Estádio Raimundo Sampaio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Raimundo Sampaio
Arena Independência
Arena Independência - Atlético x Fluminense.jpg
Estádio após a reforma
Nomes
Nome Estádio Raimundo Sampaio
Apelido Independência
Horto
Características
Local Belo Horizonte, MG, Brasil
Gramado Grama Natural (105 x 68m)
Capacidade 23.018 pessoas[1]
Construção
Data 1947 a 1950
Custo R$ 100 milhões
Inauguração
Data 25 de Junho de 1950 e 25 de Junho de 2012 (reinauguração)
Partida inaugural Iugoslávia 3 x 0 Suíça e América MG 2 x 1 Argentinos Jrs. (reinauguração)
Primeiro gol Rajko Mitić, pela Copa de 1950 e Balsas, em amistoso (reinauguração)
Último Jogo
Recordes
Público recorde 32.722 pessoas
Data recorde 27 de Janeiro de 1963
Partida com mais público Seleção Mineira 1 x 0 Seleção da Guanabara
Outras informações
Remodelado 1985 e 2010
Expandido 1999 e 2010
Fechado 2009
Demolido 2009
Proprietário América Futebol Clube
Administrador BWA - Arena Independência Operadora de Estádio S.A
Mandante América Futebol Clube
Clube Atlético Mineiro

Estádio Raimundo Sampaio, mais conhecido como Estádio Independência, é um estádio de futebol localizado no bairro do Horto, em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil e foi inaugurado em 1950 para a Copa do Mundo de futebol realizada no Brasil.

Inicialmente com capacidade para 30.000 pessoas, hoje possui capacidade para 23.018 pessoas.[1] Pertencia ao licenciado Sete de Setembro Futebol Clube, razão pela qual o estádio é chamado de Independência.

Atualmente é propriedade do América-MG. O nome original é uma homenagem a um ex-presidente do Sete de Setembro.

História[editar | editar código-fonte]

Construção para a Copa do Mundo 1950[editar | editar código-fonte]

Em 1947, o prefeito Otacílio Negrão de Lima escolheu um terreno no bairro Oswaldo Cruz (atual Horto) para construir o estádio que sediaria os jogos de Belo Horizonte na Copa do Mundo FIFA de 1950.

Em 18 de junho de 1950, uma semana antes da inauguração, o time do Sete de Setembro testou e aprovou o gramado.[2]

Sua inauguração ocorreu no dia 25 de junho de 1950, com o jogo Iugoslávia 3 a 0 Suíça.[3] Quatro dias depois, o Independência foi palco de Estados Unidos 1 a 0 Inglaterra, partida considerada a maior zebra da história das Copas do Mundo. O último jogo foi Uruguai 8 a 0 Bolívia em 2 de Julho, na única partida do Uruguai na primeira fase - o time eventualmente ganharia a Copa diante da seleção brasileira em um Maracanã lotado.[2]

Data 1ª equipe Placar 2ª equipe Fase Público
25 de junho Flag of SFR Yugoslavia.svg Iugoslávia 3–0 Flag of Switzerland.svg Suíça Grupo 1 7 336
29 de junho Flag of the United States.svg Estados Unidos 1–0 Flag of England.svg Inglaterra Grupo 2 13 000[2]
2 de julho Flag of Uruguay.svg Uruguai 8–0 Flag of Bolivia.svg Bolívia Grupo 4 5 000

Aquisição pelo América[editar | editar código-fonte]

Torcida do América durante jogo realizado em 2009, antes da reforma.

Inicialmente o estádio pertencia ao Governo do estado de Minas Gerais, mas passou a ser propriedade do clube Sete de Setembro em 1965, após a inauguração do Mineirão.

Em 1989, o América fez um contrato de comodato firmado com o Sete de Setembro ajustado por um período de 30 anos e depois prolongado por mais 50. No entanto, em 1997, o América incorporou o Sete de Setembro e registrou em cartório o bem como patrimônio do América. Desde então, o estádio Independência é propriedade do América Futebol Clube.[3]

Neste estádio o América conquistou o Campeonato Brasileiro Série B em 1997 no confronto contra o Vila Nova-GO e na partida contra o Náutico pela fase final compareceram 18.900 torcedores pagantes. O America conquistou também, nesse estádio, o Campeonato Brasileiro da Série C em 2009.

Em 1999, numa parceria com o Atlético, o América construiu uma arquibancada de estrutura metálica, aumentando a capacidade do estádio para cerca de 30.000 pessoas, além de um placar eletrônico. Mas por falta de segurança, tal arquibancada foi desativada um tempo depois. O fim da parceria também resultou na retirada do placar.

O recorde de público é de 32.721 espectadores, na partida Seleção Mineira 1 a 0 Seleção Guanabara (Carioca), em 27 de janeiro de 1963, pelo primeiro jogo da final do Campeonato Brasileiro de 1962, disputado por seleções estaduais.

Reforma[editar | editar código-fonte]

Independência após a demolição, em Junho de 2010.

Em dezembro de 2008, o Governo de Minas Gerais anunciou a reforma no estádio em um convênio celebrado com o América, que transfere a administração do estádio para a Ademg por 20 anos. O investimento inicial anunciado, foi de R$13 milhões de reais por parte do governo do estado e R$ 31 milhões do governo federal.[4] Em agosto de 2009 o Conselho do Meio Ambiente de Belo Horizonte concedeu a licença ambiental para a reforma.[5]

As obras de reforma tiveram início em 22 de janeiro de 2010, com quase um ano de atraso.[6] A data de entrega da obra, que deveria ser até setembro de 2010, também foi alterada, passando para março de 2011.[7] Todo o estádio foi demolido, com exceção dos vestiários.[8] Com o Mineirão também entrando em reformas em junho, América, Atlético, e Cruzeiro tiveram de jogar fora de Belo Horizonte por dois anos, com jogos na Arena do Jacaré em Sete Lagoas, o Ipatingão em Ipatinga, e o Parque do Sabiá em Uberlândia.[9]

Em 25 de novembro de 2010, foram firmados os primeiros pilares do estádio. O custo da obra aumentou para 70 milhões de reais.[10] Em 2011, problemas do financiamento - com o orçamento inflado para R$ 125 milhões - começaram a ser resolvidos, e a reinauguração prevista para dezembro de 2011.[11] Segundo o projeto, o estádio teria capacidade para 25 mil torcedores, entretanto, o número foi reduzido para 23.950 lugares.[12]

Para aumentar o número de assentos, foram construídos mais dois níveis de arquibancada. Além do primeiro, com 15 mil assentos, o segundo foi destinado à imprensa e os camarotes e terceiro nível recebeu mais seis mil lugares. Nesse último nível, no entanto, o Ministério Público de Minas Gerais identificou a existência de pontos cegos em todos os lugares destinados ao público.[13] Por se tratar de um espaço muito íngreme - com uma altura de 27 metros e a uma inclinação de 45º - foi necessária a instalação de guarda-corpos de grades de metal entrelaçado, que obstruem a visão do campo de jogo.

Segundo o arquiteto Leon Myssior, os guarda-corpos não faziam parte do projeto original, que apresentava como alternativas barras protetoras ou uma proteção transparente (vidro laminado de segurança ou acrílico). A primeira proposta foi vetada por imposição da legislação de segurança do Corpo de Bombeiros, que exigia preenchimento da parte central da proteção e a segunda opção recusada por falta de recursos.[14]

Foto panorâmica do estádio, minutos antes de um jogo do Atlético-MG.

Nova administração[editar | editar código-fonte]

Para manutenção do novo estádio, o Governo do Estado abriu licitação à iniciativa privada, que foi vencida em dezembro de 2011 pelo grupo paulista BWA.[15] A BWA cogita nova expansão do estádio para abrigar 36 mil torcedores.[16]

No dia 14 de fevereiro de 2012, no entanto, a empresa assinou contrato de parceria com o Atlético válido por dez anos, garantindo 45% da receita comercial do estádio. Após questionamentos do Ministério Público, no dia 24 foram realizadas alterações no texto do contrato para que não ocorram duplas interpretações, de maneira a garantir que a administração seja realizada exclusivamente pela BWA. Desta forma, o Clube Atlético Mineiro receberá 45% do resultado líquido apurado pela BWA. Em contrapartida América e Governo de Minas Gerais recebem 5,35% de todo faturamento bruto apurado no Estádio.[17] Em dezembro, nova reunião entre os clubes e o Ministério Público para refazer o contrato garantiram que o América permaneceria como proprietário e o Atlético como sócio da gestora BWA. A participação sobre esses valores seria de 50% para cada um dos sócios, exceto nas receitas de bilheteria em dias de jogos de outras equipes. No caso de jogos do Atlético, o clube fica com 90% do resultado, e os 10% restantes serão considerados como resultado da parceria.[18]

Reinauguração[editar | editar código-fonte]

O estádio foi reinaugurado no dia 25 de abril de 2012 durante cerimônia em que o governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, entregou a chave simbólica do Independência à Bruno Balsimelli, do consórcio BWA, que passou a administrar o local.[19]

A partida inaugural, um amistoso entre América-MG e o Argentinos Juniors, que fez parte das comemorações do centenário do time mineiro, marcou também a ultima partida da carreira do atacante Euller.[20] O pontapé inicial foi dado pelo ex-atacante Jair Bala. 5.998 torcedores estiveram presentes.[21] que terminou com a vitória do time da casa, por 2 a 1, de virada.[22]

Após a inauguração, o Independência logo caiu nas graças das torcidas de América, Atlético e Cruzeiro, sendo considerado um "caldeirão" pelo clima intimista que colaborou para muitas vitórias.[23] Isso se expressou principalmente com o Atlético, inspirando o grito "Caiu no Horto, tá Morto". O time perdeu sua primeira partida no Independência apenas em agosto de 2013, depois de 38 jogos invicto.[24] Durante a Copa Libertadores da América de 2013, o Independência sediou a maior parte da campanha vitoriosa do Atlético, embora apesar do desejo do time foi vetado para a final pela exigência de 40 mil lugares, e assim a partida decisiva ficou para o Mineirão.[25] [26]

Junto do SESC Venda Nova, o Independência serviu de centro de treinamento para dois torneios da FIFA com sede em BH, a Copa das Confederações de 2013 e a Copa do Mundo FIFA de 2014.[27] [28]

Festivais de música[editar | editar código-fonte]

Entre 1997 e 2000, e retornando novamente em 2012, o Independência foi palco dos festivais de música Pop Rock Brasil, Axé Brasil, NET Festival, além da turnê 'Pies Descalzos', da cantora pop colombiana Shakira.

Galeria de fotos[editar | editar código-fonte]

Antes da reforma[editar | editar código-fonte]

Após a reforma[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Ministério Público libera Independência. Globoesporte.com.
  2. a b c VIANA, Arnaldo. BH volta a sediar jogos da Copa do Mundo, Estado de Minas
  3. a b MARTINS, Fernando. Independência será reformado O Tempo
  4. Governo de Minas anuncia reforma do Estádio Independência JusBrasil
  5. Autorizada a reforma do Estádio Independência Globominas.com
  6. MORENO, Bruno. Começa reforma no Independência Hoje em Dia
  7. MORENO, Bruno. Estádio Independência fica pronto somente em março de 2011 Hoje em Dia
  8. ROCHA, Pedro Franco. Em vez da bola, máquinas Estado de Minas
  9. A verdade sobre o Independência
  10. ASTONI, Marco Antônio. Novo estádio Independência ficará pronto até o mês de junho de 2011 Globoesporte.com (25/11/2010)
  11. Após atrasos, reformas do estádio Independência seguem a todo vapor Globoesporte.com (07/04/2011)
  12. Estado vai lançar edital de concessão para o Estádio Independência Hoje em Dia
  13. ARAÚJO, Guyanne (03/02/2012). Independência será reaberto com 6.000 pontos cegos após consumir R$ 120 mi em reforma. UOL Esporte.
  14. Estádio Independência tem seis mil pontos cegos. Portal Vermelho (5 de fevereiro de 2012).
  15. BARROS NETO, Nelson (25/02/2012). Nova arena de MG estoura preço e prazo e acaba na Promotoria. Folha.com.
  16. Projeto amplia capacidade do Estádio Independência para 36 mil pessoas
  17. Atlético-MG não administrará o Estádio Independência, diz Governo. Estadão (24 de fevereiro de 2012).
  18. Contrato do Atlético-MG com Arena Independência é aprovado com ajuste, Globo Esporte
  19. Após 823 dias, Estádio Independência é oficialmente reinaugurado. Globoesporte.com.
  20. REZENDE, Claudio. Após atrasos, Estádio Independência é reinaugurado com festa. Portal Terra.
  21. DUARTE, Gabriel. Com atraso, gafe de político e 'penetras', Independência é inaugurado com festa pelo América-MG. UOL.
  22. PORTELA, Marcelo. América-MG reinaugura o Independência com vitória. Agência Estado.
  23. Caldeirão à Espera de Soluções, Estado de Minas
  24. E a invencibilidade caiu no Horto..., Estado de Minas
  25. Atlético-MG busca 'brechas' para fazer final da Libertadores no Horto, SporTV
  26. Atlético-MG aceita final no Mineirão, mas estuda pedir Independência, Terra
  27. Fifa divulga centros de treinamentos usados na Copa das Confederações
  28. Tudo perfeito

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]