Língua islandesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Islandês (Íslenska)
Pronúncia: ['islɛnska]
Falado em:  Islândia
 Dinamarca
Total de falantes: +320.000
Família: Indo-europeia
 Germânica
  Setentrional
   Islandês
Estatuto oficial
Língua oficial de:  Islândia
Regulado por: Instituto Árni Magnússon para Estudos Islandeses (Stofnun Árna Magnússonar í íslenskum fræðum)
Códigos de língua
ISO 639-1: is
ISO 639-2: isl
ISO 639-3: isl

O islandês (íslenska) é uma língua nórdica do ramo germânico setentrional falada por aproximadamente 320 mil pessoas na Islândia.

História[editar | editar código-fonte]

O norreno ou norueguês antigo é o nome dado à língua que os colonizadores vikings falavam nessa época. Na Alta Idade Média ainda não havia uma diferença significativa entre as línguas faladas na Escandinávia, que eram naqueles tempos mutuamente inteligíveis. Como a colonização foi realizada majoritariamente por noruegueses da costa oeste daquele país, é provável que traços dialetais específicos dessa área tenham influenciado o islandês atual.

O islandês é considerado a língua mais conservadora das línguas escandinavas e representa um caso único de continuidade linguística. O isolamento geográfico, somado a altas taxas de alfabetização na ilha desde o século XIII contribuíram para a estabilidade do idioma. A variedade moderna do idioma reteve o sistema de casos original do nórdico antigo, herdado do Indo-europeu, e um vocabulário relativamente inalterado. De fato, as crianças na escola não têm grandes dificuldades em ler a Edda e as sagas em norueguês antigo.

Há ainda na Islândia há muitos séculos um movimento que zela pela "pureza" da língua. Desde muito tempo existe naquele país uma resistência aos empréstimos de outras línguas modernas. Quando um objeto novo é descoberto ou um novo conceito é criado, há um departamento na Universidade da Islândia em Reykjavík que se incumbe de criar um novo termo a partir do léxico já existente. Palavras como telefone, que em islandês é sími, uma antiga palavra islandesa para fio ou cabo; rádio: útvarp, computador: tölva e eletricidade: rafmagn (poder do âmbar) são exemplos desse movimento.

Não obstante, é possível estabelecer duas etapas de desenvolvimento da língua quanto à pronúncia:

  • Islandês antigo, até 1500.
  • Islandês moderno, de 1500 em diante.

O islandês moderno sofreu as mudanças ocorridas devido à Grande Mudança Vocálica que afetou todas as línguas germânicas em níveis diferentes.

Caráter conservador[editar | editar código-fonte]

O islandês moderno é o idioma mais conservador de todas as línguas escandinavas e pode-se datar seu início em 1540 com a tradução do Novo Testamento. A política linguística formulada no século XVIII proíbe a entrada de palavras estrangeiras, e por isso no lugar de adotar termos científicos e técnicos de procedência oficial, o islandês cria neologismos a partir de palavras próprias; além disso, reativa palavras antigas e cria outras baseadas em raízes bem conservadas na tradição linguística nacional.

A língua normativa é uma continuação direta da língua dos antigos colonos, mostrando forte influência da língua do sudeste da Noruega; de fato, durante os primeiros 200 anos não havia diferenças marcantes entre o norueguês e o islandês. Os laços culturais entre as duas nações eram fortes até o século XIV, quando ocorreu a União de Kalmar entre Dinamarca, Noruega e Suécia, o que leva a separação entre Islândia e Noruega e os islandeses a traduzir a Bíblia e outras literaturas de cunho religioso para sua própria língua e os noruegueses a adotar o dinamarquês como língua oficial da Igreja.

O que mais se modificou no islandês moderno com relação ao antigo norueguês foi o sistema fonológico, especialmente no que se refere a seu sistema vocálico. Do século XII temos uma excelente descrição do sistema fonológico do islandês antigo no chamado “Primeiro Tratado Gramatical”; do qual consta que no islandês do século XII havia 9 unidades vocálicas qualitativas, tendo no total 26 fonemas vocálicos, pois as vogais poderiam ser orais ou nasais, curtas ou longas.

Ortografia[editar | editar código-fonte]

O islandês é escrito utilizando-se o alfabeto romano, introduzido junto com o cristianismo por volta do ano 1000, acrescido de alguns símbolos próprios:ð (chamada eth, que é uma fricativa dental sonora [ð]), þ (thorn, que representa a fricativa dental surda [θ]) e æ (que representa o ditongo [ai]). O alfabeto islandês completo tem 32 letras. As vogais com acentos são consideradas letras separadas; assim, num dicionário austan vem antes de ábóti. O alfabeto completo é como segue:

A Á B D Ð E É F G H I Í J K L M N O Ó P R S T U Ú V X Y Ý Þ Æ Ö

O norreno era escrito até a cristianização utilizando-se o alfabeto rúnico, havendo daquela época algumas inscrições em pedras, túmulos e etc.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

A língua islandesa contém um grande número de vogais e ditongos. Devido às mudanças ocorridas por meio da Grande Mudança Vocálica, as antigas vogais longas do norreno, marcadas por um acento agudo, tornaram-se ditongos no islandês moderno (assim como em inglês e nas demais línguas germânicas). Assim sendo, as vogais a = [a], e = [ε] e o = [ɔ] tornam-se: á = [au], é = [jε] e ó = [ou].

A tabela completa com todos os sons vocálicos do islandês é a seguinte:

Monotongos Frontais Posteriores
Fechadas i u
Quase fechadas ɪ • ʏ  
Semiabertas ɛ • œ ɔ
Abertas a
Onde símbolos aparecem em pares, aquele à direita do ponto (•) representa uma vogal arredondada.

Gramática[editar | editar código-fonte]

Substantivos[editar | editar código-fonte]

Em islandês há quatro casos nominais: Nominativo, Acusativo, Dativo e Genitivo e há três gêneros: masculino, feminino e neutro.

Cada gênero é subdividido em mais padrões de declinação que definem como cada palavra será declinada. Os paradigmas mais representativos de cada gênero são:

Masculino
hestur (cavalo)
Singular Plural
Nominativo hestur hestar
Acusativo hest hesta
Dativo hesti hestum
Genitivo hests hesta
Feminino
verslun (comércio)
Singular Plural
Nominativo verslun verslanir
Acusativo verslun verslanir
Dativo verslun verslunum
Genitivo verslunar verslana
Neutro
mál (língua)
Singular Plural
Nominativo mál mál
Acusativo mál mál
Dativo máli málum
Genitivo máls mála

Numerais[editar | editar código-fonte]

Numeral Equivalente islandês
um einn
dois tveir
três þrír
quatro fjórir
cinco fimm
seis sex
sete sjö
oito átta
nove níu
dez tíu

Verbos[editar | editar código-fonte]

Os verbos em islandês podem ser regulares (ou fracos), isto é, terminados em vogal na terceira pessoa, ou irregulares (também chamados de verbos fortes), terminados em consoante no mesmo contexto.

Verbos fracos/regulares
að tala (falar)
Pessoa Singular Plural
(ég) tala (við) tölum
(þú) talar (þið) tal
(hann/hún/það) tala (þeir/þær/þau) tala
Verbos fortes/irregulares
að koma (vir)
Pessoa Singular Plural
(ég) kem (við) komum
(þú) kemur (þið) kom
(hann/hún/það) kemur (þeir/þær/þau) koma

O presente e o pretérito, tanto do indicativo quanto do subjuntivo, são simples, sendo os demais tempos formados por meio de verbos auxiliares, como hafa ("ter"), vera ("ser"), etc.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Islandês