Língua sueca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Sueco (Svenska)
Falado em:  Suécia (9.000.000)
 Finlândia (350.000)
 Estónia
 Noruega
 Canadá
 Estados Unidos
Região: Suécia e Finlândia
Total de falantes: +9.350.000
Posição: 89
Família: Indo-europeia
 Germânica
  Setentrional
   Escandinava
    Oriental
     Sueco
Estatuto oficial
Língua oficial de:  Suécia
 Finlândia
União Europeia
Conselho Nórdico
Regulado por: Conselho da Língua Sueca (semioficial)
Códigos de língua
ISO 639-1: sv
ISO 639-2: swe
A língua sueca na Suécia e na Finlândia

A língua sueca (svenska) é uma das cinco línguas germânicas setentrionais (ou línguas nórdicas). É falada por nove milhões de pessoas, predominantemente na Suécia e em partes da Finlândia, especialmente na costa e nas ilhas Åland. É mutuamente inteligível com as duas línguas nórdicas vizinhas, o dinamarquês e o norueguês. O islandês está mais afastado, em grande parte devido ao seu caráter arcaizante.

História[editar | editar código-fonte]

Antes da Era Viking é difícil estabelecer uma distinção entre a língua falada na atual Suécia e no restante da Escandinávia, mas após o ano 800 as línguas escandinavas orientais começam a se separar, tendo lugar uma acentuada divisão após as invasões dinamarquesas por volta de 1300.[1]

A língua sueca moderna se desenvolveu na região de Mälaren-Uppland, onde estavam localizados os principais centros de Governo e ensino da Idade Média (Estocolmo e Uppsala), sendo também influenciada pelo dialeto da região da Gotlândia.

A história da língua sueca se divide em dois grandes períodos:

  • Sueco antigo[2] , que engloba a Era Viking e a Idade Média, podendo subdividir-se em período rúnico (cerca de 800-1225), período clássico (cerca de 1225-1375) e período recente (cerca de 1375-1526). Os textos mais antigos na língua sueca são inscrições rúnicas do século IX, das quais a mais importante é a encontrada na Pedra de Rök (Östergötland, Suécia), que apresenta 850 runas. Os textos inscritos mais antigos em um alfabeto latino modificado são textos oficiais medievais: um fragmento do Direito gótico ocidental antigo, da década de 1220, e um texto completo pertencente ao código legal da década de 1280.

Nesta época, o léxico experimentou importantes mudanças: a igreja introduziu empréstimos do latim e do grego, tais como brev "carta", do latim breve scriptum; kyrka, "igreja", do grego kyriakon; kloster, "mosteiro", do latim claustrum; biskop, "bispo", do grego episkopos; präst, "sacerdote", do latim presbyter. No âmbito do comércio e dos serviços também foram incorporados muitos empréstimos procedentes do baixo alemão, como frakt, "carga", de vracht; skomakare, "sapateiro", de schômaker; novos produtos: tyg, "tela", de tuch; ättika, "vinagre", de etik; organização das cidades: rådhus, "ajuntamento, multidão", de râthûs; fogde, "administrador", de voget; no âmbito da cortesia: herre, "senhor", de hêrro; fröken, "senhora", de vrôuken.

  • Sueco moderno, dividindo-se em sueco moderno antigo[3] (1526-1732) e sueco moderno recente[4] (a partir de 1732 em diante).
Capa da Bíblia de Gustav Vasa (1541). O título significa: "A Bíblia / Que é / A Sagrada Escritura / Em Sueco. Impresso em Uppsala. 1541".

A chegada da imprensa marca o início deste novo período, com a conseguinte normatização ortográfica e de pontuação que acarreta a publicação de massa. O primeiro livro impresso em sueco apareceu em 1495 com o título Aff dyäfwlsens frestelse (“Sobre a tentação do demônio”), mas as obras impressas mais importantes são traduções da Bíblia da Reforma Nya testamentet , de 1526, e Gustav Vasas Bibel, de 1541, traduzida por Olaf Petri (1493-1552). O alcance da influência da primeira Bíblia disponível na língua nativa não deve ser subestimado; de fato, esta versão da língua (com só algumas modificações ortográficas) foi a utilizada até 1917, proporcionando assim um modelo escrito durante um longo período de tempo.

Como resultado dos estreitos contatos culturais e políticos, os empréstimos franceses começam a penetrar no sueco de forma massiva, sobretudo durante o reinado de Luís XIV (1643-1715), iniciando um fenômeno que culminaria em meados do século XVIII. Em 1786 foi fundada a Academia Sueca sob o comando do rei Gustavo III.

August Strindberg é considerado o fundador da literatura moderna sueca

Os índices de alfabetização são bastante elevados; as vendas de jornais e revistas são altíssimas e as excelentes bibliotecas públicas recebem generosos subsídios, enquanto o público tem acesso a qualquer livro a preços insignificantes. Os grandes movimentos populacionais do último século, sobretudo do campo para as cidades, assim como a expansão geral das comunicações, têm provocado um duplo efeito na língua: em primeiro lugar, uma influência cada vez maior da língua escrita sobre a falada, sobretudo na pronúncia e no estilo; em segundo lugar, o desenvolvimento de uma língua falada padrão, ao mesmo tempo que decai a importância dos dialetos. Nos últimos 150 anos, a influência do inglês tem tido cada vez mais importância.

Dados[editar | editar código-fonte]

A língua sueca é a língua nacional da Suécia ("língua oficial" em "contextos internacionais" desde 1 de julho de 2009) com uma população de cerca de 8,5 milhões de habitantes, também é a primeira língua de cerca de 300 mil pessoas na Finlândia e a segunda de várias minorias lingüísticas, que alcança um milhão de pessoas, a maior parte delas imigrantes recentes, como também nativos finlandeses e lapões (samer).

Dialetos[editar | editar código-fonte]

Mapa dos dialetos da língua sueca
Mapa dos dialetos suecos

Fala-se nas zonas rurais dialetos antigos, especialmente no norte, incluindo Dalsland, na ilha de Gotland e na Finlândia, mas a maior parte destes dialetos tiveram seu uso reduzido consideravelmente. Também há dialetos urbanos, mas bem próximos à língua normativa. Há variantes regionais, especialmente na pronúncia, ainda que uma norma supra-regional radicada na região de Estocolmo tenha o status social mais forte e tenha se espalhado por outras regiões ao menos no contexto formal. Uma variante regional se usa no sul da Suécia, zona que pertenceu até o século XVII à Dinamarca; também há outra variante na Finlândia que é usada em todos os níveis de comunicação.[5] [6]

A língua nacional atual baseia-se nos dialetos da Suécia central, que desde a Idade Média tem sido a sede do governo e da administração. A língua das Bíblias da Reforma teve um importante papel na composição do idioma-padrão escrito no final da década de 1600; esta norma, junto com a língua falada na região central, contribuiu para o desenvolvimento de uma língua falada nacional.

Contudo, muitas localidades conservam formas dialetais (ainda que tenham sofrido profundas modificações). Os principais dialetos são:

  • Dialetos suecos meridionais (nas três províncias situadas mais ao sul). Apresentam um sistema tonal diferente do existente no sueco central e mostram uma considerável influência léxica do dinamarquês.
  • Os dialetos göta da Suécia central e meridional.
  • Os dialetos svea (Suécia central, em torno do lago Mälaren), que constituem a base do sueco padrão falado.
  • Os dialetos norrland (Suécia setentrional, ao norte do rio Dalälven).
  • O gotlandiense (na ilha báltica de Gotland) que conta com partes bastante arcaicas.
  • Os dialetos do Sueco da Finlândia, que incluem um grande número de empréstimos procedentes do finlandês e do russo, além de neologismos que não se encontram na Suécia.

Escrita[editar | editar código-fonte]

Os textos mais antigos escritos em sueco (exceto os textos rúnicos) utilizam o alfabeto latino, ainda que modificado com a inclusão das letras Æ, O, Þ, D. O alfabeto utilizado na atualidade é um alfabeto latino modificado de 29 letras, com a adição ao final do mesmo de å, ä, ö. As letras q e w só aparecem em substantivos. A letra å introduzida com a imprensa após 1400, desenvolveu-se a partir da medieval aa, enquanto que ä evoluiu, ao mesmo tempo de æ. A nova letra ö é correspondente ao O sueco medieval (que porém ainda é usado no dinamarquês e norueguês atuais).

Gramática[editar | editar código-fonte]

Deixando-se à parte algumas diferenças do léxico, o sueco atual distingue-se do dinamarquês em manter as consoantes surdas p, t, k após uma vogal, que no dinamarquês são as sonoras b, d, g; assim mesmo, mantém as vogais a, o das sílabas átonas que o dinamarquês converteu em e ou em nenhuma vogal.

