Jogos Olímpicos de Verão de 1996

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jogos da XXVI Olimpíada
Atlanta 1996
1996 Summer Olympics.svg.png
Dados
Países participantes 197 CONs
Slogan The Celebration of the Century
(pt: A celebração do século)
País anfitrião  Estados Unidos
Atletas 10 318
Eventos 271 em 26 esportes
Cerimônia de abertura 19 de julho
Cerimônia de encerramento 4 de agosto
Abertura oficial Presidente Bill Clinton
Juramento do atleta Teresa Edwards
Juramento do árbitro Hobie Billingsley
Tocha olímpica Muhammad Ali
Estádio principal Centennial Olympic Stadium
◄◄ Barcelona 1992 {{{evento}}} Sidney 2000 ►►

Jogos Olímpicos de 1996, oficialmente Jogos da XXVI Olimpíada, foram os Jogos realizados em Atlanta, nos Estados Unidos, entre 19 de julho e 4 de agosto de 1996. Marcaram os 100 anos dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, sendo abertos pelo presidente dos Estados Unidos Bill Clinton. Os então 197 Comitês Olímpicos Nacionais filiados ao Comitê Olímpico Internacional enviaram suas delegações, num total de 10 318 atletas, sendo 3512 deles mulheres, competindo em 26 esportes.

A comunidade olímpica internacional acreditava ser direito de Atenas, uma das candidatas e berço tanto dos Jogos da antiguidade quanto da Era Moderna, de sediar os Jogos no seu centenário. Entretanto, os delegados do Comitê Olímpico Internacional, na 96ª Sessão da entidade em 18 de setembro de 1990, em Tóquio, elegeram Atlanta como sede com 51 votos, contra 35 da cidade grega.[1]

A escolha provocou protestos e acusações de suborno aos membros do COI foram inclusive veiculadas, sem provas. Além disso, os Jogos de Atlanta, que se esperava serem perfeitos pelos vultosos recursos investidos em sua organização, apresentaram vários percalços, como um inesperado problema nos transportes que ocasionou grandes engarrafamentos pela cidade no período de disputas, dificultando a locomoção entre os locais de competição, o calor intenso durante as apresentações e o mais grave deles, um atentado cometido com a explosão de uma bomba no Centennial Olympic Park, que resultou na morte de duas pessoas e ferimentos em outras 111.[2]

Em seu discurso de encerramento, o então presidente do COI, Juan Antonio Samaranch, referiu-se aos Jogos recém-terminados com um "Bom trabalho, Atlanta" ao invés do costumeiro "Estes foram os melhores Jogos da história", usado até então.[3]

Processo de eleição[editar | editar código-fonte]

A campanha de Atlanta para sediar os Jogos de Verão começou em 1987 e foi considerada "azarão", já que os Estados Unidos haviam recém sediado os Jogos Olímpicos de Inverno de 1980 em Lake Placid e os Jogos Olímpicos de Verão de 1984 em Los Angeles, e estavam no início da campanha de Salt Lake City para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 1998. As principais rivais foram Toronto, cuja campanha começou em 1986 e estava bem cotada após o Canadá ter tido sucesso nas Olimpíadas de Inverno de Calgary, em 1988 e Melbourne, na Austrália, que sediou os Jogos Olímpicos de Verão de 1956. A candidatura de Atenas era considerada favorita pelo lado sentimental, já que esta edição seria a comemorativa do 100º aniversário da primeira edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna realizados na Grécia, em 1896.[4] [5]

Candidatura[editar | editar código-fonte]

Em 1987, Billy Payne, um advogado de Atlanta e ex-jogador de futebol universitário, teve a ideia de indicar sua cidade para sediar os Jogos Olímpicos de Verão de 1996.[6] O plano de Payne foi de fato aprovado pelo então prefeito de Atlanta, Andrew Young, que imediatamente procurou apoio financeiro de empresas locais. Payne tornou-se diretor do comitê organizador local e apresentou a sua candidatura para o Comitê Olímpico dos Estados Unidos (USOC), propondo a hospitalidade e o patrimônio cultural da cidade, local de nascimento de Martin Luther King.[7] A comissão também quis promover a imagem da cidade, desempenhando um papel importante no mundo. Atlanta seguiu o mesmo modelo estabelecido pelos Jogos Olímpicos de Verão de 1984 em Los Angeles.[8]

Em 29 de abril de 1988, Atlanta concorreu na seleção interna das cidades americanas pelo USOC com outras catorze aspirantes em Washington. Na última rodada derrotou Minneapolis-Saint Paul. Em 1988, nos Jogos Olímpicos de Seul, uma delegação sob o comando de Young e Payne teve o primeiro contato com o COI. Na fase de aplicação, esta comissão teve de lidar com várias questões que foram levantadas contra a escolha dos Jogos em Atlanta. Primeiro, o pedido apresentado por Atenas para poder sediar os jogos do centenário. Outros críticos argumentavam que não havia passado tempo suficiente desde os Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, para uma nova sede olímpica nos Estados Unidos. Atlanta também foi criticada por não ter uma grande tradição esportiva.[9] A fim de dissipar as críticas, os representantes do Comitê Organizador de Atlanta (AOC) estreitaram contato com os membros do COI. Além disso, o prefeito de Atlanta, Young, tinha uma grande reputação com as nações do terceiro mundo, o que foi benéfico para a escolha.[9]

A eleição[editar | editar código-fonte]

Resultados da eleição da cidade-sede
dos Jogos da XXVI Olimpíada
Cidade CON 1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada 4ª rodada 5ª rodada
Atlanta  Estados Unidos 19 20 26 34 51
Atenas  Grécia 23 23 26 30 35
Toronto  Canadá 14 17 18 22 -
Melbourne  Austrália 12 21 16 - -
Manchester Reino Unido Grã-Bretanha 11 5 - - -
Belgrado Iugoslávia 7 - - - -

A votação ocorreu na 96ª Sessão do Comitê Olímpico Internacional em Tóquio, no Japão. Esta foi uma das votações mais apertadas até então, onde Atlanta se impôs após cinco rodadas. Atenas esteve em vantagem nas três primeiras rodadas de votações, mas as eliminações de Belgrado, Manchester, Melbourne e, sobretudo, Toronto desviaram o voto a favor da cidade americana, que ganhou por 51 a 35 votos.[10]

A escolha provocou protestos acreditando-se que os executivos do Comitê Organizador de Atlanta haviam usado o poder financeiro da cidade – sede mundial da Coca-Cola, principal patrocinador do evento e da CNN, um dos principais canais de televisão do mundo – para pressionar os membros da entidade a conceder-lhes a honra de sediar a Olimpíada secular, em detrimento da verdadeira cidade que representava o espírito olímpico.[11]

O Comitê Olímpico Internacional alegou que o motivo da escolha de Atlanta foi por acreditar que a Grécia não teria condições de organizar novamente os Jogos, já que mesmo o país sendo membro da União Europeia, tinha uma infraestrutura deficiente para sediar o evento em um curto prazo.[11] Mesmo assim, ficou a impressão desta escolha ter sido baseada no poder financeiro e no potencial de comercialização desta edição, o que resultou numa inédita antipatia por uma cidade-sede de Jogos Olímpicos.

A derrota para a metrópole de negócios foi considerada como um insulto pelos gregos, que então anunciaram nunca mais se candidatar aos Jogos Olímpicos. Isto iria evaporar-se com a proposta vencedora para sediar os Jogos Olímpicos de Atenas 2004. A decisão de Atlanta, também expressa uma crítica ao COI, que pareceu como uma venda, o lucro dos membros do COI, que se comprometeram a aplicar contra os valores tradicionais do movimento olímpico.[9] Além disso, em 1991, o jornal USA Today publicou que Robert Helmick, um representante influente do comitê de candidatura de Atlanta, aceitou uma taxa de consultoria de U$ 300.000, a fim de forçar a inclusão do golfe no programa olímpico.[12]

Organização[editar | editar código-fonte]

Preparativos[editar | editar código-fonte]

Em 28 de janeiro de 1991 foi constituído o Comitê dos Jogos Olímpicos de Atlanta (ACOG), uma organização privada sem fins lucrativos. O presidente e o secretário-geral da ACOG foi Billy Payne, os co-presidentes eram Robert M. Holder Jr. e Andrew Young.[13]

A preparação dos Jogos Olímpicos de 1996 foi feita pelo ACOG, em cooperação com a cidade de Atlanta, na Assembléia Geral da Geórgia, fundada em 1989 pela Metropolitan Atlanta Olympic Games Authority (MAOGA), o USOC e o COI. O planejamento, financiamento e construção das sedes foram parte da missão da MAOGA, composta pelo prefeito de Atlanta, o presidente da Câmara Municipal e três membros nomeados pelo prefeito.[14] O ACOG e o USOC, estabeleceram em 14 de junho de 1991, juntamente com a Centennial Olympic Atlanta Properties (ACOP), que seriam os responsáveis pelo marketing. A organização dos Jogos foi feita por uma comissão executiva e quatro comissões permanentes, que foram estabelecidas pelo Conselho de Administração. Sob a chefia de Adolphus Drewery Frazier Jr. foram estabelecidos dez departamentos com diferentes seções, como o desporto e as relações internacionais. O quadro de funcionários da ACOG foi parcialmente pagos, sendo alguns voluntários. No início do evento o ACOG empregou 6 560 funcionários e 51 881 voluntários, acrescidos de 78 240 empreiteiros credenciados.[14]

Desde que ganhou o direito de cidade-sede, em setembro de 1990, mais de um bilhão de dólares de fundos de investimento foram financiados pelo governo.[15] [16] A venda de ingressos e patrocínios de empresas dos Estados Unidos resultaram em um lucro de US$ 10 milhões.[17] Essa edição olímpica teve um impacto sobre a cidade de Atlanta e área metropolitana a considerar que era para ser um instrumento de transformação da cidade para torná-la modernizada, embora já fosse conhecida como uma cidade moderna até então.[18]

Muitos centros esportivos foram construídos e depois expandidos para a ocasião, e grandes esforços foram empreendidos para a construção de habitações e de renovação dos transportes públicos. Cerca de 7 500 quartos de hotel surgiram entre 1990 até a data de abertura dos Jogos, perfazendo um total de 60 000 na área de Atlanta. Além disso, o governo federal liberou quantidades elevadas, até 500 milhões de dólares do dinheiro do contribuinte, para a renovação de estradas, calçadas, expansão do aeroporto e iluminação pública no centro de Atlanta. Foi criado pelo Rapid Metropolitan Transit Authority, uma nova ligação entre o aeroporto no sul e as áreas residenciais do norte da cidade.[16] .

Marketing[editar | editar código-fonte]

A mascote Izzy desfila pelas ruas de Atlanta.

O logotipo dos Jogos de Atlanta foi caracterizado por uma tocha, cuja base foi representada por cinco anéis olímpicos que sobrepuseram o "100", homenageando o centenário. As chamas desenhadas no fim da tocha, formaram uma estrela, símbolo da excelência desportiva. Na sua versão original,[19] o logotipo era dourado como as medalhas de ouro. A cor verde presente no fundo simbolizava os louros do vencedor e a imagem verde da cidade de Atlanta. O pôster oficial dos Jogos foi escolhido pelo presidente do COI Juan Antonio Samaranch e desenhado pelo artista Primo Angeli.[20]

Criada em 1991 pelo designer gráfico John Ryan, a mascote para a Olimpíada foi apresentada ao público na cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992, como "Whatizit" (nome baseado na frase "What's it?", O que é isso?) porque ninguém sabia exatamente o que realmente era.[21] Em contraste com a tradição de mascotes de importância nacional ou regional da cidade organizadora dos Jogos Olímpicos, a mascote era um amorfo, uma figura fantasia concebida por computador. A recepção do novo mascote não foi boa, e a organização dos Jogos Olímpicos pediu que redesenhasse o personagem, aplicando-lhe uma maior capacidade atlética e algumas mudanças supérfluas. Em outubro de 1995, foi apresentada a versão final, conhecida como "Izzy" e a mascote foi concluída. Izzy não gozou da mesma popularidade que Cobi durante os Jogos Olímpicos anteriores, sendo menos promovida pelos organizadores do evento uma vez que o mascote foi particularmente destinado às crianças.[22] Izzy foi a 13ª mascote oficial dos Jogos Olímpicos.

Locais de competição[editar | editar código-fonte]

Os eventos dos Jogos de Atlanta foram realizados em diversas áreas. A maioria se localizava no Anel Olímpico, um círculo de três milhas do centro de Atlanta. Dentro deste, o Centennial Olympic Stadium com uma capacidade de 85 000 lugares, foi construído especialmente para os Jogos de 1996. Foi a sede do atletismo e das cerimônias de abertura e encerramento. O imenso ginásio coberto Georgia Dome foi o local da ginástica artística e do basquete. As cinco salas do Georgia World Congress Center foram utilizados para a esgrima, judô, handebol, tênis de mesa, lutas e levantamento de peso[23] . O Centro Aquático foi o Georgia Tech[24] . Outras sedes dentro do Anel Olímpico foram o Alexander Memorial Coliseum (boxe)[25] , o Atlanta-Fulton County Stadium (beisebol), a Georgia State University Sports Arena (badminton) [26] , o Morris Brown College Stadium (hóquei de campo), o Omni Coliseum (voleibol) e o Wolf Creek Shooting Complex (tiro)[27] .

O Georgia Tech Aquatic Center à época dos Jogos.

Outros eventos foram realizados em Stone Mountain, cerca de 20 milhas fora da cidade. As provas de hipismo foram disputadas no Georgia International Horse Park e o ciclismo de pista no Stone Mountain Park Velodrome.[28] [29]

Curiosamente o voleibol de praia debutou nos Jogos em uma praia artificial construída em Jonesboro, área metropolitana de Atlanta, a cem milhas da costa marítima[30] . As competições de vela ocorreram no rio Savannah, na cidade de mesmo nome. Também sediaram eventos esportivos Columbus (softbol), o lago Lanier em Gainesville (remo e canoagem de velocidade) e o rio Ocoee, no Tennessee (canoagem slalom). Para ampliar as vendas de bilhetes, outros eventos, como o futebol, ocorreram nas cidades americanas de Athens, a nordeste de Atlanta, Birmingham no Alabama, Washington, D.C., Orlando e Miami, na Flórida.[28] [29]

Transmissão[editar | editar código-fonte]

Combate de boxe no Alexander Memorial Coliseum durante os Jogos Olímpicos.

Os Jogos Olímpicos de Atlanta registraram um novo recorde no montante de direitos de transmissão televisiva com mais de 898 milhões de dólares[31] e foram transmitidos para 214 países contra 193 da olimpíada anterior.[31] Para se ter exclusividade de transmissão nos Estados Unidos, a cadeia NBC pagou U$ 456 milhões.[32]

Estiveram presentes em Atlanta 15 108 órgãos de mídias. Incluindo 5 695 órgãos da imprensa escrita e 9 413 empresas de radiodifusão.[33] 19 161 jornalistas e técnicos certificados cobriram os Jogos. Cerca de 50 mil voluntários participaram da organização.[34]

No Brasil, um recorde de emissoras transmitiram os Jogos Olímpicos: as televisões abertas Globo[35] , SBT[36] , Record, Bandeirantes[37] e Manchete[carece de fontes?] e as Tevês fechadas Sportv[35] e ESPN Brasil.

Tocha olímpica[editar | editar código-fonte]

A tocha olímpica de Atlanta 1996.

A chama olímpica foi acesa em 30 de março de 1996 numa cerimônia majestosa no antigo estádio da cidade de Olímpia. Foi assistida por milhares de cidadãos gregos em uma celebração pública dos ideais olímpicos. A tocha começou o revezamento da chama percorrendo 2 141 km pela Grécia e durou oito dias.[38]

A rota norte-americana teve início em 27 de abril e foi projetada para refletir a diversidade geográfica e social do país, bem como sua história. Atravessou desertos e pradarias, o país do vinho e da terra, rios e lagos, e as cidades grandes e pequenas. Transportada por 12 467 portadores e cerca de 30 km, a chama viajou de trem, navio a vapor, de canoa, a cavalo, barco à vela, e outros meios de transporte que refletiam o caráter e a história das comunidades vizinhas. O percurso incluiu as três cidades americanas sede de Jogos Olímpicos de Verão: Saint Louis (1904), Los Angeles (1932 e 1984) e Atlanta.[38]

A tocha olímpica, concebida pelo designer Malcolm Grear, media 76 cm de comprimento e pesava 1 600 gramas.[38] Inspirada na arquitetura da Grécia antiga, foi composta de 22 palhetas de alumínio que representaram todas as edições olímpicas. Sobre os anéis foi colocado o emblema dos Jogos, os nomes das cidades-sede anteriores e a inscrição Atlanta 1996.[38]

Nações participantes[editar | editar código-fonte]

Os participantes das Olimpíadas em 1996. Em azul as nações estreantes e em verde as nações participantes desde edições anteriores.

Um total de 197 nações foram representadas nos Jogos Olímpicos de 1996, totalizando 10 318 atletas.[39] Vinte e quatro países fizeram sua estreia olímpica naquele ano, incluindo onze dos ex-repúblicas soviéticas que competiram como parte da Equipe Unificada em 1992. A Rússia competiu independente pela primeira vez desde os Jogos Olímpicos de Verão de 1912, quando ainda era o Império Russo. A República Federal da Iugoslávia retornava aos Jogos como Iugoslávia.[40]

Os 14 países que fizeram sua estreia olímpica foram: Azerbaijão, Burundi, Cabo Verde, Comores, Dominica, Guiné-Bissau, Macedónia, Nauru, Palestina, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Tomé e Príncipe, Tadjiquistão e Turquemenistão.[40]

Outros 10 países que fizeram sua estreia olímpica de verão após competir nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1994 em Lillehammer: Arménia, Bielorrússia, República Checa, Geórgia, Cazaquistão, Quirguistão, Moldávia, Eslováquia, Ucrânia e Uzbequistão.[40]

Modalidades disputadas[editar | editar código-fonte]

Largada dos 100m com barreiras feminino no Centennial Olympic Stadium.

O softball, voleibol de praia e o ciclismo de montanha (mountain bike) estrearam no programa olímpico, em conjunto com o futebol feminino e a modalidade de remo skiff leve.[41] Em parênteses o número de eventos em cada modalidade:

Calendário[editar | editar código-fonte]

As caixas em azul representam uma competição, ou um evento qualificatório de determinada data. As caixas em amarelo representam um dia de competição valendo medalha. Os números dentro das caixas representam a quantidade de finais do dia. A coluna T representa o total de finais do esporte.[42]

 ●  Cerimônia de abertura  ●  Competições  ●  Finais de competições  ●  Cerimônia de encerramento
Julho/Agosto S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D T
19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 1 2 3 4
Cerimônias
Atletismo 2 4 5 8 5 4 6 9 1 44
Badminton 3 2 5
Basquetebol 1 1 2
Beisebol 1 1
Boxe 7 5 12
Canoagem 2 2 6 6 16
Ciclismo 1 1 1 1 2 4 2 1 2 15
Esgrima 1 2 2 2 2 9
Futebol 1 1 2
Ginástica 1 1 1 1 3 7 14
Halterofilismo 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 10
Handebol 1 1 2
Hipismo
Hóquei sobre a grama 1 1 2
Judô 2 2 2 2 2 2 2 14
Lutas 6 4 3 2 3 2 20
Nado sincronizado 1 1
Natação 4 4 5 5 4 5 5 32
Pentatlo moderno 1 1
Polo aquático 1 1
Remo 7 7 14
Saltos ornamentais 1 1 1 1 4
Softbol 1 1
Tênis 2 2 4
Tênis de mesa 1 1 1 1 4
Tiro 2 2 1 2 3 1 3 1 15
Tiro com arco 1 1 2 4
Vela
Voleibol 1 1 2
Voleibol de praia 2 2
Total de finais 16 12 16 11 14 12 13 19 21 22 9 14 13 16 29 15
Total acumulado 16 28 60 71 85 97 110 129 150 172 181 195 208 224 253 268 -

Cerimônias[editar | editar código-fonte]

Cerimônia de abertura[editar | editar código-fonte]

Para comemorar o centenário dos Jogos Olímpicos, os organizadores ofereceram para 83 000 espectadores no Estádio Olímpico em Atlanta e 3,5 bilhões de telespectadores pelo mundo um evento espetacular. A cerimônia de abertura criada e produzida por Don Mischer ajudou a destacar o aspecto cultural do sul dos Estados Unidos, mas também quis homenagear o centenário do movimento olímpico moderno. Mais de dois anos em pré-produção, a abertura tinha um elenco de 8 000 artistas, uma equipe composta por 540 pessoas, e cerca de 2 600 voluntários. A cerimônia de abertura rendeu a Mischer um Emmy pela direção do espetáculo.[43]

O destaque do dia 19 de julho de 1996 foi a chegada ao palco da chama olímpica, que percorreu quase 24 000 km pelos Estados Unidos por intermédio de 10 000 voluntários. O último portador foi o ex-pugilista norte-americano Muhammad Ali, campeão olímpico em 1960 ainda competindo como Cassius Clay, seu nome de batismo.[44] Numa comoção geral, Muhammad Ali, adoecido pelo Mal de Parkinson, pôs as mãos trêmulas segurando a tocha olímpica para a pira olímpica ainda extinta.[45] Durante os Jogos de Atlanta, a medalha de ouro que havia conquistado nos Jogos Olímpicos de Roma foi oferecida novamente. Naquele ano, Cassius Clay havia jogado sua medalha de ouro em um rio, porque se recusaram a serví-lo em um restaurante por ser negro.[46]

A canção "The Power of the Dream", composta por Kenneth "Babyface" Edmonds e David Foster em parceria com Linda Thompson, foi cantada na cerimônia de abertura pela cantora Céline Dion acompanhada por Foster e do coro centenário da Orquestra sinfônica de Atlanta. Gladys Knight cantou "Georgia on My Mind", canção oficial do Estado da Geórgia.[47]

A abertura oficial dos Jogos de 1996 foi declarada pelo presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, depois do discurso dado por Juan Antonio Samaranch, presidente do Comitê Olímpico Internacional.[45]

Cerimônia de encerramento[editar | editar código-fonte]

Cerimônia de encerramento.

A cerimônia de encerramento teve início após uma contagem regressiva de 26 segundos em homenagem a todos os últimos Jogos Olímpicos de Verão com a Banda Olímpica de Atlanta, liderada por John Williams, do espetáculo, "Summon the Heroes". O grupo de R&B Boyz II Men cantou The Star Spangled Banner.

A apresentação das medalhas da maratona masculina veio em seguida. Ao contrário da cerimônia de encerramento anterior, a última volta da corrida ocorreu no início da manhã ao invés de parte ou imediatamente antes da festa, devido às condições de clima quente da tarde. Josia Thugwane da África do Sul, Lee Bong-Ju da Coreia do Sul, e Erick Wainaina de Marrocos, encerraram com o ouro, a prata e o bronze, respectivamente.[48]

Em conformidade com a Carta Olímpica, que rege a cerimônia de encerramento, o presidente do COI Juan Antonio Samaranch convidou os jovens do mundo a se reunir em Sydney, a quatro anos, para os a próxima edição olímpica. Em seu discurso, condenou o atentado ao Centennial Olympic Park afirmando que o terrorismo não pode parar o espírito olímpico. Samaranch pediu um minuto de silêncio para lembrar as vítimas do atentado, assim como os onze atletas israelenses vitimados do massacre de Munique durante os Jogos de 1972.[49] Ainda em discurso, revelou que as tragédias nunca serão esquecidas e ainda:

Cquote1.svg Nenhum ato de terrorismo já destruiu o movimento olímpico e jamais destruirá. Mais do que nunca estamos totalmente empenhados em construir um mundo melhor, mais pacífico, em que as formas de terrorismo são erradicadas.[50] Cquote2.svg

Além disso, Samaranch agradeceu a cidade-sede com a frase "Bom trabalho, Atlanta", e preferiu referir-se aos Jogos como os "mais excepcionais". O presidente rompeu com o precedente em não dizer que estes haviam sido os melhores Jogos Olímpicos de sempre, como havia feito em outras cerimônias de encerramento enquanto presidente do COI.[3] No entanto, quatro anos mais tarde, afirmou que os Jogos Olímpicos de Sydney foram os melhores apresentados, sugerindo que esta foi uma omissão intencional.[51]

Antes Samaranch havia declarado os jogos oficialmente encerrados, e o cantor Stevie Wonder interpretou a música "Imagine" de John Lennon.[49] Esta parte do programa culminou com a transição da bandeira dos Jogos Olímpicos do prefeito de Atlanta, Bill Campbell, a Samaranch, e, em seguida, ao prefeito de Sydney, Frank Sartor. No entanto, os Estados Unidos iriam receber a bandeira olímpica de volta em 22 de fevereiro de 1998 durante a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos seguintes em Nagano, no Japão[52] , já que seria a sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2002 em Salt Lake City [52] . Posterior à transição da bandeira, deu início a apresentação de Sydney, próxima cidade a receber os Jogos de Verão. Foram apresentados muitos dançarinos vestidos como indígenas, plantas e animais nativos da Austrália. Quatro balões inflados levantaram-se para formar uma imaginária Sydney Opera House, enquanto dançarinos correram para formar o mar.

Fatos e destaques[editar | editar código-fonte]

Muhammad Ali em 1996.
  • Um recorde de 197 Comitês Olímpicos Nacionais participaram dos Jogos Olímpicos de Atlanta.[53] A Palestina foi reconhecida pelo COI e pode participar dos Jogos Olímpicos pela primeira vez.[54]
  • O ponto alto da cerimônia de abertura foi o acendimento da pira olímpica pelo ex-boxeador Muhammad Ali, campeão olímpico em Roma 1960, de onde partiu para a carreira profissional que o transformaria no maior pugilista da história.[55]
  • Lee Lai Shan ganhou uma medalha de ouro na vela, a única medalha olímpica conquistada por Hong Kong como colônia britânica (1952-1997). Isso significava a única vez, que a bandeira colonial de Hong Kong foi hasteada para o acompanhamento do hino nacional britânico "God Save the Queen", já que a soberania de Hong Kong foi transferida para a China em 1997.[56]
  • O corredor norte-americano Michael Johnson conquistou a medalha de ouro nos 200 e 400 metros, batendo o recorde mundial nos 200m, numa das mais espetaculares provas de velocidade da história.[55] Primeiro, ele venceu a corrida de 400m, com mais de 10m à frente do corredor.[55] Três dias depois, durante a final do 200m, ele cruzou a linha de chegada em 19s32, e melhorou o seu próprio recorde mundial da prova.[57]
  • A francesa Marie-José Perec, mesmo sem recordes, igualou-se a Michael Johnson com o ouro nos 200 e 400 metros femininos, tornando-se a primeira mulher a conquistar a vitória nos 400 m em duas Olimpíadas consecutivas.[58] Ela atingiu esta proeza ao bater Cathy Freeman da Austrália com um tempo de 48s25, um novo recorde olímpico. Três dias depois, Perec fez o seu melhor tempo na final dos 200 m. A "Gazelle" ganhou sua terceira medalha de ouro olímpica (a segunda em Atlanta) com o tempo 22s12.[59]
  • O pequenino halterofilista turco Naim Suleymanoglu, apelidado "O Pequeno Hércules", conquistou o título olímpico em sua categoria pela terceira vez consecutiva, o primeiro a conseguir este feito na história dos Jogos.[60]
  • O nadador russo Alexander Popov é um dos heróis dos Jogos de Atlanta ao ganhar quatro medalhas sendo duas de ouro na prova dos 50 m e 100 m livre. Nos 100 m, Popov, então detentor do recorde mundial e defensor do título olímpico em 1992, chegou à frente do americano Gary Hall Jr. com 48s74, torna-se o primeiro nadador desde Johnny Weissmuller em 1928 a ganhar o bicampeonato O russo de 24 anos realizou uma outra façanha três dias depois, nos 50 m. Ele voltou a vencer Gary Hall Jr. com tempo de 22s13, obtendo assim a quarta medalha de ouro de sua carreira. Ele completaria sua coleção com mais duas medalhas de prata em revezamentos.[61] Um mês após os jogos de 1996, Alexander Popov foi vítima de uma facada nas ruas de Moscou que perfurou sua barriga.[62]
  • Entre as mulheres da natação, a americana Amy Van Dyken foi a atleta mais condecorada em Atlanta. Ao vencer os 50 m, 100 m, revezamento 4x100 m nado livre e revezamento 4x100 m medley, ela se tornou a primeira atleta americana a conquistar quatro títulos em uma única Olimpíada.[63] Outra nadadora, a irlandesa Michelle Smith conquistou quatro medalhas, incluindo três de ouro.[64] Esta glória seria manchada dois anos mais tarde por um antidoping positivo dando-lhe uma suspensão de quatro anos.[65]
  • Aos 34 anos, o remador britânico Steve Redgrave conquistou sua quarta medalha de ouro em quatro Jogos Olímpicos consecutivos.[66] O feito só seria igualado por seu compatriota Matthew Pinsent em Atenas 2004. Na edição seguinte em Sydney, Redgrave viria a conquistar sua quinta medalha de ouro olímpica.[67]
  • Na última rotação, a ginasta Kerri Strug, havia quebrado o tornozelo após uma queda na prova do salto sobre a mesa, realizou seu último salto e assegurou a primeira medalha de ouro a um time norte-americano feminino de ginástica, fato que consagrou ela e as outras integrantes como heroínas nacionais.[71]
  • O velejador austríaco Hubert Raudaschl entrou para a história dos Jogos Olímpicos ao participar de 9 olimpíadas consecutivas (um recorde).[72]

Incidentes[editar | editar código-fonte]

A grande dependência de Atlanta em patrocínio empresarial fez com que muitos considerassem os Jogos excessivamente comercializados. A Coca-Cola, cuja sede fica em Atlanta, recebeu críticas por ser a bebida exclusiva oferecida nas instalações olímpicas. Além disso, a cidade de Atlanta se achou em condições de competir com o COI pelas cotas de patrocínio. A cidade licenciou vendedores ambulantes que vendiam produtos em detrimento de outros e, portanto, previu a presença de empresas que não eram patrocinadoras oficiais.[73] [74]

Um relatório feito por oficiais dos Comitês Olímpicos Europeus e publicado pelo jornal britânico The Independent criticou o desempenho de Atlanta como sede olímpica em várias questões-chave, incluindo o nível de aglomeração na Vila Olímpica, a qualidade e quantidade dos alimentos disponíveis, a acessibilidade e facilidade de transporte, e a "atmosfera" geral de mercantilismo dos Jogos.[75] Até mesmo o sistema de resultados em tempo real apresentou falhas e deixou a desejar.[76] Um dos segmentos da cerimônia de abertura, em que participaram quinhentos líderes de torcida em cima de trinta picapes, foi considerada "extravagante" para alguns observadores e considerada questionável no gosto de muitos visitantes estrangeiros.[77]

Atentado no Centennial Olympic Park[editar | editar código-fonte]

Enquanto os Estados Unidos ainda estavam em estado de choque pela explosão do Boeing 747 da TWA na costa de Long Island causando 230 mortes, um atentado terrorista ocorreu durante os Jogos Olímpicos de Atlanta com a explosão de uma bomba no Centennial Olympic Park a poucos metros da vila olímpica.[78] [79]

Na madrugada de sexta-feira para sábado, 27 de julho de 1996, às 1h20 local, uma explosão violenta ocorreu no coração do Centennial Olympic Park, freqüentado por atletas e turistas para confraternizações.[80] O número de vítimas resultou em dois mortos e 112 feridos. O atentado matou a espectadora Alice Hawthorne e causou a morte do cameraman turco Melih Uzunyol por ataque cardíaco.[81] Muito rapidamente, o Comitê Olímpico Internacional condenou o incidente e disse para que os Jogos de Atlanta continuassem, como no passado, devido à sangrenta tomada de reféns nos Jogos de Munique em 1972. Naquele sábado, 27 de julho, foi feito um minuto de silêncio em todos os locais olímpicos e as bandeiras ficaram a meio mastro. Na cerimônia de encerramento, Juan Antonio Samaranch declarou que "nenhum ato de terrorismo destruiu ou jamais destruirá o Movimento Olímpico".[82]

Poucos anos depois, um suspeito alegadamente chamado Eric Robert Rudolph, simpatizante de milícias extremistas e movimentos religiosos hostis ao governo federal foi julgado e condenado à prisão perpétua.[83] [84]

Doping[editar | editar código-fonte]

Duas atletas foram excluídas dos Jogos devido o controle antidopagem ter dado positivo.[85] Iva Prandzheva da Bulgária, que obteve o quarto lugar na final da prova de salto triplo, foi desclassificada pelo uso de metandienona. A russa Natalya Shekhodanova teve o sétimo lugar obtido nos 100 metros com barreiras anulado pelo uso da substância estanozolol.[86]

Quadro de medalhas[editar | editar código-fonte]

A delegação dos Estados Unidos ganhou 101 medalhas em solo americano, incluindo 44 de ouro, à frente de Rússia (62 medalhas, incluindo 26 de ouro) e Alemanha (65 medalhas, incluindo 20 de ouro). A explosão dos blocos e o surgimento de novos Estados resultaram numa maior distribuição de medalhas. Dos 197 países concorrentes, 79 ganharam pelo menos uma medalha.[87] Pela primeira vez atletas da Arménia, Azerbaijão, Bielorrússia, Burundi, Equador, Geórgia, Hong Kong, Cazaquistão, Moldávia, Moçambique, Eslováquia, Tonga, Ucrânia e Uzbequistão conquistaram medalhas olímpicas.


     País sede destacado.
 Ordem  País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze GoldSilverBronze medals.svg Ordem
por total
1 Estados UnidosUSA Estados Unidos 44 32 25 101 1
2 RússiaRUS Rússia 26 21 16 63 3
3 AlemanhaGER Alemanha 20 18 27 65 2
4 ChinaCHN China 16 22 12 50 4
5 FrançaFRA França 15 7 15 37 5
6 ItáliaITA Itália 13 10 12 35 6
7 AustráliaAUS Austrália 9 9 23 34 7
8 CubaCUB Cuba 9 8 8 25 9
9 UcrâniaUKR Ucrânia 9 2 12 23 10
10 Coreia do SulKOR Coreia do Sul 7 15 5 27 8
25 BrasilBRA Brasil 3 3 9 15 18
47 PortugalPOR Portugal 1   1 2 49
71 MoçambiqueMOZ Moçambique     1 1 76
Fonte: Olympic Museum
Os demais países lusófonos não conquistaram medalhas.

Legado[editar | editar código-fonte]

Os Jogos Olímpicos promoveram o desenvolvimento de diversos aspectos da infraestrutura de Atlanta. Como exemplos, o Aeroporto Internacional de Atlanta Hartsfield-Jackson[88] , a expansão do metrô e o crescimento de inúmeros empreendimentos residenciais e comerciais no entorno da cidade. Porém é o Centennial Olympic Park um dos legados mais duradouros dos Jogos. Com uma área de 21 hectares, oferece lazer e entretenimento para moradores e turistas, além de revitalizar o centro da cidade.[89]

Imediatamente após as Olimpíadas, o Centennial Olympic Stadium foi convertido em Turner Field, que passou a ser a casa do time de beisebol Atlanta Braves na temporada de 1997. Uma vez ocorrida a mudança do Braves, o Atlanta-Fulton County Stadium foi demolido e o lugar se tornou um parque de estacionamento para o Turner Field; o Omni Coliseum foi demolido nesse mesmo ano para abrir caminho para a Philips Arena, em seu lugar.[90] Outro local olímpico demolido foi o Miami Orange Bowl, que em 2008 deu lugar ao novo estádio de beisebol do Florida Marlins.[91]

Em 2006, em comemoração aos 10 anos dos Jogos, a cidade ganhou o Centennial Olympic Games Museum. O museu abriga uma das exposições mais significativas do esporte olímpico e da história dos Estados Unidos, e leva os visitantes ao longo da história do movimento olímpico - a partir do início dos Jogos Olímpicos na Grécia antiga a história do início dos Jogos Olímpicos modernos em 1896 aos 17 dias de Jogos Olímpicos do Centenário.[92]

Referências

  1. IOC Vote History aldaver.com. Visitado em 4 de setembro de 2010.
  2. Ato terrorista abala comemoração comercial do centenário olímpico UOL (2008). Visitado em 4 de setembro de 2010.
  3. a b Luís Pedro Cabral (3 de setembro de 2008). Atlanta 1996 - Olimpíadas do chauvinismo Diário de Notícias. Visitado em 23 de setembro de 2010.
  4. Payne, Michael. Olympic turnaround: how the Olympic Games stepped back from the brink of Extinction to Become the Best Known Brand. Westport, Ct.: Praeger Publishers, 2006. ISBN 0-275-99030-3.
  5. 1996 Bid Books – The Bid Library ontour2001.tripod.com. Visitado em 23 de setembro de 2010.
  6. Donald Katz (8 de janeiro de 1996). ATLANTA BRAVE Sports Illustrated. Visitado em 23 de setembro de 1996.
  7. Olympic Games in 1996 georgiaencyclopedia.org. Visitado em 23 de setembro de 1996.
  8. O fim de uma era Veja.com (24 de julho de 1996). Visitado em 23 de setembro de 1996.
  9. a b c Volker Kluge: Olympische Sommerspiele. Die Chronik Teil 4. Sportverlag, Berlin 2000. p. 679.
  10. Atlanta Wins 1996 Olympics Athens – Athens Loses Bid to Return Games to Original Home Los Angeles Times (18 de setembro de 1990). Visitado em 1 de setembro de 2010.
  11. a b Jogos Olímpicos: Atlanta 1996 Gazeta do Povo (3 de agosto de 2008). Visitado em 4 de setembro de 2010.
  12. Volker Kluge: Olympische Sommerspiele. Die Chronik Teil 4. Sportverlag, Berlin 2000. p. 677.
  13. Centennial Olympic Games la84foundation.org. Visitado em 7 de setembro de 2010.
  14. a b Volker Kluge: Olympische Sommerspiele. Die Chronik Teil 4. Sportverlag, Berlin 2000. p. 681.
  15. Volker Kluge: Olympische Sommerspiele. Die Chronik Teil 4. Sportverlag, Berlin 2000. p. 693.
  16. a b Volker Kluge: Olympische Sommerspiele. Die Chronik Teil 4. Sportverlag, Berlin 2000. p. 682.
  17. Beijing Olympiad: Profit or Loss? China Internet Information Center. Visitado em 2008-08-17.
  18. Volker Kluge: Olympische Sommerspiele. Die Chronik Teil 4. Sportverlag, Berlin 2000. p. 683.
  19. L'emblème des jeux d'Atlanta, site du CIO COI. Visitado em 17 de agosto de 2008.
  20. Descriptif de poster olympiques d'Atlanta, site du CIO COI. Visitado em 17 de agosto de 2008.
  21. Izzy The New Georgia Encyclopedia. Visitado em 17 de agosto de 2008.
  22. Kevin Sack (30 de junho de 1996). Atlanta and Izzy;No Medals for the Olympic Mascot The New York Times. Visitado em 23 de setembro de 2010.
  23. History GWCC. Visitado em 12 de setembro de 2010.
  24. Georgia Tech Aquatic Center Georgia Tech Athletic Association. Visitado em 27 de maio de 2007.
  25. Alexander Memorial Coliseum at ramblinwreck.cstv.com ramblinwreck.cstv.com. Visitado em 05 de Novembro de 2010.
  26. Panthers Facilities GSS. Visitado em 12 de setembro de 2010.
  27. Tom Lowe Shooting Grounds GATRAP. Visitado em 12 de setembro de 2010.
  28. a b Burbank, Matthew; et. al.. Olympic Dreams: The Impact of Mega Events on Local Politics. [S.l.: s.n.], 2001. p. 97.
  29. a b Centennial Olympic Games la84foundation.org. Visitado em 7 de setembro de 2010.
  30. First Olympic Appearance: 1996 infoplease. Visitado em 2010-09-07.
  31. a b A História da Transmissão dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Visitado em 7 de setembro de 2010.
  32. OLYMPICS; NBC's Olympic Run Is Extended to 2012 With $2 Billion Bid The New York Times (7 de junho de 2003). Visitado em 7 de setembro de 2010.
  33. Altanta 1996 Collection Olympic.org. Visitado em 7 de setembro de 2010.
  34. Summer Olympics 1996 Mahalo. Visitado em 7 de setembro de 2010.
  35. a b Olimpíadas de Atlanta - 1996 Globo.com. Visitado em 17 de agosto de 2008.
  36. Anos 90-A era de ouro ArquivoSBT. Visitado em 23 de Setembro de 2010.
  37. História Band.com.br. Visitado em 17 de agosto de 2010.
  38. a b c d The US Route olympic-museum. Visitado em 2008-09-02.
  39. Atlanta Olympics Comité Olympique Monégasque. Visitado em 8 de setembro de 2010.
  40. a b c Participating Countries olympic-museum. Visitado em 9 de setembro de 2010.
  41. Olympic Summer Games All Sports olympic-museum.de. Visitado em 8 de setembro de 2010.
  42. 1996 Atlanta Summer Games Sports Reference. Visitado em 17 de agosto de 2008.
  43. Atlanta Summer Olympic Games: Opening Ceremony Don Mischer Productions. Visitado em 1 de setembro de 2010.
  44. Muhammad Ali COI. Visitado em 10 de setembro de 2010.
  45. a b Muhammad Ali lights the flame at the 1996 Summer Olympics opening ceremony Timelines (19 de julho de 1996). Visitado em 10 de setembro de 2010.
  46. Muhammad Ali completa 50 anos de ouro olímpico, após 'dançar' em Roma UOL Esporte (5 de setembro de 2010). Visitado em 10 de setembro.
  47. 1996 Atlanta Opening Ceremony Music List Olympic Ceremonyography. Visitado em 10 de setembro de 2010.
  48. Medalhas do Atletismo nas Olimpíadas de Atlanta, 1996 UOL (20 de Setembro de 2010).
  49. a b Frey, Jennifer. "A Curtain Call in Atlanta", 5 de agosto de 1996.
  50. Longman, Jere. "Atlanta Games, a Celebration for 197 Nations, Close", 5 de agosto de 1996, p. A1.
  51. Associated Press. "Samaranch calls these Olympics 'best ever'", ESPN.com, 1 de outubro de 2000.
  52. a b Wells, Melanie. "Japan bows out with traditional flair", 23 de fevereiro de 1998, p. 11E.
  53. Atlanta 1996 Terra Esportes. Visitado em 13 de setembro de 2010.
  54. Nassir Yousef al-Jaber (12 de agosto de 2008). Arabs hope for Olympic breakthrough Al Jazeera. Visitado em 13 de setembro de 2010.
  55. a b c d e Olimpíadas 2008. Histórico das Olimpíadas UOL. Visitado em 3 de agosto de 2010.
  56. John Crean (13 de junho de 1996). Hong Kong's Last Chance To Win an Olympic Medal New York Times. Visitado em 13 de setembro de 2010.
  57. Michael Johnson (EUA) UOL. Visitado em 13 de setembro de 2010.
  58. a b Atenas 2004. Histórico das Olimpíadas Terra. Visitado em 3 de agosto de 2010.
  59. Perec Takes On Double Mission New York Times (1 de agosto de 1996). Visitado em 3 de setembro de 1996.
  60. Naim Suleymanoglu beijing2008.cn. Visitado em 3 de setembro de 2010.
  61. Alexander Popov COI. Visitado em 4 de setembro de 2010.
  62. Alexander Popov tenta o inédito tri olímpico Folha (20 de setembro de 2000). Visitado em 13 de setembro de 2010.
  63. Amy Van Dyken - 1996 Olympic Superstar jrank.org. Visitado em 13 de setembro de 2010.
  64. 1996 - Olimpíadas de Atlanta – Irlanda UOL. Visitado em 13 de setembro de 2010.
  65. Mitchell, Kevin. "How waters rose to engulf Irish idol", The Guardian, 29 de fevereiro de 2004. Página visitada em 12 de maio de 2010.
  66. BBC (1 de maio de 2001). Queen honours Redgrave. Visitado em 13 de setembro de 2010.
  67. 2000: Redgrave wins fifth Olympic gold BBC. Visitado em 13 de setembro de 2010.
  68. Esportes em números. Perfil de Miguel Induraín. Visitado em 4 de setembro de 2010.
  69. Karch Kiraly, Three-Time Olympic Gold Medalist, Professional Volleyball Player volleyball.org. Visitado em 4 de setembro de 2010.
  70. bvbinfo.com Karch Kiraly: Career.
  71. ATLANTA: DAY 5 -- GYMNASTICS;For the Magnificent Seven, It Hurts So Good (em inglês) New York Times. Visitado em 2009-07-01.
  72. sailing.org
  73. McGill's master of the rings McGill. Visitado em 17 de agosto de 2008.
  74. Olympic bid smacks into $10M hurdle San Francisco Business Times. Visitado em 1 de setembro de 2010.
  75. Olympic Games: Maligned Atlanta meets targets The Independent (15 de novembro de 1996). Visitado em 21 de novembro de 2010.
  76. Olympic Games: Americanos decepcionam nos Jogos do centenário Yahoo. Visitado em 17 de agosto de 2008.
  77. From Garish to Grand on Opening Night Sports Illustrated. Visitado em 21 de setembro de 2008.
  78. XXVI (26th) OLYMPIAD kiat.net. Visitado em 21 de setembro de 2010.
  79. BOMB AT THE OLYMPICS: THE OVERVIEW;OLYMPICS PARK BLAST KILLS ONE, HURTS 111; ATLANTA GAMES GO ON New York Times (28 de julho de 1996). Visitado em 21 de setembro de 2010.
  80. Centenial Olympic Park bombing CNN Interactive. Visitado em 1 de setembro de 2010.
  81. Mortes ocorridas durante a realização de Jogos Olímpicos UOL (13 de fevereiro de 2010). Visitado em 21 de setembro de 2010.
  82. Discurso de Juan Antonio Samaranch LA84foudation (agosto/setembro de 1996). Visitado em 21 de setembro de 2010.
  83. L'auteur présumé de l'attentat d'Atlanta arrêté Sport.fr. Visitado em 1 de setembro de 2010.
  84. Perpétuité pour l'auteur de l'attentat des JO d'Atlanta Sport.fr. Visitado em 1 de setembro de 2010.
  85. Liste des sportifs dopés aux Jeux olympiques lmconference. Visitado em 1 de setembro de 2010.
  86. Bulgarian, Russian Athletes Fail Drug Tests Los Angeles Times (6 de agosto de 1996). Visitado em 21 de setembro de 2010.
  87. Medal standing Olympic games 1996 Atlanta olympic-museum.de. Visitado em 15 de setembro de 2010.
  88. Airport History Hartsfield–Jackson Atlanta International Airport.
  89. History of the Park Centennial Park.
  90. 1996 Atlanta Olympic Stadium olympics.ballparks.com. Visitado em 7 de setembro de 2010.
  91. The beginning of the end of the Orange Bown sports-venue.info. Visitado em 7 de setembro de 2010.
  92. The Centennial Olympic Games Museum Highlights Atlanta's Olympic Relationship Flying compass. Visitado em 7 de setembro de 2010.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • [1] Arquivo digital da LA84 Foundation of Los Angeles vol. 1
  • [2] Arquivo digital da LA84 Foundation of Los Angeles vol. 2
  • [3] Arquivo digital da LA84 Foundation of Los Angeles vol. 3

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Jogos Olímpicos de Verão de 1996