Estádio Durival Britto e Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Estádio Durival Britto e Silva
Vila Capanema noite fumaça.jpg
Nomes
Nome Estádio Durival Britto e Silva
Apelido Vila Capanema
Características
Local Curitiba (PR),  Brasil
Gramado Grama Ryegrass (110m x 70m)
Capacidade 17.000 pessoas [1]
Construção
Data Década de 1940
Inauguração
Data 23 de janeiro de 1947 (67 anos)
Partida inaugural Ferroviário 1 x 5 Fluminense
Primeiro gol Joninho (Fluminense)
Recordes
Público recorde 24.303[2] [3]
Data recorde 8 de setembro de 1968
Partida com mais público Atlético-PR 3 x 2 Santos
Outras informações
Remodelado 2006
Proprietário Paraná Clube
Arquiteto Rubens Maister
Mandante Paraná Clube

O Estádio Durival Britto e Silva, também conhecido como Estádio Durival de Britto, Estádio Durival Britto ou Vila Capanema, é um estádio de futebol brasileiro localizado em Curitiba e inaugurado em 1947.

Foi uma das sedes da Copa do Mundo de 1950, relizada no Brasil, e ao longo de seus mais de 60 anos pertenceu ao Ferroviário, Colorado, e atualmente pertence ao Paraná Clube[4] .

O nome Durival Britto e Silva é uma homenagem ao então Superintendente da Rede de Viação Paraná-Santa Catarina na época da construção do estádio e o nome popular (Vila Capanema) é a antiga denominação do bairro, hoje, Jardim Botânico.

Em 2011 o "Durival Britto" poderá passar de mãos e fazer parte do patrimônio do Governo do Estado do Paraná, pois desde 1971 existe uma ação judicial pela posse da área pertencente a antiga Rede Ferroviária Federal S.A., aonde encontra-se o estádio.

Através de um acordo, esta ação poderá ter fim e o estádio ser entregue, do Governo Federal para o Estadual e assim ser utilizado pela Paraná Clube, por ser o sucessor do Clube Atlético Ferroviário, que foi responsável pela construção do estádio em 1947[5] .

História[editar | editar código-fonte]

Construção e inauguração[editar | editar código-fonte]

Sua construção foi um marco na vida do Clube Atlético Ferroviário e na história do futebol paranaense. O clube, fundado em 1930 por funcionários da Rede Ferroviária, estava crescendo e precisava de um estádio de porte para mandar seus jogos.

Foi feito então um projeto pelo arquiteto Rubens Maister, projetista da construtora Thá, que foi apresentado por Reinado Thá ao superintendente da empresa, Durival Britto e Silva e ao presidente do Clube, Heron Wanderley. Ambos acharam ótima a idéia e se entusiasmaram com o projeto, mas alegaram não ter recursos para bancar a obra. Então o dinâmico Reinaldo Thá foi à luta, atrás do dinheiro, do material e da mão-de-obra para construir o estádio.

Depois de inaugurado em 23 de janeiro de 1947, ele passou a ser o terceiro maior estádio do país, com capacidade inferior apenas ao Pacaembu, em São Paulo e ao São Januário, no Rio de Janeiro.

A Inauguração foi realizada em uma 5ª-feira à noite e serviu para testar o sistema de iluminação do Estádio. Foi uma partida amistosa entre o dono da casa, Ferroviário e o Fluminense do Rio de Janeiro, um dos principais clubes do Brasil. O Jogo terminou em 5x1 para os cariocas, e o primeiro gol foi marcado por Careca, atacante do Fluminense.

Copa do Mundo[editar | editar código-fonte]

Quando o Brasil ganhou o direito de sediar a Copa do Mundo de futebol em 1950, a primeira após 12 anos de paralisação por causa do grande conflito mundial, a cidade de Curitiba credenciou-se para ser uma das sub-sedes. A Federação Paranaense de Futebol ofereceu à CBD - então Confederação Brasileira de Desportos - o belíssimo e recém inaugurado Estádio Durival Britto. A CBD incluiu Curitiba no circuito da Copa, graças à existência do estádio do Ferroviário, e uma comissão de vistoria veio até a cidade para analisar o estádio da Vila.

O estádio foi aprovado por unanimidade e, no dia 25 de junho de 1950 ficou lotado para o jogo entre Espanha e Estados unidos. O segundo jogo da Copa em Curitiba aconteceu no dia 29 de junho entre as equipes de Paraguai e Suécia. O estádio Durival Britto e Silva entrava para a história das grandes praças esportivas do mundo.

