Escandinávia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2008)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Vikingshipmini.jpg
Este artigo é parte da série
Escandinávia
Geografia
Península
Montanhas
Tópicos
Idiomas
Escandinavismo
Conselho Nórdico
SAS
Varangianos
Ting
História
História da Suécia
História da Noruega
História da Dinamarca
Era dos Vikings
Vikings
União de Kalmar
Dinamarca-Noruega
Suécia-Noruega
União Monetária
União de defesa

A Escandinávia é uma região geográfica e histórica do norte da Europa e que abrange, no sentido mais estrito, a Dinamarca, a Suécia e a Noruega.
Num sentido mais lato, o termo pode também abranger a Finlândia, as ilhas Feroé e a Islândia.
Qualquer que seja a definição usada, considera-se a península Escandinava como núcleo principal da Escandinávia. [1]

Ao conjunto Escandinávia + Finlândia dá-se também a designação Fino-Escandinávia (em inglês: Fenno-Scandia).

Devido às sucessivas vagas de glaciação, a Escandinávia foi repetidamente despovoada e desprovida de fauna e flora terrestres ao longo do tempo. Os estudiosos a apontam como a terra de origem de uma parte dos povos germânicos e dos Vikings. Assim como aquela que é referida como Scandza.

Limites[editar | editar código-fonte]

Mapa da Escandinávia e Europa Setentrional

Por ser uma região puramente histórico-geográfica, a Escandinávia não corresponde a nenhuma fronteira política definida. O uso do termo é muitas vezes incerto, ora incluindo, ora excluindo países vizinhos da península Escandinava.

Definição estrita[editar | editar código-fonte]

No sentido estrito, inclui-se na Escandinávia a Noruega, a Suécia (que formam a península Escandinava) e, devido aos laços históricos e linguísticos com aqueles países, também a Dinamarca.

Em vermelho, o sentido mais estrito do termo, com Suécia, Noruega e Dinamarca; em laranja, o sentido ampliado, com Finlândia e Islândia; e em amarelo, o sentido mais amplo, com Groenlândia e Svalbard.

A Dinamarca costuma ser incluída nas definições mais estritas do termo devido não apenas à semelhança linguística e étnica mas também por haver possuído, até o século XVII, territórios na península Escandinava, em especial a Escânia (hoje parte integrante da Suécia). Outro fato que costuma ser mencionado em favor da inclusão da Dinamarca na Escandinávia é a sucessão de uniões pessoais entre as coroas dinamarquesa, norueguesa e sueca ao longo da história que criaram Estados como a União de Kalmar e a Dinamarca-Noruega. Em geografia física, porém, a Dinamarca é considerada parte da planície setentrional europeia e não da península Escandinava.

Outras definições[editar | editar código-fonte]

Em sentido amplo, alguns entendem que a Escandinávia inclui também a Finlândia (também chamada de Fino-Escandinávia), a Islândia e as ilhas Feroé, e por vezes até mesmo o Svalbard e a Groenlândia.

Países nórdicos e Escandinávia[editar | editar código-fonte]

Em contraste com a ambiguidade quanto ao termo Escandinávia, a expressão "países nórdicos" é empregada com certeza para referir o conjunto de países formado por Noruega, Suécia, Dinamarca, Finlândia e Islândia, inclusive seus territórios associados (Groenlândia, ilhas Feroé e Alanda). Aqueles países integram o Conselho Nórdico.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Os termos "Escandinávia" e "Escânia" (Skåne) possuem a mesma etimologia. A fonte conhecida mais remota para o termo "Escandinávia" é a História Natural de Plínio, o Velho, datada do século I d.C. Outras referências à região são encontradas em Píteas, Pompônio Mela, Tácito, Ptolomeu, Procópio e Jordanes.

Acredita-se que o nome usado por Plínio possa ser de origem germânica ocidental, referindo-se originalmente à Escânia. Segundo alguns dos principais estudiosos do tema, a raiz germânica pode ser reconstruída como *Skaðan ("perigo" ou "dano"); já o segundo segmento do termo é reconstruído como *awjo ("terra na água" ou "ilha"). O nome "Escandinávia" poderia então significar "ilha perigosa", uma referência talvez aos traiçoeiros bancos de areia em volta da Escânia.

Era generalizada, entre os autores clássicos do século I, a crença de que a Escandinávia era uma ilha. Esta idéia, juntamente com o termo Scandiae que Plínio usava para um grupo de ilhas nórdicas, dominou as descrições da Escandinávia nos textos clássicos ao longo dos séculos seguintes. A "Scandinavia" de Plínio talvez fosse uma das ilhas "Scandiae". Esta idéia foi retomada por Ptolomeu, que usou o termo "Skandia" para a maior e mais oriental das três ilhas "Scandiai" que, segundo ele, situavam-se a leste da Jutlândia. Ptolomeu referiu-se a toda a "ilha" da Escandinávia pelo nome "Scandia", inclusive para áreas muito mais ao norte da atual Escânia, mas nem as listas de tribos escandinavas de Plínio nem as de Ptolomeu incluíam os suiões mencionados por Tácito. Alguns dos primeiros estudiosos suecos adicionaram-nos posteriormente, ao argumento de que os suiões constavam dos textos mas foram depois removidos por equívoco.

Clima[editar | editar código-fonte]

Cortada ao meio pelo Círculo Polar Ártico, a Escandinávia possui um clima com as quatro estações bem definidas nas áreas mais ao Sul, com um Inverno muito frio e intensa precipitação de Neve, com temperaturas entre -15 e -5 °C, um Verão com temperaturas amenas e tempo menos chuvoso, com temperaturas entre 8 e 22 °C, uma Primavera com temperaturas baixas entre os meses de Março e Abril, e com gradativa elevação em Maio e Junho, com médias entre 5 e 12 °C, com gradativa diminuição de Chuva, e o Outono tem aumento da Chuva conforme o verão se distancia e diminuição das temperaturas, que ficam entre 0 e 10 °C. No Norte da região, especificamente nas áreas da Noruega, Suécia e Finlândia que estão acima da latitude 67° e mais ao interior desses países, temos um inverno longo e muito frio, com temperaturas entre -35 e -20 °C, com intensa precipitação de Neve, e um Verão curto e ameno, com diminuição das chuvas e médias entre 5 e 15 °C.

Graças à Corrente do Golfo, a Islândia e cidades do Leste da região, como Oslo, Trondheim, Copenhague, e capitais próximas ao Litoral, como Helsinque e Estocolmo possuem invernos relativamente amenos, levando em conta a posição geográfica (Latitude 62°) da região. Reiquejavique, a capital islandesa, raramente possui temperaturas menores que -5 °C, mesmo estando na latitude 64°.

Religião[editar | editar código-fonte]

Reino da Dinamarca: Cristianismo 88,7% (evangélicos luteranos 87%, outros cristãos 1,7%), islamismo 1,5%, sem filiação e outras 9,8% (1995).

Reino da Noruega: Cristianismo 86% (evangélicos luteranos), outros protestantes e Católicos Romanos 3%, outros 1%, e sem filiação 10% (1997).

Reino da Suécia: Cristianismo 89% (Igreja da Suécia 86,1%, católicos 1,9%, pentecostais 1%), outras 11% (1995).

República da Finlândia: Cristianismo (evangélicos luteranos 89%) outros 11%.

República da Islândia: 82.1% membros da Igreja Nacional da Islândia. 4.7% membros das Igrejas Livres Luteranas de Reykjavík e Hafnarfjörður. 2.6% sem filiação a nenhum grupo religioso. 2.4% membros da Igreja Católica Romana. 5.5% membros de organizações religiosas não registradas ou sem filiação específica. Os restantes 2.7% estão divididos em outras crenças Cristãs ou não-Cristã (1%).

Línguas[editar | editar código-fonte]

Artigo principal: Línguas nórdicas

As línguas-padrão escandinavas costumam ser incluídas ou no ramo escandinavo oriental (dinamarquês e sueco) ou no escandinavo ocidental (norueguês, islandês e feroense).

A maioria dos dialetos de dinamarquês, norueguês e sueco é mutuamente inteligível, o que faz com que os escandinavos consigam entender com facilidade as línguas-padrão da área publicadas na mídia impressa ou em rádio e televisão. As três línguas são consideradas como idiomas separados (em vez de dialetos de uma só língua) devido, principalmente, ao fato de já serem línguas-padrão bem estabelecidas em seus próprios países. São aparentadas - mas não mutuamente inteligíveis - com outras línguas germânicas setentrionais, islandês e feroense, que descendem do norueguês antigo. O dinamarquês, o norueguês e o sueco foram influenciados desde a Idade Média, em graus variados, pelo baixo-alemão médio e pelo alemão padrão, resultado em grande medida da atividade econômica gerada pela Liga Hanseática.

Os noruegueses, em particular, são acostumados a variações linguísticas e podem considerar o dinamarquês e o sueco apenas como dialetos ligeiramente mais distantes. O norueguês possui dois padrões de escrita oficiais, ademais do forte hábito de preservar os dialetos locais. Os habitantes de Estocolmo, na Suécia, e de Copenhague, na Dinamarca, são os que mais encontram dificuldade em entender outras línguas nórdicas. Nas ilhas Faroé, o dinamarquês é obrigatório, o que torna os faroenses bilíngues e facilita o entendimento das outras duas línguas escandinavas continentais.

Como família linguística, as línguas escandinavas não têm relação com o finlandês, o estoniano e o sami que, integrantes da família fino-úgrica, são parentes distantes do húngaro. Mas a proximidade física faz com que ainda hoje o sueco e o norueguês emprestem muitas palavras ao finlandês, estoniano e sami.

Esportes[editar | editar código-fonte]

Graças aos invernos nevados, os países escandinavos são especialistas em esportes de inverno e rali, sendo a Noruega recordista mundial de medalhas nas Olimpíadas de Inverno. Os principais clubes de futebol da Escandinávia são Helsingborgs IF e o Malmö FF. Outro esporte jogado na época de Verão é o golfe.

Política[editar | editar código-fonte]

Escandinávia conforme uma visão política do século XIX.

O uso moderno do termo "Escandinávia" deve-se ao movimento político escandinavista, que estava ativo na metade do século XIX, principalmente entre a Primeira Guerra do Schleswig (1848-1850), na qual a Suécia-Noruega contribuiu com uma considerável força militar, e a Segunda Guerra de Schleswig (1864), quando o parlamento da Suécia condenou as promessas do rei a respeito de apoio militar.

O movimento propunha a unificação da Dinamarca, Noruega e Suécia em um único reino. O cenário para o movimento era os eventos turbulentos durante as guerras napoleônicas no início do século que levaram à divisão da Suécia (a parte oriental se tornando o Grão-Ducado russo da Finlândia em 1809) e da Dinamarca (através da qual a Noruega, de jure em união com a Dinamarca desde 1387, embora de facto meramente uma província, tornou-se independente em 1814 e depois disso foi rapidamente forçada a aceitar uma união pessoal com a Suécia).

Foto de satélite da Península Escandinava durante o inverno no hemisfério norte

A Finlândia, sendo uma parte do Império Russo, teria que ser deixada de fora de qualquer equação para uma união política entre os países nórdicos. Um novo termo que excluísse a Finlândia de tais aspirações teve também que ser inventado, e esse termo foi "Escandinávia". A Escandinávia geográfica incluía a Noruega e a Suécia, mas a Escandinávia política também incluiria a Dinamarca. Politicamente, Suécia e Noruega foram unidas em uma união pessoal sob a regência de um monarca. A Dinamarca também incluía os territórios dependentes da Islândia, as Ilhas Faroe e a Groenlândia no Oceano Atlântico (que, no entanto, historicamente haviam pertencido à Noruega, mas permaneceram não intencionalmente com a Dinamarca de acordo com o Tratado de Kiel).

O fim do movimento político escandinavo ocorreu quando foi negado à Dinamarca apoio militar da Suécia-Noruega para anexar o Ducado (dinamarquês) de Schleswig que, junto com o Ducado (alemão) de Holstein, havia estado em união pessoal com a Dinamarca. A Segunda Guerra de Schleswig ocorreu em 1864. Essa foi uma breve mas desastrosa guerra entre a Dinamarca e a Prússia (apoiada pela Áustria). Schleswig-Holstein foi conquistado pela Prússia e, após o sucesso desta última na Guerra Franco-Prussiana, um Império Alemão conduzido por prussianos foi criado, e um novo equilíbrio de poder dos países do Mar Báltico foi estabelecido.

Mesmo se uma união política escandinava nunca acontecesse, havia uma União Monetária Escandinava estabelecida em 1873, com a krona/krone como moeda comum, e que durou até a I Guerra Mundial.

A cooperação escandinava moderna após a I Guerra Mundial também veio a incluir a independente Finlândia e (desde 1944) a Islândia; e escandinavo, como um termo político, veio a ser substituído pelo termo países nórdicos e finalmente, em 1952, pela instituição Conselho Nórdico.

Estrutura política histórica[editar | editar código-fonte]

Século Escandinávia e os Países Nórdicos
XX Dinamarca Islândia Noruega Suécia Finlândia
XIX Dinamarca Suécia-Noruega GD da Finlândia
XVIII Dinamarca-Noruega Suécia
XVII
XVI
XV União de Kalmar
XIV Dinamarca Noruega Suécia
XIII
XII CW Islandês Noruega
Povos dinamarqueses islandeses¹ noruegueses suecos finlandeses

1/ Os povoadores originais da Islândia eram de origem nórdica (principalmente norueguesa) e celta (da Grã-Bretanha e Irlanda).

Referências

  1. Skandinavien (em sueco) Enciclopédia Nacional Sueca. Visitado em 22 de abril de 2014.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Escandinávia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]