Sufixo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em gramática, sufixo é um afixo que se adiciona ao final de um radical [1] [2] (ao contrário do prefixo, que se coloca no início). O sufixo é o responsável pela criação de outras palavras, as chamadas palavras derivadas. Por exemplo: se adicionarmos o sufixo -eiro (formador de substantivo) à palavra primitiva pedra, originaremos a palavra derivada, pedreiro.

Tipos[editar | editar código-fonte]

Há basicamente três tipos de sufixo: nominal, verbal e adverbial. [3] Nominal é aquele responsável pela formação de nome (adjetivos e substantivos, incluindo os aumentativos e diminutivos) como por exemplo: padeiro, favelado. Verbal é aquele responsável pela formação de um verbo, como por exemplo: computadorizar. Adverbial é aquele responsável pela formação de um advérbio (no português existe apenas o sufixo -mente), como por exemplo: felizmente.

Os sufixos também podem ser classificados em derivacionais e flexionais. Os sufixos derivacionais são usados na criação de novas palavras; determinam a classe gramatical da palavra resultante. Os sufixos flexionais trabalham com a concordância; não modificam a classe gramatical. [4]

A desinência é um sufixo flexional, pois apenas flexiona o vocábulo já existente. Em outras palavras, quando formamos a palavra meninão, estamos adicionando ao radical menin- um sufixo, e não uma desinência. Portanto, meninão é uma palavra derivada por sufixação da palavra menino. [4]

Considerações sobre o valor dos sufixos[editar | editar código-fonte]

Muitos afirmam que alguns sufixos adquirem determinado valor pelo uso. Assim, eles teriam mais do que a função de formar novas palavras com novas classes gramaticais. A função deles estaria ligada à semântica. Por exemplo, a adição do sufixo -eco à palavra jornal não gera apenas o diminutivo da primitiva, mas tem valor depreciativo.

Cláudia Assad Alvares (USP) ratifica o discurso de Miranda (1979), "no que tange à oposição existente entre os agentivos formados pelos sufixos -ista e -eiro e que designam profissões em língua portuguesa. A oposição estaria vinculada ao status; dessa forma, os agentivos em -ista designariam profissões de maior prestígio sócio-cultural em nossa sociedade, ao passo que os agentivos em -eiro designariam ocupações de pouco ou nenhum prestígio e, até mesmo, marginalizadas". Exemplo para essa ideia é a oposição entre jornalista e jornaleiro. Um exemplo que pode contrariar essa afirmação é "engenheiro" ( aquele que é formado em engenharia) ou até mesmo "diarista" (determinado tipo de faxineira).

Segundo Celso Cunha e Lindley Cintra encontram-se os seguintes usos para os sufixos -eiro e -eira: [5]

"I. Quando participa na derivação de nomes a partir de outros nomes:
– ocupação, ofício, profissão – barbeiro (barba), copeira (copa);
– lugar onde se guarda algo – galinheiro (galinha), tinteiro (tinta);
– árvore e arbusto – laranjeira (laranja), craveiro (cravo);
– ideia de intensidade, aumento – nevoeiro (névoa), poeira (pó);
– obje(c)to de uso – cinzeiro (cinza), pulseira (pulso);
– noção cole(c)tiva – berreiro (berro), formigueiro (formiga);
II. Quando participa na derivação de adje(c)tivos a partir de nomes:
– relação, posse, origem – caseiro (casa); mineiro (de minas ou Minas Gerais)."

Referências

  1. FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda. mini Aurélio. 8 ed. Curitiba: Positivo, 2010. p. 716. ISBN 85-385-4239-1
  2. Mesquita, Roberto Melo; Martos, Cloder Rivas. Linguagem & Realidade. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 1994. p. 114. ISBN 85-02-01251-7
  3. Pontara, Marcela Nogueira; Fadel, Tatiana. Português - Língua e Literatura Volume único. 2 ed. São Paulo: Moderna, 2005. p. 167. ISBN 85-16-03845-9
  4. a b Francisco Costa. O sufixo e a desinência. Página visitada em 20 de Novembro de 2013.
  5. CUNHA, Celso. CINTRA, Lindley. Breve Gramática do Português Contemporâneo. [S.l.]: Edições João Sá da Costa, 1998. 496 p. ISBN-9789729230059