Língua limburguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Limburguês
 (Limburgs: Plat, Lèmbörgs)
Falado em:  Países Baixos (Limburg) -  Bélgica (em Limburgo e em algumas vilas no noroeste da Valônia , Liège (província), -  Alemanha (partes adjacentes a Renânia)
Região: NL-LimburgVlag.svg Limburgo (Países Baixos) Flag of Limburg (Belgium).svg Limburgo (Bélgica)
Total de falantes: ~1.6 milhões (estim.)
Família: Indo-europeia
 Germânica
  Ocidental
   Meuse-Renano
    Limburguês
Escrita: Alfabeto latino
Estatuto oficial
Língua oficial de: nos Países Baixos (lingua regional); não-oficial na Bélgica ou Alemanha
Códigos de língua
ISO 639-1: li
ISO 639-2: lim
ISO 639-3: lim
Limburguês (laranja) e outras línguas minoritárias, regionais e dialetos no Benelux.

O limburguês (em neerlandês: Limburgs; em alemão: Limburgisch; em francês: Limbourgeois) é um grupo de idiomas baixo-francônios minoritários falado em Limburgo (1815-1839) e na Renânia, nas proximidades da Tríplice fronteira entre Países Baixos, Bélgica e Alemanha, área que aproximadamente fica dentro de um círculo formado pelas cidades Venlo, Düsseldorf, Aachen , Maastricht, Hasselt voltando a Tienen. Em alguns locais é usada como linguagem coloquial do dia-a-dia.

Características[editar | editar código-fonte]

Em geral o falar Limburgo é muitas vezes descrito como um dialeto seja do alemão ou do holandês , ambas as quais compartilham características comuns. Nas modernas comunidades das províncias belgas e holandesas os idioletos intermediários limburgueses são muito comuns e também combinam o idioma neerlandês com os tendências de sotaques e de aspectos gramaticais do limburguês propriamente dito. Assim, o chamado "holandês limburguês", variedade do neerlandês falada na região, é por vezes confundido com o limburguês. Nos Países Baixos é conhecida também como streektaal, "língua da região".

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Limburgish (e suas variantes) deriva da hoje cidade belga de Limburgo (Laeboer em limburguês IPA: /ˈlæːbuʁ/), que era capital do Ducado de Limburgo durante a Idade Média. O povo Limburguês costuma chamar sua linguagem de Plat, como os falantes de Baixo-alemão fazem. Esse plat significa basicamente 'não elevado', 'ordinário' ou mesmo 'vulgar', em oposição ao Alto-alemão. O nome também pode ser associado como a palavra o platteland (Em neerlandês: 'campo, interior'). O termo geral neerlandês para língua do povo mais simples em eras mais remotas era Dietsch, ou Duutsch, como se vê na expressão”Low Dietsch” ou Plattdütsch.

Abrangência[editar | editar código-fonte]

Limburguês em várias definições

A língua limburguesa tem áreas de definição com alguma superposição, dependendo do critério considerado::

1 (amarelo) Todos dialetos falados nos limites políticos das duas províncias limburguesas
2 (pontilhado roxo) Limburguês conforme “Jo Daan, método associativo da “seta” do “ Meertens Institute”.
3 (verde) Baixo Francônio Sul, definição isoglóssica conforme as chamadas linhas Uerdingen e Benrather de Schrijnen e Goossens (Universitdade de Leuven).
4 (linha sinuosa roxa) Limite oeste do sotaque forte LImburguês (maior distância do neerlandês padrão, Hoppenbrouwers)
5 (elipse azul) Limburguês do sul - Wintgens e Frins.

Dialetos[editar | editar código-fonte]

  • Limburguês
    • Limburguês Norte
    • Limburguês Leste
    • Limburguês Central
    • Limburguês Sudeste (superposição como a língua Ripuariana.)
    • Limburguês Oeste

O dialeto de Venlo é por muitos considerado como intermediário entre o do Leste e o Kleverlandish.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Apresentado a seguir com base NO Limburguês Oeste falado em Montfort.

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Bilabial Labiodental Alveolar Palatoalveolar Palatal Velar Glotal
Nasal m n ɲ ŋ
Oclusiva p b t d ɖ c k ɡ ʔ
Aproximante w ð j
Africada
Fricativa f v s z ʃ ʒ ç ʝ x ɣ h ɦ
Vibrante r
Lateral aproximante ɫ,l ʎ

Vogais[editar | editar código-fonte]

Monotongos[editar | editar código-fonte]

Frontal Central Posterior
Fechada i iː y yː u uː
Quase fechada ɪ
Meio Quase fechada e eː ø øː oː o
Média ə ɔ
Meio aberta ɛ ɛː œ œː œ̃ː ɔː ɔ̃ː
Quase aberta æ æ̃ː
Aberta a aː ɑ ɑː ɑ̃ː

Ditongos[editar | editar código-fonte]

Os ditongos /iə øɪ eɪ æɪ uɪ ɔɪ aɪ ou/ ocorrem, bem como as combinações de /uː ɔː ɑː/ + /j/. /aɪ/ sóocorrem em palavras de origem francesa.

Tons[editar | editar código-fonte]

areas (em laranja) onde a acentuação tônica forte (com tons) usada em Benelux e na Alemanha
Contorno tonal “pulling”
Contorno tonal “pushing

Muitos dialetos limburgueses (e do Ripuariano[1] ) apresentam uma variação de tonicidade, com dois tipos diferentes de tonicidade utilizadas em sílabas acentuadas. A diferença entre essas duas tonicidade é usada tanto para diferenciar formas gramaticais de um mesmo lexema único e de um par mínimo de tons. [2] Em relação específica ao Limburguês, essas duas formas de tons são tradicionalmente conhecidas como sjtoettoen ("tom push") e sjleiptoen ("tom dragging"). O tom dragging tem função lexica, mas o "push" não tem essa função.

Como exemplo, [daːx˦˨˧] daa~g com um tom “dragging” (puxado) significa "um dia" em Limburguês, enquanto que em muitos dialetos da língua [daːx˦˨] daa\g com tom “push” (empurrado) é a forma plural, "dias" (além disso, [daːx] também pode ser articulada num tom neutro numa 3ª possibilidade, significando "ser bom").

A diferença é gramatical, mas não é léxica. Um exemplo de diferença léxica causada pelo tom “puxado” é a palavra [biː˦˨] bie\ que num tom “empurrado” significa "abelha", formando um par tonal mínimo com [biː˦˨˧] bie~, que articulado com tom puxado significa a preposição "a".

Gramática[editar | editar código-fonte]

Substantivo[editar | editar código-fonte]

Gêneros[editar | editar código-fonte]

De uma forma mais conservadora do que o neerlandês, limburguês ainda tem três gêneros gramaticais. A particular determinative é, como em neerlandês, "de" para substantivos masculinos ou femininos e "'t" para os neutros. Em alguns dialetos, porém, o "de" se torna "d'n" antes de palavras masculinas que começam com b, d, h, t ou com vogal; em outros dialetos essa forma é d'r. Na maior parte dos dialetos o artigo indeterminado é eine(n) para masculino, ein para feminino e ei ou 'n para neutros. Quando não tônicas essas formas são percebidas como ne(n), n e e.

Plural[editar | editar código-fonte]

Para alguns substantivos o limburguês usa simulfixos (ex. Umlaut) para formar o plural. Essa forma de construir o plural é também usada em outras línguas germânicas ocidentais, como o alemão e em alguma extensão também em inglês (man - men ; goose - geese), o que é muito raro em neerlandês. Quanto mais a leste, mais próximo à Alemanha, mais se veem plurais e diminutivos com Umlaut.

  • broor - breurke - breur (irmão – irmãozinho - irmãos)
  • sjoon - sjeunke - sjeun (sapatos – sapatinho - sapatos): notar que pode ser também 'sjoon' com sjtoettoen (tom “puxado”).

O sufixo diminutivo mais usado é -ke, como em “brabante, ou -je/-sje depois de consoante dental.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bakkes, Pierre (2007: Mofers Waordebook. ISBN 978-90-9022294-3
  • Cornelissen, Georg. Kleine niederrheinische Sprachgeschichte (1300–1900) : eine regionale Sprachgeschichte für das deutsch-niederländische Grenzgebiet zwischen Arnheim und Krefeld : met een Nederlandstalige inleiding. [S.l.]: Stichting Historie Peel-Maas-Niersgebied, 2003.
  • Belemans, Rob & Keulen, Ronny (2004): Taal in stad en land. Belgisch-Limburgs ISBN 90 209 5855 0
  • Frins, Jean (2005): Syntaktische Besonderheiten im Aachener Dreilãndereck. Eine Übersicht begleitet von einer Analyse aus politisch-gesellschaftlicher Sicht. Groningen: RUG Repro [Undergraduate Thesis, Groningen University] (em alemão)
  • Frins, Jean (2006): Karolingisch-Fränkisch. Die plattdůtsche Volkssprache im Aachener Dreiländereck. Groningen: RUG Repro [Master's Thesis, Groningen University]
  • . [S.l.: s.n.].
  • "" 29. (inglês)
  • Gussenhoven, C. e van der Vliet, P.. (1999). "The phonology of tone and intonation in the Dutch dialect of Venlo". Journal of Linguistics 35: 99–135. DOI:10.1017/S0022226798007324. (em inglês)
  • Peters, Jörg. (2006). "The dialect of Hasselt". Journal of the International Phonetic Association 36: 117–124. DOI:10.1017/S0025100306002428. (em inglês)
  • Dieksjneèèr van 't (H)essels. Nederlands-Hasselts Woordenboek. Hasselt: de Langeman, 1989.
  • Welschen, Ad 2000-2005: Course Dutch Society and Culture, International School for Humanities and Social Studies ISHSS, Universiteit van Amsterdam.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete limburguês.


Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.