Copa do Mundo FIFA de 1966

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Copa do Mundo FIFA de 1966
FIFA World Cup 1966
Inglaterra 1966
WorldCup1966logo.jpg
Cartaz promocional da Copa do Mundo FIFA de 1966 no Reino Unido.
Dados
Participantes 16
Organização FIFA
Anfitrião  Inglaterra
Período 1130 de julho
Gol(o)s 89
Jogos 32
Média 2,78 gol(o)s por partida
Campeão Flag of England.svg Inglaterra (1º título)
Vice-campeão Bandeira da Alemanha Ocidental Alemanha Ocidental
3º colocado Flag of Portugal.svg Portugal
Melhor marcador PortugalPOR Eusébio – 9 gols
Melhor ataque (fase inicial) Flag of Portugal.svg Portugal – 9 gols
Melhor defesa (fase inicial) Flag of England.svg Inglaterra – Nenhum gol
Maior goleada
(diferença)
Alemanha Ocidental Bandeira da Alemanha Ocidental 5 – 0 Flag of Switzerland.svg Suíça
Hillsborough StadiumSheffield
12 de julho, Grupo 2, 1ª rodada
Público 1 635 000
Média 51 093,8 pessoas por partida
Premiações
Melhor jogador
InglaterraENG Bobby Charlton
Melhor jogador jovem Alemanha OcidentalFRG Franz Beckenbauer
◄◄ Chile Chile 1962 Soccerball.svg México 1970 México ►►

A Copa do Mundo FIFA de 1966 foi a oitava edição da Copa do Mundo FIFA de Futebol, que ocorreu de 11 de julho até 30 de julho de 1966. O evento foi sediado na Inglaterra, tendo partidas realizadas nas cidades de Birmingham, Liverpool, Londres, Manchester, Middlesbrough, Sheffield e Sunderland. Dezesseis seleções nacionais foram qualificadas para participar desta edição do campeonato, sendo 10 delas europeias (Inglaterra, Itália, Alemanha Ocidental, Hungria, Suíça, Portugal, França, União Soviética, Bulgária e Espanha), 5 americanas (Brasil, Argentina, Chile, Uruguai e México) e 1 asiática (Coreia do Norte).

As seleções da Coreia do Norte e de Portugal faziam sua primeira participação na competição. A edição teve duas grandes goleadas: Alemanha Ocidental 5 x 0 Suíça e Alemanha Ocidental 4 x 0 Uruguai. A Copa contou com grandes jogadores, como Bobby Moore e Gordon Banks da Inglaterra, Uwe Seeler e Franz Beckenbauer da Alemanha Ocidental, Eusébio de Portugal e Lev Yashin da URSS.

A Inglaterra foi escolhida como anfitriã pela FIFA em agosto de 1960 para celebrar o centenário da The Football Association, a mais antiga associação de futebol do mundo, que ocorreu em 1963. Uma revelação da Copa foi a seleção de Portugal que, comandada pelo atacante Eusébio, realizou uma performance invicta na fase de grupos, bateu a Coreia do Norte nas quartas-de-final em uma partida em que os norte-coreanos abriram 3 a 0 e a seleção portuguesa, com quatro gols do "Pantera Negra" virou para 5 x 3, e foram derrotadas pela Inglaterra na semifinal. Na disputa do terceiro lugar, ainda venceram a União Soviética, equipe que se mostrara forte todo o campeonato. Eusébio terminou por ser artilheiro, com 9 gols marcados.

A final da Copa do Mundo FIFA de 1966 foi disputada pela Inglaterra, que havia eliminado Portugal e a Argentina; e a Alemanha Ocidental, que eliminara a União Soviética e o Uruguai. A partida foi realizada em 30 de julho às 15h, no Estádio de Wembley em Londres, com um público estimado em 98 000 pessoas. Sob o apito do árbitro suíço Gottfried Dienst, o primeiro tempo terminou empatado em 1 a 1. Ao final dos 90 minutos, o placar era de 2 a 2. No minuto 98, Hurst marcou novamente; entretanto seu chute bateu no travessão, e quicou exatamente sobre a linha. Desde então, se debate se a bola realmente passou a linha, o que faria uma grande diferença, uma vez que se o placar permancesse empatado, a Alemanha Ocidental talvez não permitisse o mesmo espaço a Hurst. A partida fechou com um terceiro gol deste, selando o primeiro título inglês em Copas do Mundo, tornando-se a primeira sede a vencer o torneio desde que a Itália o venceu em 1934.

Eliminatórias[editar | editar código-fonte]

Países classificados

A Copa de 1966 causou discordâncias antes mesmo que uma bola fosse chutada no primeiro jogo. Dezesseis nações africanas boicotaram o torneio em protesto contra uma resolução da FIFA de 1964 demandando que o vencedor da zona africana enfrentasse o vencedor da zona asiástica ou da zona oceânica para se classificar à fase final. Os africanos acreditavam que vencer sua zona deveria bastar por si só para ter um lugar nas finais.

Mesmo com a ausência dos africanos, se estabeleceu mais um recorde de inscrições para as Eliminatórias, com 70 nações competindo. Depois de toda a discussão, a FIFA determinou que dez times da Europa se classificariam, junto com quatro da América do Sul, um da Ásia e um da América do Norte, América Central e Caribe.

Fase final[editar | editar código-fonte]

Primeira Fase[editar | editar código-fonte]

A Copa do Mundo de 1966 teve um herói bastante incomum fora das quatro linhas, um cachorro chamado Pickles. Antes do torneio a Taça Jules Rimet foi roubada de uma vitrine de exposição no Center Hall de Westminster, em Londres, junto a uma exposição filatélica. Uma caçada nacional pela taça foi instaurada. Ela foi descoberta enrolada em jornal quando um cão farejou alguns arbustos em Londres. A FA mandou que se fizesse uma réplica no caso que não encontrassem a original a tempo. Esta réplica está exposta no National Football Museum, na Inglaterra. O formato do certame se manteve o mesmo da Copa anterior: as 16 equipes classificadas se dividiriam em quatro grupos com quatro. Os dois primeiros de cada grupo avançariam às quartas-de-final.

Ainda que a Copa tenha conseguido grandes públicos, a competição foi marcada por ter poucos gols uma vez que as equipes começaram a jogar de maneira muito mais tática e defensiva. Isso foi exemplificado pela Inglaterra de Alf Ramsey que terminou em primeiro lugar do grupo 1 com apenas quatro gols marcados, mas nenhum sofrido. O Uruguai seria o segundo classificado do grupo eliminando México e França. Todas as partidas deste grupo foram disputadas no Wembley Stadium exceto pela partida entre França e Uruguai que foi disputada no White City Stadium.

No Grupo 2, a Alemanha Ocidental e a Argentina se classificaram com facilidade, ambos com 5 pontos. A Espanha fez 2, enquanto a Suíça deixou a competição após, pela segunda vez seguida em Copas do Mundo, perder todas as partidas.

No noroeste da Inglaterra, o Old Trafford e o Goodison Park serviram de sedes para o Grupo 3. Neste grupo o Brasil, campeão da copa anterior, seria eliminado por Portugal e Hungria. A Bulgária também seria eliminada. O Brasil foi derrotado por húngaros e portugueses em partidas controversas apitadas por dois juízes ingleses, Kenneth Dagnall e George McCabe, que decidiram ignorar uma grande quantidade de faltas nos brasileiros direcionadas em jogadores-chave. Portugal chegava a fase final de uma Copa pela primeira vez, e jogou muito bem. A seleção lusa venceu as três partidas na fase de grupos, com belas atuações do prodigioso atacante Eusébio, que marcaria no total nove gols na Copa se tornando assim artilheiro máximo da competição.

O Grupo 4 teve a maior surpresa da competição quando a Coreia do Norte bateu a Azzurra por 1 a 0, e se classificou junto com a União Soviética. Além da Itália, o Chile foi eliminado.

Segunda Fase[editar | editar código-fonte]

Nas quartas-de-final a Alemanha Ocidental bateu o Uruguai por 4 a 0 numa partida em que o árbitro inglês Jim Finney expulsou dois uruguaios: Horacio Troche e Hector Silva. A Coreia do Norte esboçava goleada semelhante contra Portugal, pois em 22 minutos de jogo o placar tinha 3 a 0 para os norte coreanos. O 1º golo foi marcado pelos Norte Coreanos no 1º minuto de jogo. Portugal poderia ter empatado pouco depois, o jogo prossegue com 2 ou 3 lances de ataque para cada lado. Portugal é lento e a Coreia está uma equipa mais rápida sobre a bola nos primeiros 15 minutos. Bastante combativos e rápidos com transições rápidas davam trabalho á seleção Portuguesa. Os Coreanos aguentavam o ataque Português, e durante uns minutos os Coreanos pouco atacam. Portugal procura empatar e domina claramente o jogo, até que Eusébio quase que marca num potente remate, mas, num ataque que parecia inofensivo os Coreanos marcam o 2º golo, com a defesa Portuguesa a assistir. Esta equipa Coreana treinara durante mais de um ano para este campeonato do Mundo, a sua preparação fora eficaz, porém Portugal tecnicamente superior não corria tanto como os Coreanos. e pouco depois, noutro ataque fazem o 3º golo. A Coreia está moralizada e Portugal atordoado. Os Ingleses assistem e gostam, pois riem nas bancadas meio incrédulos e aliviados. Depois Eusébio começa o show e faz o 1º golo de Portugal aos 27 minutos. Portugal continua a atacar e dominar e José Torres o ponta de lança Português cabeceia por duas vezes com perigo. A Coreia foi 3 vezes á baliza Portuguesa e marcou das 3 vezes com uma eficácia absoluta. Portugal começa a acreditar no 2 golo pois as oportunidades sucedem-se e pouco antes do intervalo Portugal faz o 2º golo de penalty aos 43 minutos. Neste lance José Torres lesiona-se e fica muito condicionado. Eusébio marca superiormente ao canto superior esquerdo. É o golo clique para Portugal, pois agora os seus jogadores acreditam ainda que podem ganhar. Na 2º parte tudo foi diferente, ao intervalo Otto Glória disse aos jogadores depois de pendurar o casaco e tirar a gravata: Vocês deram cabo do Brasil e agora estão a perder com a Coreia? Falou com os jogadores 1 a 1 rapidamente e objetivamente de forma dura e depois saiu do balneário deixando-os a entenderem-se a eles mesmos ,com os capitães Coluna, José Augusto e Germano a falarem com equipa. Recomeça a 2ª parte e Portugal retoma as rédeas do jogo, nos primeiros minutos deste recomeço Portugal pode marcar, ataca pelos flancos num futebol direto e superior pois a velocidade é outra por parte da seleção Portuguesa. Simões desmarca Eusébio que remata e bate o guarda redes da Coreia. Com 3-3 tudo está ainda por resolver, até que Eusébio pega na bola a meio campo e é ceifado na área, penalty. 4-3 para Portugal e ainda não tinha acabado. Portugal estava agora por cima animicamente, ganhava e controlava. Portugal marca por José Augusto o 5º golo e fixa o resultado. O goleiro da Coreia do Norte, Lee Chang Myung, foi atropelado por vários jogadores portugueses num lance de ataque português, mas o árbitro nada aplicou. Coube a Eusébio mudar esse panorama. O Pantera Negra marcou quatro gols e José Augusto marcaria o quinto, numa grande virada da equipe portuguesa. Este jogo é considerado um dos melhores jogos deste Mundial.

Nos outros jogos, a URSS de Lev Yashin bateu a Hungria por 2 tentos a 1 e na partida entre Argentina e Inglaterra houve apenas um gol que seria dos ingleses, marcado por Geoff Hurst. Foi mais um jogo marcado por controvérsia arbitral. Antonio Rattín se tornou o primeiro jogador a ser expulso numa partida entre seleções em Wembley. O árbitro alemão, Rudolf Kreitlein, expulsou Rattín por indisciplina e pelo "olhar em seu rosto" mesmo não entendendo espanhol. Rattín primeiramente se recusou a sair de campo e acabou sendo escoltado por vários policiais.

Com os resultados das quartas, as quatro equipes restantes eram todas europeias. Ambas semifinais terminaram em 2 a 1: Franz Beckenbauer marcou o tento que deu a vitória para a Alemanha Ociental frente a URSS, enquanto Bobby Charlton marcou os dois gols da vitória inglesa sobre Portugal. Outro placar de 2 a 1 ocorreria na decisão do terceiro lugar com vitória portuguesa sobre os soviéticos.

Final[editar | editar código-fonte]

A partida se realizou no Wembley Stadium com cerca de 98 mil pessoas presentes. Após doze minutos de jogo Helmut Haller colocou a Alemanha Ocidental na frente, mas Geoff Hurst empatou o jogo quatro minutos depois. Martin Peters virou o jogo em favor dos ingleses aos 78 minutos. Com um minuto para o fim da partida uma falta foi marcada em favor dos alemães. A bola foi lançada à área e Wolfgang Weber consegiu tocá-la e levar o jogo a um novo empate, enquanto os ingleses reclamavam de um possível toque de mão.

Ao final dos 90 minutos o placar era de 2 a 2, então foi jogada a prorrogação. No minuto 98 Hurst marcou novamente; seu chute bateu no travessão, e quicou exatamente sobre a linha. Desde então se debate se a bola realmente passou a linha, o que faria uma grande diferença, uma vez que se o placar permancesse empatado, a Alemanha Ocidental talvez não permitisse o mesmo espaço a Hurst.

Este gol polêmico serviu de plano de fundo para uma situação ligeiramente contrária na Copa de 2010,[1] quando a Inglaterra marcou um gol contra o mesmo adversário, e em que a bola avançou cerca de 33cm para depois da linha, sendo que o juiz o invalidou.[2]

Imagens de arquivo observadas digitalmente ilustram que o segundo gol de Hurst não cruzou a linha.[3] No último minuto Hurst novamente marcou, passando pelo meio de campo alemão para efetuar seu terceiro gol na partida. Ao mesmo tempo a torcida invadiu o campo. Geoff Hurst se tornou assim o primeiro jogador a marcar três vezes numa final de Copa do Mundo.

A descrição dos momentos finais da partida pelo comentarista da BBC, Kenneth Wolstenholme entrou para a história: "Some people are on the pitch. They think it's all over." (Hurst marca o quarto) "It is now!". ("Algumas pessoas estão no campo. Acham que está tudo acabado." [Hurst marca] "É agora!")

A seleção inglesa recebeu a recuperada Taça Jules Rimet das mãos da Rainha e se tornaram campeões do mundo pela primeira (e única) vez.

Mascote[editar | editar código-fonte]

World Cup Willie, o mascote para a Copa de 1966, foi o primeiro mascote da história das Copas, e um dos primeiros mascotes a ser associado com uma competição esportiva importante. World Cup Willie é um leão, símbolo típico do Reino Unido, vestindo uma camisa com a Union Flag inscrita com as palavras "WORLD CUP".

Sedes[editar | editar código-fonte]

Cidade Estádio Capacidade Construção
Birmingham Villa Park 42 573 1897
Liverpool Goodison Park 40 410 1892
Londres Wembley Stadium 127 000 1923
Londres White City Stadium 68 000 1908
Manchester Old Trafford 72 612 1910
Middlesbrough Ayresome Park 54 000 1903
Sheffield Hillsborough Stadium 39 814 1899
Sunderland Roker Park 30 000 1898

Flag of Portugal.svg Portugal na Copa de 1966[editar | editar código-fonte]

Eliminatórias[editar | editar código-fonte]

Na fase eliminatória, Portugal ficou no grupo da Roménia, Checoslováquia e Turquia. Talvez as distância das viagens atemorizassem os Portugueses mais que os adversários. A 24 de Janeiro de 1965, Portugal estreou-se a ganhar à Turquia por 5-1, com três gols de Eusébio e ainda de Jaime Graça e Coluna; Fevzi marcou pelos Turcos. Em Ancara, a 19 de Abril, Portugal ganhou novamente por 1-0, com mais um gol de Eusébio. A 25 de Abril, Portugal jogou em Bratislava e derrotou os Chevoslovacos por 0-1, uma vez mais com Eusébio a marcar. A qualificação ficou garantida em Lisboa, a 13 de Junho com uma vitória sobre a Roménia; Eusébio marcou mais duas vezes, e Avran pelos adversários. Quando a 31 de Outubro, no Porto, a equipa nacional defrontou a Checoslováquia, a qualificação já estava garantida; o jogo saldou-se por um empate a zero. E finalmente, Portugal perdeu em Bucareste 2-0 contra a Roménia, com gol de Dridea, e um gol contra de Carvalho.

Fase Final[editar | editar código-fonte]

  • Colocação: 3º lugar
  • Campanha: 6 jogos, 5 vitórias, 1 derrota, 19 golos a favor e 8 golos contra.
  • Jogos: Portugal 3-1 Hungria, Bulgária 0-3 Portugal, Brasil 1-3 Portugal, Portugal 5-3 Coreia do Norte, Portugal 1-2 Inglaterra e Portugal 2-1 União Soviética.

A equipa portuguesa começou com três vitórias na fase de grupos onde bateu Hungria, Bulgária e Brasil (jogo de extrema violência). Depois o time de Otto Glória bateria de virada a surpreendente seleção da Coreia do Norte por 5 a 3, com Eusébio marcando quatro gols. Nas semifinais Portugal seria derrotado pela Inglaterra por 2 a 1. Na decisão do terceiro lugar um outro placar de 2 a 1 mas desta vez em favor dos portugueses contra a URSS e assim Portugal alcançaria sua melhor colocação na história das Copas. Eusébio seria o artilheiro máximo da competição com nove gols.

Brasil Brasil na Copa de 1966[editar | editar código-fonte]

Artigo principal: Brasil na Copa do Mundo de 1966

  • Colocação: 11º lugar
  • Campanha: 3 jogos, 1 vitória, 2 derrotas, 4 gols a favor e 6 gols contra.
  • Jogos: Brasil 2-0 Bulgária, Brasil 1-3 Hungria e Brasil 1-3 Portugal.

Sorteio[editar | editar código-fonte]

Cabeças de Chave Europa América do Sul América do Norte/Ásia

Primeira fase[editar | editar código-fonte]

Grupo 1[editar | editar código-fonte]

Time Pts J V E D GF GS SG
Flag of England.svg Inglaterra 5 3 2 1 0 4 0 4
Flag of Uruguay.svg Uruguai 4 3 1 2 0 2 1 1
Flag of Mexico.svg México 2 3 0 2 1 1 3 -2
Bandeira da França França 1 3 0 1 2 2 5 -3
11 de julho 1966
19:30
Flag of England.svg Inglaterra 0–0 Flag of Uruguay.svg Uruguai Londres, Wembley Stadium
Árbitro: Zsolt (Hungria)
Público: 87000

Relatório

13 de julho 1966
19:30
Bandeira da França França 1–1 Flag of Mexico.svg México Londres, Wembley Stadium
Árbitro: Ashkenazi (Israel)
Público: 69000

Hausser 13' Relatório Borja 48'

15 de julho 1966
19:30
Flag of Uruguay.svg Uruguai 2–1 Bandeira da França França Londres, White City Stadium
Árbitro: Gaiba (Tchecoslováquia)
Público: 40000

Rocha 26'
Cortés 31'
Relatório De Bourgoing 15' (pen)

16 de julho 1966
15:00
Flag of England.svg Inglaterra 2–0 Flag of Mexico.svg México Londres, Wembley Stadium
Árbitro: Lo Bello (Itália)
Público: 92000

B. Charlton 37'
Hunt 75'
Relatório

19 de julho 1966
16:30
Flag of Mexico.svg México 0–0 Flag of Uruguay.svg Uruguai Londres, Wembley Stadium
Árbitro: Lööw (Suécia)
Público: 61000

Relatório

20 de julho 1966
19:30
Flag of England.svg Inglaterra 2–0 Bandeira da França França Londres, Wembley Stadium
Árbitro: Yamasaki (Peru)
Público: 98000

Hunt 38', 75' Relatório

Grupo 2[editar | editar código-fonte]

Time Pts J V E D GF GS SG
Alemanha Alemanha Ocidental 5 3 2 1 0 7 1 6
Flag of Argentina.svg Argentina 5 3 2 1 0 4 1 3
Espanha Espanha 2 3 1 0 2 4 5 -1
Flag of Switzerland.svg Suíça 0 3 0 0 3 1 9 -8
12 de julho 1966
16:30
Alemanha Alemanha Ocidental 5–0 Flag of Switzerland.svg Suíça Sheffield, Hillsborough Stadium
Árbitro: Phillips (Escócia)
Público: 36000

Held 16'
Haller 21', 77' (pen)
Beckenbauer 40', 62'
Relatório

13 de julho 1966
19:30
Flag of Argentina.svg Argentina 2–1 Espanha Espanha Birmingham, Villa Park
Árbitro: Rumenchev (Bulgária)
Público: 48000

Artime 65', 77' Relatório Roma 71' (GC)

15 de julho 1966
19:30
Espanha Espanha 2–1 Flag of Switzerland.svg Suíça Sheffield, Hillsborough Stadium
Árbitro: Bakhramov (URSS)
Público: 32000

Sanchís 57'
Amancio 75'
Relatório Quentin 31'

16 de julho 1966
15:00
Flag of Argentina.svg Argentina 0–0 Alemanha Alemanha Ocidental Birmingham, Villa Park
Árbitro: Zečević (Iugoslávia)
Público: 52000

Relatório

19 de julho 1966
19:30
Flag of Argentina.svg Argentina 2–0 Flag of Switzerland.svg Suíça Sheffield, Hillsborough Stadium
Árbitro: Campos (Portugal)
Público: 31000

Artime 52'
Onega 79'
Relatório

20 de julho 1966
19:30
Alemanha Alemanha Ocidental 2–1 Espanha Espanha Birmingham, Villa Park
Árbitro: Marques (Brasil)
Público: 51000

Emmerich 39'
Seeler 84'
Relatório Fusté 23'

Grupo 3[editar | editar código-fonte]

Time Pts J V E D GF GS SG
Flag of Portugal.svg Portugal 6 3 3 0 0 9 2 7
Flag of Hungary.svg Hungria 4 3 2 0 1 7 5 2
Brasil Brasil 2 3 1 0 2 4 6 -2
Flag of Bulgaria (1946-1948).svg Bulgária 0 3 0 0 3 1 8 -7
12 de julho 1966
19:30
Brasil Brasil 2–0 Flag of Bulgaria (1946-1948).svg Bulgária Liverpool, Goodison Park
Árbitro: Tschenscher (Alemanha Ocidental)
Público: 48000

Pelé 15'
Garrincha 56'
Relatório

13 de julho 1966
19:30
Flag of Portugal.svg Portugal 3–1 Flag of Hungary.svg Hungria Manchester, Old Trafford
Árbitro: Callaghan (País de Gales)
Público: 37000

José Augusto 1', 67'
Torres 90'
Relatório Bene 60'

15 de julho 1966
19:30
Flag of Hungary.svg Hungria 3–1 Brasil Brasil Liverpool, Goodison Park
Árbitro: Dagnall (Inglaterra)
Público: 52000

Bene 2'
Farkas 64'
Mészöly 73'
Relatório Tostão 14'

16 de julho 1966
15:00
Flag of Portugal.svg Portugal 3–0 Flag of Bulgaria (1946-1948).svg Bulgária Manchester, Old Trafford
Árbitro: Codesal (Uruguai)
Público: 26000

Vutsov 17' (g.c.)
Eusébio 38'
Torres 81'
Relatório

19 de julho 1966
19:30
Flag of Portugal.svg Portugal 3–1 Brasil Brasil Liverpool, Goodison Park
Árbitro: McCabe (Inglaterra)
Público: 62000

Simões 15'
Eusébio 27', 85'
Relatório Rildo70'

20 de julho 1966
19:30
Flag of Hungary.svg Hungria 3–1 Flag of Bulgaria (1946-1948).svg Bulgária Manchester, Old Trafford
Árbitro: Goicoechea (Argentina)
Público: 22000

Davidov 43' (GC)
Mészöly 45'
Bene 54'
Relatório Asparuhov 15'

Grupo 4[editar | editar código-fonte]

Time Pts J V E D GF GS SG
Flag of the Soviet Union.svg União Soviética 6 3 3 0 0 6 1 5
Flag of North Korea.svg Coréia do Norte 3 3 1 1 1 2 4 -2
Flag of Italy.svg Itália 2 3 1 0 2 2 2 0
Flag of Chile.svg Chile 1 3 0 1 2 2 5 -3
12 de julho 1966
19:30
Flag of the Soviet Union.svg União Soviética 3–0 Flag of North Korea.svg Coréia do Norte Middlesbrough, Ayresome Park
Árbitro: Gardeazábal (Espanha)
Público: 22000

Malafeyew 31', 88'
Banişevski 33'
Relatório

13 de julho 1966
19:30
Flag of Italy.svg Itália 2–0 Flag of Chile.svg Chile Sunderland, Roker Park
Árbitro: Dienst (Suíça)
Público: 30000

Mazzola 8'
Barison 88'
Relatório

15 de julho 1966
19:30
Flag of Chile.svg Chile 1–1 Flag of North Korea.svg Coréia do Norte Middlesbrough, Ayresome Park
Árbitro: Kandil (Egito)
Público: 15000

Marcos 26' (pen) Relatório Pak Seung Zin 88'

16 de julho 1966
15:00
Flag of the Soviet Union.svg União Soviética 1–0 Flag of Italy.svg Itália Sunderland, Roker Park
Árbitro: Kreitlein (Alemanha Ocidental)
Público: 27800

Chislenko 57' Relatório

19 de julho 1966
19:30
Flag of North Korea.svg Coréia do Norte 1–0 Flag of Italy.svg Itália Middlesbrough, Ayresome Park
Árbitro: Schwinte (França)
Público: 20000

Pak Doo Ik 42' Relatório

20 de julho 1966
19:30
Flag of the Soviet Union.svg União Soviética 2–1 Flag of Chile.svg Chile Sunderland, Roker Park
Árbitro: Adair (Irlanda do Norte)
Público: 22800

Porkuyan 28', 85' Relatório Marcos 32'

Segunda Fase[editar | editar código-fonte]

Quartas-de-final Semifinais Final
                   
23 de julho - Londres        
 Flag of England.svg Inglaterra  1
26 de julho – Londres
 Flag of Argentina.svg Argentina  0  
 Flag of England.svg Inglaterra  2
23 de julho - Liverpool
   Flag of Portugal.svg Portugal  1  
 Flag of Portugal.svg Portugal  5
30 de julho – Londres
 Flag of North Korea.svg Coreia do Norte  3  
 Flag of England.svg Inglaterra  4
23 de julho - Sheffield
   Alemanha Alemanha Ocidental  2
 Alemanha Alemanha Ocidental  4
25 de julho - Liverpool
 Flag of Uruguay.svg Uruguai  0  
 Alemanha Alemanha Ocidental  2 Terceiro Lugar
23 de junho – Sunderland
   Flag of the Soviet Union.svg União Soviética  1  
 Flag of the Soviet Union.svg União Soviética  2  Flag of Portugal.svg Portugal  2
 Flag of Hungary.svg Hungria  1    Flag of the Soviet Union.svg União Soviética  1
28 de Julho - Londres

Quartas-de-final[editar | editar código-fonte]

23 de julho 1966
15:00
Flag of Portugal.svg Portugal 5–3 Flag of North Korea.svg Coreia do Norte Liverpool, Goodison Park
Árbitro: Ashkenazi (Israel)
Público: 51000

Eusébio 27', 43' (pen), 56', 59' (pen)
José Augusto 80'
Relatório Pak-Seung Zin 1', Li Dong Woon 22', Yang Sung Kook 25'

23 de julho 1966
15:00
Alemanha Alemanha Ocidental 4–0 Flag of Uruguay.svg Uruguai Sheffield, Hillsborough Stadium
Árbitro: Finney (Inglaterra)
Público: 34000

Haller 11', 83'
Beckenbauer 70'
Seeler 75'
Relatório

23 de julho 1966
15:00
Flag of the Soviet Union.svg União Soviética 2–1 Flag of Hungary.svg Hungria Sunderland, Roker Park
Árbitro: Gardeazábal (Espanha)
Público: 22100

Chislenko 5'
Porkuyan 46'
Relatório Bene 57'

23 de julho 1966
15:00
Flag of England.svg Inglaterra 1–0 Flag of Argentina.svg Argentina Londres, Wembley Stadium
Árbitro: Kreitlein (Alemanha Ocidental)
Público: 90000

Hurst 78' Relatório

Semifinal[editar | editar código-fonte]

25 de julho 1966
19:30
Alemanha Alemanha Ocidental 2–1 Flag of the Soviet Union.svg União Soviética Liverpool, Goodison Park
Árbitro: Lo Bello (Itália)
Público: 38300

Haller 42'
Beckenbauer 67'
Relatório Porkuyan 88'

26 de julho 1966
19:30
Flag of England.svg Inglaterra 2–1 Flag of Portugal.svg Portugal Londres, Wembley Stadium
Árbitro: Schwinte (França)
Público: 95000

B. Charlton 30', 80' Relatório Eusébio 82' (pen)

Disputa do terceiro lugar[editar | editar código-fonte]

28 de julho 1966
19:30
Flag of Portugal.svg Portugal 2-1 Flag of the Soviet Union.svg União Soviética Londres, Wembley Stadium
Árbitro: Dagnall (Inglaterra)
Público: 88000

Eusébio 12' (pen)
Torres 89'
Relatório Malafeyew 43'

Final[editar | editar código-fonte]

30 de julho 1966
15:00
Flag of England.svg Inglaterra 4–2
(pro)
Alemanha Alemanha Ocidental Londres, Wembley Stadium
Árbitro: Dienst (Suíça)
Público: 98000

Hurst 18', 101', 120'
Peters 78'
Relatório Haller 12'
Weber 89'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Inglaterra
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Alemanha Ocidental

Grupos[editar | editar código-fonte]

Grupo 1[editar | editar código-fonte]

Grupo 2[editar | editar código-fonte]

Grupo 3[editar | editar código-fonte]

Grupo 4[editar | editar código-fonte]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Campeão da Copa do Mundo FIFA de 1966
Flag of England.svg
Inglaterra
Primeiro Título

Artilharia[editar | editar código-fonte]

9 gols
6 gols
4 gols
3 gols

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Esta foi, até agora, a única edição da Copa do Mundo cuja final aconteceu em um sábado.
  • Este mundial foi transmitido ao vivo pela televisão para 20 países europeus, através da Eurovision. O México desejava a transmissão do evento ao vivo, mas com a dificuldade das transmissões via satélite entre continentes (não havia transmissões via satélite para todo o mundo ainda, só para a Europa), ficou impossibilitado de realizar tal feito. Uma equipe da Televisa, (principal emissora de televisão do México) com 100 profisionais, esteve em visita nos estúdios da BBC britânica para fazer um estágio de aprendizado justamente durante o período do evento, com vistas a fazer a cobertura da Copa do Mundo 4 anos depois, que seria em seu país. De volta ao país, a equipe mexicana recebeu a preço de custo, os "tapes" dos jogos do campeonato.
  • O goleiro mexicano Antonio Carbajal quebrou um recorde nesse mundial. Ele se tornou nessa edição o jogador que mais disputou Copas do Mundo: 5. Considerando sua estreia em mundiais no Brasil, em 1950, ele disputou na Inglaterra seu quinto mundial. Tal feito nunca foi superado. Apenas foi igualado na França, em 1998, pelo líbero alemão Lothar Matthäus.
  • Curiosamente, nessa edição do Mundial, Carbajal não sofreu gols quando disputou somente a partida em que o México empatou por 0-0 com o Uruguai na primeira fase. Nos jogos em Copas anteriores, sempre sofreu gols.
  • Houve rumores que a seleção da Coreia do Norte enganava a todos os envolvidos na Copa, por falta de fiscalização por parte da FIFA e dos organizadores da Copa, os jogadores norte-coreanos atuavam com 11 jogadores e na hora do intervalo eles trocavam as camisas no vestiário e vinham pro segundo tempo com 11 jogadores diferentes, dado o fato que os coreanos eram de fisionomias semelhantes.
  • No jogo Coreia do Norte-Portugal, registou-se uma das maiores revira-voltas de resultados em Campeonatos do Mundo. Nesse espectacular jogo, a selecção portuguesa esteve a perder 3-0 aos 25 minutos, mas acabou vencendo por 3-5, num jogo memorável para Eusébio, já que apontou 4 golos.
  • Contra as regras estabelecidas, Portugal foi obrigado a deixar Liverpool na véspera da meia-final para ir jogar a Wembley, em Londres, quando deveria ser a selecção Inglesa a deslocar-se a Liverpool.
  • Essa edição do Mundial passou para a história como o "Campeonato Mundial da Violência". Se a edição anterior disputada no Chile teve alguns lampejos de violência, abafados pela atitude enérgica da arbitragem, o Mundial de 1966 chegou ao absurdo de ter pontapés e pancadaria generalizada nas partidas, com a condescendência dos árbitros europeus.
  • A violência começou a rolar nas quartas-de-final. No jogo Alemanha x Uruguai, em Sheffield, os alemães venceram com facilidade por 4-0. Mas só começaram a construir o placar depois que o árbitro inglês Jim Finney expulsou os uruguaios Troche e Héctor Silva por jogo violento. Na verdade, os uruguaios só revidaram as agressões dos alemães, que davam seus pontapés à vontade sem que o árbitro marcasse. E os uruguaios ainda reclamaram de um pênalti não marcado quando o zagueiro Schnellinger colocou a mão numa bola que estava na linha do gol, quando o jogo estava 0-0.
  • No jogo Inglaterra e Argentina, em Wembley, os ingleses seguraram os argentinos na base da pancadaria. O maestro da violência era o volante inglês Nobby Styles, que dava de joelhadas a "tesouras voadoras" nos argentinos. As maiores vítimas da brutalidade britânica foram os meias argentinos Onega e Rattín. Ao tentar cobrar do árbitro alemão Rudolf Kreitlein uma atitude mais enérgica em relação à brutalidade dos britânicos, Rattín foi expulso. Como na época não havia cartões amarelos e vermelhos, ele foi escoltado para fora do campo com a ajuda da polícia. No caminho para os vestiários, o capitão argentino foi vaiado pela plateia e teve copos de cerveja atirados em sua direção. Mesmo com 10 jogadores, a Argentina segurou o placar até os 32 minutos do segundo tempo, quando Geoff Hurst marcou de cabeça o gol que garantiu a Inglaterra nas semifinais.
  • Styles usava dentes postiços na parte frontal da arcada superior, que ele tirava somente na hora do jogo.
  • Após a partida, o treinador inglês Alf Ramsey declarou que "os argentinos eram animais". Tal declaração foi muito mal recebida em todo o mundo. Em resposta a Ramsey, os argentinos chamaram os ingleses de "ladrões das Ilhas Malvinas".
  • Devido aos incidentes nessa partida, a FIFA puniu a Associação de Futebol Argentino (AFA), e puniu Rattín e o meio-campista Ferrero. Contra Kreitlein, Styles e Ramsey, a FIFA nada fez.
  • Esse episódio do jogo Inglaterra x Argentina, aliado ao que ocorreu na partida Alemanha x Uruguai e o que ocorreu com o Brasil na primeira fase, em que seus jogadores-chave (incluindo o rei Pelé) foram vítimas de faltas muito duras, com a complacência de árbitros ingleses, foi levantada a hipótese de que a FIFA, presidida pelo inglês Stanley Rous, estaria envolvida em um complô para impedir que as seleções sul-americanas chegassem às semifinais e até mesmo ganhassem outra Copa do Mundo na Europa.
  • Antes da Copa, os prognósticos indicavam que somente as três potências sul-americanas (Brasil, Uruguai e Argentina) tinham condições de fazer frente às seleções europeias a ponto de vencerem a Copa do Mundo. Suas eliminações, extremamente suspeitas, colocaram em xeque a credibilidade do Mundial.
  • Na semifinal entre Alemanha Ocidental e União Soviética, outra polêmica. O árbitro italiano Concetto Lo Bello marcava faltas a favor dos alemães e era complacente com as faltas favoráveis aos soviéticos. De tanto apanhar, o atacante soviético Igor Chislenko ficou mancando. Como naquela época não havia substituições, ele teve que ficar "fazendo número" até os 18 minutos do segundo tempo, quando fez uma falta, e chutou o alemão Held quando este estava caído, sendo expulso. Outra vítima dos alemães-ocidentais foi o centroavante Porkuyan, que passou o dia seguinte cuidando das feridas e hematomas nas canelas.
  • Na partida inicial entre Inglaterra e Uruguai em Wembley, o time inglês passou o 1° tempo todo no ataque, enquanto os uruguaios se defendiam. No intervalo de jogo, enquanto a equipe uruguaia, a caminho dos vestiários, saudou Vossa Majestade a Rainha Elizabeth II, presente ao campo, metade do time inglês não fez o mesmo.
  • A partida final, entre Inglaterra e Alemanha contou com um torcedor inusitado: o pugilista Cassius Clay (que ainda não se chamava Muhammad Ali), e que estava no país para defender o título mundial em uma luta na semana seguinte, e aproveitou a oportunidade para assistir à partida, junto com time de seguranças, seu empresário e assessores.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]