Arena do Grêmio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arena do Grêmio
Arena gremio.JPG
Arena do Grêmio.jpg
Arena do Grêmio em um jogo do Brasileirão 2014
Nome Arena do Grêmio
Características
Local Avenida Padre Leopoldo Brentano, 13.361 (Bairro Humaitá)[1]
CEP 90250-590[2]

Porto Alegre (RS),  Brasil

Gramado Grama natural (Lolium Perenne e Desso GrassMaster) (105 x 68 m)
Capacidade 55.538[3]
Construção
Data 2010 a 2012
Custo R$ 600 milhões
Inauguração
Data 8 de dezembro de 2012
Partida inaugural Grêmio 2-1 Hamburgo (ALE)
Primeiro gol André Lima (Grêmio)
Recordes
Público recorde 60.540
Data recorde 8 de dezembro de 2012
Partida com mais público Grêmio 2-1 Hamburgo (ALE)
Outras informações
Proprietário Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense[4] [5] [6] [7]
Administrador Arena Porto-Alegrense
Arquiteto António Monteiro, Pedro Santos (PLARQ - Atelier de Arquitetura Multidisciplinar)[8]
Mandante Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense

Arena do Grêmio é um estádio multiuso localizado na cidade de Porto Alegre, Brasil, e é a casa do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense.[5]

Foi inaugurada em 8 de dezembro de 2012 com um show dos artistas americanos do Blue Man Group e uma partida amistosa contra o clube alemão Hamburgo, vencida pelo Grêmio pelo placar de 2 a 1, repetindo o resultado da final de 1983, quando o clube gaúcho conquistou o Campeonato Mundial de 1983 no Japão.

História[editar | editar código-fonte]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Narração para página Arena do Grêmio

Em meados da década de 2000, surgiu a ideia, dentro do Grêmio, de se construir um novo estádio para sediar as partidas do Tricolor. A ideia foi levada a cabo em 2006, com o começo de estudos de viabilização da obra. O objetivo era de fazer um estádio autossustentável, ao contrário do atual Olímpico Monumental. Em maio de 2006, foi formulado o plano diretor patrimonial do Grêmio, que, justamente, encaminhava o projeto.[9]

A partir daí, se iniciou uma discussão a respeito do local da construção, isto é, na área atual do Olímpico ou em um novo lugar. Em novembro de 2006, com vistas a dirimir esta dúvida, foi feito um estudo de pré-viabilidade para a construção de um novo estádio, com a empresa holandesa Amsterdam Advisory Arena.

A conclusão foi de que o estádio Olímpico não atenderia às expectativas do clube, devido a alto custo de manutenção, idade da construção, baixo padrão de conforto, segurança e serviços, estacionamentos insuficientes e localização em região muito habitada.[9]

Esse conjunto de fatores levou o clube a optar pela construção de uma arena, com a ajuda financeira de parceiros, com o padrão exigido pela FIFA.[10]

Arena do Grêmio do lado de fora, no por do sol

Processo para a construção[editar | editar código-fonte]

Em 2007, uma carta para interessados foi divulgada, visando atrair empresas para o projeto.[9] Como únicos interessados com propostas analisadas pela direção estavam as construtoras OAS e Odebrecht. A primeira propunha um consórcio com a TBZ, administradora de estádios, com 65% da renda do estádio indo para o Grêmio e 35% para o consórcio, durante vinte anos.

A segunda previa que metade os lucros iriam para cada lado. Em março de 2008, a proposta da OAS foi a escolhida; a construtora rompera a parceria com a TBZ algum tempo antes.[11] [12]

As garantias para a construção seriam dadas pelo banco Efisa, o que depois foi mudado para o Banco Santander.[12] Para a construção da Arena, a OAS ainda contaria com quatro parceiros, excluindo a TBZ, que acabou falindo: Veirano Advogados, Banco Santander, Plarq Arquitetura e Gismarket.[9] Em 18 de dezembro de 2008, a OAS assinou contrato com o Grêmio para a construção da arena.[11]

Com vista da impossibilidade de se construir um local atrativo financeiramente na área do estádio Olímpico, um terreno no bairro Humaitá, em Porto Alegre, foi escolhido como o local para se erguer a Arena. Em 17 de dezembro de 2008, foi aprovado no Conselho Deliberativo do Grêmio o contrato com a OAS e formalmente o processo se iniciou.[13]

Para poder continuar com o projeto, foi criada uma comissão especial, a Grêmio Empreendimentos. Ela foi formada originalmente por sete conselheiros do clube, Adalberto Preis (presidente da comissão), Paulo Odone, Alexandre Grendene, Teodoro Pedroti, Saul Berdichevski, Mauro Knijinik e Pedro Ruas; em setembro de 2010, os integrantes eram Adalberto Preis, Evandro Krebs, Geraldo Nogueira da Gama, Mauro Knijnik, Pedro Ruas, Saul Berdichevski e Teodoro Pedrotti[11] .

Apenas em 24 de agosto de 2010 ela foi reconhecida como empresa pela Junta Comercial do Rio Grande do Sul, passando a existir de direito.[14] Ela visa regulamentar e continuar o processo já iniciado.[15] Entretanto, Paulo Odone se retirou do grupo, em fevereiro de 2009[16] , dizendo que tinha "sido saído" e que "eles (outros membros da GE) tomaram conta e deram o golpe".[17] Segundo Odone, enquanto ainda era presidente do clube, “A Arena será o melhor estádio do mundo”, já que supera os padrões FIFA e UEFA cinco estrelas.[18] [19]

O projeto foi aprovado em 29 de dezembro de 2008 na Câmara de Vereadores de Porto Alegre para se adequar ao plano diretor da cidade.[20] Em outubro de 2009, a área da Arena, comprada por 50 milhões de reais,[11] foi demarcada. A construção, contudo, só começará após a liberação da prefeitura municipal.[21]

Segundo Adalberto Preis, presidente da Grêmio Empreendimentos, o financiamento da Arena será feito com 55% de capital da OAS e 45% financiado, com pagamento previsto para sete anos. Uma empresa gestora, cuja principal acionista será o Grêmio, cuidará das receitas geradas pela Arena (exceto as advindas das placas de publicidade)durante o pagamento do financiamento; a OAS, que terá a menor parte, terá co-gestão dela.

Durante os sete anos do financiamento, o clube receberá oito milhões de reais reajustados ao ano. Após os sete anos, o clube receberá dezesseis milhões de reais por ano. Ainda conforme Preis, todo o resto da movimentação financeira terá o comando do Grêmio[22]

Os sócios patrimoniais continuarão com o direito de assistir aos jogos na Arena, nos moldes do que é realizado no estádio Olímpico, conforme informações do jornal Zero Hora de setembro de 2010.[10] Contudo, o repórter Diogo Olivier, divulgara em dezembro de 2009 que os associados, a princípio, teriam de pagar ingresso como todos os outros torcedores, além da mensalidade cobrada.[23]

Contudo, Adalberto Preis afirmou que "Hoje em dia o sócio paga a entrada com a mensalidade, entra no borderô todo o torcedor que entra no Olímpico, e o Grêmio paga essa entrada. Por que na Arena não pode continuar assim? O clube aqui paga para ele mesmo, lá o clube será compensado pelo que receberá da empresa gestora. Essa é uma questão de articulação, de equilíbrio, que a direção terá que buscar na sua política dos sócios, essa é uma decisão dos órgãos do clube".[22]

Conforme Adalberto Preis, até agosto de 2010 faltava apenas a licença de instalação da prefeitura municipal para que a obra se iniciasse. O presidente da Grêmio Empreendimentos estimou que a obra começaria naquele mesmo mês. Preis também contrapôs o secretário extraordinário da Copa do Rio Grande do Sul, dizendo que a Arena não estaria "entregue às traças".[24]

Mesmo com a previsão de Preis, a lançamento oficial das obras do novo estádio só ocorreu em 20 de setembro. Nesse dia, uma carreata foi realizada, do estádio Olímpico até o terreno da arena.[25] [26]

Início das obras[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2009, tapumes foram instalados para cercar a região.[27] Em 13 de maio de 2010, um mastro com uma bandeira do Grêmio havia sido inaugurado no terreno.[28]

O lançamento oficial das obras ocorreu em 20 de setembro de 2010, após uma carreata saída do estádio Olímpico.[10] No mesmo dia, na cerimônia de início da construção, Hugo de León plantou um pedaço de grama do estádio Olímpico no terreno da Arena, após aterrissar em um helicóptero. Posteriormente, o ex-futebolista representou simbolicamente os trabalhos ao apertar o botão de uma máquina e ligá-la.[29]

Protestos por melhores condições de trabalho e mortes[editar | editar código-fonte]

No final de fevereiro de 2011, os cerca de trezentos operários paralisaram suas atividades, protestando por melhores salários, condições de trabalho e moradia, liberação para visitar a família - já que muitos são oriundos do nordeste do país - e um maior tempo de descanso.[30]

Em 09/03/2011 os funcionários da OAS, que haviam entrado em greve no dia 24/02/2011, em votação, aceitaram a proposta feita pela construtora e concordaram em retomar as obras da Arena.[31]

Durante a construção do estádio, dois operários foram mortos. O primeiro, José Elias Machado, que era empregado pela OAS, foi atropelado ao atravessar a BR-290, enquanto se dirigia ao alojamento, no dia 2 de outubro de 2011. Depois da morte, outros operários realizaram um protesto por melhores condições de trabalho. A OAS lamentou o ocorrido.[32] A segunda morte ocorreu em 23 de janeiro de 2013. Araci da Silva Bernardes, então funcionário da Epplan, que prestava serviços à OAS, foi vítima de uma descarga elétrica enquanto trabalhava na manutenção do sistema de iluminação do estádio.[33]

Aditivo[editar | editar código-fonte]

Em reunião realizada em 29 de agosto de 2011, o Conselho Deliberativo do Grêmio aprovou um aditivo ao contrato de construção da nova Arena[34] , celebrado entre o clube e a empresa OAS. Mais de 200 conselheiros participaram do encontro onde se acordou a ampliação dos lugares da Arena, que passaria de 54 mil para 60,5 mil de capacidade, sendo acrescidos mais R$ 65 milhões a obra, provenientes da receita na comercialização de ingressos nos primeiros sete anos de fundação do estádio.

Obras do entorno[editar | editar código-fonte]

Em 2009, a OAS apresentou à Prefeitura de Porto Alegre um estudo de impacto ambiental da futura construção da Arena. A empreiteira responsabilizou-se pela maior parte das obras do entorno do estádio. Entretanto, em 2012, num termo de compromisso entre as duas instituições, parte das obras foi ignorada e outra parte foi delegada indevidamente à prefeitura. Em 2013, o Ministério Público entrou com ação para pedir anulação do acordo. Posteriormente, em fevereiro de 2014, o Tribunal de Contas do Estado determinou a suspensão de repasses de verbas públicas para obras no entorno da Arena.[35]

O município investiu um total de R$ 9,7 milhões nessas obras e o ônus do restante das obras previstas é de 160 milhões de reais. O secretário de gestão pública, Urbano Schmitt, afirmou que a verba investida tem origem federal e que, se não fosse utilizada, voltaria à União. Segundo ele, a OAS não pode ser responsabilizada pelos custos, pois não sabia, em 2009, que o viaduto da RS-448 seria construído, argumento contestado pelo TCE.[36]

Benefícios e Incentivos[editar | editar código-fonte]

Conforme noticiado pelo Jornal Folha de São Paulo, muitos foram os benefícios e incentivos que a OAS e o Grêmio ganharam para construir a Arena, a construtora recebeu terrenos originalmente públicos em troca da construção, isenção fiscal, benefícios com leis de zoneamento, além de não precisar remodelar o sistema viário perto do estádio, ação conhecida como mitigação ao impacto de vizinhança. O clube repassou a OAS terrenos que foram doados pela prefeitura de Porto Alegre em 2010. Mesmo não estando diretamente ligado a Copa do Mundo FIFA de 2014, o Grêmio ganhou para a construção da Arena a mesma isenção fiscal que o Estádio Beira-Rio, algo em torno de R$ 30 milhões, tendo como justificativa o uso do local como campo de treinamento.[37]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Inauguração da Arena do Grêmio

O estádio tem instalados dois telões, a distância para o gramado é de 10 metros da linha lateral até o primeiro lance de cadeiras, existe fosso, que no futuro poderá ser coberto, a capacidade é de 60.540[18] pessoas e as arquibancadas tem a inclinação máxima permitida pela FIFA, o que impossibilita futuras ampliações.[18] [38]

Todos os lugares são cobertos e com cadeiras (exceto no setor Norte). Há quatro lances de arquibancada: a baixa com cadeiras (inferior), média baixa com poltronas (gold), média alta com camarotes (vip) e a mais alta também com cadeiras (superior). O lance de arquibancadas mais próximo ao campo fica a cerca de 10 metros do gramado, contrastando com os 40,7 do Olímpico Monumental.[18]

A área comercial disponível é de 28.000 m². O Grêmio teve a propriedade da Arena a partir da mudança, mas os direitos de superfície (direito de exploração) serão cedidos à Grêmio Empreendimentos em parceria com a OAS Arenas por um período de 20 anos [39] Haverá 5,6 mil vagas de estacionamento. Também estão previstos escritórios de uso corporativo.[18] O clube também terá direito a receber R$7 milhões mais 65% do lucro líquido enquanto o empréstimo do BNDES estiver sendo pago ( primeiros 7 a 8 anos) .

Após, até completar 7 anos de contrato , o clube receberá R$14 milhões anuais mais 65% do lucro da supracitada.[39] O custo estimado é de R$ 600 milhões, pago pela 55% pelo OAS e 45% por empréstimo junto ao BNDES que será pago pela ARENA, a OAS receberá 35 % do lucro .[39]

O entorno do estádio sera inteiramente da construtora OAS e terá um complexo residencial com 67,6 mil m², 2.130 apartamentos e 2,596 vagas de estacionamento; um centro empresarial com 480 salas em dezenove pavimentos, com estacionamento de 2,492 vagas; um hotel com 180 quartos e 180 vagas no estacionamento; um centro comercial com três pavimentos; um centro de eventos com três pavimentos; .[11]

Números da Arena[editar | editar código-fonte]

Arena do Grêmio - Números
J V E D GP GC SG AP
48 30 11 7 68 28 40 70,14%

Jogos Importantes[editar | editar código-fonte]

Inauguração[editar | editar código-fonte]

8 de dezembro de 2012 Grêmio Brasil 2–1 Alemanha Hamburgo Arena do Grêmio, Porto Alegre
22:00 (UTC-2)
André Lima Gol marcado aos 9 minutos de jogo 9'
Marcelo Moreno Gol marcado aos 87 minutos de jogo 87'
Relatório Heiko Westermann Gol marcado aos 71 minutos de jogo 71' Público: 60.540
Árbitro: ParaguaiPAR Carlos Amarilla
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Grêmio
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Hamburgo
G 1 Brasil Marcelo Grohe
LD 31 Brasil Pará
Z 34 Brasil Werley Substituído após 66 minutos de jogo 66'
Z 4 Brasil Naldo
LE 29 Brasil Anderson Pico Substituído após 46 minutos de jogo 46'
V 17 Brasil Fernando Substituído após 46 minutos de jogo 46'
V 5 Brasil Souza
M 7 Brasil Elano Substituído após 46 minutos de jogo 46'
M 10 Brasil Zé Roberto Capitão Substituído após 46 minutos de jogo 46'
A 99 Brasil André Lima Gol marcado aos 9 minutos de jogo 9' Substituído após 46 minutos de jogo 46'
A 21 Brasil Leandro Penalizado com cartão amarelo após 49 minutos 49' Substituído após 65 minutos de jogo 65'
Substituições:
LD 32 Brasil Tony Entrou em campo após 46 minutos 46'
V 8 Brasil Léo Gago Entrou em campo após 46 minutos 46'
M 11 Brasil Marco Antônio Entrou em campo após 46 minutos 46'
M 19 Brasil Marquinhos Entrou em campo após 46 minutos 46'
A 9 Bolívia Brasil Marcelo Moreno Gol marcado aos 87 minutos de jogo 87' Entrou em campo após 46 minutos 46'
M 27 Brasil Rondinelly Entrou em campo após 65 minutos 65'
Z 26 Brasil Saimon Penalizado com cartão amarelo após 89 minutos 89' Entrou em campo após 66 minutos 66'
Treinador:
Brasil Vanderlei Luxemburgo
G 1 República Checa Jaroslav Drobný
LD 5 Países Baixos Jeffrey Bruma
Z 20 Áustria Paul Scharner Capitão
Z 24 Sérvia Slobodan Rajković Substituído após 67 minutos de jogo 67'
LE 6 Alemanha Dennis Aogo Substituído após 46 minutos de jogo 46'
V 13 Alemanha Robert Tesche Penalizado com cartão amarelo após 61 minutos 61' Substituído após 68 minutos de jogo 68'
V 22 Itália Jacopo Sala
M 11 Croácia Ivo Iličević Penalizado com cartão amarelo após 22 minutos 22' Substituído após 81 minutos de jogo 81'
M 8 Venezuela Tomás Rincón
A 16 Suécia Marcus Berg
A 10 Letónia Artjoms Rudņevs Substituído após 46 minutos de jogo 46'
Substituições:
Z 4 Alemanha Heiko Westermann Gol marcado aos 71 minutos de jogo 71' Entrou em campo após 46 minutos 46'
A 40 Coreia do Sul Heung-Min Son Entrou em campo após 46 minutos 46'
M 18 AlemanhaTurquia Tolgay Arslan Entrou em campo após 67 minutos 67'
LD 2 Alemanha Dennis Diekmeier Entrou em campo após 68 minutos 68'
M 25 Noruega Skjelbred Entrou em campo após 81 minutos 81'
Treinador:
Alemanha Thorsten Fink

A celebração de inauguração do novo estádio foi realizada 8 de dezembro de 2012. A principal atração é a partida amistosa entre Grêmio e Hamburgo, mesmo clube que o time gaúcho enfrentou no título da Copa Europeia/Sul-Americana de 1983. Também houve apresentações artísticas e musicais, inclusive com Renato Borghetti e o grupo Blue Man.[40] .

Primeiro Grenal da Arena[editar | editar código-fonte]

4 de agosto de 2013 Grêmio Brasil 1–1 Brasil Internacional Arena do Grêmio, Porto Alegre
16:00 (UTC-3)
Hernán Barcos [Relatório] Leandro Damião Público: 42.000
Árbitro: BrasilBRA Fabrício Neves Correa

Jogos da Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

9 de junho de 2013 Brasil Brasil 3–0 França França Arena do Grêmio, Porto Alegre
16:00 (UTC-3)
Oscar Gol marcado aos 53 minutos de jogo 53'
Hernanes Gol marcado aos 83 minutos de jogo 83'
Lucas Gol marcado aos 90+2 minutos de jogo 90+2'
Relatório Público: 51.643
Árbitro: PeruPER Victor Hugo Carrillo Casanova


Grenais[editar | editar código-fonte]

# Data Torneio Placar Gols Grêmio Gols Internacional
1 4 de agosto de 2013 Campeonato Brasileiro 1–1 Barcos Gol marcado aos 18 minutos de jogo 18' Leandro Damião Gol marcado aos 20 minutos de jogo 20'
2 9 de fevereiro de 2014 Campeonato Gaúcho 1–1 Barcos Gol marcado aos 78 minutos de jogo 78' Fabrício Gol marcado aos 44 minutos de jogo 44'
3 30 de março de 2014 Final - Campeonato Gaúcho 1-2 Barcos Gol marcado aos 14 minutos de jogo 14' Rafael Moura Gol marcado aos 52 minutos de jogo 52' Gol marcado aos 72 minutos de jogo 72'
4 9 de novembro de 2014 Campeonato Brasileiro

Referências

  1. ARENA DO GREMIO
  2. Confirmação do CEP
  3. http://www.gremista-sangueazul.com/2013/05/capacidade-da-arena-diminui-e-setor-da.html
  4. [1]
  5. a b Paulo Sant'Ana (25 de maio de 2013). Paulo Sant'Ana: "Grêmio e OAS chegam a acordo e a Arena agora é nossa". Zero Hora. Página visitada em 29 de maio de 2013.
  6. Luís Henrique Benfica (21 de maio de 2013). "Melhora barbaramente as finanças do clube", diz ex-presidente sobre acordo entre Grêmio e OAS. Zero Hora. Página visitada em 29 de maio de 2013.
  7. Após meses de negociação, Fábio Koff assegura: "A Arena é do Grêmio". Zero Hora (18 de junho de 2013). Página visitada em 18 de junho de 2013. Cópia arquivada em 18 de junho de 2013. "Fábio Koff assegura: "A Arena é do Grêmio""
  8. http://www.plarq.com/index.php
  9. a b c d Apresentação da Arena (ppt). Portal Oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Página visitada em 10 de fevereiro de 2009.
  10. a b c Jornal Zero Hora. 20 de setembro de 2010 - Número 16.453 - 2ª edição. pp. 6-7 do caderno de esportes
  11. a b c d e Jornal Zero Hora. Nº 16.434 - 2ª edição. 01/09/2010. P. 56
  12. a b Arena do Grêmio conta com TBZ e construtora OAS. Sport Marketing. Página visitada em 10 de fevereiro de 2009.
  13. Conselho do Grêmio aprova contrato para construção da Arena. ClicRBS (17 de dezembro de 2008). Página visitada em 10 de fevereiro de 2009.
  14. Grêmio Empreendimentos: De fato e de direito. Sítio do Grêmio (24/08/2010). Página visitada em 25/08/2010.
  15. Preis é o presidente da Grêmio Empreendimentos. Portal Oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense (29 de janeiro de 2009). Página visitada em 10 de fevereiro de 2009.
  16. Paulo Odone pede afastamento da empresa Grêmio Empreendimentos. GloboEsporte.com (10 de fevereiro de 2009). Página visitada em 17 de fevereiro de 2009.
  17. Olivier, Diogo (12 de fevereiro de 2009). "Eles deram o golpe", diz Paulo Odone. Zero Hora.com. Página visitada em 17 de fevereiro de 2009.
  18. a b c d e Apresentação da Arena (ppt). Portal Oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Página visitada em 10 de fevereiro de 2009.
  19. Arena será a melhor do Mundo. Portal Oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense (19 de agosto de 2008). Página visitada em 10 de fevereiro de 2009.
  20. Projeto da Arena do Grêmio é aprovado pelos vereadores. ClicRBS (29 de dezembro de 2008). Página visitada em 10 de fevereiro de 2009.
  21. Schüler, Juliano (8 de outubro de 2009). Área da Arena está demarcada. Zero Hora. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  22. a b Adalberto Preis abordou Arena na Gaúcha. Portal Oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense (15 de dezembro de 2009). Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  23. Olivier, Diogo (16 de dezembro de 2009). Dossiê acirra o debate. Zero Hora. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  24. Preis rebate Antonini sobre Arena: "É ranço político". Zero Hora.com (04/08/2010). Página visitada em 13/08/2010.
  25. Aliatti, Alexandre (20/09/2010). Porto Alegre tricolor: multidão vai às ruas para celebrar Arena do Grêmio. GloboEsporte.com. Página visitada em 20/09/2010.
  26. Grêmio promoverá evento pelo início das obras da arena. ClicRBS (31/08/2010). Página visitada em 31/08/2010.
  27. Terreno da Arena do Grêmio é demarcado. GloboEsporte.com (08/10/2010). Página visitada em 20/09/2010.
  28. Mastro da Arena do Grêmio será inaugurado nesta sexta-feira. GloboEsporte.com (13/05/2010). Página visitada em 20/09/2010.
  29. Aliatti, Alexandre (20/09/2010). De León chega de helicóptero e dá largada às obras da Arena. GloboEsporte.com. Página visitada em 20/09/2010.
  30. Elisandra Borba (24/02/2011). FOTO: Operários paralisam obras da Arena do Grêmio. Zero Hora.com. Página visitada em 24/02/2011.
  31. clicRBS (09/03/2011). Funcionários aceitam proposta para retomar obras na Arena do Grêmio. globo.com. Página visitada em 11/03/2011.
  32. Pedro Moreira (03/10/2011). Após morte de operário da Arena do Grêmio, funcionários incendeiam alojamento. Zero Hora.com. Página visitada em 13/04/2014.
  33. Empresa lamenta morte de operário na Arena do Grêmio e vai ajudar família. Uol (24/01/2013). Página visitada em 13/04/2014.
  34. [2], Reunião aprova aditivo de R$ 65 milhões e Arena terá 60 mil lugares, sendo o maior estádio do Sul.
  35. Juliana Bublitz (07/02/2014). Arena do Grêmio: TCE determina suspensão de repasses para obras do entorno da Arena. Zero Hora. Página visitada em 13/04/2014.
  36. Juliana Bublitz (18/01/2014). Prefeitura já investiu R$ 9,7 milhões em obras no entorno da Arena do Grêmio. Zero Hora. Página visitada em 13/04/2014.
  37. Bächtold, Felipe (27/11/2012). Grêmio usa benefícios fiscais em sua Arena. Folha de São Paulo. Página visitada em 10 de agosto de 2014.
  38. Vieceli, Giuliano (16 de junho de 2008). Fotos e Montagens. Grêmio Arena. Página visitada em 10 de fevereiro de 2009.
  39. a b c Apresentação da Arena (ppt). Portal Oficial do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Página visitada em 10 de fevereiro de 2009.
  40. [Tricolor promete grande evento em dezembro para a abertura da Arena do Grêmio]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Maiores estádios do Brasil  Esta caixa: verdicedite 
Estádio Localização Capacidade
Rio de Janeiro
Maracanã (atual)
Brasília
Mané Garrincha
São Paulo
Morumbi (anterior)
Belo Horizonte
Mineirão
1 Maracanã Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 74 738
2 Mané Garrincha Brasília, Distrito Federal 69 349
3 Morumbi São Paulo, São Paulo 66 795
4 Castelão Fortaleza, Ceará 60 342
5 Arruda Recife, Pernambuco 60 044
6 Mineirão Belo Horizonte, Minas Gerais 58 259
7 Arena do Grêmio Porto Alegre, Rio Grande do Sul 55 538
8 Parque do Sabiá Uberlândia, Minas Gerais 53 350
9 Fonte Nova Salvador, Bahia 51 900
10 Beira-Rio Porto Alegre, Rio Grande do Sul 50 128 Fonte: CBF [3]
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arena do Grêmio