Língua beja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Beja
 (بداوية Badāwīyä)
Falado em: Sudão,
Eritreia
 Egito
Total de falantes: 1 178 000
Família: Afro-asiática
 cuchítica
  Norte cichítica
   Beja
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: bej
ISO 639-3: bej

A língua beja (também chamada bedawi, bedauye, to bedawie) é uma língua afro-asiática da costa sul do Mar Vermelho, falada por aproximadamente dois milhões de pessoas, é a língua do povo beja, que habita partes do Egito, Sudão e Eritreia. [1]

Classificação[editar | editar código-fonte]

O beja é frequentemente visto como uma língua cuchítica, mas muitos estudiosos, especialmente Robert Hetzron (1980), a classifica como um ramo independente da família afro-asiática.

Escrita[editar | editar código-fonte]

São duas as escritas da língua Beja[2] :

  • Escrita árabe (Abjad) com 27 letras – é usada parcialmente no Sudão embora sem reconhecimento oficial.
  • Escrita Latina – sem as letras C, P, Q, V, X; apresenta os grupos consonantais – Dh, Gh, Gw, Kh, Kw, Sh, Th; Essa escrita é usada oficialmente na Eritreia, sendo ensinada nas escolas. Foi desenvolvida pelo casal Sr and Sra Wedekind do SIL em cooperação com autoridades do país.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Raymond G. Gordon, Jr, ed. 2005. Ethnologue: Languages of the World. 15th edition. Dallas: Summer Institute of Linguistics.
  2. Alfabeto e Pronúncia – Beja em “Omniglot.com”

Referências[editar | editar código-fonte]

Leitura[editar | editar código-fonte]

  • Herman Almkvist. 1881. Die Bischari-Sprache Tu-Bedawie in Nordost-Africa.
  • Richard A. Hudson. 1974. "A structural sketch of Beja," African Language Studies. Ed. D.W. Arnott. London: School of Oriental and African Studies. Pages 111-142.
  • Richard A. Hudson. 1976. "Beja," The Non-Semitic Languages of Ethiopia. Ed. M. Lionel Bender. East Lansing: Michigan University, African Studies Centre. Pages 97-132.
  • Leo Reinisch. 1893. Die Bedauye-Sprache in Nordost-Afrika 2. Viena: F. Tempsky.