Língua polaca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde janeiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Polaco / Polonês (Język Polski)
Falado em:  Polónia
 Lituânia
 Bielorrússia
 Ucrânia
Total de falantes: 42,7 Milhões
Posição: 28
Família: Indo-europeia
 Eslava
  Ocidental
   Lequítico
    Polaco / Polonês
Estatuto oficial
Língua oficial de:  Polónia
União Europeia
Regulado por: Conselho da Língua Polaca
Códigos de língua
ISO 639-1: pl
ISO 639-2: pol
ISO 639-3: pol

A língua polaca (português europeu) ou língua polonesa (português brasileiro) é uma língua eslava ocidental, falada por cerca de 60 milhões de pessoas, a maioria das quais vive na Polónia (português europeu) ou Polônia (português brasileiro). É também falada na Lituânia (400 000), Bielorrússia (1 milhão), Ucrânia, Brasil (em várias cidades dos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e em São Paulo), mas também no Reino Unido, na França, na Argentina, nos Estados Unidos, em Israel e no Canadá e em outros países. Este idioma é a língua eslava mais falada depois do russo.

A literatura polaca já conquistou quatro prémios Nobel: Henryk Sienkiewicz, em 1905, Władysław Reymont (1924), Czesław Miłosz (1980) e Wisława Szymborska (1996).

História[editar | editar código-fonte]

A história desta língua divide-se em quatro períodos: antigo (séculos XII - XVI), médio (século XVI - 1780), novo (1780 - 1945) e moderno. A língua polaca pertence ao ramo lequítico do grupo ocidental eslavo, junto com dialetos extintos dos eslavos que viveram a leste dos rios Odra e Elba. A história registrada da língua polaca começa com uma bula papal redigida em latim em 1136 pelo arcebispo de Gniezno, na qual aparecem 410 nomes polacos pessoais e geográficos. O registro polaco mais antigo é datado do século XIII, sendo do século XIV o texto contínuo mais antigo.

No século XVI já se pode falar de língua literária mais ou menos normativa, que contém algumas características do dialeto da região da Grande Polónia, no oeste do país, e da região da Pequena Polónia, no sudeste, estando a história da época da Polónia conectada com os centros político-religiosos dessas regiões (Gniezno, Poznań e Cracóvia). As influências diferenciadas de ambos dialetos acabaram com a seleção da variante mais próxima ao Checo, que teve forte influência no começo do século X, quando o cristianismo entrou na Polónia via Boémia. A língua literária polaca teve desenvolvimento contínuo desde então, ainda que o latim tenha sido um sério adversário, concorrendo com o polaco até o final do século XVIII.

Em 1924, o novelista Władysław Reymont ganhou o Prémio Nobel de Literatura. Outros novelistas e poetas que também ganharam o Nobel foram Henryk Sienkiewicz em 1905, Czesław Miłosz em 1980 e Wisława Szymborska em 1996.

Dados[editar | editar código-fonte]

O polaco é a língua materna de quase 39 milhões de pessoas que vivem na Polónia e de cerca de 15-20 milhões que vivem noutros países.

Língua falada por:
País Falantes
Polônia
Estados Unidos
Ucrânia
Alemanha
Bielorrússia
Lituânia
Canadá
Brasil
Israel
Rússia
Cazaquistão
Letônia
Áustria
Eslováquia
Rep. Tcheca
Hungria
Austrália
Romênia
Azerbaijão
Estônia
Finlândia
França
Holanda
39 000 000
2 438 000
1 151 000
1 000 000
403 000
258 000
225 000
150 000
100 000
94 000
61 500
57 000
50 000
50 000
39 000
21 000
13 783
10 000
1 300
600
não disponível
não disponível
não disponível

Dialectos[editar | editar código-fonte]

O território linguístico polaco divide-se tradicionalmente em cinco grandes zonas dialectais, correspondentes às regiões histórico-geográficas da Grande Polónia, Pequena Polónia, Silésia e Cassúbia. Esta divisão não inclui os territórios do Oeste e do Norte (aproximadamente 25% do território polaco actual) que foram ganhos da Alemanha após a Segunda Guerra Mundial e que estavam povoados pelos chamados falantes de novos dialectos criados como resultado das movimentações populacionais do pós-guerra.

A maioria dos falantes dialectais mostram tendência à diglossia, ou seja, falam duas línguas, a forma dialectal e a língua normativa.

A língua cassúbia, considerada pelos linguistas polacos durante o regime comunista apenas um dialecto do polaco (por razões políticas), goza agora do estatuto oficial de uma língua regional e, como tal, é protegida e promovida pelo estado polaco.

Ortografia[editar | editar código-fonte]

O polaco contemporâneo possui sete fonemas vocálicos e 35 consonantais, representados pelo alfabeto latino, com alguns sinais diacríticos. Os sons que não existiam no latim foram transcritos com a utilização de dígrafos, como sz e cz, que são fricativas sibilantes sonora (j) e surda (ch) respectivamente; ou por meio de marcas diacríticas como ź e ś, procedentes do tcheco. O único sinal polaco de seu alfabeto é a letra Ł, que equivale à semiconsoante w.

Ao longo de sua evolução, o polaco deixou de distinguir entre vogais longas e breves.

O polaco é a única língua eslava que possui vogais nasais (ą e ę), originárias das vogais nasais do antigo eslavo. É uma língua muito flexionada e os verbos conjugam-se variando em género, pessoa e número; a ordem das palavras na frase é bastante flexível, por conta da clareza dada pela declinação de substantivos e adjetivos.

Alfabeto[editar | editar código-fonte]

O alfabeto polaco tem 32 caracteres; 8 são vocálicos e 24 são consonânticos.

A (a) Ą (oun) B (bé) C (tse) Ć (ti) D (dé) E (e) Ę (eun) F (ef) G (guie) H (há) I (i) J (iot) K (ca) L (el) Ł (eu) M (em) N (en) Ń (ni) O (o) Ó (u) P (pé) R (ér) S (és) Ś (chi) T (te) U (u) W (vu) Y (igrek) Z (ze) Ź (ge) Ż (jie)[1]
a ą b c ć d e ę f g h i j k l ł m n ń o ó p r s ś t u w y z ź ż

Caracteres Q V X #- q v x Ï aparecem apenas em palavras de origem estrangeira. São chamados "caracteres históricos" e não são considerados parte do alfabeto polaco contemporâneo.

Gramática[editar | editar código-fonte]

Casos[editar | editar código-fonte]

São sete as declinações de Caso gramatical para Substantivos, Pronome e Adjetivos:

Pronomes pessoais[editar | editar código-fonte]

Comunicação informal: Ja: eu, Ty: tu ou você, On, ona, ono: ele, ela, ele ou ela para palavras neutras; My: nós; Wy: vós; Oni, one: eles, elas. Comunicação formal: Pan: senhor; Pani: senhora. O plural do modo formal é państwo, em português, senhores (um casal).[1]

Gênero[editar | editar código-fonte]

Os gêneros gramaticais são cinco, variando no singular e no plural

  • Masculino - pessoa
  • Masculino - seres vivos
  • Masculino - seres inanimados
  • Feminino - pessoa
  • Neutro

Algumas palavras úteis[editar | editar código-fonte]

  • Cześć: Olá
  • Dzień dobry: Bom dia
  • Jak się nazywasz?: Como você/tu se/te chamas?[1]
  • Do widzenia: Até logo
  • Jak się masz? Como estás?
  • Dziękuję, dobrze: Bem, obrigado
  • Proszę: Por favor
  • Dziękuję: Obrigado
  • Tak: Sim
  • Nie: Não
  • Nie wiem! Não sei![1]
  • Gdzie jest przystanek autobusowy?: Onde fica o ponto de ônibus?[1]
  • Przepraszam: Desculpe
  • Nie rozumiem: Eu não entendo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Provérbios poloneses
Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete Polaco.
Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Polonês

Referências[editar | editar código-fonte]

[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e RZYSKI, Barbara M. Aprenda Polonês. Editora Projeto Saber.