Miami

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Miami
Localidade dos Estados Unidos Estados Unidos
Miami collage 20110330.jpg
Do topo, da esquerda para a direita: Panorama de Miami, Freedom Tower, Villa Vizcaya, Bank of America Tower, Praia de Virginia Key, Centro de artes cênicas, AmericanAirlines Arena, Porto de Miami e centro da cidade à noite.
Cognome(s): Magic City, The Gateway to the Americas, Capital of Latin America
Miami está localizado em: Flórida
Miami
Localização de Miami na Flórida
Miami está localizado em: Estados Unidos
Miami
Localização de Miami nos Estados Unidos
Dados gerais
Fundado em 1825 (189 anos)
Incorporado em 28 de julho de 1896 (118 anos)[1]
Prefeito Tomás Regalado (I)
Localização
25° 47' 16" N 80° 13' 27" O
Condado Miami-Dade
Estado  Flórida
Tipo de localidade Cidade
Fuso horário -5/-4
Características geográficas
Área 145,19 km²
- terra 92,90 km²
- água 52,29 km²
População (2010[2] ) 399 457 hab. (4 299,73 hab/km²)
- urbanizada 5 547 051
Altitude 2 m
Códigos
código FIPS 12-45000
Sítio web http://www.ci.miami.fl.us
Miami-Dade County Florida Incorporated and Unincorporated areas Miami Highlighted.svg
Localização de Miami no Condado de Miami-Dade.

Portal Portal Estados Unidos

Miami (pronunciado em inglês [maɪˈæmi] ou [maɪˈæmə]) é uma cidade localizada no estado americano da Flórida, no condado de Miami-Dade, do qual é sede. É a segunda cidade mais populosa da Flórida e a 44ª mais populosa do país.

A atual cidade tem origem numa povoação criada no fim do século XIX, que prosperou com o caminho-de-ferro e o porto. Miami é também conhecida por ter uma grande comunidade de exilados cubanos, principalmente concentrados na Little Havana.

Miami é um centro turístico, sendo uma das cidades mais visitadas por turistas nos Estados Unidos, por causa de seu clima quente o ano inteiro, e pelas suas praias. A cidade é uma das mais frequentadas pelos snow birds (termo usado para descrever os habitantes da região norte dos Estados Unidos, que passam o inverno nos Estados do Sul, em especial, a Flórida, para fugirem da neve e ao frio). O turismo tornou-se uma importante fonte de renda de Miami a partir da década de 1920, e é atualmente a principal fonte de renda da cidade.

São falados comumente na cidade, além do inglês, o espanhol, devido à quantidade de hispano-americanos (de origem cubana, porto-riquenha, mexicana e de outros países da América Central) morando em Miami. A região também conta com uma colônia judaica numerosa.

Nos arredores da cidade está o Aeroporto Internacional de Miami, que é o segundo aeroporto mais movimentado do Estado, atrás apenas do Aeroporto Internacional de Orlando. Este aeroporto está em tempos atuais em reformas, o que possibilitará a operação de grandes jatos, como o A380, da Airbus e outros grandes aviões.

Muitos imigrantes ficam em Miami, ou pelo menos desembarcam de suas viagens imigrantes por Miami, por causa de sua proximidade com a América Central, e também pela cidade situar-se no litoral, facilitando assim o acesso aos Estados Unidos através do litoral.

História[editar | editar código-fonte]

Cerca de 400 homens votaram a favor da emancipação Miami em 1896 no edifício à esquerda.
A Collins Bridge, construída em 1913, foi a primeira ponte a ligar Miami a Miami Beach.

A área de Miami foi o primeiro espaço habitado por mais de mil anos pelo Tequestas, mas foi mais tarde reivindicado pela Espanha em 1566 por Pedro Menéndez de Avilés. Uma missão espanhola foi construída um ano mais tarde, em 1567. Em 1836, a Fort Dallas foi construída, e a área de Miami se tornou posteriormente um sitio de combate durante a Segunda Guerra Seminole.

Miami detém a distinção de ser a única grande cidade dos Estados Unidos fundada por uma mulher, Julia Tuttle, que era uma rica produtora de citrinos nativa de Cleveland.[3] A área de Miami era conhecida como a "Biscayne Bay Country", nos primeiros anos de seu crescimento. Alguns relatos descrevem a zona como um promissor deserto.[4] A área também foi caracterizada como "uma das melhores obras na Flórida."[5] Na Grande Parada de 1894-1895 Miami acelerou o crescimento, onde as culturas da área Miami foram as únicas que sobreviveram na Flórida. Julia Tuttle posteriormente convenceu Henry Flagler, um magnata ferro-rodoviário, a fim de expandir sua Florida East Coast Railroad para a região. Miami foi oficialmente declarada como uma cidade em 28 de julho de 1896 com uma população de pouco mais de 300 habitantes.[6]

Miami prosperou na década de 1920 com um aumento na população e infra-estruturas, mas enfraqueceu após o colapso da Flórida em 1920, o Furacão em Miami em 1926 e da Grande Depressão na década de 1930. Quando a II Guerra Mundial começou, Miami, bem localizada, devido à sua localização na costa sul da Flórida, desempenhou um papel importante na batalha contra os submarinos alemães. A guerra contribuiu para expandir a população de Miami, por volta de 1940, 172.172 pessoas viviam na cidade. Depois que Fidel Castro subiu ao poder em 1959, muitos cubanos se refugiaram em Miami, aumentando ainda mais a população. Na década de 1980 e 1990, diversas crises assolaram o Sul da Flórida, entre eles o espancamento de Arthur McDuffie e o subsequente motim, guerra das drogas, o furacão Andrew e o alvoroço de Elián González. No entanto, na segunda metade do século 20, Miami se tornou um dos principais centros internacional financeiro e cultural.

Miami e sua área metropolitana cresceu de pouco mais de mil habitantes para quase cinco milhões e meio de habitantes, em apenas 110 anos (1896-2006). O apelido da cidade, A Cidade Mágica, surge a partir deste rápido crescimento. Os visitantes de inverno observaram que a cidade cresceu muito a partir de um ano para o outro que era como magia.[7]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Foz do rio Miami.

De acordo com o United States Census Bureau, a cidade abrange uma área total de 55,27 mi² (143,15 km ²). Dessa área, 35,67 mi² (92,68 km²) é terra e 19,59 mi ² (50,73 km²) é água. Isso significa que Miami inclui mais de 400 000 pessoas em 35 milhas quadradas (91 km²), tornando-se uma das mais povoadas cidades dos Estados Unidos, juntamente com as cidades de Nova Iorque, San Francisco, Chicago, entre outras.

A cidade é morada adequada pelo menos de um em cada 13 habitantes do sul da Flórida. Além disso, 52% da população de Miami-Dade não vive em qualquer cidade. Miami é a única cidade importante do país emoldurada por dois parques nacionais, Everglades National Park, a oeste, e o Parque Nacional Biscayne no leste.

Geologia[editar | editar código-fonte]

Vista da cidade a partir de um dos pontos mais altos de Miami. A parte ocidental da cidade tem pontos elevados que chegam a 6,1 metros acima do nível do mar.[8]

Miami e seus arredores estão localizadas em uma ampla planície entre a Flórida Everglades para o oeste e Biscayne Bay a leste que também se estende de Florida Bay ao norte do lago Okeechobee. A superfície rochosa sob a área de Miami é chamada oólito de Miami ou calcário de Miami. Essa superfície rochosa é coberta por uma fina camada de solo de não mais de 50 pés (15 metros) de espessura. O calcário de Miami foi formado das mudanças drásticas no nível do mar associadas a recentes glaciações ou era do gelo. Começando cerca 130 000 anos atrás, o estágio Sangamonian levantou os níveis do mar a cerca de 25 pés (7,5 metros) acima do nível actual. Todo o sul da Flórida foi coberto por um mar raso. Várias linhas paralelas de recife foram formados ao longo da borda do planalto submerso, alongamento da actual área de Miami que é agora a Dry Tortugas. A área por trás dessa linha de recife foi, na realidade, uma grande lagoa e o calcário de Miami foi formado em toda a área a partir da deposição de oolites e das cascas de Ectoprocta. Começando aproximadamente 100 000 anos atrás, a glaciação Wisconsin iniciou um rebaixamento do nível do mar, expondo o assoalho da lagoa. Há 15 000 anos, o nível do mar caiu para 300 a 350 pés (110 metros) abaixo do nível contemporâneo. O nível do mar subiu rapidamente depois disso, estabilizando ao nível atual cerca de 4000 anos atrás, deixando o continente mais ao Sul da Flórida um pouco acima do nível do mar.

Abaixo da planície, situa-se o Aquífero Biscayne,[9] uma fonte natural subterrânea de água doce que se estende do sul do Condado de Palm Beach até a Baía da Flórida, com o seu ponto mais alto pico em torno das cidades de Miami Springs e Hialeah. A maior parte da área metropolitana do Sul da Flórida obtém sua água potável a partir deste aquífero. Como resultado do aquífero, não é possível ir mais de 15 a 20 pés (4,57 a 6,1 metros) sob a cidade sem encontrar água, o que impede construção subterrânea. Por esta razão, não há sistema de metrô em Miami.

A maior parte da margem ocidental da cidade estendem para os Everglades, um terreno pantanoso subtropical localizado no sul do estado da Flórida. Isto provoca problemas ocasionais com a fauna local, como jacarés que vão se aventurar em Miami e nas principais rodovias.

Panorama da Baía Biscayne, vista a partir do Porto de Miami

Clima[editar | editar código-fonte]

Típica tempestade de verão dos Everglades à tarde em Miami.

Miami tem um verdadeiro clima tropical, especificamente monções e ventos sazonais (tipo Am na classificação climática de Köppen-Geiger). Lá os invernos são secos, já os verões são quentes. A partir do final de outubro a março, inúmeras frentes frias passam na cidade. No entanto, a temperatura média anual para qualquer mês nunca foi maior de 64,4 °F (sendo as maiores as de janeiro: médias de 67 °F). A maior parte do ano é quente e úmido, e os verões são quase idênticos aos verões do Caribe. Além disso, a cidade recebe a maior parte das suas chuvas no verão (estação chuvosa) e é na maior parte do inverno que o tempo é seco e ameno (estação seca).

Sua elevação aproxima-se do nível do mar, possui localização costeira e posição um pouco acima do Trópico de Câncer, a área deve o seu calor e umidade a corrente do Golfo. Um típico dia de verão não tem temperaturas abaixo de 75 °F (24 °C). Chuva de verão aliviam a tarde, a maioria das vezes com trovoadas ou simplesmente uma brisa do mar que se desenvolve no Oceano Atlântico, que então permite a chegada de temperaturas mais baixas. A temperatura máxima registada foi de 98 °F (37 °C). A temperatura mais baixa já registada na cidade de Miami foi de 30 °F (-1 °C) em várias ocasiões.

