Estocolmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estocolmo
Stockholm lead image.jpg
Bandeira oficial de Estocolmo
Brasão oficial de Estocolmo
Bandeira Brasão
Apelido: "Stockholms stad"
LocationStockholm.PNG
País  Suécia
província Södermanland e Uppland
Prefeito Sten Nordin (PM)
Área  
  Total 377.30 km²
População  
  Cidade 807 301
    Densidade   4,230/km²
  Urbana 1 256 710
  Metro 1 954 206
   -Densidade metropolitana   6.519/km²
Website: www.stockholm.se

Estocolmo (em sueco: Loudspeaker.svg? Stockholm; pronuncia-se AFI[stɔkːɔlm]) é a capital e maior cidade da Suécia. É a sede do governo sueco, representado na figura do Riksdag, parlamento nacional do país, além de ser a residência oficial dos membros da monarquia sueca. Em 2008, a área metropolitana de Estocolmo era o lar de cerca de 21% da população da Suécia e contribuia com mais de 1/3 do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Segundo dados de 2010, a cidade de Estocolmo propriamente dita tinha uma população de 807 311 habitantes, enquanto que a área urbana (em sueco tätort) tinha cerca de 1,3 milhão de moradores, e sua região metropolitana, a maior aglomeração urbana do país, que engloba as demais cidades periféricas ou próximas de Estocolmo, além dela própria, cerca de 2 milhões[1] .

Estocolmo é o maior e mais importante centro urbano, cultural, político, financeiro, comercial e administrativo da Suécia desde o século XIII. Sua localização estratégica sobre 14 ilhas no centro-sul da costa leste da Suécia, ao longo do lago Mälaren, tem sido historicamente importante. Uma vez que a capital sueca está situada sobre ilhas conhecidas por sua beleza, a cidade é destino de turistas de todo o mundo, tendo sido apelidada nos últimos anos de "Veneza do Norte". Estocolmo é conhecida pelos seus edifícios e monumentos extremamente bem preservados, por seus arborizados parques, por sua riquíssima vida cultural e gastronômica, e pela gigantesca qualidade de vida que oferece à seus moradores.[2] Há décadas, Estocolmo figura como uma das cidades mais visitadas dos países nórdicos, com mais de um milhão de turistas internacionais anualmente.[3] Nos últimos anos, tem sido citada entre as cidades mais "habitáveis" do mundo, sendo uma das mais limpas, organizadas e seguras do mundo.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Stockholm nasce da junção de dois nomes; a primeira parte, stock, que significa literalmente "tronco de madeira", pode ser relacionado com uma palavra do antigo alemão (Stock), que significa "fortificação", enquanto que a segunda parte, holm significa ilha, referindo-se à ilhota de Helgeandsholmen na zona central de Estocolmo, de onde a cidade surgiu.

História[editar | editar código-fonte]

As duas referência mais antigas conhecidas da cidade de Estocolmo datam ambas inseridas em documentos em latim, o primeiro de Julho de 1252 e o segundo de 19 de Agosto do mesmo ano. Estocolmo era um centro de comércio importante nas a(c)tividades ligadas à exploração das minas de ferro Bergslagen.

A cidade foi fundada por Brigério Jarl, sem que haja a certeza de ter efectivamente ocorrido nessa altura, com o intuito de proteger a Suécia das invasões marítimas de navios estrangeiros, e também com o objectivo de tentar travar as pilhagens de cidades tais como Sigtuna nas margens do lago Mälaren.

Gravura da cidade de Estocolmo no final do século XVI.

A que agora é a cidade velha (Gamla Stan) foi edificada perto da ilha de Helgeandsholmen entre 1300 e 1500. A cidade original obteve alguma importância através da Liga Hanseática, um importante acordo económico entre países da região báltica. Estocolmo desenvolveu-se, crescendo tanto económica como culturalmente, estabelecendo importantes uniões nesses campos com cidades tais como Lübeck, Hamburgo, Danzig, Visby, Reval (actual Tallinn) e Riga. Entre 1296 e 1478 a Câmara Municipal de Estocolmo era constituída por 24 membros dos quais mais de metade eram representantes da Liga Hanseática.

