Glaciação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde setembro de 2010). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde Setembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Em cima: Clima árido da idade do gelo
Meio: Quente e seco Atlantic Period,
Em baixo: Vegetação potencial no clima atual .[1]

As glaciações (eras do gelo) são fenômenos climáticos que ocorrem ao longo da história do planeta Terra. Como o próprio nome sugere, são períodos de frio intenso, dentro de uma era do gelo, quando a temperatura média da Terra baixou, provocando o aumento das geleiras (ou glaciares) nos polos e em zonas montanhosas, próximas às regiões de neve perpétua (que nunca derrete).

Atualmente as geleiras ocupam 10% da área total do planeta e a maioria está localizada nas regiões polares como a Antártida e a Groenlândia, mas nem sempre foi assim. Nos períodos glaciais o gelo cobria cerca de 32% da terra e 30% dos oceanos.

As glaciações provocaram grandes mudanças no relevo continental e no nível do mar. Quando a temperatura global diminuiu, ocorreu, como consequência, o aumento das geleiras, ou seja, as baixas temperaturas provocaram o congelamento da água nos polos aumentando a quantidade de gelo nas calotas polares.

Outra consequência deste processo foi que a formação das geleiras não ficou mais restrita às regiões polares. A neve e o gelo foram se acumulando nas zonas montanhosas próximas aos picos, ano após ano, até que seu próprio peso fez com que se deslocassem lentamente, provocando grandes alterações de relevo no caminho por onde passam — formando profundos vales em forma de U, chamados fiordes, e as moreias e, em zonas mais quentes, quando foram se derretendo e formando a cabeceira de um rio ou dando origem aos lagos glaciais.

Outra consequência foi o rebaixamento eustático do nível dos mares devido à retenção de água nos polos. O mar se afastou da linha da costa, das praias, por exemplo, expondo grandes extensões de terra e ligando ilhas e continentes entre si, formando as chamadas pontes terrestres.

Entre os períodos glaciais há os períodos interglaciais em que a temperatura da Terra se eleva. O período em que vivemos nada mais é do que um interglacial.

Ultimamente, o homem, com a emissão de gases de efeito estufa (GEE) tem acelerado do ritmo da interglaciação, com isso provocando o derretimento de gigantescos icebergs, elevando o nível do mar e ampliando a escala de catástrofes naturais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Adams J.M. & Faure H. (1997) (eds.), QEN members. Review and Atlas of Palaeovegetation: Preliminary land ecosystem maps of the world since the Last Glacial Maximum. Oak Ridge National Laboratory, TN, USA.