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Miami (MIA) Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 31 32 34 36 36 37 38 37 36 35 33 32 38
Temperatura máxima média (°C) 24,7 25,6 26,8 28,4 30,6 31,9 32,7 32,8 31,8 30,1 27,6 25,5 29,1
Temperatura média (°C) 20,1 21,2 22,6 24,3 26,6 28,2 28,9 29 28,3 26,6 23,8 21,4 25,1
Temperatura mínima média (°C) 15,5 16,8 18,3 20,2 22,7 24,4 25,2 25,2 24,7 23,1 20,1 17,2 21,1
Temperatura mínima registrada (°C) -2 -3 0 4 10 16 19 19 17 7 2 -1 -3
Precipitação (mm) 41,1 57,2 76,2 79,8 135,6 245,6 165,1 225,6 250,4 160,8 83,1 51,8 1 572,3
Dias com chuva 6,9 6,5 7 6,4 10 16,4 16,9 18,9 17,9 12,7 8,4 7,2 135,2
Horas de sol 219,8 216,9 277,2 293,8 301,3 288,7 308,7 288,3 262,2 260,2 220,8 216,1 3 154
Fonte: NOAA (extremos: 1895−presente; horas de sol: 1961–1990),[10] [11] The Weather Channel[12]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1900 1 681
1910 5 471 225,5%
1920 29 549 440,1%
1930 110 637 274,4%
1940 172 172 55,6%
1950 249 276 44,8%
1960 291 688 17,0%
1970 334 859 14,8%
1980 346 865 3,6%
1990 358 548 3,4%
2000 362 470 1,1%
2010 399 457 10,2%
Fonte: US Census[2] [13]

Segundo o censo nacional de 2010[2] , a sua população é de 399 457 habitantes e sua densidade populacional é de 4 299,7 hab/km². Possui 183 994 residências, que resulta em uma densidade de 1 980,5 residências/km². É a localidade mais populosa do condado de Miami-Dade.

Sua zona metropolitana - a maior do estado - possui 2,1 milhões de habitantes, chegando a cinco milhões, quando contando-se os condados vizinhos de Broward e Palm Beach.

Política[editar | editar código-fonte]

Prefeitura de Miami.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Bairros[editar | editar código-fonte]

O Bacardi Building em Midtown é um exemplo de Arquitetura Mimo. O painel no exterior do edifício é de autoria do ceramista brasileiro Francisco Brennand.[32]

Miami é dividida em várias seções, aproximadamente em Norte, Sul, Oeste e Centro. O coração da cidade é Downtown Miami e é tecnicamente no lado oriental da cidade. Esta área inclui Brickell, Virginia Key, Watson Island, e o Porto de Miami. Downtown é distrito comercial central do Sul da Flórida, e lar de muitos dos grandes bancos, sede financeiras, culturais e turísticos, e altas torres residenciais.

O lado sul de Miami inclui Coral Way, as estradas e Coconut Grove. Coral Way é um histórico bairro residencial construído em 1922 conectando Downtown com Coral Gables, e é o lar de muitas casas antigas e ruas ladeadas de árvores. Coconut Grove foi fundada em 1825 e é onde está localizada a Câmara Municipal de Miami no Dinner Key, o Coconut Grove Playhouse, CocoWalk, muitas casas noturnas, bares, restaurantes e lojas boêmia e, como tal, é muito popular com os estudantes universitários. É um bairro histórico com muitos parques e jardins, como Villa Vizcaya, The Kampong, a luneta Histórica do Parque Estadual, e a casa do Coconut Grove Convention Center, em muitos dos mais prestigiosos do país, as escolas privadas, e numerosas casas históricas e quintas.

O lado oeste de Miami inclui Little Havana, West Flagler e Flagami, e é o lar de muitos dos bairros da cidade tradicionalmente de imigrantes. Apesar de ser uma região predominantemente judaico, os bairros ocidentais de Miami hoje é o lar de imigrantes provenientes principalmente da América Central e Cuba, enquanto o bairro ocidental de Allapattah é uma comunidade multicultural de muitas etnias.

O norte de Miami inclui Midtown, um distrito com um grande mix de diversidade com muitos índios, hispânicos, artistas e brancos. Edgewater, e Wynwood, são os bairros de Midtown e são compostas principalmente de alta torres residenciais e é onde está localizado o Adrienne Arsht Center for the Performing Arts (Centro de Artes Cênicas Adrienne Arsht). Os residentes mais abastados geralmente vivem na parte nordeste, em Midtown, o Design District, e o Upper East Side, com muitas casas que surgiram após 1920 do Mimo Historic District, um estilo de arquitetura originada em Miami na década de 1950. O norte de Miami, também é notável os afro-americanos e comunidades de imigrantes do Caribe, tais como Little Haiti, Overtown (casa da Lyric Theater), e Liberty City.

Vista do centro da cidade a partir do Porto de Miami.

Economia[editar | editar código-fonte]

Fotografia aérea do centro financeiro da cidade.

Miami é um dos mais importantes centros financeiros do país. É um importante centro de comércio, finanças, de sede de empresas, e possui uma forte comunidade de negócios internacionais. Segundo o ranking mundial de cidades realizadas pelo Globalization and World Cities Study Group & Network (GaWC) e com base no nível de presença de organizações mundiais de serviços corporativos, Miami é considerada uma "cidade global beta".

Várias grandes empresas estão sediadas em ou próximo à Miami, incluindo mas não limitados a: Alienware, Arquitectonica, Arrow Air, Bacardi, Benihana, Brightstar Corporation, Burger King, Celebrity Cruises, a Carnival Corporation, a Carnival Cruise Lines, CompUSA, Crispin Porter + Bogusky, Espírito Santo Financial Group, Fizber.com, Greenberg Traurig, Interval International, Lennar, Norwegian Cruise Lines, Perry Ellis International, RCTV Internacional, a Royal Caribbean Cruise Lines, Ryder Systems, Seabourn Cruise Line, a Telefónica E.U.A., TeleFutura, Telemundo, Univision, E.U. Century Bank e World Fuel Services. Devido à sua proximidade com a América Latina, Miami serve como quartel-general de operações latino-americanas pora mais de 1.400 empresas multinacionais, incluindo a AIG, American Airlines, a Cisco, Disney, a Exxon, FedEx, Kraft Foods, a Microsoft, Oracle, SBC Communications, Sony e Visa International.

A constante construção de edifícios altos na cidade criou a expressão "Miami manhattanization".

O Aeroporto Internacional de Miami e o Porto de Miami estão entre os mais movimentados pontos de entrada, especialmente para cargas da América do Sul e do Caribe. Além disso, Downtown tem a maior concentração de bancos internacionais no país localizadas principalmente em Brickell, distrito financeiro de Miami. Miami também foi a cidade anfitriã das negociações da Área de Livre Comércio das Américas em 2003, e é um dos principais candidatos para se tornar a sede do bloco comercial.

Miami é a sede do National Hurricane Center e do Comando Sul dos Estados Unidos, responsável pelas operações militares na América do Sul e Central. Além destes papéis, Miami é também um centro industrial, especialmente para pedreiras e armazenagem.

O Porto de Miami, o maior porto de navios de cruzeiro do mundo, e sede de empresas como a Celebrity Cruises e a Royal Caribbean International.

De acordo com os E.U. Census Bureau, em 2004, Miami tinha a terceira maior incidência de famílias com renda abaixo da linha de pobreza nos Estados Unidos, o que a torna a terceira cidade mais pobre do E.U.A., atrás apenas de Detroit, Michigan (A mais pobre) e El Paso, Texas (A Segunda mais pobre). Miami é também uma das poucas cidades onde o seu governo local faliu, em 2001.[33]

Em 2005, a Miami testemunhou o seu maior "explosão" imobiliária desde 1920. Midtown, tendo assim mais de uma centena de projetos aprovados em construção, é um exemplo disto. A partir de 2007, no entanto, o mercado da habitação tem caido e mais de 23.000 condomínios estão à venda e / ou excluídos.[34]

Turismo[editar | editar código-fonte]

O turismo é também uma importante indústria em Miami. As praias, convenções, festas e eventos chamam mais de 12 milhões de visitantes anualmente de todo o país e de todo o mundo, gastando $ 17,1 bilhões. O bairro histórico Art Deco em South Beach, é amplamente considerado como um dos mais glamorosos do mundo com suas boates mundialmente famosas, praias, edifícios históricos e centros de compras. No entanto, é importante notar que Miami Beach é uma cidade separada da cidade de Miami.

Panorama do centro financeiro de Miami.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

As escolas públicas em Miami são regidas pela Miami-Dade County Public Schools, que é o maior distrito escolar na Flórida e a quarta maior dos Estados Unidos. Em setembro de 2008, foram matriculados 385.655 alunos em mais de 390 escolas. 60% dos estudantes em Miami são de origem hispânica, 28% afro-americanos, 10% brancos (não-hispânico) e 2% não-brancos de outras minorias. Miami é o lar de algumas das melhores escolas do país, tais como Design and Architecture High School (classificou os melhores Magnet Schools da nação) MAST Academia, Coral Reef High School (classificou-se como a 20ª melhor escola pública nos Estados Unidos) Miami Palmetto Alto Escola, e o Novo Mundo Escola de Artes. A escola M-DCPS é uma das poucas escolas públicas nos Estados Unidos que oferecem a opcional educação bilíngue.

Miami é o lar de várias prestigiadas escolas da denominação Católica e de judeus. A Arquidiocese de Miami opera as escolas particulares Católicas da cidade, que incluem: Nossa Senhora de Lourdes Academy, St. Hugh Católica Escola, Escola Santa Teresa, La Salle High School, Monsenhor Eduardo Pace High School, Carrollton Escola do Sagrado Coração, Christopher Columbus High School, Arcebispo Curley-Notre Dame High School, St. Brendan High School, entre muitas outras escolas. Algumas das mais conhecidas escolas particulares não-religiosas em Miami são Ransom Everglades, Gulliver Escola Preparatória, e Miami Country Day School, que são tradicionalmente conhecidos como algumas das melhores escolas do país.

Transportes[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto Internacional de Miami, localizado em uma área não incorporada no conselho, serve como o principal aeroporto internacional da região de Miami. Um dos principais aeroportos internacionais do mundo, o Aeroporto Internacional de Miami atende a mais de 35 milhões de passageiros por ano. Identificáveis localmente, bem como diversas autoridades mundiais, como MIA ou KMIA, o aeroporto é um centro importante e único, maior portão internacional de entrada da American Airlines, o maior do mundo em número de passageiros. O Porto de Miami é o terceiro maior porto internacional de entrada dos Estados Unidos para os passageiros estrangeiros, e é a porta de entrada como o sétimo maior do mundo. A rede de rotas do aeroporto internacional extensivo inclui vôos a mais de setenta cidades internacionais na América do Norte e América do Sul, Europa, Ásia e Oriente Médio.

Miami tem um dos maiores portos dos Estados Unidos: o Porto de Miami (conhecido oficialmente como o Dante B. Fascell Port of Miami). A autoridade responsável pela gestão é de Miami-Dade County Department Seaport. É também um dos portos de cruzeiros do mundo. Porque ele é conhecido como o "Cruise Capital do Mundo", com três milhões de passageiros anualmente. Em 2007, 3.787.410 passageiros passaram por suas instalações.[35] Por seu turno, o porto é um dos principais em transporte de carga.

O porto possui uma área de 2 km quadrados e tem sete terminais de passageiros. Os principais produtos exportados no porto vão para a China. Os produtos importados, em sua maioria, vem de Honduras e do Brasil. Ela também tem vários locais de linhas de cruzeiro que estão entre a Carnival Cruise Lines, Celebrity Cruises, Costa Cruises, Crystal Cruises, Norwegian Cruise Line Oceania Cruises, Royal Caribbean International e Windjammer Barefoot Cruises.

Porto de Miami, um dos mais movimentados do mundo.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Esporte[editar | editar código-fonte]

Miami é o lar de muitas das principais equipes desportivas profissionais. O Miami Dolphins, time da NFL, Miami Heat, time da NBA, Florida Marlins, time da MLB e da Florida Panthers, equipe da Miami's NHL. Bem como com todas as quatro principais equipes profissionais, Miami é o lar de muitas outras equipas desportivas e atividades, tais como Miami FC, Miami Tropics, para o futebol, para o Sony Ericsson Open de ténis profissional, inúmeras corridas Greyrounds racing, marinas, sedes de Jai-Alai , e campos de golfe.

O Miami Heat é o único grande profissional que desempenha a sua equipe desportiva em jogos dentro dos limites da cidade, no AmericanAirlines Arena. A equipe ganhou recentemente o NBA Finals 2006, vencendo a série 4-2 sobre o Dallas Mavericks. O Miami Dolphins e da Florida Marlins querem mandar seus jogos em Miami Gardens. O Orange Bowl, um membro do Bowl Championship Series, acolhe os seus jogos no campeonato de futebol colegial Dolphin Stadium. O estádio também sediou o Super Bowl, área metropolitana de Miami foi palco do jogo um total de nove vezes (quatro Super Bowls no Dolphin Stadium, incluindo o Super Bowl XLI e cinco no Miami Orange Bowl), a subordinando Nova Orleans para a maioria dos jogos.

Miami FC, único time de futebol profissional da Flórida, joga no Tropical Park Stadium. Miami assinou com o famoso jogador mundial Romário em Março de 2006 de um ano para um acordo. A Florida Panthers , time da NHL joga na vizinha Broward County, Flórida, no BankAtlantic Center na cidade de Sunrise. Miami é também a casa de Paso Fino horses, onde são realizadas competições no Tropical Park Equestrian Center.

Miami é também o lar de muitos esportes colegiais. Duas maiores são a Universidade Internacional da Flórida Golden Panthers cuja equipa de futebol joga no Estádio UIF e da Universidade de Miami Hurricanes, cuja equipe de futebol jogou no antigo Miami Orange Bowl, mas mudou-se para Dolphin Stadium começando com a temporada 2008.

Um certo número de equipes extintas estavam localizados em Miami, incluindo a Miami Floridians (ABA), Miami Matadors (ECHL), Miami Manatees (WHA2), Miami Gatos (nasl), Miami Screaming Eagles (WHA), Miami Seahawks (AAFC), Miami Sol (WNBA), Miami Toros (nasl), Miami Tropics (SFL), e de Miami Hooters (Arena Football League). O Miami Fusion, uma extinta Major League Soccer jogou em Lockhart Stadium nas proximidades Broward County.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. City of Miami (em inglês). Florida League of Cities, Inc.. Página visitada em 5 de abril de 2013.
  2. a b c GCT-PH1 - Population, Housing Units, Area, and Density: 2010 - State -- Place and (in selected states) County Subdivision (em inglês). United States Census Bureau. Página visitada em 21 de setembro de 2011.
  3. Julia Tuttle — Infoplease.com. Infoplease. Página visitada em 2008-04-18.
  4. "The Day in St. Augustine — The Hack Line to Biscayne Bay", The Florida Times-Union, 1893-01-10. Retrieved on 2007-08-25.
  5. "A Trip to Biscayne Bay", The Tropical Sun, 1893-03-09. Retrieved on 2006-01-22.
  6. Wiggins, Larry. The Birth of Miami, part 3. Historical Museum of South Florida. Página visitada em 2007-08-19.
  7. Miami-Dade County - Information Center. Miami-Dade County. Página visitada em 2008-04-18.
  8. Miami High Point, Florida
  9. USGS Ground Water Atlas of the United States. United States Geological Survey. Página visitada em 2006-02-19.
  10. NowData - NOAA Online Weather Data. National Oceanic and Atmospheric Administration. Página visitada em 14 de fevereiro de 2014.
  11. WMO Climate Normals for Miami, FL 1961–1990. National Oceanic and Atmospheric Administration. Página visitada em 31 de outubro de 2013.
  12. Monthly Averages for Miami International Airport. The Weather Channel. Página visitada em 12 de outubro de 2013.
  13. GCT-PH1-R - Population, Housing Units, Area, and Density (geographies ranked by total population): 2000 - Geography: State -- County - State -- Place and (in selected states) County Subdivision (em inglês). United States Census Bureau. Página visitada em 21 de setembro de 2011.
  14. http://www.prnewswire.com/news-releases/morocco-trip-to-build-friendship-with-islamic-world-55384752.html
  15. http://nl.newsbank.com/nl-search/we/Archives?p_product=MH&s_site=miami&p_multi=MH&p_theme=realcities&p_action=search&p_maxdocs=200&p_topdoc=1&p_text_direct-0=0EB4D1C0B7D15648&p_field_direct-0=document_id&p_perpage=10&p_sort=YMD_date:D&s_trackval=GooglePM
  16. a b c d e f http://nl.newsbank.com/nl-search/we/Archives?p_product=MH&s_site=miami&p_multi=MH&p_theme=realcities&p_action=search&p_maxdocs=200&p_topdoc=1&p_text_direct-0=0EB364C6F53FF9B5&p_field_direct-0=document_id&p_perpage=10&p_sort=YMD_date:D&s_trackval=GooglePM
  17. a b http://web.archive.org/web/20070926222406/http://www.ci.miami.fl.us/mic/pages/SisterCities/BuenosAires.asp
  18. http://corrieredelmezzogiorno.corriere.it/napoli/notizie/cronaca/2011/12-maggio-2011/margherita-si-gemellaggio-miami-190626849423.shtml
  19. http://www.miaminewtimes.com/1995-07-13/news/everything-is-relative/
  20. http://web.archive.org/web/20070926222311/http://www.ci.miami.fl.us/mic/pages/SisterCities/Kagoshima.asp
  21. http://www.taiwanheadlines.gov.tw/ct.asp?
  22. a b c http://web.archive.org/web/20070526222509/http://www.ci.miami.fl.us/MIC/pages/SisterCities/default.asp
  23. http://www.ipa-usa.org/region43/sistercity.htm
  24. http://nl.newsbank.com/nl-search/we/Archives?p_product=MH&s_site=miami&p_multi=MH&p_theme=realcities&p_action=search&p_maxdocs=200&p_topdoc=1&p_text_direct-0=0EB343FD92AE456B&p_field_direct-0=document_id&p_perpage=10&p_sort=YMD_date:D&s_trackval=GooglePM
  25. http://www.questia.com/
  26. a b http://internationalaffairs.flgov.com/pdf/sister.pdf
  27. http://web.archive.org/web/20070702232039/http://www.brazilmiamicultural.org/events/events.htm
  28. a b http://nl.newsbank.com/nl-search/we/Archives?p_product=MH&s_site=miami&p_multi=MH&p_theme=realcities&p_action=search&p_maxdocs=200&p_topdoc=1&p_text_direct-0=0EB36738BA44B0AB&p_field_direct-0=document_id&p_perpage=10&p_sort=YMD_date:D&s_trackval=GooglePM
  29. http://www.anmp.pt/anmp/pro/mun1/gem101l0.php?cod_ent=M1100
  30. http://www.miamidade.gov/oedit/sister_city_asti.asp
  31. http://www.commune-sousse.gov.tn/fr/cooperation.php
  32. Brennand faz nova exposição de pinturas inéditas. Leia entrevista com o artista. Diario de Pernambuco. Página visitada em 14 de fevereiro de 2014.
  33. Cohen, Adam (24 June 2001), "Gloom over Miami", Time, http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,135186,00.html, visitado em 2007-09-02 
  34. Miami: High rise buildings–All. Emporis. Retrieved on 2007-08-25.
  35. [1]
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Miami
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Miami