Gâmbia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Republic of The Gambia
República da Gâmbia
Bandeira da Gâmbia
Brasão de armas
Bandeira Brasão
Lema: "Progress, Peace, Prosperity"
("Progresso, Paz, Prosperidade")
Hino nacional: "For The Gambia, Our Homeland"
("Pela Gâmbia, Nosso Lar")
Gentílico: gambiano(a)[1]

Localização  República de Gâmbia

Capital Banjul
13° 27' N 16° 34' O
Cidade mais populosa Serekunda
Língua oficial Inglês
Governo República presidencialista
 - Presidente Yahya Jammeh
 - Vice-presidente Isatou Njie-Saidy
Independência do Reino Unido 
 - Data 18 de fevereiro de 1965 
Área  
 - Total 11 295 km² (158.º)
 - Água (%) 11,5
 Fronteira com o Senegal apenas, a norte, leste e sul
População  
 - Estimativa de 2008 1 735 464 hab. (146.º)
 - Densidade 140 hab./km² (52.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2007
 - Total US$ : 1,338 bilhões (171.º)
 - Per capita US$ : 1326 (151.º)
IDH (2013) 0,441 (172.º) – baixo[2]
Gini (1998) 50,2[3]
Moeda Dalasi (GMD)
Fuso horário (UTC+0)
 - Verão (DST) não observado (UTC+0)
Clima Tropical
Org. internacionais ONU, UA, CEDEAO, OCI, ZPCAS, Comunidade das Nações
Cód. ISO GMB
Cód. Internet .gm
Cód. telef. +220
Website governamental http://www.statehouse.gm/

Mapa  República de Gâmbia

Gâmbia, oficialmente República da Gâmbia, é um país da África Ocidental que rodeia o curso inferior do Rio Gâmbia. Tem uma pequena extensão de litoral Atlântico, a oeste, e uma extensa fronteira com o Senegal por todos os outros lados. Sua capital é Banjul. Reza a história que os franceses propuseram aos ingleses que apenas teriam posse do território que conseguissem atingir com as balas de canhões, colocados ao longo do rio. Ainda que não haja evidências históricas desta peculiar definição de fronteira, os habitantes locais contam que o país foi assim definido, “a bala de canhão”.

História[editar | editar código-fonte]

Plano do Forte de Gâmbia na Ilha James.
Selo de 1880.

Gâmbia formou parte do Império Gana assim como do Império Songhai. Os primeiros testamentos escritos que se têm da região provêm de alguns textos escritos por comerciantes árabes, nos séculos IX e X, quando os comerciantes árabes criaram uma rota comercial, que comercializou escravos, ouro e marfim. No século XV, os portugueses herdaram este comércio estabelecendo uma rota de comércio do Império Mali, o qual era pertencente à zona da época.

Em 1588, António, Prior do Crato vendeu os direitos de exclusividade de comércio na região do rio Gâmbia aos ingleses, direitos que foram confirmados pela rainha Elizabeth I. No ano de 1618 o rei inglês Jaime I deu a concessão de comércio na região de Gâmbia e da Costa do Ouro a uma companhia inglesa. Entre 1651 e 1661 partes da atual Gâmbia estiveram sob domínio da Curlândia, na época do príncipe Jacob Kettler, vassalo da Polônia-Lituânia.

Desde o final do século XVII e durante todo o século XVIII a região dos rios Senegal e Gâmbia foi alvo da disputa entre ingleses e franceses. Em 1783 o Tratado de Versalhes deu a posse do rio Gâmbia aos ingleses, mas os franceses retiveram um enclave na região que só foi cedido ao Reino Unido em 1857. Mais de 3 milhões de escravos foram enviados desta região às colônias na América. Em 1807, a escravidão foi abolida no Império Britânico, para tentar que os britânicos terminassem com o comércio de escravos em Gâmbia. Para isso, criaram o posto militar de Bathurst (hoje Banjul) em 1816. Nos anos seguintes, Banjul estava submetida à jurisdução do governador britânico em Serra Leoa. Em 1888, a Gâmbia se converteu em uma colônia autônoma e, um ano mais tarde, em colônia real.

Gâmbia ficou independente do Reino Unido em 1965. Em 1970, Dawda Jawara se converteu no primeiro presidente do novo estado e foi reeleito em 1972 e 1977. Depois da independência, a Gâmbia melhorou seu desenvolvimento econômico graças ao alça nos preços de sua principal matéria de exportação, o amendoim, e ao desenvolvimento do turismo internacional. Em 1982, junto com Senegal, a Gâmbia formou a Confederação de Senegâmbia. O presidente Jawara foi derrotado em 1994 por Yahya Jammeh, quem estabeleceu uma ditadura. Jammeh foi reeleito em 2001 e derrogou a lei que proibia a existência de partidos opositores.E em 23 de novembro de 2010,a Gâmbia rompe todas as suas relações diplomaticas,ecônomicas e políticas com a República Islâmica do Irã

Geografia[editar | editar código-fonte]

A Gâmbia é um dos menores países da África. Trata-se de uma longa faixa de terra pantanosa que se estende ao longo de cerca de 320 km para o interior da África ocidental mas nunca atinge os 50 km de largura, ao longo das duas margens do rio Gâmbia, navegável em todo o seu curso gambiano. O país também inclui a ilha de Saint Mary, na foz do Gâmbia, onde se ergue a capital, Banjul, e a ilha James, que foi declarada Património Mundial pela UNESCO.

O clima é tropical, semelhante aos do vizinho Senegal, do sul do Mali e do norte do Benim. De junho a novembro há uma estação quente e bastante chuvosa. De novembro a maio as temperaturas são mais baixas e a estação é seca.[4]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Banjul, a capital do país.

O país possui pouco mais de 1,6 milhão de habitantes, o que revela uma densidade de 140 habitantes por quilômetro quadrado. O país, apesar de possuir um território muito limitado, de apenas 11.295 quilômetros quadrados, apresenta diversas etnias. Grande parte da população é composta pelos mandingas (42%). Logo em seguida vem os fulanis, com 18%, os ulofes (16%), os jolas (10%), os seraulis (9%) e ainda outras etnias que, somadas, respodem por 5% dos gambianos. 99% da população é negra. Apenas 1% é branca, descedente principalmente de europeus, entre outros povos.

A projeção de 2007 indica que 56% da população do país vive nas cidades. A taxa de analfabetismo preocupa muito as autoridades, por ser muito alta, 57,5%. Apenas 42,5% da população acima dos 15 anos é alfabetizada.

Eis alguns dados sobre a demografia gambiana:

  • Mortalidade Infantil: 74,2/1000 nascidos vivos (166º);
  • Fecundidade: 4,23 filhos por mulher;
  • Crescimento Demográfico: 2,3% ao ano;
  • Expectativa de vida: 59,4 anos.
    • Expectativa de vida masculina: 58,6 anos.
    • Expectativa de vida feminina: 60,3 anos.

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Yahya Jammeh, presidente atual do país desde 1994.

A vigente Constituição de Gâmbia foi aprovada, depois de um referendo, em 16 de janeiro de 1997, após um golpe de estado em 1994 que dissolveu o Parlamento e derrogou a Constituição de 1970.

A Gâmbia é uma República presidencialista não democrática. O Presidente da República é eleito por sufrágio universal para um período de cinco anos. O poder legislativo reside na Assembleia Nacional composta por quarenta e oito membros, dos que 43 são eleitos por sufrágio universal, e cinco os elege o Presidente da República.

O poder executivo está dividido entre o Chefe do Estado e o Presidente do Governo, nomeado pela Assembléia entre uma trinca eleita pelo Presidente da República.

O poder judiciário se articula em torno do Tribunal Supremo que se organiza administrativamente segundo o modelo francês.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A divisão administrativa da Gâmbia é feita num primeiro plano por divisões. Depois, numa divisão paralela, que se mantém desde a independência do país em 1965, está dividido em Áreas de Governo Local, que por sua vez se dividem em distritos. Existem 5 divisões e uma cidade, Banjul, com esse estatuto:

Subdivisões da Gâmbia.

Economia[editar | editar código-fonte]

Gâmbia não tem recursos naturais ou minerais confirmados, e tem uma agricultura pouco desenvolvida. Aproximadamente 75% de sua população depende do cultivo da terra ou da criação de animais para subsistência. As atividades industriais principais são o processamento de amendoim, peixes e peles. O comércio de reexportação era uma atividade econômica importante, porém o aumento de fiscalização do governo a partir de 1999 e a instabilidade da moeda do país, o dalasi, fez com que esta atividade sofresse redução.[5]

As belezas naturais do país e a proximidade com a Europa tornaram-no um destino turístico importante.[5] Sua economia era a 194a do mundo em 2007.[6]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Feriados
Data Nome em português Nome local
18 de fevereiro Dia da Independência Independence's Day
Festa móvel Sexta-feira Santa Friday saint
1 de maio Dia do trabalho Day of the work
15 de agosto Dia da Assunção Asuncion's Day

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]


Flag-map of The Gambia.svg Gâmbia
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens