Anarcossindicalismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Bandeira anarcossindicalista.

Anarco-sindicalismo também conhecido como o sindicalismo revolucionário[1] ou anarcossindicalismo, é uma vertente anarquista que tem como forma de organização transformacional principal o sindicalismo enquanto modo de organização. Os anarco-sindicalistas, ou anarcossindicalistas, acreditam que os sindicatos podem ser utilizados como instrumentos para mudar a sociedade, substituindo o capitalismo e o Estado por uma nova sociedade democraticamente autogerida pelos trabalhadores.

O anarco-sindicalismo vê o sindicalismo revolucionário industrial ou o sindicalismo como um método para os trabalhadores na sociedade capitalista ganharem o controle de uma economia e, com esse controle, a influência da sociedade de forma mais ampla. Sindicalistas consideram suas teorias econômicas uma estratégia para facilitar a auto-atividade do trabalhador, e também como um sistema econômico cooperativo alternativo com valores democráticos e produção centrada na satisfação das necessidades humanas.

Os princípios básicos do anarco-sindicalismo são a solidariedade, a ação direta (ação realizada sem a intervenção de terceiros, como os políticos, burocratas e árbitros ) e democracia direta, ou a auto-gestão dos trabalhadores. O objetivo final do anarco-sindicalismo é abolir o sistema de salários, relacionando este sistema de salários com a escravidão assalariada. A teoria anarco-sindicalista, portanto, geralmente se concentra no movimento operário.[2]

Anarco-sindicalistas visualizam o objetivo principal do Estado como sendo a defesa da propriedade privada e, portanto, de privilégio econômico, social e político, negando a maioria de seus habitantes a possibilidade de gozar da independência material e da autonomia social que surge a partir dele. Em contraste com outros órgãos de pensamento, especialmente com o marxismo-leninismo, anarco-sindicalistas negam que pode haver qualquer tipo de estado operário, ou um estado que age no interesse dos trabalhadores, em oposição àqueles dos poderosos, e que qualquer Estado, com a intenção de capacitar os trabalhadores vai inevitavelmente acabar fortalecendo a si mesmo ou a elite existente em detrimento dos trabalhadores. Refletindo a filosofia anarquista do qual ele retira sua principal inspiração, o anarco-sindicalismo sustenta a ideia de que o poder corrompe.

História[editar | editar código-fonte]

Origem[editar | editar código-fonte]

Hubert Lagardelle escreveu que Pierre-Joseph Proudhon tinha estabelecido as teorias fundamentais do anarco-sindicalismo, através de seu repúdio tanto ao capitalismo como ao estado, o seu desprezo do governo político, a sua ideia de liberdade e de grupos econômicos autônomos, a sua visão de luta, e não de pacifismo, como o núcleo da humanidade.[3] As primeiras expressões da estrutura e métodos anarco-sindicalista foram formuladas na Associação Internacional dos Trabalhadores, ou Primeira Internacional, em particular na federação do Jura. A Primeira Internacional, no entanto, dividida entre duas tendências principais dentro da organização sobre a questão da política, e a da ação parlamentar; a ala anarquista representada por Mikhail Bakunin e a ala do Estado socialista representado por Karl Marx.

Fernand Pelloutier foi um ativista influente para o anarco-sindicalismo, desde que ele era o líder do Bourses du Travail, um importante sindicato francês, a partir de 1895 até sua morte, em 1901. Em 1895 , a Confederação Générale du Travail (CGT ) na França expressou totalmente a estrutura organizacional e os métodos do sindicalismo revolucionário influenciando movimentos operários de todo o mundo. A CGT foi modelada no desenvolvimento da Bourse de Travail, uma organização central de trabalhadores que deveria encorajar autodidatismo, apoio mútuo, e facilitar a comunicação com sindicato dos trabalhadores locais.

A união da corrente ideológica anarquista com o sindicalismo não se deu desde o princípio e nem de forma harmoniosa e regular. O primeiro contato foi feito com a entrada de Bakunin e seus adeptos na AIT. Tal inserção foi contestada por alguns anarquistas, como Errico Malatesta, que acreditavam que os sindicatos não eram locais propícios para a prática revolucionária uma vez que serviam a interesses meramente econômicos e, portanto, até mesmo retrógrados em relação a uma possível revolução que deveria estar focada na abolição do Estado e de toda exploração dos homens uns sobre os outros, assim com a autogestão da produção.

No entanto, a difusão do pensamento anarquista nas organizações sindicais ganhou significativa força em países como França, Itália e Espanha.

No Brasil do início do século XX, com chegada dos imigrantes europeus, o desenvolvimento de sindicatos de base anarquista foi predominante.O anarcossindicalismo foi a principal base de reivindicações trabalhistas e de grandes greves como foi a greve de 1917.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Revolutionary syndicalism" , Encyclopedia Britannica
  2. Jeremy, Jennings. Syndicalism in France. [S.l.]: Macmillan, 1990. ISBN 978-0312040277.
  3. Jameson, J. F.. The American Historical Review. [S.l.: s.n.], 1895. p. 731.


Ícone de esboço Este artigo sobre Anarquismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Anarcossindicalismo