Desinência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Desinência é um morfema [1] , elemento final [2] , elemento morfológico [3] , um sufixo gramatical [4] , ou simplesmente terminação [5] , que indica a flexão de uma palavra [6] (em gênero, número, modo, tempo, etc.). [1] [2]

Nas relações de concordância nominal ou concordância verbal, a desinência é essencial. [6]

Classificação[editar | editar código-fonte]

As desinências podem ser classificadas em dois (2) tipos: nominal e verbal. [1] [2] [7]

Desinência nominal[editar | editar código-fonte]

Indica o gênero e o número nos nomes (ex.: substantivo, adjetivo, etc.) . Geralmente as desinências são o e a, para indicar gênero (existem casos especiais como com avô e avó, bom e boa [8] ), e s , ou sua ausência, para indicar o número [1] [2]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

  1. Menina → Menin + a
    1. Menin, radical;
    2. a, desinência de gênero fem.
  2. Meninas → menin + a + s
    1. Menin, radical;
    2. a, desinência de gênero fem.;
    3. s, desinência de número.

Desinência verbal[editar | editar código-fonte]

Indica a pessoa, o número, o modo e o tempo nos verbos. [1] [2]

Desinência numero pessoal
Indica o número e a pessoa.

[1] [2]

Desinência modo temporal
Indica o modo e o tempo.

[1] [2]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

  1. Abraçaríamos → Abraç + a + r + ía + mos
    1. Abraç, radical;
    2. a, vogal temática;
    3. r, desinência de infinitivo;
    4. ía, desinência modo-temporal;
    5. mos, desinência número-pessoal.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g Pontara, Marcela Nogueira; Fadel, Tatiana. Português - Língua e Literatura. 2 ed. São Paulo: Moderna, 2005. p. 157. 1 vol. vol. 1. ISBN 85-16-03845-9
  2. a b c d e f g Mesquita, Roberto Melo; Martos, Cloder Rivas. Linguagem & Realidade. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 1994. p. 113. 1 vol. vol. 1. ISBN 85-02-01251-7
  3. FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda. mini Aurélio, 8ª edição. 8 ed. Curitiba: Positivo, 2010. p. 241. ISBN 85-385-4239-1
  4. Luft, Celso Pedro. MINIDICIONÁRIO LUFT. 12 ed. São Paulo: Ática, 1996. p. 203. ISBN 85-08-05505-6
  5. Bueno, Francisco da Silveira. Mini Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: FTD, 1996.
  6. a b Equipe da NILC da USP. mini Gramática. Página visitada em 25 de agosto de 2013.
  7. Desinências. Só Português. Página visitada em 25 de agosto de 2013.
  8. Fonética e Morfologia. Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (CiFEFiL). Página visitada em 25 de agosto de 2013.