Calecute

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Calecute/Kozhikode
—  Cidade  —
Estação de ônibus
Estação de ônibus
apelido/alcunha(s) Cidade das Especiarias
Localização de Calecute em Kerala e na Índia
Localização de Calecute em Kerala e na Índia
Calecute/Kozhikode está localizado em: Índia
Calecute/Kozhikode
Localização de Calecute em Kerala e na Índia
11° 15' N 75° 46' 12" E
País  Índia
Estado Kerala
Distrito Calecute
Administração
 - Prefeito A. K. Premajam
Área
 - Total 128 km²
Altitude 1 m (3 pés)
População (2011)
 - Total 432 097
    • Densidade 3,400/km2 
Fuso horário HPI (UTC+5:30)
Representação de Calecute no atlas "Civitates orbis terrarum" (Georg Braun e Franz Hogenber, 1572).

Calecute,[1] Calicute[2] ou Calicut (em malaiala: കോഴിക്കോട്, AFI[koːɻikːoːɖ], por vezes transliterado Kozhikode) é uma cidade do estado de Kerala, na costa ocidental da Índia. Tem cerca de 933 000 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade era dirigida pela dinastia dos samorins, deformação portuguesa de Samutiri, o "grande senhor do mar". O porto da cidade era o mais importante da costa do Malabar, onde os árabes e os chineses cambiavam suas fazendas contra a produção local. As outras cidades da costa, como Cochim, eram suas vassalas.

Aí aportaram os navegadores portugueses Vasco da Gama (1498) e Pedro Álvares Cabral (1500). Este último tentou erigir uma feitoria para o comércio de especiarias, mas sem êxito, pois os locais saquearam a construção e massacraram dezenas de portugueses.[3] Em meio a essa construção, pereceu, em combate, Pero Vaz de Caminha.

Em 1510, foi empreendida uma mal-sucedida tentativa de conquista da cidade. A expedição foi organizada por dom Fernando Coutinho, o Marechal do Reino, que levara para a Índia ordens específicas para o efeito. O objetivo de estabelecimento de uma feitoria só seria alcançado com Afonso de Albuquerque, que ali ergueu a Fortaleza de Calecute (1513), abandonada a partir de 1525, em razão do deslocamento do eixo do comércio de especiarias para outros locais, como Diu.

Em uma representação de Calecute, datada do século XVI, a legenda assinala:

"Calecvv - O Rey de Calecvv cõ temor que os nosos tomariã dele vinganca da morte do Marichal cõ muitos rogos Afonsdalboquerque lhe asentou paz fazendo esta fortaleza a sua custa que esteve em muita paz ate o ano de 1525 que Dõ Joam de Lima sendo capitam alevantou gera e se desfez esta forteleza em tempo do Governador Dom Anrique de Meneses."[4]

O domínio português, à época, foi substituído pelo dos holandeses.

Notas

  1. Fernandes, Ivo Xavier. Topónimos e Gentílicos. Porto: Editora Educação Nacional, Lda., 1941. vol. I.
  2. SCHULBERG, L. Índia histórica. Tradução de J. A. Pinheiro de Lemos. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p. 160.
  3. Bethencourt, F., Ramada Curto, D.. A Expansão Marítima Portuguesa, 1400-1800. Lisboa: Edições 70, 2010. Capítulo Configurações Políticas e Poderes Locais. p. 211.
  4. In: SILVEIRA, Luís da. Ensaio de Iconografia das cidades portuguesas do Ultramar. Lisboa: 1956.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Calecute
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Índia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.