Seleção de Futebol dos Estados Unidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estados Unidos
US Soccer Federation.svg.png
Alcunhas?  Yanks (Ianques)
The Stars & Stripes (As Estrelas e Faixas)
The Red, White & Blue (A Vermelha, Branca e Azul)
Associação Federação de Futebol dos Estados Unidos
Confederação CONCACAF
Material desportivo?  Logo NIKE.svg Nike
Treinador Alemanha Jürgen Klinsmann
Capitão Clint Dempsey
Mais participações Cobi Jones (164)
Artilheiro Landon Donovan (57)
Kit left arm usa1415h.png Kit body usa1415h.png Kit right arm usa1415h.png
Kit shorts usa1415h.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm usa1415a.png Kit body usa1415a.png Kit right arm usa1415a.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção de Futebol dos Estados Unidos representa os Estados Unidos internacionalmente em competições futebolísticas. Ela é controlada pela Federação de Futebol dos Estados Unidos e compete pela CONCACAF (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe). A equipe está classificada como a 13ª melhor do mundo no Ranking Mundial da FIFA e a 1ª pela CONCACAF. Apareceu nas últimas sete Copas do Mundo - incluindo 2014 - e organizou a edição de 1994.

A equipe melhor finalizou na Copa do Mundo no torneio inaugural de 1930, onde terminou em terceiro. Mas recentemente, terminou em quarto lugar na Copa América de 1995, alcançou as quartas de final da Copa do Mundo de 2002 e levou o segundo lugar na Copa das Confederações de 2009. Os Estados Unidos conquistou a Copa Ouro da CONCACAF cinco vezes em dez torneios, inclusive é o atual campeão. Equipes de futebol dos EUA também levaram prata e bronze nos Jogos Olímpicos de 1904.

A seleção masculina compete na Copa do Mundo e na Copa das Confederações, além da Copa Ouro da CONCACAF e outras competições por convite. Até a década de 1990, a seleção dos Estados Unidos foi considerada uma das equipes mais fracas do mundo. Destaques antes da última fase do século XX foram: terminar em terceiro na primeira Copa do Mundo; depois, classificar-se para a Copa do Mundo FIFA de 1934 e retirando-se em 1938, participando depois em 1950, causando uma virada, derrotando a Inglaterra por 1-0 na sua quarta partida de grupo. Depois de 1950, os EUA não se classificou para a Copa do Mundo novamente até 1990.

Após a Copa do Mundo FIFA de 1990, os EUA se classificaram automaticamente como anfitriões da Copa do Mundo de 1994, perdendo para o Brasil nas oitavas-de-final. A partir de então, a equipe se classificou para todas as Copas do Mundo até então, até e inclusive a Copa do Mundo FIFA de 2014, com o melhor desempenho sendo alcançando as quartas-de-final da Copa do Mundo de 2002, perdendo para a Alemanha. Na etapa regional, a seleção também melhorou, com um recorde até 2009 de alcançar a final da Copa Ouro da CONCACAF bienal oito vezes desde 1989, ganhando quatro, em 1991, 2002, 2005 e 2007. Como vencedores da Copa Ouro de 2007, eles também avançaram para a final da edição de 2009 da Copa das Confederações da FIFA, perdendo para o Brasil na final.

História[editar | editar código-fonte]

Décadas de 1880 a 1940[editar | editar código-fonte]

A primeira equipe oficial de futebol dos EUA, em 1916

Em 1884, Estados Unidos e Canadá jogaram em Newark, Nova Jérsei, tornando-o o primeiro jogo internacional realizado fora do Reino Unido; os canadenses venceram a partida por 1-0. No ano seguinte, uma partida no mesmo local, resultou na vitória dos EUA, depois de marcar o único gol do jogo. Trinta anos depois, os Estados Unidos desempenhou a sua primeira partida oficial internacional sob os auspícios da Federação de Futebol dos Estados Unidos contra a Suécia em Estocolmo, em que os EUA venceu por 3-2, com gols de Dick Spalding, Charles Ellis

Os EUA ganharam a prata e duas medalhas de bronze no futebol masculino nos Jogos Olímpicos de Verão de 1904, realizados em St. Louis, Missouri. O torneio apresentou apenas três equipes: Galt FC, do Canadá, e Christian Brothers College e St. Rose Parish, dos Estados Unidos. Galt derrotou ambas as equipes dos Estados Unidos, ganhando o ouro. Christian Brothers derrotou St. Rose em um terceiro jogo depois de dois empates sem gols.

A equipe dos EUA que disputou a Copa do Mundo de 1930 e terminou em 3º lugar

Na Copa do Mundo FIFA de 1930, os EUA terminaram em terceiro, batendo a Bélgica por 3-0 no Estádio Gran Parque Central em Montevidéu, Uruguai. A partida ocorreu simultaneamente com uma outra em outra parte da cidade nos Estádio Pocitos, onde a França derrotou o México.

No próximo jogo, os Estados Unidos ganharam uma vitória por 3-0 sobre o Paraguai. Por muitos anos, a FIFA creditou Bert Patenaude com os primeiro e terceiro gols e seu companheiro de equipe Tom Florie com o segundo. Outras fontes descrevem o segundo gol como tendo sido marcado por Patenaude ou pelo paraguaio Ramon Gonzales. Em novembro de 2006, a FIFA anunciou que havia aceitado evidências de "vários historiadores e fãs de futebol" que Patenaude marcou os três gols, e foi assim a primeira pessoa a marcar um hat-trick em um torneio de Copa do Mundo.

Tendo alcançado as semifinais com as duas vitórias, o lado americano perdeu de 6-1 para a Argentina. Usando os registros gerais do torneio, a FIFA creditou os EUA com um terceiro lugar, à frente do companheiro semi-finalista Iugoslávia. É o melhor resultado de qualquer equipe de fora da CONMEBOL e da UEFA, as confederações sul-americana e europeia, respectivamente.

Devido a FIFA não querer interferência com a recém-fundada Copa do Mundo, nenhum torneio oficial foi a campo no Jogos Olímpicos de Verão de 1932. A FIFA afirmou que o torneio não seria popular nos Estados Unidos, por isso não teria custo suficiente para auxiliar na execução do torneio durante tempos difíceis na economia. Como resultado, um torneio informal foi organizado incluindo rivais locais com os Estados Unidos terminando em primeiro, seguido por México e Canadá. O Torneio Olímpico foi restabelecido nos Jogos Olímpicos de Verão de 1936.

Décadas de 1950 a 1970[editar | editar código-fonte]

A Copa do Mundo FIFA de 1950 foi a primeira aparição em Copas dos Estados Unidos desde 1934. Os EUA perderam sua primeira partida por 3-1 contra a Espanha, mas depois venceu por 1-0 contra a Inglaterra no Estádio Independência, na cidade de Belo Horizonte. O resultado é considerado uma das maiores viradas na história do esporte. Meses antes da famosa derrota da Copa do Mundo para os EUA, a Inglaterra tinha batido o "resto da Europa" por 6-1 em uma partida de exibição. Sports Illustrated e Soccer Digest chamam a virada da Copa do Mundo pelos americanos em 1950 de "Milagre na Grama", uma referência ao Milagre no Gelo. No terceiro jogo dos EUA na Copa de 1950, uma derrota para o Chile por um placar de 5-2, os EUA foram eliminados do torneio. Seriam de quatro décadas o tempo depois que os Estados Unidos fariam outra aparição nas Finais da Copa do Mundo FIFA.

Década de 1980[editar | editar código-fonte]

Após o entusiasmo causado pela criação e ascensão da North American Soccer League em 1970, parecia que a seleção masculina dos EUA logo se tornaria uma força poderosa no mundo do futebol. Tais esperanças não foram realizadas, entretanto, e os Estados Unidos não foram considerados um forte lado nesta época. De 1981 a 1983, apenas dois jogos internacionais foram disputados.

Para fornecer um programa para a seleção mais estável e renovar o interesse na NASL, a U.S. Soccer introduziu a seleção na liga para a temporada de 1983 como Team America. Esta equipe não tinha a continuidade e a regularidade da formação que os clubes convencionais desfrutavam, e muitos jogadores não estavam dispostos a jogar na equipe, e sim em seus próprios clubes. Embaraçosamente, a Team America terminou a temporada na parte inferior da liga. Reconhecendo que não atingiu os seus objetivos, a U.S. Soccer cancelou esta experiência, e a seleção foi retirada da NASL.

A U.S. Soccer tomou a decisão de trazer os Jogos Olímpicos de Verão de 1984 a Los Angeles, Califórnia, e a Copa do Mundo FIFA de 1986 como meio de reconstruir a seleção e sua base de fãs. O Comitê Olímpico Internacional providenciou o que parecia ser um grande impulso para a chance dos Estados Unidos de avançar da fase de grupos, quando declarou que as equipes olímpicas de fora da Europa e América do Sul poderiam encher o campo com equipes seniores, se os jogadores veteranos nunca tivessem jogado uma Copa do Mundo, incluindo os profissionais. U.S. Soccer imediatamente reorganizou sua lista de Olímpicos, cortando muitos jogadores colegiais e substituindo-os por profissionais. Apesar disso, os EUA terminaram 1-1-1 e não conseguiram fazer o segundo turno.

No final de 1984, a NASL cedeu e não havia nenhuma liga de futebol sênior operando nos Estados Unidos. Como resultado, muitos dos melhores jogadores americanos, como John Kerr, Paul Caligiuri, Eric Eichmann e Bruce Murray, mudaram-se para o exterior, principalmente para a Europa.

Os Estados Unidos fizeram oferta para sediar a Copa do Mundo de 1986 depois da Colômbia se retirar devido a preocupações econômicas. No entanto, o México derrotou os EUA e Canadá para sediar o torneio, apesar das preocupações que o torneio teria que ser movido novamente por causa de um grande terremoto que atingiu o México, pouco antes do torneio.

No último jogo das eliminatórias, os EUA precisavam apenas de um empate contra a Costa Rica, a quem os EUA tinham derrotado por 3-0 nos Jogos Olímpicos no ano anterior, a fim de alcançar o grupo final das eliminatórias, contra Honduras e Canadá. A U.S. Soccer agendou a partida para ser jogada em El Camino College, em Torrance, Califórnia, uma área com muitos expatriados costarriquenhos, e comercializou o jogo quase que exclusivamente para a comunidade da Costa Rica, oferecendo danças folclóricas da Costa Rica como intervalo de entretenimento. Um gol aos 35 minutos de Evaristo Coronado venceu a partida para a Costa Rica e impediu os Estados Unidos de alcançar a sua quarta Copa do Mundo.

Em 1988, a U.S. Soccer tentou re-implementar o conceito da seleção como clube, oferecendo contratos aos jogadores da seleção, a fim de construir uma equipe internacional, com uma espécie de caráter de clube, enquanto emprestando-os para seus times, poupando a U.S. Soccer de gastar com seus salários. Isso trouxe muitos veteranos importantes de volta à equipe, enquanto o sucesso da NASL uma década antes havia criado um influxo de talentos. Assim, a U.S. Soccer procurou estabelecer uma fundação mais estável para a participação na Copa do Mundo de 1990 do que as que já existiam em torneios anteriores.

Década de 1990: o renascimento do futebol dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Para a Copa do Mundo FIFA de 1990 na Itália, dois dos jogadores mais experientes da equipe, Rick Davis e Hugo Perez, estavam se recuperando de ferimentos graves e indisponíveis para a seleção, e o técnico Bob Gansler selecionou muitos jogadores inexperientes e recém-formados. Os EUA perderam os três jogos da fase de grupos, para a Tchecoslováquia, Itália e Áustria.

Em março de 1991, os Estados Unidos venceu a Copa América do Norte, empatando com o México em 2-2 e derrotando o Canadá por 2-0. Esta foi seguida em maio por uma vitória por 1-0 sobre o Uruguai na Série Mundial de Futebol. A seleção foi então invicta para a Copa Ouro da CONCACAF de 1991, derrotando o México por 2-0 na semifinal e Honduras por 4-3 nos pênaltis após o empate em 0-0 na final. Em 1992, os EUA continuaram a sua série de sucessos, tendo a U.S. Cup com vitórias sobre a Irlanda e Portugal, seguidas por um empate com a Itália.

Em 1989, a FIFA nomeou os Estados Unidos como anfitrião da Copa de 1994, mas o fez sob críticas internacionais significativas por causa da fraqueza percebida da seleção e a falta de uma liga profissional. Esta crítica diminuiu um pouco quando uma vitória por 1-0 contra Trinidad e Tobago, a primeira vitória dos EUA fora de casa quase dois anos, no último jogo do Campeonato da CONCACAF de 1989, os Estados Unidos ganhou a sua primeira aparição em uma Copa do Mundo em 40 anos.

Tendo classificado-se automaticamente como anfitrião da Copa do Mundo de 1994, os EUA abriram o torneio com um empate em 1-1 contra a Suíça no Pontiac Silverdome, nos subúrbios de Detroit, o primeiro jogo de Copa do Mundo a ser jogado em recinto fechado. No seu segundo jogo, os EUA enfrentam a Colômbia, a então quarto lugar no mundo, no Rose Bowl. Ajudado por um gol contra do zagueiro Andrés Escobar, os Estados Unidos venceram por 2-1 (Escobar foi assassinado em seu país de origem, possivelmente em represália por este erro). Apesar de uma derrota de 1-0 para a Romênia em seu último jogo do grupo, os EUA chegaram à fase eliminatória, pela primeira vez desde 1930. Nas oitavas-de-final, os EUA perderam por 1-0 para o eventual campeão Brasil.

Na Copa de 1998 na França, a equipe perdeu os três jogos do grupo, 2-0 para a Alemanha, 2-1 para o Irã e 2-0 para a Iugoslávia, e assim terminou em últimao lugar em seu grupo e em 32ª numa gama de 32 equipes. O técnico Steve Sampson recebeu grande parte da culpa pelo desempenho como resultado da abrupta redução do capitão da equipe, John Harkes, quem Sampson ironicamente havia chamado de "Capitão para a Vida" pouco antes, bem como vários outros jogadores que foram fundamentais no esforço das eliminatórias. Surgiu em fevereiro de 2010, que Sampson removeu Harkes da equipe devido a Harkes supostamente ter um caso com a mulher do companheiro Eric Wynalda.

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Ciclo da Copa do Mundo de 2002[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos ganharam a Copa Ouro da CONCACAF de 2002, pondo o melhor desempenho da equipe desde 1930 na Copa de 2002, onde a equipe dos EUA alcançou às quartas-de-final. A equipe chegou à fase eliminatória depois de um recorde de 1-1-1 na fase de grupos. Tudo começou com uma surpreendente vitória de 3-2 sobre Portugal, seguido por um empate em 1-1 com a co-anfitriã e a eventual quarto lugar, a Coreia do Sul. Em seguida, perdeu sua terceira e última partida por 3-1 para a Polônia, mas ainda se classificou para a segunda rodada, quando Park Ji-Sung, da Coreia do Sul, surpreendeu Portugal com o gol da vitória.

Isso preparou o terreno para um confronto da segunda rodada com os rivais familiares continentais, o México. Embora as equipes tenham jogado muitas vezes tanto em amistosos quanto em eliminatórias, mas nunca tinha conhecido em uma Copa do Mundo. Os EUA iriam ganhar o jogo por 2-0. Brian McBride abriu o placar logo no início do jogo e Landon Donovan marcou o segundo gol de cabeça de um cruzamento de Eddie Lewis. Eles avançaram para as quartas de final, onde eles se encontraram com a Alemanha. A equipe perdeu por 1-0, depois de ter sido negado um pênalti quando Torsten Frings segurou a bola para impedir um gol de Gregg Berhalter. Alemanha terminou como vice-campeã, perdendo para o Brasil na final.

Ciclo da Copa do Mundo de 2006[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos foram à Copa ao vencer a sua terceira Copa Ouro, e a segunda seguida, em 2005.

Na Copa de 2006, depois de terminar no topo das eliminatórias da CONCACAF, os EUA foram postos no Grupo E, juntamente com a República Tcheca, Itália e Gana. Os Estados Unidos abriram seu torneio com uma derrota de 3-0 à República Tcheca. A equipe, então, empatou em 1-1 contra a Itália, graças a um gol-contra de Zaccardo, acabando por ser o único adversário, juntamente com a França, que o lado italiano não conseguiu derrotar no torneio (oficialmente, de acordo com a FIFA, a França e a Itália empataram em 1-1 , embora a Itália ganhou o torneio após desempatar nos penâltis). Os Estados Unidos foram, em seguida, eliminados do torneio, quando foram derrotados por 2-1 por Gana em seu último jogo do grupo.

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

Ciclo da Copa do Mundo de 2010[editar | editar código-fonte]

Depois de não conseguir manter o seu sucesso de 2002 no Mundial de 2006, Bruce Arena foi substituído por seu assistente e técnico do Chivas USA, Bob Bradley, cujo reinado começou com quatro vitórias e um empate em amistosos que antecederam a Copa Ouro de 2007, organizada pelos Estados Unidos.

Os EUA ganharam todos os seus três jogos da fase de grupos, contra a Guatemala, Trinidad e Tobago e El Salvador. Com uma vitória por 2-1 sobre o Panamá nas quartas-de-final, os EUA avançaram para enfrentar o Canadá nas semifinais, vencendo por 2-1. No final, os Estados Unidos vieram para bater o México por 2-1 na final.

A decepcionante campanha da equipe na Copa América de 2007 terminou depois de três derrotas na fase de grupos, para a Argentina, Paraguai e Colômbia. A decisão da U.S. Soccer pôr em campo o que muitos consideravam uma equipe de segunda linha foi questionada pelos fãs e meios de comunicação semelhantes.

Uma das marcas da posse de Bradley como técnico da seleção tinha sido a sua vontade de pôr um grande número de jogadores, muitos deles pela primeira vez. Esta prática tem sido elogiada por aqueles que querem ver um plantel de jogadores mais diverso para a seleção, assim como criticado por aqueles que esperam por mais consistência e liderança dos jogadores principais. Isto coincidiu com muitos jovens jogadores americanos como Freddy Adu, Jozy Altidore, Clint Dempsey, Maurice Edu, Brad Guzan, Eddie Johnson e Michael Parkhurst fazerem seus primeiros movimentos da MLS para os clubes europeus, o que significa que os jogadores americanos estão ganhando mais experiência no mais alto nível dos clube e do futebol internacional do que em qualquer outro momento na história da equipe.

No verão de 2009, os Estados Unidos tinham um dos mais movimentados trechos de sua história. Para a Copa das Confederações de 2009, os EUA foram postos no Grupo B, com Brasil, Egito e Itália. Depois de perder de 3-1 para a Itália e de 3-0 para o Brasil, os Estados Unidos fizeram um comeback improvável para terminar em segundo no grupo e chegar à semifinal no segundo critério de desempate, gols marcados, tendo marcado quatro gols contra três da Itália. Isto foi conseguido no último dia da fase de grupo, quando os Estados Unidos derrotou o Egito por 3-0 e o Brasil derrotou a Itália também por 3-0.

Nas semifinais, os EUA derrotaram a Espanha por 2-0. Na época, a Espanha estava no topo do Ranking Mundial da FIFA e estava em uma corrida recorde de 15 vitórias consecutivas e 35 jogos invicta (um registro compartilhado com o Brasil). Com a vitória, os Estados Unidos avançaram para sua primeira final em um torneio masculino da FIFA; no entanto, a equipe perdeu por 3-2 para o Brasil depois de liderar por 2-0 no primeiro tempo.

Apenas alguns dias após o final da Copa das Confederações, os Estados Unidos sediou a Copa Ouro de 2009, e foi posto no Grupo B, com Granada, Haiti e Honduras. Devido ao fato de que os EUA haviam jogado apenas na Copa das Confederações e ainda tinham metade de sua campanha das eliminatórias para Copa do Mundo, Bob Bradley escolheu um lado que consiste principalmente de reservas que nunca tinham realmente jogado juntos no palco internacional e foi criticado por selecionar um "Lado B" para o torneio continental. Os EUA começaram a fase de grupo com duas vitórias, sobre Granada e Honduras, e venceu o grupo com um empate contra o Haiti.

Nas quartas, os Estados Unidos derrotou o Panamá por 2-1 após a prorrogação. Nas semifinais, os EUA enfrentaram Honduras pela segunda vez no torneio, e pela terceira vez em menos de dois meses. Os Estados Unidos venceram Honduras por 2-0 e avançaram para a terceira final de Copa Ouro consecutiva, onde a equipe enfrentou o México em uma revanche da final da Copa Ouro de 2007. Os Estados Unidos foram derrotados pelo México por 5-0, entregando a sua marca de 58 jogos sem perder contra adversários da CONCACAF em solo estadunidense. Foi também a primeira derrota em casa para o México desde 1999.

Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010[editar | editar código-fonte]

Artigos principais: Copa do Mundo FIFA de 2010, Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2010 - América do Norte, Central e Caribe, Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2010 - América do Norte, Central e Caribe (quarta fase)
Equipe Pts J V E D GP GC SG
Flag of the United States.svg Estados Unidos 20 10 6 2 2 19 13 +6
Flag of Mexico.svg México 19 10 6 1 3 18 12 +6
Flag of Honduras.svg Honduras 16 10 2 3 4 17 11 +6
Flag of Costa Rica.svg Costa Rica 16 10 5 1 4 15 15 0
Flag of El Salvador.svg El Salvador 8 10 2 2 6 9 15 -6
Trinidad e Tobago Trinidad e Tobago 6 10 6 3 1 10 5 +5
  CRC SLV USA HON MEX TRI
Costa Rica 1–0 3–1 2–0 0–3 4–0
El Salvador 1–0 2–2 0–1 2–1 2–2
Estados Unidos 2–2 2–1 2–1 2–0 3–0
Honduras 4–0 1–0 2–3 3–1 4–1
México 2–0 4–1 2–1 1–0 2–1
Trinidad e Tobago 3–1 1–0 0–1 4–2 3–2

Os EUA ganharam sete das oito partidas, contra Barbados, Cuba, Guatemala e Trinidad e Tobago na segunda e terceira rodadas das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. Isto classificou os Estados Unidos para a Quarta Rodada, ou Hexagonal, contra a Costa Rica, El Salvador, Honduras, México e Trinidad e Tobago.

Os EUA começaram a Quarta Rodada derrotando o México por 2-0, uma vitória que se estendeu aos Estados Unidos a gama invicta contra o México em solo estadunidense por 11 partidas. Seis semanas depois, na segunda partida da Quarta Rodada, os Estados Unidos fizeram um rally final para ganhar um empate de 2-2 fora de casa com El Salvador. Quatro dias depois, Jozy Altidore se tornou o mais jovem jogador dos EUA a marcar um hat-trick, e levar os Estados Unidos a uma vitória de 3-0 sobre Trinidad e Tobago. Após outra pausa de seis semanas nas eliminatórias, os EUA viajou para a Costa Rica, onde foram derrotados por 3-1. Os Estados Unidos se recuperaram três dias depois, quando derrotou Honduras por 2-1. Quando as eliminatórias foram retomadas perto do fim do verão de 2009, os Estados Unidos sofreram uma derrota por 2-1 para o México no Estádio Azteca. Poucas semanas depois, os Estados Unidos derrotaram El Salvador por 2-1 em casa depois de estar perdendo por 1-0. Na semana seguinte, os EUA venceram Trinidad e Tobago por 1-0. Em 10 de outubro de 2009, os Estados Unidos garantiram a classificação para a Copa do Mundo com uma vitória por 3-2 sobre Honduras. Quatro dias depois, os EUA garantiram o primeiro lugar na Quarta Rodada com um empate em 2-2 dramático contra a Costa Rica.

Copa do Mundo FIFA de 2010[editar | editar código-fonte]

Artigo principal: Copa do Mundo FIFA de 2010 - Grupo C
Pos.
Seleção
Pts J V E D GP GC SG
1 Flag of the United States.svg Estados Unidos 5 3 1 2 0 4 3 +1
2 Flag of England.svg Inglaterra 5 3 1 2 0 2 1 +1
3 Flag of Slovenia.svg Eslovénia 4 3 1 1 1 3 3 0
4 Flag of Algeria.svg Argélia 1 3 0 1 2 0 2 -2

Depois de empatar partidas contra a Inglaterra (1-1) e Eslovênia (2-2), os EUA derrotaram a Argélia por meio de um gol nos acréscimos e, assim, venceu o Grupo C, a 1ª vez que os EUA ganhou o seu grupo de Copa do Mundo desde 1930. Nas oitavas-de-final, os EUA perderam para Gana, com Gana mais uma vez vencendo por 2-1, resultando na eliminação dos EUA da Copa do Mundo.

Em 13 de julho, a FIFA lançou o seu ranking pós-torneio das equipes da Copa do Mundo e os EUA terminaram em 12º lugar. Este acabamento estava um ponto acima do companheiro do Grupo C, Inglaterra, e dois acima do rival da CONCACAF, México.

Ciclo da Copa do Mundo de 2014[editar | editar código-fonte]

A equipe dos EUA que disputou uma partida amistosa contra a Bélgica, em 2013

Como resultado de seu desempenho durante o ciclo de quatro ano anterior, Bob Bradley assinou uma extensão de contrato de quatro anos no início de setembro de 2010, embora rumores surgiram de que Bradley tinha renunciado e que, como em 2006, o ex-treinador da Alemanha Jürgen Klinsmann seria contratado para gerenciar a equipe. No entanto, esses rumores eram infundados, e Bradley foi oficialmente re-assinado por EUA Soccer. Antes de sua reeleição, Bradley e a equipe dos EUA tem o curso de ciclo com uma derrota 2-0 para o Brasil no Estádio Meadowlands Novo. Este foi seguido por um empate 2-2 com a Polónia e um empate 0-0 com a Colômbia. Os EUA desempenharam um esquadrão B da equipe contra a África do Sul e Chile, chegando com resultados 1-0 e 1-1, respectivamente. Em preparação para a Copa Ouro da CONCACAF 2011, os EUA jogou três amistosos, um empate 1-1 com a Argentina, uma perda de 1-0 para o Paraguai, e uma perda embaraçoso 4-0 para a Espanha.

Os Estados Unidos sediaram a Copa Ouro de 2011, e foi posto no Grupo C com Canadá, Panamá e Guadalupe. Os EUA avançaram da fase de grupos com duas vitórias, sobre Guadalupe e Canadá. No entanto, os EUA perderam para o Panamá por 2-1 na segunda partida da fase de grupos. Esta foi a primeira derrota dos EUA em um jogo da fase de grupo da Copa Ouro, e sua primeira derrota para o Panamá. Nas quartas de final, os Estados Unidos derrotaram a Jamaica por 2-0. Nas semifinais, os EUA vingaram sua derrota na fase de grupos com uma vitória por 1-0 sobre o Panamá, e avançaram para a sua quarta final consecutiva da Copa Ouro, onde a equipe enfrentou o México em uma revanche da final da Copa Ouro de 2009. Os Estados Unidos foram derrotados pelo México por 4-2, apesar de liderar por 2-0, estendendo série de vitórias do México contra os EUA a três partidas. Foi também a segunda derrota consecutiva para o México em solo americano.

Em 29 de julho de 2011, Jürgen Klinsmann foi nomeado por Sunil Gulati o sucessor de Bradley como técnico da seleção estadunidense. Sua primeira partida, um amistoso contra o México, em 10 de agosto de 2011, terminou em um empate em 1-1. Mais dois amistosos contra a Costa Rica e Bélgica no início de setembro e os dois terminaram em derrotas por 1-0. Em 8 de outubro, os EUA venceram seu primeiro jogo com Klinsmann por 1-0 contra Honduras. Este foi seguido por uma derrota por 1-0, três dias depois, para o Equador. Os Estados Unidos viajaram para a Europa em novembro e perderam por 1-0 para a França antes de vir com uma vitória por 3-2 frente à Eslovénia. Apesar de Jürgen Klinsmann nos seus 6 primeiros jogos ter acumulado 4 derrotas e 1 empate, ele conseguiu calar os críticos conquistando vitorias importantes, como o jogo do dia 29 de fevereiro de 2012 em que os EUA venceram a Itália em território rival por 1x0 ou a vitoria do dia 15 de agosto de 2012 sobre o México por 1x0 no mistico Estadio Azteca.A vitoria foi a primeira dos ianques em solo mexicano.Faltando 4 partidas para o encerramento das eliminatórias da Concacaf para o mundial de 2014,os EUA necessitam de apenas de mais uma vitoria para garantir sua vaga no mundial. Atualmente os ianques estão concentrados na disputa da Copa Ouro 2013,que será realizada em sua casa.

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes dos jogadores[editar | editar código-fonte]

  • Uniforme principal: Camisa branca, calção e meias brancas.
  • Uniforme reserva: Camisa vermelha com detalhes em azul e branco, calção e meias vermelhas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º uniforme

Uniformes dos goleiros[editar | editar código-fonte]

  • Camisa preta, calção e meias pretas.
  • Camisa amarela, calção e meias amarelas.
  • Camisa verde, calção e meias verdes.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Uniformes de treino[editar | editar código-fonte]

  • Camisa cinza, calção e meias azuis;
  • Camisa azul, calção e meias azuis.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Jogadores
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Comissão

Uniformes anteriores[editar | editar código-fonte]

  • 2012
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2010
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2008
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2006
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2004
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2002
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo

Rivalidades internacionais[editar | editar código-fonte]

Derby Norte-Americano[editar | editar código-fonte]

A rivalidade entre México e Estados Unidos no futebol existe entre as equipas nacionais dos dois países, amplamente consideradas como as duas grandes potências da federação da CONCACAF. Partidas entre as duas nações muitas vezes atraem muita atenção da mídia, interesse do público e comentários em ambos os países, mas especialmente no México. Embora o primeiro jogo tenha sido disputado em 1934, a rivalidade não era considerada importante, até recentemente, com os jogos da Copa Ouro da CONCACAF.

