Mixto Esporte Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Mixto
Mixto EC.svg
Nome Mixto Esporte Clube
Alcunhas Alvinegro da Getúlio Vargas
Tigre da Vargas
Torcedor/Adepto Mixtense
Mascote Tigre
Fundação 20 de maio de 1934 (80 anos)
Estádio Arena Pantanal
Capacidade 42.968 pessoas
Localização Cuiabá, Mato Grosso, Brasil
Mando de jogo em Dutrinha
Capacidade (mando) 6 000 pessoas [1]
Presidente Brasil Eder Moraes
Treinador Brasil Zé Roberto
Patrocinador Brasil Grupo Piran
Brasil Grupo Dias
Brasil Idaza
Brasil SAL Locadora
Brasil Fort
Brasil Verde Transportes
Material esportivo Brasil Tubarão Sport
Mato Grosso MT 2013
Brasil D 2013
Brasil Cp Gov 2013
Vice Campeão
Eliminado
Disputando
Ranking nacional 75º lugar, 961 pontos
Website [1]
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

Mixto Esporte Clube é um clube brasileiro de futebol da cidade de Cuiabá, capital de Mato Grosso. Suas cores são preto e branco.

Considerado o clube mais popular de Mato Grosso, possuindo a maior torcida do estado, é também o maior vencedor do Campeonato Mato-Grossense, com 24 conquistas, além de ser o único a ter conquistado o tetracampeonato (em duas oportunidades, de 1951 a 1954 e de 1979 a 1982). Participou dos Campeonatos Brasileiros de 1976 a 1986. Seu maior rival é o Operário Futebol Clube com quem faz o Clássico dos Milhões.

História[editar | editar código-fonte]

Em plena Cuiabá da década de 1930 do século XX, no centro geodésico da América Latina, nascia o clube que tempos depois se tornaria o mais querido do estado do Mato Grosso, símbolo esportivo e cultural da "Cuiabania".

A história do Mixto Esporte Clube se confunde com a história da Cuiabá do século passado, sendo parte das tradicionais marchas carnavalescas e festas populares, o Mixto se tornou o orgulho dos cuiabanos levando o nome da cidade por vários cantos do Brasil. Até os dias de hoje fortificando-se como um clube das massas, do sotaque, da culinária, das crenças e do modo de vida do cuiabano.

Uma História Emocionante[editar | editar código-fonte]

No dia 20 de maio de 1934, na Rua Sete de Setembro no centro de Cuiabá, quase em frente da Igreja Senhor dos Passos, mais especificamente na antiga Livraria Pepe (um casarão construído em estilo colonial e tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) é fundado o ‘Mixto Sport Club’ (Assim era a grafia original do nome do clube).

Reunidos no casarão de estilo colonial, Ranulfo Paes de Barros, Maria Malhado, Gastão de Matos, Naly Hugueney de Siqueira, Avelino Hugueney de Siqueira (maninho), e Zulmira Dandrade Canavarros, decidiram fundar um clube esportivo, mas estavam determinados na construção de um clube diferente: Um clube que reunisse homens e mulheres para o entretenimento cultural e esportivo, algo incomum para a época, no qual os clubes esportivos era majoritariamente somente para homens.

As Raízes do clube[editar | editar código-fonte]

O clube que se transformou em Mixto Esporte Clube foi outrora o Clube Esportivo Feminino, dedicado a discussões e saraus sobre a literatura mato-grossense, brasileira e européia. Que se misturou com o Clube Esporte Pelote, liderado por Nali Hugueney e também por Zulmira Canavarros.

O Pelote era um time de Vôlei feminino que surgiu para por fim à invencibilidade da equipe do Bosque, funcionava numa quadra de esportes, no bairro da Boa Morte, próximo a antiga sede do Mixto, entre as ruas Cândido Mariano e Campo Grande. Ao final dos jogos de vôlei eram realizados no mesmo local, tradicionais bailes, que continuaram como tradição na vida do clube alvi-negro. O Clube Esportivo Feminino foi fundado em 1928 pela professora Zulmira Canavarros, que liderando um grupo de moças cuiabanas, criou um clube composto somente por mulheres, onde buscavam promover recreação, esporte e cultura. Após a fundação do Mixto ambos se separaram em suas trajetórias, tornando-se o Mixto um clube centrado no lazer esportivo, e o Clube feminino no lazer músical. O Clube Feminino possui sua sede na Rua Barão de Melgaço esquina com a rua Campo Grande, próximo à antiga sede do Mixto, num casarão tombado pelo Patrimônio Histórico de Mato Grosso.

Nas origens do Mixto uma mescla de cultura literária, tradicões regionais, e esportes praticados por homens e mulheres, assim começa o legado do clube considerado o mais querido clube de Mato Grosso.

A origem do nome e as cores[editar | editar código-fonte]

Os fundadores, logo debruçaram-se então a escolher um nome e as cores para o novo clube. Várias opções de nomes surgiram mais o consenso era com o nome Mixto, pois essa palavra tem o significado de mistura de coisas diferentes, ou opostas. O nome representava perfeitamente a ideologia do novo clube, um clube formado sem preconceitos, por mulheres e homens.

Segundo a grafia atual da língua portuguesa, o vocábulo "misto" deve ser escrito com "S", no entanto o uso da letra "X" no lugar do "S" se deve ao fato de que na época da criação do clube a palavra era grafada dessa forma. Os tempos mudaram, houve reformas ortográficas na língua portuguesa alterando a grafia de diversas palavras, inclusive dessa, mas preservou-se a grafia original do nome do time, como o de registro, alterando com o tempo o restante do nome: de Sport Club, para Esporte Clube.

As cores do Mixto não podiam ser outra se não o preto e branco. Duas cores opostas mais ao mesmo tempo essências, base para a formação de qualquer outra cor. Branco e preto, homens e mulheres, assim nasce as cores do alvinegro mais querido do Centro Oeste.

A Construção da Sede Mixtense[editar | editar código-fonte]

O Patrimônio Mixtense era a prioridade dos fundadores e de seus recém associados, que crescia rapidamente. Logo os associados do 'Mixto Sport Club' levantaram os recursos e o investiram na construção de uma sede física e de espaços recreativos e esportivos.

No livro Egéria Cuiabana, de Benedito Pedro Dorileo (1976), é desta forma narrada os fatos:

"A Sede própria passa a ser logo a primeira preocupação e no mesmo ano é adquirido de João Batista de Oliveira, Batinga, o imóvel da Rua Cândido Mariano, com recursos provindos dos primeiros associados. Uma área, com pequeno alojamento, cercada por um muro, tinha ingresso por um portão, que ostentava ao lado o emblema criado por Zulmira; seria o símbolo bordado nas jaquetas e na bandeira do Clube. A identificação geográfica estava definida (...). O entusiasmo já era intenso com poucos dias de existência do Clube, que nascia forte. A 18 de setembro do mesmo ano (1934) inaugurava solenemente a quadra de esporte, com palavras da 1ª Oradora Maria Alderett”

Fonte: Benedito Pedro Dorileo

Discurso de inauguração da Sede Mixtense[editar | editar código-fonte]

"Meus Senhores:

Escolhida, embora imerecidamente para o honroso cargo de oradora do Mixto Sport Club, eis-me escalada para esta delicada missão de dizer-vos algumas palavras no momento em que a bandeira alvi-negra se desfralda galhardamente.

Inaugura o nosso Club o seu campo desportivo, marco decisivo de sua vida brilhante e auspiciosa, que ora se abre à frente de nosso grêmio.

O prestígio de que goza o Mixto Sport Club no nosso meio está significativamente testificado pela presença a esta festa dos elementos dos mais representativos da sociedade cuiabana.

O desenvolvimento da cultura physica é um índice de progresso e de aperfeiçoamento das raças e dos povos e é com satisfação que assignalamos em nosso meio êste phenômeno promissor.

Em nome do Mixto Esporte Clube eu vos agradeço a honra da Vossa presença a êste acto e encerro esta ligeira oração com os votos a Deus para que propicie à nossa agremiação longa vida, cheia de prosperidade e de graças, para o bem de nossa terra natal e progresso cada vez maior do Brasil".

Discurso de Maria Alderett (primeira oradora do Mixto) Publicado no Livro Egéria Cuiabana - de Benedito Pedro Dorileo - Ed. 1976

Fonte: Benedito Pedro Dorileo

Fase recente[editar | editar código-fonte]

2001

Uniforme novo, campo de treinamento e alojamentos; as novidades na apresentação do elenco do Mixto pararam por aí. A comissão técnica é a mesma que esteve à frente do Berga no Estadual do ano passado, com Éder Taques como treinador, Gilmar Ferreira na preparação física, Wanderley da Hora como treinador de goleiros e Luís Carlos Tingo como dublê de supervisor. Com exceção do volante Manu e do atacante Polaco, indicados pelo próprio Éder Taques, os novos "contratados" já são velhos conhecidos da torcida cuiabana: Chiba (lateral-esquerdo que defendeu o Operário e o Palmeiras de Barra do Bugres); Hugo (zagueiro e médio volante que jogou no Operário e no Berga), Renatinho (lateral-direito, ex-Operário) e Alexandrinho, do próprio Mixto e é só.

Time: Denilson; Odair, Sirley, Hugo e Renatinho; Láudio, Cícero, Manu e Anderson; André e Wilson. Técnico: Éder Taques

2002

O presidente era Wilson Bregunci que chegou com promessas de priorizar a reestruturação do patrimônio do clube, o que incluia a construção do esperado Centro de Treinamento. Mas não foi feito. No entanto o Mixto decidiu que a melhor alternativa seria não participar do estadual.

2003

Em busca de recuperar o tempo perdido,quando em anos alternados se licenciou do Campeonato Mato-grossense, o Mixto Esporte Clube quer recuperar o prestígio junto a sua torcida. A nova diretoria substituiu o presidente licenciado,Wilson Begunbci. Para este ano,a base do time será de garotos das divisões de base do clube."Queremos ver um Mixto forte.Que participe de todas competições organizadas pela federação.Não aquela política que estava sendo implantada, a de se formar um time só para três meses",afirmou o técnico Hélio Machado. Time: Wesley; Márcio, Paulão, Alisson e Da Cota; Ariel, Serginho, Wesley e Welington;Rafael e Edson ou Kanu

2004 - Técnico: Elzo Coelho

Time: Daniel; Babalu, Marcão, Márcio e Jocimar; Chicão, Cícero, Casinha e Iúca; Márcio ou Rincon Baiano e Niltinho Goiano. Técnico: Elzo Coelho.

2005

Na semana em que completou seu 71º aniversário - no último dia 20 de maio -, o Mixto, clube mais tradicional e de maior torcida da capital, não teve nada a festejar. O clube que fez o maior investimento de sua história para a disputa do Campeonato Estadual - algo em torno de 300 mil reais - se despediu do atual certame, após um dos maiores fiascos, desde a fundação do clube.

Entre as 14 equipes que iniciaram a competição, o alvinegro foi o primeiro eliminado. E pelo meio mais ridículo: um sorteio, com pedrinhas, na FMF, tirou o time da competição e materializou o azar que acompanhou o time, em todo o certame.

2008 - Campeão Mato-grossense

Em 2008, depois de altos e baixos no estadual, o clube conseguiu e forma heroica, na primeira fase, foi líder do grupo com cinco vitórias e três empates em oito jogos, e assim se classificou para a segunda fase, lá ficou em segundo no grupo com três vitórias, um empate e duas derrotas em seis jogos, assim o clube se classificou para a terceira fase, fez bem o foi líder o grupo, com novamente três vitórias, um empate e duas derrotas em seis jogos, sendo assim foi para a final contra o União Rondonópolis, no primeiro jogo em casa, acabou em empate sem gols, no segundo, venceu por um a zero, com gol de Evandro, a torcida adversária ficou revoltada e começou em quebra-quebra, mas isso não estragou a festa do Mixto, com esse foi o seu 24º título estadual.

2009 - Rebaixamento

No estadual passou na primeira fase, mas parou na segunda, sendo assim deu adeus ao bicampeonato. No campeonato brasileiro série C o clube inovou e contratou jogadores experientes como por exemplo Finazzi, que teve passagens pelo Corinthians, São Caetano e Mirassol, mas não adiantou, o clube acabou rebaixado para a quarta divisão do campeonato nacional com apenas duas vitórias e um empate em oito jogos, e a maior contratação, Finazzi, deu adeus ao clube sem sequer marcar um gol.

2010 - Planos ambiciosos

Em 2010, o clube, acertou a contratação do técnico Roberto Cavalo, vindo do Paraná, e jogadores experientes, como o meia-atacante Adriano Gabiru (marcador do gol que deu o título mundial ao Internacional/RS), o volante Perdigão que teve passagens, pelo Corinthians e São Caetano e o lateral Luizinho Neto. Com um elenco reformulado para 2010, o clube quer o título mato-grossense, e o acesso a série C do campeonato nacional. Mas depois de três rodadas do estadual, o time não teve um bom rendimento, então Adriano Gabiru, Perdigão e Luizinho Neto foram dispensados.

2010 - Série D

O Mixto teve uma boa participação no campeonato brasileiro série D com 6 vitórias, um empate e uma derrota sendo eliminado apenas por saldo de gol, o Mixto teve o melhor aproveitamento dos 100 clubes de todas as divisões.

Hino[editar | editar código-fonte]

O Hino Oficial, compôs Zulmira ao piano, música e letra (Cf. a composição musical), com assistência do Acadêmico Ulisses Cuiabano:

O Mixto Sport Club
Agora se apresenta.
E pelo branco e negro,
As cores que ostenta
No seu pavilhão.
Seremos sempre unidos
E sempre destemidos.
Havemos de lutar
E também trabalhar
De todo coração.
Hurra!... Hurra!...
O Mixto Sport Club
Será o lema
Desta nossa sociedade.
A união e também a lealdade.
Debaixo do nosso céu de anil,
Tremula altaneira
Nossa gentil bandeira.
E pelo sport, em nossa Cuiabá,
Teremos por fanal,
Lutar, lutar, lutar
Por nosso ideal.

Quem foi Zulmira Canavarros[editar | editar código-fonte]

Era exímia musicista e também escrevia peças de teatro. Projetou-se numa época em que a mulher não tinha muitas chances de mostrar o seu valor.

Uma das mulheres mais marcantes da história da cultura cuiabana, Zulmira Canavarros, umas das fundadoras do Mixto Esporte Clube, e criadora da obra de arte que é o hino do clube alvi-negro, Zulmira dirigiu 18 peças entre elas a peça “Branca de Neve” em Cuiabá e “Cala a boca Etelvina” (os arquivos estão localizados no Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso).

“A considero como um esteio das manifestações culturais do século 20”, relata Adriana Nascimento, que estudou sobre Zulmira. Um dos trabalhos de Zulmira que mais chama a atenção é a peça “ A noiva e a égua”, em que a artista mostra em sua visão como eram as mulheres “noivas”, criadas para serem submissas e as mulheres “égua”, que eram as rebeldes na época. Personalidades que, segundo Viviane, Canavarros sabia dosar muito bem. Todo o trabalho pode ser conferido na Biblioteca Central da UFMT.

Zulmira Canavarros é uma personagem que realmente merece a redescoberta de sua obra. Era exímia musicista e nos tempos do cinema mudo, atuava como pianista do Cine Parisiense. Compunha músicas e hinos para solenidades numa época em que a mulher não tinha muitas chances de mostrar seu valor. Marcou a história de Mato Grosso onde, juntamente com Dunga Rodrigues, começou a desenvolver o rasqueado no piano solo. Zulmira ainda foi a fundadora do primeiro clube feminino (1928), depois o Mixto Esporte Clube e a rádio A Voz do Oeste.

fonte: Adaptado por Mixtonet do texto de Adriana Nascimento/Diário de Cuiabá

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Em 1973, a Seleção Boliviana foi a primeira seleção a enfrentar um time de Mato Grosso, sendo escolhido o Mixto como adversário. O confronto ocorreu em 3 de junho de 1973. A Seleção da Bolivia, que estava preparando para as eliminatórias da Copa de 74, havia perdido para a Bosnia por 5 a 0 e também para o Operário de Campo Grande por 1 a 0. Em Cuiabá, o resultado final foi uma vitoria por em 9 a 1.
Mixto 9 x 1 Seleção Boliviana.
Estádio - Presidente Dutra, em Cuiabá
Data - 3 de junho de 1973
Árbitro: Arnaldo César Coelho. Auxiliares: Airton de Souza Franco e Aguinaldo Lopes.
Renda: Cr$ 33.495,00 (cruzeiros)
Gols - Filinto, 3x Rômulo, 4x Tomate e Oregano(Mixto), Tomate (contra).
Mixto: Zé Rondonópolis (Juarez); Tomate, Felizardo, Gato (Ivan) e Luziano Adão; Rômulo (Mauro) e Filinto; Cardozinho, Cecílio (Wilson), Nato (Jaburu) e Oregano.
Seleção Bolíviana: Jimenez; Oliveira, Antlo (Lima), Péricles e Iriondo; Vargas, Rocha (Cortez) e Jimenez (Cayo); Blacolth (Sanchez), Linhares, Mezza e Fernandez.

Torcida organizada[editar | editar código-fonte]

Atualmente, o clube com quatro apaixonadas torcidas organizadas, que protagonizam a festa nas arquibancadas em dia de jogo do Tigre.

  • Torcida Boca Suja: Fundada em 1992, a "TBS" é formada por torcedores apaixonado pelo alvinegro. Atualmente, a organizada tem em seus quadros mais de 2 mil componentes, que cantam e vibram a cada jogo do Mixto.
  • Blog: www.torcidabocasuja.org
  • Tocida Desorganizada Comando Zero: Também é uma tradicional torcida que está ao lado do Mixto em todos os seus jogos. É comandada por um dos mais ilustres e folclóricos torcedores do Mixto, Frank Sabiá.
  • Torcida Razão Alvinegra: Mais jovem Torcida Organizada do Mixto, a Razão Alvinegra também leva alegria aos estádios em dia de jogos do Mixto.
  • Torcida Comando Alvi-Negro:No dia 26 de Setembro de 2010 um gupo de torcedores com o objetivo de formar uma torcida para o Mixto Esporte Clube resolveu se unir para criar a Torcida Organizada Comando Alvi-Negro, com a missão de apoiar o Mixto. Torcida de verdadeiros Guerreiros que vão lutar pelo Mixto, para voltar ao seu verdadeiro lugar e ser o Mixto Esporte Clube , o time de Expressão no Centro-Oeste do Brasil.

Site:http://torcidacomandoalvinegro.blogspot.com/p/inicio.html

Torcedores ilustres

O Mixto ainda tem em seus quadros torcedores ‘ilustres’, que, apesar da humildade, não negam esforços para assistir a um jogo da equipe.

Destacam-se: Nhá Barbina (torcedora símbolo), Chincharrinha, Dézinho, Frank Sabiá, e outro

AFAM (Amantes do Futebol e Amigos do Mixto)

Diante da necessidade de atrair investimentos para montar uma equipe que tenha condições de levar o Mixto a Série B do Campeonato Brasileiro, uma Comissão de Notáveis em nível estadual se reuniu para poder ajudar o Mixto a alcançar o seu principal objetivo neste ano.

Formada por personagens ilustres da política estadual, do meio empresarial e do ramo de comunicação compõem esta Comissão com o objetivo de atrair investidores que possibilitem a contratação de jogadores de alto nível para levar o Mixto a Segunda Divisão do Futebol Brasileiro. A Comissão ainda tem como meta angariar recursos para a construção do sonhado Centro de Treinamentos do clube.

Compõem esta Comissão
Presidente
Éder Moraes (Secretário Estadual de Fazenda)
Vice-presidente
José Riva (Presidente da Assembléia Legislativa)
Tesoureiro
Blairo Maggi (Governador do Estado)
Ainda atuam como membros efetivos da Afam
João Dorileu Leal, Anildo Lima Barros,Silval Barbosa, ; ; Eder Pinheiro e o presidente da equipe Márcio Pardal

Rivalidade[editar | editar código-fonte]

O Mixto Esporte Clube tem com seu maior rival o Clube Esportivo Operário Várzea-Grandense (C.E.O.V). (Várzea Grande),que é considerado por muitos o maior clássico de Mato-Grosso que é conhecido como o Clássico dos Milhões, pois era o que mais levava o público ao estádio na região Centro Oeste.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O Mixto, que já foi chamado de alvinegro da Getúlio Vargas, devido à sua sede ser localizada nessa avenida, no centro da cidade. Hoje está desativada. As decisões administrativas e do futebol são tomadas no escritório do clube.

Localização: Edifício American Business Center, localizado na avenida Historiador Rubens de Mendonça, no 10 andar, sala 1005, em Cuiabá - MT.

Atualmente, o time conta com novas estruturas para os Centros de treinamento e possui um ônibus personalizado.

Centros de treinamento
  • CT Baviera: disponibilizado para os treinamentos das equipes de base, cedido pela Coca-Cola.
  • CT Mixto: mais conhecido como Toca do Tigre, esse centro de treinamento é disponibilizado para a equipe profissional realizar seus treinos. Localizado na região do Coxipó, em Cuiabá, sua estrutura está entre as melhores do Brasil com uma grande estrutura. Além dos 2 campos com tamanho oficial, sala de massagem, sala de imprensa,sala medica com medico de plantao,sala para os cardiologista e fisiologista,caixa de areia para preparar o físico dos jogadorese também possui uma academia de ultima geração que ajuda mais ainda na preparação dos atletas.Sem duvidas é um dos melhores centro de trenamento.

Participação em competições nacionais[editar | editar código-fonte]

CAMPEONATO BRASILEIRO SÉRIE A*
- 1985: 14º colocado
- 1983: 40º colocado
- 1982: 38º colocado
- 1981: 29º colocado
- 1980: 39º colocado
- 1979: 54º colocado
- 1978: 39º colocado
- 1976: 27º colocado

Retrospecto: 115 jogos - 35 vitórias - 28 empates - 52 derrotas

  • OBS: durante muito tempo o Campeonato Brasileiro teve o nome de Campeonato Nacional, e depois por um outro período era chamado de Campeonato Brasileiro Primeira Divisão
CAMPEONATO BRASILEIRO SÉRIE B*
- 1971: Semifinal Região Centro/Sul
- 1987: eliminado na 1º fase
- 1982
- 1983
- 1986
- 1989

Retrospecto: 26 jogos - 7 vitórias - 4 empates - 15 derrotas

  • OBS: antigamente o Campeonato Brasileiro Série B era chamado de 'Segunda Divisão'
CAMPEONATO BRASILEIRO SÉRIE C*
- 1987
- 1988
- 1996
- 2006
- 2008: 14° colocado
- 2009: 19° colocado, rebaixado para a série C

Retrospecto: 54 jogos - 19 vitórias - 19 empates - 16 derrotas

  • OBS: antigamente o Campeonato Brasileiro Série C era chamado de 'Terceira Divisão'.
CAMPEONATO BRASILEIRO SÉRIE D
- 2010: 11°colocado
- 2012: 8°colocado
COPA DO BRASIL
- 1989: 2° fase
- 1990: 1° fase
- 1997: 1° fase
- 2001: 2° fase
- 2009: 1° fase

Retrospecto: 11 jogos - 4 vitórias - 1 empate - 7 derrotas (sendo uma delas por WO).

Títulos[editar | editar código-fonte]

Torneios regionais[editar | editar código-fonte]

Estaduais[editar | editar código-fonte]

Campeão (24): 1943, 1945, 1947, 1948, 1949, 1951, 1952, 1953, 1954, 1959, 1961, 1962, 1965, 1969, 1970, 1979, 1980, 1981 1982, 1984, 1988, 1989, 1996 e 2008.
Campeão (1): 2009.

Outras conquistas[editar | editar código-fonte]

  • Torneio Centenário de Corumbá
Campeão (1): 1957
  • Torneio 8 de Abril
Campeão (1): 1967
  • Torneio Início
Campeão (1): 1969
  • Taça Cuiabá
Campeão (1): 1969
  • Copa Integração Presidente Médici
Campeão (1): 1973

Símbolos[editar | editar código-fonte]

O Mixto Esporte Clube é alvinegro e em sua camisa destaca-se uma faixa diagonal, descendo da esquerda para a direita, lembrando os uniformes da Ponte Preta e do Vasco da Gama. Tem como mascote um tigre. Devido a isso, e sua antiga sede na avenida Getúlio Vargas, o Mixto é conhecido como "Tigrão da Vargas" e "Alvinegro da Getúlio Vargas".

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Jogadores[editar | editar código-fonte]

  • Camisa branca com faixa transversal preta;
  • Camisa preta com faixa transversal branca;
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme

Goleiros[editar | editar código-fonte]

  • Amarelo com detalhes preto;
  • Cinza com detalhes brancos;
  • Preta com detalhes brancos.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'


Treino[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Legenda

Capitão: Capitão
Suspenso: Jogador suspenso
Lesionado: Jogador contundido


Goleiros
Jogador
- Brasil Igor Lemos
- Brasil Bruno Colaço
Defensores
Jogador Pos.
- Brasil Zé Adriano Lesionado Z
- Brasil Pedro Pio Z
- Brasil Dodô Z
- Brasil Ricardo Ehle Z
- Brasil Douglas Z
- Brasil Denílson LD
- Brasil Jairo LD
- Brasil Rogério LE
- Brasil Ítalo LE
- Brasil Marquinhos LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
- Brasil César Romero V
- Brasil Kiko Capitão V
- Brasil Paulo Almeida V
- Brasil Ruy Cabeção M
- Brasil Filipe Lesionado M
- Brasil Franklin M
- Brasil Edílson M
Atacantes
Jogador
- Brasil João Paulo
- Brasil Buiú
- Brasil Fogaça
- Brasil Leandrinho
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Ary Marques T

Transferências para a temporada 2014[editar | editar código-fonte]

Emprestado.: Jogadores emprestados

Voltaram de Empréstimo.: Jogadores que retornam de empréstimo

Entradas
  Pos. Jogador Clube anterior Ref.
Fairytale right.png G Brasil Igor Lemos Brasil URT
Fairytale right.png G Brasil Léo Brasil Crato
Fairytale right.png G Brasil Poti Brasil Tigres do Brasil
Fairytale right.png Z Brasil Douglas Brasil Cuiabá
Fairytale right.png Z Brasil Zé Adriano Brasil Rio Branco
Fairytale right.png Z Brasil Robinho Brasil Sampaio Corrêa
Fairytale right.png LD Brasil Jairo Brasil Crato
Fairytale right.png LD Brasil Denílson Brasil Sampaio Corrêa
Fairytale right.png LE Brasil Rogério Brasil Ferroviária
Fairytale right.png LE Brasil Ítalo Brasil Pesqueira
Fairytale right.png V Brasil César Romero Brasil União Rondonópolis
Fairytale right.png V Brasil Paulinho Pitbull Brasil Rio Branco
Fairytale right.png V Brasil Chicão Brasil Moto Club
Fairytale right.png M Brasil Sandro Costa Equador Ferroviários
Fairytale right.png M Brasil Douglas Katita Brasil Juventus
Fairytale right.png M Brasil Felipe Brasil Sport
Fairytale right.png M Brasil Neném Brasil Penapolense
Fairytale right.png A Brasil Nilton Goiano Brasil Rio Branco
Fairytale right.png A Brasil João Paulo Brasil Marcílio Dias
Fairytale right.png A Brasil Gilson Brasil Trindade
Fairytale right.png A Brasil Gabriel Brasil Ríver-PI
Fairytale right.png A Brasil Jean Brasil Primavera
Fairytale right.png A Brasil João Felipe Brasil Fernandópolis
Fairytale right.png A Brasil Leandrinho Brasil Audax-SP
Fairytale right.png A Brasil Célio Codó Brasil Sampaio Corrêa
Saídas
  Pos. Jogador Clube de destino Ref.
Fairytale left red.png G Brasil Walison Brasil Operário-MT
Fairytale left red.png G Brasil Poti Brasil América-SP
Fairytale left red.png Z Brasil Kall Brasil Operário-MT
Fairytale left red.png Z Brasil Odail Júnior Brasil Operário-MT
Fairytale left red.png V Brasil Felipe Blau Brasil Anápolis
Fairytale left red.png V Brasil Gean Brasil Cuiabá
Fairytale left red.png V Brasil Fabrizzyo Brasil Anapolina
Fairytale left red.png V Brasil Jamba Brasil Operário-MT
Fairytale left red.png M Brasil Éder Belém Brasil Cuiabá
Fairytale left red.png M Brasil Geovani Brasil Nova Iguaçu
Fairytale left red.png M Brasil Valderrama Brasil Operário-MT
Fairytale left red.png A Brasil Geílson Brasil Lajeadense
Fairytale left red.png A Brasil Gilson Brasil Moto Club
Fairytale left red.png A Brasil João Felipe Sem Clube
Fairytale left red.png A Brasil Nilton Goiano Sem Clube

Direção do departamento de futebol[editar | editar código-fonte]

País   Nome Cargo
Brasil Eder Moraes Presidente
Brasil Alex Botelho Secretário Geral
Brasil Julio Cesar Preparador de goleiros
Brasil Nildo Ribeiro do Nascimento Coordenador da base e auxiliar técnico
Brasil Wilson Carrasco Auxiliar técnico da base
Brasil Willian Mendes


Ídolos[editar | editar código-fonte]

   

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. CNEF da CBF (PDF) (em português) Site Oficial da CBF. Visitado em 09/03/12.
Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.