Comores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
الاتحاد القمر
Union des Comores
Udzima wa Komori

União das Comores
Bandeira dos Comores
Brasão de armas dos Comores
Bandeira Brasão das Armas
Lema: "Unité, Justice, Progrès" (francês:

"Unidade, Justiça, Progresso")

Hino nacional: "Udzima wa ya Masiwa" (shikomor: "A União das Grandes Ilhas")
Gentílico: comorense, comoriano(a)[1]

Localização  União das Comores

Capital Moroni
11° 42' S 43° 15' E
Cidade mais populosa Moroni
Língua oficial Árabe, francês e shikomor
Governo República Federal
 - Presidente Ikililou Dhoinine
 - Vice-presidentes Fouad Mohadji
Mohamed Ali Soilih
Nourdine Bourhane
Independência da França 
 - Data 6 de julho de 1975 
Área  
 - Total 1 862¹ km² (170.º)
 - Água (%) <0,1
 Fronteira Não possui; aproxima-se de Seicheles a NE, Madagascar e Mayotte (FRA) a SE, Moçambique a W e SW, e Tanzânia a NW
População  
 - Estimativa de 2008 731 775 hab. (158.º)
 - Densidade 309 hab./km² (23.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2007
 - Total US$ : 1,262 bilhões (172.º)
 - Per capita US$ : 1 125 (159.º)
IDH (2010) 0,428 (140.º) – baixo[2]
Moeda Franco comorense (KMF)
Fuso horário (UTC+3)
Clima Tropical
Org. internacionais ONU, UA, Liga Árabe, Francofonia
Cód. ISO 174 / COM / KM
Cód. Internet .km
Cód. telef. +269

Mapa  União das Comores

¹ Exclui Mayotte.

A União das Comores (ou mais simplesmente Comores, ou com a grafia anglicizada Comoros) é uma república federal insular, que compreende três das quatro ilhas principais do Arquipélago das Comores, entre a costa oriental de África e Madagáscar. O país é banhado a norte pelo Oceano Índico e a sul pelo Canal de Moçambique, sendo os seus vizinhos mais próximos a possessão francesa de Mayotte a sudeste, Moçambique a oeste e as Seicheles a nordeste. Compreende as ilhas Grande Comore, Mohéli e Anjouan. Capital: Moroni.

História[editar | editar código-fonte]

Inicialmente habitada por um povo nativo oriundo de Madagáscar e das migrações polinésias vindas do leste, foi ponto de passagem do rico comércio feito pelos árabes que iam para o sul da costa leste Africana em busca de Marfim e escravos. Posteriormente as ilhas Comores foram "descobertas" em 1505 pelos portugueses para depois serem colonizadas e administradas pela França. A partir do século XIX foram negligenciadas pelo colonizador. Em 1975, tornaram-se independentes e passaram a formar a República Federal Islâmica das Comores. Em 1997, as ilhas de Nzwani e Mwali declaram independência, desencadeando conflitos entre tropas do governo e separatistas de Nzwani. Após negociações, em 1999 é assinado um acordo que institui um governo rotativo entre as três ilhas. No mesmo ano, porém, é registrado o 19º golpe de Estado no país em 25 anos. Em 2001, 77% dos eleitores aprovam a nova Constituição que muda o nome do país para União de Comores e garante mais autonomia para as ilhas.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa das Comores e Mayotte.
Uma mesquita localizada na capital.

As Comores incluem três das quatro ilhas principais do arquipélago das Comores, a quarta é o território francês de Mayotte. O arquipélago localiza-se no oceano Índico, entre a costa africana e Madagáscar, no norte do Canal de Moçambique e compreende as ilhas Ngazidja (em língua comoriana, ou Grande Comore, em francês), Mwali (ou Mohéli), Nzwani (Anjouan) e Maore (Mayotte).

O interior das ilhas vulcânicas é variado e vai de montanhas abruptas a colinas baixas. O monte Kartala (2 316 m) na Grande Comore é um vulcão activo.

Disputas territoriais

As Comores reclamam a ilha de Mayotte, a ilha mais a leste do arquipélago, uma coletividade departamental francesa.

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população era de 596 202 habitantes em 2001, o que corresponde a uma densidade populacional de 274,7 hab./km². As taxas de natalidade e de mortalidade são, respectivamente, de 39 e 9 por mil habitantes. A esperança média de vida é de 60 anos. Estima-se que, em 2025, a população seja de 1 127 000 habitantes. Cerca de 98% da população corresponde a naturais das Comores (mistura de bantos, árabes e malgaxes) e os restantes 2% são macuas (bantos da África Oriental). A religião muçulmana é a praticada pela quase totalidade dos habitantes. As línguas oficiais são o francês, o árabe e o comorano.

Religião[editar | editar código-fonte]

A população de Comores, segundo dados de 2005, é, majoritariamente islâmica (98,3%). Cerca de 0,1% não professam nenhuma fé, enquanto 1,6% professam outras religiões.

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

A República Federal Islâmica das Comores é uma república federal islâmica em que o primeiro-ministro governa com uma assembleia legislativa.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Compreende as ilhas Njazidja (Grande Comore), Nzwani (Anjouan) e Mwali (Mohéli).

Economia[editar | editar código-fonte]

Vista do porto e da cidade de Mutsamudu.

As ilhas dependem muito do investimento estrangeiro. As principais culturas são a banana, o coco, a mandioca, o milho, o arroz, o cravo-da-índia, a baunilha, o café, a canela e a batata. A indústria extractiva resume-se à areia, à brita e ao coral, que é utilizado moído para a construção local. Os principais parceiros comerciais das Comores são a França, a Alemanha, os Estados Unidos e Madagáscar.

Industrialização[editar | editar código-fonte]

As indústrias principais são o turismo e a destilação de perfumes. Comores é o maior produtor mundial de ylang-ylang e um dos maiores produtores de baunilha.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

É imprescindível a profilaxia antimalária e recomendável a vacina contra a febre amarela. Não se pode beber água da torneira nem comer alimentos sem cozinhar. É aconselhável levar farmácia bem preparada com analgésicos, antiestamínicos, antibióticos, anti-sépticos, repelentes para insetos, loções calmantes contra picaduras ou alergias, tesoura, pinças, termômetro e seringas hipodérmicas. É recomendável viajar com um seguro médico e de assistência.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Arte[editar | editar código-fonte]

Entre as construções mais interessantes das Comoras deve-se assinalar as que encontram-se no típico bairro árabe da capital. Uma visita recomendada é a do Museu do Centro Nacional de Documentação e Investigações Científicas.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de Comores
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Comores

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira das Comores Comores
Bandeira • Brasão • Hino • Economia • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens