Seleção Mexicana de Futebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde agosto de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.


México
Mexico national football team seal.svg.png
Alcunhas?  El Tricolor
Associação Federação Mexicana de Futebol
Confederação CONCACAF
Material desportivo?  Alemanha Adidas
Treinador México Miguel Herrera
Capitão Andrés Guardado
Mais participações Claudio Suárez (178)
Melhor artilheiro Jared Borgetti (46)
Kit left arm mex14h.png Kit body mex14h.png Kit right arm mex14h.png
Kit shorts mex13h.png
Kit socks mex14h.png
Uniforme
titular
Kit left arm mex13a.png Kit body mex14a.png Kit right arm mex13a.png
Kit shorts mex14a.png
Kit socks mex14a.png
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção Mexicana de Futebol representa A águia e a cobra as outras seleções,o México no futebol e é regido pela Federação Mexicana de Futebol (FMF), o órgão regulador do futebol no México. O estádio de casa do México é o Estádio Azteca e seu treinador é Miguel Herrera. é José Manuel de la Torre. A equipe é atualmente a 20ª no Ranking Mundial da FIFA e 12ª no Ranking Mundial Elo.

O México se classificou para quatorze Copas do Mundo e se classificou consecutivamente desde 1994; México jogou contra a França no primeiro jogo da primeira Copa do Mundo em 13 de Julho de 1930. A melhor progressão do México é ter chegado às quartas-de-final nas Copas de 1970 e 1986, sendo que ambas foram disputadas em solo mexicano.

O México é, historicamente, a equipe de maior sucesso nacional na região da CONCACAF, pois eles são a única seleção da região a ganhar um título oficial reconhecido da FIFA. Eles detêm uma medalha de ouro olímpica, uma Copa das Confederações, nove campeonatos da CONCACAF, incluindo seis Copas Ouro da CONCACAF, uma Copa das Nações da América do Norte e dois Campeonatos NAFC.

Embora o México esteja sob a jurisdição da CONCACAF, a equipe de futebol nacional tem sido regularmente convidada para competir na Copa América desde a do Equador em 1993, terminando como vice-campeão duas vezes e obtendo a medalha de terceiro lugar em três ocasiões.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

O futebol no México foi organizado no início do século XX por grupos de imigrantes europeus, nomeadamente mineiros córnicos da Cornualha, Inglaterra, e em anos mais tarde, espanhóis exilados que fugiam da Guerra Civil Espanhola. A equipe original jogou contra a Guatemala em solo guatemalteco e a equipe mexicana venceu por 3-2.

Uma série de amistosos internacionais foram jogados contra a representação nacional da Guatemala em 9, 12 e 16 de dezembro de 1923. O jogo em 9 de dezembro foi jogado no Parque España e foi vencido pelo México com um placar final de 2-1. Em 12 de dezembro, o jogo terminou em uma vitória por 2-0 para o México e o jogo final da série terminou em um empate em 3-3. O técnico desta equipe era Rafael Garza Gutiérrez "Récord" e o assistente era Adolfo Frías. Os quatorze jogadores selecionados para esta série de amistosos ​​incluem: Nacho de la Garza, Pedro "Perico" Legorreta, Manuel "Güero" Yáñez, Enrique "La Matona" Esquivel, Agustín Ojeda, Roberto Jardón, Carlos Garcés, Horacio Ortiz, Adeodato López, Mauro Guadarrama "La Venada" Alatorre, Cornelio Cuevas e Alfredo García Besné.

Seriam mais quatro anos antes de a equipe nacional ser representada em amistosos internacionais. Em preparação para um amistoso contra a Espanha, o time jogou um amistoso contra a sua equipe "B" em 12 de junho de 1927, vencendo por 4-2. Em 19 de junho de 1927, a equipe mexicana enfrentou a seleção da Espanha, empatando em 3-3. Durante esta série, a equipe também jogou contra o clube uruguaio Nacional de Montevideo, perdendo de 3-1.

Formação[editar | editar código-fonte]

Mexico em 1930.

Em 9 de agosto de 1927, o organismo oficial que rege o futebol no México foi fundado. Desde a sua criação, a federação tem sido o principal órgão responsável pela promoção, administração, organização, gestão e financiamento da equipe de futebol nacional mexicana, assim como toda a competição de futebol no México. Representantes do clube da primeira divisão da federação todos votaram na direção, gerência e equipe técnica da equipe de futebol nacional. Os Jogos Olímpicos de Verão de 1928 foram anfitriões do primeiro torneio internacional do México. Antes do torneio, a equipe mexicana realizou amistosos contra a seleção de Astúrias, bem como dois amistosos contra a Espanha. Estes jogos resultaram em dois empates e uma derrota. No torneio olímpico, o México enfrentou a Espanha nas oitavas-de-final em 30 de maio de 1928, resultando em uma derrota por 7-1 para o México.

O México participou da Copa do Mundo FIFA de 1930, tendo sido agrupados com a Argentina, Chile e França. O primeiro jogo do México foi jogado contra a França no Estádio Pocitos, em Montevidéu, em 13 de julho de 1930. A partida terminou com uma vitória por 4-1 para a França, mas testemunhou o primeiro gol do México em Copas do Mundo por Juan Carreño. Este jogo ocorreu simultaneamente com o jogo EUA-Bélgica. Em seu segundo jogo do torneio, o México perdeu para o Chile por 3-0 em Montevidéu no Estádio Gran Parque Central. O terceiro jogo do México, contra a Argentina, contou com o primeiro pênalti do torneio, assinalado aos 42' e marcado por Manuel Rosas, do México. Um total de cinco pênaltis foram assinalados durante a partida, que foi arbitrada pelo boliviano Ulises Saucedo, três deles controversos.

Pós-Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

O México não aparece novamente em uma Copa do Mundo até a Copa do Mundo FIFA de 1950. Antes de 1970, o México se esforçou para fazer um impacto muito grande na Copa do Mundo quando competindo contra equipes europeias e sul-americanas. No entanto, o goleiro Antonio Carbajal tem a distinção de ser o primeiro jogador a aparecer em cinco Copas do Mundo FIFA consecutivas.

Em 1970, o México sediou a Copa do Mundo e começou sua campanha com um empate sem gols contra a União Soviética. Isto foi seguido por uma vitória sobre El Salvador (4-0). México avançou para a próxima rodada com uma vitória contra a Bélgica, graças a uma penalidade marcada por Gustavo Peña aos 14 minutos. Nas quartas-de-final, o México foi eliminado pela Itália por 4-1, apesar do México ter tido uma vantagem inicial.

O México não se classificou para a Copa do Mundo de 1974, mas classificou-se para a de 1978. O México sofreu uma eliminação precoce depois de três derrotas: 6-0 para a Alemanha Ocidental, 3-1 para a Tunísia e 3-1 para a Polônia. O México não se classificou para a Copa da Espanha de 1982.

Em 1986, o México novamente sediou a Copa do Mundo. Treinada por Bora Milutinović, o México foi colocado no Grupo B, onde derrotou a Bélgica por 2-1, empatou em 1-1 com o Paraguai e derrotou o Iraque por 1-0. Com esse desempenho, o México ganhou o primeiro lugar em seu grupo e avançou para a próxima rodada, onde enfrentou a Bulgária em uma vitória por 2-0. Nas quartas-de-final, o México perdeu para a Alemanha Ocidental (4-1 nos pênaltis).

O escândalo dos Cachirules[editar | editar código-fonte]

O México foi desclassificado da Copa do Mundo FIFA de 1990 (e qualquer outra competição internacional) depois de utilizar os jogadores acima do limite de idade permitido pela FIFA na fase de qualificação para o Mundial Sub-20 de 1989. A punição originalmente seria só aplicada à equipe nacional Sub-20 e não as seleções principal e Olímpica, mas a pena foi aplicada a todos os representantes mexicanos de todos os torneios nacionais sancionados pela FIFA. Esta foi uma punição dura, já que este era o momento de ouro do lendário atacante Hugo Sánchez, que na próxima Copa do Mundo, ele era apenas considerado um "bom" jogador, em vez de um "lendário". Muitos outros jogadores que estavam tendo um momento emocionante em suas carreiras de clube, como Carlos Hermosillo (Standard de Liège), Ricardo Peláez (Necaxa), Alberto García Aspe (Pumas UNAM), Adrián Chávez (América), Fernández Felix (Atlante), Luis Flores (Pumas UNAM), Zaguinho (América), Miguel Herrera (Atlante), Benjamin Galindo (Guadalajara), Daniel Guzmán (Universidad de Guadalajara), Guillermo Huerta (América); e muitos outros viram o sonho da Copa do Mundo de 1990 ser despedaçado, esmagado e arruinado por este escândalo que na mídia mexicana ficou conhecido como "Los Cachirules".

Pós-1990[editar | editar código-fonte]

Na década de 1990, após contratar o técnico César Luis Menotti, o futebol mexicano começou a experimentar um grande sucesso internacional. Um ponto de viragem importante foi sua participação na Copa América de 1993, onde terminou em segundo lugar no torneio, perdendo para a Argentina por 2-1 na final. Para a Copa do Mundo de 1994, jogadores como Hermosillo (Cruz Azul), Sanchez (Rayo Vallecano), García Aspe (Necaxa), Chávez (América), Fernández (Atlante), Galindo (Chivas) e Zaguinho (América) foram escalados para a equipe embora não em suas melhores condições. Como para Peláez, que foi cortado do elenco de 1994, sua tempo chegaria na Copa do Mundo de 1998 (realizada na França): ele conseguiu fazer parte da equipe e marcou dois gols memoráveis, contra a Coreia do Sul e Holanda, com 35 anos de idade.

Desde a sua chegada em segundo lugar na Copa América 1993, o México tem sido um participante regular no torneio sul-americano e já competiu bem. Ele ganhou o terceiro lugar em 1997, 1999 e 2007, e outra segunda colocação em 2001. O México sempre esteve nas quartas-de-final da Copa América até a de 2011 e duas vezes teve o artilheiro do torneio (Luis García em 1995 [dividiu o título com o atacante argentino Gabriel Batistuta] e Luis Hernández em 1997).

Após sua participação na Copa Rei Fahd (que acabaria por se tornar a Copa das Confederações da FIFA) e ser treinado novamente por Bora Milutinovic e depois por Manuel Lapuente, em uma rodada muito boa de qualificação para a Copa de 1998, eles chegaram em primeiro lugar na CONCACAF. Na Copa do Mundo, o México foi colocado no Grupo E, com Holanda, Coreia do Sul e Bélgica. O México começou contra a Coreia do Sul perdendo de 1-0, mas virou para 3-1. A Bélgica começou derrotando o México por 2-0, mas eles reagiram e empataram em 2-2. O terceiro jogo contra a Holanda terminou em outro empate em 2-2 que resultou na qualificação do México para as oitavas-de-final. Na próxima rodada, o México enfrentou a Alemanha. Apesar de ter a vantagem inicial, o México não conseguiu segurá-la e perdeu o jogo por 2-1.

O México se tornou o primeiro país anfitrião a ganhar a Copa das Confederações. O México derrotou os Estados Unidos por 1-0 na semifinal, graças a um "Gol de Ouro" espetacular de Cuauhtémoc Blanco. O México ganhou o seu primeiro torneio oficial mundial da FIFA ao derrotar o Brasil com um placar final de 4-3. A estrela do México, Cuauhtémoc Blanco, dividiu a Chuteira de Ouro do torneio como artilheiro com Ronaldinho Gaúcho, e também foi premiado com a Bola de Prata.

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Após uma campanha difícil para a classificação para a Copa do Mundo de 2002, o México chegou a final e foi colocado no Grupo G ao lado de Itália, Croácia e Equador. O México abriu sua participação com uma vitória por 1-0 sobre a Croácia. Na segunda partida, o México ganhou por 2-1 sobre o Equador, com gols de Jared Borgetti e Gerardo Torrado. O México, em seguida, conseguiu um empate de 1-1 contra a Itália graças a um gol de Borgetti, que foi considerado um dos melhores do torneio. Na segunda rodada, o México jogou contra os rivais continentais Estados Unidos, perdendo por 2-0 em um jogo polêmico onde uma mão na bola dos EUA foi ignorada e capitão mexicano Rafael Márquez foi expulso por uma falta brutal em Cobi Jones.

Informação adicional: Copa do Mundo FIFA de 2006 - Grupo D

O México foi um dos oito cabeças-de-chave na Copa do Mundo de 2006 na Alemanha. Os oito cabeças-de-chave consistiam em Argentina, Brasil, Inglaterra, França, Alemanha, Itália, Espanha e México. Esta foi a segunda vez que uma nação da CONCACAF que não seja sede foi cabeça-de-chave. O México foi colocado no Grupo D com Irã, Angola e Portugal.

O México venceu sua partida de estreia contra o Irã por 3-1, com dois gols de Nacny Torres e um de Zinha. Em sua segunda partida, o México jogou e empatou em 0-0 com a Angola. O México juntou-se a Portugal como classificados para as oitavas-de-final, apesar de perder para os Portugueses de 2-1. Durante o jogo, Bravo perdeu um pênalti.

Na segunda rodada, o México jogou contra a Argentina. A equipe norte-americana marcou no 5º minuto com um gol do capitão Rafael Márquez assistido por Pável Pardo. Quatro minutos depois, a Argentina empatou a partida graças a um gol contra de Jared Borgetti. A pontuação manteve-se 1-1 após 90 minutos, e na prorrogação, um voleio de Maxi Rodríguez no segundo tempo da prorrogação trouxe uma vitória por 2-1 para a Argentina.

O técnico argentino Ricardo Lavolpe, que foi treinador do México na época, deixou o cargo de treinador após o torneio, e foi sucedido por Hugo Sánchez.

Depois de perder o jogo final da Copa Ouro da CONCACAF de 2007 por 2-1 para os Estados Unidos, o México com sucesso recuperou-se com uma performance notável no primeiro turno da Copa América de 2007 da CONMEBOL. Começando por bater o atual campeão, o Brasil, por 2-0 (gols de Nery Castillo aos 23' e Ramón Morales aos 28') em seu primeiro jogo; eles então derrotaram o Equador por 2-1 (gols de Nery Castillo aos 21' e Omar Bravo aos 79'). Na partida final, o México empatou em 0-0 com o Chile. Com esses resultados, o México ficou em primeiro lugar no Grupo B com sete pontos.

Nas quartas-de-final, o México derrotou o Paraguai por 6-0, mas perdeu na semifinal para a Argentina por 3-0. Com esta derrota, o México foi disputar pelo terceiro lugar contra o Uruguai, vencendo por 3-1 e reivindicando o último lugar no pódio.

Em julho de 2009, o México venceu a quinta Copa Ouro e oitavo Campeonato da CONCACAF no geral, depois de bater os Estados Unidos por 5-0 na final no Giants Stadium em East Rutherford, Nova Jersey.

Em 10 de outubro de 2009, o México se classificou para a Copa do Mundo FIFA de 2010 após derrotar El Salvador por 4-1 no Estádio Azteca.

Na Copa de 2010, o México foi colocado no Grupo A, juntamente com a anfitriã África do Sul, França e Uruguai. Na primeira partida do torneio, o México empatou em 1-1 com a anfitriã África do Sul com um ataque final de Rafael Márquez. O segundo jogo foi contra a França, a quem derrotaram por 2-0, graças a um gol de Javier Hernández e uma penalidade por Cuauhtémoc Blanco, que com esse objetivo se tornou o primeiro jogador mexicano a marcar em três Copas do Mundo diferentes. Seu último jogo no grupo foi contra o Uruguai, com ambas as equipes necessitando apenas de um empate para avançar, no entanto, México fora derrotado por 1-0, mas ainda avançou para as oitavas-de-final graças a um diferencial melhor no saldo de gols do que a África do Sul. Na segunda rodada, o México enfrentou a Argentina em uma revanche das oitavas-de-final da Copa anterior onde o México perdeu para os argentinos. A equipe mexicana ficou para trás quando um gol polêmico foi marcado por Carlos Tévez em posição de impedimento, em que a equipe argentina estava claramente posicionada de impedimento, notado por um bandeirinha que pediu ao árbitro para descontar o gol, mas o árbitro não anulou o gol. Gonzalo Higuaín marcou depois, quando Ricardo Osorio acidentalmente empurrou a bola na frente de Higuain, enquanto tentava tocá-la para um companheiro que, em seguida, tropeçando, deu a Higuain a chance de marcar o segundo gol para a Argentina. Tévez, mais tarde, marcou em um tiro quando ele não estava marcado por ninguém, dando a Argentina uma liderança de 3 gols, antes de Javier Hernández marcar o que foi considerado o melhor gol da partida, em que ele passou por em 3 defensores antes de marcar entre o poste e o goleiro no canto esquerdo para o que seria único gol do México na partida. Na Copa do Mundo pela quinta vez consecutiva, a equipe mexicana foi eliminada nas oitavas-de-final.

A Copa Ouro da CONCACAF de 2011, viu o México ser colocado no Grupo A, juntamente com Costa Rica, El Salvador e Cuba. Após a vitória por 5-0 contra Cuba, foi relatado que 5 jogadores mexicanos foram reprovados no exame antidoping, que alegou estarem com a substância proibida Clenbuterol. Os cinco jogadores suspensos foram Guillermo Ochoa, Francisco Javier Rodríguez, Antônio Naelson "Zinha", Edgar Dueñas e Christian Bermúdez. O México venceu o grupo com três vitórias e nenhuma derrota e marcando 14 gols e tomando apenas um. Eles bateram a Guatemala por 2-1 nas quartas-de-final e venceram Honduras na prorrogação por 2-0. Pelo terceiro ano consecutivo, a final foi contra os Estados Unidos. Depois de estar atrás no placar por 0-2, o México voltaria e marcaria 4 gols, e eventualmente vencendo a partida por 4-2, sendo assim o grande campeão, e ainda ganhou um lugar na Copa das Confederações de 2013 no Brasil.

Em 28 de junho de 2011, oito jogadores do plantel da seleção Sub-22 que foi para participar na Copa América de 2011 na Argentina foram expulsos da equipe depois que se descobriu que os jogadores tinham trazido prostitutas para o hotel onde a equipe estava hospedada em Quito, Equador.

Em 7 de agosto de 2012, durante a disputa do Torneio Olímpico de Futebol de 2012, o México chegou pela primeira vez à final dessa competição ao vencer, de virada, o Japão por 3x1.[2] Na final, México vence o Brasil por 2 a 1 e conquista a medalha de ouro.

Estádio[editar | editar código-fonte]

Artigo principal: Estádio Azteca

O Estádio Azteca, também conhecido em espanhol como "El Coloso de Santa Úrsula", é um estádio na Cidade do México construído na década de 1960. É o estádio oficial da equipe nacional de futebol do México e da equipe mexicana América. Tem uma capacidade de 105.000 lugares, tornando-o o maior estádio de futebol nas Américas e o terceiro maior estádio do mundo para esse esporte.

O estádio tem realizado muitos eventos esportivos importantes e acontecimentos históricos em sua existência, incluindo a Copa do Mundo de 1970, onde Pelé conquistou seu último campeonato. O terremoto de 1985, que destruiu a maior parte da cidade, só não danificando o estádio. Assim, o estádio pode sediar a Copa do Mundo de 1986, onde a Argentina conquistou a taça.

Foi a principal sede de futebol nos Jogos Olímpicos de 1968 e é o único estádio a sediar duas finais de Copa do Mundo, em 1970 e 1986, mas esse mérito lhe será retirado pelo Maracanã, que sediou a final da Copa de 1950 e sediará a final da Copa do Mundo FIFA de 2014. Também sediou as quartas-de-final entre Argentina e Inglaterra, onde Diego Maradona marcou o gol conhecido como "La Mano de Diós". O estádio também sediou o "Jogo do Século", quando a Itália derrotou a Alemanha Ocidental por 4-3 na prorrogação.

Títulos[editar | editar código-fonte]

MUNDIAIS
Competição Vezes Ano
Copa das Confederações 1 1999
Gold medal.svg Jogos Olímpicos 1 2012
Gold FISU.svg Universíada 1 1979
CONTINENTAIS
Competição Vezes Ano
CONCACAF - Gold Cup.svg Copa Ouro da CONCACAF 6 1993, 1996, 1998, 2003, 2009, 2011
CONCACAF - Gold Cup.svg Campeonato da CONCACAF* 3 1965, 1971, 1977
Gold medal america.svg Jogos Pan-Americanos 4 1967, 1975, 1999, 2011
* Torneio precursor da Copa Ouro da CONCACAF

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes atuais[editar | editar código-fonte]

  • 1º - Camisa verde, calção branco e meias vermelhas;
  • 2º - Camisa preta, calção e meias pretas;
  • 3º - Camisa branca, calção e meias brancas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro Uniforme

Uniformes dos goleiros[editar | editar código-fonte]

  • Vermelho com detalhes brancos;
  • Azul com detalhes brancos;
  • Cinza com detalhes verdes.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Uniformes anteriores[editar | editar código-fonte]

  • 2011
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro


  • 2010
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2008
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2007
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2006
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2004
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2003
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
  • 2002
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo

Tabela e Resultados Recentes[editar | editar código-fonte]

Data Local Oponente Placar Competição Marcadores para o México
10 de agosto de 2011 Filadélfia, Estados Unidos Flag of the United States.svg Estados Unidos 1–1 A Peralta Gol marcado aos 17 minutos de jogo 17'
2 de setembro de 2011 Varsóvia, Polônia Flag of Poland.svg Polónia 1–1 A Hernández Gol marcado aos 34 minutos de jogo 34'
4 de setembro de 2011 Barcelona, Espanha Flag of Chile.svg Chile 1–0 A Guardado Gol marcado aos 78 minutos de jogo 78'
11 de outubro de 2011 Torreón, México Brasil Brasil 1–2 A David Luiz Gol marcado aos 10 minutos de jogo 10' (g.c.)
11 de novembro de 2011 Querétaro, México Bandeira da Sérvia Sérvia 2–0 A Salcido Gol marcado aos 3 minutos de jogo 3', Hernández Gol marcado aos 88 minutos de jogo 88' (pen.)
25 de janeiro de 2012 Houston, Estados Unidos Flag of Venezuela.svg Venezuela A
29 de fevereiro de 2012 Miami Gardens, Estados Unidos Flag of Colombia.svg Colômbia A
8 de junho de 2012 TBD, México Flag of Guyana.svg Guiana ECP
12 de junho de 2012 TBD, El Salvador Flag of El Salvador.svg El Salvador ECP
7 de setembro de 2012 TBD, Costa Rica Flag of Costa Rica.svg Costa Rica ECP
11 de setembro de 2012 TBD, México Flag of Costa Rica.svg Costa Rica ECP
12 de outubro de 2012 TBD, Guiana Flag of Guyana.svg Guiana ECP
16 de outubro de 2012 TBD, México Flag of El Salvador.svg El Salvador ECP
Legenda

Equipe atual[editar | editar código-fonte]

{{nat fs g player|no=2|pos=DF|name=[[Francisco Javier Rodríguez|Rodriguez]|age=20 de outubrode 1981 (33 anos)|caps=83|goals=1|club=América|clubnat=MEX}}
No. Pos. Jogador Idade Jogos Gols Clube
1 GR Ochoa 13 de julho de 1985 (29 anos) 52 0 Espanha Malaga
12 GR Corona 26 de janeiro de 1981 (33 anos) 26 0 México Cruz Azul
23 GR Diaz 18 de setembro de 1982 (32 anos) 11 0 México Toluca
3 D Salcido 2 de abril de 1980 (34 anos) 116 10 México UANL
4 D Rafa Marquez 13 de fevereiro de 1979 (35 anos) 116 14 Itália Verona
13 D Reyes 19 de setembro de 1992 (22 anos) 6 0 Países Baixos PSV Eindhoven
14 D Aguilar 6 de março de 1986 (28 anos) 22 2 México América
15 D Moreno 17 de janeiro de 1988 (26 anos) 43 1 Espanha Espanyol
18 D Guardado 28 de setembro de 1986 (28 anos) 94 14 Países Baixos PSV Eindhoven
19 D Layún 25 de junho de 1988 (26 anos) 11 3 México América
5 M Fabian 21 de julho de 1989 (25 anos) 11 4 México Cruz Azul
6 M Medina 22 de agosto de 1983 (31 anos) 21 4 México América
8 M Peña 29 de março de 1990 (24 anos) 81 19 México León
11 M Vázquez 11 de fevereiro de 1990 (24 anos) 7 0 México León
16 M Herrera 14 de março de 1988 (26 anos) 7 0 Portugal FC Porto B
7 M Aquino 11 de fevereiro de 1990 (24 anos) 17 0 Espanha Rayo Vallecano
17 M Brizuela 28 de agosto de 1990 (24 anos) 5 0 México Atlas
9 A Peralta 12 de janeiro de 1984 (30 anos) 28 15 México América
10 A Giovani dos Santos 11 de maio de 1989 (25 anos) 65 14 Espanha Villarreal
14 A "Chicharito" Hernández 1 de junho de 1988 (26 anos) 50 32 Espanha Real Madrid
19 A Jimenez 5 de maio de 1991 (23 anos) 6 0 Espanha Atlético de Madrid
21 A Pulido 8 de março de 1991 (23 anos) 3 4 México Tigres

Registro competitivo[editar | editar código-fonte]

Registro de Copas do Mundo FIFA[editar | editar código-fonte]

Registro de Copas do Mundo FIFA
Ano Rodada Posição J V E D GF GC
Uruguai 1930 Fase de Grupos 13º 3 0 0 3 4 13
Reino de Itália 1934 Não se classificou
França 1938 Desistiu
Brasil 1950 Fase de Grupos 12º 3 0 0 3 2 10
Suíça 1954 Fase de Grupos 14º 2 0 0 2 2 8
Suécia 1958 Fase de Grupos 16º 3 0 1 2 1 8
Chile 1962 Fase de Grupos 11º 3 1 0 2 3 4
Inglaterra 1966 Fase de Grupos 12º 3 0 2 1 1 3
México 1970 Quartas-de-finais 4 2 1 1 6 4
Alemanha 1974 Não se classificou
Argentina 1978 Fase de Grupos 16º 3 0 0 3 2 12
Espanha 1982 Não se classificou
México 1986 Quartas-de-finais 5 3 2 0 6 2
Itália 1990 Banido
Estados Unidos 1994 Oitavas-de-finais 13º 4 1 2 1 4 4
França 1998 Oitavas-de-finais 13º 4 1 2 1 8 7
Coreia do Sul Japão 2002 Oitavas-de-finais 11º 4 2 1 1 4 4
Alemanha 2006 Oitavas-de-finais 15º 4 1 1 2 5 5
África do Sul 2010 Oitavas-de-finais 14º 4 1 1 2 4 5
Brasil 2014 Oitavas-de-finais 10º 4 2 1 1 5 2
Total 14/19 53 14 14 26 57 91

Registro de Copa das Confederações[editar | editar código-fonte]

Ano Rodada J V E* D GF GC
Arábia Saudita 1992 Não se classificou
Arábia Saudita 1995 Terceiro lugar 3 1 2 0 4 2
Arábia Saudita 1997 Fase de Grupos 3 1 0 2 8 6
México 1999 Campeão 5 4 1 0 13 6
Coreia do Sul Japão 2001 Fase de Grupos 3 0 0 3 1 8
França 2003 Não se classificou
Alemanha 2005 Quarto lugar 5 2 2 1 7 6
África do Sul 2009 Não se classificou
Brasil 2013 Fase de Grupos 3 1 0 2 3 5
Total 1 título 22 9 5 8 36 33

Registro de Copa Ouro da CONCACAF[editar | editar código-fonte]

Ano Rodada J V E* D GF GC
El Salvador 1963 Fase de Grupos 3 1 1 1 9 2
Guatemala 1965 Campeão 5 4 1 0 13 2
Honduras 1967 Vice-campeão 5 4 0 1 10 1
Costa Rica 1969 Quarto lugar 5 1 2 2 4 5
Trinidad e Tobago 1971 Campeão 5 4 1 0 6 1
Haiti 1973 Terceiro lugar 5 2 2 1 10 5
México 1977 Campeão 5 5 0 0 20 5
Honduras 1981 Terceiro lugar 5 1 3 1 6 3
1985 Não participou
1989 Banido
Estados Unidos 1991 Terceiro lugar 5 3 1 1 10 5
México Estados Unidos1993 Campeão 5 4 1 0 28 2
Estados Unidos 1996 Campeão 4 4 0 0 9 0
Estados Unidos 1998 Campeão 4 4 0 0 8 2
Estados Unidos 2000 Quartas-de-finais 3 1 1 1 6 3
Estados Unidos 2002 Quartas-de-finais 3 2 1 0 4 1
México Estados Unidos2003 Campeão 5 4 1 0 9 0
Estados Unidos 2005 Quartas-de-finais 4 2 0 2 7 4
Estados Unidos 2007 Vice-campeão 6 4 0 2 7 5
Estados Unidos 2009 Campeão 6 5 1 0 15 2
Estados Unidos 2011 Campeão 6 6 0 0 22 4
Estados Unidos 2013 Semi-finais 5 3 0 2 8 5
Total 9 títulos 88 57 17 14 211 57

Registro de Copa América[editar | editar código-fonte]

Registro de Copa América da CONMEBOL
Ano Rodada Posição J V E* D GF GC
Equador 1993 Vice-campeão 6 2 2 2 8 7
Uruguai 1995 Quartas-de-finais 4 1 2 1 5 4
Bolívia 1997 Terceiro lugar 6 2 2 2 8 9
Paraguai 1999 Terceiro lugar 6 3 1 2 10 9
Colômbia 2001 Vice-campeão 6 3 1 2 7 5
Peru 2004 Quartas-de-finais 4 2 1 1 5 7
Venezuela 2007 Terceiro lugar 6 4 1 1 13 5
Argentina 2011 Fase de Grupos 12º 3 0 0 3 1 4
Total Vice-campeão 8/43 38 17 10 11 55 44

Registro de Jogos Pan-Americanos[editar | editar código-fonte]

  • 1951 - Não entrou
  • 1955 - Medalha de prata
  • 1959 - Sexto lugar
  • 1963 - Não entrou
  • 1967 - Medalha de ouro
  • 1971 - 1ª Rodada
  • 1975 - Medalha de ouro
  • 1979 - Não entrou
  • 1983 - 1º Rodada
  • 1987 - Quarto lugar
  • 1991 - Medalha de prata
  • 1995 - Medalha de prata
  • 1999 - Medalha de ouro
  • 2003 - Medalha de bronze
  • 2007 - Medalha de bronze
  • 2011 - Medalha de ouro

Registro de Jogos Centro-Americanos e do Caribe[editar | editar código-fonte]

  • 1935 - Medalha de ouro
  • 1938 - Medalha de ouro
  • 1946 - Não participou
  • 1950 - Rodada 1
  • 1954 - Medalha de prata
  • 1959 - Medalha de ouro
  • 1962 - Medalha de ouro
  • 1966 - Medalha de ouro
  • 1978 - Quarto lugar
  • 1982 - Medalha de ouro
  • 1986 - Medalha de ouro
  • 1990 - Medalha de ouro
  • 1993 - Medalha de ouro
  • 1998 - Medalha de ouro
  • 2002 - Medalha de prata
  • 2006 - Quartas-de-finais
  • 2010 - Não participou

Registro de Universíadas[editar | editar código-fonte]

  • 1979 - Medalha de ouro

Registro de Campeonatos da NAFC[editar | editar código-fonte]

  • 1947 - Campeão
  • 1949 - Campeão

Registro de Copas das Nações Norte-Americanas[editar | editar código-fonte]

  • 1990 - Vice-campeão
  • 1991 - Campeão

Honras Internacionais[editar | editar código-fonte]

1999
1993, 2001

Honras Regionais (CONCACAF)[editar | editar código-fonte]

  • Campeonatos da CONCACAF: 3
1965, 1971, 1977
1993, 1996, 1998, 2003, 2009, 2011
  • Campeonato NAFC / Copa das Nações Norte-Americanas: 3
1947, 1949, 1991

Registro de Jogadores[editar | editar código-fonte]

Técnicos[editar | editar código-fonte]

Técnico Carreira Jogo treinando Vitórias Empates Derotas Vitória %
México Adolfo Frías Beltrán 1923 6 4 1 1 66.6
México Alfonso Rojo de la Vega 1928 2 0 2 0 00.0
Espanha Juan Luque de Serrallonga 1930 3 0 3 0 00.0
México Rafael Garza Gutiérrez 1934, 1937–1938, 1949 16 14 1 1 87.5
Inglaterra Alfred C. Crowle 1935 5 5 0 0 100.0
Hungria Jorge Orth 1947 2 2 0 0 100.0
México Octavio Vial 1950 5 0 4 1 00.0
Espanha Antonio López Herranz 1950, 1952, 1953–1954, 1956–1958 22 9 10 3 40.9
México Horacio Casarín 1953 1 1 0 0 100.0
México Ignacio Trelles 1958, 1960–1969, 1975–1976 106 50 27 29 47.1
México Fernando Marcos 1959 3 3 0 0 100.0
Hungria Arpad Fekete 1963 3 1 1 1 33.3
México Raúl Cardenas 1968, 1969, 1970, 1979–1981 59 25 20 14 42.3
México Diego Mercado 1969 5 1 2 2 20.0
México Javier de la Torre 1970–1973 38 20 7 11 52.6
México Ignacio Juáregui 1974 3 2 1 0 66.6
México José Antonio Roca 1977–1978 20 11 3 6 55.0
México José Moncebáez 1979 3 1 1 1 33.3
México Gustavo Peña 1979 1 1 0 0 100.0
Jugoslávia Velibor Milutinović 1983–1986, 1995–1997 104 52 32 20 50.0
México Mario Velarde 1987–1989 15 13 0 2 86.6
México Alberto Guerra 1989 3 3 0 0 100.0
México Manuel Lapuente 1990–1991, 1997–2000 67 33 18 16 49.2
Argentina César Luis Menotti 1991–1992 19 7 7 5 36.8
Brasil Ricardo Ferretti 1993 1 1 0 0 100.0
México Miguel Mejía Barón 1993–1995 54 25 17 12 46.2
México Mario Carrillo 1999 1 0 0 1 00.0
México Gustavo Vargas 1999 2 1 1 0 50.0
México Enrique Meza 2000–2001, 2010 20 5 4 11 25.0
México Hugo Sánchez 2000, 2006–2008 26 13 4 9 50.0
México Javier Aguirre 2001–2002, 2009–2010 55 35 10 10 63.6
Argentina Ricardo La Volpe 2002–2006 71 38 16 17 53.5
México Jesús Ramírez 2008 5 4 0 1 80.0
Suécia Sven-Göran Eriksson 2008–2009 13 6 1 6 46.2
México Efraín Flores 2010 3 1 1 1 33.3
México José Manuel de la Torre 2010–2013 16 11 4 1 68.7
México Víctor Manuel Vucetich 2013
México Miguel Herrera 2013-

A partir de 13 de julho de 2011.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre futebol mexicano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.