A localização estratégica de Estocolmo no panorama económico de toda a região do mar Báltico fez com que a cidade fosse um elemento preponderante nas negociações entre os Reis da Dinamarca da União de Kalmar e o movimento de independência nacional no século XV. A 8 de Novembro de 1520, ainda antes da separação da Coroa Sueca da União de Kalmar, assistiu-se na cidade ao chamado banho de sangue de Estocolmo, um massacre sem precedentes de membros opositores da União, e por conseguinte apoiantes dos rebeldes independentistas. Com a ascensão de Gustavo I Vasa ao poder, em 1523, e com o estabelecimento da monarquia, Estocolmo atingiu tempos de prosperidade tendo a sua população crescido, atingindo uma dezena de milhares de habitantes em 1600.

No século XVII a Suécia atingiu grande prosperidade e respeito por parte dos países europeus, reflectindo-se no desenvolvimento de Estocolmo. Desde 1610 até 1680, a população multiplicou-se seis vezes. Em 1634, a cidade tornou-se na capital oficial do Império Sueco. Foram aprovadas leis que deram a Estocolmo o monopólio do comércio da Suécia e dos territórios escandinavos.

Em 1710 a cidade sofreu um surto de peste bubónica. Depois do fim da Grande Guerra do Norte Estocolmo estagnou, tanto a nível de população como também a nível económico e cultural. Contudo, a cidade manteve-se como centro político da monarquia tendo retomado o rumo de crescimento com o rei Gustavo III. A Ópera Real é um bom exemplo da arquitectura que se praticava na época devido sobretudo ao impulso cultural e artístico que o monarca provocou.

A praça de Sergels Torg, na distrito de Klara.

Durante a segunda metade do século XIX desenvolveram-se novas indústrias e Estocolmo tornou-se num importante centro de serviços e comércio, tal como também na principal porta de entrada por via marítima na Suécia. A sua população cresceu exponencialmente nesta época devido principalmente à imigração que a cidade foi alvo. No final do século, Estocolmo contava já com pouco menos de quarenta por cento de habitantes nascidos na cidade; nessa medida, começou a desenvolver-se para além dos limites da cidade. Durante esta época surgiram na cidade importantes institutos ligados às ciências tais como o Instituto Karolinska e a Universidade de Estocolmo.

Mais tarde, já durante a segunda metade do século XX, a cidade de Estocolmo tornou-se tecnologicamente muito evoluída, e etnicamente muito variada. Muitos edifícios históricos foram deitados abaixo, incluindo o distrito inteiro de Klara para serem substituídos por edifícios de arquitectura contemporânea. Ao longo do século muitas companhias de trabalho mais duro foram-se afastando da cidade, dando lugar a novas empresas ligadas a áreas tecnológicas e científicas e também ligadas aos serviços

Geografia[editar | editar código-fonte]

Fotografia aérea da cidade mostrando as ilhas que formam Estocolmo.

Estocolmo fica na parte da costa oriental da Suécia. Está situada num arquipélago de catorze ilhas e ilhotas, unidas por 53 pontes, na região onde o lago Mälaren encontra o mar Báltico. A fisiografia da cidade é muito homogénea, sendo que predominam as planícies, chegando no máximo a 200 m de altitude em alguns pontos. Cerca de 30% da cidade está coberta de canais e outros 30% são ocupados por parques e zonas verdes, proporcionando à cidade um clima mais favorável do que se deveria esperar, principalmente devido à elevada latitude no contexto europeu.

Clima[editar | editar código-fonte]

A cidade de Estocolmo tem um clima continental. Devido à latitude da capital sueca, o clima deveria ser mais frio, mas no entanto é ameno,devido à influência da Corrente do Golfo. A duração do dia, em média, varia entre 18 horas, no Verão, e 6 horas no Inverno, sendo que a cidade desfruta de 1981 horas de sol anualmente [4]

Os Verões são agradáveis com a temperatura máxima a variar entre os 20 e os 23 °C e a mínima à volta dos 15 °C. Os Invernos são frios com temperaturas a rondar os 0 °C. A precipitação anual é de 539 mm, sendo que a média de dias húmidos por ano é 164. Durante os meses de Dezembro a Março ocorrem normalmente nevões que cobrem a cidade durante várias semanas.

Dados climatológicos para Estocolmo, Suécia
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 1 1 4 10 16 20 23 22 17 10 5 1 11
Temperatura mínima média (°C) −2 -3 -2 3 8 12 15 14 10 6 2 −1 5
Precipitação (mm) 39 27 26 30 30 45 72 66 55 50 53 46 539
Fonte: weathersa[5]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Evolução Demográfica de Estocolmo


Imigração[editar | editar código-fonte]

Os subúrbios de Estocolmo são lugares com antecedentes culturais diferentes. Algumas áreas nos subúrbios, incluindo Tensta, Jordbro, Fittja, Husby, Brandbergen, Rinkeby, Kista, Hagsätra, Rågsved, Södertälje, Huddinge, têm elevada percentagem de imigrantes e de descendentes de imigrantes. Estes imigrantes vêm, principalmente, do Oriente Médio (sírios, turcos e curdos) e da antiga Iugoslávia. Mas também há imigrantes provenientes da África, do Sudeste Asiático e da América Latina. Outras partes dos subúrbios citados, como Hässelby, Vällingby, Flysta e Hökarängen, têm a maioria das etnias suecas.

Política[editar | editar código-fonte]

O município é governado pela assembleia municipal (kommunfullmäktige) constituída por 101 membros eleitos através de eleições municipais, levadas a cabo a par das eleições legislativas de quatro em quatro anos. A assembleia reúne duas vezes ao mês, sendo que as sessões são abertas ao público. A kommunfullmäktige elege um comité executivo municipal (kommunstyrelse), constituído por 13 membros representando os dois partidos maioritários na assembleia. A função deste comité é de criar e implementar medidas a aplicar na governação de Estocolmo, tendo essas medidas de ser aprovadas pela maioria da assembleia para serem aplicadas. A organização política inclui ainda oito comissários efectivos (borgarråd) e outros quatro representantes dos partidos da oposição. Os trabalhos são coordenados pelo comissário responsável pela pasta das Finanças (finansborgarråd, às vezes apelidado de Presidente da Câmara), que também preside o comité executivo municipal. O actual responsável pelo cargo é Sten Nordin, do Partido Moderado.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

A política da cidade de Estocolmo é ser cidade-irmã informalmente de todas as capitais do mundo,com foco nas capitais da Europa Setentrional. Estocolmo não assina qualquer geminação formal de tratados, embora a cidade afirma estabelecer que tais tratados no passado ainda são válidos.

Divisões administrativas[editar | editar código-fonte]

O município de Estocolmo é uma unidade administrativa com limites geográficos bem definidos. Está dividido em distritos municipais que têm ao seu cargo a gestão das escolas, dos serviços sociais, culturais e de lazer da respectiva zona. Estes por sua vez estão divididos em bairros. A cidade está dividida em três partes: Estocolmo Central (Innerstaden), Estocolmo Meridional (Söderort) e Estocolmo Ocidental (Västerort). Os distritos municipais e respectivos bairros de cada uma dessas três fracções são:

Distritos municipais de Estocolmo.

Estocolmo Central:

  • Kungsholmen - Fredhäll, Kristineberg, Kungsholmen, Lilla Essingen, Marieberg, Stadshagen e Stora Essingen
  • Norrmalm - Norrmalm, Skeppsholmen, Vasastaden e Östermalm
  • Södermalm - Långholmen, Reimersholme, Södermalm e Södra Hammarbyhamnen
  • Östermalm - Djurgården, Hjorthagen, Ladugårdsgärdet, Norra Djurgården e Östermalm

Estocolmo Meridional:

  • Enskede-Årsta-Vantör - Enskedefältet, Enskede Gård, Gamla Enskede, Johanneshov, Stureby, Årsta, Östberga, Bandhagen, Högdalen, Örby, Rågsved e Hagsätra.
  • Farsta - Fagersjö, Farsta, Farstanäset, Farsta Strand, Gubbängen, Hökarängen, Larsboda, Sköndal, Svedmyra e Tallkrogen
  • Hägersten-Liljeholmen - Fruängen, Hägersten, Hägerstensåsen, Mälarhöjden, Västertorp, Liljeholmen, Aspudden, Gröndal, Midsommarkransen e Västberga
  • Skarpnäck - Hammarbyhöjden, Björkhagen, Enskededalen, Kärrtorp, Bagarmossen, Skarpnäcks gård, Flaten, Orhem e Skrubba
  • Skärholmen - Bredäng, Sätra, Skärholmen e Vårberg
  • Älvsjö - Herrängen, Långbro, Långsjö, Älvsjö, Solberga, Örby Slott e Liseberg

