Alemanha Oriental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Deutsche Demokratische Republik
República Democrática Alemã

República Socialista

Flag of Germany (1946-1949).svg
1949 – 1990 Flag of Germany.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Lema nacional
"Proletarier aller Länder, vereinigt Euch!" (alemão: «Proletários do mundo, uni-vos»)
Hino nacional
Auferstanden aus Ruinen
Localização de Alemanha Oriental
Localização da Alemanha Oriental
Continente Europa
Capital Berlim Leste
Língua oficial Alemão
Governo Socialismo
Chefe de Estado
 • 1949-1960 Wilhelm Pieck
 • 1960-1973 Walter Ulbricht
 • 1973-1976 Willi Stoph
 • 1976-1989 Erich Honecker
 • 1989 Egon Krenz
 • 1989-1990 Manfred Gerlach
Chefe de governo
 • 1949-1964 Otto Grotewohl
 • 1964-1973 Willi Stoph
 • 1973-1976 Horst Sindermann
 • 1976-1989 Willi Stoph
 • 1989-1990 Hans Modrow
 • 1990 Lothar de Maizière
História
 • 7 de outubro de 1949 Fundação
 • 25 de setembro de 1990 Dissolução
Moeda Marco alemão oriental

A Alemanha Oriental, oficialmente República Democrática Alemã (RDA), (em alemão: Deutsche Demokratische Republik - DDR) foi um Estado criado em 1949 no território da Zona de ocupação soviética, uma das Zonas ocupadas pelos Aliados na Alemanha após a Segunda Guerra Mundial, quando o território alemão foi repartido entre os Estados Unidos, o Reino Unido, a França e a União Soviética. Enquanto a zona soviética deu origem à RDA, a junção das outras três deu origem à República Federal da Alemanha (RFA), ou Alemanha Ocidental.

História[editar | editar código-fonte]

Mapa da unificação

A RDA foi proclamada em Berlim Oriental no dia 7 de outubro de 1949. Estabeleceu-se um regime socialista amplamente controlado pela União Soviética.

Em Junho de 1954, após a morte de Stalin, dá-se a violenta repressão da Revolta de 1953 na Alemanha Oriental.[1] Este facto fez com que cerca de três milhões de habitantes da Alemanha Oriental fugissem para a Alemanha Ocidental.

Foi declarada totalmente soberana em 1954. Tropas soviéticas continuaram no terreno com base nos acordos de Potsdam, tendo em vista contrabalançar a presença militar dos Estados Unidos na República Federal Alemã durante a Guerra Fria. A RDA foi um membro do Pacto de Varsóvia.

A capital da Alemanha Oriental manteve-se em Berlim Oriental, enquanto que a capital da RFA foi transferida para Bona. No entanto, Berlim foi também dividida em Berlim Ocidental e Berlim Oriental, com a parte ocidental controlada pela RFA, apesar de a cidade estar totalmente situada em território da RDA. Esta divisão foi reforçada pela construção do muro de Berlim em 1961, e que esteve de pé até 1989.

Em 3 de Outubro de 1990 ocorreu a reunificação da Alemanha. A população da RDA votou esmagadoramente a favor de um retorno à tradicional estruturação do seu território em Länder e à integração destes "Estados" na República Federal da Alemanha, com a dissolução do governo central da Alemanha oriental. Uma pequena minoria, que era contrária à reunificação, submeteu-se a decisão da maioria.

Economia[editar | editar código-fonte]

Antes de 1945, a parte oriental da Alemanha era essencialmente uma região agrícola. Tinha poucos recursos naturais, à parte a lenhite (carvão de madeira) e a potassa cáustica, e não estava equipada para pôr em prática os planos do pós-guerra criados pela URSS para o desenvolvimento da indústria pesada na década de 1950 e princípios de 1960.

Brasão da Alemanha Oriental (12 de Janeiro de 1950 até 28 de Maio de 1953)
Brasão da Alemanha Oriental (28 de Setembro de 1953 até 26 de Setembro de 1955)

Foi criada em Eisenhüttenstadt (anteriormente Stalinstadt), a leste, nas margens do rio Óder, uma indústria siderúrgica - bem como em Calber, a oeste - para tornar a RDA autossuficiente em gusa e aço. No entanto, foi necessário recorrer a onerosas importações de minério de ferro, carvão e coque, transportados da Polónia ou, por comboio, da Ucrânia, a 1600 km de distância. Nas décadas de 1960 e 1970, as importações de petróleo e gás natural, por conduta forçada, das regiões do Volgae Urales aumentaram a dependência da RDA em relação à URSS.

A divisão da Alemanha privara a RDA dos grandes portos de Hamburgo (na Alemanha Ocidental - RFA) e Stettin (hoje Szczecin, na Polónia). Os portos de Rostock e Stralsund tiveram de ser ampliados e melhoradas as ligações ferroviárias e rodoviárias.

Iniciou-se um novo surto de progresso econômico quando, em 1959, a URSS alterou as determinações anteriores. Nikita Krushchev, novo líder soviético depois da morte de Stalin, cancelou as políticas que obrigavam os países do Bloco Soviético à auto-suficiência. No futuro, a RDA tinha de concentrar-se em produções especializadas para os mercados comunistas: os alemães do leste tinham de utilizar as suas capacidades de produção para pagar o que importavam da URSS.

O rápido incremento na extração de lenhite de enormes minas a céu aberto contribuiu para a expansão da produção de energia elétrica. A indústria química desenvolveu-se produzindo adubos, corantes, borracha sintética e fibras de vidro. Na região de Stassfurt, desenvolveu-se uma importante indústria de potassa cáustica. As indústrias pertencentes ao Estado produziam maquinaria, ferramentas e instrumentos, artigos ópticos, elétricos e eletrônicos. As fábricas e os laboratórios de pesquisa para estes artigos estavam instalados em cidades com excelente apetrechamento desportivo e cultural, como Berlim, Lípsia, Dresden, Jena, Dessau, Eisenach e Erfurt. Perto da sua dissolução, a indústria alastrou-se aos centros da zona rural do Norte, como Schwerin.

A língua comum tornou acessíveis à RDA os trabalhos tecnológicos e científicos publicados na RFA. As manufaturas, a agricultura, os transportes e outras indústrias beneficiaram dos progressos da Alemanha Ocidental. Na década de 1970, os líderes Willy Brandt e Erich Honecker estabeleceram contatos mais estreitos entre as duas Alemanhas, em resultado dos quais os mercados da RFA e da CEE foram abertos à RDA.

Em 1984, os alemães do leste já tinham ganhado uma vantagem tecnológica sobre os outros países do Conselho para a Assistência Econômica Mútua (COMECON).

A RDA sublinhava sempre a sua natureza comunista. Toda a produção, comércio, serviços, ação social, desportos e a maioria da habitação urbana estavam nas mãos do Estado. As cidades contrastavam notoriamente com as da Alemanha Ocidental pela sua arquitectura mais repetitiva, os seus mais amplos espaços abertos, e pelos seus importantes centros culturais.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

Esperava-se que os artistas cantassem músicas apenas em alemão, o que mudou com o fim dos anos sessenta. Havia regras estritas que regulamentavam que, todas as atividade artísticas deveriam ser censuradas, para evitar qualquer música anti-socialista. A banda Renft, por exemplo, foi propensa a mau comportamento político, o que acabou por conduzir à sua separação.

Influências do Ocidente eram ouvidas em toda parte, pela televisão ou(e) pelo rádio, que vinha da chamada Klassenfeind (no literal "classe inimiga", significando "inimigos da classe trabalhadora") e podiam ser recebidos em muitas partes da República Democrática Alemã. Uma notória exceção era Dresden, pois, com sua posição geográfica desvantajosa - no vale do Elba - o que lhe valeu a alcunha de "Vale do Clueless" - a recepção das rádios ocidentais eram muito limitadas.

A influência ocidental levou à formação de mais grupos underground com um som decididamente orientado para os ocidentais. Algumas destas bandas foram Skeptiker Die, Die Arte e Feeling B. Além disso, a cultura hip hop chegou aos ouvidos da juventude alemã-oriental. Com vídeos, tais como Beat Street e Wild Style, jovens alemães-orientais foram capazes de desenvolver uma cultura hip hop própria. Alemães-orientais aceitaram o hip hop como mais do que apenas música, a cultura rap que entrou na região tornou-se uma forma de expressão para uma juventude que sentia-se "oprimida".

A música clássica foi fortemente apoiada e existiam mais de 50 orquestras sinfônicas clássicas em um país com uma população de cerca de 16 milhões. Em Eisenach, na antiga Alemanha Oriental, terra natal de Johann Sebastian Bach, existe um museu sobre sua vida que, entre outras coisas, inclui mais de 300 instrumentos de época. Em 1980, este museu recebeu mais de 70.000 visitantes. Em Leipzig, um enorme arquivo com todas as gravações da música de Bach foi elaborado, junto com muitos documentos históricos e cartas dedicadas a ele.

Nos demais outros anos, escolares de toda a Alemanha Oriental eram reunidos para uma competição - com músicas de Bach - realizada em Berlim Oriental. De quatro em quatro anos uma nova competição internacional Bach para teclado e cordas era realizada.

Teatro[editar | editar código-fonte]

Selo da República Democrática Alemã em homegem a Bertolt Brecht

O teatro da Alemanha Oriental foi inicialmente dominado por Bertolt Brecht, que trouxe de volta muitos artistas fora do exílio e reabriu o Theater am Schiffbauerdamm com seu Berliner Ensemble. Alternativamente, outras influências tentaram criar um "Teatro da Classe Trabalhadora", tocado para a classe trabalhadora pela classe trabalhadora.

Após a morte de Brecht, começaram a surgir conflitos entre a sua família (cerca de Helene Weigel) e outros artistas sobre a herança de Brecht. Heinz Kahlau, Slatan Dudow, Erwin Geschonneck, Erwin Strittmatter, Peter Hacks, Benno Besson, Peter Palitzsch e Ekkehard Schall foram considerados entre os estudiosos do Bertolt Brecht e seguidores.

Em 1950, o diretor suíço Benno Besson com o Deutsches Theater excursionou com sucesso na Europa e na Ásia, incluindo Japão, com "O Dragão", por Jewgenij Schwarz. Na década de 1960, ele tornou-se o Intendente da Volksbühne' muitas vezes trabalham com Heiner Müller.

Depois de 1975, muitos artistas deixaram a República Democrática Alemã, devido ao aumento da censura. Uma cena teatral paralelo surgiram, criando teatro "fora de Berlim", no qual artistas desempenhado pelo provincial teatros. Por exemplo Sodann Pedro fundou o "Teatro Novo" (Neues Theather) em Halle an der Saale e Frank Castorf no teatro Anklam.

Teatro e cabaret tinham um elevado estatuto na República Democrática Alemã, o que permitia aos artistas serem muito pró-ativos. Isso trouxe muitas vezes confrontos com o Estado[necessário esclarecer].

História da Alemanha
Brasão de Armas da Alemanha
Antiguidade
Idade Média
Formando uma nação
Império
República
Pós-Segunda Guerra Mundial
Alemanha moderna

Cinema[editar | editar código-fonte]

Na República Democrática Alemã, a indústria cinematográfica foi muito ativa. Os principais grupos de produções de filmes foram a DEFA , a Deutsche Film AG, que foi subdividida em diferentes grupos locais, por exemplo Gruppe Berlim, Gruppe Johannisthal e Gruppe Babelsberg ou, quando as equipes locais gravavam e produziam filmes. A indústria cinematográfica da República Democrática Alemã tornou-se conhecida mundialmente pela sua produção, especialmente pelos filmes infantis (Das Kalte Herz, filme dos irmãos Grimm e modernas produções, como Das Schulgespenst).

O filme de Frank Beyer, "Jakob der Lugner" (Jacob, o mentiroso, fala sobre a perseguição aos judeus no Terceiro Reich) e "FÜNF Patronenhülsen" ("Cinco reservatórios para balas") de resistência contra o fascismo, tornou-se internacionalmente famoso.

Filmes sobre os problemas da vida cotidiana, tais como "Die Legende von und Paul Paula" (dirigido por Heiner Carow) e "Solo Sunny" (dirigido por Konrad Wolf e Wolfgang Kohlhaase) também foram muito populares.

A indústria cinematográfica teve produção notável no leste, ou filmes estilo velho oeste. Índios nestes filmes frequentemente tomaram o papel das pessoas deslocadas que lutam pelos seus direitos, em contraste com o cinema western americano da época, onde os índios eram frequentemente retratados como vilões ou mesmo não mencionados. Iugoslavos frequentemente desempenhavam papéis de índios, devido ao pequeno número de pessoas com tipo físico adequado ao papel na Europa Oriental. Gojko Mitić era bem conhecido nestas funções, muitas vezes tocando o justo, profundo e encantador chefe ("Die Söhne der Grossen Barin", dirigido por Josef Mach). Ele se tornou um chefe honorário sioux quando visitou os Estados Unidos na década de 1990 e a equipe que o acompanhava na televisão mostraram filmes seus a uma tribo americana. O ator e cantor americano Dean Reed, um expatriado que viveu na Alemanha Oriental, também estrelou em vários filmes. Estes filmes faziam parte do fenómeno da Europa produzir filmes alternativos. Por causa da censura, uma boa quantidade de filmes foram proibidos nessa época. Os exemplos são "Spur der Steine" (dirigido por Frank Beyer) e "Der geteilte Himmel" (dirigido por Konrad Wolf).

Nos cinemas na Alemanha Oriental também passaram filmes estrangeiros. Filmes checoslovacos e polacos foram mais comuns, mas também alguns filmes ocidentais foram mostrados, esses em número limitado pelo custo para comprar as licenças. Além disso, os filmes que representavam ou glorificavam ideologia capitalista não foram comprados. Comédias tinham grande popularidade, como o dinamarquês "Olsen Gang" ou filmes com o comediante francês Louis de Funès.

Notas e referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alemanha Oriental