Ficha técnica dos Jogos:


25 de junho de 1950
15:00
Flag of Spain under Franco.svg Espanha 3–1 Flag of the United States.svg Estados Unidos Curitiba, Estádio Durival de Britto

Arbitro: Vianna (Brasil Brasil)
Público: 9.311


Basora Gol marcado aos 75'2T minutos de jogo 75'2T', Gol marcado aos 78'2T minutos de jogo 78'2T'
Zarra Gol marcado aos 85'2T minutos de jogo 85'2T'
J. Souza Gol marcado aos 17'1T minutos de jogo 17'1T'

28 de junho de 1950
15:30
Flag of Sweden.svg Suécia 2–2 Flag of Paraguay.svg Paraguai Curitiba, Estádio Durival de Britto

Arbitro: Mitchell (Flag of Scotland.svg Escócia)
Público: 7.903


Sundqvist Gol marcado aos 24'1T minutos de jogo 24'1T'
Palmer Gol marcado aos 26'1T minutos de jogo 26'1T'
A. López Gol marcado aos 32'1T minutos de jogo 32'1T'
C. López Gol marcado aos 89'2T minutos de jogo 89'2T'

Ferroviário, Colorado e Paraná Clube na Vila Capanema[editar | editar código-fonte]

Sob o comando do Clube Atletico Ferroviário, a Vila Capanema foi palco de grandes jogos e grandes finais de campeonatos. O primeiro foi em 1950, quando o Ferroviário disputou a final com o rival Coritiba e sagrou-se campeão Paranaense. Três anos mais tarde, no dia 28 de novembro de 1953, o Ferroviário conquistava o seu mais importante título, "Campeão do Centenário", mais uma grande festa na Vila. E em 1965 o Ferroviário conquistava mais um título paranaense no Estádio Durival de Britto, novamente em cima do rival Coritiba.

No ano de 1971 o Ferroviário se fundiu a outros dois clubes de Curitiba, dando origem ao Colorado Esporte Clube, e o Durival de Brito e Silva passou a ter novo dono. Em toda a história do Colorado, o jogo mais marcante na Vila Capanema foi a final do Campeonato Paranaense de 1980, disputado contra o Cascavel que podia perder por até 3 a 0. Após sofrer dois gols, o time do interior iniciou um "cai-cai" no gramado e a partida precisou ser paralisada diversas vezes antes do término do primeiro tempo. Mesmo assim, os jogadores do Cascavel continuaram a se atirar no campo e o jogo foi encerrado. Com um ato administrativo, o então presidente da FPF na época, Luiz Gonzaga da Motta Ribeiro, declarou as duas equipes campeãs.

Em outra fusão, desta vez entre o Colorado e o Esporte Clube Pinheiros em 1989, nasceu o Paraná Clube. A Vila muda de dono novamente e passa a ser um dos estádios do promissor clube, que também herdou a Vila Olímpica do Boqueirão (Estádio Érton Coelho de Queiroz), que pertencia ao Pinheiros. Após muitos anos, a Vila Capanema voltou a ser palco de uma comemoração de título. Foi em 1993, quando 16 mil torcedores compareceram e viram o Paraná Clube ganhar do Matsubara por 3 a 1 e conquistar o seu segundo título de campeão paranaense.

O Paraná seguiu mandando jogos na Vila até que em 2003 foi criado o Estatuto do Torcedor, que exigia o uso de estádios com capacidade mínima para 15.000 pessoas. O clube passou então a atuar no Pinheirão, e designou a Vila Capanema para o treinamento dos profissionais e para partidas das categorias de base. Os únicos jogos do time profissional realizados nesse período foram os do Torneio da Morte, quadrangular que definiria os rebaixados no campeonato paranaense 2004, quando a Paraná venceu facilmente os três jogos que contaram com casa cheia, mostrando todo o carinho da torcida paranista com o estádio histórico.

Campanha "Vila, tá na Hora!"[editar | editar código-fonte]

No fim do ano de 2005, após inúmeros pedidos da torcida, o Paraná Clube iniciou a campanha "Vila, Tá na hora!", comandada pelo então diretor de marketing, Neto Gayer. Iniciou-se então, uma série de obras de revitalização, ampliação e de adequação ao Estatuto do Torcedor.

Além de reformas no gramado, bares, banheiros etc., e a construção da curva norte, com capacidade para 8.500 pessoas, a principal obra foi a construção de 72 camarotes sobre a arquibancada da reta do relógio. Vendidos rapidamente a preços entre R$26.000,00 R$39.000,00, o valor arrecado foi de R$1.820.000,00 (quase dois milhões de reais), alavancando as obras, orçadas em dois milhões e meio de reais. Além disso, uma série de produtos, como canecas, pulseiras e chaveiros da campanha foram lançados. Com excelente resposta da torcida, as obras foram todas feitas por esses recursos.

A reinauguração do estádio, agora com capacidade para 20.083 torcedores (capacidade oficial pela CBF de 17 mil), aconteceu dia 20 de setembro de 2006, às 19h30min, quando o Paraná ganhou do Fortaleza por 2x0, com gols de Leonardo e Peter, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro. Desde então, vem sendo a casa do Paraná Clube, que atualmente disputa a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Vista panorâmica da Vila Capanema recém reinaugurada.

Em 2007 a Vila Capanema voltou a figurar no cenário internacional do futebol. Foi quando o Paraná Clube participou pela primeira vez da Copa Libertadores da América. Foram disputados cinco jogos na Vila até o time paranaense ser eliminado da competição, pelo Libertad do Paraguai nas oitavas de final. Na fase de grupos os jogos foram contra o compatriota Flamengo, Real Potosí da Bolívia e Union Maracaibo da Venezuela. Na primeira fase, também chamada de pré-libertadores, o Paraná enfrentou o Cobreloa do Chile. Também em 2007, a Vila foi o palco de mais uma final do Campeonato Paranaense, quando o Tricolor da Vila perdeu o título para o ACP.

Localização[editar | editar código-fonte]

Estádio visto do alto.

O estádio fica no bairro Jardim Botânico, região central de Curitiba, oficialmente na Rua Engenheiros Rebouças, sem número. Fica ao fundo da Rodoferroviária de Curitiba e do pátio de manobras da Rede Ferroviária. Muito Próximo ao estádio passa o Rio Belém e o Viaduto Colorado, onde algumas pessoas se arriscam a assistir os jogos disputados no estádio.

Apesar de ser um bairro residencial, perto ao estádio, na Rua Engenheiros Rebouças encontram-se sedes de alguns órgãos públicos e empresas, como IAP, Sanepar e CAVO. Próximo ao estádio, ficam também algumas fábricas, como Mate Leão, Mate Real, Brahma (Ambev), entre outras.

Até as obras de 2006, o acesso principal para a torcida paranista ao estádio era pela Rua Engenheiros Rebouças. Depois das obras, com a construção da Curva Norte o acesso foi transferido para a Avenida Doutor Dário Lopes dos Santos (continuação da Avenida Presidente Getúlio Vargas).

Setorização[editar | editar código-fonte]

Esquema detalhado mostrando a setorização da Vila Capanema.

As arquibancadas da Vila Capanema são divididas em cinco setores para o público, dos quais quatro são para a torcida local. São eles: Curva Norte, Reta do Relógio, Sociais Cobertas e Cadeiras. A área destinada aos Visitantes fica ao lado das arquiancadas sociais. Além desses setores, existem a geral que fica à frente das Sociais e os Camarotes que foram construídos recentemente sobre a Reta do Relógio. As cabines de rádio e televisão ficam em cima das arquibancadas sociais (oposta à Reta do Relógio).

O acesso para a torcida do time da casa é feita pela rua Dr. Dário Lopes dos Santos e para a torcida adversária pela Rua Engenheiros Rebouças, na antiga fachada do estádio. A entrada para o estacionamento é na Rua Pedro de Araújo Franco.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A vila Capanema conta hoje com as seguintes instalações:

- Campo de Futebol

- Sala de Musculação

- Departamento Médico

- Departamento de Fisioterapia

- Hotelaria / Concentração

- Restaurante

- Rouparia

- Arquibancadas com Vestiários

- Depto. de Futebol Profissional/Administração

- Sala de Imprensa

- Sala de Palestra

- Depto. de Informática/Central de TI

- Loja Tricolor (Materiais Esportivos)

- Estacionamento

- Modernas Portarias (Sistema de ingressos informatizado)

- Modernas Bilheterias (Venda de ingressos interligado a todas as sedes)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências