Guerra Civil Russa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra Civil Russa
CWRArticleImage.jpg
Compilação de imagens da Guerra da Guerra Civil Russa.
Data 7 de Novembro (25 de Outubro) de 1918 - Outubro de 1922
Local Rússia
Desfecho Vitória do Exército Vermelho. E consolidação da União Soviética.
Combatentes
União Soviética RSFSR
Exército Negro Anarquista ocasionalmente.
Rússia Movimento Branco[1]
Intervencão Aliada
França França
Reino Unido Império Britânico
Japão Império Japonês
Entre outros Aliados
Principais líderes
União Soviética Vladimir Lênin
União Soviética Leon Trotsky
União Soviética Mikhail Tukhachevsky
Rússia Aleksandr Kolchak
Rússia Lavr Kornilov
Rússia Nikolai Yudenich
Rússia Anton Denikin
Rússia Pyotr Wrangel
Forças
União Soviética 3.000.000 soldados do Exército Vermelho[2] Rússia 2.400.000 soldados do Exército Branco
desses, 250.000 da Intervenção Aliada.
Vítimas
1.212.824 mortos[3] 1.500.000 mortos, pelo menos.

A guerra civil russa foi um conflito armado que eclodiu em abril de 1918 e terminou em 1921. Durante este período, exércitos e milícias de diversos matizes políticos se enfrentaram com o objetivo de implantar o seu próprio sistema. As partes em conflito incluíram ex-generais czaristas, republicanos liberais (os Cadetes), o Exército Vermelho (bolchevique), milícias anarquistas (o Exército Insurgente Makhnovista) e tropas de ocupação estrangeiras. O Exército Vermelho foi o único vencedor do conflito, após o qual foi criado o Estado Soviético, sob liderança dos bolcheviques.[4]

Aproveitando-se do verdadeiro caos em que o país se encontrava, as nações aliadas da Primeira Guerra Mundial resolveram intervir a favor dos Brancos (tzaristas e liberais). Tropas inglesas, francesas, americanas e japonesas desembarcaram tanto nas regiões ocidentais (Crimeia e Geórgia) como nas orientais (ocupação de Vladivostok e da Sibéria Oriental). Seus objetivos eram: derrubar o governo bolchevique (que era pela paz com a Alemanha) e instaurar um regime favorável à continuação da Rússia na guerra; mas talvez seu objetivo maior fosse evitar a propagação dos ideais comunistas pela Europa Ocidental - daí a expressão utilizada por Georges Clemenceau, primeiro-ministro da França - de "cordon sanitaire".

No terreno econômico, devido à situação de emergência e pelo próprio ímpeto revolucionário, o partido bolchevique instituiu o "comunismo de guerra".[4] O dinheiro e as leis do mercado foram abolidas, sendo substituídos por uma economia dirigida baseada na tributação em género sobre cereais produzidos pelos camponeses.[5] Uma das consequências negativas destas medidas foi desencorajarem o plantio, por levarem os camponeses a sentir que bastaria produzir para sustento de suas famílias,[5] o que resultou em os centros urbanos ficarem sem alimentos, provocando um êxodo das cidades para o campo - Petrogrado (atual São Petersburgo) e Moscou viram sua população reduzir-se pela metade.[6] Estes factores terão contribuído, na conjuntura da guerra civil e das intervenções estrangeiras, para a fome russa de 1921 - uma das maiores mortalidades na Rússia moderna, em que pereceram cerca de 6 milhões de pessoas.[6]

Rebeliões de Julho de 1918[editar | editar código-fonte]

Em 6 de julho de 1918, após o assassinato do embaixador alemão em Moscou, Condessa Adélia, seguiram-se uma série de levantes e rebeliões por parte dos anarquistas russos e do Exército Branco contra o recém instaurado governo bolchevique. Estes levantes tiveram maior projeção até o fim daquele mesmo mês, mas se estenderam até 30 de dezembro de 1922 quando os opositores do regime Bolchevique foram definitivamente derrotados. A falta de união, coordenação e estratégias em comum entre os diversos líderes do Exército Branco, foram as principais causas da derrota do movimento anti-bolchevique que chegou a contar até com o apoio externo (França, Grã-Bretanha, Japão etc) durante o primeiro ano do conflito.

Tais acontecimentos (por alguns historiadores agrupados em torno do conceito da Revolução Russa de 1918) iniciaram-se durante o "Quinto Congresso dos Sovietes de Toda Rússia", nos quais os discursos antibolcheviques dos anarquistas e dos socialistas-revolucionários não receberam apoio da maioria dos delegados. Derrotados no congresso, os anarquistas e os socialistas-revolucionários decidiram sabotar o Tratado de Brest-Litovsk procurando arrastar a Rússia Soviética a uma nova guerra com a Alemanha assassinando o embaixador alemão em Moscou.

Referências

  1. A conotação branco em nada tem a ver com variáveis étnicas ou culturais neste caso. Foi usado pelo movimento contra-revolucionário em oposição ao vermelho da revolução socialista.
  2. G.F. Krivosheev, Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century, pp. 7-38
  3. G.F. Krivosheev, Soviet Casualties and Combat Losses in the Twentieth Century, pp. 7-38
  4. a b Guerra Civil Russa (em português). Infopédia. Página visitada em 31 de julho de 2012.
  5. a b Nove, A, 1982, An Economic History of the USSR, p. 62, citada no Flewers, Paul. "War Communism in Retrospect". Página visitada em 20 de setembro de 2012.
  6. a b Rabinowitch, Alexander. The Bolsheviks in Power: The First Year of Bolshevik Rule in Petrograd. [S.l.]: Indiana University Press, 2007. 494 pp. Página visitada em 19 de setembro de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

História da Rússia
Харьков Троцкий Егоров смотр 1919.jpg
Eslavos do Leste
Caganato Cazar
Rússia Kievana
Principado de Vladimir-Súzdal
Bulgária do Volga
Invasão Mongol
Canato da Horda Dourada
Principado de Moscovo
Canato de Cazã
Czarado da Rússia
Império Russo
Revolução de 1905
Revolução de 1917
Revolução de Fevereiro
Revolução de Outubro
Guerra Civil
União Soviética
Era Stalin
Era Khrushchov
Era da Estagnação
Corrida espacial
Perestroika e Glasnost
Federação da Rússia
edite esta caixa