Eritreia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hagere Ertra
Estado da Eritreia
Bandeira da Eritreia
Brasão das Armas da Eritreia
Bandeira Brasão de Armas
Hino nacional: Ertra, Ertra, Ertra
Eritreia, Eritreia, Eritreia
Gentílico: Eritreu (eia)

Localização de {{{nome_pt}}}

Capital Asmara
Língua oficial nenhuma em nível oficial, sendo as mais usadas: italiana, árabe, tigrínio e inglês
Governo Governo provisório
 - Presidente Isaias Afewerki
Independência da Etiópia 
 - Declarada 24 de maio de 1993 
Área  
 - Total 121.320 km² km² (98.º)
 Fronteira Sudão, Etiópia e Jibuti
População  
 - Estimativa de 2009 5 073 000[1] hab. (37.º)
 - Censo 2008 5 291 370 hab. 
 - Densidade 37 hab./km² (118.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2008
 - Total US$ 3 743 bilhões (155.º)
 - Per capita US$ 747 (173.º)
IDH (2013) 0,381 (182.º) – baixo[2]
Moeda Nakfa (ERN)
Fuso horário TAF (UTC+3)
Org. internacionais BM, FMI, Flag of the United Nations.svg ONU, UA
Cód. ISO ERI
Cód. Internet .er
Cód. telef. +291
Website governamental http://www.shabait.com

Mapa de {{{nome_pt}}}

¹Línguas de trabalho: tigrínio, árabe, italiana e inglês

A Eritreia (em ge'ez: ኤርትራʾ, transl. Ertrā; em árabe: إرتريا, em Italiana Eritrea, transl. Eritrèa), oficialmente Estado da Eritreia, é um país localizado no Chifre da África. A Eritreia faz fronteira com o Sudão a oeste, a Etiópia ao sul, e Djibouti ao sudeste. O leste e nordeste do país têm um litoral banhado pelo Mar Vermelho, tendo contato direto com a Arábia Saudita e Iémen. O arquipélago Dahlak e as ilhas Hanish são parte da Eritreia. Seu tamanho é de cerca de 118.000 km², com uma população estimada em cerca de 5 milhões de habitantes. A capital é Asmara.

A história da terra onde, hoje em dia, localiza-se a Eritreia, é associada aos seus quase 1.000 km de litoral pelo Mar Vermelho. Do outro lado do mar, vieram vários invasores (e colonizadores), como os árabes sauditas vindo da área que hoje em dia corresponde ao Iémen, os turco-otomanos, os Portugueses de Goa - (Índia), os egípcios, os britânicos e, no século XIX, os italianos. Ao longo dos séculos, invasores também vieram dos países vizinhos da África, como os etíopes do sul e os sudaneses pelo oeste. No entanto, o local foi altamente afetado pelos invasores italianos no século XIX.

Na era da corrida das potências europeias para a África e as tentativas de estabelecer uma base de reabastecimento para seus navios após a abertura do canal de Suez (1869), a Itália invadiu a Eritreia e a ocupou. Em 1º de janeiro de 1890, a Eritreia tornou-se oficialmente uma colônia da Itália. Em 1936, ela tornou-se uma província da África Oriental Italiana, junto com a Etiópia e a Somália Italiana. As forças armadas britânicas repeliram as forças armadas italianas em 1941[3] e tomaram a administração do pais, que havia sido criado pelos italianos, para si. Os britânicos continuaram a administrar o território sob um mandato da ONU até 1951, quando a Eritreia foi unida à Etiópia pela resolução da ONU 390(A), sob o impulso dos Estados Unidos, adotado em dezembro de 1950; a resolução foi aprovada após um referendo para consultar a população da Eritreia.

A importância estratégica da Eritreia, que existe devido ao seu litoral banhado pelo Mar Vermelho e recursos minerais foram a principal causa para a união com a Etiópia, o que foi o primeiro passo na anexação da Eritreia como sua 14ª província em 1962, apesar de muitas outras nações optarem pela independência da Eritreia. Este foi o culminar de um processo gradual de aquisição por parte das autoridades etíopes, um processo que incluiu em edital em 1959, estabelecendo o ensino obrigatório da língua amárica, a principal língua da Etiópia, em todas as escolas eritreias. A falta de respeito para com a população da Eritreia levou a um movimento de independência do país, formado no início dos anos 1960, que eclodiu em uma guerra de 30 longos anos contra os governos sucessivos da Etiópia, terminando em 1991. Após um referendo supervisionado pela ONU, na Eritreia, apelidado de UNOVER, no qual a população da Eritreia votou pela independência da Etiópia, vencendo por uma grande maioria, fez com que a Eritreia declarasse oficialmente sua independência e ganhasse reconhecimento absoluto internacional em 24 de maio de 1993.[4]

As línguas predominantes, de facto, são o tigrínia e o árabe, ambos pertencentes ao ramo afro-asiático da família de línguas semitas. O italiano é utilizado por extensão, em conjunto com as duas principais línguas, nos negócios públicos e comerciais. O inglês é usado na comunicação internacional e é a língua de instrução em toda a educação formal a partir do 6° ano.[5]

A Eritreia é um Estado unipartidário - enquanto sua constituição, adotada em 1997, estipula que o Estado é uma república presidencialista com uma democracia parlamentar, isto ainda está para ser implementado. De acordo com o governo,[6] isto ocorre devido ao conflito fronteriço com a Etiópia, que começou em maio de 1998.

História[editar | editar código-fonte]

A Ferrovia da Eritreia foi construída durante o período colonial italiano.

A zona onde fica o Estado moderno da Eritreia tem alguns dos restos mais antigos de humanos e hominídeos no mundo, vestígios dos primeiros dias da nossa espécie. Investigadores Italianos descobriram em 1995 na aldeia de Buya no sudeste do país, o crânio de um hominídeo com mais de 1 milhão de anos, que representa um intermediário do Homo erectus e Homo Sapiens primitivo.[7] Em Setembro de 1999 um grupo internacional de biólogos-marinhos e geólogos descobre na Eritreia a resposta para algumas das questões mais importantes sobre a evolução dos humanos: quando os nossos primeiros antepassados começaram a utilizar ferramentas para a pesca, quando e como migraram os primeiros humanos de África. Foram descobertas na baía de Zula ferramentas de pedra com mais de 125 000 anos enterradas em corais antigos pelas praias do Mar Vermelho.[8] Pinturas rupestres das épocas mesolíticas são abundantes no norte e centro do país que mostram algumas das primeiras sociedades de caçadores-colectores no mundo. A Eritreia também foi o lugar onde evoluiu o elefante conforme o paleontologista dos Estados Unidos William Sanders que encontrou no país o antecedente mais antigo do elefante, num fóssil com cerca de 27 milhões anos.

