Filadélfia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Filadélfia
Philadelphia
Localidade dos Estados Unidos Estados Unidos
Philadelhpia Montage by Jleon 0310.jpg
Do topo, da esquerda para a direita: panorama da Filadélfia, estátua de Benjamin Franklin, Sino da Liberdade, Museu de Arte da Filadélfia, Prefeitura da Filadélfia e o Independence Hall.
Cognome(s): City of Brotherly Love, Philly, The Quaker City,Phillie
Lema(s): Philadelphia maneto
(Latim: Que viva o amor fraternal)
Filadélfia está localizado em: Pensilvânia
Filadélfia
Localização de Filadélfia na Pensilvânia
Filadélfia está localizado em: Estados Unidos
Filadélfia
Localização de Filadélfia nos Estados Unidos
Dados gerais
Fundado em 27 de outubro de 1682 (331 anos)
Incorporado em 25 de outubro de 1701 (313 anos)
Prefeito Michael Nutter
Localização
39° 59' 53" N 75° 8' 41" O
Condado Condado de Filadélfia (co-existente com a cidade de Filadélfia)
Estado  Pensilvânia
Tipo de localidade Cidade
Fuso horário -5/-4
Características geográficas
Área 369,62 km²
- terra 347,32 km²
- água 22,30 km²
- urbanizada 4 660,7 km²
- metrópole 11 989 km²
População (2010[1] ) 1 526 006 hab. (4 393,69 hab/km²)
- urbanizada 5 325 000
- metrópole 6 385 461[2]
Altitude 12 m
Códigos
Sítio web http://www.phila.gov

Portal Portal Estados Unidos

Filadélfia (em inglês: Philadelphia) é a cidade mais populosa do estado norte-americano da Pensilvânia, sendo a única cidade do condado homônimo e, portanto, sua sede. É apelidada Philly e City of Brotherly Love (Cidade do Amor Fraternal), por conta da etimologia de seu nome: a palavra "Filadélfia" vem do grego Φιλαδέλφεια (pronunciado [pʰilaˈdelpʰeːa], e em grego moderno, [filaˈðɛlfia]), literalmente, "amor fraterno": φίλος (philos) significa "amor", e αδελφός (adelphos), "irmão".

Com uma população de mais de 1,5 milhões de habitantes[1] é a quinta cidade mais populosa dos Estados Unidos, enquanto que a sua região metropolitana possui pouco mais de 6,3 milhões de habitantes[2] . Desta forma, ela é a segunda maior cidade da costa atlântica dos Estados Unidos, superada apenas por Nova Iorque. É a quarta cidade mais densamente povoada da Pensilvânia.

Uma das mais antigas cidades norte-americanas, e outrora a segunda maior cidade do Império Britânico (sendo menor apenas que a capital Londres), Filadélfia desempenha papel de grande importância desde a época das Treze Colônias e os primeiros anos da independência dos Estados Unidos. Grande parte desta proeminência deve-se à ação de Benjamin Franklin, habitante da cidade e de quem partiram muitas ideias que, germinadas, ocasionaram a Revolução Americana e a subsequente independência do país. Como maior cidade e centro geográfico e social das colônias, a cidade sediou o Primeiro Congresso Continental, e, após a declaração de independência em 4 de julho, seria capital do país em outras quatro ocasiões, sendo a última vez entre 6 de dezembro de 1790 e 14 de maio de 1800, quando a sede do governo foi transferida para a então recém-construída cidade de Washington.

História[editar | editar código-fonte]

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

O nome da cidade é inspirado na cidade homônima da Grécia Antiga, hoje denominada Alaşehir, no território da Turquia. Seu nome (em grego: , Φιλαδέλφεια, significa "amor fraternal", composto de φίλος, "amado" e ἀδελφός, "irmão"[3] .

O início de Filadélfia[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada dos europeus, cerca de 20.000 índios, pertencentes à Nação Algonquin viveram no Delaware Valley [4] , e na aldeia de Shackamaxon.

A exploração do Delaware Valley começou no início do século XVII. Os primeiros colonos eram suecos, holandeses e ingleses, que por sua vez se instalaram `as margens do rio. Nova Suécia, fundada em 1638, foi anexada à Nova Holanda em 1655. Em seguida, a região caiu na última volta britânica em 1674.

Em 1681, o rei Carlos II, da Inglaterra, concedeu uma carta para William Penn em troca do cancelamento de uma dívida do governo adquirida durante o reinado de seu pai. Neste trabalho, a colônia da Pensilvânia foi fundada oficialmente [5] . William Penn (1644-1718) era um Quaker Inglês: ele pertencia à dissidência do grupo religioso, perseguidos na Inglaterra, que rejeitaram a hierarquia eclesiástica e defendiam a igualdade, a tolerância e a não-violência. A Pensilvânia rapidamente se tornou um refúgio para todos aqueles que foram oprimidos por sua fé. William Penn foi para a América em 1682 e fundou a cidade de Filadélfia. Embora Carlos II tivesse lhe dado propriedades, William Penn comprou as terras dos índios para estabelecer relações pacíficas com eles[6] . Ele teria assinado um tratado de amizade com os índios em 1682.[7]

Filadélfia recebeu um plano de desenvolvimento colonial, o mais antigo dos Estados Unidos, com ruas largas e cinco parques de pequeno porte construídos de imediato[8] Mas acima de tudo, William Penn queria fazer esta cidade mais humana. Pensando assim, ele foi responsável de remover a pena de morte em casos de roubo na Pensilvânia e garantiu a liberdade religiosa e de culto [9] . O nome da cidade, do grego Φιλαδέλφια ("amor fraternal"), reflete essa ambição. Quando William Penn retornou à Inglaterra em 1699 após uma ausência de quinze anos, e voltar `a cidade algum tempo depois, ele encontrou uma cidade grande, perdendo apenas para Boston em população [10] . Muitos imigrantes europeus, principalmente ingleses e holandeses, eram de fato, atraídos pela prosperidade da cidade e sua tolerância religiosa. Um primeiro grupo de alemães se estabeleceu em 1683 no atual bairro de Germantown [9] . William Penn deu uma carta para a cidade em 25 de outubro de 1701 [11] , criando suas instituições municipais: prefeito e vereadores.

Na segunda metade do século XVIII, a Filadélfia havia se tornado a cidade mais populosa das Treze Colônias (45.000 habitantes em 1780 [9] ), ultrapassando Boston. Era a segunda cidade mais populosa do Império Britânico, dividindo a posição com Dublin.[9]

Um surto de iluminação[editar | editar código-fonte]

No fim do século XVIII, a Filadélfia foi o "centro real do revolucionário Iluminismo"[12] , em particular, sob a influência de Benjamin Franklin (1706-1790). Este cientista, nascido em Boston, mudou-se para a Filadélfia em 1723 e foi um dos fundadores da Companhia Library of Philadelphia (Companhia de Livraria de Filadélfia) em 1731, Universidade da Pensilvânia (1740) e da American Philosophical Society (1743). Em 1752, ele inventou o pára-raios. Em 1728, John Bartram criou um jardim botânico, o primeiro de seu tipo na América do Norte[8] . É também no século XVIII que Filadélfia tornou-se o centro principal de publicação das Treze Colônias: o primeiro jornal, The American Weekly Mercury, apareceu em 1719[8] . A Pennsylvania Gazette (1723) desempenhou um papel importante durante a Revolução Americana. Em 1739 foi publicado o primeiro tratado contra a escravidão[8] e tornou-se, com Boston, uma referência no país contra a escravidão.

O conhecimento e a cultura experimentaram um importante desenvolvimento no século XVIII, o que fez da cidade às vezes ser chamada de "Atenas da América"[13] . Em 1760, foi fundada a escola de anatomia da Faculdade de Medicina e no ano seguinte, um teatro permanente [13] . Foi inaugurado em 1790, pela Faculdade de Direito da Universidade da Pensilvânia, a mais antiga escola de direito dos Estados Unidos. Vários artistas da cidade fundaram em 1794, o columbianum, que era então a primeira sociedade para a Promoção da Belas Artes.[8]

Finalmente, Filadélfia é dotada de instalações, edifícios públicos e infra-estrutura urbana à frente de outras cidades americanas e da liderança de Benjamin Franklin[14] : um hospital de grande porte e uma corporação de bombeiros foram fundados em 1730 e vários bancos foram fundados entre 1780 e 1790[8] . A Pennsylvania State House (agora Independence Hall), sede da assembléia colonial, foi concluída em 1753. As ruas foram pavimentadas e iluminadas gradualmente com gás [15] .