Estocolmo Ocidental:

  • Bromma - Abrahamsberg, Alvik, Beckomberga, Blackeberg, Bromma Kyrka, Bällsta, Eneby, Höglandet, Lunda, Mariehäll, Nockeby, Nockebyhov, Norra Ängby, Olovslund, Riksby, Smedslätten, Stora Mossen, Södra Ängby, Traneberg, Ulvsunda, Ulvsunda industriområde, Åkeshov, Åkeslund, Ålsten e Äppelviken
  • Hässelby-Vällingby - Hässelby gård, Hässelby strand, Hässelby villastad, Grimsta, Kälvesta, Nälsta, Råcksta, Vinsta e Vällingby
  • Rinkeby-Kista - Rinkeby, Akalla, Husby, Kista e Hansta
  • Spånga-Tensta - Bromsten, Flysta, Solhem, Lunda, Sundby e Tensta

Economia[editar | editar código-fonte]

Sede da empresa Dagens Nyheter.

A grande maioria dos habitantes de Estocolmo trabalham no sector dos serviços, que representa aproximadamente oitenta e cinco por cento dos empregados da cidade. A quase total ausência de indústria pesada na cidade faz com que esta seja uma das mais limpas da Europa e do Mundo. Na última década geraram-se muitos postos de trabalho na capital sueca, principalmente na área da alta tecnologia, devido ao desenvolvimento caseiro de empresas dessa natureza tal como a fixação de companhias multi-nacionais desse género. A IBM, Ericsson e Electrolux têm assento na cidade.

Estocolmo é o centro financeiro da Suécia; na cidade encontram-se sediados os maiores bancos do país, tais como o Swedbank, o Handelsbanken, e o Skandinaviska Enskilda Banken, e também muitas companhias de seguros, como por exemplo a Skandia e Trygg-Hansa. Os principais índices bolsistas suecos estão representados na Bolsa de Estocolmo (Stockholmsbörsen). Também estão instaladas na cidade as principais sedes de lojas de venda a retalho tal como a H&M.

O sector do turismo representa também uma importante fatia na economia local. Entre 1991 e 2004 o número de visitantes da cidade, por ano, aumentou de quatro milhões para sete milhões e meio.[10]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Em Estocolmo o ensino é até os 18 anos, e as crianças aprendem 4 línguas diferentes, para os imigrantes que vivem no município e tem filhos, tem o direito de aprender a língua materna.Um costume nas escolas de Estocolmo é que precisa tirar o sapato para entrar.

Universidades[editar | editar código-fonte]

Estocolmo é mais conhecida pela cerimônia de entrega do Prémio Nobel que ocorre todos os anos, mas a cidade é também sede da maior concentração de universidades e de instituições de ensino superior isoladas da Suécia. Entre elas estão as seguintes:

Transportes[editar | editar código-fonte]

Transporte Público[editar | editar código-fonte]

Trem urbano.

A cidade de Estocolmo têm um amplo sistema de transporte público. Consiste no Metropolitano de Estocolmo; três sistemas ferroviários regionais ou suburbanos:Trem urbano (Pendeltåg), Roslagsbanan e Saltsjöbanan; um grande número de linhas de ônibus e uma linha de barca na cidade. Todo o setor de transporte público da cidade de Estocolmo, com exceção dos autocarros de aeroporto, são organizados pelo Storstockholms Lokaltrafik. Para a operação e manutenção dos serviços públicos de transporte são delegadas várias empreiteiras. O tráfego de barco do arquipélago é manipulado pelo Waxholmsbolaget.

Metrô de Estocolmo (tunnelbana).