Uma característica da gramática sueca, compartilhada por outras línguas escandinavas, é o artigo definido enclítico, ou seja, que é usado após o substantivo. O sueco normativo não possui terminações de casos nos nomes salvo para o possessivo e só possui dois gêneros: neutro e comum, ainda que a maioria dos dialetos possua três: masculino, feminino e neutro. O sueco possui um entonação que para alguns estrangeiros soa como uma canção rítmica.

A base principal do léxico sueco é constituída por palavras procedentes do germânico antigo. Os latinismos ou helenismos procedem da época que o país foi evangelizado e de quando foram fundadas as universidades. As palavras procedentes do baixo alemão foram adicionadas enquanto durou a Liga Hanseática (séculos XIII ao XVI). As de procedência alemã são do século XVII e os galicismos se incorporaram nos séculos XVII e XVIII; todas formam o sueco moderno, língua que se consolidou a partir de 1526, data correspondente a primeira tradução impressa do Novo Testamento. Em 1906 foi efetuada uma simplificação da ortografia.

A ordem da frase é sujeito, verbo e objeto normalmente é feito com um predicado + ser

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

As palavras suecas são na grande maioria de origem germânica, diretamente provenientes da língua protogermânica ou por via do alemão.[7]

  • Exemplos: kung (rei), skön (belo), tenn (estanho).

Com a introdução do cristianismo, vieram muitos termos do latim e do grego.

  • Exemplos: altare (altar), kyrka (igreja), mässa (missa).

Durante a Idade Média, a influência do alemão foi muito forte.

  • Exemplos: stad (cidade), arbete (trabalho), betala (pagar), språk (língua).

Nos séculos XVI e XVII, foram importados muitos termos do francês.

  • Exemplos: scen (cena), karikatyr (caricatura), paraply (guarda-chuva).

Depois da Segunda Guerra Mundial, é a vez do inglês dar novas palavras ao sueco.

  • Exemplos: jazz (jazz), hobby (passatempo), juice (sumo/suco), container (contentor).

O sueco da Finlândia tem muitas vezes palavras próprias influenciadas ou aparentadas com as correspondentes finlandesas.

  • Exemplos: hassa (desperdiçar), rosk (lixo), simstrand (praia de banhos).

Novas palavras suecas podem ser formadas por composição, tal como no alemão e neerlandês.

  • Exemplos: bibliotekschef (chefe de biblioteca), ishockey (hóquei no gelo), överkonsumtion (consumo exagerado).
  • Mais exemplos: Ungdomssymfoniorkesterfestivalen (Festival de Orquestras Sinfônicas Juvenis) e Krigsvetenskapsakademien (Academia das Ciências da Guerra)

Breve vocabulário[editar | editar código-fonte]

Cores[editar | editar código-fonte]

branco - vit
vermelho - röd
azul - blå
verde - grön
amarelo - gul
marrom - brun
preto - svart
cinza - grå

Numerais[editar | editar código-fonte]

Português zero um dois três quatro cinco seis sete oito nove dez
Sueco noll en/ett två tre fyra fem sex sju åtta nio tio

Referências

  1. Bergman, Gösta et al. Språket och litteraturen. Estocolmo: Svenska Bokförlaget. 1971. pp.185-218 Capítulo - Vårt språks historia (A história da nossa língua) ISBN 91-24-10178-8
  2. Bergman, Gösta et al. Språket och litteraturen. Estocolmo: Svenska Bokförlaget. 1971. pp.187-200 ISBN 91-24-10178-8
  3. Bergman, Gösta et al. Språket och litteraturen. Estocolmo: Svenska Bokförlaget. 1971. pp.200-205 ISBN 91-24-10178-8
  4. Bergman, Gösta et al. Språket och litteraturen. Estocolmo: Svenska Bokförlaget. 1971. pp.205-210 ISBN 91-24-10178-8
  5. Bergman, Gösta et al. Språket och litteraturen. Estocolmo: Svenska Bokförlaget. 1971. pp.9-14 Capítulo: Dialekterna (Os dialetos) ISBN 91-24-10178-8
  6. http://www.ne.se/svenska-dialekter Enciclopédia Nacional Sueca - Dialetos suecos
  7. Bergman, Gösta et al. Språket och litteraturen. Estocolmo: Svenska Bokförlaget. 1971. pp.119-137 ISBN 91-24-10178-8

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Sueco