Tabela e Resultados Recentes[editar | editar código-fonte]

O seguinte é uma lista de jogos dos últimos seis meses, bem como quaisquer futuros jogos que foram oficialmente programados.

Data Local Oponente Competição Resultado Marcadores dos Estados Unidos
15 de Agosto de 2012 Estádio Azteca,  México Flag of Mexico.svg México A 1–0 V Orozco Fiscal Gol marcado aos 81 minutos de jogo 81'
7 de Setembro de 2012 Independence Park,  Jamaica Flag of Jamaica.svg Jamaica ECM – 3F 1–2 D Dempsey Gol marcado aos 1 minutos de jogo 1'
11 de Setembro de 2012 Columbus Crew Stadium,  Estados Unidos Flag of Jamaica.svg Jamaica ECM – 3F 1–0 V Gómez Gol marcado aos 55 minutos de jogo 55'
12 de Outubro de 2012 Sir Vivian Richards Stadium,  Antígua e Barbuda Flag of Antigua and Barbuda.svg Antígua e Barbuda ECM – 3F 2–1 V Johnson Gol marcado aos 20 minutos de jogo 20', Gol marcado aos 90 minutos de jogo 90'
16 de Outubro de 2012 Livestrong Sporting Park,  Estados Unidos Flag of Guatemala.svg Guatemala ECM – 3F 3–1 V Bocanegra Gol marcado aos 10 minutos de jogo 10' Dempsey Gol marcado aos 18 minutos de jogo 18', Gol marcado aos 36 minutos de jogo 36'
14 de Novembro de 2012 Estádio Kuban,  Rússia Flag of Russia.svg Rússia A 2–2 E Bradley Gol marcado aos 76 minutos de jogo 76' Diskerud Gol marcado aos 90+3 minutos de jogo 90+3'
29 de Janeiro de 2013 BBVA Compass Stadium,  Estados Unidos Flag of Canada.svg Canadá A 0–0 E
6 de Fevereiro de 2013 Estadio Olímpico Metropolitano, Honduras Flag of Honduras.svg Honduras ECM – 4F 1–2 D Dempsey Gol marcado aos 36 minutos de jogo 36'
22 de Março de 2013 Dick's Sporting Goods Park,  Estados Unidos Flag of Costa Rica.svg Costa Rica ECM – 4F 1–0 V Dempsey Gol marcado aos 16 minutos de jogo 16'
26 de Março de 2013 Estádio Azteca,  México Flag of Mexico.svg México ECM – 4F 0–0 E
2 de Junho de 2013 RFK Stadium,  Estados Unidos Bandeira da Alemanha Alemanha A 4–3 V Altidore Gol marcado aos 13 minutos de jogo 13' Stege Gol marcado aos 16 minutos de jogo 16' (g.c) Dempsey Gol marcado aos 60 minutos de jogo 60', Gol marcado aos 64 minutos de jogo 64'
7 de Junho de 2013 Independence Park,  Jamaica Flag of Jamaica.svg Jamaica ECM – 4F 2–1 V Altidore Gol marcado aos 30 minutos de jogo 30' Evans Gol marcado aos 90+2 minutos de jogo 90+2'
11 de Junho de 2013 TBA,  Estados Unidos Flag of Panama.svg Panamá ECM – 4F 2–0 V Altidore Gol marcado aos 36 minutos de jogo 36' Johnson Gol marcado aos 53 minutos de jogo 53'
18 de Junho de 2013 TBA,  Estados Unidos Flag of Honduras.svg Honduras ECM – 4F 1–0 V Altidore Gol marcado aos 74 minutos de jogo 74'
6 de Setembro de 2013 Estádio Nacional de Costa Rica, Costa Rica Flag of Costa Rica.svg Costa Rica ECM – 4F 1–3 D Dempsey Gol marcado aos 43 minutos de jogo 43'
10 de Setembro de 2013 TBA,  Estados Unidos Flag of Mexico.svg México ECM – 4F 2–0 V Johnson Gol marcado aos 49 minutos de jogo 49' Donovan Gol marcado aos 78 minutos de jogo 78'
11 de Outubro de 2013 TBA,  Estados Unidos Flag of Jamaica.svg Jamaica ECM – 4F 2–0 V Zusi Gol marcado aos 77 minutos de jogo 77' Altidore Gol marcado aos 80 minutos de jogo 80'
15 de Outubro de 2013 Estadio Rommel Fernández,  Panamá Flag of Panama.svg Panamá ECM – 4F 3–2 V Orozco Gol marcado aos 64 minutos de jogo 64' Zusi Gol marcado aos 90+1 minutos de jogo 90+1' Johannsson Gol marcado aos 90+2 minutos de jogo 90+2'
Legendas
  • A = Amistoso
  • ECM = Eliminatórias Copa do Mundo
    • 3F = Terceira fase
    • 4F = Quarta fase

Equipe Técnica[editar | editar código-fonte]

Cargo Nome Notas
Técnico Alemanha Jürgen Klinsmann
Assistente Técnico Estados Unidos Martín Vásquez
Assistente Técnico Estados Unidos Tab Ramos
Assistente Técnico Estados Unidos Thomas Dooley
Assistente Técnico Espanha Javier Perez
Treinador de Goleiros Estados Unidos Ian Feuer
Treinador de Goleiros Inglaterra Chris Woods
Preparador Físico Mark Verstegen
Preparador Físico Darcy Norman
Preparador Físico Masaya Sakihana

Elenco Atual[editar | editar código-fonte]

Jogadores convocados para o amistoso contra a Flag of Ukraine.svg Ucrânia em 5 de março de 2013.

Gols e partidas atualizados até 1 de fevereiro de 2014.

No. Pos. Jogador Idade Jogos Gols Clube
GR Tim Howard 6 de março de 1979 (35 anos) 96 0 Inglaterra Everton
GR Brad Guzan 9 de setembro de 1984 (30 anos) 24 0 Inglaterra Aston Villa
GR Cody Cropper 16 de fevereiro de 1993 (21 anos) 0 0 Inglaterra Southampton
D Oguchi Onyewu 13 de maio de 1982 (32 anos) 68 6 Inglaterra Sheffield Wednesday
D Geoff Cameron 11 de julho de 1985 (29 anos) 23 1 Inglaterra Stoke City
D Edgar Castillo 8 de outubro de 1986 (27 anos) 15 0 México Tijuana
D Tim Ream 5 de outubro de 1987 (26 anos) 8 0 Inglaterra Bolton Wanderers
D John Brooks 28 de janeiro de 1993 (21 anos) 2 0 Alemanha Hertha Berlin
D Alfredo Morales 12 de maio de 1990 (24 anos) 1 0 Alemanha Ingolstadt 04
D Will Packwood 21 de maio de 1993 (21 anos) 0 0 Inglaterra Birmingham City
M Michael Bradley 31 de julho de 1987 (27 anos) 82 11 Canadá Toronto FC
M Sacha Kljestan 9 de setembro de 1985 (29 anos) 45 4 Bélgica Anderlecht
M Jermaine Jones 3 de novembro de 1981 (32 anos) 38 2 Estados Unidos New England Revolution
M Brek Shea 28 de fevereiro de 1990 (24 anos) 25 2 Inglaterra Stoke City
M Alejandro Bedoya 29 de abril de 1987 (27 anos) 25 1 França Nantes
M Fabian Johnson 11 de dezembro de 1987 (26 anos) 18 0 Alemanha Borussia Mönchengladbach
M Mikkel Diskerud 2 de outubro de 1990 (23 anos) 17 2 Noruega Rosenborg
M Daniel Williams 8 de março de 1989 (25 anos) 12 0 Inglaterra Reading
M Julian Green 6 de junho de 1995 (19 anos) 1 1 Alemanha Bayern de Munique
A Clint Dempsey 9 de março de 1983 (31 anos) 101 36 Estados Unidos Seattle Sounders
A Jozy Altidore 6 de novembro de 1989 (24 anos) 66 21 Inglaterra Sunderland
A Juan Agudelo 23 de novembro de 1992 (21 anos) 17 2 Países Baixos New England Revolution
A Terrence Boyd 16 de fevereiro de 1991 (23 anos) 12 0 Áustria Rapid Viena
A Aron Jóhannsson 10 de novembro de 1990 (23 anos) 6 1 Países Baixos AZ


Mais partidas e artilheiros[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos tiveram mais jogadores com 100 jogos do que qualquer outra nação. Os seguintes jogadores participaram de 100 ou mais jogos com a equipe nacional:

Rank Jogador Jogos Gols Anos
1 Cobi Jones 164 15 1992–2004
2 Landon Donovan 153 57 2000–presente
3 Jeff Agoos 134 4 1988–2003
4 Marcelo Balboa 128 13 1988–2000
5 Claudio Reyna 112 8 1994–2006
6 Paul Caligiuri 110 5 1984–1997
7 Eric Wynalda 106 34 1990–2000
8 Kasey Keller 102 0 1990–2007
9 Earnie Stewart 101 17 1990–2004
10 Carlos Bocanegra 100 12 2001–presente
Tony Meola 100 0 1988–2006
Joe-Max Moore 100 24 1992–2002

Os seguintes jogadores são os artilheiros na história da equipe nacional:

Rank Jogador Jogos Gols Anos
1 Landon Donovan 153 57 2000–presente
2 Eric Wynalda 106 34 1990–2000
3 Brian McBride 95 30 1993–2006
3 Clint Dempsey 82 25 2004–presente
Joe-Max Moore 100 24 1992–2002
6 Bruce Murray 86 21 1985–1993
7 DaMarcus Beasley 96 17 2001–presente
Earnie Stewart 101 17 1990–2004
9 Cobi Jones 164 15 1992–2004
10 Jozy Altidore 45 13 2007–presente
Hugo Pérez 73 13 1984–1994
Marcelo Balboa 128 13 1988–2000

Jogadores em Negrito estão na equipe atual.

Principais jogadores[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c FIFA.com (abril de 2011). Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola (em português). Página visitada em 6 de maio de 2011.