Pronome

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde janeiro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Em linguística, os pronomes são um conjunto fechado de palavras de uma língua que podem substituir substantivos variados, ou frases derivadas deles, na formação de sentenças [1] , tratando-se de um tipo particular de proforma. Em geral, os empregos de cada pronome podem depender da natureza gramatical ou semântica do substantivo representado, de sua função gramatical na sentença, e das palavras próximas. A associação (dêixis) entre o pronome e a entidade que ele representa é geralmente definida pelo contexto e pode mudar ao longo do discurso.

Na língua portuguesa, em particular, há algumas dezenas de pronomes, como "eu", "lhe", "que", "cujo" e "isto", que podem substituir substantivos ou frases preposicionais derivadas deles. Pronomes podem portanto ter as funções típicas de substantivos (sujeito, objeto e complemento), de adjetivos (modificadores de substantivos) e de advérbios (modificadores de verbos e adjetivos). A escolha do pronome depende do número (singular ou plural) do substantivo representado e às vezes do seu gênero (masculino ou feminino); bem como de sua pessoa verbal (primeira, segunda, terceira) e sua função gramatical.

A classe dos pronomes é presente na maior parte das gramáticas das línguas indo-européias desde pelo menos o século II AEC, quando apareceu no tratado grego A Arte da Gramática. No entanto, devido à grande heterogeneidade na classes, alguns autores preferem desmembrá-la em classes menores. [2]

Classes[editar | editar código-fonte]

Os pronomes do português são tradicionalmente divididos em seis classes: pessoais, possessivos, demonstrativos, indefinidos, interrogativos e relativos. [3] [4] [5] O filólogo Marcos Bagno, por exemplo, classifica como índices pessoais os pronomes pessoais de primeira e segunda pessoa e os possessivos, cuja principal função é a dêitica, e como mostrativos os pessoais de terceira pessoa (não-pessoa), os demonstrativos e as demais classes, cuja principal função é retomada anafórica. [2]

Pessoais[editar | editar código-fonte]

Os pronomes pessoais indicam as pessoas do discurso, como índices do sujeito ou dos objetos de uma sentença. [5] . Em português, eles são. [2]

Pronomes pessoais
Primeira pessoa Segunda pessoa Terceira pessoa
Singular Plural Singular Plural Reflexivo Masculino Feminino
Singular Plural Singular Plural
Sujeito (Nominativo) eu nós, a gente tu, você vós, vocês - ele eles ela elas
Objeto direto (Acusativo) me nos te, lhe, você vos, vocês se o os a as
Objeto indireto (Dativo) me, a mim, para mim nos, a nós, para nós, à gente, para a gente te, lhe, para você vos, para vocês se lhe, a ele, para ele lhes, a eles, para eles lhe, a ela, para ela lhes, a elas, para elas
Comitativo comigo conosco contigo convosco consigo com ele com eles com ela com elas

Em muitas línguas é comum haver duas classes de pronomes pessoais de segunda pessoa, para situações formais (que sugerem deferência) e situações informais (que sugerem intimidade). Esse fenômeno, conhecido como distinção T-V, opera também em algumas variantes do português, opondo os pronomes tu e você.

Algumas línguas ainda, como guarani, aimará e mandarim, distinguem duas classes de pronomes para a primeira pessoa do plural, de acordo com a inclusividade: um pronome que inclua o ouvinte (eu + tu + outro(s)) e um que o exclua (eu + outro(s), mas não tu).

Possessivos[editar | editar código-fonte]

São aqueles que se referem às três pessoas do discurso, atribuindo-lhes a posse de alguma coisa. Flexionam-se em gênero e número, concordando com a coisa possuída, e em pessoa, concordando com o possuidor. [6]

Quando o pronome possessivo faz referência a um substantivo já citado, atribuindo sua posse a um sujeito, ele tem função adjetiva ou de adjunto (ex: O meu casaco é melhor que o seu (casaco)). Por outro lado, quando um pronome possessivo faz referência a um substantivo que não foi sequer enunciado, ele acaba cumprindo o papel desse substantivo ausente dentro da frase, e é portanto um pronome possessivo substantivo ou absoluto (ex: O meu é melhor que o seu).

Pronomes Possessivos
Pessoa Singular Plural
Masc. Fem. Masc. Fem.
Singular meu minha meus minhas
teu tua teus tuas
seu sua seus suas
Plural nosso nossa nossos nossas
vosso vossa vossos vossas
seu sua seus suas

Demonstrativos[editar | editar código-fonte]

Demonstra a posição de um elemento em relação à pessoa do discurso no tempo, no espaço ou no próprio discurso. [5]

Pronomes Demonstrativos
Pessoa Exemplos
este, esta, estes, estas, isto.
esse, essa, esses, essas, isso.
aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo.

Indefinidos[editar | editar código-fonte]

Pronomes indefinidos são aqueles que se referem à pessoa da frase em quantidade, indeterminada.Um pronome indefinido pode ser variável ou invariável. Conforme a função que desempenham, podem ser classificados de pronomes indefinidos substantivos — quando substituem nomes — ou de pronomes indefinidos adjetivos — quando estão antes de um nome, determinando-o.

Pronomes Indefinidos
Exemplos
tudo, todo (toda, todos, todas),
algo, alguém, algum (alguma, alguns, algumas)
um (uma, uns, umas)
nada, ninguém, nenhum (nenhuma, nenhuns, nenhumas),
certo (certa, certos, certas), qualquer (quaisquer),
o mesmo (a mesma, os mesmos, as mesmas),
outrem, outro (outra, outros, outras),
cada, vários (várias).

Relativos[editar | editar código-fonte]

O pronome relativo é em geral um pronome de dêixis anafórica, ou seja, um pronome de retorno que está apontando para algo que já foi citado, para um elemento anterior. Afora isto, o pronome relativo pode apresentar dois diferentes papéis gramaticais, esse com dêixis anafórica, e ainda o de transpositor de oração.

Bloquearam a página para edição, a qual ficou incompleta. (pronome relativo a qual)
Ela me mostrou uma página de usuário que estava em branco! (pronome relativo que)
Pronomes Relativos
Exemplos
Qual, o qual, a qual, os quais, as quais, cujo, cuja, cujos, cujas,
Que, Quanto, Quantas, Quantos, Onde

A) Transpositor de Oração Pronome Relativo Que: O transpositor pronome relativo que age fazendo a ligação de duas orações independentes uma da outra, e quando isto ocorre uma delas fará adjetivação se tornando adjunto adnominal daquilo apontado.

Eles são wikipedistas [que] trabalham em artigos novos.

Eles são wikipedistas + Os wikipedistas trabalham em artigos novos.

Nota: Que funciona como pronome relativo quando aponta para elementos citados, e é precedido de preposição.

Ele foi o wikipedista de quem mais se falou.

Interrogativos[editar | editar código-fonte]

Os pronomes interrogativos são uma classe especial de pronomes indefinidos usadas para introduzir frases interrogativas. [7]

Pronomes Interrogativos
Exemplos
que, quem, qual, quanto (quanta, quantos, quantas)

Outras classificações[editar | editar código-fonte]

Pronomes podem também ser classificados em adjetivo ou adjunto, quando ele faz referência (através de concordância sintática) a um elemento que surge explícito na frase; e substantivo ou absoluto, quando ele substitui completamente o elemento referenciado.

Pronomes em outros idiomas[editar | editar código-fonte]

  • Nas línguas urálicas, não existem pronomes pessoais nem possessivos. Apenas a flexão do verbo é suficiente para determinar a pessoa e a posse é designada pelo caso genitivo, que assume uma forma diferente para cada pessoa.
  • Em espanhol há um pronome de terceira pessoa para indicar o gênero neutro ("ello").
  • Em latim não há pronome pessoal de terceira pessoa, sendo substituídos por pronomes demonstrativos.
  • Em japonês os pronomes de primeira pessoa variam de acordo com o sexo do falante e com a circunstância em que é usado, além de os pronomes de tratamento serem diferentes inclusive para pessoas próximas (quando se dirige a um filho, ao marido, ao chefe, a um subordinado, a um amigo, etc.). O pronome "watashi" significa "eu" quando falado pela maioria das pessoas, "atashi" quando usado por uma mulher, enquanto "boku" significa "eu" da mesma forma, mas dito geralmente por jovens homens. Os pronomes "watashi" e "watakushi" são usados por ambos, em circunstâncias formais.
  • Em sueco há quatro gêneros de pronomes pessoais para a terceira pessoa no singular: masculino, feminino, comum e neutro. O gênero comum serve para designar animais e plantas, e o gênero neutro serve para designar objetos inanimados.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Almeida, Napoleão Mendes de. Gramática Metódica da Língua Portuguesa. São Paulo: Saraiva, 1911 (1992?). Capítulo: Cap. VIII, §156 - 38. ,
  2. a b c Bagno, Marcos. Gramática de Bolso do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola, 2013. ISBN 9788579340604
  3. BECHARA, Evanildo, Editora Lucerna, Moderna Gramática Portuguesa, 37ª, Rio de Janeiro: 2001
  4. Pronome. Brasil Escola. Página visitada em 2013-08-10.
  5. a b c Gramática V: Pronomes. Julio Battisti. Página visitada em 2013-08-10.
  6. Pronomes Possessivos. Brasil Escola. Página visitada em 2013-08-10.
  7. {{Citar web|url=http://www.brasilescola.com/gramatica/pronomes-indefinidos-interrogativos.htm%7Ctítulo=Pronomes Indefinidos e Interrogativos|publicado=Brasil Escola|acessodata=2013-08-10}.