Cravo-da-índia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Como ler uma caixa taxonómicaCravo-da-índia
Gewuerznelken.jpg

Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Myrtales
Família: Myrtaceae
Género: Syzygium
Espécie: S. aromaticum
Nome binomial
Syzygium aromaticum
(L.) Merrill & Perry

O cravinho (da Índia), ou cravo-da-índia (Syzygium aromaticum) é uma árvore nativa das ilhas Molucas, na Indonésia. Atualmente é cultivado em outras regiões do mundo, como as ilhas de Madagascar e de Granada.

O botão de sua flor, seco, é empregado na culinária para atrapalhar o paladar de certos pratos doces, utilizado como especiaria desde a antiguidade e na fabricação de medicamentos.

O seu óleo tem propriedades antissépticas, sendo bastante utilizado em odontologia.

Uma das especiarias mais valorizadas, no mercado do início do século XVI um quilo de cravo equivalia a sete gramas de ouro

Uso[editar | editar código-fonte]

Culinária[editar | editar código-fonte]

A flor do craveiro é usada como tempero desde a antiguidade: era uma das mercadorias, entre as especiarias da India, que motivaram inúmeras viagens de navegadores europeus para o continente asiático. Na China, os cravos eram usados não só como condimento, mas também como antisséptico bucal: qualquer um com audiência com o imperador precisava mascar cravos para prevenir o mau hálito. Viajantes arábicos já vendiam cravos na Europa ainda no Império Romano.

O principal motivo do cravo ser usado em doces era sua ação repelente que impedia a invasão de formigas. Como, na maioria dos casos, não haviam recipientes que impedissem a infestação por formigas, o cravo era usado para repelir esses insetos. Isso é comum, até hoje, em certo locais do Rio de Janeiro, nos quais, devido a grande quantidade de formigas, coloca-se cravos nos açucareiros para repelir esses insetos. Na continuidade, talvez por desconhecimento, as pessoas seguiram usando o cravo como condimento em doces.

Para algumas pessoas o cravo no doce é apreciável, no entanto, é indiscutível que, devido a intensidade de seu sabor, o cravo acaba por alterar o sabor dos doces, em alguns casos, devido ao excesso, mascarando completamente o sabor original do doce a tal ponto que poderia se dizer que é doce de cravo com leve sabor de outro ingrediente.

Fumo[editar | editar código-fonte]

Os principais consumidores de cravo, no mundo, são os habitantes da Indonésia, responsável pelo consumo de mais de 50% da produção mundial. O principal uso desta planta não é, contudo, na cozinha e sim na confecção de cigarros aromatizados com cravo, aí extremamente populares, a ponto de se afirmar que todo o país, em virtude deste hábito, parece estar odorizado com o suave e característico aroma do cravo.

Kretek, cigarro de cravo

Medicina[editar | editar código-fonte]

  • O conteúdo total de óleo em cravos (de boa qualidade) chega a 15%. O óleo é constituído, basicamente, por eugenol (70 a 80%), acetato de eugenol (15%) e beta-cariofileno (5 a 12%).
  • Este óleo é usado como matéria-prima na indústria farmacêutica, cosmética e odontológica.
  • O cravo tem sido utilizado, há mais de 2000 anos, como uma planta medicinal. Os chineses acreditavam em seu poder afrodisíaco. O óleo de cravo é um potente antisséptico. Seus efeitos medicinais compreendem o tratamento de náuseas, flatulências, indigestão, diarréia, tem propriedades bactericidas, e é também usado com anestésico e antisséptico para o alívio de dores de dente. O Professor Gary Elmer, Ph. D. do departamento de Medicinal Chemistry da University of Washington School of Pharmacy, em Seattle, salienta que "o eugenol realmente mata viroses e bactérias".

O cravinho é usado na medicina ayurvédica indiana, a medicina chinesa e fitoterapia ocidental e odontologia, onde o óleo essencial é usado como um anódino (analgésico) para emergências odontológicas. Cloves são usados ​​como um carminativo, para aumentar o ácido clorídrico no estômago e para melhorar o peristaltismo. Cravinho também afirmou ser um vermífugo natural. [3] O óleo essencial é utilizado na aromaterapia, quando a estimulação eo aquecimento são necessários, principalmente para problemas digestivos. A aplicação tópica sobre o estômago ou no abdómen são ditas para aquecer o aparelho digestivo. O uso de um cravo na dor de dente é também disse que para diminuir a dor. Ela também ajuda a diminuir a infecção nos dentes devido às suas propriedades antissépticas. Óleo de cravo, aplicada a uma cavidade em um dente cariado, também alivia a dor de dente [4].

Na medicina chinesa ou xiang ding, o cravinho é considerados acre, quente e aromático, entrando no rim, baço, estômago e meridianos, e é notável ​​na sua capacidade de aquecer o meio, qi estômago direto para baixo, para tratar soluços e fortalecer o yang do rim. [5] Como a erva é tão aquecimento é contra-indicado em qualquer pessoa com sintomas de fogo e de acordo com fontes clássicas não deve ser utilizado para nada além de frio de deficiência de yang. Como tal, é usada em fórmulas para impotência ou corrimento vaginal resulta da deficiência de yang, a doença da manhã, juntamente com ginseng e patchouli, ou por vómitos e diarreia devido ao baço e estômago frio. [5] Isto se traduziria em hipocloridria. O óleo de cravo é usado em várias desordens da pele, como acne, espinhas, etc. É também utilizado em queimaduras, irritações na pele e para reduzir a sensibilidade da pele.

Dentes de cravinho podem ser usados internamente como um chá e topicamente como um óleo para os músculos hipotônicos, incluindo esclerose múltipla. [Carece de fontes?] Este também é encontrada em medicina tibetana. [6] Alguns recomendam que se evite mais do que o uso ocasional de cravo internamente na presença de inflamação, tais como pitta é encontrado em chamas aguda das doenças auto-imunes [7].

Na África Ocidental, o uso Yorubas dentes de infusão em água como um tratamento para distúrbios do estômago vômitos e diarréia. A infusão é chamado Ogun Jedi-jedi.

Estudos ocidentais têm apoiado o uso de dentes e óleo de cravo para dor de dente. No entanto, estudos para determinar sua eficácia para a redução da febre, como um repelente contra mosquitos e evitar a ejaculação precoce foram inconclusivos. O cravinho pode reduzir os níveis de açúcar no sangue [8].

Tellimagrandin II é um tanino elágico encontrada em S. aromaticum com propriedades anti-herpesvírus [9].

Os botões têm propriedades anti-oxidantes [10].

Compostos Ativos[editar | editar código-fonte]

O eugenol compreende 72-90% do óleo essencial extraído do cravo, e é o principal composto responsável ​​pelo aroma do cravo. Outros importantes componentes do óleo essencial de óleo de cravo incluem acetil eugenol, beta-cariofileno e vanilina, ácido cratególico, taninos como a bicornina, ácido galotânico, salicilato de metila (analgésico), os flavonóides eugenina, canferol, ramnetina e eugenitina; triterpenóides como ácido oleanólico, estigmasterol e campesterol e sesquiterpenos diversos [12].

O eugenol apresenta propriedades antissépticas e anestésicas. Dos botões secos, extrai-se 15-20 por cento de óleo essencial, e a mair parte dele é o eugenol. Um kg (2,2 lbs) de brotos secos rende aproximadamente 150 ml de eugenol [13].

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Cravo-da-índia