Mengálvio Pedro Figueiró

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mengálvio
Informações pessoais
Nome completo Mengálvio Pedro Figueiró
Data de nasc. 17 de dezembro de 1939 (74 anos)
Local de nasc. Laguna,  Brasil
Informações profissionais
Clube atual aposentado
Posição meio campo
Clubes de juventude
? Brasil Barriga Verde-SC
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
 ?
1957-1959
1960-1967
1968
1968
1969
Brasil Barriga Verde-SC
Brasil Aimoré
Brasil Santos
Brasil Grêmio
Brasil Santos
Colômbia Millonarios
 ? (?)
? (?)
371 (28)
? (?)
? (?)
? (?)
Seleção nacional
1962 Brasil Brasil 14 (1)

Mengálvio Pedro Figueiró, mais conhecido como Mengálvio (Laguna, 17 de dezembro de 1939), é um ex-futebolista brasileiro.

Revelado pelo Barriga Verde, um clube de sua cidade natal, foi bicampeão mundial interclubes (1962,1963) e bicampeão da Libertadores (1962,1963) pelo Santos FC. O jogador esteve com a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1962 e foi o reserva de Didi, no Chile, quando o Brasil conquistou o bicampeonato mundial. Pela Seleção, Mengálvio fez catorze partidas e marcou um gol, em 15 de março de 1960[1] , em jogo válido pelo Campeonato Pan-Americano.

Pelo Santos, estreou em 19 de abril de 1960, no empate por 2 a 2 contra a Portuguesa de Desportos, uma partida do Torneio Rio-São Paulo. Em sua passagem pelo clube, fez 371 partidas e marcou 28 gols[2] , tendo sido seis vezes campeão paulista (1960, 1961, 1962, 1964, 1965 e 1967), cinco vezes vencedor da Taça Brasil (1961, 1962, 1963, 1964 e 1965), entre outras conquistas. Fez parte daquela que é considerada uma das maiores linhas de ataque do futebol mundial[3] : Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe.

Recebeu o passe livre do Santos no final de 1968[4] ("A liberação é um justo prêmio aos inestimáveis serviços que Mengálvio prestou à coletividade alvinegra, com dedicação, real valor e consciência profissional exemplar, tanto em campos brasileiros como no exterior", disse, à época, o então presidente do Santos, Athiê Jorge Coury. "Seus feitos e a sua participação marcante a serviço do Santos e do glorioso futebol brasileiro permanecerão inolvidáveis, e aqui permanecerão amigos e admiradores que, nesta oportunidade, com estima, lhe desejam votos de toda sorte de felicidade e de sucesso ímpar em sua consagrada carreira.")[5] e, em 1969, foi campeão do Torneo Finalización, jogando pelo Millonarios, da Colômbia.

De acordo com o livro Time dos Sonhos, do jornalista Odir Cunha, Mengálvio, por ser bonachão e desligado, era vítima constante de brincadeiras por parte de seus amigos de clube. No mesmo livro, o também ex-jogador Coutinho conta que, certa vez, o meia chegou a um hotel bastante cansado e acabou adormecendo sobre as malas que levava no elevador, permanecendo assim durante muito tempo. Outro amigo de clube de Mengálvio que também conta passagens interessantes sobre o meia[6] é o ex-ponta esquerda Pepe, em seu livro Bombas de Alegria.

Referências

  1. Jogos da seleção brasileira em 1960
  2. O time dos sonhos
  3. Santos completa 100 anos e Pepe narra a saga da maior linha de ataque do Brasil
  4. (19 de dezembro de 1968) "Orlando e Mengalvio recebem passe livre". Folha de S. Paulo (14 431): 35 pp.. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. ISSN 14145723.
  5. (20 de dezembro de 1968) "Santos dá passe livre também para Mengálvio". O Estado de S. Paulo (28 743): 22 pp.. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 15162931.
  6. Dois causos sobre Mengálvio


Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre um futebolista brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.