Esporte Clube Siderúrgica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Siderúrgica
EC Siderurgica - MG.svg
Nome Esporte Clube Siderúrgica
Alcunhas Esquadrão de Fogo
Mascote Tartaruga
Fundação 31 de maio de 1930 (84 anos)
Estádio Estádio praia do ó
Capacidade 5000 pessoas
Localização Sabará, MG
Presidente Brasil Valtencir Tarabal
Treinador Brasil Renato Trindade
Patrocinador Não Consta
Competição Minas Gerais Campeonato Mineiro - Segunda Divisão
Kit left arm.png Kit body whiteVwide.png Kit right arm.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm.png Kit body blueV.png Kit right arm.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

O Esporte Clube Siderúrgica é um clube brasileiro de futebol, da cidade de Sabará, no estado de Minas Gerais. É proprietário do Estádio Eli Seabra Filho, que tem como mascote uma Tartaruga (criação do cartunista Fernando Pierucetti, o Mangabeira [1] , por encomenda do jornal 'Folha de Minas, em 1943) e ostenta como suas cores, o azul e o branco.

História[editar | editar código-fonte]

O Siderúrgica foi fundado no dia 31 de maio de 1930, por iniciativa de funcionários da Usina Siderúrgica Belgo-Mineira. O estatuto do clube foi elaborado por uma comissão de 10 membros, presidida por Felicio Roberto, que ocupou o cargo de primeiro presidente da história do Siderúrgica.

O clube foi inicialmente organizado para ser um Clube de Recreação Esportivo dos funcionários da Companhia Siderúrgica Belgo Mineira. A Companhia Siderúrgica Belgo Mineira foi patrocinadora do Clube, empenhando-se para o aprimoramento dos diversos departamentos do Clube, principalmente seu quadro de atletas profissionais. Contribuindo materialmente e financeiramente, possibilitou aos atletas satisfação, alegria e aprimoramento técnico e físico. Isso foi um exemplo de responsabilidade social em seu tempo, pois oferecia, através da Belgo Mineira, uma garantia de aprendizado de uma outra profissão, com a possibilidade, quando encerrava-se a carreira futebolística, do jogador trabalhar no ramo siderúrgico.

O primeiro campo de futebol foi construído em terreno da Praia do Ó, doado pelo Recreio Club Siderúrgica, e com o patrocínio da Belgo-Mineira. A primeira partida aconteceu em 17 de agosto de 1930, contra o Alves Nogueira F.C., no campo deste, atual PRAESA, em Sabará, quando o Siderúrgica perdeu para o Alves Nogueira Football Club por 5x4.

Em 1931, filiou-se a Liga Mineira de Desportos Terrestres e disputou seu primeiro torneio oficial, conquistando o título de Campeão da 2ª Divisão de Amadores em 1932. Em 1933, fez sua primeira partida como profissional, vencendo o Palestra Itália, atual Cruzeiro, pelo placar de 2 a 1, tornando-se campeão mineiro já em 1937. Em 1943 o cartunista Fernando Pierucetti, o Mangabeira, definiu como mascote da equipe uma Tartaruga.

Em 1954 foi disputada a Taça Louis Ensch, em homenagem ao patrono do Siderúrgica e ex-presidente da Companhia Belgio Mineira. Todas as partidas foram disputadas em Belo Horizonte e o título ficou com o ESPORTE CLUBE SIDERÚRGICA. [1].

O Siderúrgica foi o último campeão mineiro antes do início da Era Mineirão, ao vencer o América no Estádio da Alameda por 3 a 1. O time campeão foi Djair, Geraldinho, Chiquito, Ze Luiz e Dawson Laviolla; Edson e Paulista; Ernani, Silvestre, Noventa (Aldeir) e Tião Cavadinha.

Durante a histórica campanha da Tartagura, o time de Sabará sofreu apenas uma derrota, para o Cruzeiro, no Barro Preto, por 1 a 0, com um gol do jovem Tostão, muito reclamado pelo Siderúrgica, pois este teria sido feito em impedimento.

Pela Taça Brasil de 1965, o Siderúrgica foi o primeiro clube de Minas Gerais a jogar uma partida interestadual no recém inaugurado Mineirão. Também disputou a partida inaugural do Pelezão, em Brasília.

No Campeonato Mineiro de 1965, o Siderúrgica terminou na terceira colocação.

Rebaixado no Campeonato Mineiro de 1966 e vindo a perder em 1967 o apoio financeiro da Belgo-Mineira, o clube havia extinguido o seu departamento de futebol Profissional.

O Retorno[editar | editar código-fonte]

Depois de 26 anos desativado, voltou a disputar, em 1992 e 1997, o Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, mas sem o mesmo sucesso do passado. Em 2007, volta a disputar o futebol profissional, integrando o Campeonato Mineiro de Futebol da Segunda Divisão de 2007. Realiza um campeonato ruim, terminando em último em seu grupo, e sendo eliminado logo na primeira fase.

Em 2011, o clube novamente se inscreveu para a disputa do Campeonato Mineiro de Futebol da Segunda Divisão de 2011, porém não obteve sucesso e foi eliminado ainda na primeira fase.

Em 2012, o Siderúrgica inscreveu-se novamente para a disputa do Campeonato Mineiro de Futebol da Segunda Divisão de 2012, mas novamente teve uma campanha muito fraca, sendo o time eliminado ainda na primeira fase e ficando na lanterna do grupo sem nenhuma vitória.

Formações Históricas[editar | editar código-fonte]

  • Time-Base campeão Mineiro de 1937:

Tonho, Rômulo Januzzi, Ferreira, Chico Preto, Mascote, Paulo Florêncio, Moraes, Geraldo Rebelo, Chiquinho, Arlindo e Princesa. Treinadores: Tonheca e Capitão.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Brasil Campeonato Brasileiro
Ano 1965
Pos.


Minas Gerais Campeonato Mineiro Módulo I
Ano 1930 1931 1932 1933 1934 1935 1936 1937 1938 1939
Pos. - - -
Ano 1940 1941 1942 1943 1944 1945 1946 1947 1948 1949
Pos.
Ano 1950 1951 1952 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959
Pos.
Ano 1960 1961 1962 1963 1964 1965 1966 1967 1968 1969
Pos. 11°* - - -


  • 1966 : A equipe termina como penúltima colocada, acabando sendo rebaixada à primeira divisão, atual Módulo II do Mineiro. Até o presente momento o Siderúrgica não mais voltou a estar na elite do Futebol Mineiro.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais[editar | editar código-fonte]

* Campeão Invicto.

Outras Conquistas[editar | editar código-fonte]

Campanhas de destaques[editar | editar código-fonte]

Ídolos[editar | editar código-fonte]

  • Michel Spadano - Um dos ídolos do time campeão de 1937, centroavante.
  • Ceci (Moacyr Paes Leme de Oliveira), o diabolico "center" 1941/42
  • Paulo Florêncio - Participou da Seleção Brasileira que disputou o campeonato sul-americano em 1942.
  • Djair - Goleiro, apesar de seu 1,68 m, jogou no clube na década de 1960, sendo campeão mineiro em 1964.
  • Mário de Lima Pereira - Centro-avante, artilheiro do campeonato de 1964, oriundo do Clube Atlético Mineiro.
  • Tião - Ponta-esquerda do grande time da década de 1960, jogou ainda no Vasco e foi campeão brasileiro pelo Atlético-MG em 1971.

Hino do Clube[editar | editar código-fonte]

Não tem, não tem
Não tem pro Galo, nem Raposa, nem Leão
Este ano o negócio só vai ser,
Pra Tartaruga do Napoleão.

Não tem, não tem
Não tem pro Galo, nem Raposa, nem Leão
Este ano o negócio só vai ser,
Pra Tartaruga do Napoleão.

A tartaruga anda devagar,
Mas neste passo comanda o pelotão,
Ninguém consegue acompanhar.
A Tartaruga do Napoleão.
Não tem, não tem.

Não tem, não tem
Não tem pro Galo, nem Raposa, nem Leão
Este ano o negócio só vai ser,
Pra Tartaruga do Napoleão.

Não tem, não tem
Não tem pro Galo, nem Raposa, nem Leão
Este ano o negócio só vai ser,
Pra Tartaruga do Napoleão.

A tartaruga anda devagar,
Mas neste passo comanda o pelotão,
Ninguém consegue acompanhar.
A Tartaruga do Napoleão.
Não tem, não tem.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.