Língua eslovíncia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eslovíncio (Słowińskô mòwa)
Falado em: Polônia
Região: Pomerânia
Total de falantes: extinto
Família: Indo-europeia
 Eslava
  Ocidental
   Lequítico
    Eslovíncio
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: sla

A língua eslovíncia ou eslovincio foi um dialeto extinto da língua pomeraniana, falada entre os lagos Gardno e Lebsko na Pomerânia. O eslovinciano morreu porque a língua do dia-a-dia da comunidade foi substituída pelo baixo-alemão no início do século XX. De qualquer forma, palavras isoladas e expressões sobreviveram até a Segunda Guerra Mundial. Nessa época havia informações de anciãos que eram capazes de manter um diálogo simples no seu dialeto.

O eslovinciano era tão próximo do cassubiano que poderia ser considerado como um dialeto deste. É discutido entre os atuais eslovincianos o uso desse nome, dado pelo cientista russo Aleksander Hilferding. Alguns acadêmicos acreditam que os eslovincianos consideram a si mesmos apenas como cassubianos luteranos e sua língua como o cassubiano. No entanto, o termo "eslovinciano" prevalece na literatura e também é usado oficialmente (Slowinski Park Narodowy - Parque Nacional Eslovinciano, na Pomerânia).

Os ancestrais dos eslovincianos provavelmente chegaram a essa região por volta de 1.500 anos atrás, mas podem ter habitado a região muito antes disso, como parte da grande tribo dos eslavos pomeranianos. Seguindo sua forçada cristianização (Cruzada do Norte), as classes dominantes dos pomeranianos ocidentais tornaram-se gradualmente mais e mais germanizadas. A adoção do Luteranismo em 1525 e 1538 quebrou muitas das ligações com os poloneses e cassubianos. Além disso, foi decidido que o alemão seria usado na Igreja da Pomerânia, no lugar da língua nativa local.

A isolação relativa dos assentamentos eslovincianos das grandes cidades atrasou esse processo até o final do século XIX. Nos séculos XVI e XVII Michal Mostnik (também conhecido como Pontanus ou Michael Brüggeman) e Szimon Krofej tentaram introduzir o eslovinciano na Igreja Luterana. Eles traduziram e publicaram vários trabalhos religiosos para o eslovinciano.

Seus esforços não pararam o processo de germanização da população eslava da Pomerânia. Após a unificação da Alemanha e 1871, a antiga província prussiana da Pomerânia tornou-se parte do território alemão, ao ponto de que qualquer língua exceto o alemão ser fortemente proibida nas igrejas, escolas e repartições públicas. A língua eslava pomeraniana declinou e foi gradualmente substituída pelo baixo alemão. O mesmo processo, embora mais lento, ocorreu também entre os católicos cassubianos na província prussiana de Westpreussen.

Todavia, os cassubianos ainda sobreviviam quando o Tratado de Versalhes os colocou sob o governo polonês. A área eslovinciana foi deixada dentro das fronteiras alemãs.

As regiões habitadas pelos eslovincianos tornaram-se parte da Polônia após a Segunda Guerra Mundial, em 1945. Os novos colonos poloneses que chegaram da Polônia Oriental trataram os eslovincianos como alemães. Os direitos de posse dos cidadãos alemães foram retirados pelo estado, a menos que eles provassem o direito à naturalização. Aos eslovincianos não foi dada a chance de adotar a cidadania polonesa. Alguns intelectuais poloneses escreveram cartas de protesto contra o tratamento dado às populações nativas da Pomerânia pelas autoridades comunistas, sem muito efeito. Os eslovincianos começaram a buscar o direito de emigrar para a Alemanha, e virtualmente todas as famílias o fizeram na década de 1980.

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.