquista, anexação e exploração de vastas áreas, tornando-se o Império Russo, que foi o terceiro maior império da história, se estendendo da Polônia, na Europa, até o Alasca, na América do Norte.

O país estabeleceu poder e influência em todo o mundo desde os tempos do Império Russo, entre 1721 e 1917, até se tornar a maior e principal república constituinte da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), entre 1922 e 1991, o primeiro e maior Estado socialista constitucional, reconhecido como uma superpotência[13] que desempenhou um papel decisivo[14] [15] [16] após a vitória aliada na Segunda Guerra Mundial. A Federação Russa foi criada na sequência da dissolução da União Soviética, em 1991, mas é reconhecida como um Estado sucessor da URSS.[17]

A Rússia é a oitava ou nona maior economia do mundo por PIB nominal e a sexta maior economia do mundo em paridade do poder de compra, com o quinto maior orçamento militar nominal e o terceiro maior em PPC. É um dos cinco Estados reconhecidos com armas nucleares do mundo, além de possuir o maior arsenal de armas de destruição em massa do planeta .[18] A Rússia é membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, membro do G8, G20, Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC), Organização para Cooperação de Xangai (OCX), EurAsEC, além de ser um destacado membro da Comunidade dos Estados Independentes (CEI). O povo russo pode se orgulhar de uma longa tradição de excelência em todos os aspectos das artes e das ciências,[10] bem como uma forte tradição em tecnologia, incluindo importantes realizações como o primeiro voo espacial humano.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Rússia é derivado do Rus, um Estado medieval povoado principalmente pelos Eslavos do Leste. No entanto, este nome próprio tornou-se mais proeminente posteriormente e o país normalmente era chamado por seus habitantes de "Русская Земля" (russkaya zemlya), que poderia ser traduzido como "Terra Russa" ou "Terra de Rus'". Para distinguir esse Estado de outros derivados dele, ele é denominado como Rus de Kiev pela historiografia moderna. O próprio nome Rus vem dos povos rus', um grupo de varegues (possivelmente vikings suecos), que fundou o Estado de Rus (Русь).[19] [20]

Uma versão latina antiga do termo Rus' era Rutênia, aplicada principalmente às regiões oeste e sul de Rus' e que eram adjacentes à Europa católica. O nome atual do país, Россия (Rossiya), vem da designação grega bizantina Ρωσσία (Rossía) para o Rus' de Kiev.[21]

História[editar | editar código-fonte]

Períodos iniciais[editar | editar código-fonte]

Hipótese Kurgan, acerca da difusão dos povos euroasiáticos a partir da região ao sul da Rússia.

Um dos primeiros ossos humanos modernos, datado de 35 mil anos de idade, foi encontrado na Rússia, em Kostenki, nas margens do rio Don.[22] A única restos do hominídeo de Denisova, que viveu há cerca de 41 mil anos, foram descobertos na caverna de Denisova, no sul da Sibéria.[23] Em tempos pré-históricos, as vastas estepes do sul da Rússia eram o lar de tribos de pastores nômades.[24] Os restos dessas civilizações foram descobertos em lugares como Ipatovo,[24] Sintashta,[25] Arkaim,[26] e Pazyryk,[27] que arcar com os primeiros vestígios conhecidos de guerras com o uso de cavalos, uma característica fundamental no modo de vida nômade.

Na antiguidade clássica, a estepe pôntica era conhecido como Cítia. Desde o século VIII a.C., comerciantes da Grécia Antiga conduziram sua civilização para os empórios comerciais na Tanais e Fanagoria. Os romanos estabeleceram-se na parte ocidental do Mar Cáspio, onde seu império se estendia para o leste.[28] Entre III e IV a.C. o semi-lendário reino gótico de Oium existiu no sul da Rússia, até que foi invadido pelos hunos. Entre o terceiro e sexto séculos d.C., o Reino do Bósforo, um sistema político helenista que sucedeu as colônias gregas,[29] também foi dominado por invasões nômades lideradas por tribos guerreiras, como os hunos e os ávaros da Eurásia.[30] Um povo turco, os cazares, dominaram as estepes da bacia do Volga, entre os mares Cáspio e Negro até o século X.[31]

Os ancestrais dos russos modernos são as tribos eslavas, cujo lar de origem é considerado por alguns estudiosos como tendo sido as áreas florestadas dos pântanos de Pinsk.[32] Os Eslavos do Leste gradualmente se assentaram na Rússia Ocidental em duas ondas: uma movendo-se de Kiev para a atual Suzdal e Murom e outra de Polotsk para Novgorod e Rostov. A partir do século VII, o eslavos do leste constituíam a maior parte da população na Rússia Ocidental e, lentamente, mas de forma pacífica, assimilaram os povos fino-úgricos nativos, incluindo os merya, os muromianos e os meshcheras.[33]

Principado de Kiev[editar | editar código-fonte]

Extensão do Principado de Kiev no século XI.

O estabelecimento do primeiro Estado dos Eslavos do Leste, no século IX, coincidiu com a chegada de varegues, que eram comerciantes, guerreiros e colonos da região do Mar Báltico. Originalmente, eles eram um povo vikings de origem escandinava, que se aventurou ao longo dos cursos de água que se estendem desde o mar Báltico oriental até os mares Negro e Cáspio.[34] De acordo com a Crônica Primária, um varegue do povo Rus' chamado Rurik, foi eleito governador de Novgorod em 862. Em 882 o seu sucessor, Oleg, se aventurou ao sul e conquistou Kiev,[35] que tinha sido anteriormente dominada pelos cazares, e fundou o Principado de Kiev (ou Rus' de Kiev). Posteriormente, Oleg, Igor (o filho de Rurik) e Sviatoslav (o filho de Igor), subjugaram todas as tribos locais de eslavos do leste ao domínio de Kiev, ao destruírem a Império Cazar e ao lançarem várias expedições militares para o Império Bizantino e para a Pérsia.

Nos séculos X e XI, o Principado de Kiev tornou-se um dos maiores e mais prósperos Estados da Europa.[36] Os reinados de Vladimir, o Grande (980-1015), e de seu filho, Jaroslau I, o Sábio (1019-1054), constituíram a "Era de Ouro de Kiev", quando o cristianismo ortodoxo do Império Bizantino foi assimilado pelo povo e quando o primeiro código legal escrito por eslavos do leste foi criado, o Russkaya Pravda.

Nos séculos XI e XII, as constantes incursões de tribos turcas nômades, como os kiptchaks e os pechenegues, causaram uma migração maciça das populações eslavas para regiões mais seguras, como as densas florestas do norte, particularmente na área conhecida como Zalesye.[37]

O Batismo dos Kievanos, de Klavdy Lebedev.

A era do feudalismo e da descentralização foi marcada pelo constante combate entre os membros da dinastia ruríquida, que governou o Principado de Kiev coletivamente. O domínio de Kiev entrou em declínio, enquanto outros Estados, como o Principado de Vladimir-Súzdal, a República de Novgorod e o Reino de Galícia-Volínia.

Por fim, o Principado de Kiev se desintegrou com o golpe final que foi a invasão mongol de 1237-1240,[38] que resultou na destruição de Kiev[39] e na morte de cerca de metade da população do Principado.[40] A elite mongol invasora, juntamente com seus súditos turcos conquistados (cumanos, kiptchaks e protobúlgaros) tornaram-se conhecidos como tártaros e formaram o Estado do Canato da Horda Dourada, que pilhou os principados russos. Os mongóis governaram a Cumânia e a Bulgária do Volga (extensões do sul e do centro da Rússia atual) por mais de dois séculos.[41]

A Galícia-Volínia acabou sendo assimilada pela Comunidade Polaco-Lituana, enquanto o Principado de Vladimir-Súzdal e a República de Novgorod sob domínio mongol, duas regiões da periferia de Kiev, estabeleceram as bases para a moderna nação russa.[12] Novgorod, junto com Pskov, manteve um certo grau de autonomia durante o tempo do jugo mongol e foram largamente poupadas das atrocidades que afetaram o resto do país. Liderados pelo príncipe Alexander Nevsky, os novgorodianos repeliram os invasores suecos na Batalha do Neva em 1240, assim como combateram os cruzados germânicos na Batalha do Lago Peipus em 1242, quebrando suas tentativas de colonizar o Norte do Rus'.[42]

Moscóvia[editar | editar código-fonte]

Extensão da Moscóvia no século XV.

O mais poderoso Estado sucessor do Principado de Kiev foi o Grão-Ducado de Moscou (ou "Moscóvia" nas crônicas ocidentais), inicialmente uma parte do Principado de Vladimir-Súzdal. Enquanto ainda estavam sob o domínio dos mongóis-tártaros e com a sua conivência, Moscóvia começou a afirmar sua influência no centro de Rus' no início do século XIV, tornando-se gradualmente a principal força no processo das terras Rus' e na expansão da Rússia. Aqueles eram tempos difíceis, com as frequentes incursões mongóis-tártaras e com a agricultura difícil desde o início da Pequena Idade do Gelo. Tal como no resto da Europa, pragas atingiram a Rússia em alguma região uma vez a cada cinco ou seis anos no período entre 1350 e 1490. No entanto, devido à baixa densidade populacional e a uma melhor higiene (pela prática generalizada de banya, o banho de vapor),[43] as mortes entre a população causadas pelas pragas não foram tão graves como na Europa Ocidental.[44]

Liderado pelo príncipe Dmitry Donskoy de Moscou e ajudado pela Igreja Ortodoxa Russa, um exército unido dos principados russos infligiram uma derrota marcante contra os mongóis-tártaros na Batalha de Kulikovo, em 1380. Moscóvia gradativamente absorveu os principados circundantes, incluindo antigos e fortes rivais, como Tver e Novgorod.[45]

Ivã III (o Grande), finalmente se livrou do controle da Horda de Ouro, consolidou todo o centro e norte do Rus' sob o domínio de Moscóvia e foi o primeiro a assumir o título de "Grão-Duque de todas as Rússias".[46] Depois da queda de Constantinopla em 1453, Moscóvia reivindicou sucessão ao legado do Império Romano do Oriente. Ivã III casou com Sofia Paleóloga, a sobrinha do último imperador bizantino, Constantino XI, e fez da bizantina águia bicéfala o seu próprio brasão e, posteriormente, de toda a Rússia.[47]

Czarado[editar | editar código-fonte]

Retrato de Ivã IV da Rússia (conhecido como Ivã, o Terrível), por Viktor Vasnetsov.

No desenvolvimento das ideias da Terceira Roma, o Grão-Duque Ivã IV (conhecido como o "Terrível")[48] foi oficialmente coroado o primeiro czar ("César") da Rússia em 1547. O czar promulgou um novo código de leis (o Sudebnik de 1550), estabeleceu o primeiro órgão representativo feudal russo (o Zemsky Sobor) e introduziu a auto-gestão local nas regiões rurais.[49] [50]

Durante o seu longo reinado, Ivã, o Terrível, quase dobrou o já extenso território russo anexando os três canatos tártaros (partes da desintegrada Horda Dourada): Cazã e Astracã ao longo do rio Volga, e o Canato da Sibéria, no sul da Sibéria. Assim, até o final do século XVI a Rússia foi transformada em um Estado multiétnico, multiconfessional e transcontinental.

No entanto, o czarismo foi enfraquecido pela longa e mal sucedida Guerra da Livônia contra uma coalizão entre Polônia, Lituânia e Suécia pelo acesso ao Mar Báltico e ao comércio marítimo.[51] Ao mesmo tempo, os tártaros do Canato da Crimeia, o único sucessor remanescente da Horda de Ouro, continuou a atacar o sul da Rússia.[52] No esforço para restaurar os canatos do Volga, os crimeanos e seus aliados otomanos invadiram a região central da Rússia e chegaram a queimar partes de Moscou em 1571.[53] No ano seguinte, no entanto, o grande exército invasor foi completamente derrotado pelos russos na Batalha de Molodi, eliminando para sempre a ameaça da expansão otomana da Crimeia para o território russo. Os ataques de crimeanos, no entanto, não cessaram até o final do século XVII, embora a construção de novas linhas fortificadas em todo sul russo diminuíam constantemente a área acessível às incursões.[54]

A morte dos filhos de Ivã marcou o fim da antiga dinastia ruríquida em 1598, e em combinação com a fome de 1601-1603,[55] levou a nação à guerra civil, governos instáveis e intervenção estrangeira durante o chamado "Tempo de Dificuldades" no início século XVII.[56] A Comunidade Polaco-Lituana ocupou partes da Rússia, incluindo Moscou. Em 1612, os poloneses foram forçados a recuar pelo corpo de voluntários da Rússia, liderado por dois heróis nacionais, o comerciante Kuzma Minin e o príncipe Dmitry Pozharsky. A Dinastia Romanov chegou ao poder em 1613 por decisão do Zemsky Sobor (o parlamento feudal) e o país começou a sua gradual recuperação da crise.[57]

Conquista da Sibéria por Yermak, por Vasily Surikov.

A Rússia continuou o seu crescimento territorial ao longo do século XVII, que ficou conhecido como a era de cossacos. Os cossacos eram guerreiros organizados em comunidades militares, assemelhando-se a piratas e pioneiros do Novo Mundo. Em 1648, camponeses da Ucrânia juntaram-se aos cossacos da Zaporójia em rebelião contra a Comunidade Polaco-Lituana, durante a Revolta de Khmelnitski, por causa da opressão social e religiosa que sofriam sob o domínio polonês. Em 1654, o líder ucraniano Bohdan Khmelnytsky propôs colocar a Ucrânia sob a proteção do czar russo Aleixo I. A aceitação desta oferta por Aleixo levou a outra guerra russo-polonesa entre 1654 e 1667. Finalmente, a Ucrânia foi dividida ao longo do rio Dnieper, deixando a parte ocidental sob o domínio polonês e a parte oriental (o que incluía Kiev) sob o domínio russo. Mais tarde, entre 1670 e 1671, os cossacos do Don, liderados por Stenka Razin, iniciaram uma grande revolta na região do Volga, mas as tropas do czar foram bem sucedidas em derrotar os rebeldes.[58]

No leste, a rápida exploração da Rússia e a colonização dos imensos territórios da Sibéria foi liderada principalmente pelos cossacos que caçavam em busca de peles e marfim, que eram muito valiosos. Os exploradores russos foram para o leste, principalmente ao longo das rotas dos rios siberianos, e em meados do século XVII, havia assentamentos russos na Sibéria Oriental, na península de Chukchi, ao longo do rio Amur e na costa do Pacífico. Em 1648, o Estreito de Bering, entre a Ásia e a América do Norte foi transpassado pela primeira vez por Fedot Alekseyevich Popov e Semyon Dezhnyov.[59]

Império[editar | editar código-fonte]

Czar Pedro I, o precursor do Império Russo.

Sob o governo de Pedro, o Grande, a Rússia foi proclamada um império em 1721 e passou a ser reconhecido como uma potência mundial. Durante seu governo entre 1682 e 1725, Pedro derrotou a Suécia na Grande Guerra do Norte, forçando-a a ceder a Carélia e a Íngria (duas regiões que os russos perderam durante o Tempo das Dificuldades),[60] além de Reval e Livônia, garantindo o acesso da Rússia ao mar e ao comércio marítimo.[61] Nas margens do mar Báltico, Pedro I fundou uma nova capital chamada São Petersburgo, mais tarde conhecida como a "janela da Rússia para a Europa". As reformas de Pedro, o Grande, trouxeram consideráveis influências culturais da Europa Ocidental para o país.[62]

A czarina Catarina, a Grande continuou o trabalho de Pedro, derrotando a Polônia e anexando a Bielorrússia e a Ucrânia, outrora a nação fundadora daquele Império. Catarina assina um acordo com o reino da Geórgia de modo a evitar invasões do Império Otomano, e a Geórgia passa a ser protegida militarmente pela Rússia.

Em 1812, a grande armada de Napoleão entra em Moscovo, mas vê-se forçada a abandoná-la, já que a cidade havia sido evacuada e estava vazia. Os russos tinham preparado uma armadilha contra o imperador francês. O frio e a falta de recursos foram responsáveis pela morte de 95% das tropas francesas.[63] Durante o regresso de Napoleão a Paris, os russos perseguiram-no e dominaram Paris, trazendo para o império as ideias liberais que estavam em marcha na França e na Europa Ocidental. Ainda devido à perseguição sobre Napoleão, a Rússia conquista a Finlândia e a Polónia. O golpe final sobre Napoleão foi dado em 1813, quando os russos e aliados, os austríacos e os prussianos, venceram a armada de Napoleão na batalha de Leipzig.

O Império Russo em 1866 (verde escuro) e as suas áreas de influência (verde claro).

Sucessivas guerras e conflitos vão acompanhando a Rússia até ao fim da era czarista. Sai derrotada na Guerra da Crimeia, que durou de 1853 a 1856. Mais tarde, vence a Guerra Russo-Turca e obriga o Império Otomano a reconhecer a independência da Roménia, da antiga Sérvia e a autonomia da Bulgária

A ascensão de Nicolau I, que governaria entre 1825 e 1855, trava o desenvolvimento da Rússia nos fins do século XIX. A lei da servidão obrigava os camponeses a lavrar as terras sem poder que as possuíssem. O seu sucessor, Alexandre II, que comandou o país de 1855 a 1881, ao ver o atraso da Rússia em relação à Europa, cria reformas que vão fazer com que a Rússia consiga um maior desenvolvimento.

O final do século XIX viu o surgimento de vários movimentos socialistas na Rússia. Alexandre II foi assassinado em 1881 por terroristas revolucionários e o reinado de seu filho, Alexandre III (1881-1894), foi menos liberal, mas mais tranquilo. O último imperador russo, Nicolau II (1894-1917), foi incapaz de evitar que os acontecimentos da Revolução Russa de 1905, desencadeada pela mal sucedida Guerra Russo-Japonesa e pelo incidente conhecido como Domingo Sangrento.[64]

Domingo Sangrento, episódio ocorrido durante a Revolução de 1905 e que acelerou a queda do império.

O levante foi controlado, mas o governo foi forçado a admitir grandes reformas, incluindo a concessão das liberdades de expressão e de reunião, a legalização dos partidos políticos, bem como a criação de um órgão legislativo eleito, a Duma do Império Russo. Essas medidas surtiram escasso efeito, visto que os partidos eram sistematicamente vigiados e a Duma era controlada pela aristocracia e pelo czar, que podia dissolvê-la a qualquer momento. Até 1905, o sistema político da Rússia czarista não possuía partidos políticos, com todo o poder concentrado nas mãos do imperador. Destaca-se que estas mudanças, embora significativas sob o ponto de vista político, não alteravam o quadro social da maior parte da população russa. A migração para a Sibéria aumentou rapidamente no início do século XX, particularmente durante a reforma agrária Stolypin. Entre 1906 e 1914, mais de quatro milhões de colonos chegaram naquela região.[65]

Em 1914, a Rússia entrou na Primeira Guerra Mundial, em resposta à declaração de guerra da Áustria-Hungria contra a Sérvia, que era aliada dos russos, e lutou em várias frentes ao mesmo tempo, isolada de seus aliados da Tríplice Entente. Em 1916, a Ofensiva Brusilov do Exército Russo quase destruiu completamente as forças militares da Áustria-Hungria. No entanto, a já existente desconfiança da população com o regime imperial foi aprofundada pelo aumento dos custos da guerra, muitas baixas e pelos rumores de corrupção e traição. Tudo isso formou o clima para a Revolução Russa de 1917, realizada em dois atos principais.[66] [67]

Revoluções e guerra civil[editar | editar código-fonte]

Apesar da Rússia, na época, ser um dos países mais poderosos do mundo em termos militares, apenas uma fina parte da população, os nobres, tinham boas condições de vida. Os camponeses eram terrivelmente pobres e trabalhavam de sol-a-sol os seus terrenos sem poder possuí-los. As sucessivas derrotas em várias guerras e batalhas durante a Primeira Guerra Mundial e o descontentamento geral da população fizeram com que a economia interna começasse a deteriorar-se. Nesta ocasião, emergem com força os Sovietes e o Partido Operário Social-Democrata Russo, fundado em 1898, e posteriormente dividido entre os mencheviques e os bolcheviques, dois termos análogos a minoria (меньше) e maioria (больше), em russo.[68]

Vladimir Lenin, o líder da Revolução de Outubro (também conhecida como Revolução Bolchevique).

Este quadro político-social foi profundamente alterado pela deflagração da Primeira Guerra Mundial. A Revolução de Fevereiro de 1917 caracterizou a primeira fase da Revolução Russa. A consequência imediata foi a abdicação do czar Nicolau II. Ela ocorreu como resultado da insatisfação popular com a autocracia czarista e com a participação negativa do país na Primeira Guerra Mundial. Ela levou à transferência de poder do czar para um regime republicano, surgido da aliança entre liberais e socialistas que pretendiam conduzir reformas políticas.[68]

As mudanças propostas pelos mencheviques, que haviam liderado a Revolução de Fevereiro, não alteraram o quadro social, pois o país continuava a sofrer grandes perdas em função da participação na Guerra. A insatisfação social, aliada à atuação dos bolcheviques, fez eclodir a Revolução de Outubro. O marco desta revolução foi a invasão do Palácio de Inverno pelos revolucionários. A Revolução de Outubro foi liderada por Vladimir Lênin, tornando-se a primeira revolução socialista do século XX.[68]

A saída da Rússia da Primeira Guerra Mundial, o desejo da volta do poder da então elite russa e o medo de que o ideário comunista poderia propagar-se pela Europa e eventualmente pelo mundo, fez eclodir a Guerra Civil Russa, que contou com a participação de diversas nações. O então primeiro-ministro francês, George Clemenceau, criou a expressão Cordão Sanitário, com o intuito de isolar a Rússia bolchevique do restante do mundo. O idealismo dos bolchevique propagado para a população mais pobre foi o fator decisivo para a vitória dos partidários de Lênin.[68]

Após a Revolução de Outubro, uma guerra civil eclodiu entre o Exército Branco, que era anticomunista, e o novo regime soviético com o seu Exército Vermelho. A Rússia bolchevista perdeu seus territórios ucranianos, poloneses, bálticos e finlandeses ao assinar o Tratado de Brest-Litovsk, que acabou com as hostilidades com as Potências Centrais da Primeira Guerra Mundial. As potências aliadas lançaram uma intervenção militar mal sucedida em apoio de forças anticomunistas. Entretanto tanto os bolcheviques quanto o movimento branco realizaram campanhas de deportações e execuções contra os outros, episódio que ficou conhecido, respectivamente, como Terror Vermelho e Terror Branco. Até o final da guerra civil russa, a economia e a infraestrutura do país foram profundamente danificadas. Milhões de membros do movimento branco emigraram,[69] enquanto a fome russa de 1921 matou cerca de 5 milhões de pessoas.[70]

União Soviética[editar | editar código-fonte]

Josef Stalin supervisionando as obras do Canal de Moscou, construído entre 1932 e 1937 por prisioneiros de gulags.

A República Socialista Federativa Soviética Russa em conjunto com as Repúblicas Socialistas Soviéticas da Ucrânia, Bielorrússia e Transcaucásia, formaram a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), ou simplesmente União Soviética, em 30 de dezembro de 1922. A República Socialista Russa era a maior e mais populosa das 15 repúblicas que compunham a URSS, e dominou a união durante toda a sua existência de 69 anos.[71]

Após a morte de Lenin, em 1924, uma troika foi designada para governar a União Soviética. No entanto, Josef Stalin, o então secretário-geral do Partido Comunista, conseguiu suprimir todos os grupos de oposição dentro do partido e consolidar o poder em suas mãos. Leon Trotsky, o principal defensor da revolução mundial, foi exilado da União Soviética em 1929 e a ideia de Stalin de "socialismo em um só país" tornou-se a linha principal. A contínua luta interna no Partido Bolchevique culminou no Grande Expurgo, um período de repressão em massa entre 1937 e 1938, durante a qual centenas de milhares de pessoas foram executadas, incluindo os membros e líderes militares originais do partido, que foram acusados de golpe de Estado.[72] Sob a liderança de Stalin, o governo lançou promoveu uma economia planificada, a industrialização do país, que em grande parte ainda era basicamente rural, e a coletivização da agricultura. Durante este período de rápida mudança econômica e social, milhões de pessoas foram enviadas para campos de trabalho forçado,[73] incluindo muitos presos políticos que se opunham ao governo de Stalin, além de milhões que foram deportados e exilados para áreas remotas da União Soviética. A desorganizada de transição da agricultura do país, combinada com duras políticas estatais e uma seca, levou à fome soviética de 1932-1933.[73] A União Soviética, embora a um preço muito alto, foi transformada de uma economia agrária para uma grande potência industrial em um pequeno espaço de tempo.[73]

Após a vitória na Batalha de Berlim, durante a Segunda Guerra Mundial, soldados do Exército Vermelho içaram a bandeira soviética na varanda do Hotel Adlon, na capital alemã.

A política de apaziguamento promovida pelo Reino Unido e França sobre a anexação da Áustria e a invasão da Tchecoslováquia ampliou o poder da Alemanha nazista e colocou uma ameaça de guerra entre o regime de Adolf Hitler e a União Soviética. Na mesma época, o Terceiro Reich aliou-se ao Império do Japão, um rival dos soviéticos no Extremo Oriente e um inimigo declarado da URSS nas guerras de fronteira soviético-japonesas entre 1938 e 1939. Em agosto de 1939, após outro fracasso nas tentativas de estabelecer uma aliança antinazista com os britânicos e franceses, o governo soviético decidiu melhorar suas relações com os nazistas através da celebração do Pacto Molotov-Ribbentrop, prometendo a não-agressão entre os dois países e dividindo suas esferas de influência na Europa Oriental. Enquanto Hitler invadiu a Polônia e a França e outros países atuavam em uma frente única no início da Segunda Guerra Mundial, a URSS foi capaz de construir o seu exército e recuperar alguns dos antigos territórios do Império Russo, como resultado da invasão soviética da Polônia, da Guerra de Inverno e da ocupação dos países bálticos. Em 22 de junho de 1941, a Alemanha nazista rompeu o tratado de não-agressão e invadiu a União Soviética, com a maior e mais poderosa força de invasão na história humana[74] e a abertura do maior teatro da Segunda Guerra Mundial. Embora o exército alemão tenha tido um considerável sucesso no início da invasão, o ataque foi interrompido na Batalha de Moscou. Posteriormente, os alemães foram sofreram grandes derrotas na Batalha de Stalingrado, no inverno entre 1942 e 1943,[75] e, em seguida, na Batalha de Kursk, no verão de 1943. Outra falha alemã foi o Cerco de Leningrado, em que a cidade foi totalmente bloqueada por terra entre 1941 e 1944 por forças alemãs e finlandesas, e sofreu uma crise de fome que matou mais de um milhão de pessoas, mas nunca se rendeu.[76] Sob a administração de Stalin e a liderança de comandantes como Georgy Zhukov e Konstantin Rokossovsky, as forças soviéticas chegaram à Europa Oriental entre 1944 e 1945 e tomaram Berlim em maio de 1945. Em agosto de 1945 o exército soviético venceu os japoneses em Manchukuo, na China, e na Coreia do Norte, contribuindo para a vitória dos Aliados sobre o Japão Imperial.[77] [78]

Máxima extensão do chamado "Império Soviético" no planeta durante o período da Guerra Fria. Em vermelho estão os países sob governos comunistas e em laranja os países sob governos com tendências socialistas.

O período da Segunda Guerra Mundial (1941-1945) é conhecido na Rússia como a Grande Guerra Patriótica. Durante este conflito, que incluiu muitas das operações de combate mais letais da história da humanidade, as mortes de civis e militares soviéticos foram 10,6 milhões e 15,9 milhões, respectivamente,[79] representando cerca de um terço de todas as vítimas de todo o conflito. A perda demográfica total dos povos soviéticos foi ainda maior.[80] A economia e a infraestrutura soviéticas sofreram uma devastação massiva, mas a URSS emergiu como uma superpotência militar reconhecida após o fim da guerra.[81]

O Exército Vermelho ocupou a Europa Oriental depois da guerra, incluindo a Alemanha Oriental. Governos socialistas dependentes dos soviéticos foram instalados em Estados fantoches no chamado Bloco do Leste. Ao tornar-se a segunda potência nuclear do mundo, a União Soviética criou a aliança do Pacto de Varsóvia e entrou em uma luta pela dominação global com os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), período conhecido como Guerra Fria. A União Soviética apoiou movimentos revolucionários em todo o mundo, inclusive na recém-formada República Popular da China, na República Popular Democrática da Coreia e, mais tarde, na República de Cuba. Quantidades significativas de recursos soviéticos foram alocados em ajuda para os outros Estados socialistas.[82]

Após a morte de Stalin e um curto período de governo coletivo, o novo líder Nikita Khrushchov denunciou o culto à personalidade de Stalin e lançou a política de desestalinização. O sistema de trabalho penal foi reformado e muitos prisioneiros foram libertados e reabilitados (muitos deles postumamente).[83] O abrandamento geral das políticas repressivas ficou conhecido mais tarde como o "Degelo de Kruschev". Ao mesmo tempo, as tensões com os Estados Unidos aumentaram quando os dois rivais entraram em confronto sobre a instalação dos mísseis PGM-19 Jupiter norte-americanos na Turquia e de mísseis soviéticos em Cuba.[84]

Iuri Gagarin, o primeiro humano a viajar pelo espaço.

Em 1957, a União Soviética lançou o primeiro satélite artificial do mundo, o Sputnik 1, iniciando assim a era espacial. O cosmonauta russo Yuri Gagarin se tornou o primeiro ser humano a orbitar a Terra a bordo da nave espacial Vostok 1, em 12 de abril de 1961. Depois da substituição de Khrushchev, em 1964, um outro período de domínio coletivo se seguiu até que Leonid Brezhnev se tornou o novo líder. O período da década de 1970 e início dos anos 1980 foi designado mais tarde como a Era da Estagnação, um período em que o crescimento econômico abrandou e as políticas sociais tornaram-se estáticas. A reforma de 1965 voltou-se para a descentralização parcial da economia soviética e mudou a ênfase na indústria pesada e de armas para a indústria leve e de bens de consumo, mas foi sufocada pela liderança comunista conservadora.

Em 1979, após uma revolução comunista no Afeganistão, as forças soviéticas entraram naquele país, a pedido do novo regime. A ocupação drenou recursos econômicos e arrastou-se sem alcançar resultados políticos significativos. Em última análise, o Exército Soviético foi retirado do Afeganistão em 1989 pela oposição internacional, pela persistente guerrilha anti-soviética e pela falta de apoio por parte dos cidadãos soviéticos.

A partir de 1985, o último líder da URSS, Mikhail Gorbachev, tentou aprovar reformas liberais no sistema soviético e apresentou as políticas de glasnost (abertura) e da perestroika (reestruturação), na tentativa de acabar com o período de estagnação econômica e democratizar o governo. Isso, no entanto, levou ao surgimento de fortes movimentos nacionalistas e separatistas. Antes de 1991, a economia soviética era a segunda maior do mundo,[85] mas durante seus últimos anos, foi atingida pela escassez de mercadorias em supermercados, enormes déficits orçamentários e pelo crescimento explosivo na oferta de dinheiro, o que levando à inflação.[86]

Em 1991, a crise econômica e política começou a transbordar e as repúblicas bálticas escolheram separar-se da URSS.[87] Em 17 de março, foi realizado um referendo, em que a grande maioria dos cidadãos participantes votaram a favor de preservar a União Soviética como uma federação renovada. Em agosto de 1991, uma tentativa de golpe de Estado foi feita por membros do governo dirigida contra Gorbachev e visava preservar a União Soviética. Em vez disso, levou ao fim do Partido Comunista da União Soviética. Apesar da vontade expressa pelo povo, em 25 de dezembro de 1991, a União Soviética foi dissolvida em 15 Estados pós-soviéticos.[88]

Federação[editar | editar código-fonte]

Boris Yeltsin foi eleito Presidente da Rússia em junho de 1991, na primeira eleição direta presidencial na história russa. Durante e após a desintegração soviética, amplas reformas, incluindo a privatização, mercados e a liberalização comercial, estavam sendo realizadas,[89] incluindo mudanças radicais ao longo das linhas de "terapia de choque", como recomendado pelos Estados Unidos e pelo Fundo Monetário Internacional.[90] Tudo isso resultou em uma grave crise econômica, caracterizada pela queda de 50% do PIB e da produção industrial entre 1990-1995.[89] [91]

O empreendimento Centro Internacional de Negócios em Moscou, julho de 2014.

A privatização, em grande parte, deslocou o controle de empresas dos órgãos estatais para indivíduos com ligações dentro do sistema de governo. Muitos dos empresários "novos-ricos" levaram bilhões em dinheiro e ativos para fora do país em uma enorme fuga de capitais.[92] A depressão do Estado e da economia levou ao colapso dos serviços sociais; a taxa de natalidade despencou, enquanto a taxa de mortalidade disparou. Milhões de pessoas mergulharam na pobreza; saindo de um nível de 1,5% de pobreza no final da era soviética, para 39-49% em meados de 1993.[93] A década de 1990 assistiu ao surgimento da corrupção extrema e da ilegalidade, dando origem às quadrilhas criminosas e aos crimes violentos.[94]

Nos anos 1990 foram expostos os conflitos armados na região da Ciscaucásia (Cáucaso do Norte), tanto os conflitos étnicos locais, quanto as insurreições de separatistas islâmicos. Depois que os separatistas chechenos declararam independência no começo dos anos 1990, uma guerra de guerrilha intermitente foi travada entre os grupos rebeldes e as forças militares russas. Ataques terroristas contra civis foram realizados por separatistas, sendo os mais relevantes a crise dos reféns do teatro de Moscou e o cerco à escola de Beslan, que causaram centenas de mortos e chamaram a atenção do mundo inteiro.

A Rússia assumiu a responsabilidade pela liquidação das dívidas externas da URSS, apesar de sua população ser apenas metade da população do Estado Soviético na altura da sua dissolução.[95] Elevados défices orçamentais provocados pela crise financeira da Rússia em 1998[96] resultaram em um declínio ainda maior do PIB.[89]

Em 31 de dezembro de 1999, o Presidente Ieltsin renunciou, entregando o posto para o recém-nomeado primeiro-ministro, Vladimir Putin, que depois ganhou a eleição presidencial de 2000. Putin suprimiu a rebelião chechena, embora a violência esporádica ainda ocorresse em todo o Cáucaso do Norte. A alta dos preços do petróleo e uma moeda inicialmente fraca, seguido do aumento da demanda interna, consumo e investimentos, tem ajudado a economia a crescer por nove anos consecutivos, melhorando a qualidade de vida e aumentando a influência da Rússia na cena mundial.[97] Apesar das muitas reformas feitas durante a presidência de Putin, seu governo foi criticado pelas nações ocidentais como sendo uma liderança não-democrática.[98] Putin retomou a ordem, a estabilidade e o progresso e ganhou grande popularidade na Rússia.[99]

Em 2 de março de 2008, o então primeiro-ministro do governo Putin e também seu partidário, Dmitry Medvedev, foi eleito Presidente da Rússia, enquanto Putin se tornou seu primeiro-ministro. Em 2012 inverteram-se novamente os papéis e Putin assume novamente a presidência e Medvedev como primeiro-ministro, desta vez com um mandato se estendendo até 2018, dando continuidade ao seu característico estilo de governo conservador/nacionalista, do qual é acompanhado de uma grande aprovação por parte da população russa girando em torno dos 80%[100] .

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa topográfico do território russo.

A Rússia é um país que se estende por grande parte do norte da Eurásia. Composto por grande parte da Europa oriental e do norte da Ásia, é o maior país do mundo em área territorial.[10] Devido ao seu tamanho, a Rússia exibe uma grande diversidade biológica e geográfica. Tal como acontece com a sua topografia, seus climas, vegetação e solos abrangem vastas distâncias.[101]

De norte a sul, a planície europeia oriental é revestida majoritariamente pela tundra, florestas de coníferas (taiga), pastagens (estepe) e regiões áridas (no mar Cáspio), enquanto as mudanças na vegetação refletem as mudanças no clima. A Sibéria suporta uma sequência semelhante, mas coberta em sua maior parte pela taiga. O país possui 41 parques nacionais, 101 reservas biológicas e 40 reservas da biosfera da UNESCO.[102] A Rússia tem as maiores reservas florestais do mundo, conhecidas como "os pulmões da Europa", perdendo apenas para a Floresta Amazônica, no montante de dióxido de carbono que absorve.[103]

Há 266 espécies de mamíferos e 780 espécies de aves no país. Um total de 415 espécies de animais foram incluídos no Livro Vermelho da Federação da Rússia em 1997 e agora estão protegidos.[104]

Topografia[editar | editar código-fonte]

Monte Elbrus, o ponto mais alto da Rússia e de toda a Europa, com 5 642 metros de altura.[105]
Lago Baikal, o maior em volume de água, idade (25 milhões de anos) e profundidade em todo o mundo.[106]

A maior parte do território russo consiste de vastas extensões de planícies, que são compostas predominantemente por estepes no sul e por densas florestas no norte, com a tundra ao longo da costa norte. A Rússia possui 10% das terras aráveis ​​do mundo.[107] Cordilheiras são encontradas ao longo das fronteiras meridionais do país, como a do Cáucaso (onde está o Monte Elbrus, que com 5 642 metros é o ponto mais alto da Rússia e da Europa)[105] e as Montanhas Altai; nas partes orientais como a Cordilheira Verkhoyansk e os vulcões da península de Kamchatka (onde está o Klyuchevskaya Sopka, que com 4 750 metros de altura é o vulcão ativo mais alto da Eurásia, além de ser o ponto mais alto da Rússia asiática). Os Montes Urais são ricos em recursos minerais e formam uma faixa que vai de norte a sul, dividindo a Europa e a Ásia.[108]

A Rússia tem um extenso litoral, com mais 37 mil quilômetros de extensão ao longo dos oceanos Ártico e Pacífico, além dos mares Báltico, Azov, Negro e Cáspio. Os mares de Barents, Branco, Kara, Laptev, siberiano Oriental, Chukchi, Bering, Okhotsk e o mar do Japão estão ligados à Rússia através dos oceanos Ártico e Pacífico. Entre as principais ilhas e arquipélagos russos estão Nova Zembla, Terra de Francisco José, Severnaya Zemlya, Nova Sibéria, Wrangel, Curilas e Sacalina. As ilhas Diomedes (uma controlada pela Rússia e a outra pelos Estados Unidos) estão a apenas 3 quilômetros de distância uma da outra e a ilha Kunashir está a cerca de 20 quilômetros de Hokkaido, no Japão.[97]

A Rússia tem milhares de rios e corpos d'água, o que fornece ao país um dos maiores recursos hídricos superficiais do mundo. Seus lagos contêm aproximadamente um quarto da água doce líquida do mundo.[109] O maior e mais importante de corpos de água doce russos é o Lago Baikal, o lago de água doce mais profundo, puro, antigo e de maior capacidade do planeta.[110] O Baikal, sozinho, contém mais de um quinto da água doce superficial do mundo.[109] Outros grandes lagos incluem o Ladoga e Onega, dois dos maiores lagos da Europa. No mundo, a Rússia perde apenas para o Brasil em termos de volume do total de recursos hídricos renováveis​​. Dos 100 mil rios do país,[111] o Volga é o mais famoso, não só porque é o rio mais longo da Europa, mas também por causa de seu importante papel na história da nação russa. Os rios siberianos Ob, Ienissei, Lena e Amur estão entre os maiores rios do mundo.[97]

Clima[editar | editar código-fonte]

A Rússia domina quase metade da Europa e um terço da Ásia. Este factor faz com que a Rússia possua vários climas diferentes. O país é atravessado por quatro climas: ártico, subártico, temperado e subtropical. As estações podem ser caracterizadas assim: inverno longo e nevoso, primavera temperada, verão curto e quente e outono chuvoso. Essas características, entretanto, variam muito por região.[2] [112] O verão na Rússia também é variável de região a região, registando-se temperaturas médias de 25 °C. Em certos casos extremos, já houve dias em que se registraram temperaturas superiores a 45°C.[112]

A região mais a norte do país, chamada Sibéria, é a mais fria de todo o país. Registam-se temperaturas no inverno da ordem dos -40 °C ou -50 °C, às vezes chegando aos -60 °C ou até menos. A sul, o clima é mais quente, havendo campos e estepes onde as temperaturas chegam aos -8 °C. O frio proveniente da Sibéria alastra-se não só por toda a Rússia como por quase toda a totalidade da Europa e grande parte da Ásia.[112] Na zona central da Rússia, encontram-se as florestas mais claras, mistas, dominadas por bétulas, álamos, carvalhos. As florestas das zonas centrais estão divididas por estepes. A maior parte das estepes é lavrada e semeada por trigo, centeio, milho, girassol, etc.[112]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Composição étnica (2012) [113]
Russos 80,9%
Tártaros 3,87%
Ucranianos 1,41%
Basquírios 1,15%
Chuvaches 1,05%
Chechenos 1,04%
Armênios 0,86%
Outros 9,72%

O grupo étnico russo compõe 79,8% da população do país, apesar de a Federação Russa ser também o lar de diversas consideráveis minorias. No total, 160 outros grupos étnicos e povos indígenas vivem dentro de suas fronteiras.[114] Embora a população russa seja comparativamente grande, sua densidade é baixa devido ao enorme tamanho do país. A população é mais densa no centro e centro-leste da Rússia Europeia, perto dos Montes Urais e no sudoeste da Rússia asiática. 73% da população vive em áreas urbanas, enquanto 27% nas áreas rurais.[115] A população total é de 141.927.297 habitantes, de acordo com dados de 2010.[116]

A população russa chegou a 148.689.000 em 1991, pouco antes da dissolução da União Soviética. Ela começou a experimentar um rápido declínio a partir de meados dos anos 1990.[117] O declínio desacelerou para a quase estagnação nos últimos anos devido à redução das taxas de mortalidade, o aumento das taxas de natalidade e o aumento da imigração.[118]

Em 2009, a Rússia registrou um crescimento da população pela primeira vez em 15 anos, com crescimento total de 10,5 mil.[118] 279.906 migrantes chegaram à Federação da Rússia no mesmo ano, dos quais 93% vieram de países da Comunidade dos Estados Independentes (CEI).[118] O número de emigrantes russos declinou de 359.000 em 2000 para 32.000 em 2009.[118] Há também uma estimativa de 10 milhões de imigrantes ilegais das ex-repúblicas soviéticas vivendo na Rússia.[119] Cerca de 116 milhões de russos étnicos vivem na Rússia[114] e cerca de 20 milhões moram em outras repúblicas da antiga União Soviética,[120] principalmente na Ucrânia e no Cazaquistão.[121]

Densidade populacional no território russo (2013). Cerca de 78% dos russos vivem na Rússia Europeia,[122] mas apenas 25% do território do país fica na Europa.[122]

A Constituição russa garante cuidados de saúde livres e universais para todos os cidadãos.[123] Na prática, porém, os cuidados de saúde gratuitos são parcialmente restritos, devido ao regime propiska.[124] Embora a Rússia tenha mais médicos, hospitais e profissionais de saúde per capita que quase qualquer outro país do mundo,[125] desde o colapso da União Soviética, a saúde da população russa diminuiu consideravelmente, como resultado das mudanças sociais, econômicas e de estilo de vida.[126] Essa tendência foi revertida apenas nos últimos anos, com o aumento da expectativa de vida média de 2,4 anos para os homens e 1,4 anos para as mulheres entre 2006-09.[118]

Em 2009, a expectativa média de vida na Rússia era de 62,77 anos para os homens e 74,67 anos para as mulheres.[127] O maior fator que contribui para a expectativa de vida relativamente baixa do sexo masculino é uma alta taxa de mortalidade entre os homens em idade de trabalho por causas evitáveis, como por exemplo, intoxicação por álcool, tabagismo, acidentes de trânsito e crimes violentos.[118] Como resultado da grande diferença de gênero na expectativa de vida e por causa do efeito duradouro do grande número de vítimas na Segunda Guerra Mundial, o desequilíbrio entre os sexos permanece até hoje, havendo 0,859 homens para cada mulher.[97]

A taxa de natalidade da Rússia é maior do que a da maioria dos países europeus — 12,4 nascimentos por 1000 pessoas em 2008, [118] em comparação com a média da União Europeia, de 9,90 por 1000,[128] enquanto a taxa de mortalidade é substancialmente mais elevada. Em 2009, a taxa de mortalidade da Rússia foi de 14,2 por 1000 pessoas, [118] em comparação com a média de 10,28 por 1000 na UE.[129] No entanto, em 2012, o índice de nascimentos igualou-se ao de mortes, devido ao aumento da fertilidade e da queda na mortalidade. [130] Em 2009, a Rússia registrou a taxa de natalidade mais elevada desde o colapso da URSS: 12,4 nascimentos por 1000 habitantes. Em 1991, o número era de 12,1, e em 1983, a taxa de natalidade teve seu pico, com 17,6 nascimentos a cada 1000 habitantes. [118] [131]

Línguas[editar | editar código-fonte]

Difusão da língua russa: em verde escuro os países onde o russo é o idioma oficial; em verde claro os países onde o russo é amplamente falado, mas sem caráter oficial.

Os 160 grupos étnicos da Rússia falam cerca de 100 idiomas.[10] De acordo com o censo de 2002, 142,6 milhões de pessoas falam russo, seguido pelo tártaro com 5,3 milhões e pelo ucraniano, com 1,8 milhões de falantes.[133] O russo é a única língua oficial, mas a Constituição dá às repúblicas o direito de fazer a sua língua nativa co-oficial, ao lado do idioma russo.[134]

Apesar de sua grande dispersão, o idioma russo é homogêneo em toda a Rússia. O russo é a língua mais ampla em distribuição geográfica de toda a Europa e Ásia, além da língua eslava mais falada.[135] Pertence à família das línguas indo-europeias e é um dos três últimos membros vivos das línguas eslavas orientais, sendo os outros o bielorrusso e o ucraniano. Exemplos escritos do eslavônico, que deu origem a todas as línguas eslavas, são atestados a partir do século X.[136]

O Centro da Língua Russa afirma que um quarto da literatura científica do mundo é publicado em russo.[137] O idioma também é aplicado como um meio de codificação e armazenamento do conhecimento universal. Entre 60% e 70% de todas as informações do mundo são publicadas nas línguas inglesa e russa.[137]

O russo é também uma das seis línguas oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU).[138]

Religião[editar | editar código-fonte]

Religião na Rússia (2012)[139] [140]
Religião Porcentagem
Ortodoxos russos
  
41%
Sem religião
  
38%
Muçulmanos
  
6,5%
Outros cristãos
  
4,1%
Outros ortodoxos
  
1,5%
Neopagãos e tengriistas
  
1,2%
Budistas
  
0,5%
Outras religiões
  
1,7%
Não declarado
  
5,5%

O cristianismo, o islamismo, o budismo e o judaísmo são as religiões tradicionais da Rússia, legalmente uma parte do "patrimônio histórico" do país.[141] As estimativas de fiéis variam amplamente entre as fontes e alguns relatórios apontam que o número de ateus e agnósticos na Rússia esteja entre 16% e 48% da população.[142]

Criada através da cristianização da Rússia Kievana, no século X, a Ortodoxia russa é a religião dominante no país, sendo que cerca de 100 milhões de cidadãos se consideram cristãos ortodoxos russos.[143] 95% das regiões registradas como ortodoxas pertencem à Igreja Ortodoxa Russa, enquanto há uma série de outras pequenas Igrejas Ortodoxas.[144] No entanto, a grande maioria dos crentes ortodoxos não frequentam a igreja regularmente. Existem também várias outras denominações cristãs menores, como os católicos, os armênios gregorianos e os protestantes.

Templo de Todas as Religiões, na cidade multicultural de Cazã.

Estatísticas de 2010, divulgadas pelo The Pew Forum on Religion and Public Life, mostram que 71% dos russos se declaram ortodoxos, 1,8% pertencem a denominações protestantes, 0,5% são católicos e 0,3% têm outras crenças Cristãs.[145]

As estimativas do número de muçulmanos variam entre 7-9 e 15-20 milhões de fiéis.[146] Também existem entre 3 e 4 milhões de imigrantes muçulmanos dos Estados pós-soviéticos.[147] A maioria dos muçulmanos vive na região do Volga-Ural, assim como no Cáucaso, Moscou, São Petersburgo e na Sibéria ocidental.[148]

O budismo é tradicional em três regiões da Federação Russa: Buriácia, Tuva e Calmúquia. Alguns moradores das regiões da Sibéria e do Extremo Oriente, como Iacútia e Chukotka, praticam o xamanismo, panteísmo e ritos pagãos, juntamente com as grandes religiões. A indução religiosa ocorre principalmente em linhas étnicas. Os cristão ortodoxos são majoritariamente eslavos, os muçulmanos são predominantemente povos turcos e os povos mongóis são budistas.[149]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Kremlin de Moscou, o local de trabalho do presidente do país.

A Rússia é uma democracia Federal, baseada num sistema de Estado de Direito sob a forma de República.[150] Os três poderes do Estado, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, são independentes entre si. As decisões políticas são tomadas na Assembleia Federal da Rússia, que é constituída por dois congressos: a Duma e o Soviete da Federação, a câmara baixa e a câmara alta, respectivamente.

A Duma é a câmara baixa, com 450 deputados. Qualquer cidadão com nacionalidade russa nativa ou adquirida e com mais de 21 anos pode ser eleito deputado dessa assembleia. Todas as leis a serem aplicadas em toda a Federação têm de ter aprovação com maioria absoluta na Duma. O Soviete da Federação é a câmara alta, composta por 166 membros, indicados por cada um dos 83 distritos da Rússia.

O presidente da Rússia é o chefe de estado, protector da Constituição, dos direitos e das liberdades dos cidadãos e tem de accionar qualquer medida para proteger a integridade da soberania russa. É ele que representa a Rússia nos encontros diplomáticos. Tem também a função de escolher o primeiro-ministro, desde que com o consentimento da Duma. [151]

O presidente é eleito através do voto livre, popular, directo, universal e secreto para um mandato de seis anos, podendo repeti-lo mais uma única vez. Qualquer cidadão russo pode ser candidato a presidente desde que tenha mais de 35 anos e 10 de permanência no território russo.[152] [153] O atual presidente da Rússia é Vladimir Putin, no cargo desde março de 2012, sucedendo a Dmitri Medvedev.

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

Vladimir Putin reunido com os outros líderes dos BRICS durante a 9ª reunião de cúpula do G20, realizada em Brisbane, Austrália.

A Federação Russa é reconhecida pelo direito internacional como o Estado sucessor da União Soviética.[17] A Rússia continua a cumprir os compromissos internacionais da URSS e assumiu sua sede permanente no Conselho de Segurança da ONU, a participação em outras organizações internacionais, os direitos e obrigações decorrentes de tratados internacionais e os bens e dívidas. A Rússia tem uma política externa multifacetada. Em 2009, o país mantinha relações diplomáticas com 191 países e tinha 144 embaixadas. A política externa é determinada pelo presidente e implementada pelo Ministério de Assuntos Estrangeiros da Rússia.[154]

Como o sucessor de uma antiga superpotência, a condição geopolítica da Rússia tem sido muito debatida, principalmente com relação aos pontos de vista unipolar e multipolar no sistema político global. Enquanto a Rússia é comumente aceita como uma grande potência, nos últimos anos tem sido caracterizada por uma série de líderes mundiais,[155] [156] estudiosos,[157] comentaristas e políticos como uma superpotência emergente.[158] No entanto, tal caracterização tem sido contestada por outros.[159] [160]

Como um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, a Rússia desempenha um papel importante na manutenção da paz e da segurança internacional. O país participa do Quarteto de Madrid e do Diálogo a Seis com a Coreia do Norte. A Rússia é membro do Grupo dos Oito (G8), do Conselho da Europa, da OSCE e da APEC. O país assume, geralmente, um papel de liderança em organizações regionais como a CEI, EurAsEC, OTSC e a OCX.[161] O presidente Vladimir Putin, defendeu uma parceria estratégica e uma estreita integração em várias dimensões, incluindo a criação de espaços comuns, com a União Europeia.[162] Desde o colapso da União Soviética, a Rússia tem desenvolvido uma relação amistosa, apesar de volátil, com a OTAN. O Conselho OTAN-Rússia foi criado em 2002 para permitir que os 26 membros da aliança militar e a Rússia trabalhem juntos como parceiros iguais para aproveitar as oportunidades de colaboração conjunta.[163]

Sob Putin, a Rússia procurou reforçar os laços com a República Popular da China através da assinatura do Tratado de Amizade, bem como com a construção de um oleoduto transiberiano, voltado para as crescentes necessidades de energia da China.[164]

Forças Armadas[editar | editar código-fonte]

Os modernos caças russos Sukhoi Su-35, Sukhoi Su-34 e Sukhoi PAK FA em pleno voo.

As Forças Armadas da Rússia estão divididas em Exército, Marinha e Aeronáutica. Há também três braços independentes: as Forças Estratégicas de Mísseis, as Forças Espaciais e as Tropas Aerotransportadas. Em 2006, os militares tinham 1,037 milhão de pessoas na ativa.[165] É obrigatório para todos os cidadãos do sexo masculino com idades entre 18 e 27 anos prestar dois anos de serviço para as Forças Armadas.[97]

A Rússia tem o maior arsenal de armas nucleares e a segunda maior frota de submarinos nucleares do mundo, além de ser o único país, além dos Estados Unidos, com uma força moderna de bombardeiros estratégicos.[18] [166] A força de tanques da Rússia é a maior do mundo e a sua marinha de superfície e força aérea estão entre a mais fortes do planeta.

O país tem uma ampla indústria armamentista totalmente nacional, produzindo a maioria dos seus próprios equipamentos militares, com apenas alguns tipos de armas importadas. A Rússia é o principal fornecedor mundial de armas, uma posição que tem mantido desde 2001, representando cerca de 30% das vendas mundiais de armas [167] e exportando armas para cerca de 80 países.[168]

Os gastos militares oficiais do governo para 2008 foi de 58 bilhões de dólares, o quinto maior do mundo, embora várias fontes estimarem que os gastos militares da Rússia tenham sido consideravelmente maiores.[165] [169] Atualmente, um importante pacote de atualização de equipamentos de 200 bilhões de dólares está previsto para o período entre 2006 e 2015.[170]

Direitos humanos[editar | editar código-fonte]

O ativista LGBT e jornalista Nikolay Alexeyev sendo preso em 2010 durante um protesto contra o prefeito de Moscou.

Os direitos e liberdades dos cidadãos russos são concedidos pelo capítulo 2 da constituição do país, aprovada em 1993. A Rússia é também um país signatário da Declaração Universal dos Direitos Humanos e também ratificou uma série de outros instrumentos internacionais de direitos humanos, incluindo o Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos, o Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais e a Convenção Europeia dos Direitos Humanos. Estes instrumentos do direito internacional prevalecem sobre a legislação nacional de acordo com o Capítulo 1, Artigo 15º da constituição russa.[171]

No entanto, de acordo com organizações internacionais de direitos humanos e órgãos da imprensa nacional, as violações dos direitos humanos no país[172] incluem tortura generalizada e sistemática de pessoas sob custódia da polícia,[173] [174] prática de dedovshchina (termo usado para ser referir a um sistema de humilhações e torturas) no exército russo, negligência e crueldade em orfanatos,[175] além de violações de direitos das crianças.[176] De acordo com a Anistia Internacional, há discriminação, racismo e assassinatos de membros de minorias étnicas no país.[177] [178]

No relatório Freedom in the World de 2013, a organização norte-americana Freedom House considerou a Rússia um país "não livre", com problemas na garantia de direitos políticos e de liberdades civis.[179] Em 2006, a The Economist publicou uma classificação de democracia entre 162 nações ao redor do mundo e colocou a Rússia no 102º lugar, classificando o país como um "regime híbrido, com uma tendência para o controle dos meios de comunicação e de outras liberdades civis."[180] Há também casos de ataques a manifestantes organizados pelas autoridades locais.[181] Parlamentares da oposição e jornalistas, como Anna Politkovskaya[182] e Anastasia Baburova, foram assassinados, além de defensores dos direitos humanos, cientistas e jornalistas terem sido presos.[183] Desde 1992, ao menos 50 jornalistas foram mortos em todo o país.[184]

Homossexuais e pessoas LGBT em geral têm enfrentado crescentes restrições aos seus direitos nos últimos anos na Rússia.[185] Em 2012, o Tribunal Superior de Moscou determinou que nenhuma parada gay pode ser realizada na cidade pelos próximos 100 anos.[186] Em 2013, o governo russo aprovou um projeto de lei federal que proíbe a distribuição de "propaganda de relações sexuais não-tradicionais" para menores. A lei impõe multas pesadas para o uso da mídia ou da internet para promover "relações não-tradicionais".[187] A ONG Human Rights Watch divulgou uma compilação de vídeos coletados na internet que mostram violentas agressões físicas e psicológicas que homossexuais sofrem no país por parte de grupos de extrema direita. De acordo com uma pesquisa da organização Russian LGBT Network feita com 2 437 homossexuais russos no primeiro semestre de 2013, 56% disseram já ter sofrido algum tipo de assédio psicológico; 16% disseram já ter sido agredido fisicamente; 7% afirmaram ter sofrido violência sexual; e 8% dizem que foram detidos pelas forças policiais, pelo menos uma vez, simplesmente por conta de sua orientação sexual. Cerca de 77% dos entrevistados também disseram não ter confiança na polícia e uma grande parte dos gays sequer tentam registrar a violência.[188]

Divisões administrativas[editar | editar código-fonte]

Na Rússia, vigora o sistema estatal de uma República Federal onde existem dentro desse país várias divisões autónomas. Actualmente, a Federação é dividida em 83 partes das quais: [2]

Cada distrito autónomo faz parte de um território ou de uma província. As outras divisões são praticamente autónomas.

Durante o segundo mandato de Vladimir Putin, iniciou-se um processo de agregação das subdivisões de modo a tornar mais simples o mapa e, consequentemente, a distribuição das demais decisões políticas tomadas na Duma e no Soviete da Federação. Em dezembro de 2005, a província de Perm e o distrito autónomo de Komi-Permyaki uniram-se e formaram o Krai de Perm. Em janeiro de 2007, os distritos autónomos de Taymyria e Evenkia passaram integrar o território de Krasnoyarsk.

Economia[editar | editar código-fonte]

A Rússia tem uma economia de mercado com enormes recursos naturais, particularmente petróleo e gás natural. Tem a 9ª maior economia do mundo por PIB nominal e a 6ª maior por paridade do poder de compra (PPC). Desde a virada do século XXI, o maior consumo interno e a maior estabilidade política têm impulsionado o crescimento econômico na Rússia. O país encerrou 2008 como sendo seu nono ano consecutivo de crescimento, com média de 7% ao ano. O crescimento foi impulsionado principalmente pelos serviços não comercializáveis e de bens para o mercado interno, ao contrário dos lucros gerados pelo petróleo, extração mineral e exportação.[97] O salário médio na Rússia foi de 640 dólares por mês no início de 2008, acima dos 80 dólares registrados em 2000.[189] Aproximadamente 13,7% dos russos viviam abaixo da linha da pobreza nacional em 2010,[190] número significativamente menor dos 40% de 1998, o pior número do período pós-soviético.[93] A taxa de desemprego na Rússia foi de 6% em 2007, abaixo dos cerca de 12,4% em 1999.[191] A classe média cresceu de apenas 8 milhões de pessoas em 2000 para 55 milhões em 2006.[192]

Petróleo, gás natural, metais e madeira respondem por mais de 80% das exportações russas no estrangeiro.[97] Desde 2003, porém, as exportações de recursos naturais começaram a diminuir em importância econômica, com o considerável fortalecimento do mercado interno. Apesar dos preços elevados, energia, petróleo e gás só contribuem com 5,7% do PIB da Rússia e o governo prevê que este número cairá para 3,7% em 2011.[193] As receitas de exportação do petróleo permitiram à Rússia aumentar suas reservas cambiais de US$ 12 bilhões em 1999, para 597,3 bilhões dólares em 1 de agosto de 2008, a terceira maior reserva cambial do mundo.[194] A política macroeconômica do ministro das finanças, Alexei Kudrin, foi sã e prudente, com a renda adicional que está sendo armazenada no Fundo de Estabilização da Rússia.[195] Em 2006, a Rússia reembolsou a maioria de seus débitos,[196] deixando-a com uma das menores dívidas externas entre as principais economias.[197] O Fundo de Estabilização da Rússia ajudou o país a sair da crise financeira global em um estado muito melhor do que muitos especialistas esperavam.[195]

Crise econômica da Rússia pós-soviética e a recuperação econômica nos anos 2000.

Um código de imposto mais simplificado, aprovado em 2001, reduziu a carga tributária sobre as pessoas e as receitas do Estado aumentaram drasticamente.[198] A Rússia tem uma taxa fixa de 13%. Isso o coloca como o país com o segundo sistema fiscal mais atrativo para gestores pessoais únicos no mundo, após os Emirados Árabes Unidos.[199] Segundo a Bloomberg, a Rússia é considerada bem à frente da maioria dos outros países ricos em recursos para o seu desenvolvimento econômico, com uma longa tradição de educação, ciência e indústria.[200] O país tem mais diplomados no ensino superior do que qualquer outro país da Europa.[201] Em dezembro de 2011, a Rússia finalmente se tornou membro da Organização Mundial do Comércio (OMC), permitindo um maior acesso aos mercados estrangeiros. Alguns analistas estimam que a adesão à OMC poderia trazer a economia russa um salto de até 3 por cento ao ano.[202]

Entretanto, o desenvolvimento econômico russo tem sido geograficamente desigual, com a região de Moscou contribuindo com uma parte muito importante do PIB do país.[203] Outro problema é a modernização de sua infraestrutura e o envelhecimento populacional; o governo disse que serão investidos US$ 1 trilhão no desenvolvimento da infraestrutura até 2020.[204] A Rússia é o segundo país mais corrupto da Europa (depois da Ucrânia), de acordo com o Índice de Percepção de Corrupção. A Câmara de Comércio Noruega-Rússia também afirma que a "corrupção é um dos maiores problemas que as empresas russas e internacionais têm de lidar" no país.[205]

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Colheitadeira em um campo de trigo no Oblast de Rostov. A Rússia é um dos maiores produtores de cereais do mundo.

A área total de terra cultivada na Rússia foi estimada em 1.237.294 km² em 2005, a quarta maior do mundo.[206] No período de 1999-2009, a agricultura da Rússia demonstrou um crescimento constante[207] e o país passou de importador de grãos, para terceiro maior exportador de grãos, depois da União Europeia e dos Estados Unidos.[208] A produção de carne cresceu de 6.813.000 toneladas em 1999, para 9.331.000 toneladas em 2008, e continua a crescer.[209]

Esta restauração da agricultura foi apoiada pela política de crédito do governo, ajudando os agricultores e as grandes empresas agrícolas privatizadas, que uma vez foram kolkhozes soviéticos e ainda possuem parte significativa das terras agrícolas do país.[210] Enquanto as grandes explorações concentram-se principalmente na produção de produtos de grãos e pecuária, pequenos lotes familiares particulares produzem batatas, legumes e frutas.[211]

Com acesso a três dos oceanos do mundo (Atlântico, Ártico e Pacífico), as frotas de pesca da Rússia são uma das principais contribuintes do suprimento mundial de pescado. A captura total de peixes foi de 3.191.068 toneladas em 2005.[212] Tanto as exportações, quanto as importações de produtos da pesca e do mar, cresceram significativamente nos últimos anos, atingindo US$ 2.415 e US$ 2.036 milhões em 2008, respectivamente.[213]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Edifício principal da Universidade Estatal de Moscou.

Na Rússia há um sistema de educação gratuito garantido para todos os cidadãos pela Constituição, [214] no entanto, o ingresso ao ensino superior é altamente competitivo. [215] Como resultado da grande ênfase em ciência e tecnologia na educação, médicos, matemáticos, cientistas e pesquisadores aeroespaciais russos são, geralmente, altamente qualificados. [216]

Desde 1990, a formação escolar de onze anos é utilizada no país. A educação estatal em escolas secundárias é gratuita, a primeira fase do ensino superior, a nível universitário, é gratuito, mas com reservas, já que uma parte significativa dos estudantes está inscrito para pagamento integral, devido ao fato de as instituições do Estado começarem a abrir posições comerciais nos últimos anos. [217]

Em 2004, a despesa do estado com a educação atingiu 3,6% do PIB russo, ou 13% do orçamento do Estado. [218] O governo aloca fundos para pagar as mensalidades dentro de uma cota estabelecida ou pelo número de estudantes de cada instituição estatal. Nas instituições de ensino superior, os estudantes recebem um pequeno salário e alojamento gratuito. [219]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Uma clínica móvel usada para prover assistência médica em estações ferroviárias de áreas remotas.

A constituição russa garante assistência médica universal e gratuita para todos os seus cidadãos.[220] Na prática, porém, os serviços de saúde gratuitos são parcialmente limitados por causa do registro obrigatório.[221] A Rússia tem mais médicos, hospitais e profissionais de saúde per capita do que quase qualquer outro país no mundo,[222] mas desde a dissolução da União Soviética, a qualidade da saúde da população russa diminuiu consideravelmente, como resultado de mudanças sociais, econômicas e do estilo de vida;[223] essa tendência tem sido revertida apenas nos últimos anos, quando a expectativa de vida média aumentou 2,4 anos para os homens e 1,4 anos para as mulheres no período entre 2006 e 2009.[118]

Em 2009, a expectativa de vida média na Rússia era de 62,77 anos para os homens e 74,67 anos para as mulheres.[224] O maior fator que contribui para a expectativa de vida relativamente baixa para o sexo masculino é uma alta taxa de mortalidade entre os homens em idade de trabalho. Essas mortes ocorrem principalmente devido a causas evitáveis ​​(por exemplo, intoxicação por álcool, tabagismo, acidentes de trânsito, crimes violentos).[118] Como resultado da grande diferença na expectativa de vida entre os gêneros e também por causa do efeito duradouro de muitas baixas na Segunda Guerra Mundial, o desequilíbrio entre os sexos permanece até hoje, sendo que há 0,859 homens para cada mulher russa.[97]

Energia[editar | editar código-fonte]

Rede de oleodutos e gasodutos ligando a Rússia ao resto da Europa.

Nos últimos anos, a Rússia tem sido frequentemente descrita na mídia como uma "superpotência energética".[225] [226] O país tem as maiores reservas mundiais de gás natural,[227] a 8ª maior reserva de petróleo[228] e a segunda maior reserva de carvão.[229] A Rússia é o maior exportador[230] e o segundo maior produtor de gás natural do mundo,[231] ao mesmo tempo em que é o segundo maior exportador[232] e o maior produtor de petróleo do planeta,[233] embora dispute o último estatuto com a Arábia Saudita, de tempos em tempos.

Pelo comprimento total de gasodutos, a Rússia possui a segunda maior rede do planeta, atrás apenas da dos Estados Unidos. Atualmente, muitos projetos de novos gasodutos estão sendo realizados, incluindo os gasodutos Nord Stream e South Stream, que têm por objetivo transportar o gás natural à Europa, e o Oleoduto da Sibéria e do Pacífico, para o Extremo Oriente, China, Japão e Coreia do Sul.

A Rússia é o terceiro maior produtor de eletricidade do mundo[234] e o quinto maior produtor de energia renovável, este último devido à produção hidroeléctrica bem desenvolvida no país.[235] Grandes usinas hidrelétricas são construídas na Rússia Europeia ao longo de grandes rios, como o Volga. A parte asiática da Rússia também possui um grande número de importantes usinas hidrelétricas, porém o gigantesco potencial hidrelétrico da Sibéria e do Extremo Oriente russo permanece largamente inexplorado.

A Rússia foi o primeiro país a desenvolver a energia nuclear para fins civis e construiu a primeira usina nuclear de energia do mundo. Atualmente, o país é o quarto maior produtor de energia nuclear.[236] A energia nuclear na Rússia é gerenciada pela estatal Rosatom Corporation. O setor está se desenvolvendo rapidamente, com o objetivo de aumentar a quota total de energia nuclear a partir dos 16,9% atuais para 23% até 2020. O governo russo pretende atribuir 127.000 milhões de rublos (5,42 bilhões de dólares) para um programa federal dedicado à próxima geração de tecnologia de energia nuclear. Cerca de 1 trilhão de rublos (42.700 milhões de dólares) deverá ser atribuído do orçamento federal para a energia nuclear e para o desenvolvimento da indústria até 2015.[237]

Ciência e tecnologia[editar | editar código-fonte]

A estação espacial Mir, que foi desativada em 2001.

A ciência e tecnologia na Rússia floresceram na época do Iluminismo, quando Pedro, o Grande fundou a Academia de Ciências da Rússia e Universidade Estatal de São Petersburgo e o polímata Mikhail Lomonosov estabeleceu a Universidade Estatal de Moscou, pavimentando o caminho para uma forte tradição nativa de aprendizagem e inovação. Nos séculos XIX e XX o país produziu um grande número de cientistas notáveis​​, fazendo importantes contribuições para a física, astronomia, matemática, computação, química, biologia, geologia e geografia. Inventores e engenheiros russos destacaram-se em áreas como engenharia elétrica, construção naval, aeroespacial, armamentos, comunicações, informática, tecnologia nuclear e tecnologia espacial.

Entre as principais invenções russas estão a soldadura, desenvolvida por Nikolai Benardos, além de Nikolai Slavyanov, Konstantin Khrenov e outros engenheiros russos. Gleb Kotelnikov inventou o paraquedas de mochila, enquanto Evgueni Tchertovsky inventou o traje pressurizado. Alexander Lodiguin e Pavel Iablotchkov foram os pioneiros da iluminação elétrica e Mikhail Dolivo-Dobrovolski introduziu os primeiros sistemas trifásicos de energia elétrica, amplamente usado hoje. Sergei Lebedev inventou a primeira borracha sintética comercialmente viável e produzida em massa. O primeiro computador ternário, Setun, foi desenvolvido por Nikolai Brusentsov.

Os foguetes Soyuz são responsáveis ​​pelo lançamento de todas as naves espaciais Soyuz e Progress ao espaço.

As realizações da Rússia no domínio da tecnologia espacial e exploração espacial têm origem nos trabalhos de Konstantin Tsiolkovsky, o pai da austronáutica teórica.[238] Seus trabalhos inspiraram os principais engenheiros de foguetes soviéticos, como Sergei Korolev, Valentin Glushko e muitos outros que contribuíram para a sucesso do programa espacial soviético nos estágios iniciais da corrida espacial e também posteriormente.

Em 1957, o primeiro satélite artificial em órbita da Terra, o Sputnik 1, foi lançado. Em 1961, a primeira viagem humana ao espaço que teve êxito foi feita por Yuri Gagarin, e muitos outros recordes da exploração espacial soviética e russa se seguiram, inclusive com a primeira caminhada espacial realizada por Aleksei Leonov, o primeiro veículo de exploração espacial, o Lunokhod 1, e a primeira estação espacial, a Salyut 1.

Atualmente, a Rússia é o país que mais lança satélites no mundo[239] e é o único fornecedor de serviços de transporte para turismo espacial. Com todas estas conquistas, no entanto, desde a dissolução da União Soviética, o país ficou atrasado em relação ao Ocidente em uma série de tecnologias, principalmente aquelas relacionadas à conservação de energia e produção de bens de consumo. A crise dos anos 1990 levou à redução drástica do apoio do Estado à ciência e a uma fuga de cérebros da Rússia.

Nos anos 2000, na onda de um novo boom econômico, a situação da ciência e tecnologia na Rússia tem melhorado e o governo lançou uma campanha destinada à modernização e à inovação. O ex-presidente russo, Dmitri Medvedev, formulou cinco prioridades principais para o desenvolvimento tecnológico do país: o uso eficiente de energia, a informática, incluindo os produtos comuns e os produtos combinados com a tecnologia espacial, a energia nuclear e os produtos farmacêuticos.[240] Atualmente a Rússia está a terminar o GLONASS, o único sistema de navegação por satélite global além do GPS estadunidense, e construindo a primeira usina nuclear móvel.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Monumento que marca o quilômetro 9 288, no final da Ferrovia Transiberiana, em Vladivostok.

O transporte ferroviário na Rússia está, na maior parte, sob o controle do monopólio da estatal Ferrovias Russas. Os lucros da empresa respondem por mais de 3,6% do PIB da Rússia e trata 39% do tráfego de carga total, incluindo gasodutos e oleodutos, e mais de 42% do tráfego de passageiros.[241] A extensão total das vias férreas comumente usadas ultrapassa os 85,500 km,[241] perdendo apenas para os Estados Unidos. Há mais de 44.000 km de linhas eletrificadas,[242] a maior rede do mundo e, adicionalmente, existem mais de 30.000 km de linhas de carga não-comum. As ferrovias da Rússia, ao contrário da maioria do mundo, usam de bitola larga de 1,520 mm, com exceção de 957 km na ilha Sacalina, que tem bitola estreita de 1.067 mm. A estrada de ferro mais famosa da Rússia é a Transiberiana, abrangendo um recorde de sete fusos horários, sendo o terceiro mais longo serviço contínuo do mundo, depois dos serviços das linha de Moscou-Vladivostok (9,259 km), Moscou-Pyongyang (10,267 km)[243] e Kiev-Vladivostok (11,085 km).[244]

Em 2006, a Rússia tinha 933,000 km de estradas, das quais 755.000 eram pavimentadas.[245] Algumas destes compõem o sistema de auto-estradas federais russas. Com uma grande área de terra a densidade de estradas é a menor de todos os países do G8 e do BRIC.[246]

Os 102 mil quilômetros das vias navegáveis na Rússia vão, na maior parte, por rios ou lagos naturais. Na parte europeia do país, a rede de canais faz ligação com as bacias dos principais rios. A capital da Rússia, Moscou, é às vezes chamada de "o porto dos cinco mares", devido à sua ligação com a hidrovia para o Mar Báltico, Branco, Cáspio, Negro e Azov.

As principais cidades portuárias da Rússia incluem Rostov do Don no Mar de Azov, Novorossisk no Mar Negro, Astrakhan e Makhachkala no Cáspio, Kaliningrado e São Petersburgo no Báltico, Arkhangelsk no Mar Branco, Murmansk no Mar de Barents e Petropavlovsk-Kamchatski e Vladivostok no Oceano Pacífico. Em 2008, a marinha mercante do país tinha 1.448 navios. A única frota do mundo de quebra-gelos nucleares avança a exploração econômica da plataforma continental do Ártico e o desenvolvimento do comércio marítimo na Passagem do Nordeste, entre a Europa e a Ásia Oriental.

Pelo comprimento total de gasodutos, a Rússia possui a segunda maior rede do planeta, atrás apenas da dos Estados Unidos. Atualmente, muitos projetos de novos gasodutos estão sendo realizados, incluindo os gasodutos Nord Stream e South Stream, que têm por objetivo transportar o gás natural à Europa, e o Oleoduto da Sibéria e do Pacífico, para o Extremo Oriente, China, Japão e Coreia do Sul.

A Rússia tem 1.216 aeroportos,[247] sendo os mais movimentados o Sheremetyevo, o Domodedovo e o Vnukovo, em Moscou, e o Pulkovo, em São Petersburgo. O comprimento total das linhas aéreas na Rússia ultrapassa os 600.000 km.[248]

Normalmente, as grandes cidades russas têm sistemas bem desenvolvidos e diversificados de transportes públicos, sendo as variedades mais comuns de veículos os ônibus, trólebus e bondes. Sete cidades russas, Moscou, São Petersburgo, Nizhny Novgorod, Novosibirsk, Samara, Ecaterimburgo e Cazã, têm sistemas de metrô, enquanto Volgogrado possui um sistema de VLT. O comprimento total de metrôs na Rússia é de 465,4 quilômetros. O metrô de Moscou e o de São Petersburgo são os mais antigos da Rússia, inaugurados em 1935 e 1955, respectivamente. Esses dois estão entre os sistemas de metrô mais rápidos e mais movimentados do mundo e são famosos pela rica e única decoração de suas estações, que é uma tradição comum em metrôs e ferrovias russas.

Cultura[editar | editar código-fonte]

NoFonti.svg
Esta seção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Matrioshkas, artesanato típico do país.

Há mais de 160 diferentes grupos étnicos e povos indígenas na Rússia.[114] Contribuem para a diversidade cultural do país os russos étnicos de tradições eslavas ortodoxas, os tártaros e bashkires, com a sua cultura turco-muçulmana, os nômades budistas buriates e calmucos, os povos xamânicos do Extremo Norte e da Sibéria, os montanheses do Cáucaso do Norte e os povos fino-úgricos da Região Noroeste e do Volga.

O artesanato, como os brinquedos matrioshka e dymkovo, o estilo khokhloma, a cerâmica gzhel e as miniatura de palekh, representam um importante aspecto da cultura popular russa. Roupas étnicas russas incluem o caftan, a kosovorotka e a ushanka para os homens e o sarafan e o kokoshnik para mulheres, com lapti e valenki como sapatos comuns. As roupas dos cossacos do sul da Rússia incluem a burka e a papaha, que partilham com os povos do Cáucaso do Norte.

O vários grupos étnicos da Rússia têm tradições distintas de música folclórica. Instrumentos musicais étnicos típicos do país são gusli, a balalaika, zhaleika e a garmoshka. A música popular teve grande influência nos compositores clássicos russos e nos tempos modernos é uma fonte de inspiração para uma série de bandas folclóricas mais populares, incluindo a Melnitsa. Canções populares russas, assim como canções patrióticas soviéticas, constituem o grosso do repertório do renome mundial da Assembleia Alexandrov e outros conjuntos populares.

Os russos têm muitas tradições, incluindo a lavagem em banya, um banho de vapor quente semelhante à sauna.[43] O folclore russo antigo tem suas raízes na religião pagã eslava. Muitos contos de fadas russos e épicos bylinas foram adaptados para filmes por diretores de destaque, como Aleksandr Ptushko e Aleksandr Rou. Poetas russos, incluindo Pyotr Yershov e Leonid Filatov, fizeram uma série de bem conhecidas interpretações poéticas dos contos de fadas clássicos.

Culinária[editar | editar código-fonte]

A culinária russa utiliza muitos peixes, aves, cogumelos, frutos e mel. As culturas de centeio, trigo, cevada e milho fornecem os ingredientes para vários tipos de pães, panquecas e cereais, bem como para kvas, cerveja e vodka. O pão de centeio é bastante popular na Rússia, em comparação com o resto do mundo. Saborosas sopas e guisados incluem o borsch, shchi, ukha, solyanka e okroshka. A smetana, um creme azedo, é frequentemente adicionado a sopas e saladas. Pirozhki, blini e syrniki são receitas tradicionais de panquecas. O Frango à Kiev, o pelmeni e o shashlyk são populares pratos de carne, os dois últimos com origem tártara e do Cáucaso, respectivamente. Saladas incluem a salada russa, o vinagrete e a sel'd' pod shuboi.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Desde a cristianização da Rússia Kievana, por várias eras a arquitetura russa foi influenciada, principalmente, pela arquitetura bizantina. Além de fortificações, os chamados kremlins, os edifícios de pedra da antiga Rússia eram as igrejas ortodoxas, com suas cúpulas, muitas vezes, douradas ou pintadas.

Aristóteles Fioravanti e outros arquitetos italianos do Renascimento trouxeram novas tendências para a Rússia no século XV, enquanto o século XVI viu o desenvolvimento das igrejas em forma de tenda,[249] representadas pela Catedral de São Basílio. Nessa época, o projeto de cúpulas aceboladas também foi plenamente desenvolvido.[250] No século XVII, o "estilo fogo" de ornamentação floresceu em Moscou e Iaroslavl, gradualmente pavimentando o caminho para o barroco Naryshkin da década de 1690. Após as reformas de Pedro, o Grande, a mudança de estilos arquitetônicos na Rússia passaram a seguir os da Europa Ocidental.

O século XVIII foi marcado pela preferência à arquitetura rococó e levou a obras ornadas por Bartolomeo Rastrelli e seus seguidores. O reinado de Catarina, a Grande e seu neto, Alexandre I, viu o florescimento da arquitetura neoclássica, principalmente na então capital do país, São Petersburgo. A segunda metade do século XIX foi dominada pelo estilo neobizantino e pelo chamado revival russo. Os estilos predominantes do século XX foram os da Art Nouveau, do Construtivismo russo e do Classicismo soviético.

Em 1955, o novo líder soviético, Nikita Kruschev, condenou os "excessos" da antiga arquitetura acadêmica,[251] e o final da era soviética foi dominado pelo funcionalismo na arquitetura. Isso ajudou, em parte, a resolver o problema da habitação, mas criou uma grande quantidade de edifícios de baixa qualidade arquitetônica, em contraste com os suntuosos estilos anteriores. A situação melhorou nas últimas duas décadas. Muitos templos demolidos nos tempos soviéticos foram reconstruídos e esse processo continua, juntamente com a restauração de vários prédios históricos destruídos na Segunda Guerra Mundial. Um total de 23.000 igrejas ortodoxas foram reconstruídas entre 1991 e 2010, o que efetivamente quadruplicou o número de igrejas que operam na Rússia.[252]

Música e dança[editar | editar código-fonte]

A cena Dança da Neve, do balé O Quebra-Nozes, composto por Piotr Ilitch Tchaikovsky.

A música da Rússia do século XIX foi definida pela tensão entre o compositor clássico Mikhail Glinka, junto com seus seguidores, que abraçou a identidade nacional russa e adicionou elementos religiosos e populares em suas composições, e a Sociedade Musical Russa, liderada pelos compositores Anton e Nikolai Rubinstein, que eram musicalmente conservadores. A tradição posterior de Pyotr Ilyich Tchaikovsky, um dos maiores compositores da era romântica, foi continuada no século XX por Sergei Rachmaninoff.[253] Compositores de renome mundial do século XX incluem também Alexander Scriabin, Igor Stravinsky, Sergei Prokofiev, Dmitri Shostakovich e Alfred Schnittke.

Os conservatórios russos revelaram gerações de solistas famosos. Entre os mais conhecidos, estão os violinistas David Oistrakh e Gidon Kremer, o violoncelista Mstislav Rostropovich, os pianistas Vladimir Horowitz, Sviatoslav Richter e Emil Gilels, e os vocalistas Feodor Chaliapin, Galina Vishnevskaya, Anna Netrebko e Dmitri Hvorostovsky.[254]

No início do século XX, os dançarinos russos de balé Anna Pavlova e Vaslav Nijinsky alcançaram a fama. O empresário Sergei Diaghilev e as viagens ao exterior da sua companhia, a Ballets Russes, influenciaram profundamente o desenvolvimento da dança no mundo inteiro.[255] O balé soviético preservou e aperfeiçoou as tradições do século XIX[256] e as escolas de coreografia da União Soviética produziram muitas estrelas de renome internacional, como Maya Plisetskaia, Rudolf Nureyev e Mikhail Baryshnikov. O Balé Bolshoi, em Moscou, e o Balé Mariinsky, em São Petersburgo, tornaram-se famosos em todo o mundo.[257]

O rock russo moderno tem suas raízes tanto no rock and roll quanto no heavy metal ocidental, e nas tradições dos poetas russos da era soviética, como Vladimir Vysotsky e Bulat Okudzhava.[258] Entre os grupos de rock russos mais populares incluem-se Mashina Vremeni, |DDT, Akvarium, Alisa, Kino, Kipelov, Nautilus Pompilius, Aria, Grazhdanskaya Oborona, Splean e Korol i Shut. A música pop russa se desenvolveu do que era conhecido nos tempos soviéticos como estrada, para uma indústria de pleno direito, com alguns artistas a ganhar reconhecimento internacional amplo, como t.A.T.u. e Vitas.

Literatura e filosofia[editar | editar código-fonte]

Liev Tolstói (1828–1910), novelista e filósofo russo.

A literatura russa é considerada uma das mais influentes e desenvolvidas do mundo, contribuindo com muitas das mais famosas obras literárias da história. No século XVIII, o seu desenvolvimento foi impulsionado pelos trabalhos de Mikhail Lomonosov e Denis Fonvizin, e no início do século XIX, uma moderna tradição nativa surgiu, produzindo alguns dos maiores escritores de todos os tempos. Esse período, também conhecido como a era de ouro da poesia russa, iniciou-se com Alexander Pushkin, que é considerado o fundador da literatura russa moderna e muitas vezes descrito como o "Shakespeare Russo". [259] Esse período prosseguiu pelo século XIX com a poesia de Mikhail Lérmontov e Nikolai Nekrasov, os dramas de Alexandre Ostrovski e Anton Tchekhov e a prosa de Nikolai Gogol e Ivan Turgueniev. Liev Tolstói e Fiódor Dostoiévski, em particular, são figuras titânicas da literatua, a tal ponto que muitos críticos literários têm descrito um ou o outro como o maior escritor de todos os tempos.[260] [261]

Por volta de 1880, a época dos grandes romancistas acabou, enquanto os contos e a poesia se tornavam os gêneros dominantes. As próximas décadas ficariam conhecidas como a era de prata da poesia russa, quando o realismo literário, antes dominante, foi substituído pelo simbolismo. Os principais autores desta época incluem poetas como Valeri Briusov, Viacheslav Ivanov, Aleksandr Blok, Nikolai Gumilev e Anna Akhmatova e romancistas como Leonid Andreiev, Ivan Bunin e Máximo Gorki.

A filosofia russa floresceu no século XIX, quando foi definida inicialmente pela oposição aos ocidentalistas, que defendiam o modelo político e econômico ocidental, e os eslavófilos, que insistiam no desenvolvimento da Rússia como uma civilização única. Este último grupo inclui Nikolai Daniliévski e Konstantin Leontiev, os fundadores do eurasianismo. No campo da filosofia, a Rússia sempre foi marcada por uma profunda conexão com a literatura e o interesse pela criatividade, sociedade, política e nacionalismo. O cosmismo russo e a filosofia religiosa eram outras áreas importantes. Notáveis filósofos do fim século XIX e início do século XX incluem Vladimir Soloviov, Serguei Bulgakov e Vladimir Vernadski.

Após a Revolução de 1917, muitos escritores e filósofos proeminentes deixaram o país, incluindo Ivan Bunin, Vladimir Nabokov e Nikolai Berdiaev, enquanto uma nova geração de autores talentosos se uniram em um esforço para criar uma cultura transformada, baseada na classe trabalhadora do recém-formado Estado soviético. Nos anos 1930, a censura sobre a literatura foi reforçada em consonância com a política do realismo socialista. A partir do final dos anos 1950, as restrições contra a literatura foram relaxadas, e nas décadas de 1970 e 1980, os escritores russos cada vez mais ignoravam as orientações oficiais. Os principais autores da União Soviética incluem os romancistas Evgueni Zamiatin, Ilf e Petrov, Mikhail Bulgakov e Mikhail Sholokhov e os poetas Vladimir Maiakovski, Evgueni Ievtushenko e Andrei Voznesenski.

Teatro e cinema[editar | editar código-fonte]

O teatro russo é, sem dúvida um dos mais ricos do mundo, devido à quantidade de dramaturgos, escritores e peças de teatro. Pensa-se que os russos são aqueles que mais vão ao teatro em todo o mundo. Um dos maiores símbolos do teatro russo é o Teatro Bolshoi, em Moscovo, onde são apresentadas inúmeras peças de teatro russas ou estrangeiras, além de balé e ópera. O teatro russo começa desde muito cedo, antes da dinastia Romanov, onde se usavam marionetes e música tradicional.

O cinema surgiu na Rússia com os irmãos Lumière, pouco antes do fim do Império, quando os franceses passaram a exibir filmes em São Petersburgo e Moscovo, no ano de 1896. Alexandre Drankov foi o primeiro cineasta russo, produzindo Stenka Razin.

Durante a Primeira Guerra Mundial, foram produzidos muitos filmes sobre o conflito, com ideias e mensagens anti-germânicas.

Sob a URSS, os filmes foram produzidos de forma moderada pelo regime. Os aclamados clássicos de Serguei Eisenstein ficaram mundialmente conhecidos. Com a criação do programa espacial soviético, grande parte dos filmes mudaram o foco para a ficção científica, como o famoso Solaris.

No fim do século XX e início do século XXI, com a desintegração da URSS, o cinema russo sofreu um golpe na qualidade e produção de seus filmes. Um dos filmes mais famosos e aceitos pela crítica, produzidos naquela época, foi o Barbeiro da Sibéria, de 1998.

Pintura[editar | editar código-fonte]

A Trindade, por Andrei Rublev.

A pintura na Rússia tem uma história demarcada por cinco fases bem distintas. Inicia-se na cristianização do Caganato Rus', ocorrida em torno de 860, quando o intercâmbio cultural com o Império Bizantino levou para lá a tradição da pintura de ícones. Essa tradição, toda voltada para a religião, constituiu a única manifestação em pintura na Rússia até a ocidentalização do país no século XVIII por Pedro, o Grande, quando em menos de meio século formou-se uma escola de pintura praticamente nova, de caráter profano, correlacionada ao fim do Barroco que se desenvolvia no resto da Europa.

Integrando-se à evolução geral da arte europeia desde então, a pintura russa teria um momento de destaque e daria uma importante contribuição própria à arte ocidental por ocasião da emergência das vanguardas, no início do século XX, quando pintores como Kandinsky e Malevich seriam os precursores dos movimentos abstratos na pintura.

Com a Revolução de Outubro, em 1917, os pintores foram obrigados pelo Estado a seguir uma estética figurativa populista, originando o estilo conhecido como Realismo socialista, que só perderia força com a progressiva liberalização do regime político local no fim do século XX, quando um grupo de artistas do underground iniciou um movimento de contestação das fórmulas da arte oficial, introduzindo conceitos contemporâneos na pintura russa, diversificando enormemente seus horizontes.

Esportes[editar | editar código-fonte]

Maria Sharapova, a atleta feminina mais bem paga do mundo.[262]

Desde já, o país tem uma das maiores federações olímpicas do mundo. O comité olímpico russo conta com inúmeros atletas. Natação, atletismo e judô são apenas alguns exemplos de modalidades olímpicas praticadas na Rússia. Dentre os atletas destacados, encontram-se o corredor Yuriy Borzakovskiy, o ciclista Mikhail Ignatiev, a ginasta Alina Kabaeva, o corredor Denis Nijegorodov, a saltadora Svetlana Feofanova, além de uma das principais atletas do país, Yelena Isinbayeva, dona de muitos recordes mundiais no salto com vara. Após a Rússia, ainda no tempo da URSS, ter recebido as Olimpíadas de 1980, outra cidade russa foi escolhida para acolher os jogos: Sochi vai receber os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014.[263]

O ténis profissional na Rússia, apesar dos vários atletas revelados, é recente. Contudo, a Rússia conta com cerca de dez tenistas olímpicos, como Andrei Cherkasov, Elena Dementieva, Maria Sharapova, Yevgeny Kafelnikov, Anastasia Myskina, Marat Safin, Mikhail Youzhny, Nikolay Davydenko, Svetlana Kuznetsova e a ex-tenista Anna Kournikova. Outro grande destaque é o patinador de gelo mais famoso do mundo, com o maior número de títulos da categoria, Evgeni Plushenko.

O futebol também ocupa uma posição de destaque, graças às equipas que constituem a liga principal de futebol russo. Os clubes mais conhecidos são os moscovitas Spartak, CSKA, Dínamo, Lokomotiv e o único clube de São Petersburgo, Zenit. Diversas equipas russas tiveram participação na Taça UEFA e na Liga dos Campeões. O CSKA Moscou venceu a Taça UEFA em 2005 e o Zenit São Petersburgo em 2008, além de a equipe ter feito história ao levantar a Supercopa da Europa, no mesmo ano. O Spartak Moscou foi semifinalista da Liga dos Campeões da UEFA.

Em relação às principais competições internacionais entre selecções nacionais, a selecção de futebol da Rússia nunca teve um desempenho muito marcante, embora na Euro 2008 tenha logrado atingir as quartas-de-final da competição, eliminando a Holanda, tendo sido, no entanto, derrotada por 3-0 pela selecção da Espanha, detentora do título. O maior título de futebol da Rússia é a Eurocopa de 1960, conquistada ainda como União Soviética.

Em 2010, o país foi escolhido como sede da Copa do Mundo FIFA de futebol em 2018.

Quando o assunto é Artes Marciais Mistas (MMA), Fedor Emelianenko é considerado um dos maiores nomes da história do esporte, tendo permanecido praticamente invicto por pouco mais de nove anos.[264] [265]

Dias comemorativos[editar | editar código-fonte]

A tabela que se segue apresenta os feriados obrigatórios e oficiais a nível federal. Como cada república tem a sua própria autonomia, elas podem ter os seus próprios feriados.

Feriados
Data Em português Em russo Observações
1 de Janeiro Dia de Ano Novo Новый год Dia da Fraternidade Universal.
13 de Janeiro Ano Novo Ortodoxo Старый новый год Início de um novo ano de acordo com o calendário Juliano, utilizado pela Igreja Ortodoxa Russa.
7 de Janeiro Natal Рождество Христово Dia do nascimento de Jesus Cristo, de acordo com o calendário Juliano.
23 de Fevereiro Dia do Defensor da Pátria День Защитника Отечества Celebração do Exército Vermelho durante a Guerra Civil Russa.
8 de Março Dia da Mulher Международный женский день Celebração das conquistas e direitos das mulheres. A Rússia Soviética foi vanguardista no estabelecimento de direitos às mulheres.[266]
12 de Abril Dia dos Cosmonautas День космонавтики Em 12 de Abril de 1961, o cosmonauta soviético Iuri Gagárin tornou-se o primeiro homem a viajar pelo espaço.
1 de Maio Dia dos Trabalhadores День международной солидарности трудящихся Um dos feriados mais celebrados da União Soviética, o dia dos trabalhadores celebra as conquistas e direitos dos trabalhadores. A Rússia foi o primeiro país a estabelecer constitucionalmente os trabalhadores e camponeses como classe dominante.[267]
9 de Maio Festa da Grande Vitória na Guerra Patriótica День Победы в Великой Отечественной войне Homenagem aos milhões de soviéticos mortos na Segunda Guerra Mundial. É o feriado militar mais importante da Rússia, marcado por luto, pelas milhões de vidas perdidas, e por alegria, pela vitória e término da guerra.
12 de Junho Dia da Independência День Независимости Em 12 de Junho de 1993, a Rússia Soviética se declarava independente do poder central da URSS.
4 de Novembro Festa da Unidade Popular День народного единства Data de expulsão das tropas católicas de Moscou, em 1612.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências

  1. http://ricolor.org/history/hr/wars/1240/ O lema não-oficial da Rússia - "Кто на Русь с мечом придёт, от меча погибнет!" - foi pronunciado por Aleksandr Nevski em 1240, após a batalha vitoriosa contra os suecos e, novamente, em 1552 quando Ivan IV o Terrível anexou Kazan, com exércitos poderosos, ao seu território.
  2. a b c Fact Book 2007 da CIA
  3. [1]. Visitado em 27 de abril de 2010.
  4. População urbana em 2006 segundo o Instituto Federal de Estatísticas da Rússia [2]
  5. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI): World Economic Outlook Database (Outubro de 2014). Visitado em 29 de outubro de 2014.
  6. Distribution of family income – Gini index The World Factbook CIA. Visitado em 13 de janeiro de 2011.
  7. The Constitution of the Russian Federation (Article 1). Visitado em 2009-06-25.
  8. The CIA World Fact Book, "Russia". Visitado em 2009-06-25.
  9. Artigo primeiro, alínea 2 da constituição: [3] Traduzindo: Os nomes "Federação da Rússia/Federação Russa" e "Rússia" são equivalentes. Ver também "rossiiane".
  10. a b c d e Russia Encyclopedia Britannica. Visitado em 2008-01-31.
  11. The Russian federation: general characteristics. Visitado em 5 de abril de 2008.
  12. a b c excerpted from Glenn E. Curtis (ed.) (1998). Russia: A Country Study: Kievan Rus' and Mongol Periods Washington, DC: Federal Research Division of the Library of Congress. Visitado em 20 de julho de 2007.
  13. Superpower politics: change in the United States and the Soviet Union http://books.google.com/books?id=XXcVAAAAIAAJ&pg=PA4
  14. Weinberg, G.L.. A World at Arms: A Global History of World War II. [S.l.]: Cambridge University Press, 1995. p. 264. ISBN 0521558794.
  15. Osbourne, Andrew, World leaders gather as Russia remembers. The Age
  16. Rozhnov, Konstantin, Who won World War II?. BBC. Russian historian Valentin Falin
  17. a b Country Profile: Russia Foreign & Commonwealth Office of the United Kingdom. Visitado em 2007-12-27.
  18. a b Status of Nuclear Powers and Their Nuclear Capabilities Federation of American Scientists. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  19. Online Etymology Dictionary Etymonline.com. Visitado em 2 de novembro de 2011.
  20. Rus – definition of Rus by the Free Online Dictionary, Thesaurus and Encyclopedia Thefreedictionary.com. Visitado em 2 de novembro de 2011.
  21. Milner-Gulland, R. R.. The Russians: The People of Europe. [S.l.]: Blackwell Publishing, 1997. 1–4 pp. ISBN 0-631-21849-1.
  22. Higham, T. et al.. (Jan 2006). "Revised direct radiocarbon dating of the Vindija G1 Upper Paleolithic Neanderthals" (Free full text). Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 103 (3): 553–557. DOI:10.1073/pnas.0510005103. ISSN 0027-8424. PMID 16407102. Bibcode2006PNAS..103..553H.
  23. Brown, David (25 de março de 2010), "DNA from bone shows new human forerunner, and raises array of questions", Washington Post, http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2010/03/24/AR2010032401926_pf.html 
  24. a b Belinskij A, Härke, H. (1999). "The 'Princess' of Ipatovo". Archeology 52 (2).
  25. Drews, Robert. Early Riders: The beginnings of mounted warfare in Asia and Europe. New York: Routledge, 2004. p. 50. ISBN 0-415-32624-9.
  26. Koryakova, L.. Sintashta-Arkaim Culture The Center for the Study of the Eurasian Nomads (CSEN). Visitado em 20 de julho de 2007.
  27. 1998 NOVA documentary: "Ice Mummies: Siberian Ice Maiden" Transcript. Visitado em 26 de dezembro de 2007.
  28. Jacobson, E.. The Art of the Scythians: The Interpenetration of Cultures at the Edge of the Hellenic World. [S.l.]: Brill, 1995. p. 38. ISBN 90-04-09856-9.
  29. Tsetskhladze, G.R.. The Greek Colonisation of the Black Sea Area: Historical Interpretation of Archaeology. [S.l.]: F. Steiner, 1998. p. 48. ISBN 3-515-07302-7.
  30. Turchin, P.. Historical Dynamics: Why States Rise and Fall. [S.l.]: Princeton University Press, 2003. 185–186 pp. ISBN 0-691-11669-5.
  31. Christian, D.. A History of Russia, Central Asia and Mongolia. [S.l.]: Blackwell Publishing, 1998. 286–288 pp. ISBN 0-631-20814-3.
  32. For a discussion of the origins of Slavs, see Barford, P.M.. The Early Slavs. [S.l.]: Cornell University Press, 2001. 15–16 pp. ISBN 0-8014-3977-9.
  33. Christian, D.. A History of Russia, Central Asia and Mongolia. [S.l.]: Blackwell Publishing, 1998. 6–7 pp.
  34. Obolensky, D.. Byzantium and the Slavs. [S.l.]: St Vladimir's Seminary Press, 1994. p. 42. ISBN 0-88141-008-X.
  35. Thompson, J.W.; Johnson, E.N.. An Introduction to Medieval Europe, 300–1500. [S.l.]: W. W. Norton & Co., 1937. p. 268. ISBN 0-415-34699-1.
  36. Ukraine: Security Assistance U.S. Department of State. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  37. Klyuchevsky, V.. The course of the Russian history. [S.l.]: Myslʹ, 1987. vol. 1. ISBN 5-244-00072-1.
  38. Hamm, M.F.. Kiev: A Portrait, 1800–1917. [S.l.]: Princeton University Press, 1995. ISBN 0-691-02585-1.
  39. The Destruction of Kiev Tspace.library.utoronto.ca. Visitado em 19 de janeiro de 2011.
  40. History of Russia from Early Slavs history and Kievan Rus to Romanovs dynasty Parallelsixty.com. Visitado em 27 de abril de 2010.
  41. Рыбаков, Б. А.. Ремесло Древней Руси. [S.l.: s.n.], 1948. 525–533, 780–781 pp.
  42. Christiansen, Eric. The Northern Crusades. Penguin Books. London, 1997. ISBN 0-14-026653-4
  43. a b The history of banya and sauna (russo)
  44. "Black Death". Joseph Patrick Byrne (2004). p. 62. ISBN 0-313-32492-1
  45. Разин Е. А. История военного искусства VI — XVI вв. С.-Пб.: ООО «Издательство Полигон», 1999. — 656 с. Тираж 7000 экз. ISBN 5-89173-040-5 (VI — XVI вв.). ISBN 5-89173-038-3. (Военно-историческая библиотека)[4]
  46. May, T.. Khanate of the Golden Horde. Visitado em 27 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 7 de junho de 2008.
  47. Alfred Znamierowski. Illustrated book of Flags. Londres: Southwater - Annes Publishing Ltd, 2003. p. 55. ISBN 1-84215-881-3.
  48. Frank D. McConnell. Storytelling and Mythmaking: Images from Film and Literature. Oxford University Press, 1979. ISBN 0-19-502572-5; p. 78: "But Ivan IV, Ivan the Terrible, or as the Russian has it, Ivan Groznyi, "Ivan the Magnificent" or "Ivan the Awesome," is precisely a man who has become a legend"
  49. Solovyov, S.. History of Russia from the Earliest Times. [S.l.]: AST, 2001. 562–604 pp. vol. 6. ISBN 5-17-002142-9.
  50. Skrynnikov, R.. Ivan the Terrible. [S.l.]: Academic Intl Pr, 1981. p. 219. ISBN 0-87569-039-4.
  51. Solovyov, S.. History of Russia from the Earliest Times. [S.l.]: AST, 2001. 751–908 pp. vol. 6. ISBN 5-17-002142-9.
  52. The Crimean Tatars and their Russian-Captive Slaves. Eizo Matsuki, Mediterranean Studies Group at Hitotsubashi University (PDF). Visitado em 4 de maio de 2013.
  53. Solovyov, S.. History of Russia from the Earliest Times. [S.l.]: AST, 2001. 751–809 pp. vol. 6. ISBN 5-17-002142-9.
  54. Бобровский М.В. Козельские засеки (эколого-исторический очерк). Калуга: Изд-во Н. Бочкаревой, 2002. 92 с., com mapas e ilustrações (em russo)
  55. Borisenkov E, Pasetski V.. The thousand-year annals of the extreme meteorological phenomena. [S.l.: s.n.]. p. 190. ISBN 5-244-00212-0.
  56. Solovyov, S.. History of Russia from the Earliest Times. [S.l.]: AST, 2001. 461–568 pp. vol. 7. ISBN 5-17-002142-9.
  57. Almanaque de Gota. Gota, Alemanha: Justus Perthes, 1944. 103–106 pp.
  58. Avrich, Paul. "Russian Rebels, 1600-1800" (New York: Schocken Books, 1976)
  59. Basil Dymytryshyn, 'Russia's Conquest of Siberia, 1985, volume one, document 82
  60. Solovyov, S.. History of Russia from the Earliest Times. [S.l.]: AST, 2001. vol. 9 ch.1. ISBN 5-17-002142-9. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  61. Solovyov, S.. History of Russia from the Earliest Times. [S.l.]: AST, 2001. vol. 15, ch.1.
  62. V. Morozov. The Discourses of Saint Petersburg and the Shaping of a Wider Europe, Copenhagen Peace Research Institute. 2002. Ciaonet.org
  63. História da Rússia: A queda de Napoleão [5] parágrafo 6
  64. Wood, 1979. p. 18
  65. N. M. Dronin, E. G. Bellinger (2005). "Climate dependence and food problems in Russia, 1900–1990: the interaction of climate and agricultural policy and their effect on food problems". Central European University Press. p. 38. ISBN 963-7326-10-3
  66. Allan Wildman, The End of the Russian Imperial Army, vol. 1 (Princeton, 1980): 76–80
  67. Hubertus Jahn, Patriotic Culture in Russia During World War I (Ithaca, 1995)
  68. a b c d Acton, Edward. Rethinking the Russian Revolution. [S.l.]: Oxford University Press US, 1990. ISBN 978-0-7131-6530-2. Visitado em 29 August 2010.
  69. Transactions of the American Philosophical Society. James E. Hassell (1991), p. 3. ISBN 0-87169-817-X
  70. Famine in Russia: the hidden horrors of 1921, International Committee of the Red Cross
  71. Richard Sakwa The Rise and Fall of the Soviet Union, 1917–1991: 1917–1991. Routledge, 1999. ISBN 9780415122900. pp. 140–143.
  72. Abbott Gleason (2009). A Companion to Russian History. Wiley-Blackwell. p. 373. ISBN 1-4051-3560-3
  73. a b c Getty, Rittersporn, Zemskov. Victims of the Soviet Penal System in the Pre-War Years: A First Approach on the Basis of Archival Evidence. The American Historical Review, Vol. 98, No. 4 (Oct. 1993), pp. 1017–49.
  74. World War II Encyclopædia Britannica. Visitado em 9 de março de 2008.
  75. The Allies' first decisive successes: Stalingrad and the German retreat, summer 1942 – February 1943 Encyclopædia Britannica. Visitado em 12 de março de 2008.
  76. The Legacy of the Siege of Leningrad, 1941–1995. Cambridge University Press. Acessado em 29 de agosto de 2013.
  77. The Associated Press (8 de agosto de 2005). A Soviet Push Helped Force Japan to Surrender The Moscow Times.
  78. Lekic, Slobodan (22 de agosto de 2010). How the Soviets helped Allies defeat Japan San Francisco Chronicle.
  79. Erlikman, V.. Poteri narodonaseleniia v XX veke : spravochnik. Moskva: Russkai︠a︡ panorama, 2004. Note: Estimates for Soviet World War II casualties vary between sources. ISBN 5-93165-107-1.
  80. Geoffrey A. Hosking (2006). "Rulers and victims: the Russians in the Soviet Union". Harvard University Press. p. 242. ISBN 0-674-02178-9
  81. Reconstruction and Cold War Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  82. Foreign trade from A Country Study: Soviet Union (Former). Library of Congress Country Studies project.
  83. "Great Escapes from the Gulag", TIME, 5 de junho de 1978. Página visitada em 1 de agosto de 2008.
  84. Marfleet, B. Gregory. . "The Operational Code of John F. Kennedy During the Cuban Missile Crisis: A Comparison of Public and Private Rhetoric". Political Psychology 21 (3).
  85. 1990 CIA World Factbook Central Intelligence Agency. Visitado em 9 de março de 2008.
  86. Russia Unforeseen Results of Reform The Library of Congress Country Studies; CIA World Factbook. Visitado em 10 de março de 2008.
  87. Van Elsuwege, Peter. From Soviet Republics to Eu Member States: A Legal and Political Assessment of the Baltic States' Accession to the EU. [S.l.]: BRILL, 2008. p. xxii. vol. 1. ISBN 9789004169456.
  88. Krastev, Nikola. Report Says Decline In Freedom Continues Across Former Soviet Union Rferl.org. Visitado em 29 de agosto de 2013.
  89. a b c Russian Federation (PDF) Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD). Visitado em 24 de fevereiro de 2008.
  90. Sciolino, E.. "U.S. is abandoning 'shock therapy' for the Russians", The New York Times, 21 de dezembro de 1993. Página visitada em 20 de janeiro de 2008.
  91. Russia: Economic Conditions in Mid-1996 Library of Congress.
  92. Russia: Clawing Its Way Back to Life (int'l edition) BusinessWeek. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  93. a b Branko Milanovic. Income, Inequality, and Poverty During the Transformation from Planned to Market Economy. [S.l.]: The World Bank, 1998. 186–189 pp.
  94. Jason Bush. (19 de outubro de 2006). "What's Behind Russia's Crime Wave?". BusinessWeek Journal.
  95. Russia pays off USSR’s entire debt, sets to become crediting country Pravda.ru. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  96. Aslund A. Russia's Capitalist Revolution (PDF). Visitado em 28 de março de 2008.
  97. a b c d e f g h The World Factbook. CIA Central Intelligence Agency. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  98. Treisman, D. Is Russia's Experiment with Democracy Over? UCLA International Institute. Visitado em 31 de dezembro de 2007.
  99. Stone, N. "No wonder they like Putin", The Times, 4 de dezembro de 2007. Página visitada em 31 de dezembro de 2007.
  100. Natalia Kovalenko. Qual a razão da popularidade de Putin?. Visitado em 30 de Outubro de 2014.
  101. Russia::Climate and vegetation Encyclopædia Britannica. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  102. The World Network of Biosphere Reserves — UNESCO. Russian Federation. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  103. Walsh, NP. "It's Europe's lungs and home to many rare species. But to Russia it's £100bn of wood", Guardian (UK), 19 de setembro de 2003. Página visitada em 31 de agosto de 2013.
  104. I.A. Merzliakova (1 de novembro de 1997). List of animals of the Red Data Book of Russian Federation Enrin.grida.no. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  105. a b Geographic Bureau. Elbrus Region. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  106. Viagem ao fundo do Baikal (asp) (em português) (29/7/2008). Visitado em 17/07/2010.
  107. Oil prices drive the cost of food RIA Novosti. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  108. Encyclopædia BritannicaUral Mountains. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  109. a b Library of Congress. Topography and drainage. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  110. Lake Baikal—A Touchstone for Global Change and Rift Studies United States Geological Survey. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  111. Angara River Encyclopædia Britannica (2007). Visitado em 31 de agosto de 2013.
  112. a b c d Climate Library of Congress. Visitado em 31 de agosto de 2013.
  113. Российская газета. Вот какие мы — россияне. Об итогах Всероссийской переписи населения 2010 года
  114. a b c Ethnic groups in Russia, 2002 census, Demoscope Weekly. Acessado em 5 de fevereiro de 2009.
  115. Resident population Rosstat. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  116. Resultados preliminares do Censo de 2010 (em russo).
  117. Demographics Library of Congress. Visitado em 16 de janeiro de 2008.
  118. a b c d e f g h i j k Modern demographics of Russia by Rosstat. Acessado em 5 de outubro de 2010
  119. Russia cracking down on illegal migrants International Herald Tribune (15 January 2007).
  120. Putin tries to lure millions of Russian expats home Times Online. 9 de fevereiro de 2006.
  121. Migrant resettlement in the Russian federation: reconstructing 'homes' and 'homelands' by Moya Flynn (1994). p.15. ISBN 1843311178
  122. a b Vishnevsky, Anatoly. "Replacement Migration: Is is a solution for Russia?" (PDF), United Nations Population Division, Department of Economic and Social Affairs, 2000-08-15, pp. 6. Página visitada em 2008-01-14.
  123. The Constitution of the Russian Federation Article 41). Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  124. Russian ombudsman about propiska restrictions in modern Russia. Visitado em 23 de julho de 2008.
  125. Healthcare in Russia — Don’t Play Russian Roulette justlanded.com. Visitado em 3 de outubro de 2010.
  126. Leonard, W R. "Declining growth status of indigenous Siberian children in post-Soviet Russia", Human Biology. Página visitada em 27 de dezembro de 2007.
  127. Russian life expectancy figures Rosstat. Acessado em 21 de agosto de 2010
  128. The World Factbook. Rank Order—Birth rate Central Intelligence Agency. Visitado em 25 de abril de 2009.
  129. The World Factbook. Rank Order—Death rate Central Intelligence Agency. Visitado em 25 de abril de 2009.
  130. [6] GKS.ru. Visitado em 26 de julho de 2013.
  131. Russian birth rates 1950-2008 Demoscope Weekly. acessado em outubro de 2010.
  132. http://www.gks.ru/wps/wcm/connect/rosstat/rosstatsite/main/publishing/catalog/statisticJournals/bf57f1004c3624cc8eddbff2b3b811ca
  133. Russian Census of 2002 4.3. Population by nationalities and knowledge of Russian; 4.4. Spreading of knowledge of languages (except Russian) Rosstat. Visitado em 16 de janeiro de 2008.
  134. The Constitution of the Russian Federation (Article 68, §2). Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  135. Russian University of Toronto. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  136. Russian Language History foreigntranslations.com
  137. a b Russian language course Russian Language Centre, Moscow State University. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  138. Poser, Bill (05/05/2004). The languages of the UN Itre.cis.upenn.edu. Visitado em 29/10/2010.
  139. Arena - Atlas of Religions and Nationalities in Russia. Sreda.org
  140. 2012 Survey Maps. "Ogonek", № 34 (5243), 27/08/2012. Retrieved 24-09-2012.
  141. Bell, I. Eastern Europe, Russia and Central Asia. [S.l.: s.n.], 2002. ISBN 9781857431377. Visitado em 27 Dec. 2007.
  142. Zuckerman, P. Atheism: Contemporary Rates and Patterns, chapter in The Cambridge Companion to Atheism, ed. by Michael Martin. [S.l.]: Cambridge University Press, 2005.
  143. Russia. Visitado em 8 de abril de 2008.
  144. (russo) Сведения о религиозных организациях, зарегистрированных в Российской Федерации По данным Федеральной регистрационной службы (December 2006). Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  145. http://features.pewforum.org/global-christianity/map.php#/Russia,ALL
  146. 20Mln Muslims in Russia and mass conversion of ethnic Russians are myths—expert Interfax. Visitado em 1 de abril de 2008.
  147. Russia's Islamic rebirth adds tension Financial Times. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  148. Mainville, M. "Russia has a Muslim dilemma", San Francisco Chronicle, 19 November 2006. Página visitada em 27 de dezembro de 2007.
  149. Russia::Religion Encyclopædia Britannica Online (2007). Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  150. [7] Artigo 1.º - Alínea 1 da constituição da Federação da Rússia: "A Federação da Rússia é um estado democrático, federal, um estado de direito, tendo uma forma republicana de governo".
  151. Artigo 111.º Alínea 1 da Constituição da Federação da Rússia: "O presidente do Governo da Federação da Rússia é escolhido pelo Presidente da Federação com consenso da Duma". [8]
  152. http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,camara-russa-aprova-mandato-de-6-anos-em-3-votacao,281329,0.htm Câmara russa aprova mandato de 6 anos em 3ª votação
  153. Capítulo 4 da Constituição da Federação da Rússia: O estatuto do presidente. [9]
  154. Kosachev. K. Russian Foreign Policy Vertical Russia In Global Affairs. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  155. Venezuela's President Hugo Chavez recognizes independence of breakaway Georgia republics by Megan K. Stack. 9 de setembro de 2009
  156. Netanyahu declares Russia as superpower Russia Today News 15 de fevreiro de 2010
  157. Superpower Reborn by Ronald Steel. New York Times, 24 de agosto de 2008
  158. Russia in the 21st Century The Prodigal Superpower by Steven Rosefielde, Cambridge University Press, 2004
  159. Is Russia a Superpower? Cold War II? Atlantic Review, 25 de agosto de 2008.
  160. What's Looming in Ukraine Is more Threatening than Georgia Der Spiegel, 16 de outubro de 2008. Quote: "Nikonov: Russia is not a superpower and won't be one for the foreseeable future. But Russia is a great power. It was one, it is one and it will continue to be one."
  161. The Shanghai Cooperation Organization at Globalsecurity.org 27 de abril de 2005
  162. Interview of official Ambassador of Russian Foreign Ministry on relations with the EU RIA Novosti. Visitado em 30 de junho de 2008. (russo)
  163. NATO-Russia relations NATO. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  164. Page, Jeremy. "Russian Oil Route Will Open to China", 26/09/2010. Página visitada em 28/09/2010.
  165. a b "Overview of the major Asian Powers". International Institute for Strategic Studies.
  166. Russia pilots proud of flights to foreign shores by David Nowak. The Associated Press, 15 de setembro de 2008
  167. US drives world military spending to record high Australian Broadcasting Corporation. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  168. Russia arms exports could exceed $7 bln in 2007 – Ivanov RIA Novosti. Visitado em 27 de janeiro de 2008.
  169. World Wide Military Expenditures Global Security. Visitado em 6 de janeiro de 2008.
  170. Harding, Luke. "Big rise in Russian military spending raises fears of new challenge to west", Guardian, 9 de fevereiro de 2007. Página visitada em 6 de janeiro de 2008.
  171. Constituição da Federação Russa. Washington, D.C.: Embaixada da Federação Russa. Visitado em 30 de agosto de 2013.
  172. Rough Justice: The law and human rights in the Russian Federation. [S.l.]: Anistia Internacional, 2003. ISBN 0-86210-338-X. Visitado em 30 de agosto de 2013.
  173. Torture and ill-treatment Anistia Internacional. Visitado em 30 de agosto de 2013.
  174. UN Committee against Torture Must Get Commitments From Russia to Stop Torture. Acessado em 30 de agosto de 2013.
  175. ABANDONED TO THE STATE - CRUELTY AND NEGLECT IN RUSSIAN ORPHANAGES Human Rights Watch. Visitado em 30 de agosto de 2013.
  176. Children's rights Anistia Internacional. Visitado em 30 de agosto de 2013.
  177. Ethnic minorities under attack Anistia Internacional. Visitado em 30 de agosto de 2013.
  178. 'Dokumenty!': Discrimination on grounds of race in the Russian Federation. [S.l.]: Anistia Internacional, 2003. ISBN 0-86210-322-3. Visitado em 30 de outubro de 2013.
  179. Freedom in the World 2013. Acessado em 30 de agosto de 2013.
  180. Index of democracy by Economist Intelligence Unit. Acessado em 30 de agosto de 2013.
  181. Human Rights WatchSupporters of Anna Politkovskaia Attacked at Ingushetia Demonstration (18 de outubro de 2006). Visitado em 30 de agosto de 2013.
  182. Chechen war reporter found dead BBC News (7 de outubro de 2006). Visitado em 30 de agosto de 2013.
  183. Physicist Found Guilty AAAS Human Rights Action Network American Association for the Advancement of Science (12 de novembro de 2004). Visitado em 30 de agosto de 2013.
  184. Journalists killed: Statisistics and Background Committee to Protect Journalists. Visitado em 30 de agosto de 2013.
  185. Anna Kordunsky (14 de agosto de 2013). National GeographicRussia Not Only Country With Anti-Gay Laws. Visitado em 30 de agosto de 2013.
  186. "Gay parades banned in Moscow for 100 years", BBC News, 17 de agosto de 2012. Página visitada em 30 de agosto de 2013.
  187. Elder, Miriam (11 de junho de 2013). Russia passes law banning gay 'propaganda' The Guardian. Visitado em 30 de agosto de 2013.
  188. Folha de S. PauloONG publica vídeo com espancamentos de gays na Rússia; assista (4 de fevereiro de 2014).
  189. Russians weigh an enigma with Putin’s protégé MSNBC. Visitado em 9 de maio de 2008.(em inglês)
  190. Russia Is Getting Wealthier The Moscow Times (21/10/2010).
  191. Russia's unemployment rate down 10% in 2007 – report RIA Novosti. Visitado em 9 de maio de 2008.(em inglês)
  192. Russia: How Long Can The Fun Last? BusinessWeek. Visitado em 27 de dezembro de 2007. (em inglês)
  193. Russia fixed asset investment to reach $370 bln by 2010–Kudrin RIA Novosti. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  194. International Reserves of the Russian Federation in 2008 The Central Bank of the Russian Federation. Visitado em 30 de julho de 2008.
  195. a b "Kudrin and Fischer honoured by Euromoney and IMF/World Bank meetings in Washington", Euromoney.
  196. Russia's foreign debt down 31.3% in Q3—finance ministry RIA Novosti. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  197. Debt - external, CIA World Factbook. Acessado em 22 de maio de 2010. (em inglês)
  198. Tavernise, S. "Russia Imposes Flat Tax on Income, and Its Coffers Swell", The New York Times, 23 March 2002. Página visitada em 27 de dezembro de 2007.(em inglês)
  199. Global personal taxation comparison survey–market rankings Mercer (consulting firms). Visitado em 27 de dezembro de 2007.(em inglês)
  200. Russia: How Long Can The Fun Last? BusinessWeek. Visitado em 27 de dezembro de 2007.(em inglês)
  201. aneki rankings and records UNESCO Institute for Statistics, UniCredit New Europe Research Network. Visitado em 3 de outubro de 2010.
  202. Russia finally joins WTO Blogs.ft.com (16 de dezembro de 2011). Visitado em 4 de maio de 2013.
  203. GRP by federal subjects of Russia, 1998-2007 (russo)
  204. Russia to invest $1 trillion in infrastructure by 2020 – ministry RIA Novosti. Visitado em 31 de julho de 2008.(em inglês)
  205. Doing business in Russia Norwegian-Russian Chamber of Commerce (10 de junho de 2012). Visitado em 10 de junho de 2012.
  206. Land Use CIA World Factbook
  207. Data by Rosstat (russo)
  208. Russia takes the third place in the world by grain exports, rosbankjournal.ru (russo)
  209. Data by Rosstat (russo)
  210. Agricultural land by type of owners Rosstat, 2009 (russo)
  211. Main agricultural products by type of owners Rosstat, 2009 (russo)
  212. Fish capture by country since 1950 guardian.co.uk
  213. Exports and imports of fish and sea products Rosstat, 2009 (russo)
  214. The Constitution of the Russian Federation (Article 43 §1). Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  215. Smolentseva, A. Bridging the Gap Between Higher and Secondary Education in Russia. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  216. Background Note: Russia U.S. Department of State. Visitado em 2 de janeiro de 2008.
  217. Higher Education Institutions Rosstat. Visitado em 1 de janeiro de 2008.
  218. Education for All by 2015: will we make it? EFA global monitoring report, 2008 (PDF). Visitado em 27 de abril de 2010.
  219. Higher education structure State University Higher School of Economics. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  220. Constituição da Federação Russa Artigo 41. Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  221. Russian ombudsman about propiska restrictions in modern Russia (6 de junho de 2007). Visitado em 23 de julho de 2008.
  222. Healthcare in Russia — Don't Play Russian Roulette justlanded.com. Visitado em 3 de outubro de 2010.
  223. Leonard, W R. "Declining growth status of indigenous Siberian children in post-Soviet Russia", Human Biology. Página visitada em 27 de dezembro de 2007.
  224. Russian life expectancy figures Rosstat. Acessado em 21 de agosto de 2010
  225. Russia, China in Deal On Refinery, Not Gas by Jacob Gronholt-Pedersen. Wall Street Journal, 22 de setembro de 2010
  226. Did A New Pipeline Just Make Russia The Most Important Energy Superpower By Far by Graham Winfrey. Business Insider, 6 de janeiro de 2010
  227. CIA World Factbook. Acessado em 5 de outubro de 2010.
  228. CIA World Factbook. Acessado em 5 de outubro de 2010.
  229. BP Statistical review of world energy June 2007 (XLS) BP (June 2007). Visitado em 22/10/2007.
  230. CIA World Factbook. Acessado em 5 de outubro de 2010.
  231. CIA World Factbook. Acessado em 5 de outubro de 2010.
  232. CIA World Factbook. Acessado em 5 de outubro de 2010.
  233. CIA World Factbook. Acessado em 5 de outubro de 2010.
  234. CIA World Factbook. Acessado em 5 de outubro de 2010.
  235. BP Statistical Review of World Energy June 2009: Hydroelectricity consumption. Visitado em 29/10/2010.
  236. Nuclear Power Plant Information, International Atomic Energy Agency. Acessado em 12 de junho de 2006.
  237. Russia builds nuclear power stations all over the world at amur.kp.ru (russo)
  238. American Institute of Aeronautics and Astronautics Aiaa.org. Visitado em 2 de janeiro de 2010.
  239. Russian space program in 2009: plans and reality Russianspaceweb.com. Visitado em 27 de abril de 2010.
  240. Medvedev outlines priorities for Russian economy's modernization RIA Novosti
  241. a b Russian Railways Eng.rzd.ru. Visitado em 2 de janeiro de 2010.
  242. Invest in Russia–Infrastructure Invest.gov.ru. Visitado em 27 de abril de 2010.
  243. CIS railway timetable, route No. 002, Moscow-Pyongyang, August 2009. Note: several different routes have the same number.
  244. CIS railway timetable, route No. 350, Kiev-Vladivostok, Agosto de 2009.
  245. Rosstat statistics on length of roads Acessado em 10 de junho de 2009
  246. Transport in Russia International Transport Statistics Database iRAP. Visitado em 17 de fevereiro de 2009.
  247. CIA The World Factbook–Rank Order–Airports
  248. Transport system of Russia Global-economics.ru. Visitado em 3 de outubro de 2010.
  249. The first stone tented roof church an the origins of the tented roof architecture by Sergey Zagraevsky at RusArch.ru (russo)
  250. The shapes of domes of ancient Russian churches by Sergey Zagraevsky at the site of RusArch.ru (russo)
  251. Russian: Постановление ЦК КПСС и СМ СССР "Об устранении излишеств в проектировании и строительстве", 04.11.1955 (Khruschev's decree On liquidation of excesses ...) (russo)
  252. Over 20,000 churches rebuilt in Russia in 20 years - Patriarch Kirill RIA Novosti
  253. Norris, Gregory; ed. Stanley, Sadie. The New Grove Dictionary of Music and Musicians, 2nd edition. London: MacMillian, 1980. p. 707. ISBN 0333231112.
  254. Russia::Music Encyclopædia Britannica. Visitado em 5 Oct. 2009.
  255. Garafola, L. Diaghilev's Ballets Russes. [S.l.]: Oxford University Press, 1989. p. 576. ISBN 0195057015.
  256. Cashin, K K. Alexander Pushkin's Influence on Russian Ballet—Chapter Five: Pushkin, Soviet Ballet, and Afterward (PDF). Visitado em 27 de dezembro de 2007.
  257. A Tale of Two Operas Petersburg City. Visitado em 11 de janeiro de 2008.
  258. History of Rock Music in Russia at Russia-InfoCentre
  259. Kelly, C. Russian Literature: A Very Short Introduction (Paperback). [S.l.]: Oxford Paperbacks, 2001. ISBN 0192801449.
  260. Russian literature; Leo Tolstoy Encyclopedia Britannica. Visitado em 11 Apr. 2008.
  261. Otto Friedrich. "Freaking-Out with Fyodor", Time Magazine, 6 Sep. 1971. Página visitada em 10 de abril de 2008.
  262. Tom Van Riper and Kurt Badenhausen. Top-Earning Female Athletes Forbes. Visitado em 2008-08-01.
  263. Escolha de Sochi para os Jogos Olímpicos de Inverno 2014 - BBC Sport
  264. Rafael Valentim - D24AM. Fedor Emelianenko perde para Dan Henderson e fica mais perto da aposentadoria. Visitado em 8 de maio de 2012.
  265. Redação Bonde - Bonde News. Tyson elege Fedor Emelianenko como seu lutador favorito. Visitado em 8 de maio de 2012.
  266. http://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%9F%D1%80%D0%B0%D0%B2%D0%B0_%D0%B6%D0%B5%D0%BD%D1%89%D0%B8%D0%BD A Rússia garantiu o direito ao voto às mulheres em 1917. A constituição Soviética de 1936 estabelecia "direitos iguais" a homens e mulheres.
  267. Ver Constituição russa de 1918

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Meta-Wiki Meta-Wiki