Língua sandawe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sandawea
Falado em: Tanzânia
Região: Dodoma, Distrito Kondoa – rios Bubu e Mponde
Total de falantes: 40.000 (2000)
Família: Coisã
 Sandawea
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: sad
ISO 639-3: sad

Sandawe ou sandawi é uma língua tonal com “cliques” falada por cerca de 40 mil pessoas do povo “Sandawe” em Dodoma, Tanzânia. A presença da língua é vigorosa na região, falada por adultos e crianças, havendo muitas pessoas monolingües.

Classificação[editar | editar código-fonte]

O sandawe é classificado como uma língua khoisan, conforme foi definido nos anos 20, devido à presença de “cliques’ consonantais. Investigações posteriores por Güldemann indicam-na como mais relacionada ao grupo “khoe”, embora a teoria das “khoisan” seja ainda mais válida. Sands em 1998 apresentou novos estudos sobre a origem do idioma.

A SIL International vem trabalhando com sandawe desde 1996 por meio das pesquisas de Daniel e Elisabeth Hunziker mais Helen Eaton. Esses lingüistas produziram uma descrição fonológica, uma pesquisa de dialetos e muitos estudos acerca da gramática. Desde 2002 p sandawe vem sendo estudado por Sander Steeman da Universidade de Leiden.

As línguas mais aparentadas ao Sandawe são as do grupo “khoe” de Botsuana e Namíbia. Os cognatos pesquisado em 1976 por Greenberg evidenciam o fato de Sandawe ser uma línhua khoisan, ligando-a com o khoe. Gueldemann e Elderkin comprovaram mais fortemente essas ligações, enfraquecendo os laços com outras línguas “khoisan”. Não há, porém, evidências suficientes para se reconstruir uma língua “proto-khoe-sandawe”, embora as ligações sejam bastante óbvias.

Nomes – dialetos[editar | editar código-fonte]

Nomes - sandaui, sandawi, sandwe, sandaweeki, kisandawe Dialetos - bisa, telha.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Local - Dodoma, no distrito de Kondoa, entre os rios the Bubu e Mponde.

A língua se apresenta forte e singular na região, embora considerem o sandawe ima língua difícil de ler e escrever. Os mais velhos e os habitantes rurais são monolingües em sandawe. A maioria entende outros idiomas num nível básico. A língua tem estrutura S-O-V.

Os sandawe se casam com pessoas de etnias gogo, turu, e maasai. Vivem nas colinas, bosques e savanas, são muçulmanos, cristãos ou animistas. Podem ser caçadores coletores, agricultores, pastores ou criadores de gado.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Vogais[editar | editar código-fonte]

O sandawe apresenta cinco vogais, podendo ser cada uma delas: oral curta, oral longa, nasal longa; Na posição final das palavras, o “u” ou o “i” quase mudos são muito freqüentes:

i u
e o
a

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Tipo não-clique[editar | editar código-fonte]

Os glifos em itálico são da ortografia prática inventada por Hunziker e Hunziker, seguida pela forma IPA aproximada.

Labial Alveolar Post-alveolar
ou Palatal
Velar Glotal
Central Lateral
Nasal m m n n
Plosiva
e
Africativa
Aspirada p t tch ʧʰ k
Tênue bp p dt t tl tc ʧ gk k ʔ
Vocal /small> b b d d dl dz ʤ g ɡ
Ejetiva tsʼ ʦʼ tlʼ tɬʼ k’
Fricativa f f s s lh ɬ kh x
Aproximante r ɾ l l y j w w h h

Cliques[editar | editar código-fonte]

(fonte: Wright 1995)

Clique início palavra Clique meio palavra
Laminal
Dente-alveolar
Lateral
alveolar
Apical
post-alveolar
Laminal
Denti-alveolar
Lateral
alveolar
Apical
postalveolar
Nasal nc [ŋǀ] nx [ŋǁ] nq [ŋǃ] Nasal [ŋǀ] [ŋǁ] [ŋǃ]
Vocal gc [ɡǀ] gx [ɡǁ] gq [ɡǃ] Prenasalizada [ᵑɡǀ] [ᵑɡǁ] [ᵑɡǃ]
Tênue c [kǀ] x [kǁ] q [kǃ]
Aspirada ch [kǀʰ] xh [kǁʰ] qh [kǃʰ]
Glotalizada c’ [kǀˀ] x’ [kǁˀ] q’ [kǃˀ] Glotalizada nasal [ŋʔǀ] [ŋʔǁ] [ŋʔǃ]

Os cliques sandawe não são tão altos se comparados àqueles da África do Sul. O clique lateral [kǁ] pode se confundir com o ejetivo lateral africativo [tɬʼ]. Com os cliques post-alveolares a língua toca com freqüência a parte inferior da boca, sendo esse toque mais alto que o normalmente esperado e um clique. Wright transcreve esse clique de toque rápido (chocotada) com o símbolo ad hoc [kǃ¡], embora isso não esteja de acordo como o Alfabeto Padrão IPA. A série de cliques vocais não apresenta muita estabilidade, série essa que não existe na língua hadza.

Apenas três dos cinco “afluxos” de cliques ocorrem entre vogais, sendo todos nasalizados. Os cliques nasais são mais fáceis para pronunciar, veja-se que nas línguas “dahalo” e “damin” onde todos os cliques são nasais. O afluxo de clique glotalizado é como uma voz “aguda” (como um guincho); Não é uma ejetiva.

Desde o início do som a glote está fechada, fica assim durante toda oclusão do clique, somente se abre após a “explosão” do [k], que após o clique soa como um [ǃ]. Na posição medial a glote se fecha depois do fechamento velar [ŋ], porém, antes do fechamento frontal, abrindo-se antes ainda da liberação do clique.

Tais cliques não são sempre nasalisados durante sua duração; em alguns poucos casos são simples cliques pre-nasalizados glotais., [ŋkǃˀ], sempre considerando que o sobrescrito [ˀ] implica co-articulação (pronunciado junto, não depois, do [k], conforme explicado acima).

A ortografia se baseia nas da língua xhosa e na língua zulu.

Sílabas[editar | editar código-fonte]

As sílabas sandawe são geralmente S-V. Nos monossílabos não são incomuns nasalizações finais (CV.N). Às vezes outras consoantes aparecem na posição final, mas isso deve ser originário de desaparecimento de alguma vogal final quase muda. Nas palavras que vêm do suaíli há finais nasais em m.

Conforme De Voogt (1992), a estrutura mais presente nas palavras sandawe é de duas sílabas sem vogais longas (CV(ː)CV(ː)).

Gramática[editar | editar código-fonte]

Pronomes[editar | editar código-fonte]

Pronomes livres

singular plural
1 tsi sũũ
2 hapu sĩĩ
3 masc he-we he-so
3 fem he-su

sufixos pronominais

singular plural
1 -és -wà
2 -i
3 masc -ʔà
3 fem -sà

Substantivos e adjetivos[editar | editar código-fonte]

Os substantivos são geralmente formados por uma raiz e um sufixo para indicar:

  • gênero: masculino, feminino, neutro.
  • número: singular, plural;

Os adjetivos, conforme Kagawe (1993), são geralmente expressos por formas verbais

Sintaxe[editar | editar código-fonte]

Conforme De Vogt, a ordem básica das palavras é SOV, porém, outras estruturas existem, pois a língua apresenta muitas estratégias de identificação do sujeito.

Exemplo de frase (sem marcação dos tons médios); Conf. Tucker (1977) e De Vogt (1992); úte-s kxʼaré-és hàʔǃà
Ontem- Eu garoto-Eu chamei
Ontem eu chamei um garoto'

Tons[editar | editar código-fonte]

Elderkin (1989) identifica dois níveis tonais no sandawe, alto e baixo, além de dois tons de contorno, subindo, descendo. São considerados por ele o comportamento do tom na palavra e o nível do discurso.

De Voogt (1992) e Kagaya (1993) percebem 3 níveis, alto, médio e baixo e os mesmos dois tons de contorno.

O sistema pronominal é similar:

Sandawe Proto-Khoe-Kwadi
1 sg PN tsi *ti (Kwadi tʃi)
2 sg PN ha- *sa
3 PN base he- xa (Kwadi ha-)
3 masc sing sufixo -w(e), -m (Khoe *-bV, *-mV)
3 fem sing sufixo su (Khoe *-sV)

Podemos verificar algumas pistas para o desenvolvimento dos cliques. Em sandawe a palavra para 'chifre', tlana, pode ser um cognato da raiz n||â que está em todas as línguas khoe, o que sugere que os cliques podem formar grupos de consoantes quando a primeira vogal de uma palavra desaparece: tlana > tlna > ||na (n||a).

Conforme consta da obra On the external relationships of the Khoe family de Tom Güldemann e Edward Elderkin, a família khoe parece ter migrado da África setentrional para o nordeste e assim o sandawe se aproxima mais das línguas do sul do que as línguas do grupo khoe.

Referências[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Dobashi, Yoshihito (2001) 'Agreement and Word Order in Sandawe' In Cornell Working Papers in Linguistics, 2001, 18, pp 57–74.
  • Eaton, Helen C. (2002) 'A Grammar of Focus in Sandawe' (Unpublished Ph.D thesis, University of Reading).
  • Elderkin, Edward D. (1989) 'The Significance and Origin of the Use of Pitch in Sandawe' (Unpublished D.Phil thesis, University of York).
  • Kagaya, Ryohei (1993) 'A Classified Vocabulary of The Sandawe Language', Asian & African Lexicon vol 26. Tokyo: Institute for the Study of Languages and Cultures of Asia and África (ILCAA).
  • Sands, Bonny E. (1998) 'Eastern and Southern African Khoisan: evaluating claims of distant linguistic relationships.' Quellen zur Khoisan-Forschung 14. Köln: Köppe.
  • Voogt, A.J. de (1992) Some phonetic aspects of Hatsa and Sandawe clicks (Unpublished MA thesis in African Linguistics, Leiden University).
  • Wright, Richard, Ian Maddieson, Peter Ladefoged, Bonny Sands (1995). 'A phonetic study of Sandawe clicks', UCLA Working Papers in Phonetics, No. 91: Fieldwork Studies in Targeted Languages III.

Referências externas[editar | editar código-fonte]