A Revolução Americana[editar | editar código-fonte]

Hall Carpenters sediou o Primeiro Congresso Continental.

Em 1770, a Filadélfia tornou-se um dos principais focos da Revolução Americana. Os Filhos da Liberdade, uma organização dos Americanos Patriotas, foram muito ativos na cidade: eles resistiram às medidas fiscais impostas pela cidade e incitou os colonos a boicotar produtos britânicos.

A Filadélfia foi escolhido como um dos principais focos da revolução devido à sua posição central entre as Treze Colônias, para sediar o Primeiro Congresso Continental que se realizou entre 5 de setembro e 26 de outubro de 1774 no Hall Carpenters. O Segundo Congresso Continental foi realizado entre 1775 e 1781, a data de ratificação dos Artigos da Confederação. Durante a Guerra da Independência, a reunião organizada do Exército Continental, definiu o papel-moeda emitido e as relações internacionais do país. Os delegados assinaram a Declaração de Independência em 4 de julho de 1776. No entanto, após a derrota americana na batalha de Brandywine, em 1777, o Congresso teve de deixar a cidade, juntamente com dois terços da população [16] . Os moradores tiveram que se esconder no "Liberty Bell" (Sino da Liberdade).[17]

Vários desentendimentos aconteceram entre os norte-americanos comandados por George Washington para as tropas britânicas na Pensilvânia. Depois de investir na Filadélfia, em setembro de 1777, os britânicos concentraram 9.000 homens em Germantown. Washington não conseguiu superar-se. Em junho de 1778, os britânicos abandonaram a Filadélfia para proteger Nova Iorque, até então exposta à ameaça francesa[17] . Em julho, o Congresso voltou à Filadélfia. A convenção onstituinte reuniu-se em Filadélfia, em 1781, para elaborar uma Constituição. Este texto foi assinado no Independence Hall, em setembro de 1787. O Congresso Continental se mudou para Nova Iorque em 1785, mas sob a pressão de Thomas Jefferson, ele novamente voltou para a Filadélfia em 1790[18] , que serviu por dez anos como capital provisória dos Estados Unidos, enquanto Washington D.C era projetada[8] . Filadélfia perdeu também o seu estatuto de capital do estado em 1799.

Industrialização no século XIX[editar | editar código-fonte]

Placa do fabricante Baldwin Locomotive Works.

O comércio marítimo de Filadélfia foi interrompido pela Lei de Embargo de 1807 e pela Guerra anglo-americana de 1812. Após essa data, os produtos da Pensilvânia passaram a ser exportados pelo porto de Nova Iorque.[19]

No início do século XIX, a Filadélfia experimentou um crescimento importante devido à sua riqueza agrícola e de mineração (carvão) presentes em seu interior, a construção de estradas, canais e estradas de ferro permitiram que a cidade pudesse manter a sua posição durante a Revolução Industrial. Têxteis, vestuário, metalurgia, fabricação de papel e material ferroviário, naval e transformação de alimentos foram as principais indústrias do século XIX. A cidade também foi um importante centro financeiro. Durante a Guerra de Secessão (1861-1865), as fábricas da cidade forneceram ao exército da União equipamentos militares e outros recursos. Os hospitais militares também desempenharam um papel importante em permitir que muitos feridos durante o conflito pudessem ser atendidos em suas bases.

Os motins na Filadélfia (1844).

Devido à mecanização da agricultura no sul dos Estados Unidos, milhares de Afro-americanos começaram a migrar para o norte da Filadélfia e a região se tornou um dos destinos favoritos deste influxo. Como em outras cidades americanas, os anos que precederam a guerra civil foram marcados por violência contra os imigrantes, como motins anti-católicos entre maio e junho de 1844[20] . Com a Lei de Consolidação de 1854, a cidade de Filadélfia anexou vários distritos, bairros e subúrbios próximos. Esta decisão permitiu igualar os limites da cidade com outros municípios e melhorar a gestão dos problemas urbanos.

Exposição de 1876[editar | editar código-fonte]

Em 1876, foi organizada a exposição de Filadélfia, pela comemoração ao Centenário da Declaração de Independência dos Estados Unidos. Foi realizada em Fairmount Park, perto do rio Schuylkill. A exposição atraiu cerca de 9.789.392 visitantes[20] . A maioria dos edifícios da exposição foram cedidos pela Smithsonian Institution. Entre as inovações, foram mostradas ao público, o telefone (até então criado por Alexander Graham Bell), a máquina de escrever, cerveja, controlador para fazer parafusos, relógios e montagem de relógios.

Migrações no século XX[editar | editar código-fonte]

Milhares de imigrantes da África do Sul, Alemanha, Itália, Irlanda e Europa Oriental vieram para trabalhar nas indústrias da cidade na virada do século XX e reagrupadas em locais separados. Durante a Primeira Guerra Mundial, a chegada de Afro-americanos que fugiam da segregação racial da África do Sul mudou a estrutura da população. Com o desenvolvimento do transporte ferroviário e do metrô em 1907, além do automóvel, a classe média começou a deixar a cidade para residir nos subúrbios. O primeiro arranha-céu foi projetado por Benjamin Franklin Bridge. Após a Grande Depressão, a Filadélfia ficou conhecida pela força de seus sindicatos e os seus ataques múltiplos. O desemprego aumentou drasticamente e manteve-se em um nível elevado em 1930, apesar dos postos de trabalho criados pela Works Progress Administration. Não foi até a Segunda Guerra Mundial que a cidade saiu da crise, graças à indústria de armamento.

Em 1950, a Filadélfia atingiu seu pico populacional, com um pouco mais de dois milhões de habitantes. As casas eram muitas vezes inadequadas e insalubres. Em 1960, motins raciais eclodiram, assim como o movimento pelos direitos civis (Civil Rights Movement). Os problemas sociais foram agravados com o aumento do desemprego, drogas e violência de gangues. A classe média branca fugiu de Filadélfia para cidades próximas, e a cidade perdeu mais de 13% de sua população na década de 1970[21] .

O governo da cidade aprovou a Nova Carta em 1951, dando mais poderes ao prefeito. O então prefeito, Joseph Clark, instituiu uma política de renovação urbana: melhores estradas e sistema de transporte, restauração de habitats, criação de centros comerciais e parques. Mas a cidade estava à beira da falência no início de 1990, assim como Nova Iorque, Boston e outras grandes cidades da costa leste, que foram atingidas com uma crise e uma situação similar à falência. Desde então, a situação da habitação e do emprego tem vindo a melhorar em diversas áreas, mas a violência continua a um nível elevado.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa de localização da Filadélfia.

Filadélfia está no nordeste dos Estados Unidos, na região industrial do Cinturão da ferrugem, aproximadamente na mesma latitude que as Ilhas Baleares, ou Nápoles, na Itália. A cidade pertence a uma área urbanizada contínua, o BosWash, que vai de Boston para Washington D.C. A cidade localiza-se a 160 km de Nova Iorque. Está situada entre as montanhas Apalaches ao norte e ao oeste e o Oceano Atlântico a sul e leste.

A cidade localiza-se no sudeste da Pensilvânia. Os subúrbios cresceram, em parte, no sentido leste, em direção à Nova Jersey, através de pontes Benjamin Franklin e Walt Whitman. O centro funciona principalmente na margem direita do rio Delaware, que controla o estuário ao sul. O rio Delaware possui um afluente que atravessa Filadélfia, o rio Schuylkill, ao sul da cidade. Há outros rios menores em toda a cidade: Cobbs Creek, Wissahickon Creek e Pennypacker Creek.

De acordo com o United States Census Bureau, a cidade tem uma área total de 369,6 km², dos quais 347,3 km² estão cobertos por terra e 22,3 km² por água, representando 6,03% do total[1] . O território da cidade é 3,5 vezes maior que o de Paris. A altitude média é de 13 metros acima do nível do mar [22] . A Região Metropolitana de Filadélfia ocupa o vale de Delaware e possui quase seis milhões de habitantes.

Clima[editar | editar código-fonte]

Filadélfia possui um clima subtropical, do tipo Cfa na classificação climática de Köppen-Geiger.[23] Os verões são quentes e úmidos, sendo julho o mês mesmo mais quente do ano, com temperaturas médias variando de 21 °C a 30 °C. Outono e primavera são relativamente leves. As temperaturas médias para o mês de janeiro são -4 °C de mínima e 5 °C de máxima.[24] A temperatura mais baixa registrada em Filadélfia foi de -24 °C em 9 de fevereiro de 1934, e a mais alta de 41 °C em 7 de agosto de 1918.[25] A precipitação é bem distribuída ao longo do ano, com oito a onze dias de chuva por mês e um total de 1 055 milímetros ao longo do ano. Em média, caem 57 centímetros de neve por ano.[24]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Filadélfia (Aeroporto)[nota 1]  Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 23 26 31 35 36 39 40 41 39 36 29 23 41
Temperatura máxima média (°C) 4,6 6,6 11,5 17,7 23,2 28,2 30,6 29,6 25,6 19,2 13,3 7,1 18,1
Temperatura mínima média (°C) -3,6 -2,4 1,3 6,7 12,2 17,7 20,7 19,9 15,7 9,1 4 -1,1 8,4
Temperatura mínima registrada (°C) -22 -24 -15 -10 -2 7 11 7 2 -4 -13 -21 -24
Precipitação (mm) 77 67,3 96,3 90,4 94,2 87,1 110,5 88,9 96 80,8 75,9 90,4 1 054,9
Neve (cm) 16,5 22,4 7,4 1,3 0 0 0 0 0 0 0,8 8,6 56,9
Dias com precipitação (≥ 0,01 in) 10,6 9,4 10,5 11,3 11,1 9,8 9,9 8,4 8,7 8,6 9,3 10,6 118,2
Dias com neve (≥ 0,1 in) 4,4 3,6 1,8 0,4 0 0 0 0 0 0 0,2 1,8 12,2
Umidade relativa (%) 66,2 63,6 61,7 60,4 65,4 67,8 69,6 70,4 71,6 70,8 68,4 67,7 67
Horas de sol 155,7 154,7 202,8 217 245,1 271,2 275,6 260,1 219,3 204,5 154,7 137,7 2 498,4
Fonte: National Oceanic and Atmospheric Administration (normal climatológica de 1981–2010, extremos: 1872–presente; umidade relativa e horas de sol: 1961–1990).[24] [27] [28]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1790 54 391
1800 81 009 48,9%
1810 111 210 37,3%
1820 137 097 23,3%
1830 188 797 37,7%
1840 258 037 36,7%
1850 408 762 58,4%
1860 565 529 38,4%
1870 674 022 19,2%
1880 847 170 25,7%
1890 1 046 964 23,6%
1900 1 293 697 23,6%
1910 1 549 008 19,7%
1920 1 823 779 17,7%
1930 1 950 961 7,0%
1940 1 931 334 -1,0%
1950 2 071 605 7,3%
1960 2 002 512 -3,3%
1970 1 948 609 -2,7%
1980 1 688 609 -13,3%
1990 1 585 577 -6,1%
2000 1 517 550 -4,3%
2010 1 526 006 0,6%
Fonte: US Census[1] [29] [30]

Evolução e distribuição[editar | editar código-fonte]

Sexta maior cidade do país[31] , a Filadélfia possui 1.448.394 habitantes no município e 5.951.797 habitantes em sua área metropolitana[32] .

Em meados do século XVIII, a Filadélfia foi a maior cidade das treze colônias britânicas. Apesar deste crescimento espetacular, tem diminuído de forma constante no ranking das cidades americanas. Oprimido por Nova Iorque no final do século XVIII, por Chicago na década de 1880 e Los Angeles na década de 1950. O maior aumento da população de Filadélfia, realizada em finais do século XIX e início do século XX, a população dobrou entre 1880 e 1920, graças à imigração européia. Depois de um pico populacional em 1950 (dois milhões), a cidade foi evacuada em resposta aos problemas sociais: a classe média branca deixaram o município e mudaram-se para municípios próximos. Entre 1950 e 2000, a Filadélfia perdeu mais de 480 mil habitantes. Apesar da política de revitalização dos bairros e gentrification em curso, a tendência contínua de redução (-4,5% entre 1990 e 2000 [33] ) ainda persevera.

A densidade de população de Filadélfia, comparável ao de Boston e Chicago, é de 4.337,3 habitantes por km².

Étnica e social[editar | editar código-fonte]

A distribuição étnica é caracterizada pelo fato de que nenhum grupo é a maioria: a proporção de brancos é baixa (45%) em comparação com a média nacional e tende a diminuir. Em 2005, 183.329 pessoas afirmaram ter antepassados irlandeses, 121.397 pessoas afirmaram possuir ascendência italiana e 106.339 ascendência alemã[34] . Estas três comunidades formadas por descendentes de imigrantes dos anos 1880-1920, marca a vida cultural da Filadélfia.

Afro-americanos formam uma grande comunidade (43,2% do total) e tendem a aumentar. Este grupo concentra-se nas áreas situadas a oeste e norte da cidade. A proporção de latinos é menor (8,5%) do que no resto do país, mas cresce consideravelmente. A comunidade jamaicana é a segunda maior do país (97.689 pessoas em 2005[34] ) estão melhor representados entre os hispânicos. A população asiática representa 4,5% da população de Filadélfia: O principal é a comunidade chinesa, um número estimado de 20.539 pessoas em 2005 [34] ), o segundo maior número da Costa Leste, depois de Nova Iorque. Chinatown, um bairro típico chinês, está localizada no centro da cidade em torno Race Street, entre as ruas 8 e 11.

A taxa de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza é de 24,5%, duas vezes maior que a média do Estado[35] . Fica bem acima da média nacional (13,3%). A renda média anual per capita é $ 19,140[36] . Entre as grandes cidades de BosWash, Filadélfia é a mais pobre[37] . A taxa de desemprego, com 5,7% da População economicamente ativa, em 2007, é superior à média nacional.[38]

Em relação ao crime, Filadélfia ocupa a sexta posição no ranking das cidades com população superior aos 500.000 habitantes, sendo a mais perigosa dos Estados Unidos[39] . Em 2004, 377 homicídios foram registrados, principalmente nos guetos, uma taxa de 25,6 por 100.000 habitantes, enquanto a média nacional é de 6,9 e a de Nova Iorque é de 6,6[40] . Em 2006, o número de homicídios somaram 406.

A percentagem de licenciados é mais baixa do que no resto da Pensilvânia. No entanto, o número de estudantes é grande (107.519 em 2005, ou 13,5% da população total), devido à presença de muitas instituições de ensino superior no território do município. Utilitários, municipal ou privado para atender a maioria dos empregos. O setor emprega 8% da força de trabalho, pouco mais de 45 mil pessoas em 2005.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Aeroportos[editar | editar código-fonte]

Filadélfia é servida por dois aeroportos. O Aeroporto Internacional de Filadélfia é atualmente o 9º aeroporto mais movimentado dos Estados Unidos em termo de movimentações de aviões (pousos e decolagens) e o 27º aeroporto mais movimentado do mundo. Existe ainda outro, o Aeroporto do Nordeste de Filadélfia.

Pontos Turísticos[editar | editar código-fonte]

Panorama do centro financeiro de Filadélfia.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Filadélfia tem dez cidades-irmãs, designadas pelo Conselho Internacional de Visitantes da Filadélfia[41] :

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d GCT-PH1 - Population, Housing Units, Area, and Density: 2010 - State -- Place and (in selected states) County Subdivision (em inglês) United States Census Bureau. Visitado em 21 de setembro de 2011.
  2. a b Population and Housing Occupancy Status: 2010 - United States -- Combined Statistical Area with Metropolitan and Micropolitan Statistical Area Components; and for Puerto Rico (em inglês) United States Census Bureau. Visitado em 27 de setembro de 2011.
  3. Predefinição:Citar book
  4. Penn treaty timeeline (em inglês) Willian Penn Museum. Visitado em 19 de abril de 2010.
  5. François Lebrun, O século do século XVII Paris, Armand Colin, 1993, (ISBN 2200214618), p.217
  6. Karin Brookes, Insight Guides: Philadelphia e seus arredores, APA Publications, 2 ª edição, 2005, p.21, (ISBN 1585730262)
  7. Willian Penn (em inglês) Pennsylvania Historical & Museum Commision. Visitado em 19 de abril de 2010.
  8. a b c d e f g Philadelphia history (em inglês) City-Data. Visitado em 23 de abril de 2010.
  9. a b c d Jacques Binoche, História dos Estados Unidos, Paris, elipses, 2003, p.26-27
  10. Philadelphia (em inglês) Pennsylvania Historical & Museum Commision. Visitado em 19 de abril de 2010.
  11. Philadelphia county (em inglês) Pennsylvania States Archives. Visitado em 19 de abril de 2010.
  12. Elise Marienstras, Naomi Wulf, revoltas e revoluções na América, Atland, 2005, p.45
  13. a b Jacques Binoche, História dos Estados Unidos, Paris, elipses, 2003, p. 36
  14. Stacy Schiff, William Desmond Olivier (trad.), a improvisação Grande. Benjamin Franklin, a França eo nascimento dos Estados Unidos, Paris, Grasset, 2006 (ISBN 9782246629610), p.30
  15. Weigley RF et al. Philadelphia: Uma História de 300 anos, Nova York, Londres, W. W. Norton & Company, 1982 (ISBN 0393016102), p.68-69
  16. Stacy Schiff, William Desmond Olivier (trad.), a improvisação Grande. Benjamin Franklin, a França eo nascimento dos Estados Unidos, Paris, Grasset, 2006 (ISBN 9782246629610), p.108
  17. a b Bernard Cottret, A Revolução Americana: A busca da felicidade 1763-1787, Paris, Perrin, 2003, (ISBN 2-262-01821-9), p.212
  18. François Weil, "História de Nova York, Paris, Fayard, 2005 (ISBN 2213618569), p.35
  19. Weigley RF et al. Philadelphia: Uma História de 300 anos, Nova York, Londres, W. W. Norton & Company, 1982 (ISBN 0393016102), p.212-214
  20. a b Robert Belot, Daniel Bermond, Bartholdi, Paris, Perrin, 2004, p.301
  21. Weigley RF et al. Philadelphia: Uma História de 300 anos, Nova York, Londres, W. W. Norton & Company, 1982 (ISBN 0393016102), p.707
  22. Statistics Philadelphia (em inglês) usa cities. Visitado em 23 de abril de 2010.
  23. Climate Summary for Philadelphia, Pennsylvania
  24. a b c d NowData - NOAA Online Weather Data (em inglês) National Oceanic and Atmospheric Administration. Visitado em 14 de dezembro de 2011.
  25. Philadelphia Record Highs and Lows (em inglês). Visitado em 3 de abril de 2007.
  26. ThreadEx
  27. Station Name: PA PHILADELPHIA INTL AP (em inglês). Visitado em 13 de março de 2014.
  28. WMO Climate Normals for PHILADELPHIA/INT'L ARPT PA 1961–1990 National Oceanic and Atmospheric Administration. Visitado em 11 de março de 2014.
  29. GCT-PH1-R - Population, Housing Units, Area, and Density (geographies ranked by total population): 2000 - Geography: State -- County - State -- County / County Equivalent (em inglês) United States Census Bureau. Visitado em 15 de agosto de 2011.
  30. Censo histórico de todos os condados da Pensilvânia (1900 a 1990) (em inglês) United States Census Bureau. Visitado em 17 de junho de 2010.
  31. Census (em inglês) Census 2000. Visitado em 23 de abril de 2010.
  32. Population (em francês) PopulationData.net. Visitado em 23 de abril de 2010.
  33. Philadelphia:population profile (em inglês) City-Data. Visitado em 23 de abril de 2010.
  34. a b c Demographic (em inglês) Census.gov. Visitado em 23 de abril de 2010.
  35. Philadelphia city (em inglês) Census.gov. Visitado em 23 de abril de 2010.
  36. [http://factfinder.census.gov/servlet/ADPTable?_bm=y&-geo_id=16000US4260000&-qr_name=ACS_2005_EST_G00_DP3&-ds_name=&-_lang=en&-redoLog=false Philadelphia city, Pennsylvania Selected Economic Characteristics: 2005] (em inglês) Census.gov. Visitado em 27 de abril de 2010.
  37. Em comparação, a renda média anual per capita é de $ 30,167 em Boston e Washington, DC $ 37,569
  38. Estatísticas de desemprego em Filadélfia (em inglês) Bureau of Labor Statistics. Visitado em 27 de abril de 2010.
  39. City Crime Rankings by Population (em inglês) Morganquitno. Visitado em 27 de abril de 2010.
  40. Philadelphia PA Crime Statistics (2006 Crime Data) (em inglês) areaconnect. Visitado em 27 de abril de 2010.
  41. Department of Commerce (em inglês) Governo da Filadélfia. Visitado em 23 de abril de 2010.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Filadélfia
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Filadélfia
Ícone de esboço Este artigo sobre geografia dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Erro de citação: existem marcas <ref> para um grupo chamado "nota", mas nenhuma marca <references group="nota"/> correspondente foi encontrada (ou uma marca de fechamento </ref> está faltando)