Camarões

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Republic of Cameroon
République du Cameroun

República dos Camarões
Bandeira dos Camarões
Brasão de armas dos Camarões
Bandeira Brasão de Armas
Lema: "Paix - Travail - Patrie" ("Paz, Trabalho, Pátria")
Hino nacional: "Chant de Ralliement"
Gentílico: camaronense, camaronês(a)[1]

Localização  República dos Camarões

Capital Yaoundé
3° 52' N 11° 31' E
Cidade mais populosa Douala
Língua oficial Francês e Inglês
Governo República parlamentarista
 - Presidente Paul Biya
 - Primeiro-ministro Philémon Yang
Independência da França e do Reino Unido 
 - Independência da França 1º de janeiro de 1960 
 - Independência do Reino Unido 1º de outubro de 1961 
 - Unificação 1º de outubro de 1961 
Área  
 - Total 475.442 km² (52.º)
 - Água (%) 1,3
 Fronteira Nigéria (N e W), Chade, República Centro-Africana (E), República do Congo, Gabão, Guiné Equatorial (S)
População  
 - Estimativa de 2008 18.467.692 hab. (58.º)
 - Densidade 75 hab./km² (97.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2007
 - Total US$ : 40,010 bilhões (90.º)
 - Per capita US$ : 2.088 (135.º)
IDH (2010) 0,460 (131.º) – baixo[2]
Gini (2001) 44,6[3]
Moeda Franco CFA (XAF)
Fuso horário (UTC+1)
 - Verão (DST) não observado (UTC+1)
Clima Tropical e semiárido
Org. internacionais ONU, UA, Francofonia, Comunidade das Nações, CEMAC
Cód. ISO CMR
Cód. Internet .cm
Cód. telef. +237
Website governamental http://www.prc.cm/

Mapa  República dos Camarões

Camarões, oficialmente a República dos Camarões (francês: République du Cameroun), é um país da região ocidental da África Central. Faz fronteira com a Nigéria a oeste; Chade a nordeste; República Centro-Africana a leste; e Guiné Equatorial, Gabão e República do Congo, ao sul. O litoral dos Camarões encontra-se no Golfo do Biafra, parte do Golfo da Guiné e do Oceano Atlântico. O país é muitas vezes referida como "África em miniatura ", pela sua diversidade geológica e cultural. Recursos naturais incluem praias, desertos, montanhas, florestas tropicais e savanas. O ponto mais alto é o Monte Camarões no sudoeste, e as cidades mais populosas são Douala, Yaoundé e Garoua. Camarões é o lar de mais de 200 grupos linguísticos diferentes. O país é conhecido por seus estilos musicais nativos, especialmente makossa e bikutsi, e para a sua bem-sucedida seleção nacional de futebol. Francês e inglês são as línguas oficiais.

Os antigos habitantes do território incluíram a civilização Sao em torno do Lago Chade e os caçadores-coletores Baka nas florestas tropicais do sudeste. Exploradores portugueses chegaram ao litoral no século XV e nomeou a área de Rio dos Camarões, que se tornou Cameroon em Inglês. Os soldados Fulani fundaram o Emirado Adamawa, no norte, durante o século XIX, e vários grupos étnicos do oeste e noroeste estabeleceram tribos poderosas e fondoms. Camarões foi elevado à categoria de colônia alemã em 1884 conhecido como "Kamerun" .

Após a Primeira Guerra Mundial, o território foi dividido entre a França e a Grã-Bretanha como mandatos da Liga das Nações. A Union des Populations du Cameroun (UPC) é um partido político que defendeu a independência, mas foi proibida pela França em 1950. O país travou uma guerra contra as forças militantes franceses e da UPC até 1971. Em 1960, a parte dos Camarões administrada pelos franceses tornou-se independente como a República dos Camarões sob o presidente Ahmadou Ahidjo. A parte sul dos Camarões Britânicos fundiu-se com o Camarões francês em 1961 para formar a República Federal dos Camarões . O país foi renomeado República Unida dos Camarões em 1972 e a República dos Camarões, em 1984.

Em comparação com outros países africanos, Camarões goza de estabilidade política e social relativamente alta. Isso permitiu o desenvolvimento da agricultura, estradas, ferrovias e grandes indústrias de petróleo e madeira. No entanto, um grande número de camaroneses vivem na pobreza como agricultores de subsistência. O poder está firmemente nas mãos do presidente autoritário a partir de 1982, Paul Biya, e do Movimento Democrático Popular dos Camarões. Os territórios anglófonos dos Camarões têm crescido cada vez mais alienado do governo, e os políticos daquelas regiões têm chamado para uma maior descentralização e mesmo a separação (por exemplo, o Conselho Nacional de Camarões do Sul) dos antigos territórios governados pelos britânicos.