As primeiras fontes literárias onde são mencionadas estas terras são dos Egípcios de 2500 antes de Cristo e logo mais detalhadamente em 1500 antes de Cristo durante o reino da rainha Hatshepsut. Descrevem um país legendário chamado Punt rico em olíbano e mirra ao longo da costa meridio-occidental do Mar Vermelho. No século VIII antes de Cristo, aparece uma civilização urbana no planalto da Eritreia relacionada com - ou tal vez formada por uma parte do reino antigo de Sabá. Desta sociedade relacionada com os povos semíticos na Arábia meridional surge a civilização de Axum no qual é fundada a maior parte da história e cultura do país. Axum chega a ser o maior centro de poder na região do Mar Vermelho. Produz a sua própria moeda, sistema alfabético, domina as terras e o comércio da toda a região e adopta o cristianismo no século III depois de Cristo. Os europeus deste tempo chamam de Etiópia (o nome dum país mítico e legendário na literatura grega), a todas as terras pelo sul de Egipto sem distinguir entre reinos. É mencionado assim o país Etiópia frequentemente na Bíblia. Por tanto, ao adoptar o cristianismo no reino de Axum, é adoptado também o nome de Etiópia ao reino. O idioma oficial do reino é o Guez já extinto mas utilizado ainda como idioma litúrgico nas igrejas ortodoxa oriental e católica oriental da Eritreia. Na Idade média o reino cristão de Axum (Etiópia) é debilitado pelo surgimento do Islão do outro lado do Mar Vermelho; na Arábia. A costa, o norte e os matos ocidentais da Eritreia são então dominados pelos poderes árabes e logo também pelos turcos ou seja otomanos, enquanto o cristianismo permanece no planalto onde vários reinos e dinastias rivais pretendem afirmar e expandir o seu poder e ao mesmo tempo prevenir a dominação dos vizinhos muçulmanos que conhecem o(s) país(es) como Abissínia. No século XIV o apoio do Reino de Portugal aos cristãos salvou-lhes duma conquista muçulmana apoiada pelos Otomanos.

A Catedral Católica de Asmara, construída pelos italianos, em 1922.

Em 1890 a Itália estabelece a colónia da Eritreia com as fronteiras correntes do país, dando-lhe o antigo nome latino (de origem grega) do Mar Vermelho: Mare Erythraeum. O colonialismo italiano permanece até 1941, quando os italianos perdem a Segunda Guerra Mundial e o Reino Unido passa a administrar a Eritreia como seu protectorado. Devido à pressão das potências ocidentais e a seus interesses na região, a ONU decide 1952 de promover uma federação entre a Eritreia e o Reino da Etiópia. Os Estados Unidos estabelecem uma base militar na capital da Eritreia com a permissão do Imperador Hailé Selassié da Etiópia. Em 1961, o Imperador declara a federação cancelada e faz da Eritreia uma província da Etiópia. Isto marcou o começo da luta de 30 anos pela independência da Eritreia. A luta é dominada nos anos 1960 e 1970 por uma guerilha conservadora e muçulmana chamada FLE (Frente pela Libertação da Eritreia) com o apoio de países árabes contra o monarca cristão e pró-Americano da Etiópia. Em 1974, a Etiópia passa por uma revolução comunista trocando o apoio dos Estados Unidos e do Ocidente pelo da União Soviética e do Oriente. Culmina também o conflito interno entre os grupos eritreus que preferem a guerrilha conservadora muçulmana de FLE por um lado e a nova guerrilha marxista da FLPE (Frente pela Libertação do Povo Eritreu) pelo outro lado, que pretende unir todos os eritreus sem discriminação nem preferência. A maior parte do apoio pelo último grupo vem dos cidadãos eritreus exilados e termina vencendo a luta interna e levando o país à sua independência em 24 de Maio de 1991 (militarmente) recebendo reconhecimento internacional depois de um plebiscito pela ONU em 1993. Com a cooperação de FPLE, uma coligação de guerrilhas da Etiópia conseguem também derrotar o seu governo comunista e reconhecer a independência da Eritreia.

Depois de 5 anos de paz entre Eritreia e Etiópia os dois países entram num novo conflito destrutivo que dura de 1998 até 2000, desta vez por razões fronteiriças. A Corte Permanente de Arbitragem na Haia determina de novo uma interpretação dos acordos muito detalhados e quase centenários datando da época colonial, sobre a fronteira, chegando a uma decisão em Abril de 2002 aceita pela Eritreia mas não aceita pela Etiópia. Portanto a ameaça de guerra ainda persiste e a fronteira é atualmente patrulhada pelos capacetes azuis.

Política[editar | editar código-fonte]

Prédio do governo da Eritreia, em Asmara.

A Eritreia é um Estado autoritário unipartidário, governado pela Frente Popular por Democracia e Justiça (FPDJ).[9] Outros grupos políticos não estão autorizados a se organizar, embora a não-implementada Constituição de 1997 prevê a existência de uma política pluripartidária. A Assembleia Nacional tem 150 assentos, dos quais 75 são ocupados pelo FPDJ. Eleições nacionais têm sido, periodicamente, agendadas e, posteriormente, canceladas; nunca houve eleições no país.[10] Fontes locais independentes de informações políticas nas políticas domésticas eritreias são escassas; em setembro de 2001, o governo encerrou as atividades de todas as empresas privadas da nação; críticos do governo da mídia e da imprensa foram presos e detidos sem julgamento, de acordo com vários observadores internacionais, incluindo a Human Rights Watch e a Anistia Internacional. Em 2004, o Departamento de Estado dos Estados Unidos declarou a Eritreia um País de Preocupações Específicas (PPE) pela sua intensa perseguição religiosa.[11]

Eleições nacionais[editar | editar código-fonte]

As Eleições Nacionais Eritreias foram anunciadas para serem realizadas 1995 e depois adiada até 2001; foi então decidido que porque 20% das terras da Eritreia estava sob ocupação, as eleições seriam adiadas até a resolução do conflito com a Etiópia. No entanto, eleições locais continuaram na Eritreia. As mais recentes eleições locais foram realizadas em maio de 2004. Em outras eleições, o Chefe-do-Estado-Maior, Yemane Ghebremeskel, disse:[12]

Cquote1.svg A comissão eleitoral está a lidar com estas eleições, desta vez de modo que tenha um novo elemento neste processo. A Assembleia Nacional também encarregou a Comissão Eleitoral para definir a data para as eleições nacionais, assim sempre que a comissão eleitoral definir a data, haverá eleições nacionais. Isto não depende das eleições regionais. Cquote2.svg
Yemane Ghebremeskel

Relações exteriores[editar | editar código-fonte]

Embaixada da Eritreia nos Estados Unidos, em Washington D.C..

A Eritreia é membro da União Africana (UA), a organização sucessora da Organização da Unidade Africana (OUA) e é um membro observador da Liga Árabe. Porém o país afastou sua representatividade na UA em protesto à falta de liderança na implementação da demarcação da fronteira entre a Eritreia e a Etiópia. A relação da Eritreia com os Estados Unidos é complicada. Embora as duas nações tenham relações próximas de trabalho na atual guerra contra o terrorismo, tem havido uma crescente tensão em outras áreas. A relação da Eritreia com a Itália e a União Europeia tornou-se igualmente tensa em muitas áreas nos últimos três anos. A Eritreia também tem tensas relações com todos os seus vizinhos: Sudão, Etiópia, Iémen, Somália e Djibouti. Em 2007, a Etiópia expulsou sete diplomatas noruegueses, alegando que: "Os soldados da Eritreia são financiados integralmente pela Noruega. Ao apoiar àqueles que destroem os processos de paz em nosso país vizinho, a Noruega prejudica o trabalho de paz do governo etíope."

A Eritreia quebrou relações diplomáticas com o Sudão em dezembro de 1994. Esta ação foi tomada após um longo período de crescentes tensões entre os dois países, devido a uma série de incidentes transfronteiriços envolvendo o Jihad Islâmico Eritreu (JIE). Embora os ataques não representem um ameaça para a estabilidade do governo da Eritreia (os infiltrados geralmente têm sido mortos ou capturados pelas forças do governo), os eritreus acreditavam que a Frente Islâmica Nacional (FIN) de Cartum, pudesse ajudar, treinar e armar os insurgentes. Após vários meses de negociações com os sudaneses para tentar terminar as incursões, o governo da Eritreia concluiu que o FIN não tinha a intenção de mudar sua política e rompeu relações com o país. Posteriormente, o governo eritreu organizou uma conferência de líderes da oposição do governo do Sudão, em junho de 1995, no esforço de ajudar a oposição a se unir e oferecer uma alternativa credível ao atual governo de Cartum. A Eritreia retomou as relações diplomáticas com o Sudão em 10 de dezembro de 2005.[13] Desde então, o Sudão acusou a Ertireia, junto com Chade, de apoiar os rebeldes.[14]

A fronteira não-delineada com o Sudão representa um problema para as relações exteriores da Eritreia.[15] Uma delegação de alto nível do Ministério de Assuntos Exteriores da Eritreia com o Sudão está sendo normalizada. Enquanto a normalizaação continua, a Eritreia tem sido reconhecida como uma mediadora da paz entre facções separatistas da guerra civil sudanesa. "É sabido que a Eritreia desempenhou um papel de trazer um acordo de paz entre os sudaneses do sul e o Governo]",[16] enquanto o governo sudanês e a Frente Leste têm requisitado a Eritreia para madiar negociações da paz.[17]

Uma disputa com o Iémen sobre as Ilhas Hanish, em 1996, resultou em uma breve guerra. Como parte de um acordo de cessar as hostilidades, as duas nações concordaram em submeter a questão à Corte Permanente de Arbitragem de Haia. Na conclusão do processo, ambas as nações concordaram com a decisão. Desde 1996, os dois governos mantiveram-se desconfiantes um do outro, mas as relações estão sendo relativamente normais.[18]

A fronteira não-delineada com a Etiópia é a questão externa principal da Eritreia. Isto levou a uma longa e sangrenta guerra fronteiriça, que decorreu de 1998 a 2000. Como resultado, a Missão das Nações Unidas na Etiópia e na Eritreia (MNAEE) ocupa uma área de 25 km por 900 km na fronteira para ajudar a establiziar a região.[19] Desentendimentos após a guerra resultaram em um impasse pontuado por períodos de tensão elevada e novas ameaças de guerra.[20] [21] [22] [23] Em abril de 2002, a Etiópia e a Eritreia assinaram o Acordo de Argel, no qual eles concordaram em haver uma fronteira comum, elaborada por uma comissão independente, em Haia, sob os auspícios da Organização das Nações Unidas.

O que ainda faz com que haja um impasse entre a Eritreia e a Etiópia é o fracasso do segundo em respeitar a decisão de delimitação de fronteiras e renegar o seu compromisso de demarcação. O impasse levou o presidente da Eritreia a pedir urgência à ONU e tomar medidas sobre a Etiópia. Este pedido é descrito nas Onze Cartas enviadas ao Presidente do Conselho de Segurança das Nações Unidas. A situação é ainda piorada pelo esforço contínuo dos líderes da Eritreia e da Etiópia de apoiar a oposição de seu país rival.

A União Africana exigiu a aplicação de sanções sobre a Eritreia, acusando o país de apoiar os insurgentes na Somália.[24]

Um túnel de trem no Planalto da Eritreia.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A Eritreia é dividia em seis regiões (zobas) e subdividida em distritos (sub-zobas). A extensão geográfica das regiões é baseada em suas respectivas propriedades hidrológicas. Por parte do governo da Eritreia, há duas intenções nisto: proporcionar a cada administração um controle suficiente sobre a sua capacidade agrícola, e eliminar os conflitos históricos intra-regionais.

Eritrea regions numbered.png
Região Capital Área População
(est. 2005)
1 Anseba Keren 23 200 549 000
2 Maekel Asmara 1 300 675 700
3 Gash-Barka Barentu 33 200 708 800
4 Semien-Keih-Bahri Massaua 27 800 635 300
5 Debub Mendefera 8 000 952 100
6 Debub-Keih-Bahri Assab 27 600 83 500

Geografia[editar | editar código-fonte]

Terras altas da Eritreia.

A Eritreia situa-se no Corno de África, e tem litoral a nordeste e o Mar Vermelho ao leste. O país é virtualmente dividido em duas partes por uma das cordilheiras mais longas do mundo, o Grande Vale do Rift, com terras férteis a oeste e a parte baixa e desértica no leste. Ao largo da linha costeira arenosa e árida situam-se as ilhas Arquipélago Dahlak, um arquipélago dotado de zonas pesqueiras. A terra para sul, nas terras altas, é um pouco menos seca e mais fresca. A Eritreia, ao extremo sul do Mar Vermelho, é o berço da confluência do Rift.

O Triângulo de Afar é a provável posição de uma ligação tripla onde três placas tectônicas estão separando uma de outra: a Placa Arábica, e as duas partes da Placa Africana (a Núbia e a Somali) partindo ao longo da Zona do Rift do Leste Africano (USGS). O ponto mais elevado do país, o monte Emba Soira, situa-se no centro da Eritreia e atinge 3018 m de altitude. Em 2006 a Eritreia anunciou que se tornaria o primeiro país a transformar o seu litoral inteiro numa zona ambientalmente protegida. A linha costeira de 1347 km, junto com outros 1 946 km de litoral ao redor das suas mais de 350 ilhas, estarão sob proteção governamental. A Eritreia tem 4 principais regiões fisiográficas: a planície costeira do mar Vermelho; o planalto centro-sul, que forma o núcleo do país; as colinas das áreas norte e centro-oeste; e os amplos planaltos ocidentais.

A costa do Mar Vermelho estende-se por mais de 1000 km, e é dessa água que deriva o nome do país (erythrós, em grego é "vermelho"). A oeste, a planície costeira eleva-se subitamente para o planalto, onde as altitudes vão de 1 830 a 2 440 metros acima do nível do mar e a pluviosidade é significativamente maior que no litoral. As terras das colinas ao norte e oeste do centro do planalto vão de 760 a 1 370 m acima do nível do mar, e geralmente recebem menos chuva do que o planalto. As amplas planícies ficam a oeste do rio Barka e ao norte do rio Setit. As cidades principais são a capital, Asmara, a cidade portuária de Assab a sudeste, e as cidades de Maçuá e Keren.

Relevo e clima[editar | editar código-fonte]

Perspectiva da depressão de Afar e arredores, gerada por um programa em landsat sobre um modelo digital de elevação.

O território da Eritreia é constituído de um trecho setentrional do maciço da Etiópia, ladeado por baixadas a leste e a oeste. A planície oriental, de 16 a 80 km de largura, abrange a depressão de Danakil e é marcadamente delimitada por uma escarpa do maciço. No lado oeste, cortado por gargantas formadas pelos rios que correm ao direção ao Sudão, a altitude diminui gradualmente a partir do maciço. As condições climáticas variam bastante até mesmo entre regiões próximas. Mitsiwa, acima do nível do mar, tem temperatura média anual de 30 °C e precipitação pluviométrica anual de 200mm, enquanto Asmara, situada a apenas 65 km de distância, mas a uma altitude de 2 325 m, registra 17 °C e 533 mm.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Os principais rios da Eritreia são o Anseba e Barka que correm em direção ao norte; os rios Gash e Tekezé, na fronteira com a Etiópia, correm em direção a oeste dentro do Sudão. O curso superior do rio Gash é conhecido como o rio Mereb. Estes rios são temporários e não permanentes. Eles não correm em uma base regular, mas alimentado por chuvas estacionais chamadas azmera y kremti.

Flora e fauna[editar | editar código-fonte]

Casas na região Gash-Barka da Eritreia.

O território eritreu é revestido por três tipos de formações vegetais:

Embora a girafa e o mandril sejam extintos na Eritreia, há populações de leão, leopardo, zebra, as espécies de macaco, gazela, antílope e elefante. As áreas litorâneas abrigam muitas espécies de tartaruga, lagosta e camarão. A vida vegetal inclui acácia, cacto, aloe vera, opuntia e oliveiras.

A Eritreia, antigamente, tinha uma larga população de elefantes. Os Reinos ptolemaicos do Egito usavam o país como fonte de elefantes de guerra no terceiro século a.C.. Entre 1955 e 2001 não foram relatados vistos de manadas de elefantes, e muitos acham que os elefantes tenham sido vítimas da guerra de independência. Em dezembro de 2001 uma manada de cerca de 30 elefantes, incluindo 10 filhotes, foi observada nas proximidades do rio Gash. Os elefantes formaram uma relação simbiótica com babuíno-anubis. É estimado que haja cerca de 100 elefantes vivendo na Eritreia, os mais setentrionais dos elefantes da África Oriental.[25] O Cão-Caçador-Africano, espécie ameaçada de extinção foi encontrado na Eritreia, mas hoje em dia é considerado extinto em todo o país.[26]

Em 2006, o país anunciou que se tornaria o primeiro a transformar seu litoral numa zona ambientalmente protegida. A linha costeira de 1 347 km, junto com outros 1 946 km de litoral ao redor de suas ilhas, estarão sob proteção governamental.

Economia[editar | editar código-fonte]

Homens e mulheres eritreus em Agordat.

Como as economias de muitas outras nações africanas, a economia da Eritreia é largamente baseada na agricultura de subsistência, com 80% da população trabalhando na agricultura ou na pecuária. As secas que invadem a região criaram muitas dificuldades nas áreas agrícolas.[27]

A Guerra Etíope-Eritreia afetou severamente a economia do país. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), em 1999, caiu em menos de 1%, e o PIB total diminuiu 8,2% em 2000. Em maio de 2000, a ofensiva etíope na região sul da Eritreia causou danos materiais e perdas de mais de US$ 600 milhões, incluindo perdas de US$ 225 milhões na pecuária e no aparo de 55 000 casas. O ataque impediu o plantio de culturas na região mais produtiva da Eritreia, causando uma queda na produção de alimentos em 62%.[28] [29]

Mesmo durante a guerra, a Eritreia desenvolveu sua infra-estrutura de transporte, asfaltando novas estradas, melhorando seus portos, e reparanda as rodovias e pontes danificadas pela guerra, como parte do Programa de Warsay Yika'alo. O mais significante desses projetos foi a construção de uma estrada costeira de mais de 500 km, ligando Massawa com Asseb, bem como a reabilitação da Ferrovia da Eritreia. A linha férrea hoje funciona entre o porto de Massawa e da capital Asmara.

O futuro econômico da Eritreia permanece misto. A cessação do comércio com a Etiópia, que principalmente usava os portos eritreus antes da guerra, deixa Eritreia com um grande buraco econômico para preencher. O futuro econômico da Eritreia depende da sua capacidade de dominar problemas sociais como o analfabetismo e baixos níveis de proficiência.

Em 6 de maio de 2008, a Eritreia tornou-se o local no mundo onde o combustível é o mais caro. Cada galão custa US$ 9,58, a gasolina é US$ 0,85, custando um galão a mais do que o segundo país mais caro, a Noruega.[30]

Agricultura, Silvicultura e Pesca[editar | editar código-fonte]

Em 2003, a agricultura empregava quase 80% da população, mas contava em apenas 12,4% do produto interno bruto (PIB) da Eritreia. O setor agropecuário é dificultado pela ausência de equipamentos e técnicas agrícolas modernas, chuvas irregulares, solos esgotados, e falta de serviços financeiros e investimento. Os princpais produtos agrícolas são: a cevada, feijões e lintéis, produtos lácteos, carne, milho, couro, sorgo, teff, e trigo. O deslocamento de 1 milhão de eritreus como resultado da guerra com a Etiópia, múltiplos anos em seca, e a presença generalizada de minas terrestres têm desempenhado um papel importante no declínio da produtividade do setor agrícola. Atualmente, quase um quarto das terras mais produtivas do país permanece desocupada por causa efeitos nefastos da guerra com a Etiópia (1998-2000). Em 2005, a produção nacional de alimentos deve fornecer menos de 20% da demanda interna e estima-se que haverá entre 1,7 e 2,2 milhões de pessoas dependentes da ajuda humanitária para atender às necessidades alimentares básicas.[31]

Embora a silvicultura não seja uma atividade econômica significante na Eritreia, as florestas cobrem 1 585 000 hectares (3 916 000 acres) de sua área, o equivalente a 13,5% do total da área terrestre do país. A produção total de toras em 2004 ocupou um espaço de 1 266 000 m³, quase todas elas destinadas à produção de combustíveis. Desde 1993, o exército da Frente de Libertação Popular da Ertireia esteve envolvido no plantio arbóreo; a taxa média anual de desflorestação, durante a década de 1990, foi de 0,3 %.

Dados fiáveis da extensão e do valor da indústria pesqueira na Eritreia são difíceis de se obter. No entanto, o longo litoral da Eritreia claramente oferece oportunidade para uma expansão singificativa da indústria da pesca. A Eritreia exporta peixes e pepinos do mar do Mar Vermelho para mercados europeus e asiáticos, e há esperança da construção de um novo aeroporto de capacidade para jatos em Massawa, bem como a reabilitação de portos, o que apoiaria o aumento das exportações de mariscos de alto valor. Em 2002, as exportações chegaram a cerca de 14 000 tons, porém o maior rendimento estável é estimado a ser, no futuro, de 80 000 tons. Investidores italianos e neerlandeses construíram uma fábrica de processamento de pescados em 1998 que agora exporta 150 tons de peixes congelados a cada mês para o Reino Unido, Alemanha, e o Países Baixos. As tensões com o Iémen sobre direitos de pesca no Mar Vermelho e as difíceis relações da Eritreia com outras nações pode dificultar ainda mais o desenvolvimento da indústria.[31]

Mineração[editar | editar código-fonte]

Os depósitos minerais substanciais da Eritreia são largamente inexplorados, como consequência da guerra com a Etiópia. De acordo com o governo eritreu, a mineração artesanal, em 1998, coletou 573,4 km de ouro. É estimado que a Eritreia tenha 14 000 km do total de reservas de ouro. Observadores ocidentais também notaram o excelente potêncial do país para a extração de mármore e granito. Em 2001, 10 companhias de mineração (incluindo firmas canadenses e sul-africanas) obtiveram licenças de explorar diversos minerais na Eritreia. O governo ertireu está em um processo de realização de um levantamento geológico para utilizar investidores com potencial no setor da mineração. A presença de centenas de milhares de minas terrestres na Eritreia, especialmente ao longo da fronteira com a Etiópia, representa um sério obstáculo ao futuro do desenvolvimento do setor mineralógico.[31]

Indústria e fábricas[editar | editar código-fonte]

O edifício Fiat Tagliero, em Asmara, uma estação de serviços da empresa italiana FIAT, de estilo futurista, concluída em 1938.

A Etiópia nacionalizou as 42 maiores fábricas da Eritreia e, sistematicamente, desmantelou o setor industrial eritreu durante a longa guerra civil. No final da guerra, no entanto, toda a produção parou. A plantação foi, geralmente, ineficiente, e muitas dessas indústrias requeriam investimentos significantes para atingir a produtividade. Itens manufaturados em 2002 incluem: bebidas, alimentos processados, tabaco, couro, tecidos, produtos metálicos, químicos, imprensa, minerais não-metálicos, materiais de construção, sal, papel, e fósforos. O governo solicitou a privatização destas empresas, e fez incentivos, tais como isenções de imposto de renda, tratamento preferencial na concessão de divisas para as importações, e provisões para remessa de divisas ao exterior. Em 2002, houve aproximadamente 2 000 companhias manufatureiras operando no país.

A indústria petrolífera tem potencial, com os maiores depósitos de petróleo situados debaixo do Mar Vermelho. Em 2001, a companhia norte-americana CMS Energy assinou um acordo de exploração com a Eritreia, pela exploração no Bloco Dismin, na parte nordeste do país. Devido aos elevados custos de exploração, a única refinaria de petróleo do país, em Assab, foi fechada em 1997. Ela tinha uma capacidade de refinar 18 000 barris por dia. A indústria de construção civil está crescendo, com projetos que vão desde a construção e ampliação de usinas de energia, estradas, aeroportos, barragens, restauração de portos marítimos, e a construção de escolas e hospitais.

Em 2005, a indústria teve uma participação de 26,3% no PIB eritreu; o setor de serviços foi o maior, com uma participação de 65% na economia; a agricultura foi o setor menos importante (com apenas 8,7% de participação no PIB), mas foi, de longe, a que mais empregou trabalhadores (80% da força de trabalho total do país). Indústrias recentes incluem: processamento de alimentos, vestuário e tecidos, sal, cimento, e reparação de navios comerciais.[31]

Prestação de serviços[editar | editar código-fonte]

A prestação de serviços em 2003 contou em 62,4% do produto interno bruto. Os serviços financeiros, a maior parte do setor de serviços, principalmente, são prestados pelo Banco Nacional da Eritreia (o banco central da nação), do Banco Comercial da Eritreia, O Banco de Habitação e Comércio da Eritreia, o Banco de Agricultura e Indústrial da Eritreia, o Banco de Investimentos e Desenvolvimento da Eritreia, e a Corporação de Seguros da Eritreia, todas maioritariamente próprias do governo e do partido no poder.[31]

Turismo[editar | editar código-fonte]

A pobreza da Eritreia, a presença de um grande número de minas terrestres, e as tensões consínuas entre a Eritreia e os países vizinhos dissuadiram o desenvolvimento de uma indústria turística na Eritreia. De acordo com a Organização Mundial de Turismo, as receitas internacionais do turismo em 2002 no país foram de apenas US$ 73 milhões (comparada a US$ 730 milhões da Tanzânia).[31]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Um casamento na Eritreia

A sociedade eritreia é etnicamente heterogênea. Um censo independente ainda está para ser conduzido, porém o povo tigrínio e o povo tigre, juntos, perfazem cerca de 80% da população. Eles formam a população predominante no pais, os semitas. O resto da população é de grupos afro-asiáticos, como o Saho, Hedareb, Afar, e Bilen. Estes povos são falantes das línguas cuchíticas; há relatos que estes povos sejam os habitantes mais antigos do Chifre da África. Há também um número de povos nilotas, que são representados na Eritreia pelos Kunama e pelos Nara. Cada etnia fala um idioma nativo diferente mas, geramente, muitas das minorias falam mais de um idioma. Há uma minoria de Eritreus Italianos (concentrados em Asmara) e Tigrínios Etíopes. A cidadania, geralmente, é concedida em função do matrimônio ou, mais raramente, conferida pelo próprio Estado.

A nacionalidade mais recente a aparecer na Eritreia é a Rashaida. Os Rashaida vieram para a Eritreia no século XIX[32] da Costa Arábica. Alguns Rashaida casaram-se com os clãs Tigre e Beja, e são geralmente nômades, tendo uma população no país de aproximadamente 61 000, menos de 1% da população. Grupos étnicos com pouca população têm pouca influência na vida na Eritreia.

Idioma[editar | editar código-fonte]

Criança rashaida nas planícies da Eritreia.

Muitos idiomas são falados na Eritreia hoje em dia. Não há um idioma oficial, como tal, a Constituição estabelece a "igualdade de todas os idiomas da Eritreia",[33] porém o tigrínio e o árabe são os dois idiomas predominantes para propósitos oficiais. O italiano e o inglês são também largamente compreendidos.[34] A maioria dos idiomas falados na Eritreia derivam dos ramos semítico e chuchíticos da família afro-asiática. As línguas semíticas na Eritreia são: tigré, tigrínia, a mais nova reconhecida Dahlik e o árabe ( falado nativamente pelos árabes rashaida); estes são os principais idiomas falados, empregados por aproximadamente 80% da população. As línguas cuchíticas na Eritreia são muito numerosas, incluindo as línguas Afar, Beja, Blin, e Saho. Kunama e Nara também são falados no país e pertencem à família linguística nilo-saariana. O inglês é falado pelos eritreus considerados "mais educados" e é um legado da ocupação britânica. O amárico é falado pelos eritreus mais velhos considerados 'educados', antes da independência e aqueles que viveram na Etiópia. O italiano é uma herança dos tempos coloniais.

Educação[editar | editar código-fonte]

A educação da Eritreia é oficialmente obrigatória entre os 7 e 14 anos de idade.[31] Os principais objetivos da política educacional da Eritreia é fornecer a educação básica em cada um dos idiomas do país, bem como produzir uma sociedade que é equipada com as competências necessárias para funcionar com uma cultura de auto-suficiência na economia moderna. A infraestrutura da educação é, atualmente, inadequada para preencher estes requisitos.[31]

Há cinco níveis de educação na Eritreia: pré-primário, primário, médio, secundário, e terciário. Há aproximadamente 238 000 estudantes nos níveis de educação primário, médio e secundário. Há aproximadamente 824 escolas[35] no país e duas universidades, a Universidade de Asmara (UoA) e o Instituto de Tecnologia da Eritreia (ITE), bem como vários colégios menores e escolas técnicas. Os atuais centros de educação terciária na Eritreia incluem: a Faculdade de Biologia Marítima, a Faculdade de Agricultura, a Faculdade de Artes e Ciências Sociais, a Faculdade de Negócios e Economia, a Faculdade de Enfermagem e Tecnologia de Saúde, tanto na ITE quanto na UoA.[36]

O sistema de educação da Eritreia é também feito para promover o setor escolar privado, permitindo acesso igual para todos os grupos sociais (ou seja, evitando a discriminação de gênero, de etnia, de classe, etc.) e promovendo educação contínua através de sistemas formais e informais.

Os obstáculos na educação na Eritreia incluem: tabus tradicionais, propinas (para inscrição e material), e problemas de custo das famílias de baixa renda.[37] Estatísticas sugerem que entre 39 e 57% das crianças em idade escolar frequentam a escola primária e 21% frequentam a escola secundária.[31] Há uma média de 63 estudantes por classe no nível elementar e 97 por classe no nível secundário.[31] As horas de estudo nas escolas são frequentemente inferiores a quatro horas por dia.[31] Défices de competência são presentes em todos os níveis do sistema de educação, e o financiamento para o acesso à educação varia significantemente por sexo (com estimativas de analfabetismo muito maior nas meninas) e por localização.[31] A taxa de analfabetismo da Eritreia é estimada de cerca de 60,5% da população.[31] O Minisitério da Educação planeja estabelecer uma universidade em cada região do país, futuramente.[36]

Religião[editar | editar código-fonte]

Igreja Ortodoxa Enda Mariam, uma Catedral Católico-Romana, e a Mesquita de Al Khulafa Al Rashiudin (no primeiro plano, à esquerda e à direita, respectivamente), na capital Asmara.

A Eritreia tem duas religiões dominantes, o Islã e o Cristianismo, com aproximadamente metade da população seguindo uma das duas religiões. Muitos dos muçulmanos seguem o sunismo Islâmico. Os cristãos consistem primordialmente da Igreja Ortodoxa Eritreia Tewahido, a qual é a igreja oriental ortodoxa local, enquanto grupos consideráveis de católicos romanos (incluidno Eritreus Italianos), protestantes, e outras denominações também existem.

Religião na Eritreia[38]
Religião % aprox.
Islão
  
49,22%
Cristianismo
  
47,26%
Agnosticismo
  
2,86%
Crenças tribais
  
0,62%
Outras
  
0,05%

Desde maio de 2002, o governo da Eritreia oficialmente reconheceu a Igreja Ortdoxa Eritreia Tewahido, o Sunismo Islâmico, o Catolicismo, e a igreja Evangélica Luterana. Todas as outras religiões e denominações estão sujeitos a um processo de registo. Entre outras coisas, o sistema de registo do governo exige que os grupos religiosos enviem informações pessoais sobre seus membros para serem autorizados a seguí-la. As poucas organizações que cumpriram todos os requisitos de registo ainda não receberam reconhecimento oficial.

As Testemunhas de Jeová, a Fé Bahá'í, a Igreja Adventista do Sétimo Dia, e inúmeras outras denominações protestantes não são registradas e não podem prestar culto livremente. Elas foram efetivamente banidas, e foram tomadas medidas contra seus adeptos. Muitos foram presos por meses ou até mesmo anos. 52 estão presos, sendo que três destes são conhecidos por estarem encarcerados desde 1994.[39] Nenhum deles é acusado oficialmente e nem têm acesso ao processo judicial. No relatório de liberdade religiosa de 2006, o Departamento de Estado dos Estados Unidos, pelo terceiro ano consecutivo, nomeou a Eritreia um "País de Preocupação Específica", designando-o como um dos piores violadores dos direitos religiosos do mundo.[40]

Três membros religiosos (Paulos Eyassu, Isaac Mogos, e Negede Teklemariam), objetores de consciência, entre as Testemunhas de Jeová, estão presos já por quase 17 anos por se recusarem a pegar em armas. Visitas, mesmo de familiares, não lhes são permitidas. Duas crianças, de 3 e 4 anos de idade, também estão presas junto com suas mães. Ao todo, desde abril de 2011, 51 ministros religiosos das Testemunhas de Jeová estão presos na Eritreia, incluido o Sr. Misghina Gebretinsae, 62 anos, preso sem nenhuma acusação específica, que morreu sob circunstâncias misteriosas durante sua detenção pelas autoridades. [41]

Há um passado judeu nativo na Eritreia, antes uma comunidade de centenas de pessoas em Asmara, cujos ancestrais atravessaram Aden no século XIX.[42] [43]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Uma Kunama-nilota tradicional posando para uma foto, próximo a Barentu, Zoba Gash-Barka.

A região que hoje se localiza a Eritreia tradicionalmente foi um nexo para o comércio em todo o mundo. Por causa disto, a influência de diversas culturas pode ser vista através da Eritreia. Hoje em dia, as influências mais óbvias na capital, Asmara, são as italianas. Ao longo de Asmara, há pequenos cafés que servem bebidas tradicionais em Itália. Lá, há uma clara concentração da influência colonial italiana com o estilo de vida tradicional tigrínio. Nas aldeias da Eritreia, essas mudanças não são tão evidentes.

Nas cidades, antes da ocupação e durante os primeiros anos, a importação de filmes de Bollywood era comum, enquanto filmes norte-americanos e italianos eram disponíveis nos cinemas do mesmo jeito. Nos anos 1980 e desde a independência, no entanto, filmes norte-americanos tornaram-se mais comuns. Disputando por uma quota do mercado, há filmes de produtores locais, que lentamente fazem crescer a indústria cinematográfica no país. A difusão global da Eri-TV trouxe imagens culturais para a grande população da Eritreia na diáspora que o país frequenta cada verão. Filmes domésticos de sucesso são produzidos pelo governo e estúdios independentes, com receitas das vendas de bilhetes, normalmente, cobrindo os custos da produção.

A vestimenta tradicional da Eritreia é bastante variada, com mulheres de etnicidades das planícies tradicionalmente vestindo com roupas coloridas, enquanto os tigrínios tradicionalmente vestem trajes brilhantes brancos. Nas etnicidades muçulmanas, apenas as mulheres de tribos árabes ou rashaida mantêm uma tradição, cobrindo seus rostos.

Os esportes mais populares no país são: futebol e corrida ciclística. Nos últimos anos, atletas eritreus aumentaram o sucesso no mundo afora.

Praticamente o único no continente africano, há o Tour da Eritreia, cuja primeira corrida foi criada pelos italianos em 1946.[44] O Tour é uma corrida de bicicleta das quentes praias desérticas de Massawa, até a estrada das montanhas, com os vales precipitados e as falésias da capital Asmara. De lá, eles continuam a descer as planícies orientais da zona Gash-Barka, apenas para retornar a Asmara ao sul. Este é, de longe, o esporte mais popular da Eritreia.

Cerimônia do café[editar | editar código-fonte]

Uma das partes mais conhecidas da cultura da Eritreia é a 'cerimônia do café'.[45] O café (em ge'ez ቡን būn) é oferecido a amigos em visita, durante festividades, ou na vida diária. Se o café é potencialmente recusado, a segunda opção é o chá ("shai" ሻይ shahee). O café é fabricado primeiramente torrando o café verde sobre gughin em brasas num braseiro. Uma vez que os grãos são torrados, é dada a cada participante uma oportunidade de provar o fumo aromático. Depois, há a trituração dos grãos, tradicionalmente em um pilão de madeira.

A borra de café é então colocada em uma vasilha especial, chamada jebena e fervida. A jebena é geralmente feita de barro e tem uma base esférica, pescoço, bico e alça, onde o pescoço se conecta com a base. Quando o café ferve através do pescoço, ele é derramado dentro de um outro recipiente para resfriá-lo e, em seguida é colocado de volta para a jebena. Para servir o café da jebena, um filtro feito de crina de cavalo é colocado no bico da jebena para impedir que o café escape.

O prato típico da Eritreia Kitcha fit-fit, com iogurte e temperos por cima.

O anfitrião serve o café para todos os participantes, movendo a jebena inclinada sobre uma bandeja com pequenos copos sem alça (chamados de finjal), sem parar, até que cada copo esteja cheio. Inevitavelmente, um pouco de café cai para fora do copo, mas isso é feito para evitar que a borra de café contamine a fermentação. A primeira rodada de café é chamada awel, a segunda kale'i, e a terceira bereka ('ser abençoado'). A cerimônia de café pode também incluir queima de incenso tradicional, tais como franquincenso ou goma-arábica.

Culinária[editar | editar código-fonte]

A principal comida tradicional da culinária eritreia é o guisado (stew), servido com injera (feitas a partir de teff, trigo, ou sorgo), e hilbet (pasta feita de legumes, principalmente, lentilha, e feijões fava). A culinária ertireia e etíope (especialmente na metade norte dos dois países) são bastante semelhantes, devido a história comum aos dois países.

Os hábitos alimentares da Ertireia variam regionalmente. Nas terras altas, a injera é a dieta básica e comida diária entre os tigrínios. A injera é feita de teff, trigo ou sorgo, e se assemelha a uma esponja, uma panqueca levemente azeda. Ao comer, os convivas geralmente compartilham o alimento em um grande tabuleiro colocado no centro de uma mesa baixa. Inúmeras injeras são colocadas sobre esta bandeja e cobertas com vários guisados picantes.

Os guisados que acompanham a injera são normalmente feitos de carne, frango, ou vegetais. A maioria dos eritreus, exceto os Saho, gostam de sua comida quente e picante. O berbere, uma mistura de temperos que consiste de uma variedade de especiarias e ervas comuns e usuais, acompanha quase todas as refeições. Guisados incluem: zigni, (que é feito de carne), dorho tsebhi, (feito de frango), alicha (feita sem berbere), e shiro (um purê de vários legumes). Devido ao seu passado como colônia italiana, a culinária da Eritreia também apresenta interpretações únicas de pratos clássicos italianos,[46] tais como comidas feitas de massa temperadas com berbere.[47]

Referências

  1. "[1]".
  2. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 3 de agosto de 2014.
  3. Eritrea Regions
  4. Eritrea – The spreading revolution Encyclopædia Britannica Article. Visitado em 2007-10-16.
  5. " Country Profile:EritreaPDF (128 KiB). Library of Congress. Retrieved 18 July 2006
  6. http://www.parade.com/dictators/2008/slideshows/isayas-afewerki/05.html
  7. Abbate, Ernesto; Albianelli, Andrea; Azzaroli, Augusto; Benvenuti, Marco; Tesfamariam, Berhane; Bruni, Piero; Cipriani, Nicola; Clarke, Ronald J.; Ficcarelli, Giovanni; Macchiarelli, Roberto; Napoleone, Giovanni; Papini, Mauro; Rook, Lorenzo; Sagri, Mario; Tecle, Tewelde Medhin; Torre, Danilo; Villa, Igor (4 June 1998). "A one-million-year-old Homo cranium from the Danakil (Afar) Depression of Eritrea". Nature 393: 458-460
  8. http://exn.ca/hominids/outofafrica.cfm
  9. Country profile: Eritrea BBC News (2008-06-17). Visitado em 2008-07-01.
  10. Government - overview World Factbook CIA (2008-07-24). Visitado em 2008-08-06.
  11. 2005 Executive Summary International Religious Freedom Report Bureau of Democracy, Human Rights and Labor (2005-11-08). Visitado em 2008-08-06.
  12. Interview of Mr. Yemane Gebremeskel, Director of the Office of the President of Eritrea PFDJ (2004-04-01). Visitado em 2006-06-07.
  13. Sudan, Eritrea resume severed diplomatic relations. Visitado em 2006-09-04.
  14. Eritrea, Chad accused of aiding Sudan rebels, afrol News, September 7. Retrieved 2009-03-15
  15. Eritrea-Sudan relations plummet BBC (2004-01-15). Visitado em 2006-06-07.
  16. Turabi terms USA "world’s ignoramuses", fears Sudan’s partition Sudan Tribune (2005-11-04). Visitado em 2006-06-07.
  17. Sudan demands Eritrean mediation with eastern Sudan rebels Sudan Tribune (2006-04-18). Visitado em 2006-06-07.
  18. Flights back on between Yemen and Eritrea BBC (1998-12-13). Visitado em 2006-06-07.
  19. Q&A: Horn's bitter border war BBC (2005-12-07). Visitado em 2006-06-07.
  20. Horn tensions trigger UN warning BBC (2004-02-04). Visitado em 2006-06-07.
  21. Army build-up near Horn frontier BBC (2005-11-02). Visitado em 2006-06-07.
  22. Horn border tense before deadline BBC (2005-12-23). Visitado em 2006-06-07.
  23. "Eritrea Accuses Ethiopia of Border Attacks", VOA News, Voice of America, 27 December 2007. Página visitada em 2008-12-27.
  24. AU calls for sanctions on Eritrea, BBC News Online, May 23, 2009
  25. The rediscovery of Eritrea's elephants BBC Wildlife Magazine (July 2003). Visitado em 2007-07-28.
  26. C. Michael Hogan (2009) Painted Hunting Dog: Lycaon pictus, GlobalTwitcher.com, ed. N. Stromberg
  27. An Environmental Impact Assessment of African Armyworm Control in Eritrea: An Amendment to the "Eritrean Supplemental Environmental Assessment For Grasshopper And Locust Control".
  28. Economy - overview CIA (2006-06-06). Visitado em 2006-06-07.
  29. Aid sought for Eritrean recovery BBC (2001-02-22). Visitado em 2006-06-07.
  30. U.S. gas: So cheap it hurts CNN Money (2008-05-06). Visitado em 2008-05-20.
  31. a b c d e f g h i j k l m Eritrea country profile. Library of Congress Federal Research Division (September 2005). This article incorporates text from this source, which is in the public domain.
  32. Alders, Anne. the Rashaida. Visitado em 2006-06-07.
  33. http://www.shaebia.org/constitution.html#CHAP1_
  34. Languages of Eritrea - Tigrinya
  35. Baseline Study on Livelihood Systems in Eritrea. [S.l.]: National Food Information System of Eritrea, 2005.
  36. a b Habtetsion, Efrem (2006-08-03). On Developing Higher Level of Education. Visitado em 2006-08-03.
  37. Kifle, Temesgen. Educational Gender Gap in Eritrea. [S.l.: s.n.], 2002.
  38. http://www.thearda.com/internationalData/countries/country_76_1.asp
  39. Jehovah's Witnesses — Eritrea - July 29, 2010. Visitado em 2010-10-21.
  40. Eritrea. International Religious Freedom Report 2008 U.S. Department of State. Bureau of Democracy, Human Rights, and Labor. Visitado em 2008-11-08.
  41. Testemunhas de Jeová na Eritreia -5/10/ 2011. Visitado em 2011-10-05.
  42. Asmara's last Jew recalls 'good old days' BBC (2006-04-30). Visitado em 2006-09-26.
  43. Eritrea's last native Jew tends graves, remembers Y Net News (2006-05-02). Visitado em 2006-09-26.
  44. http://www.maitacli.it/arg_menu/Sport/Ciclismo/giro_di_vita.htm The first Tour of Eritrea (in italian)
  45. It’s coffee time Network Africa Online, April 2008 interview.
  46. Man Bites World, Day 64: Eritrea (March 2009). Visitado em 2009-03-22.
  47. Mu'ooz Eritrean Restaurant menu (March 2009). Visitado em 2009-03-22.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Mauri, Arnaldo (1998), "The First Monetary and Banking Experiences in Eritrea", African Review of Money, Finance and Banking, n. 1-2.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Saiba mais sobre Eritrea
nos projetos irmãos da Wikipedia:

Search Wiktionary Definições no Wikcionario
Search Wikibooks Livros e manuais no Wikilivros
Search Wikiquote Citações no Wikiquote
Search Wikisource Documentos originais no Wikisource
Search Commons Imagens e media no Commons
Search Wikinews Notícias no Wikinotícias
Busca Wikcionario Recursos no Wikiversidade
Governo
Informações gerais
Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Eritreia
Outros


Flag-map of Eritrea.svg Eritreia
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens