Orlando Peçanha de Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Orlando Peçanha
Orlando Peçanha
Orlando Peçanha na capa da revista El Gráfico de 1967
Informações pessoais
Nome completo Orlando Peçanha de Carvalho
Data de nasc. 20 de setembro de 1935
Local de nasc. Niterói, RJ, Brasil
Falecido em 10 de fevereiro de 2010 (74 anos)
Local da morte Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Informações profissionais
Posição Quarto-zagueiro
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1953–1960
1961–1965
1965–1969
1970
Brasil Vasco da Gama
Argentina Boca Juniors
Brasil Santos
Brasil Vasco da Gama

00105 000
Seleção nacional
1958–1966 Brasil Brasil 0034 000(0)
Orlando Peçanha, no centro

Orlando Peçanha de Carvalho, mais conhecido como Orlando Peçanha (Niterói, 20 de setembro de 1935 — Rio de Janeiro, 10 de fevereiro de 2010)[1] foi um futebolista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Revelado pelo Vasco, pelo qual atuou entre 1953 e 1960. Pelo clube, chegou à seleção brasileira em 1958. No mesmo ano, formou a zaga titular da equipe campeã na Suécia ao lado de Bellini, seu companheiro no clube carioca, atuando em todos os seis jogos da equipe no Mundial. Em 1960, foi contratado pelo Boca Juniors, onde permaneceu até 1964 e atuou ao lado de outros brasileiros (Dino Sani, Paulo Valentim e Almir Pernambuquinho). No clube argentino, foi campeão nacional em 1962 e 1964. A transferência para o exterior acabou impedindo sua convocação para a Copa de 1962, perdendo a chance de ser bicampeão mundial no Chile. Na época, atletas brasileiros que atuavam no exterior não eram convocados para a seleção.

Voltou ao Brasil em 1965 para atuar no Santos. No alvinegro praiano, foi campeão paulista em 1965 e 1967 e da Taça Brasil de 1965. Aos 31 anos, retornou a seleção brasileira que disputou a Copa do Mundo FIFA de 1966. No Mundial disputado na Inglaterra, sofreu sua única derrota em 34 partidas pela seleção: 3 a 1 para Portugal, jogo que eliminou o Brasil do torneio. Encerrou a carreira em 1970 aos 35 anos no Vasco.

Após pendurar as chuteiras, tentou iniciar a carreira de treinador, comandando o CSA, em 1977, e o Vitória, em 1980. Mas acabou se destacando por defender os interesses dos treinadores, como presidente da Associação Brasileira de Treinadores de Futebol.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

  • 34 jogos (25 vitórias, 7 empates e uma derrota)

Copas do Mundo[editar | editar código-fonte]

  • 1958 e 1966. - 7 jogos (5v, 1e, 1d)

Títulos[editar | editar código-fonte]

Clubes[editar | editar código-fonte]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Referências

Precedido por
Aymoré Moreira
Treinador do Vitória
1980
Sucedido por
João Vieira