Tel Aviv

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tel Aviv
Tel Aviv Collage 3.JPG
Da esquerda para a direita: Pôr do sol em Tel Aviv, Azrieli Center, Praça Dizengoff, Vista da praia de Cidade Velha, Torre Relógio Jaffa.
Tel Aviv flag.svg
Bandeira de Tel Aviv.
TelAvivEmblem.svg
Brasão de armas de Tel Aviv.
Hebraico תֵּל־אָבִיב-יָפוֹ
Árabe تل أبيب‎ (Tal ʾAbīb)
Significado Hebraico: "Colina da Primavera"
Governo Cidade
Distrito Tel Aviv
Coordenadas 31° 47′ N 35° 13′ E
População 405.300 (2012) [1]
Área Metropolitana: 3.700.800 (2012)
Jurisdição 51.788 dunams (51,788 km²)
Prefeito Ron Huldai
Website www.tel-aviv.gov.il

Tel Aviv-Yafo (em em hebraico: תֵּל־אָבִיב-יָפוֹ; em árabe: تل أبيب, Tēl ʼAbíb)[2] geralmente chamada de Tel Aviv ou Telavive[3] [4] , é a segunda maior cidade de Israel e por vezes referida como capital funcional e reconhecida internacionalmente de Israel com uma população estimada em 2011 em 405.000 habitantes[5] . A cidade situa-se na costa mediterrânica de Israel, com uma área de 51,8 quilômetros quadrados. É a maior e mais populosa cidade da região metropolitana de Gush Dan, onde vivem 3,15 milhões de pessoas (2008).[6] A cidade é governada pelo município de Tel Aviv-Yafo, dirigido por Ron Huldai.[7]

Tel Aviv foi fundada por uma comunidade judaica em 1909 nos arredores da antiga cidade portuária de Jaffa (em hebraico: יָפוֹ, Yafo; em árabe: يافا, Yaffa). O crescimento de Tel Aviv, logo ultrapassou Jaffa, que tinha maioria árabe na época. Tel Aviv e Jaffa foram fundidos em um único município em 1950, dois anos após a criação do Estado de Israel. A Cidade Branca de Tel Aviv, que foi considerada um Patrimônio Mundial pela UNESCO em 2003, dispõe da maior concentração do mundo de edifícios de estilo Bauhaus.[8] [9] [10]

Tel Aviv é um importante centro econômico, sedia a Bolsa de Valores de Tel Aviv, além de escritórios corporativos e centros de pesquisa e desenvolvimento.[11] A cidade é a capital financeira do país e um dos principais centros financeiros e de artes cênicas. Tel Aviv tem a segunda maior economia do Oriente Médio depois de Dubai e é a 31ª cidade mais cara do mundo.[12] Com 2,5 milhões de visitantes internacionais por ano, Tel Aviv é a quinta cidade mais visitada no Oriente Médio e na África.[13] [14] É conhecida como "a cidade que nunca dorme" e como a "capital das festas", devido à sua vibrante vida noturna, ambiente jovem e vida cultural 24 horas por dia.[15] [16]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Tel Aviv (literalmente "Colina da Primavera") foi escolhido em 1910 a partir de muitas sugestões, entre elas "Herzliya". Tel Aviv é o título hebraico do livro de Theodor Herzl Altneuland, traduzido do alemão por Nahum Sokolow . Sokolow teve o nome a partir do Livro de Ezequiel: "Então eu vim para eles do cativeiro em Tel Aviv, que viveu pelo rio Khabur, e para onde eles viviam, e me sentei esmagada entre eles há sete dias."[17] Este nome foi encontrado colocado e abraçou a idéia do renascimento da antiga pátria judaica. Aviv é hebraico para "Primavera", simboliza renovação e, tel é um sítio arqueológico que revela camadas de uma civilização construída sobre a outra[18] . Teorias sobre a etimologia podem variar entre Jaffa ou Yafo em hebraico. Alguns acreditam que o nome deriva de yafah ou yofi, hebraico para "bonito" ou "beleza". Outra tradição é que Jafé, filho de Noah, fundou a cidade e que foi nomeada para ele.

História[editar | editar código-fonte]

Porto de Jaffa em 1899.

A ocupação da área foi iniciada em 1880, ao norte da cidade de Jaffa, onde as áreas, então pertencentes aos árabes eram relativamente caras. No ano de 1909 a cidade foi fundada com o nome de Ahuzat Bayit, com a intenção de ser apenas uma cidade-dormitório, e posteriormente foi renomeada Tel Aviv. No entanto, por volta de 1921 houve problemas entre as comunidades árabe e judaica em Jaffa, o que culminou com a criação do distrito comercial de Tel Aviv, que proporcionou à cidade seu primeiro momento de rápido crescimento populacional. O plano diretor foi implementado em 1925 pelo então prefeito Meir Dizengoff, hoje lembrado na mais importante avenida desta cidade.

Plano mestre para Tel Aviv a primeira planejada em 1925 por Patrick Geddes

A população de Israel como um todo, e portanto a de Tel Aviv também, cresceram muito com a imigração após a subida de Adolf Hitler e dos nazis ao poder na Alemanha em 1933 e, posteriormente, depois da Segunda Guerra Mundial.

Jaffa foi o grande núcleo de desenvolvimento até ao século XX, e alvo histórico de conquistas e reconquistas. Originalmente uma cidade fenícia, constituiu-se como um importante porto de mar até 1965, data em que o porto foi fechado, e foi concluído o porto de Ashdod.

Da sua história, é de referir que de 1196 até ao século XVI esteve sob o domínio árabe, até que foi anexada pelo Império Otomano. Em 1799, foi conquistada por Napoleão Bonaparte e na Primeira Guerra Mundial foi reconquistada pelas tropas britânicas.

Durante a Primeira guerra israelo-árabe (14 de Maio de 1948), após ser proclamado o Estado de Israel, houve o bloqueio de Jerusalém, e a capital foi momentaneamente transferida para Tel Aviv, passando, em 1949, o Governo para Jerusalém. A maioria dos países, no entanto, manteve as embaixadas em Tel Aviv, com o fim de evitar tomar posições sobre a questão da posse da cidade.

Em 1950 as cidades de Tel Aviv e Jaffa foram unificadas (Tel Aviv-Yafo) e desde então são o centro comercial e financeiro do Estado de Israel.

Diversas vezes alvo de ataques terroristas, sofre por se localizar relativamente próxima das áreas conflituosas da Faixa de Gaza e Cisjordânia. Um dos mais notórios atentados foi o de Dizengoff Center em 2009, ocorrido durante as festividades do purim. Durante a Guerra do Golfo, em 1991, Tel Aviv foi alvo dos mísseis Scud iraquianos. Mais recentemente, durante o conflito no Líbano (em julho e agosto de 2006) o xeque Hassan Nasrallah, líder do grupo terrorista Hizbollah, ameaçou disparar mísseis sobre a cidade. A ameaça porém não foi cumprida.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite de Tel Aviv.

Tel Aviv está localizada em torno de 32° 5′ N 34° 48′ E, na costa mediterrânica de Israel, a ponte histórica entre a Europa, Ásia e África. Imediatamente a norte do antigo porto de Jaffa, Tel Aviv está em terras que costumavam ser dunas de areia e, como tal, a fertilidade do solo é relativamente pobre. O terreno foi aplainado e não tem gradientes importantes; suas mais notáveis ​​características geográficas são falésias acima da costa do Mediterrâneo e da foz do rio Yarkon.[19] Por causa da expansão da região de Tel Aviv e Gush Dan, as fronteiras absolutas entre Tel Aviv e Jaffa e entre os bairros da cidade não existem. A cidade está localizada 60 km a noroeste de Jerusalém e a 90 km ao sul da cidade de Haifa.[20] Cidades e vilas vizinhas incluem Herzliya, ao norte, Ramat HaSharon ao nordeste, Petah Tikva, Bnei Brak, Ramat Gan e Giv'atayim ao leste, Holon a sudeste, e Bat Yam ao sul.[21] A cidade é economicamente estratificada entre o norte e o sul. O sul de Tel Aviv é geralmente considerado mais pobre do que do norte de Tel Aviv, com excepção do bairro de Neve Tsedek e alguns desenvolvimentos recentes na praia de Jaffa. o centro de Tel Aviv inclui o Azrieli Center e o importante centro financeiro e comercial ao longo da estrada Ayalon. O lado norte de Tel Aviv é a casa de Universidade de Tel Aviv e de bairros residenciais de luxo, como Ramat Aviv, Ramat Aviv Bet e Ramat Aviv Guimel.[22]

Clima[editar | editar código-fonte]

Tel Aviv tem um clima mediterrâneo, com verões quentes, agradável e invernos úmidos e frescos. A umidade relativa do ar tende a ser elevada durante todo o ano, devido à proximidade da cidade com o mar. No inverno, as temperaturas raramente caem abaixo 5 °C (40 °F) e são geralmente entre 10 °C (50 °F) e 15 °C (60 °F); a cidade não vê neve desde 2003. No verão a média é de 26 °C (80 °F), e frequentemente as temperaturas diurnas excedem os 32 °C (90 °F). Apesar da alta umidade, chuvas durante o verão são raras. A precipitação média anual é 530 milímetros (20,9 in), quase todos ocorridos entre outubro e abril. Em Tel Aviv há Sol quase o ano inteiro.

Panorama urbano de Tel Aviv.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Vista de Tel Aviv-Yafo.

A cidade tem uma população de 390 100 habitantes espalhados por uma área de 51,788 km², produzindo uma densidade populacional de 7533 habitantes/km². Segundo o Escritório Central de Estatísticas de Israel (ECEI), a partir de Junho de 2006 a população de Tel Aviv está crescendo a uma taxa anual de 0,9%. É composto de 91,8% judeus, 4,2% árabes (muçulmanos e cristãos) e 4,0% outros (não-árabes cristãos, budistas)[23] . A cidade é multicultural, e muitas línguas, tais como o russo, francês, castelhano, tagalo, tailandês, árabe, amárico e inglês muitas vezes são faladas ao lado da língua hebraica. De acordo com algumas estimativas, cerca de 50.000 trabalhadores estrangeiros asiáticos vivem na cidade e em seus subúrbios[24] . Em comparação com outras grandes cidades ocidentais, o crime em Tel Aviv é relativamente baixo[25] .

Segundo o município de Telavive-Yafo, a renda média na cidade é de 20% acima da média nacional, com uma taxa de desemprego de 6,9%[26] . As normas de educação da cidade estão acima da média nacional: dos alunos com 12 anos de estudo, 64,4% são elegíveis para o Bagrut, a qualificação recebida pelo colégio dos diplomados[26] . O perfil etário é relativamente o mesmo, com 22,2% com menos de 20 anos, 18,5% com idade entre 20-29, 24% com idade entre 30-44, 16,2% com idade entre 45 e 59, e 19,1% com idade superior a 60[27] .

A população de Tel Aviv atingiu o pico no início dos anos 1960, em cerca de 390 000, caindo para 317 000 no final da década de 1980 com a alta dos preços, forçando as famílias de casais jovens a se mudarem para fora. Desde a imigração em massa da antiga União Soviética na década de 1990, a população tem aumentado de forma constante. Hoje, a população da cidade é jovem e em crescimento[28] . Em 2006, 22.000 pessoas mudaram-se para a cidade, enquanto que apenas 18 500 saíram[28] , e muitas das novas famílias tinham filhos pequenos. A população de Tel Aviv é esperado chegar a 450 000 até 2025, enquanto a idade média dos residentes na cidade caiu de 35,8 em 1983 para 34,0 em 2008[28] . A população com mais de 65 anos é de 14,6 % em comparação com 19,0% em 1983[28] .

Religião[editar | editar código-fonte]

Vista aérea da Grande Sinagoga de Tel Aviv.

Apesar de sua imagem como uma cidade secular, Tel Aviv tem cerca de uma centena de sinagogas, incluindo edifícios históricos, como o Grande Sinagoga, criada na década de 1930[29] . Nos últimos anos, um centro de estudos seculares judeus "secular yeshiva" foi aberto na cidade[30] . As tensões entre judeus laicos e religiosos antes da parada do Orgulho Gay terminou em vandalização de uma sinagoga[31] .

Um dos mais famosos marcos Tel Aviv é a Hassan Bek Mesquita, sobre a praia. Jaffa é o lar de uma considerável população muçulmana e cristã. O número de igrejas tem crescido nos últimos anos para acomodar as necessidades religiosas de diplomatas e trabalhadores estrangeiros[32] .

O distrito de Tel Aviv é de 93% judaica, 1% de muçulmanos, e 1% de cristãos. Os restantes 5% não são classificados por religião[33] . Israel Meir Lau é chefe rabino da cidade[34] .

Por ser uma metrópole moderna, Tel Aviv difere de do restante de Israel um pouco em vários sentidos. As famílias, por exemplo, são muito mais liberais.

40,8% dos homens adultos eram solteiros em 2007, assim como 34,6% das mulheres (enquanto que a média do país era de 34,4% e 26,9%, respectivamente). Também 21,4% dos pais ou mães que tinham filhos viviam com eles sem seus sozinhos, sem a presença do outro progenitor, em contraste com apenas 12,5% no restante de Israel.[35]

Política[editar | editar código-fonte]

Praça Rabin e a Prefeitura de Tel Aviv (ao fundo).

Tel Aviv é governada por um conselho municipal composto por 31 membros eleitos para um mandato de cinco anos, através de eleições diretas e proporcionais.[36] Todos os cidadãos israelenses com idade acima de 18 anos com pelo menos um ano de residência em Tel Aviv estão aptos a votar nas eleições da cidade. O município é responsável por serviços sociais, programas comunitários, infra-estruturas públicas, planejamento urbano, turismo e outros assuntos locais.[37] [38] [39] A Prefeitura de Tel Aviv está localizada na Praça Rabin. Ron Huldai é prefeito de Tel Aviv desde 1998.[36] Huldai foi reeleito nas eleições municipais de 2008, derrotando Dov Khenin.[40] O mais longo mandado foi o do prefeito Shlomo Lahat, que permaneceu no cargo por 19 anos. O menor foi de David Bloch, no cargo por dois anos (1925-1927).

A divisão demográfica da cidade criou divisões políticas entre o Partido Trabalhista, geralmente mais fortes no norte, e o Likud e outros partidos de direita e religiosos, geralmente mais fortes no sul.[10] Na eleição de 2006, porém este padrão mudou quando o novo partido centrista Kadima ganhou 28% dos votos da cidade, seguido do Trabalhista, com 20%.[41] [42] Embora grande parte do país tenha se inclinado para a direita adiante das eleições de 2009 do Knesset, em Israel, 34% do eleitorado de Tel Aviv votou no Kadima. Fora dos kibbutzim, o Meretz recebe mais votos em Tel Aviv do que em qualquer outra cidade de Israel.[43]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Tel Aviv tem uma parceria com Estados Unidos Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos e está geminada com:

Economia[editar | editar código-fonte]

Edifícios Azrieli Center, 3 dos mais altos de Israel.

Desde quando Tel Aviv foi construído sobre dunas, sua agricultura não era rentável e o comércio marítimo era centrada em Haifa e Ashdod. Em vez disso, a cidade desenvolveu-se gradualmente como um centro de investigação científica e técnica. Em 1974 a Intel abriu a sua primeira operação no exterior de investigação e desenvolvimento na cidade, e Tel Aviv emergiu como um centro de alta tecnologia na década de 1990.

A economia de Tel Aviv, desenvolveu dramaticamente nas últimas décadas. A cidade tem sido descrito como um florescente centro tecnológico pela Newsweek e uma "mini Los Angeles" pela The Economist. Em 1998, a cidade foi descrita pela Newsweek como uma das 10 cidades tecnologicamente mais influentes do mundo. Desde então,a indústria na área de alta tecnologia de Tel Aviv tem vindo a desenvolver ainda mais. A cidade é considerada o centro de uma grande aglomeração de indústrias de tecnologia de ponta conhecida como o Silicon Wadi.

A área metropolitana de Tel Aviv (incluindo cidades satélites como Herzliya e Petah Tikva) é o centro de alta tecnologia de Israel, e é por vezes referido como Silicon Wadi. Em Tel Aviv está sediada a Bolsa de Valores de Tel Aviv, que atinge níveis recordes desde a década de 1990. Muitas empresas de capital internacional, institutos de investigação científica e empresas de alta tecnologia estão sediadas na cidade. Indústrias em Tel Aviv incluem processamento químico, plantas têxteis e fabricantes de alimentos. A vida noturna da cidade tem atrações culturais e arquitetura atraente para turistas, cuja despesas é benéfico para a economia local.

O Grupo de Estudos de Cidades Globais e Mundiais (GaWC) da Universidade de Loughborough, na Inglaterra, fez um inventário das cidades mais importantes do mundo, que lista Tel Aviv como tendo "fortes indícios" de uma nova cidade global, superada em nível no Oriente Médio apenas pela cidade turca de Istambul, que já é uma cidade global.

Nove dos quinze israelitas bilionários vivem em Israel, e quatro vivem em Tel Aviv ou seus subúrbios (de acordo com a revista Forbes). De acordo com a Mercer, uma consultora de recursos humanos, empresa sediada em Nova Iorque, a partir de 2007 Tel Aviv é a cidade mais cara do Oriente Médio e a 17.ª mais cara do mundo, logo atrás de Dublin e à frente de Roma e Viena.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Vista das praias de Tel Aviv a partir de Jaffa.

Em 2010, a pesquisa sobre cidades mundiais da consultoria Knight Frank classificou a cidade no 34º lugar no mundo.[56] Tel Aviv foi classificada como a terceira "cidade mais excitante de 2011" (atrás apenas de Nova York e Tânger) pelo guia especializado em viagens Lonely Planet, além de ser considerada o terceiro melhor destino no Oriente Médio e na África pela revista Travel + Leisure (atrás apenas da Cidade do Cabo e de Jerusalém) e a nona melhor cidade litorânea do mundo pela National Geographic.[57] [58] [59] Tel Aviv também é constantemente classificada como um dos principais destinos LGBT em todo o mundo.[60] [61]

Com 2,5 milhões de visitantes internacionais por ano, Tel Aviv é a quinta cidade mais visitada do Oriente Médio e da África.[13] [14] É conhecida como "a cidade que nunca dorme" e como "capital das festas" devido à sua vibrante vida noturna, por seu ambiente jovem e pela cultura 24 horas por dia.[15] [16] [62] A cidade é sede de filiais de alguns dos principais hotéis do mundo, como Crowne Plaza, Sheraton, Isrotel e Hilton. É o lar de muitos museus, sítios arqueológicos e culturais, com passeios pela cidade disponíveis em diferentes idiomas.[63] Além de passeios de ônibus, outros tipos de roteiros, como passeios arquitetônicos, também são populares.[64] [65] [66] Tel Aviv tem 44 hotéis com mais de 6.500 quartos disponíveis.[26]

As praias de Tel Aviv desempenham um papel importante no cenário cultural e turístico da cidade, muitas vezes classificadas como algumas das melhores praias do mundo.[59] O Parque Hayarkon é o parque urbano mais visitado de Israel, com 16 milhões de visitantes anualmente. Cerca de 19% do território da cidade é composto por espaços verdes.[67]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Estação Ferroviária Central de Tel Aviv.

Tel Aviv possui muitas escolas, faculdades e universidades. Em 2006, havia 51 359 crianças nas escolas da cidade, das quais 8977 em jardins de infância municipais, 23 573 nas escolas primárias, e 18 809 no sensino secundário.

A Universidade de Tel Aviv, em conjunto com a Universidade Bar-Ilan na vizinha Ramat Gan, tem mais de 50 000 estudantes, grande parte deles de fora de Israel.[68] [69] Fundada em 1953, é a maior universidade de Israel, internacionalmente reconhecida no ensino e investigação nas áreas da física, ciência da computação, informática, química e linguística. O campus fica no bairro de Ramat Aviv.[70] Tel Aviv tem ainda várias faculdades técnicas.[71]

Tel Aviv é um grande centro de transportes, com muitas estradas nacionais de Israel a ligá-la ao resto do país. A principal é a auto-estrada 20, chamada "Ayalon", que está a leste da cidade e que corre paralela ao rio Ayalon, dividindo Tel Aviv e Ramat Gan. A auto-estrada 1 liga Tel Aviv ao Aeroporto Internacional Ben Gurion e a Jerusalém. Tel Aviv tem a maior estação rodoviária do mundo, com uma área de 230 000 m², chamada Estação Central de Tel Aviv. É também servida por caminho-de-ferro, tendo quatro estações ferroviárias.

No início de 2008, a prefeitura de Tel Aviv lançou um plano para construir estações para recarregar carros elétricos. Inicialmente, cinco delas serão construídas, e eventualmente 150 pontos serão colocados ao longo da cidade como parte do plano israelense de carros elétricos, o Project Better Place.[72] Pontos de troca de baterias serão colocados nas vias de entrada na cidade.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Museu de Arte de Tel Aviv.

Tel Aviv é um importante centro cultural e de entretenimento.[73] Dezoito dos 35 principais centros israelenses as artes cênicas estão localizados na cidade, incluindo cinco dos nove grandes teatros do país, onde 55% de todos os espetáculos do país ocorrem.[74] O Centro de Artes Cênicas de Tel Aviv é a casa da Ópera de Israel, onde Plácido Domingo foi tenor entre 1962 e 1965, e o Teatro Cameri.[75] Com 2 760 lugares, o Auditório Frederic R. Mann Au é o maior teatro e sede da Orquestra Filarmônica de Israel da cidade.[76] O Teatro Habima, teatro nacional de Israel, foi fechado para reformas, no início de 2008 e reaberto em novembro de 2011 depois de uma grande remodelação. O Centro Cultural Enav é uma das mais recentes adições à cena cultural da cidade.[74] Entre outros teatros, estão o Gesher e Beit Lessin e os pequenos teatros Tzavta e Tmuna, onde espetáculos musicais marginais são apresentados. Em Jaffa, os teatros Simta e Notzar especializaram-se em teatro fringe. Tel Aviv também é a sede da Companhia de Dança Batsheva, um famoso grupo de dança contemporânea. O Ballet de Israel também é baseado na cidade.[74] O centro de Tel Aviv para a dança moderna e clássica é o Centro de Dança e Teatro Suzanne Dellal, em Neve Tsedek.[77]

A cidade hospeda frequentemente espetáculos de música pop e de rock em locais como o parque Hayarkon, as Israel Trade Fairs & Convention Center, o Barby Club e o Zappa Club.[78] [79] [80]

Centro de Artes Cênicas de Tel Aviv.

Apresentações de ópera e música clássica são realizadas diariamente em Tel Aviv, sendo que muitos dos principais maestros e solistas clássicos do mundo passaram pelos palcos da cidade ao longo dos anos.[74]

A Cinemateca de Tel Aviv apresenta filmes de arte, estreias de filmes israelenses de curta e longa-metragem e sedia vários festivais de cinema, entre eles o Festival de Animação, Quadrinhos e Caricaturas, o Festival Ficção Científica e Fantasia "Icon", o Festival de Cinema Student, o Festival de Jazz, Cinema e Videotape. A cidade tem vários cinemas multiplex.

Israel tem o maior número de museus per capita do mundo, sendo que três dos maiores do país estão localizados em Tel Aviv.[81] [82] Entre eles estão o Museu Terra de Israel, conhecido pela sua coleção de arqueologia e exposições históricos sobre a Terra de Israel, e o Museu de Arte de Tel Aviv. Instalado no campus da Universidade de Tel Aviv está o Beth Hatefutsoth, um museu sobre a diáspora judaica internacional, que conta a história da prosperidade judaica e de perseguição ao longo de séculos de exílio. O Museu Batey Haosef é especializado na história militar das Forças de Defesa de Israel. O Museu do Palmach, perto da Universidade de Tel Aviv, oferece uma experiência multimídia sobre a história do Palmach. Ao lado do parque Charles Clore está o um museu do Etzel. O Israel Trade Fairs & Convention Center, localizado na parte norte da cidade, abriga mais de 60 grandes eventos anualmente. Muitos museus e galerias funcionam na área sul, como a galeria de arte contemporânea Tel Aviv Raw Art.[83]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Pix.gif Cidade Branca de Tel Aviv *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Dizengoff Square Tel Aviv Lowshot.jpg
Vista aérea da Praça Dizengoff.
País  Israel
Tipo Cultural
Critérios vi
Referência 1096
Região** Ásia e Oceania
Histórico de inscrição
Inscrição 2003  (27ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Tel Aviv é o lar de diferentes estilos arquitetônicos que representam períodos influentes de sua história. A arquitetura dos períodos iniciais da cidade é composta principalmente por casas térreas de estilo europeu, com telhados vermelhos.[84] Neve Tsedek, o primeiro bairro construído fora de Jaffa é caracterizado por prédios de dois andares feitos de arenito.[8] Por década de 1920, um novo estilo orientalista eclético entrou em voga, que combinava a arquitetura europeia, com características orientais, como arcos, cúpulas e telhas ornamentais.[84] A construção da cidade seguiu o plano mestre de "cidade-jardim" elaborado por Patrick Geddes. Edifícios de dois e três andares foram intercalados com avenidas e parques públicos.[84] Vários estilos arquitetônicos, como Art Déco, clássico e modernista também estão presentes em Tel Aviv.

A arquitetura Bauhaus foi introduzida na década de 1920 e 1930 por arquitetos judeus alemães que se instalaram na Palestina após a ascensão dos nazistas. A Cidade Branca de Tel Aviv, em torno do centro da cidade, contém mais de cinco mil edifícios de estilo modernista inspirados pelas escolas Bauhaus e Le Corbusier.[8] [9] A construção destes edifícios, posteriormente declarados monumentos protegidos e, coletivamente, um Patrimônio Mundial pela UNESCO, continuou até a década de 1950 na área em torno do Rothschild Boulevard.[9] [85] Cerca de três mil edifícios foram criados neste estilo apenas entre 1931 e 1939.[84] Na década de 1960, este estilo arquitetônico deu lugar a torres de escritórios e uma série de edifícios de hotéis à beira-mar e de arranha-céus comerciais.[10] Alguns dos edifícios modernistas da cidade foram negligenciados ao ponto de ficarem em ruínas. Antes da legislação preservar esse marco arquitetônico, muitos dos edifícios antigos foram demolidos. Esforços estão em andamento para reformar edifícios Bauhaus e restaurá-los à sua condição original.[86]

A Torre Shalom Meir, o primeiro arranha-céu de Israel, foi construído em Tel Aviv em 1965 e manteve-se como o prédio mais alto do país até 1999. Na época de sua construção, o edifício rivalizava com os edifícios mais altos da Europa em altura e era o mais alto no Oriente Médio. Em meados dos anos 1990, construções de arranha-céus começaram por toda a cidade, alterando seu horizonte. Antes disso, Tel Aviv tinha um horizonte geral de edifícios baixos.[87] No entanto, as torres não estavam concentradas em determinadas áreas e foram espalhados em locais aleatórios em toda a cidade, criando um horizonte desconexo.

Novos bairros, como o Parque Tzameret, foram construídos para abrigar torres de apartamentos, como as torres YOO Tel Aviv, projetadas por Philippe Starck. Outros distritos, como Sarona, desenvolveram-se com torres de escritórios. Outras adições recentes à linha do horizonte de Tel Aviv incluem a Torre Rothschild e a First International Bank Tower.[88] [89] Para celebrar seu centenário em 2009,[90] Tel Aviv atraiu vários arquitetos e desenvolvedores, como I. M. Pei, Donald Trump e Richard Meier.[91] O jornalista norte-americano David Kaufman relatou na New York Magazine que, desde que Tel Aviv "foi classificada como Patrimônio Mundial pela UNESCO, lindos prédios históricos da era otomana e Bauhaus foram reaproveitados como fabulosos hotéis, restaurantes , boutiques e museus de design."[92] Em novembro de 2009, o Haaretz informou que Tel Aviv tinha 59 arranha-céus com mais de 100 metros de altura.[93] Atualmente, dezenas de arranha-céus foram aprovados ou estão em construção por toda a cidade e muitos mais são planejados.

Panorama de Tel Aviv e Ramat Gan.
Panorama de uma parte de Gush Dan, incluindo partes de Tel Aviv, Ramat Gan e Giv'atayim.
Panorama de Tel Aviv vista do Azrieli Center.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Table 3. - Population of localities numbering over 1,000 residents and other rural population Escritório Central de Estatísticas de Israel [1] (2009-01-21). Página visitada em 2008-09-13.
  2. O nome também é comumente escrito em hebraico sem o hífen (תל אביב).
  3. Grafia adotada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal.
  4. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Porto Editora (disponível na Infopédia)
  5. http://www.cbs.gov.il/population/new_2010/table3.pdf
  6. Localities, Population and Density per km²., by Metropolitan Area and Selected Localities (PDF) Statistical Abstract of Israel 2006. Israel Central Bureau of Statistics (2006-12-31). Página visitada em 2007-05-31.
  7. Tel Aviv Municipality Tel Aviv-Yafo Municipality. Página visitada em 2008-02-02.
  8. a b c The White City of Tel Aviv (PDF) UNESCO. Página visitada em 29 de março de 2008.
  9. a b c Strimpel, Zoe. "Hip and happening in Tel Aviv", The Times, 16 de fevereiro de 2008. Página visitada em 16 de fevereiro de 2008.
  10. a b c "Economist City Guide-Tel Aviv". The Economist.
  11. (16 de abril de 1998) "New Economy: Silicon Wadi". Wired.
  12. Ami Sedghi (12 de junho de 2012). Which is the world's most expensive city? Cost of living survey 2012 | News | guardian.co.uk Guardian. Página visitada em 6 de novembro de 2012.
  13. a b Goldman, Yoel. "MasterCard ranks Tel Aviv as fifth most visited city in Middle East and Africa", The Times of Israel, 12 de junho de 2012. Página visitada em 12 de junho de 2012.
  14. a b Sapty, Tanya. "Tourists rank Jerusalem and Tel Aviv among top cities to visit", Haaretz, 19 de julho de 2011. Página visitada em 19 de julho de 2011.
  15. a b "The world's top 10 party towns", Sydney Morning Herald, 19 de novembro de 2009. Página visitada em 19 de novembro de 2009.
  16. a b Lonely Planet's top 10 cities for 2011. Página visitada em 31 de outubro de 2010.
  17. Livro de Ezequiel 3:15
  18. Tel Aviv. Página visitada em 18/07/2007.
  19. Tel Aviv Agência Judaica. Página visitada em 26/01/2008. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2007.
  20. Cities located close to Tel Aviv TimeandDate.com. Página visitada em 26/01/2008.
  21. Map of Israel Carta. Página visitada em 15/03/2008.
  22. Yarkoni, Amir. Real Estate in Tel Aviv – continued Tel Aviv Insider.. Página visitada em 22/07/2008.
  23. Tel Aviv Ethnic Breakdown (Excel) ICEI (31/12/2005). Página visitada em 07/07/2007.; "Outros" refere-se a não-árabes e a judeus não classificados como tais devido ao fato de não terem mãe judia, normalmente russos ou argentinos; e são muitos os cidadãos israelenses que são de religião e/ou cultura judaica, inclusive falam o hebraico e respeitam os feriados religiosos, mas não se reconhece-os como judeus, pois assim não os vê o judaísmo ortodoxo, algo em torno de dois tercos dos outros que vivem em Israel.
  24. Migration News UC Davis. Página visitada em 2007/05/22.
  25. Israel 2007 Crime & Safety Report: Tel Aviv Overseas Security Advisory Agência. Página visitada em 26/01/2008.
  26. a b c Tel Aviv-Yafo in Numbers Município de Tel Aviv-Yafo (julho 2006). Página visitada em 27/01/2008.
  27. Statistical Abstract of Israel 2007 ICEI. Página visitada em 2008/01/23.
  28. a b c d "Tel Aviv getting younger", Jerusalem Post, 2008-01-21. Página visitada em 2008-01-31.
  29. Michelson, Udi. "The Jewish underground of Tel Aviv", Ynetnews, 2007-01-19. Página visitada em 2008-03-16.
  30. Arfa, Orit. "Jewish learning on the rise in Tel Aviv", Jerusalem Post, 2006-10-21. Página visitada em 2008-07-15.
  31. Cohen, Avi. "Synagogue vandalized as gay parade controversy picks up steam", Ynetnews, 2006-11-02. Página visitada em 2008-07-15.
  32. Tel Aviv-Jaffa Ministério do Turismo de Israel. Página visitada em 2008-03-16.
  33. Population by District, Sub-District and Religion (pdf) Statistical Abstract of Israel 2007. (2007). Página visitada em 2008-04-02.
  34. Associated Press. "Former Chief Rabbi Lau named as chair of Yad Vashem council", Haaretz, 2008-11-09. Página visitada em 2008-11-22.
  35. http://www.tel-aviv.gov.il/english/StatisticalOverview.htm
  36. a b Encyclopaedia Britannica Staff. The New Encyclopaedia Britannica. [S.l.]: Encyclopaedia Britannica, 1974. p. 66. ISBN 0852292902
  37. Social Services Administration Tel Aviv-Yafo Municipality. Página visitada em 29/03/2008.
  38. Community Life Tel Aviv-Yafo Municipality. Página visitada em 29/03/2008.
  39. Tourism Tel Aviv-Yafo Municipality. Página visitada em 29/03/2008.
  40. Lappin, Yaakov. "Huldai beats Henin in TA mayor race", Jerusalem Post, 12/11/2008. Página visitada em 22/11/2008.
  41. "תוצאות האמת: 28 לקדימה, הליכוד במקום חמישי", Yedioth Ahronoth, 2006-03-29. Página visitada em 30/03/2008. (em Hebrew)
  42. "Pensioners a big hit in Tel Aviv", Jerusalem Post, 29/03/2006. Página visitada em 30/03/2008.
  43. Shiner, Doron. How they voted: See Israel election results by city/sector - Haaretz Daily Newspaper | Israel News Haaretz.com. Página visitada em 14/06/2010.
  44. Frankfurt -Partner Cities © 2008 Stadt Frankfurt am Main. Página visitada em 05/12/2008.
  45. Sister cities of Budapest (em hungarian) Official Website of Budapest. Página visitada em 01/07/2009.
  46. Tel-aviv.gov
  47. Miasta partnerskie Warszawy um.warszawa.pl. Biuro Promocji Miasta (04/05/2005). Página visitada em 29/08/2008.
  48. List of Twin Towns in the Ruhr Destrict © 2009 Twins2010.com. Página visitada em 28/10/2009.
  49. Twin Cities The City of Łódź Office. Flag of the United Kingdom.svg Flag of Poland.svg © 2007. Página visitada em 23/10/2008. (inglês) (Polonês)
  50. Milano - Città Gemellate © 2008 Municipality of Milan (Comune di Milano). Página visitada em 2008-12-05.
  51. Twinning Cities City of Thessaloniki.. Página visitada em 07/07/2009.
  52. Barcelona internacional - Ciutats agermanades (em spanish) © 2006-2009 Ajuntament de Barcelona. Página visitada em 2009-07-13.
  53. Tel Aviv decides to retain contract with Gaza City as `twin city` Haaretz. Página visitada em 11/02/2008.
  54. a b São Paulo - Sister Cities Program © 2005-2008 Fiscolegis - Todos os direitos reservados Editora de publicações periodicas - LTDA / © 2008 City of São Paulo. Página visitada em 09/12/2008.
  55. International Relations - São Paulo City Hall - Official Sister Cities
  56. Results Of The Knight Frank Global Cities Survey. Página visitada em 5 de outubro de 2013.
  57. Tel Aviv ranked world's 3rd hottest city for 2011. Página visitada em 1 de novembro de 2010.
  58. World's Best Awards 2011 – Africa and the Middle East. Página visitada em 11 de julho de 2011.
  59. a b Top 10 Beach Cities. Página visitada em 30 de julho de 2010.
  60. Huldai proud of Tel Aviv winning best gay city of 2011Jerusalem Post, By JPOST.COM STAFF01/11/2012 11:21
  61. Tel Aviv emerges as top gay tourist destination CBS NEWs, 24 de janeiro de 2012 9:52 am
  62. Brijbassi, Adrian. "5 best Irish pubs not in Ireland", Toronto Star, 15 de março de 2011. Página visitada em 15 de março de 2011.
  63. Tel Aviv bus tour Tel Aviv City Tours. Página visitada em 19 de janeiro de 2008.
  64. Tel Aviv architecture tour TelAvivArchitecture.com. Página visitada em 19 de janeiro de 2008.
  65. Tel Aviv segway tours Segways.co.il. Página visitada em 19 de janeiro de 2008.
  66. Tel Aviv walking tours. Página visitada em 19 de janeiro de 2008 publisher=TelAviv4Fun.com.
  67. "Tel Aviv Statistical Overview", Tel Aviv-Yafo Municipality.
  68. Tel Aviv University QS Top Universities. Página visitada em 2007-07-19.
  69. Higher Education Jewish Virtual Library. Página visitada em 2007-07-19.
  70. TAU History Tel Aviv University. Página visitada em 2008-01-26.
  71. Colleges in Israel Israel Science and Technology Homepage.. Página visitada em 2008-07-15.
  72. "Tel Aviv commits to electric car", Globes, 2008-01-17. Página visitada em 2008-01-17.
  73. Schamp, Eike W., Felsenstein, Daniel. Emerging Nodes in the Global Economy: Frankfurt and Tel Aviv Compared. [S.l.]: Springer, 2002. ISBN 978-1-4020-0924-2 Página visitada em 25 de março de 2008.
  74. a b c d Tel Aviv Culture TravelGuides.com. Página visitada em 31 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2007.
  75. History and Architecture Israel Opera. Página visitada em 31 de janeiro de 2008.
  76. Mann Auditorium Hatarbut.co.il. Página visitada em 31 de janeiro de 2008.
  77. Tel Aviv Activities iExplore.com.. Página visitada em 15 de julho de 2008.
  78. "McCartney wows fans with historic Israel concert", 25 de setembro de2008. Página visitada em 26 de setembro de 2008.
  79. Depeche Mode to kick off next world tour in Israel Haaretz.. Página visitada em 6 Ode outubro de 2008.
  80. Madonna To Wrap Up Tour in Tel Aviv The Forward.. Página visitada em 4 de junho de 2009.
  81. Museums and Galleries Tel Aviv Municipality. Página visitada em 22 September 2007. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2007.
  82. Sharkansky, Ira. Governing Israel: Chosen People, Promised Land and Prophetic Tradition. [S.l.]: Transaction Publishers, 2005. p. 22. ISBN 0-7658-0277-5
  83. The Museums of Tel-Aviv-Jaffa Tel Aviv-Yafo Municipality. Página visitada em 26 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2008.
  84. a b c d Green, White or Black City? (PDF) Martin Wein, Emory University (2006). Página visitada em 16 de março de 2008. Cópia arquivada em 9 de abril de 2008.
  85. White City of Tel Aviv UNESCO. Página visitada em 19 de julho de 2007.
  86. Bauhaus Architecture Jewish Virtual Library. Página visitada em 11 de fevereiro de 2008.
  87. Skyscrapers dotting Tel Aviv landscape | j. the Jewish news weekly of Northern California Jweekly.com (29 de março de 1996). Página visitada em 6 de novembro de 2012.
  88. Tel Aviv Towers Tel Aviv in Focus. Página visitada em 15 March 2008.
  89. Tel Aviv SkyscraperPage.com. Página visitada em 15 de março de 2008.
  90. Ynetnews.com, by Reuven Weiss, Ynet, 3 de março de 2009.
  91. Tel Aviv’s Upscale Revolution, by Adam H. Graham, Town & Country Travel, 12 de fevereiro de 2008.
  92. Go Out With the Old in Tel Aviv, David Kaufman, New York Magazine, 28 de agosto de 2008.
  93. Mirovsky, Arik (18 de novembro de 2009). Tel Aviv 50th in number of skyscrapers Haaretz.com. Página visitada em 6 de novembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Tel Aviv
Imagem: Cidade Branca de Tel Aviv A Cidade de Tel Aviv contém o sítio Cidade Branca de Tel Aviv, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg