Chade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
République du Tchad
جمهوريّة تشاد
(Jumhūriyyat Tshād)

República do Chade
Bandeira do Chade
Brasão de armas do Chade
Bandeira Brasão de armas
Lema: "Unité, Travail, Progrès"
("Unidade, Trabalho, Progresso")
Hino nacional: "La Tchadienne" ("A Chadiana")
Gentílico: chadiano(a), chadiense[1]

Localização  República do Chade

Capital N'Djamena
Cidade mais populosa N'Djamena
Língua oficial Francês, Árabe
Governo República presidencialista
 - Presidente Idriss Déby
 - Primeiro-ministro Kalzeubet Pahimi Deubet
Independência da França 
 - Data 11 de agosto de 1960 
Área  
 - Total 1.284.000 km² (20.º)
 - Água (%) 1,9
 Fronteira Líbia, Sudão, República Centro-Africana, Camarões, Nigéria e Níger
População  
 - Estimativa de 2008 10.111.337 hab. (80.º)
 - Densidade 7 hab./km² (191.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2007
 - Total US$ : 15,950 bilhões (126.º)
 - Per capita US$ : 1.675 (147.º)
IDH (2012) 0,340 (184.º) – baixo[2]
Moeda Franco CFA (XAF)
Fuso horário (UTC+1)
Clima Árido e semiárido
Org. internacionais ONU, UA, Francofonia
Cód. ISO TCD
Cód. Internet .td
Cód. telef. +235

Chade, também chamado de Tchade ou Tchad (em árabe: تشاد, transl.: Tshād; em francês: Tchad), oficialmente República do Chade (em árabe: جمهوريّة تشاد, transl.: Jumhūriyyat Tshād; em francês: République du Tchad) é um país sem acesso ao mar, localizado no centro-norte da África. Faz fronteira com a Líbia a norte, com o Sudão a leste, com a República Centro-Africana a sul, com Camarões e Nigéria a sudoeste e com o Níger a oeste. Encontra-se dividido em três grandes regiões geográficas: a zona desértica no norte, o cinturão árido do Sahel no centro e a savana sudanesa fértil no sul. O Lago Chade, do qual o país obteve o seu nome, é o segundo maior corpo de água da África e o maior do país. O ponto mais alto do Chade é o Emi Koussi no Deserto do Saara. Sua capital e cidade mais populosa é N'Djamena. O país abriga mais de duzentas etnias. Os idiomas oficiais são o árabe e o francês, enquanto as religiões oficiais são o islã e o cristianismo.

A princípios do sétimo milênio antes do nascimento de Cristo, populações numerosas ocuparam o território chadiano. Em finais do primeiro milênio antes de Cristo, vários estados e impérios desapareceram na zona central do país, todos eles dedicados a controlar as rotas do comércio transaariano que cruzavam a região. No século XIX, com a Conferência de Berlim, a França conquistou e colonizou este território e o incorporou à África Equatorial Francesa. Em 11 de agosto de 1960, a independência foi proclamada, pela liderança de François Tombalbaye. Em 1965, revoltas contra a política do país fizeram com que os muçulmanos da região norte entrassem em uma guerra civil. Assim, em 1979, rebeldes tomam a capital do país e puseram fim à hegemonia dos cristãos da região sul. Entretanto, comandantes rebeldes permaneceram em conflito constante até Hissène Habré se impor ante seus riviais, mas em 1990 Idriss Déby derrotou-o. Recentemente, o conflito de Darfur no Sudão atravessou a fronteira e gerou o conflito entre Chade e Sudão, com centenas e milhares de refugiados vivendo em acampamentos no leste do país.

Enquanto existem vários partidos políticos ativos no país, o poder recai firmemente nas mãos do presidente Déby e seu partido, o Movimento Patriótico de Salvação. No Chade ainda ocorre violência política e frequentes golpes de estado. Atualmente, o Chade é um dos países mais pobres e com maior índice de corrupção no mundo. A maioria de sua população vive abaixo da linha de pobreza. Desde 2009, o petróleo passou a ser a maior fonte exportações no país, sobrepassando a tradicional indústria de algodão.

História[editar | editar código-fonte]

Ao derrotar e assassinar Rabih az-Zubayr em 22 de abril de 1900, na Batalha de Kousséri, a França liberou o maior obstáculo que tinha para a colonização do Chade.
Mais de quinze mil soldados chadianos serviram o exército francês durante a Segunda Guerra Mundial.[3]

A partir do sétimo milênio antes de Cristo, as condições ecológicas em parte do território chadiano favoreceram os assentamentos humanos e a região apresentou um alto crescimento demográfico. Alguns dos sítios arqueológicos mais importantes se encontram no Chade, entre eles destaca-se a região do Borkou-Ennedi-Tibesti.[4] [5] Por mais de dois mil anos, o Chade estava sendo povoado por grupos agrícolas sedentários e várias civilizações foram assentadas na região. A primeira delas foi a civilização Sao, conhecido por seus simples artefatos e tradições orais. Os sao caíram ante o Império de Kanem,[6] [7] o primeiro mais duradouro dos impérios que se assentaram na região que corresponde atualmente ao Sahel chadiano durante o primeiro milênio depois de Cristo. O período do império Kanem e de seus sucessores foi baseado no controle de rotas do comércio transaariano que cruzava a região.[5] Esses estados nunca estenderam seu domínio até os vales férteis do sul, exceto para o comércio de escravos.[8]

A partir de 1900, o Império Colonial Francês deu passo para a criação do Territoire Militaire des Pays et Protectorats du Tchad. Em 1920, a França havia assegurado o controle absoluto da colônia e incorporou o território do Chade à África Equatorial Francesa.[9] O domínio francês no Chade foi caracterizado pela ausência de políticas para unificar o território e retardar a modernização. Os franceses viam a colônia como uma importante fonte de mão de obra barata e algodão, onde em 1929 a França introduziu a produção de grande escala desta matéria prima. Durante a administração colonial do Chade, os governadores se apoiavam de elementos do serviço militar francês. Apenas a parte sul do país era governada de maneira efetiva, já que no norte e no leste do país a presença francesa era escassa, o que levou a um sistema educacional deficiente.[5] [10] Após a Segunda Guerra Mundial, o Chade passou a ser um departamento ultramarino francês, para que seus habitantes tivessem o direito de eleger os representantes na Assembleia Nacional Francesa e a criação de uma assembleia chadiana. O maior partido político da época era o Partido Progressista Chadiano, com bases localizadas na parte sul do país. O Chade obteve sua independência em 11 de agosto de 1960, com o líder do partido, François Tombalbaye, que se tornou o primeiro presidente.[5] [11] [12]

Dois anos depois, Tombalbaye dissolveu os partidos de oposição e estabeleceu o unipartidarismo. O governo autocrático e Tombalbaye e sua má administração geraram tensões entre as distintas etnias do país e em 1975 os muçulmanos iniciaram uma guerra civil. Tombalbaye foi assassinado em 1975,[13] mas o conflito continuou. Em 1979 as facções rebeldes tomaram a capital e todas as autoridades civis sofreram um colapso e o poder do país passou para os rebeldes armados, a maioria provenientes do norte do país.[14] [15] A desintegração do Chade provocou o colapso da presença francesa no país. A Líbia tentou tomar o controle do país e se envolveu na guerra civil.[16] Em 1987, a aventura líbia terminou em desastre, quando o presidente Hissène Habré, apoiado pela França, invocou que os chadianos se unissem em apenas um grupo como nunca havia se visto antes,[17] e assim obrigar o exército líbio a se retirar.[18]

Habré consolidou sua ditadura atrabés de um sistema de corrupção e violência. Ao redor de quatrocentas mil pessoas foram assassinadas durante seu mandato.[19] [20] O presidente favoreceu sua tribo de origem, a daza, e discriminou os membros de sua tribo inimiga, os zaghawa. Em 1990, o general Idriss Déby o derrubou.[18]

Déby tentou reconciliar os rebeldes e reintroduziu o unipartidarismo. Por meio de um referendo os chadianos aprovaram uma nova constituição e, em 1996, Déby genhou as eleições presidenciais.[21] Em 2001, começou no país a atividade da exploração do petróleo, que trouxe consigo esperanças que o Chade teria de alcançar a paz e a prosperidade. Entretanto, conflitos internos empenharam e se instalou uma nova guerra civil. Unilateralmente, Déby modificou a constituição para manter o máximo de dois períodos para cada presidente, o que ocasionou controvérsia entre civis e partidos de oposição.[22] Desta forma, em 2006 Déby ganhou pela terceira vez as eleições presidenciais. Em 2006 e 2008, os rebeldes tentaram tomar novamente a capital do país, mas sem êxito. No leste do Chade, a violência étnica tem aumentado. Os membros do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados advertem um genocídio similar, tal como ocorre em Darfur, pode estar presente no Chade.[23]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Chade vista de satélite.

Com 1,284 milhões de quilômetros quadrados, o Chade é o vigésimo primeiro maior país do mundo, sendo um pouco menor que o Peru e a África do Sul.[24] [25] O Chade está localizado no norte da África Central, entre os paralelos 8º e 24º norte e os meridianos 14º e 24º leste. Limita-se a norte com a Líbia, a leste com o Sudão, a oeste com Níger, Nigéria e Camarões e ao sul com a República Centro-Africana. A capital do país está a 1 060 quilômetros do ponto mais próximo (Duala em Camarões).[26] [27] Devido à distância ao mar e ao clima predominantemente desértico no país, o Chade é muitas vezes referido como o "coração morto da África".[28]

As fronteiras do Chade não coincidem com nenhuma fronteira natural, herança de seu período colonial. A estrutura física predominante é uma bacia ampla limitada no norte e leste, e ao sul por cadeias montanhosas. O Lago Chade, do qual o país obteve seu nome, são restos de um imenso lago que já ocupou mais de 330 000 quilômetros quadrados da bacia chadiana há mais de setecentos mil anos,[26] ainda que atualmente apenas 1 500 quilômetros quadrados de sua superfície esteja a fortes flutuações estacionárias,[29] é o segundo maior corpo de água da África.[30] O Emi Koussi, vulcão inativo no monte Tibesti, alcança 3 415 metros de altitude, sendo o ponto mais alto localizado na fronteira do Chade no Deserto do Saara.[31]

O lago Chade em una imagem de satélite de 2001. No topo, pode-se observar as mudanças ocorridas entre 1973 e 1997.

A cada ano, um sistema climático tropical, conhecido como Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), atravessa o Chade de sul a norte, trazendo consigo a estação das chuvas que dura de maio a outubro no sul e de junho a setembro na região do Sahel.[32] As variações nas precipitações locais criam três importantes zonas geográficas. O Saara se localiza na parte norte do país, onde as precipitações anuais não chegam a quinhentos milímetros anuais. Borkou é a região mais árida do Saara. A vegetação desta zona é escassa; ocasionalmente sobrevivem algumas palmeiras, que são os únicos que crescem a sul do Trópico de Câncer.[26]

O Saara atravessa o centro do Chade, onde as precipitações estão entre trezentos e seiscentos milímetros anualmente. A região do Sahel ocupa uma estepe de arbustos espinhosos (em sua maioria acácias) e gradualmente se converte em uma savana na parte sul do Chade. Nesta parte do país, as precipitações chegam a novecentos milímetros anualmente.[27] Os pastos altos e os extensos pântanos da região a convertem em um habitat ideal a algumas aves, répteis e grandes mamíferos. Os principais rios do Chade são o Logone, o Chari e seus afluentes, que percorrem savanas desde o sul até o sudeste do lago Chade.[26] [33]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Uma menina ouaddaiana.

Estudos de 2005 calculam a população do Chade em 10 146 000 habitantes: 25,8% vivem em áreas urbanas e 74,2% em rurais.[34] A população do país é jovem. Estima-se que 47,3% tenha menos de 15 anos. A taxa de natalidade é de cerca de 42,35 nascimentos por 1 000 pessoas, a taxa de mortalidade é de 16,69. A esperança média de vida alcança de 47,2 anos.[24]

A população do Chade é distribuída de forma desigual. A densidade populacional é de 0,1/km² (extremamente baixa) na região do Saharan Borkou-Ennedi-Tibesti, enquanto na região do Logone Ocidental chega a 52,4/km².[27] Na capital, ainda é mais elevada: aproximadamente metade da população deste estado vive no sul deste território, que o converte na região mais densamente povoada. A vida urbana se encontra restringida virtualmente na capital, onde a população se dedica principalmente no comércio. As outras principais cidades são Sarh, Moundou, Abéché e Doba, onde, ainda que sejam menos urbanizadas, estão crescendo rapidamente e se unem à capital como centros decisivos para o crescimento de sua economia.[26] Desde 2003, 230 000 refugiados sudaneses têm deslocado para o leste do Chade fugindo da região de Darfur. Com os 172 000 chadianos deslocados pela guerra civil no leste,[35] este acontecimento tem gerado tensões crescentes entre as comunidades da região.[36]

Uma delegação tribal.

A poligamia é comum no país e mais de 39% de mulheres vivem nesse tipo de união. Ela é apoiada por lei, que permite automaticamente a poligamia, exceto quando as cônjuges especifiquem que tal será inaceitável no casamento.[37] Apesar de a violência contra mulheres ser proibida, a violência doméstica é comum. A mutilação genital feminina é proibida, mas a prática está espalhada e profundamente enraízada na tradição: 45% das mulheres do Chade se submetem ao procedimento, com as taxas mais altas entre os árabes, hadjarai e ouaddaianos (90% ou mais). São registradas porcentagens inferiores entre os saras (38%) e os toubous (2%). As mulheres carecem de uma igualdade de oportunidade na educação e formação, com poucos postos de trabalho formal no setor. Ainda que as leis proprietárias e a herança baseadas no código francês não discriminem a mulher, os líderes locais julgam a maioria dos casos de herança nos homens, segundo a política tradicional.[38]

O Chade tem mais de 200 grupos étnicos distintos.[39] A administração colonial e os sucessivos governos nacionais têm tentado impor uma sociedade nacional, mas para a maioria dos chadianos a sociedade local ou regional mantém-se como a mais importante influência fora da família mais próxima. Os povos do Chade tendem a ser, no entanto, classificados de acordo com a região geográfica onde vivem. No sul vivem povos sedentários, tais como os saras, o maior grupo etnico do país, cuja unidade social essencial é a linhagem (ou descendência). Na região do Sahel, povos sedentários vivem lado a lado com povos nômades, como os toubous.[5] [26] As línguas oficiais do país são o francês e o árabe, porém, mais de cem idiomas e dialetos são falados pelo país. Devido ao importante papel desempenhado por comerciantes árabes itinerantes e mercadores estabelecidos em comunidades locais, o árabe chadiano foi convertido em língua franca.[5]

Religião[editar | editar código-fonte]

Catedral da Arquidiocese de N'Djamena, localizada na capital do país.

O Chade é um país religiosamente diverso. O censo de 1993 mostrou que 54% dos chadianos eram muçulmanos, 20% católicos romanos, 14% protestantes, 10% animistas e 3% ateus.[27] O animismo inclui uma variedade de religiões ancestrais. O islã, que é caracterizado por um conjunto ortodoxo de crenças e celebrações, expressa-se de diversas formas. O cristianismo chegou ao Chade através dos franceses; como também o islã foi mesclado por meio de vários aspectos das crenças dos antigos povos que habitaram o território.[5] A maior parte dos muçulmanos se concentra no norte e leste do Chade, enquanto cristãos e animistas vivem na parte sul.[26] A constituição estabelece um estado laico e garante a liberdade religiosa; geralmente, as diferentes comunidades religiosas coexistem sem problemas.[40]

A maior parte dos muçulmanos seguem um ramo do islã místico (sufismo), conhecida em território local como Tijaniyah, que incorpora alguns dos elementos religiosos locais. Uma pequena minoria de muçulmanos do país mantém práticas mais fundamentalistas, que, em alguns casos, podem estar associadas com sistemas de crenças sauditas, como o wahhabismo e o salafismo.

Os católicos representam a maior denominação cristã no país. A maioria dos protestantes está afiliada a diversos grupos cristãos evangélicos. Os membros da Fé Bahá'í e as testemunhas de Jeová são outras comunidades religiosas presentes no Chade. Ambos foram introduzidos depois da independência (1960), sendo consideradas como religiões "novas" no país.

O Chade é o lugar de missionários estrangeiros que representam diversos grupos cristãos. Também existem pregadores muçulmanos provenientes do Sudão, Paquistão e Arábia Saudita, este último financiando projetos socioeducativos e a construção de grandes mesquitas.[41]

Política[editar | editar código-fonte]

A constituição estabelece um forte poder executivo encabeçado pelo presidente, que domina o sistema político. O presidente tem o poder de nomear o primeiro-ministro e exerce uma influência considerável sobre a nomeação de juízes, generais, funcionários provinciais e chefes de empresas paraestatais. Em caso de ameaças graves ou imediatas, há a consulta da assembleia nacional, que declara estado de emergência. O presidente é eleito por meio do voto direto e popular para um mandato de cinco anos; em 2005 o tempo de mandato foi abolida na constituição.[42] Desta forma, foi e ainda é permitido ao presidente permanecer no poder por mais de cinco anos.[42] A maioria dos principais conselheiros do presidente Idriss Déby são membros da tribo zaghawa, ainda que personalidades de oposição no sul também estejam representados no governo.[39] [43] No Chade a corrupção abrange todos os níveis; no Índice de Percepção da Corrupção de 2005 divulgado pela Transparência Internacional, o Chade foi classificado como o país mais corrupto do mundo,[44] encontrando-se na parte final da lista nos anos seguintes.[45] Em 2007, alcançou apenas 1,8 dos dez pontos possíveis no índice de percepção da corrupção, onde apenas Tonga, Uzbequistão, Haiti, Iraque, Mianmar e Somália obtiveram uma pontuação mais baixa que o Chade.[46] Ainda existem muitas críticas contra o presidente Déby, que é acusado de endogamia e tribalismo.[47]

O sistema legal do Chade é baseado no direito civil francês e no direito alfandegário, onde este último interfere na ordem pública ou em garantias constitucionais de igualdade. Apesar de a garantia da constituição da independência do poder judiciário, é o presidente que nomeia a maioria dos funcionários judiciais. As jurisdições mais altas do sistema jurídico, a Suprema Corte de Justiça e o Conselho Constitucional, têm voltado plenamente operativos. A Suprema Corte é formada pelo chefe da justiça, nomeado pelo presidente e quinze vereadores, designados vitalícios pelo presidente e assembleia nacional. O tribunal está encabeçado por nove juízes eleitos para um período de nove anos. Este tribunal se encarrega de examinar a legislação, os tratados e acordos internacionais antes de sua adoção.[39] [43]

Embaixada do Chade em Washington DC, Estados Unidos.

A assembleia nacional representa o poder legislativo. Encontra-se formada por 155 membros, eleitos para um período de quatro anos, que se reúnem anualmente em três ocasiões. A assembleia contém apenas duas sessões ordinárias ao ano, a partir de março e outubro e pode celebrar sessões especiais apenas quando o primeiro-ministro o convocar. O presidente da assembleia é eleito pelos deputados a cada dois anos, que tem a tarefa de firmar ou retardar as leis recém-aprovadas dentro de um prazo de quinze dias. A assembleia nacional deve aprovar um projeto de lei do primeiro-ministro e ainda pode obrigar a demiti-lo através de um voto de maioria não confiante. Entretanto, a assembleia nacional retarda um projeto de lei do poder executivo mais de duas vezes ao ano, o presidente pode dissolver a assembleia e exigir novas eleições legislativas. Na prática, o presidente exerce uma influência considerável na assembleia nacional por meio de seu partido, o Movimento Patriótico de Salvação (MPS), que possui a grande maioria dos assentos.[39]

Até a legalização dos partidos políticos de oposição em 1992, o MPS foi o único partido legal no Chade.[39] Desde então, 78 partidos políticos ativos foram registrados.[38] Em 2005, partidos de oposição e organizações de direitos humanos aprovam o boicote por meio de um referendo constitucional que permitia a Déby ser eleito para um terceiro mandato,[48] em meio a informes irregularesno registro de votantes e à censura dos meios de comunicação por parte do governo durante as campanhas.[49] Foi realizado um julgamento correspondente às eleições presidenciais de 2006 como uma conformidade, já que a oposição considerava que as eleições fossem fraudadas e haviam sido boicoteadas.[50]

Atualmente, Déby enfrenta a oposição de grupos armados que se encontram profundamente divididos por enfrentamentos de liderança, unidos com a intenção de derrotá-lo. Estas forças romperam a capital em 13 de abril de 2006, porém foram paradas em última estância. A influência estrangeira de maior peso no Chade é da França, que mantém mil tropas no país. Déby apoia os franceses para reprimir os rebeldes, enquanto a França brinda o apoio do exército chadiano, por temor a um colapso completo da estabilidade regional.[51] Porém, as relações entre França e Chade se empenharam por trás da concessão de direitos à empresa de petróleo estadunidense Exxon em 1999.[52]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Divisão política do Chade.

Desde fevereiro de 2008, o Chade está dividido em 22 regiões.[53] A subdivisão do Chade em regiões surgiu em 2003 em um processo de descentralização, quando o governo aboliu as quatorze prefeituras anteriores. Cada região é encabeçada por um governador designado pela presidência. Os prefeitos administram os 61 departamentos dentro das regiões. Por sua vez, os departamentos se subdividem em duzentas prefeituras, os quais se dividem em 446 cantões.[54] [55] Os cantões estão preparados para serem recomeçados por communautés rurales, porém o marco jurídico e regulamentar não tem sido completado.[56] A constituição prevê um governo descentralizado para alertar às populações locais sobre o desempenho de um papel ativo em seu próprio desenvolvimento.[57] Com esta finalidade, a constituição declara que cada organização administrativa e territorial seja redigida por assembleias locais eleitas, mas as eleições locais não têm ocorrido em nenhum lugar.[58] e as eleições previstas para 2005 foram prorrogadas várias vezes.[38] As regiões que dividem o Chade são:

  1. Batha
  2. Chari-Baguirmi
  3. Hadjer-Lamis
  4. Wadi Fira
  5. Barh El Gazel
  6. Borkou
  7. Ennedi
  8. Guéra
  9. RKanem
  10. Lac
  11. Logone Ocidental
  1. Logone Oriental
  2. Mandoul
  3. Mayo-Kebbi Este
  4. Mayo-Kebbi Oeste
  5. Moyen-Chari
  6. N'Djamena
  7. Ouaddaï
  8. Salamat
  9. Sila
  10. Tandjilé
  11. Tibesti

Economia e infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Hospital de maternidade no Chade. Ainda que tenha melhorado, a infraestrutura do Chade segue sendo menos desenvolvido que a de seus vizinhos do norte.
Mulheres carregando baldes de água na cabeça, em Mao. O acesso à água potável também é um dos graves problemas enfrentados pela população do Chade.

O Índice de Desenvolvimento Humano da ONU coloca o Chade como o sétimo país mais pobre do mundo, já que 80% da população vive abaixo da linha de pobreza. Seu PIB per capita em 2005 foi estimado em 1 600 dólares.[59] O Chade é membro do Banco dos Estados da África Central, da Comunidade Econômica dos Estados da África Central e da Organização para a Harmonização do Direito Mercantil da África.[60] Sua moeda é o franco CFA. A guerra civil afastou os investidores estrangeiros, que deixaram o Chade entre 1979 e 1982; apenas recentemente têm começado a recuperar a confiança a confiança no futuro econômico do país. Desde 2000 um importante investimento estrangeiro derivado do setor petrolífero começou, o qual deu impulso às perspectivas econômicas.[24] [39]

Mais de 80% da população sobrevive da agricultura de subsistência e garantia para o seu sustento.[24] Os cultivos e a localização dos rebanhos é determinado pelo clima local. Na zona mais austral do território, encontram-se 10% das terras agrícolas mais férteis do país, com cultivos ricos de sorgo e milhete. No Sahel crescem apenas as variedades mais duras do milho, ainda que no sul a quantidade seja menor. Por outro lado, a região do Sahel é ideal para o pastoreio de rebanhos maiores, como cabras, ovelhas, burros e cavalos. Os oásis dispersos pelo Deserto do Saara só produzem dátiles e alguns legumes.[5] Antes do desenvolvimento da indústria petrolífera, quem dominava o mercado de trabalho era a indústria do algodão e representava mais de 80% dos lucros das exportações.[61] O algodão ainda segue sendo a principal atividade exportativa, embora ainda não disponha de cifras exatas. A reabilitação de uma empresa de algodão mais importante do Chade, o Cotontchad, provocou um declínio nos preços do algodão a nível mundial, financiada por França, Países Baixos, União Europeia e Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento, onde se espera que a empresa paraestatal passe para o setor privado.[39]

A ExxonMobil lidera um consórcio entre a Chevron e a Petronas, que investiram 3,7 milhões de dólares na exportação das reservas de petróleo no sul do Chade, estimadas em milhões de barris. A produção de petróleo começou em 2003 com a realização de um oleoduto (financiado em parte pelo Banco Mundial), que une milhares de jazidas da região sul a terminais da costa atlântica de Camarões. Como condição à sua assistência, o Banco Mundial insistiu que 80% dos investimentos de petróleo foram gastos em projetos de desenvolvimento humano. Em janeiro de 2006, o Banco Mundial suspendeu seu projeto de empréstimos quando o governo do Chade aprovou leis para reduzir os investimentos feitos por esses programas.[39] [58] Em 14 de julho de 2006, BAnco Mundial e Chade firmaram um estudo de entendimento em virtude do qual o governo chadiano se comprometeu a outorgar 70% de seus investimentos em programas que visam a redução a pobreza.[62]

Ponte sobre o Rio Bragoto.

A guerra civil parou o desenvolvimento na infraestrutura do transporte. No Chade, só existiam trinta quilômetros de estradas pavimentadas em 1987. Projetos posteriores de reabilitação ampliaram a rede[63] para 550 quilômetros em 2004.[64] Porém, a rede de transportes ainda é limitada, já que ainda não pode ser utilizada durante vários meses do ano. Sem nenhuma ferrovia, o Chade depende fortemente do sistema ferroviário de Camarões para o transporte de suas exportações e importações até e desde o porto de Duala.[65]

Existe um aeroporto internacional, localizado na capital, que oferece voos diretos regulares a Paris e a várias cidades africanas. O sistema de telecomunicações é simples e caro. O serviço de telefonia fixa proporciona a companhia telefônica de estado SotelTchad. Existem apenas quatorze mil linhas telefônicas fixas no Chade, um dos mais baixos índices de densidade de linhas telefônicas do mundo. O setor energético chadiano sofreu durante vários anos uma má gestão da empresa paraestatal "Sociedade de Energia e Água do Chade" (STEE), que fornece energia para apenas 15% dos chadianos que vivem na capital e cobre uma demanda de apenas 1,5% da população nacional,[66] o que obriga muitos chadianos a usarem combustíveis, como esterco animal e madeira.[67]

A educação enfrenta restos consideráveis devido à dispersão da população do país e a um certo grau de renúncia por parte dos pais a enviar seus filhos à escola. Ainda que a assistência seja obrigatória, apenas 68% das crianças frequentam o ensino primário e mais da metade da população é analfabeta. A educação superior é distribuída na Universidade de N'Djamena.[26] [39] Muitas cidades chadianas também enfrentam graves dificuldades quando à infraestrutura municipal: apenas 48% dos residentes urbanos têm acesso à água potável e apenas 2% a condições de saneamento básico.[26] [56]

A audiência televisiva no país é limitada à capital, N'Djamena. A única emissora de televisão no país é a TeleTchad. O rádio tem um alcance muito maior, com três estações de rádio privadas. OS jornais estão limitados em quantidade e distribuição e as cifras de circulação são muito pequenas devido aos custos com transporte, baixas taxas de alfabetização e pobreza.[67] [68] Enquanto a Constituição defende a liberdade de expressão, o governo tem restringido regularmente este direito e no final de 2006 começou uma censura prévia sobre os meios de comunicação.[68]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Feriados nacionais[66]
Data Nome em português
1º de janeiro Ano-Novo
1º de maio Dia do Trabalho
25 de maio Dia da Liberdade Africana
11 de agosto Dia da Independência
1º de novembro Dia de Todos os Santos
28 de novembro Festa da República
1º de dezembro Dia da liberdade e democracia
25 de dezembro Natal

Devido à sua grande variedade de idiomas e povos, o Chade possui um rico patrimônio cultural. O governo do Chade tem promovido ativamente sua cultura e tradições orais, abrindo o Museu Nacional do Chade e o Centro Cultural do Chade.[26] Ao longo dos anos os chadianos celebram seis festas nacionais e duas festas móveis que incluem a festividade cristã da Segunda-feira de Páscoa e as festividades muçulmanas de Eid ul-Fitr, Eid al-Adha e Eid Milad Nnabi.[66]

Quanto à música, os chadianos tocam instrumentos como o kinde, um tipo de harpa de arco; o kakaki, instrumento largo feito de estanho; o hu hu, instrumento feito de cordas que usam cabaças de alta-voz. Outros instrumentos e combinações estão vinculados a grupos étnicos específicos: os sara preferem assovios, harpas, tambores kodjo; enquanto os Kanembu combinam sons de tambores conm instrumentos de sopro.[69]

Comércio chadiano de trajes típicos.

Em 1964, foi formado o grupo musical Chari Jazz, que se tornou palco da música moderna no Chade. Mais trade, grupos com mais reputação, como African Melody e International Challal tentaram unir a modernidade e a tradução em suas músicas. Grupos populares, como o "Tibesti", têm-se expandido com maior rapidez à sua herança cultural ao interpretar a música Sai, estilo tradicional do sul do Chade. O povo chadiano tem desprezado de forma habitual a música moderna. Desde 1995, foi despertado um maior interesse nela e estimulado a distribuição de CDs e videocassetes de áudio de artistas chadianos. A pirataria e a falta de garantias jurídicas para os direitos dos artistas segue sendo problemas para o desenvolvimento da indústria musical no Chade.[69]

O millet é o principal prato típico do Chade. É usado para fazer bolos de massa que submergem em diversas salsas. No norte, este prato é conhecido como alsyh e, no sul, como biya. O pescado também é popular, que é geralmente preparado e vendido como salanga (Hydrocynus e Alestes secados ao sol e ligeiramente defumados) ou como banda (maiores e defumados).[70] O carcagem é uma bebida doce muito popular no país, extraída a partir de folhas do hibisco. Entretanto, as bebidas alcoólicas, ausentes na região norte, são muito populares no sul, onde as pessoas bebem cerveja feita com espécies do milho, conhecida como billi-billi, feita a partir do milho vermelho e coshate quando é feita a partir do milho branco.[69]

Assim como em outros países do Sahel, o Chade padece de uma seca econômica, política e espiritual que afetou os escritores mais conhecidos. Os autores chadianos foram obrigados a escrever no exílio, contribuindo com obras muito ligadas a certos temas, como a opressão política e o discurso histórico. Desde 1962, vinte autores chadianos escreveram mais de sessenta obras de ficção científica. Entre os escritores mais reconhecidos internacionalmente encontram-se Joseph Brahim Seïd, Baba Moustapha, Antoine Bangui e Koulsy Lamko. Em 2003, o único grupo crítico literário, Ahmat Taboye, publicou seu livro Anthologie de la littérature tchadienne para mostrar um maior conhecimento da literatura do Chade a nível mundial e entre os jovens; e para compensar as faltas de editoriais e campanhas de promoção de leitura no Chade.[69] [71]

O desenvolvimento da indústria cinematográfica no Chade sofreu diversos efeitos com a guerra civil e a falta de cinemas em todo país. A primeira longa-metragem criada no Chade foi Bye Bye Africa, realizado em 1999 por Mahamat Saleh Haroun. Seu filme posterior, Abouna, foi duramente recebido com críticas; e sua obra Daratt ganhou um prêmio especial do jurado no Festival de Veneza em 2006. Issa Serge Coelo dirigiu outros filmes no Chade: Daresalam e DP75: cidade de Tartina.[72] [73]

O esporte mais popular no Chade é o futebol.[74] A Seleção Chadiana de Futebol é seguida de competições internacionais,[69] incluindo alguns futebolistas da equipe francesa. O basquete e a luta livre são outros dos esportes mais praticados no país.[69]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Portal da Língua Portuguesa, Dicionário de Gentílicos e Topónimos do Chade
  2. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Relatório de Desenvolvimento Humano 2013 – Ascensão do Sul: progresso humano num mundo diversificado (14 de março de 2013). Página visitada em 15 de março de 2013.
  3. Decalo, pág. 53
  4. Decalo, pp. 44-45
  5. a b c d e f g h Thomas Collelo (1990). had: Country Studies - Federal Research Division, Library of Congress (em inglês). A Country Study: Chad. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  6. Dierk Lange (1998). The Chad region as a crossroads. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  7. Decalo, pág. 6
  8. Decalo, pp. 7-8
  9. Decalo, pp. 8 e 309
  10. Decalo, pp. 8-9
  11. Decalo, pp. 248-249
  12. Nolutshungu, pág. 17
  13. CHAD: Death of a Dictador - TIME (em inglês). Time.com (1975). Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  14. Decalo, pp. 12-16
  15. Nolutshungu, pág. 268
  16. Nolutshungu, pág. 150
  17. Nolutshungu, pág. 230
  18. a b Nolutshungu, pp. 234-237
  19. Macedo, pp. 133-134
  20. Anistia Internacional (2001). Chad: The Habré Legacy - Amnesty International (em inglês). Amnesty.org. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  21. East y Thomas, pág. 100
  22. Sylvestre Tetchiada (2009). CHALLENGES 2005-2006: Le pétrole au coeur des nouveaux soubresauts au Tchad (em francês). IPS News.net. Arquivado do original em 2006. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  23. BBC (2007). Africa - Chad may face genocide, UN warns (em inglês). BBC News.co.uk. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  24. a b c d CIA (2009). CIA - The World Factbook -- Chad (em inglês). The World Factbook. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  25. CIA (2009). CIA - The World Factbook -- Country Comparison::Area (em inglês). The World Factbook. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  26. a b c d e f g h i j "Chad". Encyclopædia Britannica. (2000). Chicago: Encyclopædia Britannica, Inc.
  27. a b c d HRI (1997). United Nations Human Rights Website - Core Document - Chad (em inglês). Core Document Forming Part Of The Reports Of States Parties. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  28. Botha, D.J.J. (dezembro de 1992); "S.H. Frankel: Reminiscences of an Economist", The South African Journal of Economics 60 (4): 246–255.
  29. Encyclopædia Britannica (em inglês). Encyclopædia Britannica online. Página visitada em 19 de setembro de 2009.
  30. Dinar, pág. 57
  31. Emi Koussi (em inglês). Peakware. Página visitada em 10 de dezembro de 2010.
  32. Decalo, pág. 3
  33. Chapelle, pp. 10-16
  34. ONU (2009). World Population Prospects: The 2008 Revision Population Database (em inglês). UN.org. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  35. UNHCR (2007). Déplacés internes au Tchad (em inglês). Relief Web.int. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  36. Chad: Humanitarian Profile - 2006/2007 (em inglês). Relief Web.int (2007). Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  37. Reproductive Rights (2003). Chad (em inglês). Women of the World: Laws and Policies Affecting Their Reproductive Lives - Francophone Africa. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  38. a b c U.S. Departament of State (2007). African Economy Outlook 2007 (em inglês). State.gov. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  39. a b c d e f g h i U.S. Departament of S (2009). Chad (07/09) (em inglês). State.gov. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  40. U.S. Departament of State (2006). Chad (em inglês). State.gov. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  41. U.S. Departament of State (2006). Chad (em inglês). State.gov. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  42. a b BBC (2005). Africa - Chad votes to end two-termin limit (em inglês). BBC News.co.uk. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  43. a b DESA (2004). Republic of Chad - Public Administration Country Profile (em inglês). UN.org. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  44. BBC (2005). Bussiness - Worst corruption offenders named (em inglês). BBC News.co.uk. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  45. Transparency International (2006). Corruption Perceptions Index 2006 (em inglês). Transparency.org. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  46. Transparency International (2007). Corruptions Perceptions Index 2007 (em inglês). Transparency.org. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  47. Stephanie Hancock (2006). Africa - 'Isolated' Deby clings to power (em inglês). BBC News.co.uk. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  48. Anistia Internacional (2005). Chad - Amnesty International (em inglês). Amnesty.org. Arquivado do original em 2007. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  49. Freedom House (2006). Freedom of the press - Chad. Freedom House.org. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  50. BBC (2006). Africa - Chad leader's victory confirmed (em inglês). BBC News.co.uk. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  51. Adam Wolfe (2006). PINR - Instability on the March in Sudan, Chad and Central African Republic (em inglês). PINR. Arquivado do original em 2007. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  52. BBC (2006). Africa - Chad's vulnerable president (em inglês). BBC News.oc.uk. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  53. Ordonnance n° 002/PR/08 portant restructuration de certaines collectivités territoriales décentralisées
  54. U.S. Departament of State (2005). Chad (em inglês). State.gov. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  55. Tabo Symphorien Ndang (2005). A qui Profitent les Dépenses Sociales au Tchad? (em francês). Arquivado do original em 2008. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  56. a b Banco Mundial (2002). Chad - Community Based Integrated Ecosystem Management Project (em inglês). World Bank.org. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  57. Djimrangar Dandnaji (2000). Tchad: Sommaire (em francês). UNESCO.org. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  58. a b OCDE (2007). African Economy Outlook 2007 (em inglês). OCDE.org. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  59. CIA (2010). Mapa Comparativo entre Países > Produto Interno Bruto (PIB) per capita - África. Página visitada em 23 de dezembro de 2010.
  60. OHADA (2009). OHADA.com - Le protail du droit des affeires en Afrique (em francês). Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  61. Decalo, pág. 11
  62. Banco Mundial (2006). News & Broadcast - World Bank, Govt. of Chad Sign Memorandum of Understanding on Poverty Reduction (em inglês). World Bank.org. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  63. Human Development (1997). Chad Poverty Assessment: Constraints to Rural Development (em inglês). World Bank.org. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  64. Délégation de la Comission Européenne au Tchad (2004). Lettre d'information (em inglês). Arquivado do original em 2007. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  65. A. Chowdhury y S. Erdenbileg (2006). Geography Against Develpoment (em inglês). UN.org. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  66. a b c Spera, Vincent (2005). Chad Country Commercial Guide -- FY 2005 (em inglês). Arquivado do original em 2007. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  67. a b Energy Information Administration (2007). Chad and Cameroon (em inglês). Country Analisis Brief. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  68. a b IPI (2006). World Press Fredom Review 2006 - Chad (em inglês). Free Media.at. Arquivado do original em 2007. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  69. a b c d e f Usha George (2001). Chad: A Cultural Profile (em inglês). Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  70. FAO (1972). Symposium on the evaluation of fishery resources in the development and management of inland fisheries (em inglês). FAO.org. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  71. D. Boyd-Buggs & J. Hope Scott, Camel Tracks, 12, 132, 135
  72. Neil Young (2002). Neil Young's Film Lounge - interview with Mahamet-Saleh Haroun (em inglês). Jigsaw Lounge. Página visitada em 4 de setembro de 2009.
  73. BBC (2006). Entertainment - Mirren crowned 'queen' at Venice (em inglês). BBC News.co.uk. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  74. FIFA (2006). FIFA.com - Chad: FIFA Goal Programme (em inglês). FIFA.com. Página visitada em 4 de setembro de 2009.

Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • BBC (2007). Africa - Chad may face genocide, UN warns (em inglês). BBC News.co.uk. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  • Boyd-Buggs, Debra y Joyce Hope Scott (1999); Camel Tracks: Critical Perspectives on Sahelian Literatures. Lawrenceville: Africa World. ISBN 0-86543-757-2
  • CIA (2009). CIA - The World Factbook -- Chad (em inglês). The World Factbook. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  • "Chad". Encyclopædia Britannica. (2000). Chicago: Encyclopædia Britannica, Inc.
  • Banco Mundial (2004). Chad Urban Development Proyect (em inglês). World Bank.org. Página visitada em 3 de setembro de 2009.
  • Chapelle, Jean (1981); Le Peuple Tchadien: ses racines et sa vie quotidienne. París: L'Harmattan. ISBN 2-85802-169-4
  • Decalo, Samuel (1987); Historical Dictionary of Chad, 2 ed. Metuchen: The Scarecrow Press. ISBN 0-8108-1937-6
  • East, Roger y Richard J. Thomas (2003); Profiles of People in Power: The World's Government Leaders. Routledge. ISBN 1-85743-126-X
  • Dinar, Ariel (1995); Restoring and Protecting the World's Lakes and Reservoirs. World Bank Publications. ISBN 0-8213-3321-6
  • Macedo, Stephen (2006); Universal Jurisdiction: National Courts and the Prosecution of Serious Crimes Under International Law. Universidad de Pensilvania Press. ISBN 0-8122-1950-3
  • Nolutshungu, Sam C. (1995); Limits of Anarchy: Intervention and State Formation in Chad. Charlottesville: Universidad de Virginia Press. ISBN 0-8139-1628-3
  • Pollack, Kenneth M. (2002); Arabs at War: Military Effectiveness, 1948–1991. Lincoln: Universidad de Nebraska Press. ISBN 0-8032-3733-2
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Chad», especificamente desta versão.
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em espanhol, cujo título é «Chad», especificamente desta versão.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Chade
Governamentais
Outras


Bandeira do Chade Chade
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens
Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.