História[editar | editar código-fonte]

Povos indígenas e colonização[editar | editar código-fonte]

Camarões ao longo do tempo
  Kamerun alemão
  República de Camarões

Há provas de que os primeiros povos que habitavam os Camarões foram os pigmeus, seguidos por vários povos que habitavam a África central. Entre esses povos citam-se em destaque os bantos e os fulas. O navegador português Fernando Pó chegou ao estuário do rio Wouri em 1472 e chamou-lhe "rio dos Camarões", devido à abundância de crustáceos da espécie Lepidophthalmus turneranus na região.[4]

Naquela região, desde o século XVI, os portugueses determinaram o estabelecimento de entrepostos de onde os escravos foram vendidos para o Novo Mundo. Os britânicos foram o primeiro povo a colonizar o sertão. Porém, em 1884 a região foi elevada à categoria de protetorado da Alemanha. Como protetorado alemão, passou a se chamar Kamerun.[5]

No ano de 1916, na época em que eclodiu a Primeira Guerra Mundial, os colonizadores alemães foram expulsos pelas tropas da França e do Reino Unido. Em 1919, as forças ocupacionalistas concordaram com a divisão dos Camarões. Então, os franceses e britânicos dividiram os Camarões em dois. De um lado, as regiões oriental e meridional passaram à jurisdição dos franceses. De outro lado, uma pequena área, na região ocidental passaram à jurisdição dos britânicos. No ano de 1922, os dois Camarões foram subordinados à Liga das Nações. A Liga das Nações tem mantida a França e o Reino Unido para administrar as respectivas áreas. No ano de 1946, a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou a transformação em tutela dos mandatos francês e britânico nos Camarões.[5]

Independência[editar | editar código-fonte]

Em 26 de julho de 1982, o presidente Ahmadou Ahidjo na sua chegada para uma visita a Washington, D.C. Localização: Joint Base Andrews, Maryland, EUA.

Os Camarões franceses alcançaram sua independência em 1º de janeiro de 1960. A partir de então, o nome oficial do país foi chamado de República dos Camarões. Um ano depois, a ONU propôs a promoção de um plebiscito ocorrido nas regiões norte e sul dos Camarões Britânicos. O assunto do plebiscito foi a incorporação dessas regiões pelo Reino Unido à Nigéria. O fato de que o norte dos Camarões Britânicos se uniu à Nigéria foi escolhido pela maioria absoluta dos votos válidos. Com essa vitória, o norte dos Camarões Britânicos foi elevada à categoria de província da Nigéria com o nome de Sardauna. O sul realizou como escolha a sua união com a República dos Camarões.[5]

O novo país passou por ampliações. O segundo nome oficial dos Camarões foi República Federal dos Camarões. Esse novo país foi dividido em dois estados. São eles: Camarões Orientais (ex-Camarões francês) e Camarões Ocidentais (ex-Camarões Britânicos). A constituição promulgada em 1972 decretou a extinção do sistema federativo. Como determinação da constituição de 1972, o terceiro nome oficial dos Camarões foi República Unida dos Camarões. Desde 1984, o quarto e atual nome oficial dos Camarões é República do Camarões, sendo então o primeiro nome oficial desde a independência.[5]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Relevo e hidrografia[editar | editar código-fonte]

Topografia dos Camarões.

A paisagem que se vê nos Camarões varia grandemente. O sul é composto de planícies no litoral e de colinas revestidas sob cobertura parcial das florestas. Enquanto isso, define-se a região central como uma elevação planáltica com altitudes entre 800 e 1.500 metros. O planalto central traz oferecimento de boas condições para a criação de gado. Mais na região setentrional ocorre o reaparecimento das planícies. Dessa vez as planícies declivam suavemente até a bacia do lago Tchad. Finalmente, no oeste ocorre a elevação de uma cadeia de montanhas sob domínio do monte Camarões (4.070m), o ponto mais alto do país. Os dois rios mais importantes são Benue, tributário do Níger, e o Sanaga, que deságua no Atlântico.[6]

Clima e vegetação[editar | editar código-fonte]

Como o país está mais próximo da linha do equador, o clima dos Camarões é quente durante a totalidade do ano. A variação da média das temperaturas ao ano vai de 21ºC e 28ºC, com exceção das montanhas, onde faz mais frio. As chuvas sofrem diminuição entre o sul e o norte; no litoral sofrem queda de mais de 800mm ao ano; no planalto central, 1.500mm. No sul existem duas estações secas, entre dezembro e fevereiro e de julho a setembro, e no norte somente uma, entre outubro e abril.[7] Essas diferenças que ocorrem no clima são refletidas na vegetação: a selva pluvial reveste o sul, no centro é estendida uma mata em que são misturadas espécies de folhas perenes e de folhas caducas, e a savana arbórea domina o norte.[8]

Demografia[editar | editar código-fonte]

O país possui uma população estimada de 19 294 149 pessoas com 40,9% dos habitantes com idade entre os 0 e os 14 anos, 55,9% possuem uma idade entre os 15 os 64 e somente 3,3% da população tem mais de 65 anos.

Estima-se que 67,9% dos habitantes saibam ler e escrever (77% dos homens e 59,8% das mulheres).

O país possui duas línguas oficiais, o francês (80+%) e o inglês (20-%), existindo ainda 24 grupos de linguagens africanas.

Religião[editar | editar código-fonte]

Em termos religiosos o país encontra-se dividido da seguinte forma:

Cristianismo é seguido aproximadamente por 56,58% da população , as crenças tribais por 22,36% da população , Islão 20,04% , crenças tribais 0,62% e outras religiões ( incluindo ateus ) por apenas 1,02% da população . Aqui estão gráficos que comprovam isto ;

Religião nos Camarões[9]
Religião % aprox.
Cristianismo
  
56,58%
Crenças tribais
  
22,36%
Islão
  
20,04%
Crenças tribais
  
0,62%
Outras (inclui ateus)
  
1,02%

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Camarões é uma república presidencialista com uma divisão administrativa em 10 províncias]] e de governo: presidente Paul Biya (RDPC) (desde 1982, eleito em 1984 e reeleito em 1988, 1992,1997 e 2004)

.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Os Camarões dividem-se em dez províncias, respectivamente:

Provinces of Cameroon EN.svg

A maior parte destas províncias foram definidas na década de 1960. As províncias Centre e Sud surgem da ruptura da província Centre-Sud em 1983, no mesmo ano, Adamaoua e Extrême-Nord surgem devido à cisão da província Nord.

Economia[editar | editar código-fonte]

Alguns dados sobre a economia dos Camarões:

  • Agricultura: cunhões (125 mil t), café (72 mil t), pluma de algodão (92 mil t), caroço de algodão (110 mil t), mandioca (1,5 milhão de t), milho (600 mil t), sorgo (450 mil t)
  • Pecuária: eqüinos (51 mil), bovinos (4,9 milhões), suínos (1,4 milhão), ovinos (3,8 milhões), caprinos (3,8 milhões), aves (20 milhões)
  • Pesca: 80 mil t
  • Mineração: petróleo (33 milhões de barris), calcário (50 mil t)

Reservas não exploradas de gás natural.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Feriados
Data Nome em português
1 de Janeiro Dia de ano novo
11 de Fevereiro Dia Nacional da Juventude
1 de Maio Dia do Trabalhador
20 de Maio Dia Nacional
15 de Agosto Assunção
25 de Dezembro Natal

Além destes feriados fixos, os Camarões comemoram também os seguintes feriados móveis:

Referências

  1. Portal da Língua Portuguesa, Dicionário de Gentílicos e Topónimos dos Camarões
  2. Ranking do IDH 2010. PNUD. Página visitada em 4 de novembro de 2010.
  3. CIA World Factbook, Lista de Países por Coeficiente de Gini (em inglês)
  4. Holthuis]], Lipke B. FAO Species Catalogue. [S.l.]: Food and Agriculture Organization, 1991. vol. 13. Marine Lobsters of the World. ISBN 92-5-103027-8
  5. a b c d Governo dos Camarões. Aperçu historique du Cameroun. Ministérie des Mines, del'Industrie e du Developpement Technologique. Página visitada em 2 de maio de 2014.
  6. Governo da França. Géographie (em francês). France Diplomatie. Página visitada em 20 de maio de 2014.
  7. Le climat au Cameroun (HTML) (em francês). Cameroun Online. Página visitada em 20 de maio de 2014.
  8. Végétation, sol et faune du Cameroun (em francês). Página visitada em 20 de maio de 2014.
  9. [1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Camarões
Bandeira dos Camarões Camarões
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens