Superclássico do futebol argentino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Superclássico do futebol argentino
Boca x River Plate
Boca Juniors 2012.svg Boca Juniors 127 vitória(s), 468 gol(s)
EscudoRiverPlate.png River Plate 114 vitória(s), 428 gol(s)
Empates 112
Total de jogos 353
Total de gols 896
editar

Superclássico do futebol argentino é o maior clássico de futebol de toda a Argentina e reúne os clubes que mais vezes conquistaram o Campeonato Argentino de Futebol e as duas maiores torcidas do país, sendo estas duas torcidas de âmbito nacional e se confrontam desde 2 de Agosto de 1908 (Boca 2 a 1 River).

História[editar | editar código-fonte]

Capa da revista esportiva argentina El Gráfico, de 1962, que mostra uma foto de Luis Artime marcando um gol na vitória do River Plate no Superclásico contra o Boca Juniors por 3x1

As rivalidades de Buenos Aires costumam surgir pela proximidade entre dois clubes; alguns pertencem ao mesmo bairro ou são de bairros vizinhos. A rixa entre boquenses e riverplatenses surgiu assim, com os dois lutando pelo valor de melhor representante do bairro de La Boca, onde ambos foram fundados. O River, depois de alguns anos, necessitou mudar de casa, até fixar-se em Belgrano na década de 1920.

Apesar da grande distância que separa os dois bairros (Belgrano encontra-se ao norte da capital e La Boca, ao sul), o fato só acirrou a rivalidade: os moradores de La Boca, um bairro humilde e operário, não perdoaram o fato de o River ter se mudado para um bairro nobre, sendo adotado pela alta sociedade portenha. A disputa, então, passou a ganhar contornos de "povo x elite", o que ainda se mantém, apesar de os dois clubes terem se difundido bastante entre todos os segmentos sociais.

Antes do início da Libertadores 2007, o River Plate era o segundo colocado do Ranking de pontos da Libertadores e o Boca Juniors, o quinto. Em conquistas da Libertadores, o Boca tem seis títulos, e o River, dois. Em títulos mundiais, a vantagem xeneize é de três conquistas contra um do rival, que tem melhor retrospecto no campeonato nacional: venceu 34 vezes o campeonato argentino, cinco a mais que o Boca. Em confrontos direto, os auriazuis têm 128 vitórias, contra 112 dos alvirrubros.

Em pesquisa de torcidas realizada pelo Instituto Entrepreuner para a revista El Gráfico nº 4.118 de 11 de Setembro de 1998, Boca e River seriam as maiores torcidas da Argentina, tendo o Boca 31,2% (10.791.000 pessoas) da preferência e o River, 30% (10.376.000 pessoas), ou seja, os dois juntos represenram 61,2% dos torcedores argentinos; já segundo Consultora Equis Boca é a primeira torcida com 40,4% e o River a sequnda com 32,6%.

Em outra pesquisa realizada pelo Centro de Estuos Nueva Mayoría, em Julho de 2004, o Boca teria 39% da torcida da Grande Buenos Aires e o River 26%, considerando apenas essa região metropolitana. Por esta pesquisa, o River justificaria o apelido de "Milionários", pois leva vantagem entre os torcedores de classe média alta (34% contra 28% do Boca) e entre os que tem educação superior (35% a 27%). Já o Boca tem quase o dobro na classe baixa (42% a 24%)e entre as pessoas que completaram apenas o primário (44% a 24%).

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Alfredo Di Stéfano foi um grande ídolo do River Plate, mas também já esteve no Boca Juniors. Aqui, Di Stéfano (à direita, de terno) como técnico do Boca, comemora com seus jogadores a vitória sobre o River, em 1969
Estatísticas
Número de partidas 351
Vitórias do Boca Juniors 128
Vitórias do River Plate 113
Empates 111
Número de gols do Boca 426
Número de gols do River 426
  • Maior artilheiro do Boca: Martin Palermo , 18 gols
  • Maior artilheiro do River: Ángel Labruna, 16 gols
Dados atualizados até 27 de Novembro de 2014 (Boca 0 x 1 River) Jogo de volta pela Semifinal da Copa Sul-Americana 2014 no estádio Monumental Núñez
Livro sobre o Superclásico
  • Duelo de Guapos de Diego Fucks (2005)

Títulos[editar | editar código-fonte]

Listagem de títulos conquistados por C.A. Boca Juniors e C.A. River Plate nas competições, nacionais e internacionais, comuns aos dois clubes ao longo da história.

Competições Internacionais CA Boca Juniors CA River Plate
Copa Intercontinental 3 1
Copa Libertadores da América 6 2
Copa Sul-Americana 2 1
Supercopa dos Campeões da Libertadores 1 1
Copa Ouro 1 0
Copa Master 1 0
Copa Interamericana 0 1
Recopa Sul-Americana 4 0
Competições Nacionais CA Boca Juniors CA River Plate
Campeonatos nacionais da Argentina 30 36
Copa Argentina 10 6
TOTAL Geral 58 48

Notas[editar | editar código-fonte]

  • O River Plate possui os apelidos de Los Millionarios e Las Gallinas, enquanto que o Boca Juniors possui os apelidos de Bosteros e Xeneizes.
  • O Boca Juniors foi fundado em 1905, enquanto o River Plate foi fundado em 1901.
  • As maiores goleadas deste clássico até 2005, foram de 5 a 1, sendo a favor do River em seu estádio Monumental de Nuñes em 1941 e a favor do Boca em seu estádio de La Bombonera em 1959 e em pleno Monumental, em 1982.
  • Bem longe dos maiores artilheiros deste clássico do futebol argentino,dois grandes ídolos recentes destes clubes, Diego Maradona pelo Boca e Enzo Francescoli, pelo River, fizeram cinco gols cada um.
  • Outro ícone do futebol argentino e mundial, ídolo como jogador do River e do Real Madrid, Alfredo Di Stéfano, foi o único treinador que foi campeão argentino nos dois clubes, pelo Boca em 1969 e pelo River em 1981.
  • Final do Nacional 1976: Boca 1 a 0 River, col gol de Suñé.
  • Ambos estiveram relacionados a uma grande rivalidade brasileira na Copa Libertadores: contra o Palmeiras, o Boca venceu a final de 2000 e a semifinal da de 2001 - ambas as partidas de volta, para a dor dos palmeirenses, foi no Parque Antártica, as duas vezes nos pênaltis. Contra o River Plate, o Palmeiras tem bom retrospecto, tendo eliminado "Los Millonarios" nas semi-finais da Libertadores de 1999. Já o River eliminou o Corinthians nas oitavas de final de 2003 e 2006, também na casa do adversário: nas duas ocasiões, o jogo de volta foi no Pacaembu, e os corintianos foram derrotados nas duas vezes tanto na Argentina quanto no Brasil. Por sua vez, o Boca Juniors foi derrotado pelo Corinthians na grande final da Copa Libertadores da América de 2012, quando a equipe do Parque São Jorge conquistou o título. Outro clube brasileiro que também tem histórico em confrontos decisivos contra as duas maiores equipes do futebol Argentino, é o Vasco da Gama. O retrospecto contra o Boca, não traz boas recordações aos vascaínos. Em uma partida valendo vaga nas semi-finais da Libertadores de 2001, o Boca eliminou o Vasco vencendo as duas partidas, sendo que os "cruz-maltinos" estavam invictos na competição e eram recordistas de vitórias consecutiva vencendo todas as partidas até a fase de quartas-de-finais. O Boca chegou até as finais e foi campeão. Já contra o River, os vascaínos foram mais felizes, levando vantagem em confrontos decisivos. O primeiro, no Campeonato Sul-Americano de Campeões de 1948, o torneio precursor da Libertadores que contava com 7 equipes que conquistaram os títulos nacionais em seus países e de igual valor ao principal torneio hoje disputado. O Vasco jogava pelo empate para a conquista do título em pontos corridos. O River precisava da vitória e a partida terminou em 0x0 e o Vasco da Gama, sagrou-se Campeão Sul-Americano de Clubes, o primeiro campeão Sul-Americano oficial até então e de forma invicta. Em 1997, foi a vez do River Plate. A competição era a Supercopa dos Campeões da Libertadores e os vascaínos precisava de uma vitória simples em São Januário para eliminar o rival ainda na fase de grupos do torneio onde classificava apenas um para para próxima fase e era a última rodada, e o River venceu por 2x0 deixando os milhares de vascaínos em seu estádio frustrados. Naquela oportunidade o River Plate foi as finais e foi campeão do torneio. Em 1998 veio a revanche vascaína. O Gigante da Colina, venceu a primeira partida das semi-finais da Libertadores por 1x0 em casa quebrando a invencibilidade do River na competição e arrancou um empate em 1x1 na segunda partida calando os milhares de torcedores do River em pleno estádio Monumental, conquistando a classificação para final da competição ao qual sagraria-se campeão daquele ano. Em 2000, outra semi-final, agora pela Copa Mercosul, novamente triunfo dos "cruz-maltinos", vencendo as duas partidas, a primeira por 1x0 em São Januário e a segunda impondo uma goleada em plena casa do River, 4x1 para o Vasco da Gama, comandado por Romário, Euller, Pedrinho e Juninho classificando novamente para outra final continental e também conquistando mais um título para os vascaínos, sendo assim, desde então, em confrontos decisivos internácionais, o Vasco leva vantagem por 3x1 contra o River.
  • Reinaldo Merlo, do River Plate, é o futebolista que mais vezes disputou o Superclasico: 42 jogos entre 1969 e 1984.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]