Estocolmo tem um sistema municipal comum de bilhetes, que permite uma fácil viagem entre os diferentes tipos de transporte. Os bilhetes são de dois tipos principais: bilhete simples e cartão de viagens, ambos permitindo ilimitadas viagens em Estocolmo e em todo o Condado de Estocolmo durante a validade do bilhete. A partir de 1 de abril de 2006 um novo sistema de zonas (A,B,C) e de preços por zona é aplicável para bilhetes simples. Bilhetes únicos agora estão disponíveis em forma de bilhetes numerados, unidades de bilhete individual pré-pago, guias de bilhetes de 10, bilhetes por SMS e máquina de ticket. Bilhetes numerados comprados no ponto da viagem são os mais caros e os bilhetes em pré-pagamento de 10 unidades são os mais baratos. O prazo de validade do cartão depende do tipo exato,que podem estar valendo durante 24 horas ou um ano. Um cartão de 30 dias custa cerca de 73€. Bilhetes de todos os tipos estão disponíveis com preço reduzido para as pessoas mais novas que 20 anos e mais velhas de 65 anos.

Estradas[editar | editar código-fonte]

Estocolmo está entre a junção das rotas europeias E4, E18 e E20.Um rodoanel existe nos lados Oeste e Sul da cidade.

Taxas de congestionamento[editar | editar código-fonte]
Ponto de controle de imposto de congestionamento.

Estocolmo têm um sistema de taxa de congestionamento, o Imposto de congestionamento de Estocolmo[11] em uso numa base permanente desde 1º de agosto de 2007,[12] [13] após ter tido um período de avaliação de sete meses no primeiro semestre de 2006.[14]

O centro da cidade está dentro da zona de imposto do congestionamento. Todas as entradas e saídas desta área têm pontos de controle autônomos operando com reconhecimento automático de chapa de número. Todos os veículos,entrando ou saindo da área do imposto de congestionamento,com algumas exceções, têm de pagar de 10 a 20 SEK dependendo do dia entre 06:30 e 18:29. O montante máximo por veículo por dia é 60 SEK.[15] O pagamento é feito por diversos meios num prazo de 14 dias e,após ter passado de um dos pontos de controle,não paga o posto de controle.[16]

Após o período de avaliação que foi com consultas e referendos realizados no município de Estocolmo e em vários outros municípios no condado de Estocolmo. O governo declarou então que só considerariam o resultado do município de Estocolmo. Os partidos da oposição (Aliança pela Suécia) declarou que se fossem formar um gabinete após as eleições gerais - que teve lugar no mesmo dia como os referendos de imposto de congestionamento - iria tomar em consideração os referendos realizados em vários outros municípios, mas não especificaram como iriam fazer isso. O resultado do referendo foi a favor do imposto de congestionamento, mas todos os outros municípios foram contra. Os partidos da oposição ganharam as eleições gerais e poucos dias antes de formarem governo, anunciaram que iria ser restabelecido o imposto de congestionamento em Estocolmo, mas que as receitas seriam ir inteiramente a construção de estradas e em torno da cidade. Durante o período experimental e acordo à ordem do dia do anterior governo, as receitas foram inteiramente para os transportes públicos.

Barcas[editar | editar código-fonte]

Barca Djurgården.

Estocolmo tem linhas regulares marítimas para Helsinque e Turku (normalmente chamado Finlandsfärjan), Tallinn, Riga, e para as ilhas Åland. Até 1998 existia uma ligação direta para São Petersburgo, hoje deve-se pegar uma barca até Helsinque e a outra para São Petersburgo.

O grande arquipélago de Estocolmo é servido pelos barcos da empresa Waxholmsbolaget.

Aeroportos[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto de Arlanda, localizado em Estocolmo, é o maior da Suécia.

O Aeroporto de Arlanda é o maior aeroporto da Suécia, com 18 milhões de passageiros em 2007. Está localizado a 40 km a norte de Estocolmo.

Aeroportos internacionais e domésticos[editar | editar código-fonte]
Aeroportos somente internacionais[editar | editar código-fonte]

As linhas de ônibus Flygbussarna partem para e de Estocolmo para levar em todos os aeroportos.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Gamla stan, a cidade velha de Estocolmo.

