Guerra Russo-Japonesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Guerra Russo-Japonesa
Battlefields in the Russo Japanese War.jpg
Teatro da Guerra Russo-Japonesa.
Data 1904-1905
Local Manchúria, Mar Amarelo
Desfecho Vitória japonesa; Tratado de Portsmouth
Combatentes
Rússia Império Russo Japão Império do Japão
Principais líderes
Rússia Czar Nicolau II
Rússia Aleksey Kuropatkin
Naval Ensign of Russia.svg Stepan Makarov
Naval Ensign of Russia.svg Zinovy Rozhestvensky
Japão Imperador Meiji
Japão Oyama Iwao
Naval Ensign of Japan.svg Heihachiro Togo
Forças
500 000 soldados 300 000 soldados
Vítimas
40 000-70 000 mortos 47 000 mortos

Guerra Russo-Japonesa (em japonês 日露戦争, transl. Nichi-Ro Sensō, em russo Ру́сско-япо́нская война́, transl. Rúska-Yapónskaya Vainá) foi uma guerra entre o Império do Japão e o Império Russo que disputavam em 1904 e 1905 os territórios da Coreia e da Manchúria. A guerra ocorreu no nordeste asiático, agravou-se, e o regime político do czar Nicolau II da Rússia foi abalado por uma série de revoltas internas em 1905, envolvendo operários, camponeses, marinheiros (como a revolta no couraçado Potemkin) e soldados do exército. Greves e protestos contra o regime absolutista do czar explodiram em diversas regiões da Rússia. Os líderes socialistas procuraram organizar os trabalhadores em conselhos (os sovietes), nos quais se debatiam as decisões políticas a serem tomadas. O Japão era um país de tradições militares, apesar de enfrentar severas crises econômicas. Com navios menores, mas com grande mobilidade e poder de fogo muito superior aos pesados e antigos navios russos, a Marinha japonesa impôs uma derrota humilhante ao inimigo. Esta guerra marcou o reconhecimento do Japão como potência imperialista, pelas diversas nações da Europa, enquanto a derrota russa, por sua vez, patenteou a fraqueza do regime czarista e iniciou a sua queda, concretizada na Revolução de 1917. A guerra também foi conhecida como a "primeira maior guerra do século XX".[1]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após a Restauração Meiji o Japão iniciou um programa de desenvolvimento industrial e militar para que não caísse no Imperialismo europeu na Ásia. Para abastecer suas fábricas com escassa matéria-prima nacional, o Japão foi o primeiro país asiático à se transformar numa super-potência. Entre 1894-1895, Japão e China lutavam na Primeira Guerra Sino-japonesa, as forças japoneses derrotam os chineses que eram mais numerosos e levou a anexação da Coreia e de Taiwan pelo Japão no Tratado de Shimonoseki. O Império Russo tinha interesses na Manchúria e na Península de Liaodong que também havia sido anexada pelos japoneses.

A Rússia convence a Alemanha e a França à intervirem contra o crescente poder japonês através da Intervenção Tripla, os japoneses tiveram que ceder Liaodong para os russos trazendo grande insatisfação aos japoneses.

Port Arthur[editar | editar código-fonte]

Sevastopol, Poltava e Petropavlovsk ancorados em Port Arthur.

Em dezembro de 1897, uma frota russa ancorou em Port Arthur e três meses depois em 1898, a China arrendou Port Arthur para os russos que precisavam de uma base naval no Extremo Oriente, pois a atual base de Vladivostok ficava paralisada de novembro à março, durante o inverno, por causa do gelo, impedindo a navegação mercante e de guerra, já Port Arthur tinha águas quentes e seu porto funcionava o ano todo, era perfeito para os russos criarem a sua base naval, pois além de ancorar a Frota do Pacífico (Rússia) poderia receber e enviar seus produtos após passarem pelas ferrovias que estavam sendo construídas na Manchúria. Os russos também iniciaram, sobre a autorização chinesa, a exploração de madeira e minérios perto dos rios Yalu e Tumen na Coreia.

Rebelião dos Boxers (1899 - 1901)[editar | editar código-fonte]

Os chineses estavam furiosos com o governo chinês por ter dado a Coreia e Taiwan aos japoneses, e Port Arthur, aos russos que também puderam construir ferrovias na Manchúria. O povo se revoltou contra o imperialismo europeu e tentou expulsá-los, os oito países que tinham posses na China, incluindo Rússia e Japão, enviaram tropas para reprimir a rebelião. A Rússia ocupou definitivamente a Manchúria para proteger suas ferrovias do ataque chinês e os japoneses aprenderam as táticas e estratégias europeias que puderam copiar e repassar para os soldados e marinheiros.

Guerra[editar | editar código-fonte]

O Japão continuava insatisfeito pelo avanço russo no Extremo Oriente e decidiu que somente uma guerra poderia assegurar a Coreia e ainda conquistar Port Arthur. Em 8 de fevereiro de 1904, a Marinha Imperial Japonesa lança um ataque surpresa à frota russa ancorada em Port Arthur. Três horas depois, em São Petersburgo, o Czar Nicolau II recebe a notícia do ataque japonês, ele ficou atordoado, pois de acordo com os seus ministros, o Japão nunca atacaria uma potência europeia que tinha quase o dobro de soldados e a sexta marinha de guerra mais poderosa do mundo. O ataque sem declaração formal de guerra foi utilizado como desculpa pelos japoneses como a invasão da Finlândia em 1809, pelos russos. O Principado de Montenegro também entrou na guerra como forma de gratidão pela ajuda russa para libertá-lo do domínio turco.

Batalha de Port Arthur[editar | editar código-fonte]

A Marinha Japonesa, comandada pelo Almirante Togo Heihachiro, atacou os navios russos em Port Arthur, os dois maiores navios de guerra do Extremo Oriente russo, o Tsesarevich e o Retvizan e o cruzador Pallada ficam levemente danificados. Os russos conseguiram defender-se graças às baterias que afastaram os japoneses. O Almirante Stepan Osipovich Makarov decidiu navegar para o mar aberto.

Batalha do Rio Yalu[editar | editar código-fonte]

Batalha do Rio Yalu.

O Exército Japonês iniciou ofensivas na Manchúria, enquanto o Exército Imperial Russo utilizou táticas defensivas para tentar atrasar o avanço japonês enquanto os reforços russos ainda estavam sendo transportados pela ferrovia Transiberiana que ainda não havia sido terminada chegando até Irkutsk perto do Lago Baikal. Em 1 de maio de 1904, as tropas japonesas atravessaram o rio Yalu e atacaram as posições russas, os russos acreditavam que seria uma guerra fácil e rápida com uma grande vitória russa, mas após a Batalha do Rio Yalu os japoneses derrotam os russos que recuam para Port Arthur.

Bloqueio e cerco de Port Arthur[editar | editar código-fonte]

Bombardeio em Port Arthur.

Entre 13 e 14 de fevereiro, a Marinha Japonesa iniciou o bloqueio de Port Arthur lançado blocos de cimento, mas os blocos afundaram ao ponto de não puderem afundar os navios russos. Em 13 de abril, o navio-capitânea Petropavlovsk junto com o Pobeda foram atingidos por minas japonesas quando tentaram ir para o mar aberto, o Petropavlovsk afundou imediatamente, matando o Almirante Makarov, o mais experiente almirante russo naquele período.

Entre 3 e 4 de maio, uma nova tentativa japonesa de bloqueio também falhou. Em 15 de maio, os russos lançaram minas que atingiram dois navios japoneses, o Yashima e o Hatsuse. Em 23 de junho, uma nova tentativa russa de fugir do bloqueio sob o comando do Almirante Wilgelm Vitgeft também fracassou.

Encouraçado Retvizan

Em 10 de agosto, novamente os russos tentaram furar o bloqueio e ir para Vladivostok, os russos e japoneses se enfrentaram, o Almirante Togo derrota os russos e um tiro japonês atinge a ponte de comando do Tsesarevich matando o Almirante Vitgeft, o Retvizan lança-se sobre os japoneses para proteger o Tsesarevich recebendo assim vários tiros, o seu capitão Eduard Schensnovich e outros 42 marinheiros ficam feridos e o Tsesarevich consegue fugir para Tsingtao, o Retvizan consegue retornar para Port Arthur, enquanto isso o Exército Japonês iniciou vários ataques no alto das colinas fortificadas, depois de milhares de mortes, os japoneses conseguem com a ajuda de várias baterias de obuses Krupp conquistar as colinas e sua artilharia bombardeia os navios russos, quatro navios de guerra e dois cruzadores russos são afundados, semanas mais tarde, o quinto navio de guerra é obrigado à afundar, todos os navios da Frota do Pacífico são afundados pela primeira vez por uma artilharia, inclusive o já danificado Retvizan.

Restos da frota russa afundada em Port Arthur, 1905.

Após a Batalha de Liaoyang, os russos recuaram para Mukden acabando com a tentativa de aliviar Port Arthur, o Major General Anatoly Stessel acreditou que não haveria chances sem os reforços e com os navios afundados, ele então se rendeu em 2 de janeiro de 1905, sem se reunir com os outros militares nem avisar ao Czar, por isso Stessel foi julgado por uma corte marcial em 1908 e condenado à morte, mas foi perdoado pouco depois.

Frota do Báltico[editar | editar código-fonte]

Almirante Rozhestvensky

Após a destruição da Frota do Pacífico, os russos decidiram enviar a sua Frota do Báltico sob o comando do Almirante Zinovy Rozhestvensky para enfrentar os japoneses, dentre os navios da Frota, havia os da Classe Borodino eram os navios mais modernos que haviam sido adquiridos há pouco tempo. Durante a viagem, os russos atacaram navios pesqueiros ingleses acreditando que eram japoneses, apesar da Inglaterra estar oficialmente neutra, ela fornecia ajuda aos japoneses conseguindo intercetar mensagens russas e entregá-las aos japoneses, os ingleses fecharam o Canal de Suez obrigando os russos à contornarem a África, atravessando o Cabo da Boa Esperança, quando chegaram em Madagáscar, souberam da Queda de Port Arthur.

Batalha de Sandepu[editar | editar código-fonte]

O Segundo Exército Russo comandado pelo General Oskar Grippenberg lançou uma ofensiva de 25 à 29 de janeiro de 1905, o flanco esquerdo japonês quase se rompeu, mas devido à falta de apoio das outras unidades russas, o General Grippenberg teve que recuar por ordens do General Aleksey Kuropatkin fazendo a batalha inconclusiva.

Batalha de Mukden[editar | editar código-fonte]

Exército russo em retirada após a Batalha de Mukden.

Em 20 de fevereiro de 1905, iniciou a Batalha de Mukden, os japoneses atacaram o flanco direito russo na cidade chinesa de Mukden. Com uma força de quase meio milhão de soldados e ambos os lados bem entrincheirados apoiados por centenas de peças de artilharia. Após alguns dias, os japoneses pressionam os flancos, quando os russos perceberam que estavam sendo cercados decidem se retirarem. 90.000 russos foram perdidos em Mukden, apesar dessa grande derrota russa, a vitória só viria no final de maio de 1905, graças à marinha.

Batalha de Tsushima[editar | editar código-fonte]

Nau-capitânia Knyaz Suvorov foi bombardeado e teve sua ponte de comando destruída e seu Almirante Rozhestvensky gravemente ferido. Foi afundado por 14 torpedos japoneses, restando apenas 20 sobreviventes.
Almirante Togo na ponte de comando do Mikasa.

A Frota do Báltico, após navegar 33000 km, chegou ao Extremo Oriente, o Almirante Rozhestvensky decidiu passar pelo estreito de Tsushima por ser o local mais perto de Vladivostok, mas também o mais perigoso. O Almirante Togo já sabia do percurso russo após receber mensagens dum navio mercante japonês que avistou as luzes dos dois navios-hospitais russos à noite, pois os russos preferiam seguir as regras da guerra que proibia desligar as luzes de navios-hospitais para a segurança dos navios. Togo posicionou seus navios no estreito de Tsushima, após reparar alguns danificados, inclusive o seu navio, o Mikasa. Durante a travessia do estreito, os russos foram surpreendidos pela frota japonesa que atacou os russos em 27 de maio, apesar dos navios russos serem maiores e com canhões de diversos calibres eles estavam em péssimo estado de conservação depois de navegar milhares de quilômetros e os marinheiros russos estavam exaustos, os japoneses afundam importantes navios como o Encouraçado Borodino que ao ser atingido em uma de suas baterias iniciou uma série de explosões internas que abriram um buraco no casco resultando em seu naufrágio, apenas 1 marinheiro sobreviveu. O Imperador Alexandre III foi bombardeado causando graves incêndios e inundações que o fizeram virar matando todos os marinheiros. O Knyaz Suvorov foi atingido e Rozhestvensky ficou gravemente ferido, à noite o Contra-almirante Nikolai Nebogatov assumiu o comando da frota. À noite, os japoneses lançaram torpedos contra os russos que se dispersavam. No dia seguinte, os seis navios restantes se renderam sob as ordens de Nebogatov.

Tratado de Portsmouth[editar | editar código-fonte]

Assinatura do Tratado de Portsmouth

Com a destruição das Frotas do Pacífico e do Báltico e com o Exército Imperial Russo em retirada na Manchúria, o governo encontrou dificuldades para enviar reforços enquanto a economia estava arruinada, a guerra havia se tornado impopular. Então o Czar aceitou a rendição pelo Tratado de Portsmouth depois do Domingo Sangrento. A delegação russa foi comandada por Serguei Witte e a japonesa pelo Barão Komura em 5 de setembro de 1905, os russos e japoneses assinaram os termos de paz. A Rússia reconheceu a soberania japonesa sobre a Coreia, teve que abandonar a Manchúria, teve que ceder Port Arthur, a península de Liaodong e metade da ilha Sacalina para o Japão.

Consequências[editar | editar código-fonte]

O Império Russo ficou desprestigiado com a derrota e o Japão foi reconhecido como uma nova super-potência. A Rússia teve que se rearmar gastando grande parte de seu dinheiro e teve que pedir dois empréstimos franceses, o primeiro de 800 milhões de francos e o segundo de 600 milhões de francos, além disso também pediu um empréstimo alemão de 500 milhões de marcos após a destruição das duas frotas, restando apenas a Frota do Mar Negro. Os marinheiros do encouraçado Potemkin se revoltaram enquanto ocorria a Revolução Russa de 1905. A Rússia Czarista entrou em decadência, o povo perdeu a confiança no Czar enquanto o regime entrou em colapso completamente durante a Primeira Guerra Mundial. O Japão ainda assim, não ficou satisfeito com os ganhos desejando mais terras e recursos que culminaria na invasão japonesa na Manchúria em 1931.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Olender p. 233

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Olender, Piotr. Russo-Japanese Naval War 1904-1905, Vol. 2, Battle of Tsushima. Sandomierz, Poland: Stratus s.c., 2010. ISBN 978-83-61421-02-3
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Guerra Russo-Japonesa
Ícone de esboço Este artigo sobre História do Japão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.