Economia planificada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde dezembro de 2012)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.

Economia planificada, também chamada de "economia centralizada" ou "economia centralmente planejada", é um sistema econômico no qual a produção é previa e racionalmente planejada por especialistas[1] , na qual os meios de produção são propriedade do Estado e a atividade econômica é controlada por uma autoridade central que estabelece metas de produção e distribui as matérias primas para as unidades de produção. Nesse sistema a escolha da proporção entre quanto do PIB deve ser investido, e quanto deve ser consumido, torna-se uma decisão política centralizada[2] .

Em uma economia planificada não há desordem na produção. O Planejamento é feito de forma que, teoricamente, não haja escassez ou abundância de determinado produto, portanto os preços raramente são modificados. Sua forma mais conhecida é o tipo de economia que foi adotada, durante cerca de 70 anos, pelo regime comunista-bolchevista da União Soviética, e por seus países satélites, bem como pela China no perído do Grande Salto Adiante (1958-63)[3] . Os socialistas defendem a planificação da economia, em maior ou menor grau. Hoje em dia muito poucos economistas, mesmo socialistas, ainda defendem uma economia totalmente centralizada e planificada, como foi a soviética[1] . Em 2013 só existiam duas economias totalmente planificadas no mundo: Cuba e Coreia do Norte.

Nas mais modernas economias planificadas, um poder central fica encarregado de decidir a respeito dos investimentos a serem realizados pela sociedade, a distribuição dos recursos necessários à produção, consumo e as metas a serem atingidas pelas empresas, exemplo dessa chamada economia planificada podemos identificar como o processo desenvolvido durante o período de 1964 a 1985, vinte anos em que tivemos no Brasil, "Quatro chamados Planos Nacionais de Desenvolvimento, denominados PND I, II, III e IV"; cada um desses com duração de cinco anos, e que indicavam os rumos que a economia deveria seguir para o crescimento harmônico nos períodos. Em um programa de "dirigismo, ao nível definido e orientado por Keynes, a fim de evitar as conhecidas crises cíclicas da economia capitalista".

As empresas, cujo objetivo principal seria não seu lucro mas o progresso do país, não têm tanta preocupação com sua eficiência e o risco de falência ou concordata, como nas economias capitalistas. Têm apenas que cumprir as metas traçadas e realizar a produção e distribuição da melhor forma possível, atendendo as necessidades da população.

Muitas das economias totalmente planificadas que existiram sobretudo no século XX acabaram perdendo credibilidade ao longo dos anos 1980 e 1990, devido ao aumento da burocratização, e da ausência de incentivos a ganhos de produtividade e inovações, havendo no Brasil, apesar de não ser totalmente planificado na época, um "Ministério da Desburocratização", para tornar o processo mais rápido e menos burocratizado, com vistas ao custo e qualidade do produto e sua competividade, a nível internacional, entre o III e o IV Plano Nacional de Desenvolvimento; e também a criação de órgãos como o "Ministério da Ciência e Tecnologia", ligando as instituições escolares às empresariais, com o fito de modernizar o aparelho produtivo na figura do operário e do estudante, a nível do chamado então "Primeiro Mundo", que eram na época chamados, países como os Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Japão, França e outros. O Brasil se encontrava no nível dos países "em desenvolvimento", estando agora entre os principais emergentes do globo.

Planificação econômica[editar | editar código-fonte]

A planificação econômica refere-se à centralização, por parte do Estado, dos poderes de planejamento e execução das políticas econômicas, suprimindo o Mercado e a livre concorrência.

A URSS foi a pioneira na aplicação da planificação econômica, quando dirigida por Stalin, elaborando um sistema de metas com duração estipulada em cinco anos, os chamados planos quinquenais, e dando ênfase ao setor energético e de indústrias pesadas, de bens de capital.

Através dos planos quinquenais a URSS obteve progressos significativos na produção de aço, de bens de capital e produção de maquinária para a indústria. Este modelo foi seguido por todas as repúblicas da União, como também pelos satélites da URSS. Ainda hoje existem países que executam a planificação econômica, como Cuba e Coreia do Norte.

Porém, a planificação econômica, da forma que foi implementada, não produzia uma quantidade de riquezas suficiente para melhorar o padrão de vida dos cidadãos soviéticos, deixando em segundo plano a produção de bens de consumo, que além da pouca oferta, tinham qualidade inferior à dos produtos produzidos em economias de mercado, concentrando os recursos apenas onde o Estado considerava importante, negligenciando o que alguns considerariam necessidades populares.

A insubmissão do setor agrícola[editar | editar código-fonte]

Poucos dias depois da vitória da Revolução de 1917, foi baixado um decreto de 26 de outubro, pelo qual as Autoridades Centrais aboliram o direito de propriedade sobre as terras. Esse ato foi ratificado pela Lei de Socialização da Terra, abrangendo a gestão da terra e dos rebanhos. Como resultado, houve um decréscimo da produção agrícola,a ponto de que em 1921, "a produção agricola representava cerca de 1/3 da alcançada em 1913". Nesse mesmo ano de 1921, foram implantadas algumas medidas liberalizantes, trocando por um imposto único o confisco da produção pelo Estado. Em 1922, foi expedido o Código Agrário pelo qual foram tolerados certos tipos de propriedade rural. Em 1927/1928 houve o fim desse período liberalizante com a introdução dos planos quinquenais. Ao fim do período do plano, em 1932 a agricultura recuara 25,7% inferior ao período 1927/1928[4] . Essa tendência seria observada em outras Economias Planificadas como a China e a antiga Iugoslávia, impulsionando a troca dos modelos de fazendas coletivas para cooperativas agrícolas.

Crítica[editar | editar código-fonte]

O economista e filósofo Ludwig von Mises afirmou a impossibilidade do cálculo de preço, que é necessário para a implantação de um sistema econômico planificado. Para ser determinada uma meta de produção, o que seria a primeira etapa para a economia planificada, é necessário conhecer a demanda, que por sua vez, para ser conhecida, necessita de um preço determinado pelo mercado. Como não há mercado na economia planificada, não é possível conhecer o preço, logo não é possível conhecer a demanda, tornando a edificação de uma economia planificada teoricamente impossível. Essa ideia foi ampliada e fortalecida por Friedrich Hayek.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências


Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.