Além de ser uma grande cidade com uma vida cultural ativa, Estocolmo, enquanto capital, também abriga várias das instituições culturais da Suécia, incluindo teatros, ópera e museus. Há dois prédios que são classificados como Patrimônio Cultural da Humanidade, de acordo com a UNESCO, em Estocolmo: o Palácio Drottningholm e o Skogskyrkogården. Estocolmo foi a Capital Europeia da Cultura em 1998. A escolha da cidade provém da qualidade de vida, que é uma das melhores do mundo.

Literatura[editar | editar código-fonte]

A cidade de Estocolmo está muito ligada à literatura. Alguns dos melhores poetas e escritores suecos nascerem e viveram na cidade que desde cedo revelou ser um centro de cultura importante no país, a par da cidade de Gotemburgo. Alguns dos mais famosos autores ligados a Estocolmo incluem o poeta e compositor Carl Michael Bellman (17401795), o novelista Hjalmar Söderberg (18691941), e o também novelista e dramaturgo August Strindberg (18491912), cuja obra intitulada A Menina Júlia, de 1888, é considerada uma importante obra da literatura mundial. Outros autores com notável herança cultural na cidade foram Eyvind Johnson (19001976), laureado com o Prémio Nobel de Literatura e ainda o popular poeta e compositor Evert Taube (18901976). O novelista Per Anders Fogelström (19171998) escreveu uma série popular de novelas históricas que retratam a vida de Estocolmo entre o século XIX e meados do século XX. ...

Religião[editar | editar código-fonte]

O santo padroeiro da cidade é o lendário rei da Suécia Santo Érico, comemorado no dia 18 de maio[17] .

Arquitectura[editar | editar código-fonte]

A parte mais antiga da cidade é Gamla Stan, edificada numa das pequenas ilhas do centro de Estocolmo; é um dos mais antigos locais habitados da cidade, apresentando ainda uma disposição das ruas que faz lembrar uma cidade medieval. Alguns dos edifícios mais conhecidos nessa zona da cidade são a grande Igreja Alemã (Tyska kyrkan) e várias mansões e palácios, tais como o Riddarhuset (Casa dos Nobres), o Palácio Bonde, o Palácio Tessin ou o Palácio Oxenstierna. O mais antigo edifício é o Riddarholmskyrkan, uma igreja sepulcral do final do século XIII. Em 1697, um incêndio destruiu o castelo medieval original da cidade de Estocolmo, dando lugar ao actual Palácio de Estocolmo, construído em estilo barroco, bem ao gosto da época. A Catedral Storkyrkan, sede episcopal de Estocolmo, está situada perto desse local, tendo sido edificada no século XIII, resistindo ao incêndio. Apesar de ser de uma época medieval, o seu exterior é barroco, feito no século XVIII.

No início do século XV, a cidade expandiu-se. Alguns dos pequenos edifícios desta era podem ser ainda vistos em Södermalm. Durante o século XIX, a indústria apoderou-se da cidade fazendo com que houvesse um crescimento exponencial da população, e aliado a esse facto uma explosão do sector imobiliário. A cidade expandiu-se rapidamente, com planos e arquitectura inspirados em grandes cidades do continente, tais como Berlim e Viena. Algumas obras notáveis surgiram nesse período, tanto devido a investimentos públicos, tal como a Ópera Real Sueca, ou privados, tal como muitas habitações de luxo que apareceram em Strandvägen.

No século XX, uma onda nacionalista fez desenvolver um novo estilo arquitectónico sueco, inspirado pelo passado medieval e renascentista, com influências do estilo Arte Nova. Uma marca arquitectónica incontornável dessa vaga em Estocolmo é o edifício da Câmara Municipal de Estocolmo, construído em 19111923 e desenhado pelo arquitecto Ragnar Östberg. Outras obras notáveis dessa época são a Biblioteca Pública de Estocolmo e o cemitério-parque Skogskyrkogården

Södertorn, um arranha-céus em Södermalm.

O Modernismo caracterizou o estilo da Exposição de Estocolmo de 1930 e o desenvolvimento da cidade à medida que crescia nessa década. Surgiram novas áreas residenciais com o desenvolvimento em Gärdet enquanto que o crescimento industrial se dava em instalações como as da Kooperativa Förbundet (KF) em Kvarnholmen, na comuna de Nacka. Na década de 1950, o desenvolvimento suburbano entrou numa nova fase com a introdução do metro de Estocolmo. As construções modernistas de Vällingby e Farsta foram muito apreciadas internacionalmente. Na década seguinte o desenvolvimento suburbano continuou, mas com uma estética mais virada para a construção em altura, através de grandes os blocos de apartamentos pré-fabricados, tendo estes recebido inúmeras críticas.

Ao mesmo tempo que se dava este desenvolvimento, algumas áreas mais centrais foram objecto de intervenções pontuais. Exemplo disso é a praça de Sergels Torg, com as suas torres de escritórios da década de 1960, seguida pela abertura de grandes zonas para deixar espaço para novos projectos. Os edifícios mais notáveis desta época são o conjunto da Casa da Cultura, Teatro da Cidade e Banco Nacional em Sergels Torg, da autoria do arquitecto Peter Celsing.

Na década de 1980, a corrente modernista, que até então tinha sido cegamente seguida por arquitectos e projectistas, começou a ser questionada. Esse descontentamento estético resultou na execução de alguns projectos de arquitectura dos quais se destacam os subúrbios da zona de Skarpnäck. Na década que se seguiu a ideia de ruptura com o anterior estilo modernista continuou a ser aplicada em algumas zonas industriais já devolutas em locais mais centrais da cidade, dando lugar a novas áreas em Hammarby Sjöstad. O município foi apontado como um bom exemplo de preservação da beleza da cidade.[18]

Museus[editar | editar código-fonte]

Estocolmo tem mais de uma centena de espaços museológicos, sendo uma das cidades com maior densidade de espaços deste tipo, e são visitados por milhões de pessoas todos os anos. Um dos mais importantes museus da cidade é o Museu Nacional, com uma grande colecção de arte sueca: 16 000 quadros e 30 000 objectos de arte. A colecção data dos tempos de Gustavo I Vasa no século XVI, e tem sido aumentada com obras de artistas estrangeiros como Rembrandt ou Antoine Watteau, mas é também uma parte da herança cultural sueca, com obras de Alexander Roslin, Anders Zorn, Johan Tobias Sergel, Carl Larsson, Carl Fredrik Hill e Ernst Josephson.

Outro grande museu em Estocolmo é o Museu de Arte Moderna (Moderna Museet) que contém obras de artistas do século XX tais como Picasso ou Salvador Dalí. O Skansen é um museu ao ar livre, situado em Djurgården, dedicado à vida e cultura sueca; inclui um jardim zoológico. O Museu do Vasa é um espaço dedicado ao Vasa, um navio de guerra sueco construído e naufragado em 1628. O Museu Nórdico foi dedicado à arte e design da Escandinávia.

O Museu Nórdico em Djurgården, Estocolmo.

O Museu da Cidade de Estocolmo (Stockholms stadsmuseum), que tal como o nome indica é dedicado à cidade e aos seus habitantes possuindo uma vasta colecção de documentos que relatam a vida de Estocolmo; o Museu Medieval de Estocolmo (Medeltidsmuseet) complementa o anterior contendo no seu interior ruínas da era medieval, tais como as muralhas da cidade no século XVI; actualmente permanece encerrado devido a obras de requalificação de algumas das ruínas que nele estão inseridas tais como a ponte Norrbro.

Outros museus de grande interesse na cidade são o Museu Nacional de Ciência e Tecnologia (Tekniska museet) dedicado às tecnologias tendo sido criado pela Academia de Ciências da Engenharia Sueca (Ingenjörsvetenskapsakademien - IVA) e o Museu Nacional Marítimo (Sjöhistoriska museet) que exibe uma enorme colecção relativa à história marítima sueca para além de proporcionar uma excelente vista sobre a baía de Djurgårdsbrunnsviken. Há ainda o Museu Biológico dedicado à flora e fauna da Suécia e o Aquaria que recria diversos ambientes marinhos, desde os mares do norte até aos mares tropicais repletos de corais e animais exóticos. O Museu Nobel é dedicado ao engenheiro Alfred Nobel notorizado pela fundação que criou, que todos os anos recompensa as personalidades que mais se destacaram em diversas áreas das Ciências e Artes. Também se pode encontrar em Estocolmo o Museu da História de Vinho e Licores e o Millesgården (a casa do escultor Carl Milles) entre muitos outros.

Teatros[editar | editar código-fonte]

Teatro Dramático Real em Estocolmo.

A cidade está repleta de teatros de grande categoria, dos quais se podem destacar o Teatro Dramático Real (Kungliga Dramatiska Teatern), um dos mais reconhecidos a nível europeu, e a Ópera Real Sueca (Kungliga Operan), inaugurado em 1773.

Outros teatros notáveis da cidade são o Teatro da Cidade de Estocolmo (Stockholms stadsteater), um dos mais concorridos da cidade superado apenas pelo Teatro Real de Drama, a Ópera Popular (Folkoperan) construída em oposição da Ópera Real sendo destinada a produções mais pequenas, mas muito apreciadas pelo público sueco.

O Teatro Moderno de Dança (Moderna dansteatern) é dedicado a espectáculos de dança contemporânea, e o Teatro Göta Lejon, popularmente conhecido apenas por Göta Lejon, é dedicado à produção de musicais. No que toca a teatros privados, o Teatro Södra (Södra Teatern) foi o primeiro a ser construído, em 1851; o Teatro Oscar (Oscarsteatern) é um dos mais exclusivos teatros do Estocolmo, que costuma apresentar musicais.

Mídia[editar | editar código-fonte]

Estocolmo é o centro da mídia na Suécia.Possui quatro jornais diários de escala nacional e é a sede da televisão (SR) e rádio (SVT) estatais do país.Além disso,todos os outros canais de televisão grandes da Suécia têm sua sede em Estocolmo,como:TV3, TV4 e TV6.Todas as principais revistas do país também são publicadas em Estocolmo,tal como o maior grupo editorial do país, o Grupo Bonnier.

Desporto[editar | editar código-fonte]

Os desportos mais populares na cidade são o futebol e o hóquei no gelo. Os clubes mais representativos são o AIK, Djurgårdens IF e o Hammarby IF.

A cidade recebeu os Jogos Olímpicos de Verão de 1912. Data dessa altura o Estádio Olímpico de Estocolmo, que recebeu numerosos eventos, sobretudo de futebol e atletismo. Outras instalações para desporto são o Estádio Råsunda (o estádio nacional de futebol), e a Stockholm Globe Arena, uma área multi-eventos e um dos maiores edifícios esféricos no mundo.

Além dos Jogos Olímpicos de 1912, Estocolmo foi palco das provas de hipismo dos Jogos Olímpicos de Verão de 1956, por causa de uma quarentena em vigor na Austrália. A cidade tentou ainda uma candidatura aos Jogos Olímpicos de Verão de 2004.

Estocolmo recebeu quase todas as edições dos Jogos Nórdicos, um evento multidesportivo de Inverno, que precedeu os Jogos Olímpicos de Inverno.

Culinária[editar | editar código-fonte]

A cidade de Estocolmo é conhecida por sua boa culinária. Devido a imigração, a cidade têm todos os gêneros alimentícios, provenientes a escala mundial, como o fast-food americano e comidas típicas da Ásia, Itália, França, Espanha, Grécia e da Escandinávia, entre outros gêneros.

Pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

  • Palácio Real de Estocolmo
  • A Igreja Riddarholmskyrkan
  • Teatro Drottningholms
  • A "Gamla stan" ou cidade velha
  • O centro da cidade, ou Stadsholmen, a Riddarholmen (Ilha dos Cavaleiros) e a Helgeandsholmen (ilha onde se encontra o Parlamento Sueco, ou Riksdag)
  • A Sager House, casa do primeiro-ministro da Suécia
  • A praça Norrmalmstorg, no centro da área comercial da cidade
  • A praça Sergel (Sergels torg), local de manifestações, com seu pilar central de 37 m e fonte de forma superelíptica
  • A península Djurgården (com seus museus e zoológico, no centro da cidade), que inclui o museu ao ar livre Skansen, retratando a Suécia do passado
  • O parque de diversões Gröna Lund
  • A torre de TV Kaknästornet, com seus 155 metros de altura e seu mirante no topo
Foto panorâmica da cidade.
Foto panorâmica da cidade.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estocolmo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Murkrona.svg Estocolmo é uma das 134 cidades com o status histórico de cidade na Suécia.