Atlético Clube Goianiense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atlético Goianiense
Ac goianiense-go2.png
Nome Atlético Clube Goianiense
Alcunhas
Dragão
Dragão Campineiro
Locomotiva rubro-negra
O mais querido dos goianos
Torcedor/Adepto Atleticano
Mascote Dragão
Fundação 2 de abril de 1937 (77 anos)
Estádio Antônio Accioly
Capacidade 12.000 pessoas
Localização Brasão de Goiânia.svg Goiânia, Goiás GO, Brasil Brasil
Mando de jogo em Serra Dourada
Capacidade (mando) 41.574 pessoas
Presidente Brasil Valdivino José de Oliveira
Treinador Brasil Wagner Lopes
Patrocinador Brasil Caixa
Brasil Mednutrition
Brasil Volkswagem Camilhões e Ônibus
Brasil Dufrio
Brasil Life Fitness
Brasil Autotrac
Material esportivo Brasil Super Bolla
Competição Goiás Campeonato Goiano
Brasil Copa do Brasil
Brasil Campeonato Brasileiro
Divisão Goiás 1ª divisão
Brasil Série B
Goiás 1ªD 2014
Brasil CB 2014
Brasil B 2014
Campeão
2ª Fase
7º colocado
Goiás 1ªD 2013
Brasil CB 2013
Brasil B 2013
Vice-campeão
3ª Fase
16º colocado
Ranking nacional Baixa (3) 22º lugar, 6.628 pontos
Website Atlético Clube Goianiense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Atlético Clube Goianiense é uma agremiação esportiva de Goiânia, no estado de Goiás, fundada em 2 de abril de 1937.

Seus torcedores são conhecidos como atleticanos e seu estádio é o Estádio Antônio Accioly que atualmente encontra-se em obras de reconstrução e ampliação (de 8.000 para 12.000 pessoas).

O Atlético geralmente manda seus jogos no Estádio Serra Dourada, com capacidade para 41.574 pessoas, e pretende ainda utilizar o Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira.

História[editar | editar código-fonte]

Foi fundado a 2 de abril de 1937. Foi o segundo time de futebol da cidade de Goiânia (o 1º foi o União Americana)

Seu uniforme é constituído por camisa com listras horizontais em vermelho e preto, calções brancos ou pretos e meias listradas na mesma cor da camisa. O clube tem raízes no bairro goianiense de Campinas, tendo como mascote um Dragão.

Por escolha da maioria dos fundadores, o uniforme tem as cores vermelha e preta, inspirados no Flamengo, e o escudo segue os moldes do São Paulo. Participaram de sua fundação, os irmãos Nicanor Gordo – primeiro presidente do Conselho Deliberativo -, Alberto Alves Gordo e Afonso Gordo, Edson Hermano, primeiro goleiro do clube, João de Brito Guimarães, João Batista Gonçalves, Ondomar Sarti, Benjamim Roriz, entre outros.

O primeiro presidente foi Antônio Accioly, descrito por atleticanos que o conheceram como um homem que vivia pelo Atlético. Foi ele quem conseguiu o terreno para a construção do estádio do clube que leva o seu nome. Era conhecido por resolver todos os problemas do clube, principalmente os financeiros.

Antônio Accioly faleceu em 1973, em plena segunda-feira, um dia após o Atlético-GO ter vencido o Goiânia, seu maior rival na época, pelo placar de dois a zero. Em sua homenagem o nome do estádio do Atlético-GO leva o nome "Antônio Accioly"

Hino oficial do Atlético Goianiense:[editar | editar código-fonte]

Meu Atlético,

meu estandarte

modéstia à parte tem a força

quente de um dragão

Meu Atlético tem a mania de dar

alegria pro meu coração...

Meu rubro negro, eu chego e vejo,

você cumprindo o meu desejo de vencer, vencer,

vencer!

dá gosto ver nosso esquadrão,

rolando a bola pelo chão e

dando um show e mais um gol...

Lê Lêlêoo

Lê Lêlêoo

Atlético!

Goleadores[editar | editar código-fonte]

Pelo Atlético passaram os maiores goleadores do futebol goiano. Aqui nos atemos aos jogadores atleticanos que chegaram ao final dos campeonatos como os principais artilheiros: 1944 - Ari - 8 gols 1947 - Dido - 17 gols 1948 - Tarzan - 21 gols 1949 - Tarzan - 18 gols 1955 - Fábio - 21 gols 1970 - Dadi - 13 gols 1972 - Dadi - 12 gols 1978 - Baltazar - 31 gols (Recordista absoluto) 1985 - Bill - 21 gols 2002 – Rubsen – 15 gols 2007 – Fábio Oliveira - 18 gols

Conquistas[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos anos, o Dragão conquistou três títulos em âmbito nacional. O primeiro foi o Torneio da Integração Nacional, que foi disputado por 16 equipes de diferentes estados brasileiros em 1971. O Atlético ainda foi bicampeão nacional, com os títulos da Série C em 1990 e 2008.Porém, o clube passou por dificuldades no começo do século 21 devido más administrações e chegou próximo de seu fim, inclusive com a demolição e abandono do estádio Antônio Accioly. Em 2003, pela primeira vez em sua história, o clube caiu para a segunda divisão do Campeonato Goiano, de onde não conseguiu sair no ano seguinte.

Em 2005, com a ajuda de verdadeiros torcedores e abnegados, dentre eles o atual presidente Valdivino José de Oliveira, o vice Maurício Sampaio, o presidente do Conselho, Marco Antônio Caldas, o ex-presidente Wilson Carlos e outros importantes beneméritos, o clube ressurgiu, o estádio Antônio Accioly foi reconstruído e o Dragão foi o campeão da divisão de acesso, conseguindo o retorno à elite do futebol goiano.

Dois anos depois, após 19 anos de jejum, o Atlético voltou a conquistar um título estadual, em uma campanha que ficou marcada na memória do torcedor rubro negro.

Trajetória[editar | editar código-fonte]

O Atlético-GO é o pioneiro do futebol goiano, e foi o primeiro a conquistar um título estadual, em 1944.

Comprovando ser uma das maiores forças do Estado de Goiás, o Atlético foi campeão estadual 13 vezes e vice-campeão estadual por 21 vezes, além de ser vice da Copa Brasil Central em 1967.

A melhor colocação do Dragão em Campeonatos Brasileiros da 1ª Divisão foi a 13º, em 2011, entre 20 participantes . Entre suas maiores revelações de craques, estão Baltazar (Grêmio, Atlético de Madrid, que em 1978 marcou 31 gols pelo Atlético, sendo recordista de gols em um só Campeonato Goiano), Gilberto (destaque e campeão pelo Fluminense no estadual do RJ de 1980), Luiz Carlos Goiano (ex-Grêmio), Valdeir (ex-Botafogo), Gaúcho e Julio César "Imperador" (ex-Flamengo), Lindomar e Romerito (ex-Corinthians).

O Atlético Goianiense ressurgiu das cinzas. O time estava na segunda divisão do Campeonato Goiano e teve o seu estádio demolido para a construção de um shopping, em 2001. Um grupo de torcedores e a diretoria embargaram a obra e em seguida reconstruíram o estádio.

O rubro-negro foi campeão goiano da segunda divisão em 2005, e em 2006 o Atlético chegou a final do Campeonato Goiano contra o Goiás, com mais de 36.000 torcedores no Estádio Serra Dourada no jogo final.

Atualmente a fanática torcida do Dragão, clube localizado no bairro de Campinas, comparece ao clube até em treinos.

Após 18 anos sem conquistar o Campeonato Goiano, o Atlético venceu o Goiás por 2 a 1 no segundo jogo da decisão de 2007 (no primeiro houve empate por 2 a 2) com gols de Fábio Oliveira (artilheiro do campeonato) e Anaílson, descontando Romerito (também formado nas categorias de base do clube na década de 1990) para o Goiás, sagrando-se campeão goiano perante 31.088 torcedores pagantes.

Na Série C, o Dragão obteve o sexto lugar e por pouco não conseguiu promoção para a Série B.

Em 2008 o clube fez campanha expressiva no Campeonato Brasileiro Série C, conseguindo o acesso a Série B com quatro rodadas de antecedência e logo depois o segundo título do Campeonato Brasileiro Série C (fato inédito até este momento) sem entrar em campo, com a derrota do Campinense, seu adversário mais próximo na tabela de classificação no momento.

Ao fim deste campeonato, o Atlético havia disputado 32 partidas, com 21 vitórias, 5 empates e 6 derrotas, 84 gols-pró e 30 contra, saldo de 54 gols, 68 pontos na classificação geral deste campeonato (15 a mais que o segundo colocado, o Guarani), tendo 13.490 torcedores (11.405 pagantes) comparecido ao Estádio Serra Dourada na vitória de 2 a 0 no jogo festivo contra o Brasil de Pelotas. O atacante rubro-negro Marcão, com 25 gols, sagrou-se o artilheiro da Série C 2008.

Em 21 de novembro de 2009, confirmando de vez a sua ascensão meteórica, o Atlético conquistou o acesso à Série A do Brasileirão com uma vitória por 3 a 1 diante do Juventude no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, tendo terminado este campeonato em quarto lugar.

O Dragão começou o ano de 2010 conquistando o Campeonato Goiano, ao vencer o Santa Helena por 4 a 0 na primeira partida da final disputada no Estádio Serra Dourada perante 11.512 pagantes, e depois por 3 a 1 na partida decisiva disputada na casa do adversário.

O Dragão também surpreende na Copa do Brasil 2010, tendo chegado nas semifinais, eliminando equipes como Bahia, Santa Cruz e Palmeiras, porém diante do tradicional Vitória foi eliminado.

O Atlético livrou-se do rebaixamento no ano 2010 em um jogo histórico contra o mesmo Vitória, pois precisando de um empate para se manter na primeira divisão, mateve o 0 a 0 para festa de sua torcida.

Jogo Atlético Goianiense versus Corinthians.

Mas, em 2011, o Dragão começa o ano muito bem. Conquista o Campeonato Goiano pela 12ª vez em sua história. Mas, na Copa do Brasil, o time não repetiu a boa campanha feita ano anterior e acabou sendo eliminado na 2ª fase da competição, pelo Coritiba.

O Campeonato Brasileiro começa mal para o Dragão, sendo nas primeiras rodadas, ocupando a zona de rebaixamento. Mas, com a chegada de Hélio dos Anjos, o time ganhou uma nova cara e acabou permanecendo na Série A para a próxima temporada.

Em 2012, o Dragão não começou bem o ano. Perdeu o título estadual e o tri-campeonato (que seria inédito na história do clube) para o Goiás, após dois empates nas finais. Em meio ao estadual, a equipe foi eliminada pela Ponte Preta na Copa do Brasil, ainda na 2ª fase.

Jogando a Copa Sul-Americana, o Atlético se classifica para as oitavas de final após dois empates com o time do Figueirense e conquistar a vitória nos pênaltis. O adversário foi a Universidad Católica, que venceu o time goiano no primeiro confronto por 2 a 0. No jogo de volta, o Atlético quase conquistou a vaga, vencendo o adversário por 3 a 1, mas terminou sendo eliminado pela regra do gol fora de casa. Neste mesmo ano, o Atlético teve uma campanha ruim na serie A, ocasionado sua queda para a 2ª divisão do campeonato brasileiro.

No ano seguinte em 2013, o Dragão tinha ficado boa parte do 1ª turno do Campeonato Goiano de Futebol de 2013 perto da zona de rebaixamento, mas o Atlético não se abalou com isso, dando a volta por cima desta situação, o Atlético acabou chegando à final, mas infelizmente acabou perdendo o título para seu arquirival, o Goiás.

Neste mesmo ano, o Atlético não conseguíra o mesmo feito do Campeonato Goiano de Futebol na Copa do Brasil de Futebol de 2013, e acabou sendo eliminado na 3ª fase de goleada para o Cruzeiro Esporte Clube. Já no Campeonato Brasileiro de Futebol - Série B do mesmo ano o Atlético teve um mal início no campeonato, o deixando boa parte da competição perto da queda para a serie C, mas quem disse que o Dragão tem fogo de palha, só na ultima rodada do campeonato, o Atlético conseguiu livrar-se da queda com uma vitória histórica em cima do Guaratinguetá Futebol Ltda nos minutos finais da partida, diante de mais de 16.000 pagantes no Estádio Serra Dourada.

Em 2014, o Dragão teve um inicio incrível, mesmo com alguns abalos no Campeonato Goiano de Futebol, o Atlético conseguiu o título em cima de seu maior rival no momento, o Goiás Esporte Clube, em um jogo emocionante ao qual o gol só saíra aos 48 minutos do segundo tempo, o autor dele seria o zagueiro Leandro, até então, novato.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Vista Interna do estadio Antonio accioly.jpg

A estrutura do Atlético tem como ponto forte o Centro de Concentração e Treinamentos do Dragão e o Estádio Antônio Accioly. O time profissional realiza todas as atividades necessárias sem precisar se deslocar por diferentes locais de treinamentos. E a estrutura não para de melhorar. A cada dia, o Dragão cresce um pouco mais, tanto no futebol, quanto em suas condições estruturais.

O Centro de Treinamentos possui três campos de futebol com medidas oficiais, academia, banheiras para recuperação física dos atletas, departamento de fisioterapia, fisiologia e nutrição. A Concentração conta com 20 suítes duplas, refeitório, sala de TV e de jogos e auditório. No mesmo complexo, ainda se encontra a administração do clube.

Já o Estádio Antônio Accioly possui sala de primeiros socorros e tratamento médico, além de áreas para descanso, fisioterapia e massagem, sala para a realização de reuniões com equipamentos multimídia e sala privada para a gerência da delegação, e atualmente encontra-se em obras.

A instalação conta também com uma forte equipe de segurança que monitora o acesso ao local. O Estádio possui uma capacidade para cerca de 8.000 pessoas (com arquibancadas móveis) mas está passando por obras que visão a ampliação para 12.000 pessoas.

Dragões Atleticanos logo.jpg

Títulos[editar | editar código-fonte]

Cscr-featured.png Campeão invicto

HONRARIAS
Competição Títulos Temporadas
 Goiás Taça dos Invictos 1 1957Cscr-featured.png
 Goiás O mais querido dos goianos 1 1973
NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Brasil Campeonato Brasileiro Série C 2 1990 e 2008
Brasil Torneio Integração da CBD [1] 1 1971
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Goiás Campeonato Goiano 13 1944, 1947, 1949, 1955, 1957Cscr-featured.png, 1964, 1970, 1985, 1988, 2007, 2010, 2011 e 2014
Goiás Campeonato Goiano da Segunda Divisão 1 2005
Goiás Copa Goiás de Futebol 1 1998
Goiás Torneio Início 5 1944, 1952, 1956, 1962 e 1984.
MUNICIPAIS
Competição Títulos Temporadas
Bandeira de Goiania.png Inicio Citadino de Goiânia 1 1940
Bandeira de Goiania.png Citadino de Goiânia 1 1938[2]
Bandeira de Goiania.png Triangular Campineiro 1 1956
ASPIRANTES/RESERVAS
Competição Títulos Temporadas
Goiás Campeonato Goiano de Aspirantes 1 1951
OUTRAS/CONQUISTAS
Competição Títulos Temporadas
GoiásMaranhão Torneio Goiás-Maranhão 1 1972
GoiásPará Torneio Goiás-Pará 1 1973

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2015
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Goiás Campeonato Goiano (1D) 70 Campeão (13 vezes) 1944 2015 1
Campeonato Goiano (2D) 2 Campeão (2005) 2000 2005 3
Brasil Campeonato Brasileiro 9 6º colocado (1968) 1965 2012 1
Série B 12 4º colocado (2009) 1981 2015 1 1
Série C 12 Campeão (1990 e 2008) 1990 2008 3
Copa do Brasil 9 Semifinal (2010) 1989 2015
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Sul-Americana 1 Oitavas de final (2012) 2012 2012

Últimas dez temporadas[editar | editar código-fonte]

Temporadas do Atlético Clube Goianiense
Ano Campeonato Brasileiro Copa do Brasil América do Sul Campeonato Goiano
Div. Pos. J V E D GP GC Fase Máxima Competição Fase Máxima Div. Pos.
2006 C 25º 12 4 4 4 13 13 1D
2007 C 32 15 9 8 50 31 Oitavas de final 1D
2008 C 32 21 5 6 84 30 Oitavas de final 1D
2009 B 38 20 5 13 73 53 1D
2010 A 16º 38 11 9 18 51 57 Semifinal 1D
2011 A 13º 38 12 12 14 50 45 2ª Fase 1D
2012 A 19º 38 7 9 22 37 67 2ª Fase SA Oitavas de final 1D
2013 B 16º 38 12 8 18 42 51 3ª Fase 1D
2014 B 38 17 8 13 54 49 2ª Fase 1D
2015 B A disputar A disputar A definir 1D A disputar


Legenda:

     Campeão
     Vice-campeão
     Classificado à Copa Libertadores da América
     Classificado à Copa Sul-Americana
     Rebaixado
     Acesso

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Atlético Clube Goianiense
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
Brasil Copa do Brasil 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (2010)
Brasil Campeonato Brasileiro – Série B 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (2009)
Brasil Campeonato Brasileiro – Série C 2 (1990, 2008) 0 (não possui) 0 (não possui) 2 (1995, 2001)
Goiás Campeonato Goiano 13 vezes 20 vezes 9 vezes 9 vezes
Goiás Goiano – Segunda Divisão 1 (2005) 0 (não possui) 1 (2000)[3] 0 (não possui)

Jogos Internacionais[editar | editar código-fonte]

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes dos jogadores[editar | editar código-fonte]

  • 1º - Camisa listrada vermelha e preta, calção branco e meias listradas em vermelho e preto;
  • 2º - Camisa branca, calção preto e meias brancas;
  • 3º - Camisa preta, calção e meias pretas.
  • 4º - Camisa amarela, calção preto e meias amarelas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Quarto

Uniforme dos goleiros[editar | editar código-fonte]

  • Camisa vermelha, calção e meias pretas;
  • Camisa amarela, calção e meias amarelas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Outras temporadas[editar | editar código-fonte]

  • 2012-13
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2011-12
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2010-11
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Terceiro
  • 2009-10
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Primeiro
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Segundo

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

  • Atualizado em 13 de abril de 2014.[4]


Goleiros
Jogador
Brasil Márcio Capitão
Brasil Roberto
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Paulo Henrique Z
Brasil Artur Z
Brasil Victor Z
Brasil Lino Z
Brasil Aislan Z
Brasil Thiago Feltri LD
Brasil Jonas LD
Brasil Caramelo LD
Brasil João Lucas LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Marcus Winícius V
Brasil Mahatma V
Brasil Renan Foguinho V
Brasil Pedro Bambu V
Brasil Eusébio Vindo de Empréstimo V
Brasil Willian Arão Vindo de Empréstimo V
Brasil Leo M
Brasil Jorginho M
Brasil Alex Nemetz Vindo de Empréstimo M
Brasil Felipe Brisola M
Brasil Wagner M
Atacantes
Jogador
Brasil Juninho
Brasil Diogo Campos
Brasil Thiago Rômulo
Brasil Eliabe
Brasil Júnior Viçosa
Brasil Josimar
Brasil Lucas Vindo de Empréstimo
Brasil Yago
Legenda
  • Capitão: Capitão
  • PenalizadoExpulso: Jogador suspenso
  • Lesionado: Jogador lesionado

Comissão técnica[editar | editar código-fonte]

  • Atualizado em 10 de dezembro de 2013.[5]
Brasil Wagner Lopes Treinador
Brasil Chico Santos Assistente
Brasil Diego Inácio Preparador físico
Brasil Thiago Augusto Preparador físico
Brasil Cláudio Cerqueira Treinador de goleiros
Brasil Marcos Medeiros Treinador de goleiros
Brasil Abdala Amuy Médico
Brasil Érico Neri Médico
Brasil Luciano Hirata Médico
Brasil Sussumo Taia Médico
Brasil Caio Oliveira Fisiologista
Brasil Marco Aurélio Fisiologista
Brasil Pablo Rocha Fisioterapeuta
Brasil Thiago Furlan Nutricionista
Brasil Guaxinim Massoterapeuta
Brasil Meinha Massoterapeuta
Brasil Alex Mordomo
Brasil Pescoço Mordomo
Brasil Tilico Mordomo
Brasil Júnior Mortosa Supervisor
Brasil Marcelão Segurança
Brasil Alex Rodrigues Assessoria de imprensa

Transferências 2015[editar | editar código-fonte]

Legenda


Treinadores[editar | editar código-fonte]

     Técnicos interinos.
Treinador Período
Brasil Mauro Fernandes 2009
Brasil Arthur Neto 2009
Brasil Geninho 2010
Brasil Roberto Fernandes 2010
Brasil René Simões 20102011
Brasil Paulo César Gusmão 2011
Brasil Jairo Araújo 2011
Brasil Hélio dos Anjos 20112012
Brasil Jairo Araújo 2012
Brasil Adílson Batista 2012
Brasil Hélio dos Anjos 2012
Brasil Jairo Araújo 2012
Brasil Arthur Neto 2012
Brasil Jairo Araújo 20122013
Brasil Waldemar Lemos 2013
Brasil René Simões[6] 2013
Brasil Paulo César Gusmão [7] 2013
Brasil Gilberto Pereira 2013
Brasil Marcelo Martelotte [8] 2014
Brasil Hélio dos Anjos [9] 2014-

Principais jogadores[editar | editar código-fonte]

Brasil Alcino
Brasil Baltazar
Brasil Gilberto
Brasil Jairo
Brasil Júlio César
Brasil Valdeir
Brasil Lindomar
Brasil Márcio
Brasil Anaílson
Brasil Marcão
Brasil Helder

Maiores públicos do Atlético Goianiense[editar | editar código-fonte]

* Alguns dos Maiores Públicos em Campeonatos Brasileiros - Séries A, B e C, Copas do Brasil e Campeonatos Goianos do Atlético.
  1. Atlético 1 a 1 Vila nova, 56.854, 30 de junho de 1976.
  2. Atlético 4 a 1 Goiás, 50.045, 11 de junho de 1978
  3. Atlético 1 a 1 Vila nova, 40.609, 16 de junho de 1976.
  4. Atlético 0 a 0 Flamengo, 37.828, 20 de novembro de 2011.
  5. Atlético 2 a 1 Goiás, 31.996, 4 de maio de 2007.
  6. Atlético 1 a 1 São Paulo, 27.938, 28 de novembro de 2010.
  7. Atlético 2 a 2 Goiás, 26.892, 30 de novembro de 1986.
  8. Atlético 0 a 0 Vasco, 25.286, 2 de outubro de 1986.
  9. Atlético 3 a 0 São Paulo, 23.906, 16 de outubro de 2011.
  10. Atlético 1 a 2 Flamengo, 23.887, 23 de setemro de 2012.
  11. Atlético 4 a 1 Ceará, 22.988, 10 de novembro de 2009.
  12. Atlético 1 a 3 Palmeiras, 22.691, 7 de setembro de 2013.
  13. Atlético 1 a 0 Palmeiras, 21.889, 5 de maio de 2010.
  14. Atlético 0 a 1 Grêmio, 21.810, 29 de outubro de 1986.
  15. Atlético 0 a 2 Fluminense, 20.870, 12 de outubro de 1986.
  16. Atlético 3 a 1 Atlético, 19.986 18 de abril de 2007.
  17. Atlético 0 a 1 Corinthians, 19.150 , 10 de julho de 2011.
  18. Atlético 0 a 0 Flamengo, 19.072, 3 de dezembro de 1986.
  19. Atlético 1 a 1 Goiás, 18.767, 16 de novembro de 1986.
  20. Atlético 3 a 1 Corinthians, 17.445 21 de julho de 2010.
  21. Atlético 1 a 0 Vasco, 16.931, 12 de março de 1980.
  22. Atlético 0 a 1 Santos,16.848, 12 de setembro de 1986.
  23. Atlético 1 a 4 Internacional, 16.418, 3 de abril de 1980.
  24. Atlético 2 a 0 Guaratinguetá, 16.244, 20 de novembro de 2013.
  25. Atlético 0 a 0 São Paulo, 14.864, 26 de março de 1980.
  26. Atlético 0 a 1 Vasco, 13.212, 6 de outubro de 2012.
  27. Atlético 1 a 1 Palmeiras, 12.422, 25 de setembro de 2011.
  28. Atlético 2 a 0 Botafogo, 12.264, 2 de outubro de 2011.
  29. Atlético 2 a 0 Brasil Pelotas, 11.405, 13 de novembro de 2008.
  30. Atlético 2 a 1 Fluminense, 10.475 11 de setembro de 2010.

Médias de públicos nas ultimas temporadas[editar | editar código-fonte]

Temporadas:

Campeonatos Goianos:

Campeonatos Brasileiros:

Campeonatos de 2008 4.770 Série C: 4.060
Campeonatos de 2009 7.832 Série B: 4.780
Campeonatos de 2010 5.375 Série A: 7.891
Campeonatos de 2011 5.912 Série A: 9.497
Campeonatos de 2012 5.329 Série A: 5.587
Campeonatos de 2013 3.695 Série B: 3.688
Campeonatos de 2014 1.802 Série B: 2.135

Estádio[editar | editar código-fonte]

Torcida[editar | editar código-fonte]

Durante cinco décadas(1940-50-60-70-80) o Atlético foi o clube que continha a maior torcida do estado de Goiás, só que devido a crises e problemas estruturais e má desempenhos em competições tanto nacionais como estaduais durante a década de 1990 e no começo do século XXI o Atlético perdera boa parte de sua torcida, mas os verdadeiros e fiéis torcedores rubro-negros nunca desistiram do Dragão, este laço entre estes torcedores e o time fizeram com que o clube ressurgisse das cinzas a uma ascensão incrível entre 2005 até os dias de hoje. Devido a esta ascensão o clube também vem tendo um maior número de torcedores em relação ao ano de 2005 e a década de 1990.

A Torcida Organizada do Atlético é a "Torcida Dragões Atleticanos".

Foi fundada em 2009 após a extinção da sua antiga torcida chamada "Máfia Atleticana". A Máfia foi extinta devido a uma ordem da Policia Militar do Estado de Goiás e do Ministério Publico, onde afirmaram que o nome "Máfia Atleticana" fazia apologia a violência.

A Torcida Dragões Atleticanos tem estado junto a o Atlético em todos os momentos, jogo após jogo, seja dentro ou fora de sua casa.

Segundo a Pluri Consultoria, o Atlético tem em torno de 400.000 torcedores concentrados no Estado de Goiás, e também em algumas partes do estado do Tocantins, Distrito Federal e Mato Grosso.

O mais querido dos goianos.[editar | editar código-fonte]

No ano de 1973 a revista Placar, da editora Abril, criou o concurso “O mais querido do Brasil” espelhado por todo o território nacional na tentativa de descobrir qual era o time de futebol mais popular no Brasil e em cada estado brasileiro. Em cada edição da revista eram distribuídos cupons para os torcedores preencherem os campos com “nome” e “endereço”, além de responder as perguntas “Qual o clube mais querido no Brasil” e “Qual o clube mais querido no meu estado”?

A Placar criou uma espécie de parcerias com jornais de todo o Brasil para que todos os estados fossem contemplados na pesquisa. No caso de Goiás, o jornal escolhido foi “O Popular”, da Organização Jaime Câmara. Assim como ocorriam nas revistas, nos exemplares do jornal eram divulgados cupons a serem preenchidos pelos torcedores. Os participantes da pesquisa deveriam retornar os cupons preenchidos para a sede do jornal ou para afiliados no estado. No dia 7 de agosto seria sorteado um carro da Volkswagen entre todos os torcedores participantes do questionário no país.

Era consenso na época que Vila Nova e Atlético tinham as maiores torcidas do estado, porém, o concurso serviu para acirrar ainda mais a rivalidade entre torcedores dos quatro grandes da capital e também para medir o crescimento de times como o Goiás que acabara de ser bicampeão.

A pesquisa virou mania em Goiânia, como em todo o Brasil, e assim como as discussões acaloradas sobre os confrontos entre Goiás, Vila, Goiânia e Atlético, torcedores goianos vibravam a cada resultado parcial divulgado.Ao todo foram doze etapas num total de três meses de pesquisa.

Se a nível nacional o Flamengo era maioria absoluta desde as primeiras apurações, no estado de Goiás houve várias mudanças entre “o mais querido”. Inicialmente o Vila Nova era o vencedor da disputa, depois foi a vez do Goiás, entretanto a partir da oitava parcial o Atlético assumiu a liderança e não perdeu mais.

Chama a atenção o número de adeptos atleticanos na pesquisa, pois o número alcançado pelo Atlético era mais do que a soma do que foi obtido por Vila Nova e Goiás. Como destaque negativo foi a presença do torcedor do Goiânia que ficou apenas na quinta colocação, prova de que o time já não era mais popular como na década de 50, apesar de ainda ser, naquela época, o principal vencedor de títulos no estado, contando a era amadora.

Resultado final da votação na época[editar | editar código-fonte]

  1. Atlético Goianiense: 68.125
  2. Goiás E.C: 26.737
  3. Vila Nova F.C: 25.887
  4. Independente de Goiás: 3.919
  5. Goiânia: 2.898
  6. Goiatuba: 2.085
  7. Itumbiara: 326
  8. Anápolis: 295
  9. Novo Horizonte: 167
  10. Santa Helena: 146
  11. Crac: 68
  12. América de Morrinhos: 59

Dos doze clubes apresentados na pesquisa no estado de Goiás, um já não existe mais. O Independente Esporte Clube da cidade de Goiás era, na época, o principal clube da região que foi o berço do futebol goiano. O último campeonato estadual da elite disputado por esta equipe foi em 1974 quando terminou na quinta colocação.

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

  • Seu maior rival historicamente é o Goiânia, com quem faz o Clássico Vovô de Goiânia. Porém, nos últimos anos, com a crise do "Galo Carijó" e a ascensão do rubro-negro, seus maiores rivais tem sido o Goiás, contra o qual disputa o Clássico do Equilíbrio e o Vila Nova.
  • No clássico entre Atlético e Vila Nova o Dragão leva a melhor, com 72 vitórias Atlético contra 64 vitórias do Vila nova e 63 empates, somando ao todo um total de 199 jogos entre ambas as equipes .
  • O Clássico do Equilíbrio nome dado aos confrontos realizados entre o Atlético e Goiás E.C, ao todo foram 214 partidas entre ambas as equipes sendo 73 vitórias do Atlético contra 90 vitórias do Goiás e 51 empates.
  • O Clássico Vovô de Goiânia é o clássico que envolve confrontos entre o Atlético e o seu maior rival o Goiânia E.C, este que já foi o primeiro e o maior clássico do estado de Goiás, foram realizadas 162 partidas entre as equipes sendo 55 vitórias do Dragão contra 53 vitórias do Goiânia e 54 empates. A última vez que as equipes se enfrentaram foi no Campeonato Goiano de 2007 no estádio da Serrinha, neste confronto as equipes acabaram empatando (1 a 1).
  • Desde a última vez em que o Atlético enfrentou o Goiânia muitos fatos ocorreram nas duas equipes, enquanto o Goiânia caía para a segunda divisão do Campeonato Goiano de 2008 e não conseguira voltar até os dias de hoje para a primeira divisão do estadual se afundando em crises que parecem não ter fim o Atlético vive um dos melhores momentos se não o melhor de sua história, tendo feitos incríveis desde de seu ultimo confronto com o Goiânia, o Dragão conseguiu ser campeão goiano em 2007,2010,2011 e 2014, o bicampeonato (2010-2011) consecutivo ao qual seria fato inédito em sua história, o título do Brasileirão serie C de 2008 e a promoção para a primeira divisão do Campeonato Brasileiro de Futebol em 2009 ao qual permanecera por três anos consecutivos na serie A e também não podemos deixar de mencionar a primeira participação do Dragão em uma competição internacional seria ela a Copa Sul-Americana de Futebol de 2012 e sua inédita chegada as semifinais de uma Copa do Brasil.

Ranking da CBF 2013[editar | editar código-fonte]

  • Posição: 19º
  • Pontuação: 7692 pontos

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol que pontua todos os times do Brasil.

Livro sobre o Atlético Goianiense[editar | editar código-fonte]

Atlético, Sentimento e Glória - Crônicas, por José Mendonça Teles (1994)

Referências

  1. RSSSF Brasil Torneio Integração da 1971
  2. Goiânia City League - List of Champions RSSSF, acessado em 4 de setembro de 2014
  3. RSSSF Brasil Campeonato Goiano da Segunda Divisão de 2000, por RIVERA, Guilhermo - Página editada em 25 de fevereiro de 2001 e disponível em 4 de outubro de 2014
  4. Elenco atual de Futebol (em português) Site oficial do Atlético Clube Goianiense. Visitado em 23 de julho de 2013.
  5. Comissão Futebol Profissional (em português) Site oficial do Atlético Clube Goianiense. Visitado em 23 de julho de 2013.
  6. Globoesporte.com (18/06/2013). Atlético-GO chega a acordo e anuncia René Simões como novo treinador 17h20. Visitado em 19/06/2013.
  7. Terra (05/08/ 2013). Atlético-GO acerta com PC Gusmão para lugar de René Simões 10h29. Visitado em 05/08/2013.
  8. Globoesporte (10/12/2013). Martelotte assume Atlético-GO com a missão de reerguer o clube em 2014 20h50. Visitado em 10/12/2013.
  9. Globoesporte.com (16/06/2014). [http://globoesporte.globo.com/futebol/times/atletico-go/noticia/2014/06/helio-dos-anjos-acerta-com-o-dragao-e-assume-o-clube-pela-terceira-vez.html Hélio dos Anjos acerta com o Dragão e assume o clube pela terceira vez] 11h48. Visitado em 15/07/2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]