Clube Esportivo Aimoré

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aimoré
CE Aimoré.png
Nome Clube Esportivo Aimoré
Alcunhas Índio Capilé
Torcedor/Adepto Aimoresista
Mascote Índio
Fundação 26 de março de 1936 (78 anos)
Estádio Cristo Rei
Capacidade 10.000[1]
Presidente Brasil André Luiz Schu
Treinador Brasil Hélio Vieira
Patrocinador Groove Industria de Blocos de Concreto, Higra, Grupo Baram, Unimed,SKA Automação
Material esportivo Brasil Dresch Sport
Kit left arm aimore14h.png Kit body aimore14h.png Kit right arm aimore14h.png
Kit shorts aimore14h.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm aimore14a.png Kit body aimore14a.png Kit right arm aimore14a.png
Kit shorts aimore14a.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
Kit left arm aimore14t.png Kit body aimore14t.png Kit right arm aimore14t.png
Kit shorts aimore14t.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

O Clube Esportivo Aimoré é um clube brasileiro de futebol, sediado na cidade de São Leopoldo, no estado do Rio Grande do Sul. Suas cores são azul e branco.

História[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

O início

O Aimoré foi fundado no dia 26 de março de 1936 por Emílio Dietrich, Nelson Presser, João Ignácio da Silveira, Armando Jost, Plínio Hauschild, Orlando Haas, Alcides Cunha, Felisberto Ramos Filho, Rubem Presser, Walter Haas, Aníbal Lopes Diniz, Djalmo Luiz da Silva e Werner Schmidt.

A primeira diretoria do Aimoré ficou assim estabelecida:

  • Presidente: João Ignácio da Silveira
  • Vice-presidente: Frederico Luiz Weinmann
  • Presidentes honorários: Ernesto Gaspary e Emílio Sander
  • Primeiro secretário: Anibal Lopes Diniz
  • Segundo secretário: Nelson Presser
  • Primeiro tesoureiro: Plínio Hauschild
  • Segundo tesoureiro: Armando Jost
  • Capitão-geral e Guarda-sport: Alcides Cunha
  • Comissão fiscal: Emílio Dietrich, Orlando Haas e Luiz Horn.

O primeiro nome sugerido para o clube foi Maba Foot-Ball Clube, sendo alterado no dia da fundação para Clube Esportivo Aymoré. A primeira sede situava-se em um prédio ao lado de um armazém pertencente a João Ignácio da Silveira, primeiro presidente do Aimoré, no número 1.058 da Rua do Comércio (atual Rua Dr. Hillebrand, no Bairro Rio dos Sinos).

Primeiro campo

O primeiro campo do Aimoré localizava-se em uma chácara de propriedade de Henrique Bier, no atual Bairro Campina. O campo era rodeado por eucaliptos e foi utilizado pelo clube até 1940. Posteriormente, foi adquirido um terreno de propriedade da família Gernhart, no Bairro Rio dos Sinos, onde foi construído o primeiro estádio do Aimoré: a Taba Índia, que recebeu jogos do Aimoré até 1961.

Primeiras partidas

O primeiro jogo da história do Aimoré ocorreu em 5 de abril de 1936, derrota para o Voluntários por 3 a 1. A primeira equipe de futebol era assim formada: Romeu Alfen; Osvaldo Oliveira e Darcy Mugica; João Sassen, Nelson Presser e Emílio Silva; Rubem Schneider, Aníbal Lopes Diniz, Dilermando Reis, Victor Crusius e Rubem Presser.

A primeira vitória ocorreu no dia 3 de maio, um a zero sobre o Sport Club Lombagraense.

Anos dourados[editar | editar código-fonte]

A década de 1950 marca o início da profissionalização do Aimoré. Em 1953, o Internacional, através do seu presidente Ephraim Pinheiro Cabral, convidou o Aimoré para integrar a elite do futebol gaúcho (então chamada Divisão de Honra). Foi uma resposta ao Grêmio, que dias antes fizera o convite ao maior rival do Aimoré da época, o Floriano (atual Novo Hamburgo). No mesmo ano, seria realizado o primeiro "Clássico do Rio dos Sinos", em 19 de abril, com derrota do Aimoré para Floriano por 6 a 1. Geada (4 vezes), Soligo e Martins marcaram os gols da equipe de Novo Hamburgo, enquanto Charuto anotou o gol solitário do Aimoré.

No final de 1955, o Aimoré jogaria pela primeira vez fora do estado, ao realizar excursão à Santa Catarina, onde perdeu apenas uma partida.

O clube cedeu cinco jogadores para seleção gaúcha que conquistou o campeonato panamericano de 1960 representando o Brasil. Eram eles: Suli, Soligo, Marino, Mengálvio (que acabou indo jogar no Santos de Pelé) e Gilberto Andrade.

Cristo Rei[editar | editar código-fonte]

O lançamento da pedra fundamental do atual estádio do Aimoré ocorreu em 1958. Através do empresário João Correa da Silveira, o Aimoré conseguiu a elaboração gratuita da planta para a nova praça de esportes do clube, feira pela empresa construtora Dietschi.

Em 1959, dirigentes do Aimoré tentaram um empréstimo de dez milhões de cruzeiros junto à Caixa Econômica Federal, para a construção de seu novo estádio, no Bairro Cristo Rei. Porém, ao descobrir que o empréstimo sairia caro aos cofres do clube, os dirigentes desistiram da oferta e resolveram arrecadar dinheiro através de campanhas entre dirigentes e associados.

No dia 26 de março de 1961, data do 25º aniversário do Aimoré, foi inaugurado o Estádio João Correa da Silveira, popularmente conhecido como Cristo Rei, em uma partida amistosa do clube com o Internacional. O Aimoré venceu por 1 a 0, com gol marcado pelo centro-avante Uga, aos 44 minutos do primeiro tempo.

Ainda em 1961, o Aimoré realizou uma excursão à Argentina, disputando oito partidas, obtendo 4 vitórias, 2 empates e 2 derrotas. Estreou em solo argentino perdendo para o Huracán por 1 a 0. Em seguida, viajou para Tandil, onde venceu um selecionado local por 3 a 1, gols de Toruca, Osquinha e Bira. Empatou por 1 a 1 com o Boca Juniors no La Bombonera, com gol do centroavante Uga. Na seqüência, perdeu para o River Plate por 2 a 0. Em San Rafael, o Aimoré fez 3 a 0 na seleção local, com gols de Uga, Sebastião e René. Em San Juan, contra uma seleção da cidade, vitória por 2 a 1, gols de André Heinz e Parobé. Em nova partida com a Seleção de San Juan, o Aimoré venceu por 3 a 0 (dois gols de Uga e um de Daudt). No último jogo na Argentina, empate em 1 a 1 contra a Seleção de Mendoza. Sérgio Moacir Torres Nunes era o treinador na excursão.

Recomeço no futebol[editar | editar código-fonte]

Após os anos 70 o Aimoré entrou em um declínio financeiro e técnico, caindo para a segunda divisão gaúcha algumas vezes. Após a queda em 1994 o clube entrou em crise, licenciando-se do futebol profissional em 1997. Em 2006 o Índio Capilé retornou aos campos, iniciando um processo de reestruturação de seu departamento de futebol. Após cair, em 2011, para a terceira divisão do Gauchão, o Aimoré investiu forte e se sagrou campeão da Segundona (Terceira Divisão) em 2012. Em 2013 o Índio Capilé faz história, termina a Divisão de Acesso em 3º lugar e retorna, após duas décadas, à 1ª Divisão do Gauchão.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Cscr-featured.png Campeão invicto

Estaduais
Competição Títulos Temporadas
Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho - Série C 1 2012
Municipais
Competição Títulos Temporadas
Brasao Sao Leopoldo.jpg Campeonato Citadino de São Leopoldo 5 1942, 1943, 1945, 1950 e 1951
Campanhas em destaque
Competição Colocação Temporadas
Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho - Série B Vice-campeão 1981 e 1987

Outras Conquistas[editar | editar código-fonte]

Categorias de base

Artilheiros[editar | editar código-fonte]

  1. Ryan Roberto - 1964 (23 gols).
  1. Décio Antônio - 1982 (22 gols).

Ídolos[editar | editar código-fonte]

 

Presidentes[editar | editar código-fonte]

  • 1936 – João Ignácio da Silveira
  • 1937 a 1941 – Frederico Luiz Weinmann
  • 1942 – Emílio H. Matte
  • 1943 – Frederico Luiz Weinmann
  • 1944 – Ingo Cornélius
  • 1945 – Clóvis Barbosa
  • 1946 – João Corrêa da Silveira
  • 1947 – Emílio H. Matte
  • 1948 – Ingo Cornélius
  • 1949 a 1959 – Aloysio Boll
  • 1951 – Emílio H. Matte
  • 1952 – Adelpho Pinto
  • 1953 – Hélio Minghelli
  • 1954 – Nero Faria Leal
  • 1955 a 1956 – Itacyr Mandelli
  • 1957 – Alberto Carlos Guinter
  • 1958 – Gesner Reis
  • 1959 – Siegbert Saft / Guilherme da Paz
  • 1960 – Edmar Kappel
  • 1961 – Gesner Reis
  • 1962 – Ítalo Gall / Nelson Presser
  • 1963 – Edmar Kappel
  • 1964 a 1965 – Edgar Floriano Feller
  • 1966 – Sergio Travi
  • 1967 – Edgar Floriano Feller
  • 1968 a 1969 – Sérgio Travi
  • 1970 a 1973 – Siegbert Saft
  • 1974 – Manoel Luiz Nunes / Ronaldo Reis
  • 1975 – Luiz Scalco
  • 1976 a 1977 – Rudy Ritter
  • 1978 – Álvaro Cardoso
  • 1979 a 1980 – Anselmo Weschenfelder
  • 1981 a 1984 – Gesner Reis
  • 1985 – Rudy Ritter / João Augusto Becker
  • 1986 a 1988 – João Augusto Becker
  • 1989 – Raul Gaudert
  • 1990 – Carlos Alberto Bedin
  • 1991 – Jandir da Rosa
  • 1992 – Jandir da Rosa / Carlos Alberto Bedin / Luiz Scalco / Álvaro Cardoso / Heitor Haubert
  • 1993 – Heitor Haubert
  • 2005 a 2008 – Reni de Oliveira
  • 2008 a 2010 – Sandro Borowski / Sandro Cardoso / Telmo Heofel Filho
  • 2010 a 2012- Márcio Picoli
  • 2013 a 2014 - Felipe Floriani Becker
  • 2014 até os dias atuais - André Luiz Schu

Barra-Brava[editar | editar código-fonte]

  • Los Reyes Del Barrio, fundada em 2008.

Rivalidade[editar | editar código-fonte]

O principal rival do Aimoré é o Novo Hamburgo. O clube também cultiva uma rivalidade recente com Sapucaiense.

Publicações sobre o Aimoré[editar | editar código-fonte]

Livros
  • SILVEIRA, Abel & PIRES, Ribeiro. Aimoré – Um clube guerreiro. São Leopoldo: Rua Grande Gráfica e Editora, 1993.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.