Cabo Verde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cabo Verde
República de Cabo Verde
Bandeira de Cabo Verde
Brasão de Cabo Verde
Bandeira Brasão de Armas
Lema: Unidade, Trabalho, Progresso
Hino nacional: Cântico da Liberdade
Gentílico: cabo-verdiano[1]

Localização de Cabo Verde

Capital Praia
14° 55' N 23° 31' O
Cidade mais populosa Praia
Língua oficial Português (oficial) e crioulo cabo-verdiano (não oficial)
Governo República unitária semipresidencialista[2]
 - Presidente Jorge Carlos Fonseca
 - Primeiro-ministro José Maria Neves
História  
 - Descoberta 1460 
 - Independência
00• de Portugal

5 de Julho de 1975 
 - Multipartidarismo 13 de Janeiro de 1990 
Área  
 - Total 4 033 km² (146.º)
 - Água (%) desprezível
População  
 - Estimativa de 2013 531 046[3] hab. (167.º)
 - Censo de 2000 436 821 hab. 
 - Urbana 303 512 hab. (91.º)
 - Densidade 118 hab./km² (65.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2013
 - Total US$ 2,305 mil milhões*[4]  
 - Per capita US$ 6 311[4]  
PIB (nominal) Estimativa de 2013
 - Total US$ 2,071 mil milhões*[4]  
 - Per capita US$ 4 089[4]  
IDH (2013) 0,636 (123.º) – médio[5]
Gini (2002) 50,5
Moeda Escudo cabo-verdiano (indexado ao euro)[6] (CVE)
Fuso horário horário de Cabo Verde - CVT (UTC-1)
 - Verão (DST) Não tem
Clima Árido
Org. internacionais ONU, OMC, CPLP, UA, CEDEAO,
Cód. ISO CPV
Cód. Internet .cv
Cód. telef. +238
Website governamental http://www.governo.cv/

Mapa de Cabo Verde

Cabo Verde, oficialmente República de Cabo Verde, é um país insular localizado num arquipélago formado por dez ilhas vulcânicas na região central do Oceano Atlântico. A cerca de 570 quilómetros da costa da África Ocidental, as ilhas cobrem uma área total de pouco mais de 4.000 quilómetros quadrados.

Os exploradores portugueses descobriram e colonizaram as ilhas desabitadas no século XV, o primeiro assentamento europeu nos trópicos. Idealmente localizado para o comércio de escravos no Atlântico, o arquipélago prosperou e muitas vezes chegou a atrair corsários e piratas, entre eles Sir Francis Drake, na década de 1580. As ilhas também foram visitados pela expedição de Charles Darwin em 1832.

O arquipélago foi ocupado conforme a colónia cresceu em importância entre as principais rotas de navegação entre Europa, Índia e Austrália, população aumentou de forma constante. No momento da sua independência de Portugal, em 1975, os cabo-verdianos emigraram para todo o mundo, de tal forma que a população no século XX com mais de meio milhão de pessoas nas ilhas é igualada pela diáspora cabo-verdiana na Europa, na América e na África.

A economia cabo-verdiana é principalmente ficada no crescente turismo e em investimentos estrangeiros, que se beneficiam do clima quente o ano todo, da paisagem diversificada e da riqueza cultural, especialmente na música. Historicamente, o nome "Cabo Verde" tem sido usado para se referir ao arquipélago e, desde a independência, em 1975, ao país. Em 2013, o governo local determinou que a designação em português "Cabo Verde" passaria a ser utilizado para fins oficiais, como na Organização das Nações Unidas (ONU).

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do país provém da vizinha Cap-Vert, na costa senegalesa,[7] que, por sua vez, foi originalmente chamada "Cabo Verde" quando avistada por exploradores portugueses em 1444, foram descobertos alguns anos antes das ilhas. Em 24 de outubro de 2013, foi anunciado nas Nações Unidas que o nome oficial não deve mais ser traduzido para outras línguas. Em vez de "Cabo Verde", a designação "República de Cabo Verde" está a ser usado.[8] [9]

História[editar | editar código-fonte]

Colonização europeia[editar | editar código-fonte]

Igreja Nossa Senhora do Rosário, construída em 1495, a mais antiga igreja colonial do mundo, na Cidade Velha, na Ilha de Santiago

A história refere que a descoberta de Cabo Verde se deu no século XV, mais precisamente em 1460. A colonização portuguesa começou logo após a sua descoberta, sendo as primeiras ilhas a serem povoadas as de Santiago e Fogo. Para incentivar a colonização, a corte portuguesa estabeleceu uma carta de privilégio aos moradores de Santiago relativa ao comércio de escravos na Costa da Guiné. Em Ribeira Grande, na ilha de Santiago, estabeleceu-se a primeira feitoria, que serviu ponto de escala para os navios portugueses e para o tráfego e comércio de escravos, que começava a crescer por essa época. Mais tarde, com a abolição da escravatura, o país começou a dar sinais de fragilidade e entrou em decadência, revelando uma economia pobre e de subsistência.

No século XX, a partir da década de 50, começam a surgir os movimentos independentistas no continente africano. Cabo Verde vinculou-se à luta pela libertação da Guiné-Bissau.[10]

A posição estratégica das ilhas nas rotas que ligavam Portugal ao Brasil e ao resto da África contribuíram para o facto de essas serem utilizadas como entreposto comercial e de aprovisionamento. Abolido o tráfico de escravos em 1876, o interesse comercial do arquipélago para a metrópole portuguesa decresceu, só voltando a ter importância a partir da segunda metade do século XX. No entanto, a partir de então, já haviam sido criadas as condições para o Cabo Verde independente de hoje: europeus e africanos uniram-se numa simbiose, criando um povo de características próprias.

O processo de independência[editar | editar código-fonte]

Amílcar Cabral, num selo da ex-RDA.

As origens históricas nacionais da independência de Cabo Verde podem ser localizadas no final do século XIX e no início do século XX. Foi um processo gradual. Surgiu como uma tentativa de solução para as reivindicações da elite crioula de então, que protestava contra o desleixo e a negligência da metrópole portuguesa em relação ao que se passava em Cabo Verde.

Com o processo de formação nacional, muito cedo a máquina administrativa foi sendo assegurada pelos nascidos em Cabo Verde, ou pelos que já tinham grande identificação com a colónia, com excepção aos cargos elevados como governadores, chefes militares etc., ainda reservados aos representantes da soberania de Portugal. Esta "auto-suficiência" administrativa de Cabo Verde estava associada a uma escolarização relativamente desenvolvida e à existência de uma imprensa mais ou menos dinâmica introduzida por Portugal, que contribuíram para o surgimento de uma elite intelectual e burocrática. Esta começou, no século XX, a discutir cada vez mais a questão da independência, gerando um clima de atrito com os representantes da metrópole. Os leitores que acompanhavam a imprensa oficial entendiam que se devia lutar pela independência ou, pelo menos, por uma autonomia honrosa.

Na metrópole portuguesa, os habitantes de Cabo Verde eram, muitas vezes, considerados como mandriões, desleixados, indolentes, bêbados etc. Numa reacção a isso, Eugénio Tavares escreveu, em 1912: "O indígena de Cabo Verde é activo e trabalhador". Esta atitude manteve-se até a independência de Cabo Verde.

Aristides Pereira, primeiro presidente.

Em 1956, Amílcar Cabral, Aristides Pereira, Luís Cabral, entre outros jovens patriotas das hoje Guiné-Bissau e Cabo Verde, fundaram o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde, que surgiu no contexto do movimento libertador africano, que ganhou força depois da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Esses patriotas formaram uma unidade popular para lutar contra o que chamavam de "deplorável política ultramarina portuguesa, afirmando que as vítimas dessa política desejavam ver-se livres do domínio português".

A 19 de Dezembro de 1974, foi assinado um acordo entre o "Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde" e Portugal, instaurando-se um governo de transição em Cabo Verde, governo esse que preparou as eleições para uma Assembleia Nacional Popular. A 5 de Julho de 1975, proclamou-se a independência do país, considerado na altura por muitos como um país inviável, devido às suas próprias fragilidades, havendo vozes políticas em Portugal, como é o caso de Mário Soares, que eram contra a independência do arquipélago, afirmando que Cabo Verde deveria usufruir de autonomia administrativa tal como os outros arquipélagos portugueses (Açores e Madeira). Em 1991, o país conheceu uma viragem na vida política nacional, tendo realizado as primeiras eleições multipartidárias e instituindo uma democracia parlamentar.[11]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa topográfico de Cabo Verde;
Imagem de satélite do arquipélago,

Cabo Verde é um arquipélago localizado ao largo da costa da África Ocidental. As ilhas vulcânicas que o compõem são pequenas e montanhosas. Existe um vulcão activo, na ilha do Fogo, que é igualmente o ponto mais elevado do arquipélago, com 2829 m. O país é constituído por 10 ilhas, das quais 9 habitadas, e vários ilhéus desabitados, divididos em dois grupos:

  • Ao norte, as ilhas de Barlavento. Relacionando de oeste para leste: Santo Antão, São Vicente, Santa Luzia (desabitada), São Nicolau, Sal e Boa Vista. Pertencem ainda ao grupo de Barlavento os ilhéus desabitados de Branco e Raso, situados entre Santa Luzia e São Nicolau, o ilhéu dos Pássaros, em frente à cidade de Mindelo, na ilha de São Vicente e os ilhéus Rabo de Junco, na costa da ilha do Sal e os ilhéus de Sal Rei e do Baluarte, na costa da ilha de Boa Vista;
  • Ao sul, as ilhas de Sotavento. Enumerando de leste para oeste: Maio, Santiago, Fogo e Brava. O ilhéu de Santa Maria, em frente à cidade de Praia, na Ilha de Santiago; os ilhéus Grande, Rombo, Baixo, de Cima, do Rei, Luís Carneiro e o ilhéu Sapado, situados a cerca de 8 km da ilha Brava e o ilhéu da Areia, junto à costa dessa mesma ilha.

As maiores ilhas são a de Santiago a sudeste, onde se situa Praia, a capital do país, e a ilha de Santo Antão, no extremo noroeste. Praia é também o principal aglomerado populacional do arquipélago, seguida por Mindelo, na ilha de São Vicente.

Geologia[editar | editar código-fonte]

Geologicamente, as ilhas, que cobrem uma área total de pouco mais de 4.033 quilômetros quadrados, são compostas principalmente de rochas ígneas, com estruturas vulcânicas e detritos piroclásticos que compõem a maior parte do volume total do arquipélago. As rochas vulcânicas e plutônicas são distintamente básicas; o arquipélago é uma província petrográfica de soda-alcalina, com uma sucessão petrológicas que é semelhante ao encontrado em outras ilhas da Macaronésia.

Pico do Fogo, o ponto mais elevado do arquipélago, com 2 829 metros, na Ilha do Fogo

Anomalias magnéticas identificadas nas imediações do arquipélago indicam que as estruturas que formam as ilhas datam de 125-150 milhões de anos: as próprias ilhas data de 8 milhões (no oeste) e 20 milhões de anos (no leste). A origem vulcânica das ilhas tem sido atribuída a um ponto quente, associado com o inchamento batimétrico que formou Cabo Verde. A ascensão é uma das maiores protuberâncias em oceanos do mundo, subindo 2,2 km em uma região semi-circular de 1.200 quilômetros quadrados, associado a um aumento do fluxo de calor na superfície do geoide.[12]

O Pico do Fogo é o maior vulcão ativo na região e sua última erupção foi em 1995. Tem uma caldeira 8 km de diâmetro, cuja borda tem 1.600 m de altitude e um cone interior que sobe para 2.829 m acima do nível do mar. A caldeira resultou de subsidência, após a evacuação parcial (erupção) da câmara de magma, ao longo de uma coluna cilíndrica de dentro câmara de magma (a uma profundidade de 8 km).

Extensas salinas são encontradas em Sal e Maio. Em Santiago, Santo Antão e São Nicolau, encostas áridas cederam lugar para canaviais ou plantações de banana espalhados ao longo da base de montanhas imponentes. Penhascos em direção ao oceano foram formados por avalanches catastróficas de detritos.[13]

No entanto, de acordo com o presidente de Nauru, Cabo Verde foi classificada como a oitava nação mais em risco devido a inundações por conta das mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global.[14]

Clima[editar | editar código-fonte]

Praia Grande, Calhau São Vicente

O arquipélago de Cabo Verde está localizado na zona subsaheliana, com um clima árido ou semiárido. O oceano e os ventos alíseos moderam a temperatura. A média anual raramente é superior a 25 °C e não desce abaixo dos 20 °C. A temperatura da água do mar varia entre 21 °C em Fevereiro e 25 °C em Setembro. As estações do ano são fundamentalmente duas: "as-águas" e "as-secas" ou "tempo das brisas".

A estação chuvosa, de Agosto a Outubro, é muito irregular e geralmente com fraca pluviosidade, em especial nas ilhas de São Vicente e Sal, onde tem havido vários anos seguidos sem chuva. As ilhas mais acidentadas, como Santo Antão, Santiago e Fogo, beneficiam de maior pluviosidade.

A estação mais seca, de Dezembro a Julho, é caracterizada por ventos constantes. A chamada "bruma seca", trazida pelo vento harmatão das areias do Saara, chega a provocar a interrupção dos serviços nos aeroportos.

Condições meteorológicas anuais
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Temperatura (°C) 24 24 25 25 25 26 27 29 29 29 27 25
Precipitação mm 5,3 3,8 1,3 0,0 0,0 0,0 0,8 14,1 33,6 6,5 2,5 1,6

Demografia[editar | editar código-fonte]

Praia, a maior cidade do país.

Os cabo-verdianos são descendentes de antigos escravos africanos e dos seus senhores portugueses. Grande parte dos cabo-verdianos emigra para o estrangeiro, principalmente para os Estados Unidos, Portugal e Brasil, de modo que há mais cabo-verdianos a residir no estrangeiro que no próprio país.

É marcadamente jovem na sua estrutura etária, com quarenta por cento dos efectivos entre os 0 e 14 anos (estimativa 2005) e apenas 6 por cento acima dos 65 anos. A média de idades da população cabo-verdiana ronda os 24 anos.

A esperança média de vida, que, em 1975, rondava os 63 anos, atingiu, em 2003, os 71 anos (67 para homens; 75 para as mulheres). A taxa de mortalidade infantil, que, em 1975, rondava os 110 por milhar, representava, em 2004, um valor de 20 por milhar (44 por milhar em 1990; 26 por milhar em 2000), um valor inferior às taxas de outros países de categoria de rendimento semelhante.

A taxa de crescimento da população, dependente dos fluxos migratórios, situou-se, no decénio 1990-2000 (data do último censo populacional), em cerca de 2,4 por cento, valor que se manteve constante até 2005. De aí em diante, prevê-se que a mesma estabilize em torno do 1,9 por cento. Os agregados familiares, em 2006, eram constituídos, em média, por 4,9 membros (5 no meio rural e 4,5 no meio urbano).

Ao contrário dos países do continente africano, não há etnias em Cabo Verde. Em contrapartida, a trajectória histórica do país incluiu, desde o início, um processo de formação de classes sociais. Neste momento, pode constatar a ausência de uma "burguesia", mas a existência de vários tipos de "pequena burguesia", numericamente significativos. A grande maioria da população é, no entanto, constituído pelo campesinato e algum operariado.[15]

Religião[editar | editar código-fonte]

Os cabo-verdianos são, na sua maioria, católicos (mais de 90 por cento). Outras denominações cristãs também estão implantadas em Cabo Verde, com destaque para os protestantes da Igreja do Nazareno e da Igreja Adventista do Sétimo Dia, assim como a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons), a Congregação Cristã em Cabo Verde, Assembleia de Deus, Testemunhas de Jeová e outros grupos pentecostais e adventista.

Há pequenas minorias muçulmanas e da Fé Bahá'í. A Igreja Universal do Reino de Deus também tem seguidores em Cabo Verde. A liberdade de religião é garantida pela Constituição e respeitada pelo governo. Há boas relações entre as diversas confissões religiosas.

Língua[editar | editar código-fonte]

A língua oficial é o português, usada nas escolas, na administração pública, na imprensa e nas publicações. A língua nacional de Cabo Verde, a língua do povo, é o crioulo cabo-verdiano (o criol ou kriolu). Cabo Verde é formado por dez ilhas e cada uma tem um crioulo diferente. O crioulo está oficialmente em processo de normatização (criação duma norma) e discute-se a sua adopção como segunda língua oficial, ao lado do português.

Urbanização[editar | editar código-fonte]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Palácio presidencial de Cabo Verde em Praia.

Cabo Verde é uma república democrática semipresidencial.[2] [16] Trata-se entre de uma das nações mais democráticas do mundo, ocupando o 26º do mundo, de acordo com o Índice de Democracia de 2012.[17]

A constituição nacional - adotada em 1980 e revisada em 1992, 1995 e 1999 - define os princípios básicos de seu governo. O presidente é o chefe de Estado e é eleito por voto popular para um mandato de 5 anos. O primeiro-ministro é o chefe de governo e propõe outros ministros e secretários de Estado. O primeiro-ministro é nomeado pela Assembleia Nacional e nomeado pelo presidente. Os membros da Assembleia Nacional são eleitos por voto popular para mandatos de cinco anos. Três partidos já detêm assentos na Assembleia Nacional: Partido Africano da Independência de Cabo Verde (40), Movimento para a Democracia (30) e União Caboverdiana Independente e Democrática (2).[18]

O sistema judicial é composto por um juiz do Supremo Tribunal de Justiça - cujos membros são nomeados pelo presidente, a Assembleia Nacional e o Conselho da Magistratura - e os tribunais regionais. Tribunais separados ouvir casos civis, constitucionais e penais. Recurso é o Supremo Tribunal Federal.[18]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

Cabo Verde segue uma política de não-alinhamento e busca relações de cooperação com todos os Estados amigos. Angola, Brasil, China, Cuba, França, Alemanha, Portugal, Espanha, Senegal, Rússia, Luxemburgo e Estados Unidos mantêm embaixadas em Praia. O país está ativamente interessado em assuntos externos, especialmente na África.[18]

O governo cabo-verdiano tem relações bilaterais com alguns países lusófonos e detém participação em uma série de organizações internacionais.[18] Ele também participa de mais conferências internacionais sobre questões econômicas e políticas.[18] Desde 2007, Cabo Verde tem um estatuto de parceria especial[19] com a União Europeia no âmbito do Acordo de Cotonou e poderão solicitar adesão especial.[20]

Divisão administrativa[editar | editar código-fonte]

Divisões de Cabo Verde.

A capital de Cabo Verde é a cidade da Praia na Ilha de Santiago que, juntamente com o Mindelo, na Ilha de São Vicente, são as duas cidades principais do País. Até 2005, Cabo Verde contava com dezessete concelhos. No primeiro semestre de 2005, foi aprovada pela Assembleia Nacional cabo-verdiana a constituição de cinco novos concelhos, resultando nos actuais 22 concelhos, distribuídos pelas 9 ilhas habitadas do arquipélago:

Ilha da Boa Vista
Ilha Brava
Ilha do Maio
Ilha do Sal
Ilha de São Nicolau
Ilha do Fogo
Ilha de Santo Antão
Ilha de Santiago
Ilha de São Vicente

Economia[editar | editar código-fonte]

Principais exportações de Cabo Verde em 2009.
Mercado de São Vicente.

Cabo verde é um estado arquipélago com uma economia subdesenvolvida e que sofre com uma carência de alternativa de recursos e com o crescimento populacional. Os principais meios económicos são a agricultura, a riqueza marinha do arquipélago, a prestação de serviços (que corresponde a 80 por cento do produto interno bruto) e, mais recentemente, o turismo (que tem ganhado crescente relevância).[21] As principais ilhas turísticas são a Ilha do Sal e a Ilha da Boa Vista.

A agricultura sofre com os constantes períodos de seca e carece de uma melhor infra-estrutura e modernização das técnicas agrícolas; os investimentos que atenderiam a essa necessidade adviriam de uma melhor educação dos cultivadores e da organização de um mercado de consumo dos produtos.[22] Os produtos desta agricultura de sequeiro, com base na associação tradicional do milho e dos feijoeiros anuais, destinam-se basicamente ao mercado interno cabo-verdiano (embora não satisfaçam a procura, sendo indispensável uma importação maciça de alimentos). Também têm se introduzido novas culturas de produtos e plantas como legumes, frutas e hortaliças para a distribuição interna do mercado. Os principais produtos exportados são o café, a banana e a cana-de-açúcar, que possuem mercados restritos e limitados.

No setor de pescas, vem sendo implantado uma modernização dos meios artesanais e métodos tradicionais para um melhor aproveitamento desses recursos. Isso vendo sendo feito através do apoio de organismos especializados, porém a rentabilidade da pesca exige uma industrialização do pescado e a organização dos mercados para que seja escoada a produção.

Portugal tem fortemente cooperado e ajudado Cabo Verde a nível económico e social, o que resultou na indexação de sua moeda, o escudo cabo-verdiano, ao euro, e no crescimento de sua economia interna. O ex-primeiro-ministro de Portugal e presidente da Comissão Europeia no segundo semestre de 2004, José Durão Barroso, prometeu integrar Cabo Verde à área de influência da União Europeia, através de maior cooperação com Portugal.

A economia cabo-verdiana desenvolveu-se significativamente desde o final da década de 2000. Nos dias atuais, esta transformação é sustentada por um vasto programa de infraestrutura por parte do governo em domínios vitais como os transportes terrestres, os transportes marítimos, os transportes aéreos, as comunicações, entre outros.[23]

O país tem muitos emigrantes espalhados pelo mundo (com especial foco para Estados Unidos e Portugal) que contribuem com remessas financeiras significativas para o seu país de origem.[24]

Em 2007, Cabo Verde aderiu à Organização Mundial do Comércio (OMC) e, em 2008, o país deixou a classificação de "subdesenvolvido" para de renda média.[25] [26]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Resort em Sal.

A localização estratégica de Cabo Verde, no cruzamento das vias aéreas e marítimas meio do Atlântico, tem sido reforçado por melhorias significativas no porto do Mindelo (Porto Grande) e nos aeroportos internacionais do Sal e de Praia. Um novo aeroporto internacional foi inaugurado em Boa Vista em dezembro de 2007 e outro na ilha de São Vicente (Aeroporto de São Pedro) foi inaugurado no final de 2009. As instalações de reparação naval em Mindelo foram abertas em 1983.

Os principais portos são Mindelo e Praia, mas todas as outras ilhas têm instalações portuárias menores. Além do aeroporto internacional de Sal, aeroportos foram construídos em todas as ilhas habitadas. Todos, exceto os aeroportos no Brava e Santo Antão, têm gostam de serviço aéreo regular. O arquipélago tem 3,050 km de estradas, dos quais 1010 km são pavimentadas, a maioria usando paralelepípedos.[18]

As perspectivas econômicas futuras do país dependem fortemente da manutenção dos fluxos de ajuda, do incentivo ao turismo, remessas do exterior, terceirização de trabalho para países africanos vizinhos e o impulso do programa de desenvolvimento do governo.[18]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Hospital em São Filipe, Ilha do Fogo.

A taxa de mortalidade infantil em Cabo Verde é de 18,5 por 1.000 nascidos vivos, enquanto a taxa de mortalidade materna é de 53,7 mortes por 100.000 nascidos vivos. A taxa de prevalência da SIDA é baixa: há cerca de 1.000 pacientes com HIV/SIDA no país, com pouco mais de metade dos quais em Praia, de acordo com um relatório das Nações Unidas.[27] Com uma expectativa de vida de 75 anos, Cabo Verde (junto com Tunísia e Líbia) tem a maior expectativa de vida em toda a África; 71 anos para os homens e 79 anos para mulheres em 2012, de acordo com o Banco Mundial e a UNICEF. Há seis hospitais regionais em cinco ilhas (Santiago (2), São Vicente, São Antão, Fogo e Sal). Há centros de saúde, centros de saneamento e uma variedade de clínicas privadas localizadas em todo o arquipélago.

A população de Cabo Verde é um dos mais saudáveis ​​na África. Desde a sua independência, o país tem melhorado muito os seus indicadores de saúde. Além de ter sido promovido ao grupo de países de "desenvolvimento médio" em 2007, deixando a categoria países menos desenvolvidos (sendo apenas a segunda vez que isso aconteceu a um país.[28] ) Cabo Verde é atualmente o nono país africano melhor classificado no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).[5]

Educação[editar | editar código-fonte]

Embora o sistema educativo cabo-verdiano seja semelhante ao sistema português, ao longo dos anos as universidades locais têm sido cada vez mais passado a adotar o sistema educacional estadunidense; por exemplo, todos as dez universidades existentes no país oferecem programas de bacharelado de 4 anos, em vez de programas de graduação de 5 anos, como em Portugal. O país tem o segunda melhor sistema educacional na África, depois da África do Sul. O ensino primário em Cabo Verde é obrigatório e gratuito para as crianças com idades entre 6 e 14 anos.[29]

Em 2011, a taxa de escolarização líquida no ensino primário foi de 85%.[30] [29] Cerca de 90% do total população com mais de 15 anos de idade é alfabetizada e cerca de 25% da população tem um diploma universitário; 250 desses recém-formados têm diplomas de doutorado em diferentes áreas acadêmicas. Livros didáticos foram disponibilizados para 90% das crianças em idade escolar e 98% dos professores participaram de formação de outros professores.[29] Embora a maioria das crianças tenha acesso à educação, alguns problemas permanecem.[29] Por exemplo, o gasto público é insuficiente para material escolar, merenda e livros.[29]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Em todos os seus aspectos, a cultura de Cabo Verde caracteriza-se por uma miscigenação de elementos europeus e africanos. Não se trata de um somatório de duas culturas, convivendo lado a lado, mas sim, um terceiro produto, totalmente novo, resultante de um intercâmbio que começou há quinhentos anos.

O caso cabo-verdiano pode ser situado no contexto comum das nações africanas, no qual as elites, que questionaram a superioridade racial e cultural europeia e que, em alguns casos, empreenderam uma longa luta armada contra o imperialismo europeu e pela libertação nacional, utilizam hoje o domínio dos códigos ocidentais como principal instrumento de dominação interna.[31]

Música[editar | editar código-fonte]

O povo cabo-verdiano é conhecido por sua musicalidade, bem expressa por manifestações populares como o Carnaval de Mindelo, cuja importância faz com que a cidade seja conhecida nos dias dos festejos momescos como "Brazilim" (ou "pequeno Brasil"). Na música, há diversos géneros musicais próprios, dos quais se destacam a morna, a kizomba, o funaná, a coladeira e o batuque. Cesária Évora foi a cantora cabo-verdiana mais conhecida no mundo, conhecida como a "diva dos pés descalços", pois gostava de se apresentar no palco assim. O sucesso internacional de Cesária Évora fez com que outros artistas cabo-verdianos, ou descendentes de cabo-verdianos nascidos em Portugal, ganhassem maior espaço no mercado musical.[carece de fontes?] Exemplos disso são as cantoras Sara Tavares e Lura.

Outro grande expoente da música tradicional de Cabo Verde foi Antonio Vicente Lopes, mais conhecido como Travadinha.


Feriados
Data Nome em português Observações
1 de Janeiro Ano Novo  
13 de Janeiro Dia da Democracia  
20 de Janeiro Dia dos Heróis Nacionais Aniversário da morte de Amílcar Cabral
variável Terça-feira de Carnaval Festa móvel
variável Quarta-feira de Cinzas Festa móvel
variável Sexta-feira Santa, Paixão de Cristo Festa móvel
1 de Maio Dia do Trabalhador  
19 de Maio Dia do Município da Praia Feriado somente na capital, Praia
1 de Junho Dia Internacional da Criança Antigo feriado, restabelecido em 2005
5 de Julho Dia da Independência  
15 de Agosto Dia da Padroeira Nacional (N.ª Sr.ª das Graças) Dia do Município dos Mosteiros
1 de Novembro Dia de Todos os Santos  
25 de Dezembro Natal  

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de Cabo Verde

Referências

  1. O Portal da Língua Portuguesa - Dicionário de Gentílicos e Topónimos e o Dicionário Houaiss registam também a forma 'cabo-verdense' como variante.
  2. a b Octávio Amorim Neto; Marina Costa Lobo (2010). Between Constitutional Diffusion and Local Politics: Semi-Presidentialism in Portuguese-Speaking Countries Social Science Research Network. Visitado em 6 de junho de 2014.
  3. [1]
  4. a b c d Cape Verde Fundo Monetário Internacional (FMI). Visitado em 17 de abril de 2013.
  5. a b Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 2 de agosto de 2014.
  6. Decisão 98/744/CE do Conselho, de 21 de Dezembro de 1998, relativa aos aspectos cambiais relacionados com o escudo cabo-verdiano
  7. Lobban, p. 4.
  8. Tanya Basu (12 de dezembro de 2013). Cape Verde Gets New Name: 5 Things to Know About How Maps Change National Geographic.
  9. Cabo Verde põe fim à tradução da sua designação oficial (em portuguese) Panapress (31 de outubro de 2013). Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  10. [2]
  11. LOPES, José Vicente. Cabo Verde, as Causas da Independência. Praia, 2005.
  12. R. Ramalho et al., 2010
  13. Le Bas, T.P. (2007), "Slope Failures on the Flanks of Southern Cape Verde Islands", in Lykousis, Vasilios, Submarine mass movements and their consequences: 3rd international symposium, Springer, ISBN 978-1-4020-6511-8 
  14. A sinking feeling: why is the president of the tiny Pacific island nation of Nauru so concerned about climate change? | New York Times Upfront Find Articles (14 de novembro de 2011). Visitado em 15 de junho de 2012.
  15. Michel Lesourd, Etat et société aux îles du Cap Vert, Paris: Karthala, 1995
  16. Constitution of Cape Verde (1992). Visitado em 20 de março de 2011.
  17. "Democracy index 2012" (PDF), The Economist, 2013, p. 4. Página visitada em 24 de junho de 2014.
  18. a b c d e f g Cape Verde background note. Departamento de Estado dos Estados Unidos (Julho de 2008).
  19. Percival, Debra (25 de maio de 2008). Cape Verde-EU ‘Special Partnership’ takes shape The Courier. Visitado em 30 May 2014. [tt_news=507&tx_ttnews[backPid]=6&cHash=6032424471 Cópia arquivada em 11 de maio de 2011].
  20. Cape Verde could seek EU membership this year Eubusiness.com. Visitado em 26 de junho de 2010.
  21. Veja Brígida Rocha Brito e outros, Turismo em Meio Insular Africano: Potencialidades, constrangimentos e impactos, Lisboa: Gerpress, 2010
  22. Ver Carlos Teixeira Couto, Incerteza, adaptabilidade e inovação na sociedade rural da Ilha de Santiago de Cabo Verde, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.
  23. Víctor Reis, Desenvolvimento em Cabo Verde: As opções estratégicas e o investimento directo estrangeiro, Lisboa:MIMO, 2011
  24. História concisa de Cabo Verde / coordenado e organizado por Maria Emília Madeira Santos, Maria Manuel Ferraz Torrão e Maria João Soares. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical, Praia (Cabo Verde): Instituto da Investigação e do Património Culturais, 2007. Pg.21-30
  25. MFW4A MFW4A. Visitado em 31 de janeiro de 2011.
  26. "Data on Cape Verde", Banco Mundial
  27. Ccs-Sida Ccssida.cv. Visitado em 28 de março de 2013.
  28. "UN advocate salutes Cape Verde’s graduation from category of poorest States", UN News Centre, 14 de junho de 2007.
  29. a b c d e "Cape Verde"[ligação inativa]. Findings on the Worst Forms of Child Labor (2001). Bureau of International Labor Affairs, U.S. Department of Labor (2002).
  30. World Development Indicators | Data Data.worldbank.org. Visitado em 31 de janeiro de 2011.
  31. APPIAH, Kwame Anthony (1997). Na casa de meu pai. Rio de Janeiro, Contraponto.

Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Cabo Verde
Bandeira de Cabo Verde Cabo Verde
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens